História Girl meet Girl - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amizade, Amizade Colorida, Colegial, Duda, Girl Meet Girl, Lesbicas, Romance, Três Marias
Visualizações 481
Palavras 1.485
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Orange, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oiiiis! Nesse cap tem uma descobertazinha que muita gente pode gostar haha Eu achei que ficou bem fofinho, espero que vocês gostem!

Capítulo 22 - Fuck!


A única coisa pior que um domingo em família, era ter que entrar no ônibus naquela segunda-feira... Quando eu achei que tudo fosse se resolver, o destino resolveu cuspir na minha cara. De novo.

A minha suspensão acabou e agora eu estava atrasada nas provas de quase todas as matérias. Para piorar, eu estraguei tudo com a única pessoa que me ajudaria a estudar: Maria Clara. Falando nela, não a vi no ônibus naquela manhã, o que era um péssimo sinal. Ela NUNCA falta.

Senti o olhar de Maju me examinando pela primeira vez desde a nossa briga e fiquei tentando decifrar o que aquilo queria dizer... Eu sei que preciso falar com ela e me desculpar, mas confesso estar morrendo de vergonha. Vou chegar e dizer o que? "Oi, desculpa desconfiar de você e te fazer passar vergonha na frente de todo mundo."? Não. Preciso pensar em algo melhor.

Os olhares na escola não foram menos constrangedores do que o de Maju, já que agora todos haviam se lembrado do assunto do vídeo. Alguns me defendiam, outros defendiam o Matheus... Ok, eu não esperava que fosse diferente, chamei muita atenção ao gritar com ele na frente da sala toda. Mas, se querem saber, o mais difícil seria justamente ter que encarar aquele traidor. 

A suspensão do meu ex-amigo teve a mesma duração que a minha, no entanto, ele foi obrigado a apagar o vídeo e a página em que postou. Agora finalmente entendo o que os velhos estão querendo dizer com aquele papinho de que "quando compartilhamos algo na internet, isso nunca pode ser apagado"... Meu vídeo com Rafa ainda deve estar circulando por aí.

Tanta coisa se passava em minha mente naquele dia, que tudo o que pude fazer, foi torcer para que não piorasse (se é que isso é possível). Essa situação desconfortável se estendeu por alguns dias. Para terem ideia, até meu status do WhatsApp já tinha virado "segue o baile".

Maria Clara acabou dando as caras, mas sequer estava conversando comigo e com a Rafa. Não entendo o motivo de todo esse drama, foi só um beijo! Um beijo que, aliás, sei que ela queria. Ela não se deu ao trabalho de me explicar o motivo de ter surtado e eu não queria pressioná-la. Não ainda... Mas eu estaria mentindo se dissesse que não tentei mexer com a cabeça da garota.

 

Eu finalmente havia acabado de fazer todas as provas atrasadas, se fui bem é o de menos, só queria me livrar delas... Eu já podia sentir o gosto de liberdade do tão esperado fim de semana, estava exausta! O meu foco, naquele dia, era tanto, que eu sequer sabia qual era o assunto daquela aula chata. Quem é a anta que coloca a matéria de sociologia no último tempo da sexta-feira? 

Grudei meus olhos em Bife. Eu estava praticamente jogada na cadeira, era o meu típico jeito de "sentar que nem mocinha". Nem ela estava interessada no que o professor falava, parecia estar rabiscando alguma coisa nas últimas páginas de seu caderno, com a maior cara de tédio. Achei uma gracinha... 

Era bastante incomum que Bife não estivesse anotando qualquer coisa sobre a matéria. Sorri sozinha. Ela ficava linda com aquele coque mal feito, que deixava a mostra todo o seu pescoço, o qual eu estava louca para beijar no dia em que ela esteve em casa. 

Quando Bife olhou em minha direção, foi inevitável que seu olhar parasse sobre mim, então levei a caneta até a boca, mordendo de forma provocativa. Eu sabia que ela abaixaria a cabeça, antes mesmo que ela o fizesse. Já posso dizer que a conheço bem? Bife balouçou a cabeça de um lado para o outro, depois fingiu estar prestando atenção na aula... Essa garota não me engana.

Duda:
Me perdi, do que ele tá falando mesmo?

O celular da garota vibrou sobre a carteira, ela o desbloqueou discretamente para ver a mensagem, então voltou a olhar para mim. Sorri.

Bife: 
Sociologia.

Ava, é memo? Adoro estar certa, mas gostaria mesmo é de saber o que se passava pela cabeça dela naquele momento. Precisava voltar a conversar com ela logo.

Rafa, que estava sentada logo atrás de mim, me deu um cutucão meio bruto, o que me fez soltar um "Ai!" mais agudo do que o normal. 

- Vamos no cinema hoje. - Sussurrou entre os dentes.

- Precisa me agredir pra falar isso? - Ela continuou séria. Oxe. - Eu tava pensando em um rolê mais agitado. Desde você troca balada por cinema?

