História Ghost Love Score - Lysandre (Long Fic) - Capítulo 85


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Armin, Castiel, Kentin, Leigh, Lysandre, Nathaniel, Personagens Originais, Rosalya, Violette
Tags Amor Doce, Castiel, Deuses, Lysandre, Mitologia, Mitologia Celta, Mitologia Nórdica
Visualizações 87
Palavras 6.148
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, LGBT, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiê, voltei, desculpem a demora, eu pretendia postar bem mais capítulos essa semana, mas tive alguns imprevistos e passei mais uma temporada no hospital :/ por isso inclusive esse capítulo ficará sem capa... Recebi alguns pedidos de um hot com o Castiel e com o Nath, por isso, estou pretendendo fazer uma oneshot dos dois, relacionado a esse capítulo, assim que eu fizer, coloco o link nas notas finais para vocês :)
PS. Não deixem de ver as notas finais, os links ajudarão bastante para se situarem no capítulo <3

Capítulo 85 - Mabon - Parte I


- Nath, senta com o Lys, por favor? - Pedi educadamente, após Lysandre e eu entrarmos na sala, para assistirmos a segunda aula e eu receber as felicitações dos meus amigos.

Meu irmão e o meu cunhado estavam sentados no último lugar da fileira, Nathaniel assentiu com a cabeça, levantou, pegou seu material e sentou com o meu namorado na carteira da frente, eu sentei do lado do Castiel, que estava debruçado na mesa, com o rosto escondido entre os braços, e acariciei seu cabelo, como forma de chamar sua atenção.

- Desistiu da primeira aula? - Meu irmão perguntou desanimado.

- Achei melhor eu arejar a cabeça antes de voltar… - Respondi sem graça.

- Fez bem. - Castiel rebateu seco.

- Desculpa a minha reação, a Peggy me tirou do sério… - Pedi inibida.

- Tudo bem, eu entendo, eu também me segurei muito para manter a razão… - Meu irmão respondeu com uma expressão séria. - Só não volte a se comparar com aquela mulher, você só nasceu dela, mais nada! - Ele completou com firmeza, eu assenti com a cabeça e deitei no ombro dele, meu irmão passou os braços por trás de mim e assistimos a aula dessa forma, ignorando os cochichos e olhares maldosos de alguns colegas de classe.

[…]

- Por que vocês não contam logo para todo mundo que são irmãos? Assim evitariam tantos transtornos… - Rosalya perguntou pensativa, ela, Fantine, Alexy, Kentin, Armin, Castiel, Nathaniel, Lysandre e eu estávamos no intervalo, todos sentados em uma mesa do refeitório e conversando sobre a nossa festa, Alexy perguntou se eu tinha chamado as outras pessoas da sala, eu falei que não, já que o meu irmão e eu quase não tínhamos contato com o restante da turma e chegamos no assunto das fofocas e comentários sobre a minha relação com o Castiel.

- Porque ninguém veio até nós questionar, eles preferem ficar fofocando por trás e acreditando nas próprias teorias, ao invés de irem direto à fonte. - Meu irmão respondeu seco. - Além disso, são pessoas irrelevantes em nossas vidas, elas que pensem o que quiserem. - Ele completou sério. 

- Meu irmão disse exatamente o que eu penso, não tenho nem o que acrescentar! - Afirmei com firmeza.

- Eu concordo com o ponto de vista de vocês, mas acho chato e injusto o Lysandre ficar com fama de corno na escola e você, que é super correta, ser vista como a garota que trai o namorado com o melhor amigo dele. - Rosalya falou chateada.

- Nossas vidas dizem respeito apenas a nós mesmos, não gasto energia me incomodando com falsas atribuições que nos são dadas… Quando a Luna e o Castiel não sabiam que eram irmãos, eles tinham o mesmo tipo de relação e trocavam afetos da mesma forma, fato que nunca me incomodou ou me trouxe desconfiança, eu sei quem eu sou e sei quem a Luna e o Castiel são, isso basta para mim. - Lysandre falou firme, mas sem perder a calma e a doçura, deixando todos de boca aberta.

- Tem como não amar um ser desse? - Perguntei rindo e dei um beijo na bochecha do meu namorado.

- Ninguém me perguntou, mas eu concordo com o Lys, a relação do Castiel e da Luna não mudou, eles agiam da mesma forma quando achavam que eram só amigos e na cabeça de nós quatro era muito claro que esse relacionamento era apenas fraternal, na época, não tínhamos o que explicar para quem julgava as atitudes deles como algo incompatível com amizade, pois algumas pessoas simplesmente não aceitam que um garoto e uma garota podem ter uma amizade tão intensa e desinteressada… Agora que sabemos que eles são irmãos, poderíamos calar a boca de alguns, mas sempre teriam os maldosos que julgariam a relação deles como inadequada, até mesmo para irmãos. - Nathaniel opinou reflexivo. - O problema não é o assunto, mas sim quem fala sobre ele, não tem como sair coisas boas da boca de quem só tem pensamentos ruins. - Meu cunhado completou sério, Castiel acariciou a mão dele discretamente, deu um sorriso leve para ele e o encarou orgulhoso.

