História Gatinhos trarão a paz mundial - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Personagens Originais
Tags Bts, Especialyunnieswt, Fluffy, Gatinho, Suga, Taegi, Taehyung, Vizinhos!au, Yoongi, Yunnieswt
Visualizações 73
Palavras 1.879
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Fluffy, LGBT, Shonen-Ai, Slash, Violência
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Esta fanfic é mais uma do especial de 300 seguidores - que estou fazendo antes mesmo de chegar aos 300 por ser maluca mesmo.
Espero que tenham uma boa leitura, xuxu!

Capítulo 1 - Único


 

Era dia de mudança e Yoongi não poderia estar mais irritado. Caixas estavam espalhadas por sua casa e seus mais novos vizinhos decidiram dar uma festa um tanto quanto... barulhenta.

O acastanhado até colocou seus fones na tentativa de ignorar a música alta e apenas organizar sua decoração, mas estava impossível não sentir seus ouvidos doerem com aquele som que parecia cada vez mais invadir seu domicílio.  Suspirou pesado, largando seus fones no sofá, e indo até a cozinha beber um pouco d’água. O jovem não havia notado, mas não fechou a porta; o resultado foi uma pequena fresta, mas a mesma era grande o suficiente para a passagem de um... gatinho? Era um ser de pelos brancos e patas minúsculas, invadindo a moradia alheia, atraído por uma caixa de papelão. O que o pobre animal poderia fazer diante de tanta tentação? O objeto parecia chamá-lo para uma divertida brincadeira. E em um salto sorrateiro, o pequeno ser tomou conta da caixa, e por lá passou uns minutos em silêncio apenas se acostumando com seu mais novo lugar favorito. Um barulho ecoou pelo cômodo parcialmente vazio; o volume da música — que já não era baixo — aumentou e o Min jogou um copo de vidro no chão, o que fez o filhotinho se encolher.

Aquele era o limite do garoto. Seu plano inicial de não causar problemas na vizinhança em seu primeiro dia ali foi pelos ares; ele tinha ao menos o direito de tirar alguma satisfação com o vizinho que ele mal conhecia e já odiava.

Sua mão alcançou a maçaneta da porta e a luz do Sol parecia brilhar mais que o normal — o que para o Min, era mais um motivo para se irritar. Teria o universo se virado contra o garoto de pele pálida? Encontrou um garoto alto atravessando a rua em direção oposta a qual Yoongi seguia, mas nem deu atenção para o que o de cabelos claros fazia.

Acompanhou o barulho que o estressou por horas e logo deu de cara com uma festa lotada. A porta da casa estava aberta e mesmo que não fosse para si, ele entrou na residência.  Ignorou toda a educação que recebera de seus pais e gritou, atraindo a atenção dos presentes ali:

— Quem é o responsável por esta algazarra?!

— Meu irmão. — Um garoto surgiu em meio às pessoas. — Prazer, Kim Taeyong. — Sorriu ladino.

— Ele está?

— Deve ter saído. — Colocou as mãos nos bolsos da calça, dando de ombros.

— Então falarei com você mesmo. Será que poderia abaixar o volume da música? — falou, tentando pronunciar as palavras com calma.

— Não — proferiu sem interesse. — O dono da festa e da casa é o meu irmão. Fale com ele. — O Min estava prestes a ter um ataque.

— E como seria possível eu encontrar alguém que mal sei como é? — disse calmamente. Seus olhos se reviraram instantaneamente.

— Ele é parecido comigo. Agora se nos der licença, temos uma festa acontecendo e você não foi convidado. — Balançou a cabeça em direção à porta, indicando que o Min deveria se retirar do local.

E assim o garoto fez; atravessou aquela porta mais uma vez, agora mais irritado e com uma forte frustração por ter se dado o trabalho de sair de casa e ainda assim não ter resolvido nada, apenas aumentado seus motivos para uma forte dor de cabeça — que provavelmente o acompanharia até o fim do dia.

Ao se aproximar de casa, notou que o garoto antes visto estava com cara enfiada em uma moita e parecia buscar algo. Em outro momento o Min até ajudaria ele, mas estava muito irritado para fazê-lo de bom grado; ignorou o loiro e voltou à sua residência.

