História Gêmeas em Ação - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Luna Valente, Matteo, Personagens Originais, Simón
Tags Lutteo, Solmón
Visualizações 39
Palavras 2.082
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Ficção Adolescente, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


🇦🇷¡Hola!🇲🇽

Desculpa, desculpa, desculpa, desculpa pela demora, galera!!! 🙏

E QUEM É QUE CONTINUA VIVO DEPOIS DESSE TRAILER??? PORQUE EU AINDA TÔ NO CHÃO!!! MEU SIMBAR!!! MEU SIMBAR!!! MEU SIMBAR!!!!💖💖💖💖💖
SEGUNDA FEIRA PROMETE, BABY! 😏🔥😍❤

E sem mais delongas, vamos de mais um capítulo!
(Fotinha pra chamar a atenção! 😉)

Capítulo 19 - Finalmente Respostas


Fanfic / Fanfiction Gêmeas em Ação - Capítulo 19 - Finalmente Respostas

*Luna*

Abro os olhos devagar, sem forças pra fazer muita coisa. Do enorme galpão marrom e empoeirado para uma salinha branca e fria. Lágrimas escorrem pelo meu rosto sem que eu pudesse segurar. Eu ainda não acreditava no que tinha acontecido.

Matteo não estava morto! Ele não podia estar morto!

Ao olhar detalhadamente para a salinha branca, percebo que não estou sozinha. Meus amigos, Simon e Sol estão me olhando. Com semblantes horríveis.

- Cadê ele? - É a primeira coisa que digo. - Cadê ele??? - Ninguém responde e eu começo a me desesperar. - CADÊ ELE???

- Luna, se acalma! Você não pode se estressar! - Diz minha irmã, me empurrando de volta na cama. 

- Eu não tenho notícias do Matteo e você quer que eu fique calma??? 

- Você tá gravida, Luna!!! - E essa frase de Sol foi o suficiente pra que eu tentasse me acalmar.

Deito na cama, fecho os lhos e respiro fundo, segurando forte na mão da minha irmã. Mas minhas lágrimas não pararam de cair em nenhum momento.

- Só me diz o que aconteceu com ele. - Peço, dessa vez com mais calma. - Por favor. - Abro os olhos e vejo todos engolirem em seco, até que o mexicano responde. 

- A gente não vai te dar os detalhes porque você tem que ficar calma por causa do seu filho, mas o que você precisa saber é que ele está vivo. 

E solto um suspiro de alivio. Matteo pode estar em coma, ou até mesmo a beira da morte, mas ele tá vivo e é só isso que importa pra mim.

Fico um tempo conversando com eles pra tentar me distrair e então entra um médico, mandando os amigos saírem para ficarem apenas os familiares, ou seja, Sol.

- E então? - Pergunta minha irmã, sentando na poltrona ao meu lado. - Como você tá?

Nem precisei responder. Senti uma forte dor na cabeça e assim que identifiquei um balde ao meu lado, me inclino e vomito dentro. A única coisa que minha irmã faz é rir. 

- Acho que não precisa mais responder, Luninha. - Gargalhamos e nesse momento, a porta se abre.

Imaginei que fosse um médico, mas era apenas um homem. Cujo rosto não me era estranho. Inclusive para Sol.

O homem estava com os olhos lacrimejamendo e com as mãos sobre a boca e pude ver que Sol estava na mesma condição, o que me deixou confusa.

Por conta do soro que estava injetado no meu braço, não conseguia ver tudo com clareza, mas quando Sol correu pro abraço dele, consegui entender.

- Pai!!! - A castanha clara diz em meio ao abraço deles e sinto minhas lágrimas caírem de novo.

 Esse homem é o homem dos meus sonhos. O homem da foto. Bernie. Meu pai.


*Sol*

- Pai!!! - Sinto algo molhado em meu cabelo e percebo que ele está chorando. Ele beija minha testa e isso só me faz chorar ainda mais.

- Minha lua! Finalmente! Finalmente! - Quando percebo que até ele nos confundia, fico um pouco triste. Mas ainda assim, continuamos abraçados e chorando. 

-Porque pai? Porque você e a mamãe abandonaram a gente? Porque? - Pergunto e finalmente olho em seus olhos esverdeados. E pude ver que eles estavam arregalados. - O que aconteceu?

- Você me chamou de pai, querida. - Sorrio e pego em sua mão, a apertando.

- Porque é o que você é. Meu pai. - E sinalizou pra Luna. - Nosso pai. - E assim que vê meu clone, vai até ela e a abraça, mesmo com ela não movimentando muito bem os braços por conta das agulhas. 