- Eu entendo vocês, o Alexy e eu não assumimos abertamente o nosso namoro e também somos motivo de especulações, a decisão de não contar para todos foi minha e não é por uma questão de vergonha, mas sim por eu achar desnecessário e surreal dever satisfações para pessoas que mal convivem conosco e que não nos dão nem “oi” quando nos vêem. - Kentin opinou em tom compreensivo e completou inconformado. 

- A escola inteira acha que eu sou gay, só por que o meu irmão é… - Armin contou rindo. - Por isso eu prefiro videogame, se esse povo jogasse, não teria tempo de se preocupar com a vida alheia. - Ele completou em tom divertido e todos rimos.

- Eu já ouvi algumas pessoas comentando que eu arrumei confusão na minha antiga escola e os meus pais me mandaram morar com os meus primos por eu estar manchada na minha antiga cidade… - Fantine contou desanimada. - Na hora eu fiquei com raiva, mas eu parei para pensar e percebi que essas pessoas devem ter algum tipo de problema ou carência emocional para inventarem esse tipo de coisa… - Ela falou reflexiva. - Eu estudei em casa a minha vida inteira, só ia na escola da cidade fazer prova, só conheço alguns parentes dos meus pais no vilarejo e o Lysandre e o Leigh nem meus primos de verdade são, por que eu deveria me importar com comentários de pessoas que nem me conhecem? - Fantine completou rindo.

- Vocês estão todos certos, eu não deveria me importar com a opinião dos outros, é que me estressa ver eles falarem injustiças sobre pessoas que eu gosto. - Rosalya falou pensativa. 

- Eu super te entendo, mas essas pessoas não merecem nem que a gente perca energia falando sobre elas, amiga! - Alexy afirmou em tom compreensivo e deu um abraço de lado na Rosa. - Ao invés disso, vamos continuar falando sobre a festa dos segundos gêmeos mais lindos de Sucré! - Ele afirmou em tom divertido e todos rimos. - Que horas você quer que eu chegue para ajudar na produção da nossa Luninha? - Meu amigo perguntou encarando a Rosalya, todos nós combinamos de nos arrumar na casa do Leigh e do Lysandre, tirando o Nathaniel, que ajudaria os meus pais com a festa. No dia anterior, meu irmão e eu deixamos as roupas que usaríamos lá, já que minha mãe nos proibiu de voltar para a nossa casa antes da festa.

- Eu só vou chegar lá pelas 16 hrs, o Castiel e eu temos um compromisso depois do almoço. - Expliquei pensativa. Mais cedo, assim que o sinal do intervalo tocou, eu liguei para o tatuador e agendei nossas tatuagens para as 14 hrs, Castiel e eu combinamos de almoçar na escola e depois iríamos até o studio. 

- Dá tempo de sobra, a festa será as 20 hrs, podemos começar a te produzir as 18… - Rosalya falou animada.

- Por que tão cedo? Eu não pretendo usar muita maquiagem… - Questionei sem ânimo, havia semanas que eu não me maquiava e nem sentia vontade.

- Ah não começa, não sei o que te deu para você não querer mais usar maquiagem, você vive com essa cara limpa, nem batom usa mais, pelo menos no seu aniversário você vai ter que usar alguma coisa! - Alexy afirmou irritado.

- Eu só não vejo mais sentido em perder tempo com isso, em ocasiões especiais tudo bem, mas todo dia não faz mais sentido para mim. - Expliquei indiferente.

- Também acho perda de tempo, você é naturalmente linda, não precisa de adornos! - Meu namorado afirmou em tom carinhoso, arrancando suspiros e risadinhas dos meus amigos.

- Até porque, a maquiagem que ela usava diariamente, não era bem um adorno, estava mais para cosplay de Amy Winehouse! - Meu irmão provocou gargalhando.

- Ninguém chamou a Pequena Sereia na conversa! - Afirmei irritada e todos riram.

- Me respeita, Wandinha! - Meu irmão exclamou me dando uma cotovelada.

- Me respeita você, eu sou a mais velha! - Afirmei devolvendo a cotovelada.

- Por três segundos… - Castiel rebateu com desdém.

- Não importa, isso não muda os fatos, continuo sendo a mais velha! - Afirmei convencida.

- É uma sorte vocês saberem quem é nasceu antes, nos nossos registros não consta essa informação… - Alexy comentou com um sorriso leve. 

- Essa informação é irrelevante, eu dei a sorte de ser o mais inteligente e o mais bonito, isso sim interessa! - Armin afirmou convencido e o Alexy revirou os olhos.

- Que pena, eu estava adorando assistir esse duelo entre gêmeos… - Kentin ironizou rindo, assim que o sinal indicando o final do intervalo tocou.

