História Gêmeos em ação - Capítulo 31


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hashirama Senju, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Izumi Uchiha, Kakashi Hatake, Kankuro, Mebuki Haruno, Mikoto Uchiha, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Suigetsu Hozuki, Temari, Tsunade Senju
Tags Sasusaku
Visualizações 356
Palavras 3.623
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Demorei eu sei... estava sem tempo.

Mas aí está o cap completo e bem grande.

Espero que gostem pq tive que ler e reler pra ter ideias.

Capítulo 31 - Eu prometo


Capitulo 31 - eu prometo

 

 

 

 

Pov’s Sasuke Uchiha 

 

 

 

Sakura estava demorando muito pra voltar então resolvi ir atrás dela.

 

— Eu já volto - me levanto.

— Vai aonde filho ? 

— Procurar a sakura.

— Hum - minha mãe estreita os olhos.

 

Saio do salão principal indo para o  segundo andar, a porta do cômodo estava entreaberta.

 

— Sakura ? - abro a porta e passo os olhos pelo quarto.

 

Nada dela, tinha apenas um pano jogado no chão, o pego e tem um cheiro forte era Clorofórmio. Saio do quarto as presas e vou pro Hall de entrada do salão.

 

— Vocês viram a noiva ? - o segurança nega.

 

Saio desesperado procurando sakura pelo salão. Não a achava em nenhum canto.

 

— Ei Sasuke - meu irmão me para - oque tá acontecendo ?

— Viu a sakura ? 

— Não.

— Eu fui procurar ela é achei isso no quarto do vestido - retiro o pano do meu terno.

— Isso é - cheira - boa noite Cinderela ?

— Tipo isso e agora eu não acho ela em nenhum canto dessa porra - falo entredentes.

— Calma, vamos procurar ela se não a gente chama a polícia - tenta me acalmar. 

— Tá.

 

Começamos vasculhar o salão todo e NADA dela. Já estava ficando desesperado e aquele mesmo aperto no peito que eu senti quando ela foi embora estava presente, a agonia estava enorme.

 

— Vou chamar a polícia - fala Itachi já discando.

— Vou avisar a mamãe.

— Ok.

 

 

 

 

Pov’s Sakura Uchiha 

 

 

 

 

Abro os olhos e vejo minhas meus braços amarrados na cadeira minhas pernas também, levanto a cabeça pra tentar olhar aonde estava. Tudo estava escuro a única coisa que eu via era a porta verde na minha frente era de aço oxidado provavelmente, me balanço pra tentar soltar.

 

— Já acordou sakura - a porta se abre.

— Quem é você ? - olho apenas pra figura sem ver o rosto.

— Sou eu sakura - ele acende a luz me dando leve Sequeira.

— Kiba ? - arregalo os olhos - por que fez isso ?

— Simples - ele chega perto - lembra quando eu te falei que você seria apenas minha - se apoia na cadeira ficando cara a cara comigo - estava falando sério.

— Se afasta - peço em lágrimas.

— Já já o jatinho fica pronto e vamos embora desse país - sorri debochado - e o seu casamento será facilmente anulado - puxa minha aliança.

— Não, Kiba por favor não,- minha voz sai fraca - me deixa ir.

— Você é minha flor - sussurra no meu ouvido - e saiba que odiei ouvir aquelas palavras que disse pro uchiha.

— Eram todas verdadeiras e nunca vou dizer ou sentir isso por você - falo com nojo dele.

 

Vejo seus olhos em pura raiva Kiba levanta a mão e me dá um tapa na cara. 

 

— Fiquei quita - Kiba sai do lugar me deixando sozinha.

 

A única coisa que me consolava era os meus bebês se mechando sem parar dentro de mim. 

 

 

 

 

Pov’s Sasuke Uchiha 

 

 

 

 

O delegado que estava na festa foi avisado pelo meu irmão sobre o desaparecimento da Sakura. A festa tinha acabado todos foram interrogados e mandados embora, meus filhos não paravam de pedir pela mãe e isso tava me deixando pior.

