História Girl Of Steel - Hope - Capítulo 9


Escrita por: e LRocha12

Postado
Categorias Supergirl
Personagens Alex Danvers, Eliza Danvers, James "Jimmy" Olsen, J'onn J'onzz "John Jones" (Caçador de Marte), Kara Zor-El (Supergirl), Lena Luthor, Winslow "Winn" Schott Jr.
Tags Kara Danvers, Lena Luthor, Lex Luthor, Supercorp, Supergirl
Visualizações 185
Palavras 2.493
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Científica, LGBT, Luta, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá!
Mais um capítulo saindo pra vocês, esperamos que gostem! Não esqueçam de comentar, pois isso nos ajuda muito em avaliar em como está a história. Esse capítulo de hoje contará com algumas pequenas confusões que tornarão a trama mais dinâmica. Boa leitura!

Capítulo 9 - Sugar


Fanfic / Fanfiction Girl Of Steel - Hope - Capítulo 9 - Sugar

Lena POV

Hoje seria um dia e tanto. Foi isso que eu pensei assim que minha mente registrou a música clássica e me acordou. Pulei da cama mais animada do que nos dias anteriores, também não era para menos, já que eu teria um grande dia pela frente! Me arrumei o mais rápido que pude e nem mesmo tomei meu café da manhã, pediria para buscarem para mim assim que eu chegasse na empresa.

Enquanto descia pelo elevador, olhei para meu relógio de pulso e vi que chegaria antes mesmo do meu pai a Luthor Corp e para minha sorte, o trânsito estava bem tranquilo hoje, portanto cheguei até mesmo antes do esperado. Assim que sai de meu carro, fui direto para o elevador executivo e para minha tristeza não encontrei com Kara nele, mas eu a veria mais tarde com certeza. Apertei o botão para o último andar onde ficava a sala do CEO e como compartilhamos da mesma secretaria fui em direção a mesma.

- Bom dia Jess! Por favor, preciso que marque uma reunião geral no auditório principal para o início da tarde. – Eu disse de forma cordial e ela acenou positivamente. Já estava quase abrindo a porta da minha sala, que por sinal ficava ao lado do escritório de meu pai, quando lembrei de algo. – Jess você poderia buscar um café preto e amargo para mim? E ah... alguns donuts também. Pode pegar algo para você, por minha conta.

Ela olhou para mim com certa estranheza, afinal, eu nunca havia pedido nada além de café. Como eu havia chego antes do horário, aproveitei aqueles minutos para separar alguns papéis e preparar um discurso sucinto para hoje antes de descer para o laboratório. Não se passou muito tempo e logo Jess entrou em minha sala, carregando o copo de café e uma embalagem com donuts.

- Muito obrigada Jess. – Sorri para a jovem e peguei o pacote de suas mãos, assim como o café. Em seguida, peguei a folha de meu discurso e me dirigi para o elevador que dava acesso ao meu laboratório. Nos andares abaixo, a porta sempre se abria, meu peito acelerava, contudo, em nenhuma das vezes era Kara quem entrava. Chegando no andar do laboratório, eu sai do elevador calmamente me apoiando em meus saltos. O barulho dos meus passos ecoava pelo corredor silencioso, mas ao fundo eu pude notar uma silhueta conhecida parada em frente à porta do meu laboratório.

- Hey Kara! Te fiz esperar muito? – Ela sorriu genuinamente para mim.

- Não eu cheguei faz pouco tempo, não se preocupe.

- Toma, eu pedi para trazerem para você. – Estiquei o saco de donuts e ela olhava para mim, para logo em seguida vislumbrar o pacote. Suas bochechas coraram e ela sorriu sem graça.

- Ora Lena, não precisava. – Ela ajeitou seus óculos antes de pegar o pacote, deu uma espiada dentro e sorriu. – Ow! São os meus favoritos.

- Que ótimo! – Eu disse feliz e ela me olhou sorrindo também. Ficamos ali com os olhares conectados. Isso deveria ser desconfortável, mas com ela não. Com ela era diferente. – Bem vamos entrar?