Voltamos para a sala de aula e concluímos o nosso dia escolar sem maiores acontecimentos, meu irmão, eu e os nossos namorados almoçamos no refeitório da escola e depois nos separamos, eles voltaram para a casa e nós fomos para o studio fazermos a nossa tatuagem. Ambos fizemos a flecha que eu tinha desenhado e no antebraço direito, como eram tatuagens não muito pequenas, levou cerca de uma hora cada, eu me tatuei primeiro e depois foi a vez do meu irmão, que parecia sentir um pouco mais de dor do que eu, mas aguentou sem fazer muita careta. Saímos do local satisfeitos e muito felizes com o resultado, ficou exatamente como imaginamos e a simbologia que aquelas tatuagens carregavam eram muito significativa para nós dois. Enquanto caminhávamos, eu sentia a brisa leve do último dia de verão em meu rosto e observava as folhas se desprenderem das árvores e caírem no chão, anunciando a chagada do meu querido outono, estação do equilíbrio e do meio termo. Eu refletia e percebia que, como a minha estação favorita, eu era constituída por metades, metade luz, metade escuridão, metade humana, metade deusa, metade de duas almas que se amarão por toda a eternidade e, principalmente, metade do meu irmão.

[…]

- Ah, aí estão os aniversariantes! - Rosalya exclamou animada após nos recepcionar na porta da casa do Leigh e do Lysandre.

- Chegaram na hora boa! - Leigh afirmou sorridente, assim que nos viu e apontou para os petiscos e bebidas que Alexy, Fantine e Lysandre serviam na mesa da sala, em seguida, meu cunhado nos parabenizou com um abraço.

Nos juntamos com os outros na sala, que estava super lotada, além de mim, do meu irmão, da Rosalya, do Alexy e é claro, do Lysandre, do Leigh e da Fantine, que moravam na casa, Garin, o neto mais novo da Bridanna e tio da Fantine, também estava lá, pois tinha ido buscar a garota para passar o Mabon na fazenda, mas por insistência da mesma, eles iriam apenas na manhã seguinte, para ela poder estar presente no meu aniversário, eu me sentia mal e incomodada por causar tanto tumulto na casa do meu namorado e do meu cunhado por causa do meu aniversário, mas os mesmos não pareciam se importar. Após mostrarmos nossas tatuagens para todos, começamos a comer e conversar sobre assuntos diversos.

- Vou aproveitar o momento para entregar os presentes que eu trouxe para vocês… - Garin falou em tom gentil após comermos alguns pedaços de queijos e algumas fatias de pão, em seguida, levantou e pegou vários pacotes que estavam em canto da sala e voltou para perto de nós.

- Obrigada(o), não precisava se incomodar… - Castiel e eu agradecemos sem graça e uníssonos. 

-  Não foi incômodo, todos da fazenda estimamos muito vocês dois… - Garin respondeu sorridente.

- Vocês já me presentearam no mês passado, fico até sem graça por ser presenteado novamente… - Meu irmão falou envergonhado.

- Considere como uma felicitação bônus por você ter encontrado a sua verdadeira família! - Garin afirmou gentilmente. Como o Castiel era considerado parte da família do Lysandre desde muito novo, logo que soubemos que éramos irmãos, meus pais ligaram para os meus sogros, contando sobre a nossa descoberta e agradecendo pelo carinho que todos os moradores da fazenda sempre tiveram com o meu irmão. - Parem de tanta cerimônia vocês dois e vamos ao que interessa… - O moreno de olhos claros falou em tom divertido e, em seguida, entregou uma caixa média para mim e outra para o meu irmão. - Esses são do senhor George e da dona Joseane, eles disseram que fizeram um pouco de cada coisa que vocês gostam da fazenda… - Ele explicou sorridente enquanto Castiel e eu abríamos as caixas. Na minha, tinha alguns produtos a base de lavanda, um queijo típico da região da borgonha e geléia de frutas vermelhas, ambos produzidos na fazenda; e na do meu irmão, também tinha queijo e geléia, além biscoitos caseiros. 

Após agradecermos, Garin continuou nos explicando de quem era cada presente, enquanto abríamos as embalagens juntos. Os avós da Fantine nos presentearam com vinho de maçã, o Abel e a esposa com cerveja artesanal e Garin com Hidromel, tudo produzido por eles mesmos na fazenda, além das bebidas, ele também nos entregou os presentes enviados pela Bridanna, para mim um vestido de tricot e para o Castiel uma camisa de algodão cru, ambos feitos por ela. 

- Algo me diz que vocês bebem bastante… - Alexy comentou em tom divertido

- Na fazenda já nascemos bebendo … - Garin brincou rindo.

- Eu nunca provei vinho de maçã, deve ser delicioso… - Contei pensativa.

- Então está na hora de provar! - Garin respondeu sorridente. - Colocamos duas garrafas na geladeira para consumirmos hoje, já devem estar no ponto… - Ele contou animada.

- Eu já tinha esquecido delas, vou lá pegar… - Lysandre falou em tom gentil e foi até a cozinha com o Leigh e com a Rosalya.

