1. Spirit Fanfics >
  2. Gérberas e Frésias Perdidas na Chuva >
  3. Perdi as Gérberas e Ganhei Ele

História Gérberas e Frésias Perdidas na Chuva - Capítulo 1


Escrita por: e ggukiefyckboy


Capítulo 1 - Perdi as Gérberas e Ganhei Ele


Fanfic / Fanfiction Gérberas e Frésias Perdidas na Chuva - Capítulo 1 - Perdi as Gérberas e Ganhei Ele

A atendente sorriu, entregando para o garoto o balde cheio de frango frito. Com cuidado, ele tampou a embalagem e, com dificuldade, caçou a carteira em seu bolso. Acabou por precisar largar o buquê de gérberas e frésias sobre o balcão para tirar o cartão e inserir na maquininha, concluindo a compra no débito. Com um sorriso de dar inveja, ele pegou o balde com a comida e sua carteira e sumiu pela multidão da praça de alimentação, deixando para trás o buquê de flores que comprara com tanto afinco. 

Hoseok seguiu seu caminho sorridente, abrindo o balde para pegar uma asinha e comê-la, fechando logo em seguida, praguejando-se por ter comido antes mesmo de chegar ao parque. Eram quase duas da tarde quando o menino havia saído de casa, e agora ele ansiava pelo momento em que veria Jun Jae-Ha, sua namorada. Eles completariam seis meses de namoro hoje, e nada mais certo do que comemorar a data no parque onde se conheceram e desfrutaram do seu primeiro balde de frango frito, enquanto conversavam sobre suas flores favoritas — e daí que saiu o primeiro buquê, de gérberas amarelas e frésias brancas, as flores prediletas da garota. Hoseok a amava tanto, e era quase impossível ditar um momento em que ele se estressou com sua teimosia e desconfiança insuportáveis. Jae-Ha era uma mulher bonita e divertida em seus momentos de bom humor, porém não havia quem a suportasse quando contrariada. Mas nada que o garoto não pudesse suportar com uma boa dose de paciência e uma porção de beijinhos. 

Seus passos seguiam lentos pelo caminho, enquanto ele olhava sorridente para tudo ao seu redor. Cumprimentou algumas pessoas que esbarrou no caminho e foi até mesmo obrigado a comprar alguns chocolates para ajudar uma jovem vendedora de rua. Não que ele fosse muito fã de chocolate caramelado ou muito menos Jae-Ha, que detestava mais que tudo caramelo. Porém, ele não morreria se comesse de vez em quando um pedacinho, apenas para não estragar. Querendo ou não, era um acréscimo a mais para comemorar o aniversário de seis meses com a garota, que até agora não havia dado sinais de que compareceria ao encontro. 

Hoseok suspirou, parando em frente a catraca do parque, estendendo seu braço com a recém colocada pulseira, e logo caminhou até o banquinho mais próximo, sentando-se ali para aguardar a chegada da acastanhada. Deixou o balde ao seu lado, pegando o celular para verificar a caixa de mensagens, balbuciando algo em tom mudo, irritado pela garota ainda não ter confirmado comparecer. Apesar de conhecer bem a morena e saber que ela nunca faltaria um de seus aniversários de namoro, a insegurança era quase uma melhor amiga, que sempre o perseguia independente da situação. Passou a mão sobre a testa, suspirando frustrado com o suor que saia em sua palma. Secou na calça e logo se virou para pegar o tão amado buquê. 