 

— Sasuke sabe se alguém teria alguma coisa contra a sakura ou o casamento de vocês ? - pergunta o delegado Sakabu.

 

Na minha mente só passa um ser filho da puta o suficiente pra fazer algo desse gênero.

 

— Sim - o olho sério - Kiba Inuzuka ele é um ex namorado dela, se não me engano foi na época do colégio foi antes dela ficar grávida - relato - faz 8 anos já e ele continuava atrás dela, todo ano o Inuzuka manda um buquê de flores pra ela.

— Sabe a cor ? 

— Roxo ele mandou lá pra firma - viro o copo de whisky.

— O Kiba ajudou ela quando Sakura fugiu pro Japão - Tsunade entra na sala do delegado - prazer Tsunade Senju sou madrinha e tia da sakura.

— Prazer delegado Rasa no Sabaku - ele se levanta estendendo a mão - sente-se.

— Obrigado - ela puxa a cadeira e se senta ao meu lado - olha a sakura teve um relacionamento abusivo e foi por isso que ela terminou, Kiba era possessivo e ficou pior quando minha afilhada rompeu com ele. Ele perseguiu ela por anos e ajudou ela também.

— Ajudou em que ? - Rasa a olha curioso - sakura nunca contou pro meu sobrinho sobre um ex perturbado.

— É tio do Sasori ? 

— Sou sim.

— Então - me intrometo - ela deve ter sido sequestrada por ele.

— Não sabemos ainda pelo jeito ele é bem discreto - esfrega as têmporas - vou mandar uma equipe pra casa dele.

— Ótimo - suspiro aliviado.

— Vá pra casa Sasuke descanse e volte mais tarde - o delegado me aconselha.

— Eu não quero descansar, quero apenas a minha mulher.

— O delegado tem razão Sasuke vai pra casa descansa com os seus filhos - Tsunade passa a mão pelo meu ombro - vá dormir um pouco e cuidar das crianças.

— Ok, mas qualquer coisa é só me ligar - aviso o Sabaku.

— Com certeza - assente.

 

Me levanto e saio da sala do delegado. Abro a porta de casa já tirando a gravata, subo as escadas e vou pro quarto dos meus filhos, minha mãe estava sentada fazendo carinho na Sayuri e Saori.

 

— Mãe - a chamo.

 

Os olhos dela estavam cheios de lágrimas, aparentemente não era só eu que estava sofrendo. 

 

— Eu já vou - sussurrou pra mim.

— Tá - encosto a porta.

 

Vou pro meu quarto retiro a roupa e jogo na sexta de roupa, ligo o chuveiro coloco no gelado. Precisava esfriar a cabeça. Saio com um toalha na cintura e outra enxugando a cabeça, encontro minha mãe sentada na cama com um fato minha e da rosada.

 

— Mãe - suspiro tristemente - vamos achar ela - passo a mão pelos fios negros.

— Eu espero filho - seca as lágrimas - Sayuri e saori choraram até dormir - soluça.

— Eu vou cuidar deles - dou um beijo no topo da cabeça - eu prometo.

— Eu sei que vai - dá um meio sorriso - eu já vou indo - se levanta me entrega a foto - acha ela filho.

— Eu vou mae amanhã sakura estará com a gente  - sorrio de canto.

 

Minha mãe sai do quarto me deixando sozinho. Me troco e deito na cama, a cama vazia apenas o perfume doce dela, faltava o calor do corpo da minha esposa o suor das inúmeras noites de sexo com ela, os fios róseos espalhados no travesseiro. 

 

 

 

 

 

Pov’s Sakura Uchiha 

 

 

 

 

Kiba estava demorando pra voltar e eu precisava comer alguma coisa não fazia ideia de quantas horas tinha se passado. 