- Foi muita gentileza de todos vocês lembrarem de nós, estou muito grata pelo gesto e adorei cada coisa! - Afirmei agradecida e o meu irmão concordou. - Agradeça todos por mim, por favor, principalmente a sua avô, eu amei o vestido, é o mais lindo que eu já vi, ainda mais por ter sido feito pelas mãos dela, é um pedacinho dela perto de mim… - Completei saudosa.

- A vovó fez com muito carinho, ela adora você! - Garin afirmou com um sorriso leve.

- E eu adoro ela! - Afirmei sorridente e ele riu.

- Até eu sou curioso para conhecer a tal Bridanna de tanto que a Luna fala sobre ela! - Alexy afirmou em tom divertido e todos riram.

Continuamos conversando sobre os presentes e sobre a fazenda, até Lysandre, Leigh e Rosalya chegarem com as duas garrafas de vinho de maça e várias taças, eles entregaram uma taça para cada pessoa e serviram com um pouco da bebida.

- Hunn, é realmente delicioso! - Afirmei impressionada, após provar. - Mas acho que eu ainda prefiro o seu hidromel! - Completei sorridente, encarando o Garin.

- Então você é das minhas, hidromel é a melhor bebida, desse e de qualquer outro mundo! - Garin afirmou convicto e eu ri.

- Concordo! - Exclamei sorridente. - E por falar nisso, obrigada e parabéns pelo drink horn que você fez para mim, ficou incrível! - Agradeci em tom gentil e ele retribuiu com um sorriso tímido.

Todos continuamos bebendo, comendo e conversando sobre assuntos diversos, cada vez eu simpatizava e me identificava mais com o Garin, ele não era muito mais velho do que eu, tinha por volta de uns 24 anos, mas era bastante sábio e, de todos os familiares da Bridanna , era o que mais tinha semelhança com a mesma, tanto fisicamente, quando na personalidade. 

[…]

- A conversa está ótima, mas já está na hora de começarmos a nossa produção! - Rosalya afirmou em tom autoritário e levantou, em seguida, puxou Alexy e Fantine, que estavam ao lado dela e me chamou.

- A Luna vai depois, antes precisamos ir até o meu quarto, quero dar o meu presente para ela… - Lysandre explicou calmo e todos fizeram um “hun” em tom malicioso, deixando o meu namorado completamente corado.

- Você tem prioridade por ser o namorado, mas não a alugue por muito tempo, precisamos produzi-la e também queremos dar o nosso presente! - Alexy afirmou em tom autoritário.

- Isso mesmo, quero você no quarto da Tine em meia hora! - Rosalya ordenou me encarando.

- Vocês são muito ansiosos, não precisa de tanta pressa, ainda falta bastante tempo para a festa e eu não vou casar para precisar me produzir com tanta antecedência… - Falei rindo. - Eu ainda quero tomar um  bom banho e descansar um pouco, por isso, relaxem e vão se arrumando vocês, que, quando eu terminar o que tenho para fazer, vou para lá! - Completei relaxada, eles reclamaram um pouco e foram para o quarto da Fantine, eu terminei de beber minha taça de vinho com calma e, depois, fui com o Lysandre até o quarto dele e o meu irmão ficou com o Leigh e com o Garin na sala.

[…]

Assim que eu entrei no quarto do Lysandre, notei uma espécie de gaveteiro retangular em um canto do quarto, onde antes ficava o teclado dele, a base do móvel estava coberta por um tecido e adornada com vários objetos pagãos, eu não conseguia tirar os meus olhos do belo móvel.

- Chega mais perto para vê-lo melhor… - Lysandre falou sorridente e me levou até o móvel novo. - Esse é o seu presente, é uma altar pagão, com o básico para você fazer rituais, poções e comemorar os festivais… Aos poucos você pode ir colocando novos objetos, nesses compartimentos você pode guardar ervas, cristais, incensos, essências e outras coisas que você queira… - Ele explicou paciente, enquanto eu passava a mão pelo móvel de madeira envelhecida, com uma gaveta pequena na parte superior e uma maior na inferior e talhado com pentáculos e outros símbolos pagãos. 

O móvel estava coberto por um tecido de seda preto e vermelho, com desenhos de corvos, em seu centro, tinha um suporte para livros, apoiando um tipo de diário com capa preta, adornado com o desenho de uma lua e de uma coruja. Em cada lateral do livro, estavam duas estátuas de madeira, uma que parecia representar o deus sol e a outra parecendo representar a deusa lua, além de dois castiçais com velas amarelas e dois incensários. Na lateral direita do móvel, ao lado de um dos incensários, tinha uma espécie de faca e na lateral direita uma foice; o lado da faca, tinha um bastão de madeira, adornado com fitas roxas e com um cristal de ametista na ponta, posicionado em cima de um suporte, além de um pequeno caldeirão mais ao canto; ao lado da foice, tinha um recipiente de ferro, que lembrava uma garrafa e também um cálice roxo de vidro, adornado por uma triluna de ferro. Em frente ao livro, tinha um pentáculo de madeira, envolto por inscrições de runas e com cada ponta representando um elemento da natureza, ao lado dele tinha um pentagrama de ferro, um sino de metal dourado e, por fim, na parede estava pendurada uma guirlanda feita com palha, trigo e folhas secas. Eu olhava tudo enfeitiçada, sem acreditar que eu finalmente tinha um altar para praticar meus rituais e desenvolver meus dons.

