1. Spirit Fanfics >
  2. GEMINI -Gêmeos- (Imagine Jung Hoseok) >
  3. Sem exceções

História GEMINI -Gêmeos- (Imagine Jung Hoseok) - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Sem exceções


A chuva caía violentamente, escorrendo suas gotas transparentes pelo vidro do taxi. As árvores balançavam e não paravam, o vento devia estar a uns 60 km por hora. O asfalto estava instável certas vezes, sentia sobre meus pés, mas o motorista de bigode , aparentemente de 60 e poucos anos se apresentava experiente nesse tipo de situação.

Como de costume o avaliei assim como qualquer outra pessoa, era ex fumante, dava para se notar nos dedos nervosos que trocavam de posição no volante, não podia ter mais do que 1,70 de altura, estava acima do peso, apresentável nos pneuzinhos que escapavam por debaixo da camiseta de numeração bem menor do que deveria ser a sua, fios cinzas pela velhice decorrente dos anos vívidos e olhos cansados, desenhados por traços asiáticos, japonês se não me engano.

O céu cinzento por incrível que pareça me dava abrigo, era mais fácil me sentir segura nesses dias chuvosos, todos ficavam em casa e não havia grande movimento nas ruas.

Já estava começando a sentir o frio daquela cidadezinha arrogante. Esfreguei minhas mãos na tentativa de esquentá-las. Mas fora em vão, não era somente o clima que fazia meu sangue aos poucos deixar de circular.

Estar aqui novamente faz me sentir estranha, uma nostalgia ruim, um pressentimento ruim. Contudo sejamos claros, não vim para cá, para fazer amigos, relembrar a infância...vim aqui por vingança.

Olhei outra vez através do vídro, algumas casas de mesma estrutura e cores foscas me eram familiares.

Nunca pensei que voltaria para esse pedaço da minha lembrança que prometi nunca mais voltar. Mas era por uma causa boa, bom pelo menos ao meu ver.

É tudo por você meu irmão...tudo por você.

Sussurrei rente as minhas mãos quase congeladas. Vendo o moço me espionar pelo retrovisor. Minha inquietude era notável, mas como permanecer calma diante da situação em que me encontrava?

Meu plano de vingança era simples, reconhecer o alvo, ganhar confiança, cercar sua área, encontrar pontos vulneráveis e quando estiver desprevenido, matar.

Os Jung me fizeram tão mal durante todos esses anos. Pretendo matar cada um deles, cada um... sem exceções!

Meu treinamento militar me permite pensar em tudo, elaborar os mínimos detalhes, os equipamentos que serão usados, uma arma AK 47, P-96M , SR-1, todas com silenciadores fariam um belo estrago. Não pretendo sair livre... não.

5 anos na polícia militar me fizeram ver que eu jamais saíria impune. Entretanto sempre tive curiosidade em saber como é ser uma criminosa de status na cadeia. Claro, isso se conseguirem me pegar.

Fui tirada de meus devaneios quando o carro parou. Havíamos chegado. Vi o motorista sair para abrir o porta-malas.

Estava na hora, seria o começo de uma saga que se dependesse de mim terminaria com a chacina daquela família inteira. Molhei brevemente os lábios e suspirei decidida, tocando o trinco.
Meus pés deram de encontro contra o carvalho e as minisculas pedras.
A quanto tempo não pisava nessas terras. Sempre foi um terreno maldito que odiava, quando criança minha dificuldade em caminhar por ali era notável. Foi o causador do meu primeiro joelho ralado. Minha primeira caída vergonhosa em frente ao primeiro crush, onde aconteceu meu primeiro beijo.

Jamais pensei que sentíria tal nervosismo, meu coração acelerou no momento em que observei a mansão da qual estava diante. Nem mesmo a chuva gelada entretanto mais leve agora, iníbiriam meus nervos de se aflorarem. Mas amarelar não era uma opção.
Não agora em que a dona da casa me esperava calorosamente na porta.

ㅡ Senhorita Lee?! Entre por favor, vamos, antes que pegue um resfriado.

Eu não sabia muita coisa sobre aquela pobre mulher, ao longe parecia bela e culta. Típico de uma dona de mansão , esposa de um grande empresário milionário. Imaginei que fosse a Senhora Jung. Infelizmente tive que criar uma identidade falsa, trocando meu sobrenome "Min" para "Lee", ou com certeza me descobririam. Me tornando assim Lee S/n, nova segurança pessoal dos Gêmeos Jung.

