1. Spirit Fanfics >
  2. Gina e o beijo francês - Hinny >
  3. Capítulo Oito

História Gina e o beijo francês - Hinny - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Oii pessoal, mais um capítulo para vocês. Espero que gostem.

Capítulo 8 - Capítulo Oito


É melhor assim. É mesmo. 

Conforme os dias passam, percebo que fico feliz que tenha conhecido a namorada dele. É na verdade um alívio. Há poucas coisas piores do que alimentar sentimentos por alguém que você não deveria, e não gosto de onde os meus pensamentos estavam me levando. E certamente não quero me tornar outra Romilda Vane. 

Harry é amigável. A escola toda gosta dele, até os professores, e por que não gostariam? Ele é inteligente, engraçado e educado. E, sim, ridiculamente atraente. Entretanto, mesmo sendo tão querido, não sai com muitas pessoas. Somente com nosso pequeno grupo. E, uma vez que seu melhor amigo está sempre distraído por causa de Luna, ele resolveu sair com, bem... comigo. 

Desde a noite em que saímos, ele tem sentado do meu lado após as refeições. Provoca-me por causa dos meus pijamas, pergunta sobre meus filmes prediletos. E me defende junto com meus irmãos. Mas então, assim que começo a sentir aquelas agulhadas novamente, ele desaparece. Fico olhando pela janela após o jantar, observando os trabalhadores recolhendo o lixo, quando o vejo surgir e desaparecer em direção ao metrô. 

Em direção à Cho. 

Na maioria das noites estou estudando no saguão com o Ron e a Mione ( que agora vivem agarrados), quando ele chega a casa. Senta-se ao meu lado e solta uma gozação sobre um novato bêbado que está paquerando a garota da recepção. (Tem sempre algum novato bêbado paquerando a garota da recepção). E é minha imaginação ou o cabelo dele está mais desgrenhado do que antes? 

Só de pensar em Harry e Cho fazendo coisas fico com mais ciúme do que posso admitir. Dio e eu trocamos e-mails, mas o conteúdo das mensagens não passa de amigável. Não sei se isso significa que ainda está interessado em mim ou se quer dizer que não está, mas sei que mandar e-mails não é o mesmo que beijar ou fazer coisas. 

A única que entende a situação de Harry é Mione, mas não posso dizer nada a ela. Acho que ela entende porque Cho era a melhor amiga dela, então fico com receio de perguntar algo e magoá-la. Ela foi a primeira amiga que fiz aqui e pelo que vejo da sua relação com meu irmão poderia se tornar minha cunhada, ela passa bastante tempo com ele e por algum milagre faz o Ron sentir vontade de estudar e ir a biblioteca. 

Estou tentando agir com indiferença, ao contrário da maioria das garotas da escola que quase desmaiam só de receber um sorriso vindo dele. E além do mais tenho coisas mais importantes para me preocupar como assistir os filmes que estão em cartaz e comprar novos livros. Já estou aqui há um mês e ainda não consegui ir aos cinemas.  

Na verdade, eu odeio ir ao cinema sozinha. Sempre tinha a Pansy para ir comigo. Mas tenho um plano. Primeiro, vou convencer alguém a ir ao cinema comigo. Não deve ser tão difícil; todo mundo gosta de filmes.  

— Luna, o que você vai fazer hoje à noite? 

Estamos esperando pelo início da aula de literatura com a professora Minerva. Mione e Neville são os únicos que não estão aqui, Neville e Mione estão fazendo um curso de língua estrangeira extra: espanhol avançado.  

Luna bate a caneta no caderno. Há duas semanas vem elaborando seu formulário para a Brown. Tem semanas que ela está tentando preencher esse formulário.  

— Você não entende — disse quando perguntei por que ela ainda não tinha acabado de preencher o requerimento. — A Brown nega cerca de 80% dos candidatos. 

Mas duvido de que ela tenha quaisquer problemas. Não teve notas menores que A este ano, e a maioria foi A sem erro algum. Já enviei meus formulários. Vai demorar um pouco para receber a resposta, mas não estou preocupada. As faculdades que escolhi não são as mais requisitadas.  

Estou tentando ser amigável, mas é complicado. Na noite passada, enquanto fazia carinho no coelho dela, Isis, Luna me lembrou umas duas vezes de não dizer nada sobre ela porque as leis do dormitório são contra a permanência de animais. Como se fosse fazer fofoca. Além do mais, não é como se Isis fosse segredo para alguém. O cheiro de xixi de coelho do lado de fora do seu dormitório não deixa dúvida. 

— Nada, eu acho — ela diz, respondendo à minha pergunta sobre o que fará hoje à noite. 

Respiro fundo para acalmar os nervos. É ridículo como é difícil fazer uma pergunta quando a resposta significa tanto. — Quer ir ao cinema? Está passando It happened one night no Le Champo. — Só porque não tenho saído muito, não significa que não me debrucei sobre a Pariscope

— Eles estão passando o quê?  