- Oh sim, claro! – Ela saiu da frente da porta para que eu pudesse abri-la, e assim que eu o fiz nós duas entramos. Liguei os computadores e microscópios. Eu queria mostrar a Kara como eu havia conseguido a cura, geralmente eu não me abria assim com ninguém, mas ela me pareceu tão interessada e sincera comigo que resolvi me dar a chance.

Ela sentou em uma das cadeiras e apoiou o pacote de donuts ao seu lado. Kara parecia tentada a experimentar um deles, mas era educada demais para comer em meu laboratório sem minha permissão. Eu sorri daquilo e levei meu café a boca para depois olhar em sua direção.

- Kara fique à vontade para comer.

 

Kara POV

Confesso que estava meio sem graça de comer no laboratório de Lena, mas aqueles donuts deliciosos estavam tirando minha sanidade. Meu estômago fez um barulho engraçado, entregando assim a minha fome latente. Graças Rao, ela pareceu não ouvir, caso contrário iria morrer de vergonha. Então como se adivinhasse meus pensamentos, Lena sorrio para mim, dando permissão para que eu degustasse o doce a minha frente.

 Hoje seria um dia mais que especial para ela. Lena era uma cientista brilhante e sem exageros, uma das mulheres mais inteligentes que já conheci na vida. Com toda certeza, estar ao lado dela, ouvindo-a compartilhar de seus grandes feitos comigo era um privilégio e eu me sentia imensamente feliz por ela.

Eu sorria contagiada pela animação que Lena transbordava hoje, além do mais, ela me trouxe donuts e eram meus preferidos! Ela realmente estava sendo muito acolhedora comigo aqui na empresa, não entendo como as pessoas sempre parecem temê-la quando passam por ela. Ela é gentil, doce, inteligente e linda. Agora ela estava observando algo em seu microscópio enquanto eu relia alguns papéis do meu projeto. Enquanto eu lia, ela preparava os compostos para me mostrar os resultados que havia conseguido.

- Oh droga! Kara eu esqueci algumas fichas que preciso preencher em minha sala, eu vou buscá-las e volto já ok? – Ela se levantou e parou próxima de mim enquanto falava.

- Claro, eu te espero aqui.

Ela saiu apressada e eu me perguntava como ela conseguia andar tão rápido de saltos. Ela passou pelo vidro e sorriu pra mim e eu a retribui, logo depois voltei a minha atenção para os papéis a minha frente. O prazo estava apertado, mas provavelmente a lista de materiais estaria finalizada até sexta. Enquanto eu virava uma das páginas, ouço a porta do laboratório abrir, virei para trás sorrindo achando que seria Lena, mas era apenas James com um semblante muito sério e de braços cruzados.

- Kara o que você está fazendo aqui? Quantas vezes terei que dizer que Lena detesta quando entram em seu laboratório, ainda mais se a interrompem! – Ele me olhou zangado e continuava a falar. -  Esse lugar é um verdadeiro santuário para ela. Eu a conheço há mais de cinco anos, somos íntimos um do outro e ela nunca me concedeu esse privilégio de estar com ela, porque você acha que ela daria isso a você? - Ele falava irônico, a raiva transbordava de seus olhos.

Lena e James eram íntimos? Mas ela mesmo havia me dito que não gostava de homens. Eu franzia o cenho e olhava para o lado em confusão tentando buscar respostas.

– Você me ouviu Kara? Portanto, não quero mais você metida nesse laboratório. Ponha-se no seu lugar.

Ele encostou seu dedo indicador no meu ombro, mas eu nem mesmo me mexi do lugar. Eu estava surpresa por todas aquelas palavras e por aquele ato grosseiro dele, sua raiva e indignação. Não sei em qual momento Lena entrou no laboratório, mas ela já estava em minha frente e falava autoritária com o homem a sua frente.

- Posso sabe o que está acontecendo aqui? Por que está destratando a Senhorita Danvers dessa forma James?

- Eu apenas estava assegurando que ninguém irá atrapalhar seu trabalho Lena.