“Cadê o buquê?” Hoseok levantou-se, olhando todo o banco em choque. Tocou seu corpo num ato idiota, visto que um buquê tão grande e espalhafatoso como aquele jamais caberia nos bolsos apertados de suas roupas. Resmungou, batendo o pé no chão enquanto olhava para o parque todo, tentando achar o buquê caído sobre o chão. Não foram precisos mais do que alguns minutos para que sua mente se clareasse, e a imagem de suas mãos posicionando o buquê sobre o balcão da KFC repassasse em sua cabeça, como um slow motion esquisito. Sentiu vontade de chorar. Era o primeiro aniversário que ele esquecia algo, e ele sentia vontade de morrer apesar de ter sido um ato tão pequeno. Jogou-se no banco, massageando a têmpora esquerda enquanto chutava o ar, irritado. “Hoseok!” Ouviu a voz de Jae-Ha lhe chamar, e logo a garota de cabelos longos e escuros correu até ele, em suas pernas curtinhas e saltos scarpin bege. Sentou-se ao lado do garoto, e então o olhou estranho, confusa pela expressão de irritação do mesmo. “Jagiya, eu perdi seu buquê, sem querer. Me desculpe.” Ele murmurou cabisbaixo, fazendo um biquinho frustrado. A morena apenas lhe olhou com os olhos neutros, suspirando alto. Suas mãos pousaram sobre a bolsa no colo e os lábios avermelhados se remexeram rapidamente. 

“Eu quero terminar.” Desferiu como um soco, fazendo Hoseok arregalar os olhos e voltar a olhá-la em choque. Terminar, por quê? Eles faziam seis meses juntos hoje, iriam comemorar mais um aniversário juntos, eles pareciam felizes até alguns dias atrás. O quê havia levado Jae-Ha a tomar tal decisão? “Hobi-ah, me desculpe, mas eu não o vejo mais como homem. Já faz uns dias que eu conheci outro homem, e acho que ele é quem eu realmente amo. Me perdoe, mas não posso continuar com isso. Muito menos te trair.” Foi direta, honesta e o mais gentil que pode. Seus olhos moribundos piscaram devagar e a menina levou suas mãos até os fios lisos do Jung, afastando-o de seus olhos num ato carinhoso. Levantou-se e antes de dar seu último adeus, agradeceu-o. “Obrigada por ter me feito feliz por todos esses meses.” Girou os calcanhares e permitiu que sua silhueta magra sumisse em meio às árvores e passasse pela catraca, como se não fosse nada. 

Hoseok estava desolado. Suas mãos tremiam como se ele segurasse o motor de um carro nas mãos e seus olhos estavam avermelhados, marejados. A barriga revirava em tristeza e sua cabeça parecia confusa demais para ter alguma reação mais digna que um soluço dolorido. Não tardou para que as lágrimas presas escorrerem pelo rosto comprido, pingando sobre o tecido claro de sua jeans favorita. Encostou suas costas no banco de madeira tingida de branco e então puxou o balde de frango frito para seu colo, abraçando-o ainda em choque. As orbes afogadas em lágrimas moveram-se devagar até a aliança prateada em seus dedos, encarando-a por um longo tempo, até que o choque de uma gota chocando-se contra o balde de frango assustou-o, tirando o garoto de seus devaneios. Logo, suas roupas começaram a se encharcar pela chuva que caía forte, e várias pessoas eram vistas correndo pelo parque, algumas com casacos sobre a cabeça e crianças no colo, indo embora e outras apenas se escondendo debaixo de brinquedos e quiosques. A tempestade trazia junto consigo o frio e a ventania, prato cheio para que o garoto caísse em prantos, desesperado e assustado. 

Ergueu o rosto para o céu, soluçando alto enquanto via nuvens esconderem o sol, deixando-lhe ainda mais deprimido. O dia que parecia tão perfeito havia tornado-se um grande pesadelo. Com o corpo molhado e o rosto inchado pelo choro copioso, Hoseok preparou-se para levantar daquele banco e seguir rumo a sua casa, que era a quase quatro horas de distância dali. Antes que pudesse erguer suas nádegas do banco, avistou de longe um garoto alto e de vestes brancas passando pela catraca de forma desengonçada, enquanto tentava cobrir seu rosto de maneira falha com a mão. Na destra, havia um buquê espalhafatoso e colorido, enorme, extremamente parecido com o que pretendia entregar para Jae-Ha, antes de ela terminar com ele. O menino de cabelos escuros seguiu até Hoseok, parando em sua frente enquanto apoiava as mãos nos joelhos, respirando ofegante. Ergueu o tronco e jogou-se no banco, sentando em seu lado livre. Seus lábios tremelicavam aparentemente pelo frio, assim como todo seu corpo magro e bonito. Em sua mão direita, um buquê de gérberas e frésias jazia tão molhado quanto, e até mesmo um pouco murcho. 