— It happened one night. Clark Gable e Claudette Colbert. Ganhou cinco Oscar. Foi muito bom. 

— Em que século? 

 — Ha ha. Honestamente, você vai gostar. Ouvi dizer que é ótimo.  

Luna esfrega a testa. — Eu não sei. Não gosto muito de filmes antigos. A atuação é tão: Ei cara, velho amigo. Vamos colocar os nossos chapéus e nos desentender. 

— Ah, larga mão disso — Harry olha por cima de um grosso livro sobre a Revolução Americana. Ele se senta do meu outro lado. É estranho acreditar que ele sabe mais história americana do que eu. — Não é esse o encanto? Os chapéus e os desentendimentos? 

— Então, por que você não vai com ela? 

— Porque ele vai sair com Cho — digo. 

— Como você sabe o que eu vou fazer hoje à noite? — ele pergunta. 

— Por favor. — Eu imploro. — Por favorrrr? Você vai gostar, prometo. Assim como Neville, Ron e Mione também gostarão. 

Luna abre a boca para protestar no exato momento em que a professora entra.  

— Como você sabe o que vou fazer hoje à noite? — Harry repete. 

— Por favorrr — digo para ela. 

Ela faz uma careta conformada. — Tudo bem. Mas eu escolho o próximo filme. 

— Oba! 

Minerva pigarreia, Luna e Harry olham para a frente. É isso o que eu gosto nos meus novos amigos. Eles respeitam os professores. Eu fico louca quando os alunos continuam conversando ou os ignoram, porque a minha mãe era professora. Não gostaria que ninguém fosse rude com ela.  

— Tudo bem, pessoal, já basta. Romilda, já basta. — De forma tranquila, mas firme, Minerva a faz ficar quieta. Ela joga o cabelo e suspira com um olhar direcionado a Harry. 

Ele a ignora. Ha. 

— Tenho uma surpresa para vocês — Minerva diz. — Já que o tempo está mudando, e assim teremos mais dias quentes, consegui que vocês passassem a semana fora. 

Vamos sair para ganhar pontos extras. Eu amo Paris! 

— Eu organizei uma caça à bugiganga. — Minerva levanta uma pilha d papéis. — Há 200 itens nesta lista. Vocês serão capazes de encontrá-los, todos, em nossa vizinhança, mas talvez precisem pedir ajuda aos moradores. 

— Vocês tirarão fotos desses itens e trabalharão em duas equipes. 

— O time vencedor será determinado de acordo com os itens encontrados, mas eu terei de encontrar fotos nos celulares ou câmera de todo mundo se quiserem ganhar créditos. 

— Haverá uma premiação. — Minerva sorri novamente, agora que conseguiu a atenção de todos. — A equipe que encontrar o maior número de itens até quinta-feira... não precisa vir à aula na sexta. 

Agora, sim, pode valer a pena. A sala explode em assovios e palmas. Minerva escolhe os capitães das equipes com base naquele que pede mais alto. 

Draco Malfoy — o garoto de cabelos platinados — e a melhor amiga de Romilda, Parvati, são os escolhidos. Luna e eu lamentamos em um momento raro de camaradagem. Draco comemora dando um soco no ar. 

Que besta. 

A seleção começa e Romilda é escolhida primeiro. Claro. E depois o melhor amigo de Draco. Claro. Luna me cutuca. — Aposto cinco euros com você que vou ser escolhida por último. 

— Aceito porque com certeza serei eu e não você. 

Romilda se vira na cadeira em minha direção e abaixa a voz. — É uma aposta segura, água de salsicha. Quem a escolheria para a equipe? 

Minha mandíbula range estupidamente. 

— Harry! — A voz de Draco me surpreende. Já era esperado que Harry seria escolhido primeiro. Todos olham para ele, mas ele está olhando para Romilda. — Eu... — ele diz, respondendo à pergunta dela. — Quero Gina na minha equipe e você terá sorte em tê-la. 

Ela enrubesce e rapidamente se vira, mas não antes de me enviar um olhar mortal. O que foi que fiz para ela? 

Mais nomes são chamados. Mais nomes que não são o meu. Harry tenta chamar minha atenção, mas eu finjo não perceber. Não consigo olhar para ele. Estou muito humilhada. Logo, a seleção está entre mim, Luna e um cara magricela que, por qualquer que seja a razão, é chamado Cheeseburger. Cheeseburger está sempre com uma expressão de surpresa, como se alguém tivesse acabado de chamar seu nome e ele não sabe de onde vem a voz. 

— Luna — Nicole diz sem hesitar. 

Meu coração para. Agora está entre mim e alguém chamado Cheeseburger. Concentro a atenção na minha carteira, no desenho que Neville fez de mim anteriormente na aula de história. Estou vestida como uma camponesa medieval (estamos estudando a Peste Negra) e minha expressão é tão carrancuda segurando um rato. 

Romilda sussurra no ouvido de Draco. Vejo-a sorrir com desdém para mim e meu rosto queima. 

Draco pigarreia. — Cheeseburger. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...