ㅡ Suas malas senhorita. - O velho gentilmente me entregou as malas.

Antes de as pegar, retirei minha carteira rápido do meu bolso e tirei algumas notas de lá, incluindo algumas amais pelo ancião ter tomado chuva.

ㅡ Obrigado.

ㅡ Eu que agradeço.

Me reverenciei e peguei as malas de suas mãos. Uma era de alça e tive que a colocar em meu ombro, sentindo a dor pelo peso. Naquela mala estavam minhas armas. Eu não devia ter trazido tantas.

O táxi deu partida, sumindo tempos depois.
Não havia volta, era tudo ou nada.
Subi as escadarias rapidamente, chegando próxima a Jung mais velha que me pôs para dentro afobada.

De perto pude ver que realmente era belíssima apesar da idade. Traços coreanos perfeitamente proporcionais aos seus olhos, o cabelo loiro incomum, provávelmente tingido, preso em um coque perfeito livre de friz, os lábios pintados por um batom vermelho chocante, o corpo coberto por um vestido preto de mangas longas colado do pescoço até suas canelas, deixando explícitas as curvas belíssimas bem palpáveis e notáveis, longe de qualquer padrão coreano que já vi.

A mesma tinha uma toalha em mãos que eu não sei dá onde ela tirou tempo para buscá-la. A mulher secava meus fios como uma mãe enquanto eu babava pela mesma.

ㅡ Oh senhorita Lee, sinto muito que tenha pêgo uma chuva dessas -secou desesperadamente meu cabelo, ela estava perto, perto demais. ㅡ Sou  Jung Hwasa, se lembra de mim? Falamos por telefone.

ㅡ Ah sim, claro.

Engoli a seco sentindo minhas bochechas fervilharem. Ela era tão bela, pena que era uma Jung. Isso a colocava na minha lista negra também.

ㅡ Vamos, venha conhecer meus filhos.- Apoiou suas mãos em minhas costas, conduzindo- me ao que parecia ser a sala de estar. ㅡ Fico feliz em encontrar uma moça tão boa e experimente como você, sei que vai ser melhor para a segurança dos meus filhos. Sabe como é né, o mundo de hoje em dia anda tão perigoso. Já Te disse que meus filhos são gêmeos?

ㅡ Sim senhora. - respondi enquanto analisava minimamente cada canto daquela mansão, atém mesmo cada teia de aranha.

A madeira apesar de resistente e bonita, rangia constantemente, as janelas eram grandes, as escadas eram enormes, havia muitos corredores, muitos quartos e pouca cor nas paredes, preenchido apenas por um marfim fraco.

ㅡ Realmente são rapazes muito jovens. Quando anos disse que tinha?

ㅡ 23. - Respondi, pendurando um sorriso forçado nos lábios, evitando contato direto com seus olhos.

Se ela parasse de falar, já seria uma dádiva, pois a sala de estar parecia inalcançável a esse ponto, toda hora a mesma me parava para ver um porta retrato da família.

ㅡ Que ótimo, Hoseok tem 21 anos, é um rapaz muito dócil e gentil, um pouco recatado, mas creio eu que vocês irão se dar bem - A mulher tinha um sorriso encantador estampado nos lábios e um brilho no olhar. ㅡ Já o J-hope, urgh vou logo lhe avisando, ele é um tanto quanto conturbado, então tome muito cuidado com ele.

Eu realmente não entendi o que a loira queria dizer com aquilo, muito menos o por quê de estar falando desse jeito do próprio filho. Dei de ombros, dando graças a Deus ao ouvir a mesma parar de tagarelar, enfim havíamos chegado a sala de estar.

Sentado em uma poltrona, totalmente inerte em seus pensamentos, lá estava J-hope, consegui identificar pelas madeixas negras, a única diferença física entre ele e o ser irmão a qual Hwasa me alertou.

Contudo entendi agora porque ela o chamou de conturbado.

Apenas de sunguinha preta e descalço, assim que nos notou, sem receio algum veio em nossa direção. Um sorriso canalha colado em sua boca e um andar totalmente arrogante, já me fazia crer que não nos dariámos muito bem.

ㅡ Omma, quem é essa? Minha nova coleguinha de quarto?
-debochou, rindo soprado, ignorando minha presença assim que o olhei de cima abaixo.

Com certeza esse será o primeiro a quem irei matar.

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...