- Desde o meu último porre. Não quero aquilo tão cedo.

- Ah, qual é, Rafa? Logo agora que quero conhecer umas garotas novas? - Reclamei. Eu estava meio desligada ultimamente, fazia tempo que eu não agia como a boa e velha Duda.

- Aham, agora que a Clara te dispensou você quer, né? - Franzi o cenho, por que ela ficou irritada de repente? Ela até parecia querer que eu ficasse com a Bife... Menina bipolar, eu hein.

O sinal tocou antes que eu pudesse responder minha melhor amiga. Dei uma encarada em Maria Clara enquanto saia da sala, depois voltei a discutir com Rafa para onde iriamos a noite. Para vocês terem noção da profundidade desse nosso dilema, quando entramos no ônibus ainda estávamos no mesmo assunto. Óbvio que eu já estava quase vencendo aquela discussão, sou teimosa quando quero. 

- Vai, por favor... Podemos ir ao cinema amanhã. - Choraminguei enquanto passávamos pela catraca. Rafa bufou. 

Passamos por Maria Júlia, que já estava sentada no mesmo banco de sempre. Fui obrigada a parar a alguns metros dali, logo em frente a porta de saída do ônibus, pois Rafa decidiu se virar para mim, apontando o dedo na tentativa de fazer uma ameaça.

- Se descumprir isso, juro que...

- Não vou descumprir. - Falei animada, interrompendo. - Vamos, preciso de você hoje! - Nesse momento tive um forte clique mental, os sons ao meu redor pareceram sumir, eu sequer escutava o que Rafa estava dizendo. 

Olhei para a porta. Eu vi Maju saindo por ela daquele mesmo ângulo quando brigamos no ônibus. Que vergonha, fui uma escrota aquele dia! Tive uma espécie de flashback, era como se eu pudesse ver tudo acontecendo pela segunda vez. Lembrei da morena esbarrando em mim, do ônibus parando em um ponto que não faço ideia de qual seja e, por fim, de Maju me ignorando quando desceu as escadas para chegar até a calçada

- Eu precisava de você... - Foi o que eu disse ao vê-la ir embora naquele dia. Os sons ecoaram em meu ouvido enquanto eu voltava a realidade, então me peguei sussurrando aquelas mesmas palavras. - Eu precisava de você. - Repeti. 

Olhei para Maju, que estava a poucos metros de mim. Tive tempo de ver Rafaela franzindo as sobrancelhas e estreitando os olhos, sem entender nada, ela deve até ter dito alguma coisa, mas eu estava focada. 

Fui em direção a Maria Júlia em passos firmes, ela estava com os mesmos fones de ouvido que arranquei dela no outro dia, porém, dessa vez, ao invés de puxá-los, puxei sua mão. A expressão de Maju foi bem parecida com a de Rafa há alguns instantes atrás, mas antes que ela pudesse dizer qualquer coisa, a beijei. 

Fiquei surpresa ao não encontrar nenhuma resistência ao beijo, ela retribuiu desde o início. Apertei sua cintura contra o meu corpo, que saudades daquilo! Eu amo o beijo dessa morena, é sempre quente e provocante como da primeira vez. 

Não pude evitar que um sorriso brotasse em meus lábios, um sorriso tão grande que fez com que tivéssemos que nos separar.

- Você mandou o bilhete! - Ela sorriu. - Ah, meu Deus! Depois de tudo, você mandou o bilhete! - Eu estava praticamente comemorando, sem conseguir conter minha surpresa. O sorriso no rosto da garota crescia junto ao meu. 

- Você precisava de mim, né? - Riu.

- Eu PRECISO. Preciso muito! - Ri também. - Eu não sei nem como me desculpar... 

- Hmm... - Ela fingiu estar pensando. - Que tal mais um beijo? - Não precisou de mais nada para que eu a atacasse com vários beijinhos rápidos pelo rosto, a fazendo rir. - Tá bom, tá bom... Acho melhor fazermos isso em outro lugar. Tá todo mundo olhando. - Só assim percebi que ainda estávamos no ônibus e que, realmente, até o cobrador nos fitava.

Sentei-me rapidamente, meio sem graça, para poder olhar em volta mais discretamente. Meu coração quase parou ao ver Maria Clara em um dos bancos da frente olhando diretamente para mim, eu já a conhecia bem o bastante para entender que ela não estava nada feliz. Fuck! Virei a cabeça para trás desesperadamente, tentando procurar algum consolo em minha melhor amiga, a qual eu havia deixado falando sozinha. Fuck 2! A expressão dela estava ainda pior que a de Maria Clara.


Notas Finais


Eai eai? Quem sacou que era a Majubs? Quem ficou com dó das meninas? Haushau

Me contem tudo que acharam aí nos coments, pq eu adoro, eu me amarro... hahahah

Até o próximo cap!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...