1. Spirit Fanfics >
  2. Gimme More >
  3. Capítulo 63

História Gimme More - Capítulo 63


Escrita por:


Notas do Autor


Bom dia, boa tarde, boa noite e boa madrugada! ♥️

Capítulo 63 - Capítulo 63



algum tempo depois


Algo de errado estava acontecendo comigo, tenho sentido tanta dor de cabeça ultimamente que as vezes pareço que meu cérebro vai explodir. Claro que fui ao médico fazer exames, inclusive hoje estou a caminho do hospital para buscar os resultados e falar com o médico. Tenho sentido uma sensação estranha, como se eu fosse perder alguma coisa e não gosto nada disso. Mas mudando um pouco de assunto, tenho deixado Justin tomar conta de tudo sobre a máfia, desde que essas dores de cabeça se tornaram frequentes eu tenho deixado tudo nas mãos dele, ele estranhou eu ter tido essa decisão mas vejo que ele está feliz por ainda permanecer no poder de alguma forma. Sobre o pedido de casamento nós não falamos mais desse assunto, nenhum dos dois quis falar sobre isso e para mim está bem melhor assim.

Estaciono meu carro e sigo até a recepção, logo estranhei quando a moça disse que meus exames já estavam nas mãos do médico, isso para mim não parecia ser um bom sinal, então esperei ser chamada e a ansiedade já estava me fazendo balançar as pernas sem parar um segundo. Minhas mãos suavam frio e todo instante eu as secava na minha calça, meu celular vibrou notificando mensagem, era o Justin que queria saber onde eu estava, respondi dizendo que eu já estava a caminho da mansão e perguntei se havia sido algo com as crianças mas ele disse que estava tudo bem. 

O médico me chama e com as pernas trêmulas eu entro em sua sala, eu sorrio para ele que não me devolve o sorriso e parecia muito preocupado, me sentei na cadeira e ele começou fazer várias perguntas, respondi que as dores de cabeça não tem hora certa para aparecer e que sim as dores vinham seguidas de vômito, que sim eu estava tendo muita queda de cabelo e pouco apetite, ele continuou com as perguntas até que se calou e ficou me olhando. 

— Doutor, fale logo o que eu tenho.

— Lorie, seu tumor está se rompendo. Precisamos urgentemente te submeter a uma cirurgia, você sabe os riscos mas precisamos fazer isso logo antes que seu caso piore mais do que já está piorando. Seu tumor agora é uma bomba relógio, não temos muito tempo e eu já até marquei sua cirurgia para amanhã mesmo. O ideal é que você seja internada agora mesmo.

Fiquei olhando para ele sem saber o que dizer, eu ainda não havia processado tudo o que ele tinha me dito, minha boca secou e meus batimentos cardíacos disparou, respirei fundo para não desabar ali na frente do médico, então olhei para ele e fiz um pedido: — Doutor, eu prefiro ser internada amanhã. Não posso simplesmente aceitar ser internada agora sem contar o que está acontecendo para minha família, me dê só hoje para contar a eles.

— Lorie, você não entendeu. Você não tem mais tempo, é agora ou nunca, estamos sem tempo.

— Quem não está entendendo é você, doutor. Não irei me internar sem antes falar com minha família, irei para minha casa e vou passar o resto do dia com eles, amanhã bem cedo eu retorno aqui para a internação.

— Está bem, mas esteja aqui bem cedo. Se possível as seis horas da manhã. Quanto mais cedo, melhor.

Saio da sala dele me sentindo apavorada, sigo até meu carro e assim que entro nele eu caio no choro, chorei tanto que fiquei uma hora ali parada só chorando, quando me acalmei voltei para a mansão. Quando eu entrei na sala levei um susto quando vi todos ali, Justin veio todo animado falar comigo mas quando notou meu rosto levemente inchado pelo choro ele simplesmente ficou sério do nada.

— O que aconteceu? Por que está com essa cara de choro?

— Não aconteceu nada, só estou emotiva demais nestes dias e vi um vídeo que acabou me emocionando. Mas por que estão todos animados? Aconteceu alguma coisa em especial?

Justin me dá um sorriso largo e se ajoelha aos meus pés na frente de todos, seguro minhas emoções e ele segura minha mão olhando diretamente em meus olhos, naquele momento eu lembrei do que Rose havia dito.

— Lorie, eu já te fiz essa pergunta antes.. Mas quero fazer de novo e da maneira certa.. Você aceita se casar comigo?

Naquele momento olhando nos olhos dele eu vi a verdade, não existe nenhum interesse por trás disso, está mais do que claro para mim que ele está fazendo isso por amor, e tudo que quero agora é dizer sim.

— Sim, eu aceito me casar com você, Justin. Aceito porque eu te amo, falaria sim quantas vezes fossem necessárias.

Tinha tanto amor em mim que não me aguentei e nem dei tempo dele colocar o anel em meu dedo, me joguei em seus braços e chorei, aquele era um choro de uma despedida silenciosa, eu havia dito sim mas talvez nunca chegaríamos a nos casar, para mim ficou claro que irei morrer nessa cirurgia. 

Justin coloca o anel no meu dedo e nos beijamos, sou abraçada por todos e até Pattie estava ali para ver o pedido do filho. Peguei Laura no colo e ela me abraçou chorosa parecendo sentir o mesmo que eu sentia, fiz um carinho em seus cabelos e meu pai estava me observando, olhar para ele fez eu pensar na minha vida no todo e eu sou grata por ter Leone como o meu pai, sinto-me privilegiada por ter o sangue dele correndo em minhas veias. 

— Pessoal, eu gostaria de pedir uma coisa. _todos olharam para mim_ — Eu sei que ainda está cedo, mas eu adoraria que todos fossemos agora fazer um piquenique e mais tarde quero todo mundo na boate, todos sem exceção pois quero fazer uma surpresa para vocês.