“É seu, não é? Você esqueceu no balcão da KFC há quatro horas atrás. Quando foi comprar esse balde de frango, não foi?” A voz um tanto aguda e esganiçada saiu e ele estendeu o buquê na direção do balde enquanto arrumava sua postura, aparentemente menos cansado. Ele puxou o ar para os pulmões, soltando devagar enquanto colocava o buquê no colo de Hoseok, detrás do balde de frango frito. Sua mente estalou como um chicote e logo o rosto sereno e ansioso do mesmo garoto se acendeu em sua mente. Ele era o próximo na fila, detrás de si, e até mesmo cantarolava uma musiquinha sobre todos os molhos do frango enquanto parecia decidido sobre seu pedido. Olhando-o melhor agora, era quase impossível não reconhecê-lo, mesmo com suas roupas encharcadas pela chuva. “Você veio de lá até mim, só pra me devolver?” O garoto assentiu, e então sorriu meigo, passando a mão nos cabelos grudados na testa. “Elas pareciam importantes para você, então eu resolvi gastar quatro horas do meu dia perguntando sobre você em todas as lojinhas possíveis, até te achar.” A probabilidade disso dar certo era quase mínima, mas saber que havia dado e agora Hoseok estava com seu buquê no colo e o garoto ao seu lado, era ainda mais chocante. Acabou por não conter o sorriso, sentando-se melhor no banco, enquanto olhava para o buquê murcho e molhado em suas mãos. “Seu nome é Hoseok, né? O meu é Seokjin, eu escutei a moça te chamar na fila.” Ele estendeu a mão, cumprimentando o Jung de forma singela. Hoseok apenas meneou a cabeça, devolvendo o buquê para o outro. “Pode ficar para você. A pessoa que iria ganhá-lo desistiu de mim fácil demais, acho que você merece mais. Você andou quase uma cidade inteira para me achar.” Desferiu, fazendo Seokjin rir um tanto surpreso. “Nah, está tudo bem, foram só alguns bairros.” Brincou e então ficou em silêncio, apenas observando as pessoas correrem para seus carros no estacionamento e irem embora. O som da chuva e a musiquinha irritante do carrossel eram as únicas coisas que ecoavam em suas cabeças naquele momento, enquanto ambos pareciam desconcertados pela situação. 

“Acho que vou…” Seokjin abriu a boca para falar, sendo interrompido por Hoseok. “Você quer me ajudar a comer esse balde de frango frito? Eu não consigo comer uma porção tão grande sozinho.” Ofereceu tímido, virando-se para finalmente olhar o Kim, que apenas piscou surpreso, deixando que sua pele alva fosse enrubescida pela vergonha. Seok apenas coçou a nuca, balançando o corpo para frente e para trás de forma engraçada e fofa. “Olha, já que você está oferecendo, não vou recusar, não é?" Sorriu e logo puxou suas mangas para cima, enquanto Hoseok abria o balde de frango e tirava um pedaço, fazendo Seokjin repetir o ato. 

A chuva continuava caindo, molhando o buquê, o frango e os dois garotos. Apesar de terem se conhecido da forma mais idiota e boba possível, Hoseok estava com o humor nas alturas e ainda bastante chocado. Hoseok perdeu a namorada e um buquê de frésias e gérberas, mas, acabou por ganhar Seokjin e seu amor indecifrável por frango frito. 


Notas Finais


Eu realmente não sei como começar as minhas notas, confesso que sou péssima nisso e que nunca sei o quê falar, mas gostaria de agradecer a/o capista maravilhosa que fez essa capa e banner incrível! Obrigada, @ainoseiza pelo trabalho impecável.
Queria agradecer também a/o beta que me ajudou corrigindo essa história e os errinhos que ela teve ao longo da escrita. Pois ela me ajudou bastante a reconhecer meus erros e procurar evoluir. Obrigada, @koalamoon pela ajuda e pelo trabalho igualmente incrível.

Espero que tenham lido e gostado do meu possível debut aqui no jhistory, e que eu possa colaborar com muitas outras histórias, em breve. Até mais!

Avaliação: @koalamoon


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...