Já havia desistido de ter um resto de dia tranquilo e apenas aceitou a barulheira na casa em frente à sua, sentando-se no chão — já que o sofá estava abarrotado de caixas, não dando espaço para Yoongi. Estava largado no chão e logo escutou alguns barulhos de caixas se mexendo.

— Ah, deve ser o vento. — Pensou, nem se dando ao trabalho de abrir os olhos.

Em seguida, logo após seu pensamento, o jovem sentiu algo quentinho e fofo se deitar sobre seu colo. Levou um susto, arregalando os olhos e se deparando com uma criatura adorável e branquinha.

— O que faz aqui, seu danado? — falou acariciando o bichano, vendo o pequenino fechar os olhinhos, aproveitando o carinho recebido pelo desconhecido. — Você tem dono? Yoongi, para de falar como se fosse possível ter um diálogo com ele — falou para si mesmo. — Gatinho, irei pegar um pouco de leite para você, huh? Fique aqui, logo estarei de volta. — O acastanhado rumou à cozinha, deixando o animalzinho se divertindo com sua grande amiga caixa.

Taehyung, o garoto loiro que o Min havia visto mais cedo, era dono do gatinho e estava a ponto de enlouquecer após tantos minutos de procura sem obter resultado; um sorriso largo tomou conta do rosto do garoto, ao enxergar, através de uma fresta, um rabinho branquinho se mexendo. A alegria era tanta, que o Kim foi em direção ao seu animalzinho e nem parou para dar atenção a um fato importantíssimo: a casa não era sua.

Fez um rápido carinho no bichano, e ao notar alguns passos se aproximando, tentou sair dali rápido; para seu contragosto, o felino estava adorando brincar dentro do cubo de papelão e saiu correndo pela casa, sendo assim, seguido por seu dono. Taehyung tentava ao máximo se esconder e pegar o filhote ao mesmo tempo — por mais que fosse óbvio que seu plano daria errado.

Com as costas curvadas e olhos acompanhando qualquer movimento no chão, o Kim se chocou contra o peito do proprietário do local. Fechou os olhos e cerrou os dentes, sussurrando um “droga!”. Levantou o olhar receoso; rezava para que seu novo vizinho não fosse um maromba.

— Com licença, errou seu endereço? — questionou, enquanto o mais alto levantava a cabeça.

— Meus pedidos foram atendidos! — Sorriu alegremente. Para sua sorte, seu vizinho não passava de um cara baixinho e magro. Após uma segunda olhada, notou que agora ele era um baixinho, magro e bravo.

— Kim Taehyung? — indagou com uma sobrancelha erguida e um sorriso debochado nos lábios. Assim que encarou a face do jovem, Taeyong lhe veio à mente.

— Como sabe meu nome? — Semicerrou os olhos. — Você é algum tipo de stalker? — Abraçou a si mesmo, preocupado.

— Eu não posso te denunciar pelo barulho ensurdecedor, já que ainda é permitida música alta neste horário, mas tenho certeza que a qualquer horário invasão de propriedade é crime.

— Invasão de propriedade?! — perguntou desacreditado. — Só estou na sua casa para encontrar meu gatinho.

— Eu te convidei para entrar aqui? Não, invasão de propriedade! — proferiu irritado.

— Que culpa tenho de você ser um completo idiota ao ponto de deixar a porta aberta? — O Kim tentava não perder a paciência, o que, claramente, não estava dando certo.

— Você está mesmo me chamando de idiota dentro da minha própria casa?!

— Podemos ir para o jardim se quiser. — Se aproximou do garoto. Como forma de provocação, Yoongi deu mais um passo, mantendo a distância cada vez menor entre os rostos avermelhados pela fúria.

— Não cansa de debochar? — Agarrou o colarinho da camisa alheia, trazendo o Kim para mais perto de si. Se não fosse possível notar a raiva vinda de ambos, quem visse pensaria que estavam prestes a se beijarem.

— Eu não debocho correndo. — Brincou, o que por alguns segundos diminuiu a tensão presente naquela sala.