 

— Voltei amor - Kiba abre a porta - deu um certo problema com o jatinho, mas já está tudo pronto - retira um canivete do bolso - agora - rasga a corda do meu braço - vamos - corta a outra - temos uma viajem pra fazer.

 

Kiba cortou as da perna e me puxou da cadeira, me louvou arrastada pra fora do “buraco” que estava presa e logo fui vendada.

 

— Pra onde vamos ?

— Pra Inglaterra querida - aperta o no - quero você segura até lá.

— Oque vamos fazer lá Kiba ? - o mesmo amarra minhas mãos para frente do meu corpo.

— Vamos construir a nossa família.

— Eu to grávida - meu peito se aperta em angústia.

— Eu sei e vou assumir eles, sobe o degrau.

 

Ele segurava meu braço me dando impulso pra subir, com muito cuidado eu consigo subir as escadas. Kiba me coloca sentada no banco de couro.

 

— Pode chorar a vontade - retira minha venda - eu não vou te perder de novo sakura - se senta no banco da frente.

— Por que esperou eu casar pra me sequestrar ? 

— Não foi fácil conseguir tudo isso - balança a mão - vocês que se casaram muito rápido - fala com desgosto - agora descanse.

 

Encosto a cabeça no vidro e lágrimas silenciosas escorriam pelo meu rosto. O céu estava estrelado, era pra ser minha lua de mel.

 

 

 

 

Pov’s Sasuke Uchiha 

 

 

 

 

Sinto alguém me cutucar, abro os olhos devagar. 

 

— Papai - Sayuri cafunga - posso dormir aqui ?

— Vem cá filha - dou espaço pra ela.

 

A pequena rosada sobe na cama, a ajeito.

 

— Eu vou trazer a mamãe pra gente tá ? - faço carinho em seus cabelos. 

— Ta papai - ela se aconchega no meu pescoço.

 

A mesma mania da sakura. Logo pego no sono. Sou acordado pelo som estético da porra do meu celular, me curvo sobre o pequeno corpo da minha filha e puxo o celular.

 

 

 

LIGAÇÃO ON:

 

 

_ Alo.

_ Oi Sasuke é o delegado desculpa te acordar, mas achamos a sakura.

_ Que ? Aonde ?

_ Achamos aonde ela foi mantida presa e... 

_ E oque ?

_ Ele levou ela pra outro lugar, pegou um jatinho e foi embora.

_ Meu Deus delegado.

_ Relaxa, entramos no computador dele e fomos afundo, eles foram pra Inglaterra e isso já é alguma coisa.

_ Realmente, eu quero ajudar a buscar ela.

_ E vai. Vou mandar irem te buscar.

_ Não precisa, vou ter que deixar meus filhos na minha mãe e vou direto pra delegacia.

_ Ok, venha rápido.

_ Eu vou.

 

 

 

LIGAÇÃO OFF:

 

 

 

Me levanto da cama indo direto pro banheiro. Me arrumo e uma mala também, acordo às crianças e conto a verdade sobre aonde sakura possa estar.

 

— Traz ela pra gente papai - Sayuri me abraça.

— Eu vou filha - dou um beijo no topo da cabeça - agora vocês vão pra vovó e amanhã eu busco vocês.

— A gente te ama papai - sora me abraça.

— Eu também amo vocês crianças.

 

Os levo para minha mãe, a mesma diz que cuidaria bem deles. Sigo para delegacia, entro na DPNY indo direto pra sala do delegado.

 

— Chegou rápido Uchiha - Rasa apaga o charuto.

— É minha mulher que estamos falando - cruzo os braços - quando vamos ?

— Agora, - pega a arma - já liguei pra Inglaterra e comuniquei do sequestro e o foragido. 

— Ótimo - abro a porta dando passagem pra ele - vamos quando pra lá.

— Vamos pelo jato do estado - coloca o casaco.

— Ok.

 

Entramos em um carro preto, fomos pra um lugar aonde estaria o jato. Fui informado que em menos de 4 horas estaríamos lá, o tempo estimado era de 5 horas. 