- Isso é um grimório, também conhecido como “Livro das Sombras”, é parecido com o que a minha madrinha te deu, nele você pode anotar seus sonhos, visões, feitiços, rituais e outras coisas que você considerar importantes. - Meu namorado explicou enquanto eu admirava o livro, depois, continuou me explicando paciente, enquanto me mostrava cada objeto do altar. - Essa guirlanda, foi feita com ervas e folhas naturais, representando o Mabon, você pode ir trocando conforme o festival… Esse athame, representa o elemento fogo, ele é usado em rituais para direcionar e guardar energia, também serve como um amuleto para banir forças negativas, para traçar círculos ritualísticos e  para gravar símbolos mágicos em velas e talismãs… Esse bastão, ou varinha magica se preferir chamar assim [risos], representa o elemento ar, como o athame, também serve para guardar e redirecionar energia, mas a energia colocada nele, é mais forte, por isso atinge terceiros com mais facilidade… Esse cálice representa o elemento água, serve para você beber vinho, hidromel e outras bebidas durante os rituais… O pentáculo representa o elemento terra, ele serve para consagrar ervas, magias e para transferir energia para os seus cristais, pedras e objetos mágicos… O pentagrama representa os cinco elementos juntos: Fogo, terra, água, ar e espírito. Ele é o símbolo maior da magia e serve para nos proteger e nos bloquear contra forças negativas… O caldeirão representa o ventre da deusa, nele você poderá preparar poções, chás feitos com ervas ritualísticas  e usar para trabalhar sua clarividência, se assim desejar… O sino serve para você iniciar e finalizar os rituais, a foice para colher ervas e flores e, por fim, a garrafa é o primeiro recipiente para você colocar poções, chás ou essências, aos poucos você vai adquirindo outros… - Lysandre explicou paciente, enquanto eu pegava cada objeto na mão e admirava os seus belos detalhes.

- São lindas… - Falei quase em transe, admirando as estátuas. - Representam o Lugh e a Mórrigan? - Perguntei já imaginando a resposta e ele assentiu sorridente. - Onde você conseguiu? - Perguntei curiosa.

- Eu fiz… - Ele respondeu sem graça.

- Estão perfeitas! - Afirmei surpresa. - Você fez tudo isso? - Questionei admirada.

- Tudo não, eu fiz as estátuas, os castiçais, a varinha, o diário, o pentáculo e a guirlanda, eu usei o meu athame para entalhar os símbolos… O punhal, o athame, o caldeirão, os incensários, a toalha de altar, o cálice e o sino eu comprei na internet e para algumas coisas eu precisei recorrer ao Garin, o móvel foi feito por ele, além dos suportes para o grimório e para a varinha e da garrafa… Ele respondeu paciente. - Usamos a busca da Fantine como desculpa, na verdade ele veio trazer essas coisas e contribuir para a outra parte da surpresa. - Lysandre completou sorridente e em tom de mistério.

- Tem mais surpresa? - Perguntei incrédula. - Você quer me matar do coração, só pode! - Afirmei rindo. - Eu já não sei como reagir a esse altar, estou tão feliz e encantada com tudo, é de longe o melhor presente que eu já ganhei, ainda mais por grande parte das coisas ter sido feita por você… Você me surpreende cada vez mais, é tudo tão lindo e detalhado, foi tão atencioso da sua parte… - Disparei a falar sem raciocinar direito, de tão empolgada e emocionada que eu estava com o presente. - É tão bom ter alguém que me entende e me aceita como eu sou… - Completei já com a voz embargada, ele soltou um risinho e me puxou para abraçá-lo.

- Nada de choro, minha linda, quero você sorrindo no seu dia… - Lysandre falou em tom carinhoso, me apertou contra si e deu um beijo na minha testa. - Pelo menos nesse quarto, você poderá se mostrar como realmente é e praticar suas crenças sem medo. - Ele completou com um sorriso leve.

- Obrigada, Lys, isso significa muito para mim, de verdade… Eu sei que, se fosse só pela sua vontade, você deixaria tudo isso de lado, ignoraria as suas origens e não seguiria tão à finco as crenças da sua família, por isso tudo, o que você fez teve o triplo de impacto sobre mim, é muito altruísmo da sua parte ter mudado as próprias convicções por minha causa. - Desabafei agradecida, enquanto apertava os meus braços na cintura dele e ele acariciava a minha cabeça.