— Vamos resolver o problema na polícia antes que eu acabe socando esse seu rostinho bonito. — Agarrou o pulso do garoto, o puxando em direção à saída.

— Você acabou de dizer que eu sou bonito? — Riu abafado, sabendo que sua fala havia provocado Yoongi. O último citado travou os passos, apenas agora se dando conta de que elogiou seu inimigo.

— Ora, não me faça perder a paciência. — Girou o calcanhar, encarando seu vizinho novamente.

A raiva estava novamente instaurada no ar que circulava ali, mas para a infelicidade do Min — que naquele momento queria apenas atacar o loiro —, o gatinho estava de volta naquele cômodo, pronto para separar a briga entre seu dono e o dono da sua amiga — popularmente chamada como “caixa de papelão”. Bastou um ronronado e o contato dos pelos macios do bichano com a pele desnuda das pernas de Yoongi que uma calma percorreu o corpo do jovem. Ele amava gatinhos.

— Agora não. Eu preciso estrangular seu dono. — Tentou ignorar o ser pequenino que caminhava entre suas pernas, implorando por atenção.

— Brigamos mais tarde. Nunca podemos dizer não quando um animalzinho pede carinho. — Se sentou no chão, vendo Yoongi lhe encarar com uma cara estranha. — Sente-se! — Ordenou, deixando o dono da casa surpreso com sua atitude.

E a sessão de fofura começou, com direito a carinhos direcionados ao felino e sorrisos bobos escapando de ambos garotos. O gatinho aproveitava o amor que recebia, espalhando seu pelo branquinho sobre as roupas dos garotos e com sua barriguinha virada para cima.

A mão do mais baixo acabou alcançando a de Taehyung, em um ato inocente e sem segundas intenções. Ele apenas queria se apoiar melhor no chão, mas para a sorte que eles ainda não sabiam que tinham, a destra do Kim acabou ficando por baixo do palmo de seu vizinho. O filhote pulou do colo de seu dono, deitando-se sobre as mãos unidas antes mesmo que os garotos pudessem ter alguma reação e separá-las. O pequenino fechou seus olhinhos, adormecendo e impedindo que o tirassem dali. Acordar um animalzinho de seu sono seria muita crueldade.

 

[...]

 

— Tchau, Yoongi. — Se despediu em um aceno.

— Mais tarde você pode vir aqui? Sabe, ainda não terminamos de brigar. — Riu soprado.

— Claro, claro. — Balançou a cabeça negativamente e rindo pelas palavras do garoto. — Até mais tarde, então. — Tentou beijar a bochecha do Min, mas acabou alcançando o canto dos lábios rosados do garoto.

Seu rosto, que mais cedo estava vermelho de raiva, agora carregava o mesmo tom por outro motivo: timidez. Antes que pudesse se desculpar pelo seu ato, Yoongi deu um rápido selar no loiro, fazendo uma crise de soluços vir do dono do bichano. Em respeito ao momento vergonhoso pelo qual o mais alto passava, o acastanhado apenas segurou uma risada com todas suas forças.

— Até mais tarde, então — proferiu, logo juntando seus próprios lábios, impedindo que um riso escapasse por ali.

— Até. — Soluçou. Oh céus, com tantas reações fofas para se ter após ser beijado pelo Min, Kim Taehyung tinha logo que ter uma crise de soluções causada pela timidez?

— Tive uma ideia. — Aproximou sua boca da de seu vizinho, achando assim, uma solução para o fim do problema do Kim e para que não precisasse mais segurar suas risadas. Um beijo tranquilo se iniciou e o gatinho de Taehyung pulou dos braços de seu dono, permitindo uma proximidade maior entre os jovens.

Aos poucos os soluços do loiro cessavam; enfim, o plano de Yoongi havia dado certo. O felino encarava a cena com seus olhinhos curiosos e cabeça curvada para o lado, tentando entender o que aqueles humanos faziam. O pequeno e inocente ser não fazia ideia de que, além do fim de uma briga, trouxe também um sentimento bom que faria seu dono sorrir como um bobo por bons anos.

Gatinhos trarão a paz mundial!

 


Notas Finais


Enredo & plot: @yunnieswt
Betagem: @miyushu
Design: @taegideas; @killerga


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...