- Pois saiba que o único que atrapalha meu trabalho aqui é você! Escute bem, Kara tem livre acesso ao meu laboratório. Eu mesma a convidei, e faço questão da companhia agradável dela. Quem deve se pôr no seu devido lugar aqui é você, fui clara Sr. Olsen? – O espanto nos olhos dele foi notável, seu maxilar trincou antes de ele responder.

- Claro Lena, estamos entendidos. – Ele se virou e saiu batendo os pés e assim que saiu pela porta a fechou com força. Certamente ele estava com muita raiva de mim agora.

- Lena não precisava falar assim com ele...- Eu nem mesmo termino a frase e ela segura minha mão direita.

- Não Kara, ele não é ninguém para falar assim com você. Você é bem vinda aqui ok? – Seu tom havia amansado, agora seus olhos verdes me fitavam e esperavam uma resposta.

- Ok. Mas eu não quero causar problemas a você.

- Não se preocupe com isso está bem?

 

Lena POV

James Olsen passou de todos os limites essa manhã. Ainda não consigo acreditar que ele teve a petulância de destratar alguém em meu laboratório, e o que mais me deixou irritada, foi o fato de essa pessoa ser ninguém menos que Kara Danvers.

Tratarei pessoalmente de cuidar desse assunto para que isso não venha se repetir novamente. Ver Kara sendo tratada daquela forma tão indelicada e maldosa me deixou enfurecida. Afinal, ela era uma pessoa maravilhosa e tinha o dom extraordinário de me deixar a vontade e não sei porque, mas ao lado dela eu me sentia mais segura para ser eu mesma. Sem rótulos, títulos ou o poderoso sobrenome Luthor, ao lado de Kara, eu seria apenas Lena.

Após conversar um pouco com Kara, notei que ela estava mais tranquila. A consolidação do meu projeto seria exatamente às 14:00 da tarde e eu já havia terminado todo o meu discurso para logo mais. Como já era de se esperar, Kara me ajudou a prepara-lo. Fiquei ainda mais encantada com ela. Kara não era apenas inteligente, era uma moça culta e eu não fazia ideia de como ela era criativa. Nossa manhã foi extremamente produtiva e quando notei já era meio dia.

- Nossa, como o tempo passou rápido! -Falei encarando o relógio no meu pulso.- Quer almoçar comigo? -Eu sei que foi meio impulsivo da minha parte, mas não me contive.

- Lena, é...eu não quero incomodar.

- Não se preocupe, você nunca incomoda.

Em pouco mais de dez minutinhos, Kara e eu fomos almoçar no restaurante próximo a empresa. Quando nos dirigíamos para o elevador executivo, cruzamos com Sam no caminho, que como já era de se esperar, não perdeu a oportunidade e sorriu de um jeito um tanto quanto provocador para mim. Sam nunca perdia a oportunidade de me alfinetar nesse quesito. Ela não aceitava o fato de eu focar tanto no trabalho e ter tido poucos relacionamentos amorosos. Segundo ela, eu era uma mulher linda e interessante demais para permanecer sozinha por tanto tempo.

Mas o fato crucial não era esse, a questão era que até então eu não me sentia à vontade para compartilhar minha vida com mais ninguém. A solidão sempre foi uma boa companhia até o momento, ou pelo menos até a chegada de Kara. Pela primeira vez na vida, depois da partida de minha mãe, eu senti saudades de alguém. A presença dela era algo simplesmente mágico, me sinto livre e leve. Me sinto feliz.

Nosso almoço transcorreu de forma leve e descontraída. Conversamos sobre amenidades e Kara me dava mais algumas sugestões de como eu poderia dar a magnifica notícia da minha descoberta. Ao terminarmos, já por volta das 13:30 da tarde, e retornamos a Luthor Corp, pois dentro de trinta minutos eu precisaria estar no auditório da empresa a fim de, divulgar a nota.