 

Pousamos em Londres na capital da Inglaterra, desmarcamos e fomos pra um hotel. O Sabaku estava no telefone com o delegado da capital o tempo todo e nada de pistas do desgraçado.

 

Tinha acabado de sair do banho estava indo me trocar quando escuto duas batidas na porta.

 

— Sasuke se arruma acho que sei onde a sakura está - o delegado fala nervoso.

— Ok.

 

Ponho a primeira roupa que tirei da bolsa e saio do quarto. A pista era uma casa antiga mais afastada da cidade, era de um ex ministro deixada para o único neto - kiba - era a nossa melhor chance. 

 

 

 

 

Pov’s Sakura Uchiha 

 

 

 

 

Já tínhamos chegando na Inglaterra. A casa era enorme pelo menos uns 6 quartos e era bem antiga, Kiba tinha falado que era passada de pai pra filho. 

 

— Pode tomar banho, vou mandar preparar algo pra jantarmos - me informa.

— Ok - assento.

 

Ele sai do quarto me deixando sozinha. Começo a me despir e vou pro banho, enquanto me levava a única coisa que me passava pela cabeça era meu marido, os toques, os beijos e principalmente ele dizendo meu nome inúmeras vezes enquanto fazias amor. Saio dos meus devaneios e termino o banho.

 

Falei que estava indisposta pra descer então Kiba mandou levarem a comida pra mim. Terminei de jantar coloquei a bandeja de lado e me deitei na cama, a lua ja desaparecia e o sol vinha devagar mas estava lá brilhando no fundo do céu alaranjado.

 

Logo vou caindo no sono. Sou acordada por Kiba me chamando pro café da manhã. Comi o mais rápido possível e fui pro jardim que tinha nos fundos da casa. 

 

Me sentei em um banco branco e observava tudo envolta, havia muitos seguranças o muro era alto e com cerca elétrica parecia mais uma prisão doque uma casa. Não tinha possibilidade de eu conseguir fugir, me deixando cada vez com medo de não me acharem. Sasuke jamais me deixaria tenho fé nisso. 

 

Afasto os pensamentos negativos e me recolho pro quarto. Eram ao todo 7 funcionários - sem contar com os seguranças - , 5 empregadas e 2 empregados que cuidavam das partes pesadas e também tinha um mordomo que administrava tudo, ele era gentil comigo me tratava como uma “rainha” me chama de senhorita e avezes de senhora Inuzuka que eu repudiava e pedia pra não me chamar disso, não era e jamais seria. 

 

Kiba estava  ocupado e preso no escritório e me dava um certo prazer em não ter que olhar pra ele. Estou apenas um dia e meio e não aguento mais. Já é fim de tarde e nada do meu marido me achar me deixando aflita e com muito medo de ter que viver com esse homem.

 

 

 

 

Pov’s Sasuke Uchiha 

 

 

 

A tal casa era muito afastada da cidade demoramos pelo menos umas 2 horas pra chegar lá. Era fim de tarde e ainda não tínhamos uma prova concreta era apenas pistas com sempre um “talvez” ou “se”.

 

— Chegamos senhor - fala o policial que dirigia.

 

Observamos a mansão. Era de muro alto, cercas elétricas e muitos seguranças.

 

— O filho da puta pensou em tudo - Rasa fala entredentes - ele tinha planejado isso a tempos porque não é possível.

— Quando vamos invadir ? - pergunto.

— Vamos montar uma equipe e fazer um bom plano - fala - e amanhã mesmo pegamos a sakura.

— Ok.

 

Tínhamos que voltar pra capital e planejar tudo. Paramos pra comer e logo voltamos pra estrada, estou simplesmente com os nervos à flor da pele. 

 

Já no hotel segui para meu quarto só queria dormir e estar pronto pro próximo dia. Estava em pé antes mesmo de dar o horário pro almoço. Rasa me chamou pra ir com ele até a delegacia de Londres com ele e ajudar no planejamento.