- Meu sol! - Ele diz e fico triste novamente, mas só o fato de ele estar aqui, em carne e osso, comigo, é o suficiente pra me deixar feliz. 

Ele se solta do abraço com Luna, que já estava chorando, e se senta na poltrona em que eu estava agora pouco, sinalizando pra eu sentar no canto da cama de Luna.

Que é o que eu faço. 

- Antes de começar a me explicar, quero pedir perdão por termos abandonado vocês, mas não tinhamos muitas escolhas e acreditem quando digo que tentamos fugir disso. - Luna o interrompe, já perguntando.

- O Mariano disse que você era um importante membro do exército da Suíça. É verdade?

- Mariano. Nem consigo acreditar que um dia fomos amigos. - Ele fecha os olhos e balança a cabeça, como se estivesse em uma sessão de nostalgia, mas ela logo cessa e ele abre os olhos, voltando a nos encarar. - Sim. Ele está certo.

- E ele disse que já namorou com a mamãe. - Pergunto, realmente curiosa. - Isso também é verdade? 

- Sim. Antes de me conhecer, ela conheceu ele.

- E porque eles terminaram? Por sua causa? - Pergunto, tentando ligar os pontos.

- Sim. Por minha causa.

 - Então por isso ele matou ela. Porque ela deixou ele pra ficar com você. - Diz Luna, deduzindo, mas nosso pai nega e ela une as sobrancelhas em confusão. - Como assim?

- Ele não matou ela apenas por isso. - Era a minha vez de perguntar.

- E porque mais então?

- Como disse, eu era um importante membro do exército da Suíça e o Mariano, depois da Lily ter deixado ele, se juntou a Máfia do El Maléfico, que agora descobrimos que é a Tâmara. Eu estava do lado dos mocinhos e ele do lado do vilões e por conta disso, eu matei muitos integrantes da Máfia e até familiares de muitos daqueles homens que estavam no galpão tentando matar vocês. E por conta disso, ele quer se vingar de mim.

- E é agora que eu e Sol entramos na historia. - Diz minha irmã, como se já soubesse de toda história, mas a olho com confusão, porque eu ainda estava boiando.

- Como assim?

- Eles queriam matar vocês para que eu sentisse a mesma dor que eles sentiram e por isso eu e Lily fugimos de país em país, mas eles sempre nos encontravam, então pensamos em chamar a atenção deles pra nós e esconder vocês. 

- Então por isso nos abandonaram. - Conclui Luna. - Pra que eles vissem que vocês estavam sem a gente e acabassem desistindo de nos matar. 

- Sim. E funcionou...- Ele diz e faz uma pausa, com o semblante entristecido e uma lágrima solitária descendo de seus olhos. - Eles mataram a Lily e pensaram que eu estava sozinho e assim, esqueceram de vocês.

- Até a Nina chegar na polícia e alertar a Tâmara, que era a mulher do Mariano, que queria se vingar de você e nos matar. - Conclui Luna de novo, mas eu ainda tinha uma coisa sem entender.

- Mas como ela sabia que eu e Luna eramos suas filhas? Logo nós duas dentre tantas outras? 

- Por causa das suas medalhinhas. - E com isso, eu e Luna encaramos nossas medalhinhas e as tocamos. - Elas são peças únicas. Não há nenhuma outra igual a de vocês. E além disso, a medalhinha da lua é feita de prata e a medalhinha do sol é feita de ouro. - Ele faz outra pausa, mas continua. - E por falar nelas, tem outra coisa que vocês não sabem. 

- E o que seria? - Pergunto e ele responde, apontando pra mim.

- Você é a Luna. E você... - Ele aponta pra Luna. - É a Sol. - Eu e Luna nos encaramos, confusas. 

Como assim? Meu nome é Luna? E o da Luna é Sol? Mas porque isso? Porque?

- Porque isso? - Pergunta Luna, ou Sol, antes de mim.

- Porque a Lily queria confundir o Mariano. Ele conhecia vocês muito bem e sabia que você... - Ele aponta pra Luna, ou Sol. - Era a mais explosiva e a mais irritada e que por isso seu nome era Sol. E também sabia que você... - Dessa vez ele aponta pra mim. - Era a mais quieta e mais calma e que por isso seu nome era Luna. Ele sabia disso e ela queria fazer ele perder tempo procurando vocês. 

Eu e minha irmã nos olhamos e unimos nossas mãos. E quando analiso bem seus olhos esverdeados, percebo que ela está me fazendo uma pergunta. Pergunta essa que eu mesma estava me fazendo. 