- Talvez essa seja uma das suas missões nessa vida, não deixar eu me desviar das minhas origens… - Lysandre falou pensativo e eu concordei sorridente. - Você não está curiosa para saber quais são as outras surpresas? - Ele perguntou rindo.

- Claro que eu quero, é que eu fiquei tão emocionada com o altar, que esqueci dessa parte. - Respondi empolgada, Lysandre me encarou sorridente, abriu a gaveta maior do altar e tirou uma caixa de dentro.

- Imaginei que você fosse gostar de estrear o seu altar iniciando as comemorações do Mabon, por isso, separei algumas coisas para o prepararmos para a ocasião. - Ele contou enquanto me mostrava as folhas secas, raminhos de trigos, maças, pequenas abóboras, velas e incensos. 

- Claro que eu quero! - Afirmei animada. - Podemos fazer isso agora? - Perguntei ansiosa, ele assentiu com a cabeça e iniciamos o pequeno ritual.

Primeiro, espalhamos as folhas secas e os trigos pelo altar, em seguida, colocamos as maçãs e abóboras em cima do pentáculo, em oferenda aos deuses, depois, colocamos as velas e os incensos em seus suportes e os acendemos e, por fim, escrevemos nossos desejos e agradecimentos e os queimamos nas velas.

Após finalizarmos o nosso culto, o Lysandre preparou um banho na banheira para mim, enquanto eu separava a roupa que eu usaria na minha festa de aniversário. Entramos juntos na banheira e, após passarmos um longo tempo por lá, tivemos que tomar outro banho no chuveiro em seguida, já que a última coisa que fizemos naquela banheira foi nos banharmos… 

[…]

- Você me atrasou, daqui há pouco a Rosa e o Alexy vão bater aqui atrás de mim… - Reclamei rindo.

- Você não parecia preocupada com o horário enquanto estávamos na banheira… - Lysandre respondeu em tom malicioso e deu um beijo no meu pescoço, ele ainda estava desnudo, com uma toalha enrolada na cintura e me observava enquanto eu me vestia.

- Você sabe dar boas respostas quando quer! Né, senhor engraçadinho!? - Resmunguei forçando uma expressão séria.

- Digamos que, após tanta convivência com a minha namorada e com o meu cunhado, eu adquiri uma dose de ironia… - Ele brincou em tom divertido.

- Entendi… - Falei o encarando séria, com uma das sobrancelhas arqueadas. - Mas vê se não exagera nessa dose, pois você fica ainda mais irresistível quando faz piada maliciosa e eu preciso sair desse quarto hoje… - Completei em tom sugestivo, enquanto caminhava até ele e, em seguida, dei um beijo apaixonado no meu namorado. 

Após muito custo, consegui me separar do Lysandre,  terminei de me vestir e ia saindo do quarto dele, quando ele me segurou pela mão e me puxou de volta.

- Você não vai querer saber qual é a última surpresa antes de ir? - Meu namorado perguntou sorridente.

- Tem mais? - Perguntei surpresa e ele assentiu com a cabeça.

- Não será só a Fantine que irá para a fazenda amanhã cedo, nós também iremos! - Ele contou sorridente e eu o encarei incrédula. - Eu já pedi permissão para os seus pais e eles autorizaram, iremos amanhã bem cedinho com o Garin e voltaremos domingo no final da tarde, de trem, já comprei as passagens. - Lysandre completou satisfeito.

- Não acredito! - Exclamei sorridente e quase gritante, de tão feliz que eu estava com a surpresa, depois, pulei nos braços dele e o abracei forte.

Após muito agradecer, consegui sair do quarto do Lysandre e fui até o da Fantine para começar a me arrumar, passando antes pela sala, para lembrar o meu irmão de que ele também deveria se vestir e para agradecer o Garin pela ajuda nos presentes e pela carona que ele nos daria.

[…]

- Gente, que demora, eu já estava quase indo lá te buscar! - Alexy reclamou aliviado, assim que eu entrei no local, ele, Rosalya e Fantine já estavam prontos.

- Eu tinha coisas mais interessantes para fazer… - Falei em tom malicioso e eles riram.

- Deixa para fazer esse tipo de coisa depois, afinal, é a sua festa e você precisa estar ainda mais diva! - Alexy afirmou animado e, em seguida, me entregou um roupão. - Coloca isso para não amassarmos sua roupa enquanto maquiamos você… - Ele ordenou enquanto separava as maquiagens.

- Ah, não vou tirar a roupa não, demorei muito para escolher e me vestir, ela não amassa fácil… - Resmunguei impaciente e sentei na cama da Fantine.

- E quem disse que você vai vestida assim? - Rosalya perguntou séria e eu a encarei confusa, eu usava um vestido longo estilo boho preto uma sandália rasteira preta de tiras e me sentia muito bem daquela forma. - Eu sei que você está em uma fase “hippie das trevas”, mas hoje você vai mais produzida! - Ela afirmou rindo. - E é aí que entra o nosso presente! - Minha amiga completou me entregando um embrulho.