 

Horas pensado no que daria certo e errado, minha cabeça estava aponto de explodir de tanta informação. Já era quase 4 horas da tarde e já tínhamos um plano e uma equipe formada - graças a Deus -. Íamos atacar de noite quando todos estivessem descansado e padecemos fazer tudo na surdina. Eu ia estar bem protegido e armado ainda bem que fiz aula de tiro. 

 

Já se passava-se das 9 horas da noite até chegarmos lá todos estariam dormindo. Entramos em carro blindado e todo preto, ia ser um “viagem” longa. A mansão se entrava a nossa frente, tínhamos escondido os carros na floresta fizemos uma caminhada entorno de uns 15 minutos. 

 

— Todos em suas posições -repetia o Sabaku.

— Sim senhor - o outro respondia.

 

Havia 4 guardas armados e andando de um lado pro outro. 4 dos nossos se posicionaram pra escalar os muros, em poucos minutos eliminamos os capangas um um tiro na cabeça. O portão foi aberto. 

 

 

 

 

Pov’s Sakura Uchiha 

 

 

 

 

O dia tinha se passado rápido, fiz algumas coisas produtivas como amizade com os empregados e lendo livros ao todo 4. Estava a ponto de morrer de tanto tédio. 

 

Kiba tinha me avisado pra me arrumar que a noite eu dormiria no quarto dele, obviamente estava aflita de ele tentar algo comigo. Então cá estou eu com medo de ser estuprada e agredida. 

 

Caminhava pelos corredores até o quarto dele, tinha um pequeno canivete escondido no coque do cabelo só no caso de emergência. Bato na porta levemente.

 

— Entre - ouço a voz grossa dele. 

 

Abro a porta devagar, minhas pernas estavam bambas e minhas mãos trêmulas.

 

— Venha cá - Kiba estava encostado no parapeito da varanda - a vista é linda né ?

 

Me aproximo devagar e finjo me importar com oque fala.

 

— Claro muito linda.

— Mas você está muito mais - ele se vira e me analisa.

 

Trajava um conjunto de roupas íntimas branco e um hobby da mesma cor amarado. 

 

— Obrigado - dou um sorrido mínimo.

 

O Inuzuka se aproximava devagar, colocas as duas mãos no meu rosto e levanta me fazendo encarar as orbes castanhas, ele aproxima o rosto e me beija levemente apenas um toque que logo pede passagem com a língua. Por medo cedo. 

 

As mãos dele desceram pra minha cintura me puxando pra perto, o beijo já era despertado - pela parte dele obviamente -, tento me afastar e sou impedida pela mão dele na minha nuca. Kiba começa a andar comigo até a cama aonde me deita com cuidado, meus olhos já estavam cheios de lágrimas só de ter que transar com ele. 

 

Kiba distribuía beijos pelo meu pescoço e o colo dos seios, meu rosto estava virado pra cômoda que ficava de frente a cama. Não reagia a nada apenas deixava ele fazer oque tanto queria, lágrimas silenciosas desciam pelo meu rosto. Sentia ele tirar meu sutiã e chupar meus seios, meu corpo não reagia aos toques dele e eu simplesmente estava neutra, paralisada e acima de tudo sem reação a nada. Kiba não se importou muito com oque estava sentindo apenas continuou a me beijar e chupar meu seio. Minha visão estava turva por conta das lágrimas e simplesmente recordei do canivete. 

 

Enquanto ele estava distraído lá embaixo eu desamarro o meu cabelo e retiro o canivete era pequeno porém bem afiado, fingia que estava gostando e puxei o cabelo dele. Kiba sorria e voltava a me chupar, destravei o canivete e furei a nuca dele mas infelizmente não foi fundo o suficiente pra matar. Começa a jorrar sangue.

 

— Sua vagabunda - fala em um fio de voz.

— Nunca serei sua - falo com nojo.