- Pai. - Assim que ela o chama assim, ele sorri largamente e nós fazemos o mesmo. - Durante toda a minha vida me chamaram de Luna e eu queria que continuasse assim.

- Eu também. Se o senhor não se importar. 

- Não me importo. Depois de tantos anos longe de vocês, eu nem tenho o direito de ser chamado de pai. - Vejo lágrimas caindo de seu rosto e me levanto, colocando a mão em seu ombro e chamando sua atenção. 

- Pai. Nós duas entendemos os seus motivos. E nós duas já o perdoamos. - Ele encara a mim e a Luna com os olhos arregalados de felicidade. 

- Sério, minhas princesas?

- Sim. - Diz Luna. - Nós te perdoamos, papai. - E assim ele se levanta e une nós três em um abraço repleto de saudade e amor. 

Nós três começamos a chorar de novo. Finalmente estou com minha família. Minha irmã Luna e meu pai Bernie. Infelizmente minha mãe não está presente, mas eu sei que ela estaria feliz em nos ver assim. Unidos como uma familia.


*Luna*

Meu pai fazia perguntas a mim e a Sol sobre nossas vidas, assim como nós fazíamos perguntas pra ele. Isso era ótimo pra me distrair um pouco. Meu pai está comigo, vou receber alta amanhã e agora eu estou grávida, mas era o fato de não saber nada sobre Matteo que não me deixava ficar feliz por completo. 

Ele estava vivo e isso me enchia de esperança, mas eu tinha medo de que tudo isso fosse em vão. De que ele não melhorasse e eu acabasse aqui. Sem ele.

Sol e meu pai saem pra dar lugar aos meus amigos e a Ricardo, meu chefinho, que veio pra Cancun terminar de supervisionar a missão e ver como eu estava. Conversamos e depois eles saem, entrando uma enfermeira e tirando o meu soro, me levando pro banheiro. 

Tomo um banho, vomito de novo e volto pra cama, pra mais uma sessão de soro e pra hora do jantar. E sentados nas poltronas estavam Sol e meu pai. 

- Como está? - Pergunta meu pai e eu sorrio em resposta.

- Estou bem. - E é nessa hora que Simon entra no quarto, agitado.

- Sol! Nos encontramos! - E assim que me vê, ele arregala os olhos castanhos e leva a mão a boca. - Eu pensei que ela ainda estava no banheiro. Desculpa, pessoal. - Olho pro moreno com as sobrancelhas unidas em confusão. 

- Mas o que aconteceu? O que foi que vocês encontraram? - Eles se entreolham, engolindo em seco. E é aí que percebo. Tem algo a ver com Matteo. - O que aconteceu com ele? Me falem!

- Tudo bem! Eu vou falar! - Diz Sol, se levantando e sentando ao meu lado. Tiro os olhos da sopa que estava no prato a minha frente e foco nela. - Primeiro, quero que fique calma por causa do seu filho.

- Vou tentar. - Confesso. Não vou prometer algo que não vou cumprir. - Agora fala.

- OK. - Ela pega minha mão e a aperta. - O Matteo perdeu muito sangue e por isso precisava de uma doação urgente antes que... - As lágrimas já caíam antes que ela continuasse. - Durante todo esse dia nos procuramos por alguém que tivesse o sangue compatível e que pudesse doar, mas não tínhamos encontrado... - E assim, olha pra Simon. - Até agora. - E assim, eu olho pra Simon.

- Encontraram? 

- Sim. - Ele responde com um sorriso. - Ela está tirando o sangue agora mesmo. - Pergunto de novo.

- E vocês sabem quem é?

- Sim. E vocês não vão acreditar quem é. - Eu e Sol nos olhamos e depois olhamos pra ele de novo. - A Nina. - E sim. Eu não tinha acreditado.

- O QUÊ???

- Exatamente, Luna. Ela ainda se sentia culpada por ter sido uma agente dupla esse tempo todo e pra se redimir, ela quis doar sangue pro Matteo.

Mais lágrimas caem, dessa vez de emoção. A Nina gosta da gente de verdade e se arrependeu do que fez. Queria que ela estivesse aqui pra agradecer pessoalmente.

E agora sim eu estou feliz. Tenho minha irmã e agora meu pai, vou receber alta amanhã, estou grávida e Matteo está vivo. 

Não preciso de mais nada.


Notas Finais


¡Listo!

Quase, né Matteo? Quase... 😁
Luna, Sol e Bernie juntos. Agora sim! 👪

Gostaram ou odiaram? Lembrem-se: comentários são sempre bem-vindos! Esse foi o penúltimo capítulo e o próximo já é o último. 😉

Bye! Nos vemos! 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...