- Rosa, é maravilhoso! - Afirmei impressionada, admirando o lindo vestido preto curto de manga longa, com ombros cavados, feito em renda com estampa de caveira e com forro tomara-que-caia em cetim. - Eu nunca tinha visto uma renda assim antes, é minha cara! - Completei sorridente. - Muito obrigada, amiga, eu amei! - Agradeci animada e dei um abraço na Rosalya.

- Eu sabia que você iria amar, quando eu vi essa renda com motivos de caveira chegando na loja do Leigh, eu lembrei de você na hora e fui logo desenhando um vestido para você usar na sua festa! - Minha amiga contou feliz e empolgada, eu agradeci mais uma vez, depois tirei a roupa e vesti o roupão.

- Ainda falta o nosso… - Alexy falou animado e me entregou uma caixa retangular. - É para combinar com o vestido. - Ele explicou após eu abrir a caixa e ver que o presente era um sapato de salto preto, com uma amarração que lembrava um corselet na parte frontal.

- É linda, obrigada, amore, eu amei de verdade e você adivinhou, eu estava mesmo precisando de um salto, os meus estão em péssimo estado! - Agradeci sinceramente e sorridente, em seguida, dei um forte abraço no meu amigo.

- Como uma produção não ficaria completa sem os acessórios, falta o meu… - Fantine falou em tom gentil e me entregou uma caixinha pequena.

- Que coisa linda, tem tudo a ver comigo! - Afirmei impressionada, admirando o belo par de brincos com correntes de prata e pingentes de sol e de lua e a chocker de veludo, com correntes de metal e pingente de lua. - Muito obrigada, eu amei! - Completei sinceramente e agradeci a garota com um abraço apertado. 

Separamos o meu look completo em um canto e eles começaram a me produzir, Alexy fazia o meu cabelo, Rosalya a maquiagem e Fantine pintava as minhas unhas, eu me sentia em um verdadeiro dia de princesa.

- Ainda bem que a sua franja está crescendo, você fica linda de franjinha, mas sem fica ainda mais! - Alexy falou pensativo, enquanto desembaraçava o meu cabelo, Rosalya e Fantine concordaram.

- Eu estava enjoada da franja também, ainda bem que o meu cabelo cresce rápido. - Respondi aliviada.

- Vou fazer um penteado preso, assim a gente esconde toda a parte mais curta e o seu rosto fica bem à mostra… - Meu amigo falou enquanto avaliava o meu cabelo e eu concordei.

- Amiga, mudando de assunto, por quanto tempo você vai me deixar ansiosa? Conta qual foi o presente do Lys-fofo! - Rosalya pediu agoniada e eu ri, enquanto eles me produziam, ela já tinha perguntado sobre isso algumas vezes, mas eu desconversava.

- Só estou fazendo mistério para te intrigar, Rosa… - Contei rindo. - Ele me deu vários ítens relacionados a cultura pagã. - Expliquei sorridente.

- Tipo coisa de bruxaria? - Alexy perguntou confuso.

- É uma forma genérica de chamar, Alexy… - Respondi rindo.

- Ai, essas coisas me dão medo, amiga, dizem que quem mexe com esse tipo de assunto acaba atraindo fantasmas e outras coisas sobrenaturais e malignas… Deus me livre! - Meu amigo contou pensativo e concluiu se benzendo.

- Confesso que também tenho medo disso, as crenças dos meus sogros sempre me assustaram, ainda bem que o Leigh não se interessa por esse assunto e nem segue os costumes da família. - Rosalya contou reflexiva.

- Eu entendo vocês, a nossa sociedade sofre com a opressão cristã há milênios, esse tipo de pensamento é comum e esperado. - Falei desanimada e eles me encararam sem reação.

- Concordo, é comum que as pessoas temam o desconhecido e sigam a massa, eu mesma já destratei a minha própria bisavó e fingi que não conhecia o meu tio por vergonha das crenças deles e hoje eu me arrependo muito por isso, acho louvável e me orgulho por eles manterem suas convicções e lutarem para preservarem as nossas origens, sem se importarem com o que a maioria pensa. - Fantine contou em um misto de vergonha no começo e orgulho no final. 

- Vendo por esse lado, vocês estão certas, o que torna uma pessoa boa ou ruim não são suas crenças, mas sim suas atitudes… - Rosalya falou pensativa. - Meus sogros, por exemplo, são as melhores pessoas que eu conheço e os costumes e crenças deles não mudam isso. - Ela completou sorridente.

- Concordo e me sinto mal por julgar esse tipo de crença sem nem conhecer, justo eu, acabei sendo preconceituoso. - Meu amigo falou chateado. 

- Não tem problema, xuxu, você não julgou, só expressou sua opinião e o modo que você aprendeu a ver as coisas. - Falei em tom carinhoso e as meninas concordaram.

- Não se sinta mal, se eu, que nasci em uma família pagã, já julguei os costumes deles, é comum que quem não conheça se assuste… - Fantine falou gentilmente.