 

Kiba arranca a faca e joga longe, se levanta devagar vindo até mim. Me levanto da cama e corro até a porta a abro rapidamente e corro pelo corredor, olho pra trás e vejo ele andando apressadamente até mim, quando me viro dou de cara com um corpo alto e forte.

 

— Sasuke - falo em um grito.

— Sakura - suspira em alívio.

 

O agarro com força e sou retribuída da mesma forma, Sasuke me solta e me olha, seus olhos descem até o meio peito e o vê sem nada, sinto seu corpo ficar rígido seus ombros ficaram tensos. Sasuke me empurra pro lado e vai até Kiba que se encontrava ajoelhado no chão e com as mãos no machucado.

 

— Quem mandou tocar nela - Sasuke se abaixa ficando na altura de Kiba.

— Ela nunca será sua - encara meu marido.

— E nem sua - diz frio.

 

Sasuke retira a arma da cintura mira na cabeça dele e atira.

 

— Sasuke - me assusto.

— Vamos - ele guarda a arma e me puxa.

— Como me encontrou ?

— Depois conversamos - o mesmo tom é usado mais uma vez.

 

Descemos as escadas da mansão, todos os empregados estavam ajoelhados e amarrados no chão. Fecho o meu hobby e saio da casa. 

 

Tio Rasa estava lá fora conversando com um policial.

 

— Sakura - ele me abraça - está bem ?

— Estou - sorrio de leve - obrigado por virem me salvar.

— É claro que viria - passa a mão no meu rosto - amanhã vamos interrogá-la.

— Claro - concordo com a cabeça.

— Vá descansar - retira uma chave do bolso de trás - leve o meu carro Sasuke eu pego carona com alguém.

— Obrigado delegado - Sasuke e o tio Rasa dão um aperto de mão.

 

Sasuke caminhava rápido e sempre na minha frente.

 

— Aonde estamos indo ? - desvio de um galho.

— Pro carro.

 

Seguimos o tal caminho em silêncio. Entramos no carro, coloco o sinto e Sasuke da partida. Fomos mais uma vez quietos nem ele falava é muito menos eu, duas horas sem um pio dele.

 

— Não quer me perguntar nada ? - quebro o maldito silêncio.

— Transou com ele ? 

— Que ? - o olho furiosa - fui sequestrada mantida em cativeiro e você só quer saber se eu fodi com o Kiba.

— Sakura - ele suspira cansado - eu passei as últimas 48 horas preocupado com você e com medo dele tentar alguma coisa com você e quando eu te acho quase nua, acha que eu ia querer saber de outra coisa ?

— Você nem me perguntou se eu estava bem - meus olhos se enchem de lágrimas - eu passei as piores horas da minha vida, apanhei dele por sua culpa - falo com desgosto - ele quase me estuprou se eu não tivesse enfiado o canivete no pescoço dele. 

 

Sasuke freia bruscamente e me olha.

 

— Ele te estuprou ? 

— Não chegou até lá... - desvio os olhos - eu fui mais rápida

— Sakura me desculpa - passa a mão pelo meu rosto - eu te amo e imaginar você nas mãos dele me causava calafrios.

— Eu sei Sasuke - beijo a mão dele - mas eu estou aqui e segura.

— Vocês estão aqui - passa a mão na minha barriga - eles estão bem ?

— Estão - sorrio - não pararam de chutar - colo minha mão encima da dele.

— Eu amo você - Sasuke me beija.

— Eu te amo - mordo o lábio dele. 

 

Cessamos o beijo e seguimos o caminho. Tomei banho no hotel e me deitei com ele, Sasuke estava cansado e eu mais ainda. Me aconcheguei na curvatura do pescoço dele dando um beijo. 

 

Finalmente está segura e com ele... aquele que eu amava e almejava ver. 

 

 


Notas Finais


Meu povo lindo comentem e favoritem.
Me inspiro nos comentários pra voltar a postar rápido. Bjs ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...