 

Auditório principal da Luthor Corp, 14:00 da tarde

 

-Prezado senhor presidente, senhores e senhoras. Boa tarde a todos. A Luthor Corp é a principal empresa no ramo de biotecnologia e pesquisas avançadas de todo o país. E essa semana, fizemos mais um avanço que nos levará ao topo não apenas do país, mais sim do planeta. O intuído de todos estarem reunidos nessa tarde, é para divulgar que ontem, basicamente às 11:30 da manhã, a cura do câncer foi descoberta. Foram exatamente 5 anos de muita dedicação e estudos. A partir de agora, muitas vidas poderão ser salvas e muitas pessoas terão acesso a uma segunda chance. O antídoto ainda está em fase de aprimoramento, para que então possa ser utilizado em humanos e comercializado. Futuramente, trarei mais esclarecimentos sobre o caso. Obrigada a todos e tenham uma ótima tarde.

O auditório estava repleto de pessoas. Cerca de aproximadamente 150 pessoas me aplaudiram de pé, assim que finalizei a divulgação da notícia. Meu pai me olhava perplexo. Suas feições e expressões faciais eram um misto de surpresa, alegria, orgulho e ganancia. Aquele olhar de gelar a espinha, era o típico olhar que ele transmitia quando estava feliz. Acima de tudo, era o olhar de um autêntico Luthor. Ele sabia muito bem do impacto da minha descoberta e o quanto todo esse investimento seria vantajoso. Rapidamente ele veio até a minha direção, abraçou-me e me parabenizou publicamente.

- Lena, minha filha está de parabéns. Uma descoberta digna de um Luthor! – Ele diz de forma orgulhosa.

Nesse momento toda a plateia sorria e nos aplaudia de forma calorosa, com exceção de um certo alguém. Kara parecia atônita e muito surpresa com a revelação de meu pai. Até o momento ela desconhecia completamente o fato de eu ser uma Luthor.

 

Kara POV

Como assim ela era uma Luthor? Porque ela nunca mencionou tal fato a mim?! Meu queixo quase caiu quando o Sr. Lex a chamou de filha. Eu mal conseguia acreditar e com certeza não consegui ser discreta ao esconder meu espanto pela notícia.

Eu estava notoriamente surpresa por essa revelação. Minha mente tentava processar tudo o mais rápido possível, mas sinceramente estava bem difícil. Eu a observava de longe enquanto as pessoas chegavam para cumprimenta-la. Puder ver James se aproximar e puxá-la para um abraço, uma cena que me incomodou bastante e fez meu estômago revirar. Lex parecia estar muito orgulhoso, também pudera, sua filha era uma mente brilhante além de uma mulher belíssima.  Quando dou por mim, Lena e Lex vem em minha direção. Sorrio nervosamente e começo a mexer nos meus óculos, um sinal claro do meu nervosismo.

-Lena, Sr. Lex que prazer em revê-los. – Digo, enquanto dou meu melhor sorriso.

- Jovem Kara, vejo que você e minha filha se conhecem. - Ele diz me encarando.

- Sim papai. Kara é uma jovem adorável e temos compartilhado muitas ideias uma com a outra. O projeto dela sobre multiverso é algo extremamente fantástico. – Lena diz enquanto me abraça de lado, deixando minhas bochechas levemente coradas.

- Sim, eu sei. Aliás, vocês duas são mulheres magnificas. - Ele diz, sorrindo. - A propósito, em comemoração ao seu grande feito Lena, amanhã à noite haverá um baile especial. Nele divulgaremos a imprensa. Haverá convidados de elite, políticos, jornalistas, cientistas. Todos para prestigiarem o triunfo da Luthor Corp na história. E você está convidada Kara, será muito bem-vinda.

- Pai acho que não há necessidade dis... - Ela mal termina de falar e é interrompida pelo pai que reafirma a importância do evento para a empresa e a família Luthor.

Ela sorrir timidamente para mim. Acho que é a primeira vez que a vejo sem graça. Mas logo retoma a postura firme e segura de sempre.

- Tudo bem se prefere assim. Kara desejo muito que você compareça amanhã. Sua presença é importante. – Ela diz sorrindo enquanto olha em meus olhos. Rao qual é o poder que essa mulher tem sobre mim, que um simples olhar seu me desconcerta?!!

-Tudo bem, estarei presente.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...