- Sem querer desviar muito o foco, mas já que o assunto é a sua família, preciso expressar minha opinião e dizer que o seu tio é um gato! - Alexy falou rindo, dirigindo-se à Fantine.

- Concordo, sempre achei ele DI-VI-NO! - Rosalya exclamou se abanando.

- Ele faz sucesso no vilarejo mesmo… - Fantine contou rindo.

- A genética da sua bisavó é muito boa, todos vocês são muito bonitos e a Bridanna, mesmo tendo bastante idade, é lindíssima. - Falei encarando a Fantine com um sorriso e ela agradeceu sorridente.

- Isso significa que você concorda que o Garin é um gato? - Alexy me perguntou rindo.

- Não foi bem isso que eu quis dizer, mas eu concordo, ele é muito bonito mesmo. - Respondi indiferente.

- Vocês se deram muito bem… - Rosalya comentou em tom sugestivo.

- Vou fingir que você não fez esse comentário ridículo, Rosa! - Exclamei irritada com a insinuação, afinal, era um desrespeito, já que eu namorada e ele era casado.

- Só estou brincando, amiga, relaxa! - Rosalya afirmou rindo. - É que eu conheço ele há muito mais tempo e ele sempre foi muito calado e reservado, mas com você ele é muito simpático e falante. - Ela completou pensativa.

- Meu tio é muito tímido, mas quando se identifica com alguém ou nas festas da fazenda, ele fica mais solto, ele puxou para o vovô e para a minha bisa, já o meu pai e eu, puxamos para a o lado da minha avó, tanto fisicamente, quanto no jeito. - Fantine explicou paciente.

- Eu só sei de uma coisa, queria eu me dar bem com o seu tio, me resume os assuntos que você conversou com ele, Lu, quem sabe se eu falar sobre as mesmas coisas, ele me nota! - Alexy brincou em tom divertido e todas rimos.

- Toma vergonha nessa sua cara-de-pau, ou vou contar para o Ken! - Afirmei rindo.

- Pode contar, eu namoro, mas não sou cego, amore! - Meu amigo afirmou com um sorriso safado e todas rimos.

Continuamos conversando até eles terminarem de me produzir, em seguida, eu me vesti com os presentes dados pelos meus amigos e fui me olhar no espelho.

- Vocês três me conhecem muito bem, com certeza é a produção mais linda que eu já usei! - Afirmei admirada, além do vestido, do calçado e dos acessórios terem caído muito bem em mim, o penteado trançado e a maquiagem em tons de roxo e preto, complementavam perfeitamente o meu look.

Eu agradeci os meus amigos pelo ótimo trabalho e nós quatro fomos para a sala, onde os rapazes nos aguardavam para irmos para a festa, saímos todos juntos, trancamos a casa do meu namorado e fomos caminhando até a minha, meu irmão e eu estávamos ansiosos e curiosos para saber o que meus pais e o Nathaniel tinham preparado para a nossa festa.


Notas Finais


E essa aproximação da Luna com o Garin, o Lysandre deve se preocupar? E como será a tal festa?? Respostas nos próximos capítulos rsrs...
A tatuagem da Luna e do Castiel é assim: https://scontent.fbjp1-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/38841972_277209026400245_3906535431616856064_o.jpg?_nc_cat=0&oh=16980df8435f8fd8aa1c5b15bbc003a3&oe=5BF4B179
Essa imagem, é para ajudar vocês a visualizarem como ficou o altar e para saberem exatamente como era cada objeto (a primeira foto é só para terem uma ideia de como é um altar é montado; a segunda foto é o móvel, só que o da história é um pouco maior e retangular; a terceira foto é a toalha de altar; a quarta a guirlanda de Mabon; a quinta a estátua da Mórrigan e a sexta a do Lugh; a sétima o castiçal [no altar ficam dois iguais]; a oitava o suporte de livro; a nova o grimório; a décima o caldeirão; a décima primeira o athame; a décima segunda a foice; a décima terceira e a décima quarta os incensários; a décima quinta o grimório; a décima quinta o pentagrama; a décima sexta o castiçal; a décima sétima o sino; a décima oitava e a décima nona o bastão e o suporte e a última a garrafa para poções.): https://scontent.fbjp1-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/38614848_272989646822183_6417289324772982784_o.jpg?_nc_cat=0&oh=4d5b326fb9a40abdfadd659355f98e9b&oe=5C0C9FB6
Assim é o look da Luna: https://scontent.fbjp1-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/38911352_276215073166307_5280101895984119808_o.jpg?_nc_cat=0&oh=df2193b09983973403f521723ddd7aa2&oe=5C0588C7
E assim a maquiagem e os acessórios dela com mais detalhes (imaginem que a orelha dela continuou com os outros furos e com o piercing transversal): https://scontent.fbjp1-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/38880917_276215126499635_6337489485248331776_o.jpg?_nc_cat=0&oh=90530c9bec928ca71372f61581fdf382&oe=5BC81CCB
Acho que é isso, beijinhos e até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...