Todos concordaram, chamei Natália no canto e contei a surpresa que eu queria fazer, ela então ligou para algumas pessoas para poder preparar tudo, enquanto isso fazíamos alguns lanches para o piquenique, alguns instantes depois todos seguiram para o grande jardim da mansão pois eu não queria sair de casa. A nossa tarde foi cheia de risadas e me senti grata por todos aqueles que estavam ali, mais tarde todos foram se preparar para minha surpresa na boate.

Aproveitei que estava sozinha no quarto e escrevi meu testamento, depois escrevi uma carta para os meus filhos lerem quando ficassem maiores, escrevi também uma carta exclusiva para o Justin e uma para o meu pai, as guardei no closet e fui me arrumar. Após pronta segui para a boate e as crianças ficariam com a Pattie que não estava muito animada para sair. 

Ao chegar na boate deixei eles primeiro dançarem um pouco para se divertir, fui me preparando emocionalmente enquanto retocava minha maquiagem no banheiro, hoje a boate havia sido fechada só para nós então eu estava um pouco mais tranquila. Rose entrou no banheiro e me abraçou por trás, me virei para ela e lhe dei um abraço apertado de gratidão. 

— Obrigada por sempre ter sido uma amiga maravilhosa para mim, Rose. Saiba que sou grata por ter você na minha vida, e eu amo você.

— Você falando assim até parece uma despedida.

Eu apenas sorrio para ela e saímos do banheiro, então eu vou para trás do palco que as dançarinas costumam se apresentar, Natália subiu no palco e se colocou atrás do piano o que chamou a atenção de todos inclusive do DJ que parou a música que estava tocando. Minha irmã já sabia as músicas que eu iria cantar, porque sim eu iria cantar para eles. Então subi no palco e respirei fundo, com os olhos fechados para não chorar eu comecei a cantar. Nos primeiros trechos da música eu já senti as lágrimas deslizando pelo meu rosto, eu me sentia uma tola por estar me entregando assim, mas a dor na minha cabeça me mostrava que era inútil lutar contra o destino.

"Eu não tenho desculpas. Para todas essas despedidas. Me ligue quando acabar. Porque eu estou morrendo por dentro. Me acorde quando os tremores sumirem. E o suor frio desaparecer. Me ligue quando acabar. E eu mesma reaparecer."

Continuei cantando sentindo meu peito se rasgar por dentro, era uma dor insuportável mas eu iria aguentar até terminar todas as músicas, sei que aos poucos eles vão entender o que estou sentindo. Poderei dizer o que está me acontecendo, eu só queria ter mais tempo mas parece que isso não vai poder acontecer. Então comecei a cantar a próxima música. 

" Eu converso com estrelas cadentes. Mas elas sempre entendem errado. Eu me sinto idiota quando rezo. Então, pra quê eu estou rezando, no fim das contas? Se ninguém está ouvindo. Alguém, por favor, me envie alguém. Oh, Senhor, tem alguém? Eu preciso de alguém."

Eu estava tão triste cantando, Demi Lovato para mim agora parecia uma deusa e queria lhe agradecer por suas músicas que neste momento estavam me ajudando colocar toda tristeza e todo medo para fora. Abri meus olhos e com dificuldade consegui encarar os olhos atentos do Justin, ele parecia sentir minha dor. Enquanto cantava acabei por lembrar do Afonso, não sei ao certo porque logo a imagem dele veio na minha mente, então eu decidi que era hora de abrir meu coração para ele naquele momento. Respirei fundo e cantei para Afonso, o meu eterno pai.

" Pai, eu vou te agradecer. Mesmo que ainda machuque. Oh, eu irei dizer: Abençoado seja você.. Eu quero dizer essas palavras. Eu sempre quis o melhor para você. Eu, eu rezei pela sua paz. Mesmo que você tenha começado. Toda essa guerra em mim. Você deu o seu melhor, não deu? Às vezes eu penso que odeio você. Me perdoe, pai, por sentir isso. Eu não acredito que estou dizendo isso. Eu sei que você era um homem problemático. Eu sei que você nunca teve a chance. De ser você, dar o seu melhor. Eu espero que o céu tenha dado. Uma segunda chance."

— Chega, Lorie. Por que está fazendo isso, cantando essas músicas tristes? _paro de cantar quando Justin invade o palco fazendo essas perguntas.

— Eu só preciso colocar para fora... Por favor, me deixe fazer isso.

— Não entendo.. Você parceria tão feliz, e agora está cantando coisas tristes. Por que? Aconteceu alguma coisa que eu não saiba?

— Justin, se você me ama de verdade.. Me deixe cantar.. Eu preciso fazer isso.

— Por que está parecendo que você quer despedir-se de todos nós. Lorie, você pretende ir embora?

— Terei que ser internada às pressas.. Justin, meu tumor está se rompendo, neste momento eu sou uma bomba relógio prestes a explodir. Eles vão me submeter a uma cirurgia que talvez eu não resista.. Eu só preciso tirar esse medo de dentro do meu coração.

Ele ficou ali parado na minha frente com a respiração ofegante, eu já não conseguia fazer outra coisa além de chorar e quando ele me abraçou foi como se ele tivesse pego aquela dor para ele, me senti mais leve e mais forte, já não existia mais medo e tudo que eu queria era ficar ali agarrada nele. 

Como eu estava segurando o microfone todos acabaram ouvindo o que falamos, eles me olhavam sem saber como reagir, eu então desci do palco e corri para os braços do meu pai, ele retribuiu o abraço e eu comecei sentir tudo girar até que desmaiei. 


Notas Finais


Capítulo Revisado ♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...