História Give Love a Try - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Demi Lovato, Fifth Harmony, Miley Cyrus
Personagens Demi Lovato, Miley Cyrus
Tags Camren, Diley, Dilmer, Justemi
Visualizações 207
Palavras 2.724
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 13 - Mulher nenhuma mais me interessa.




Demi

– Demi!

Uma Camila desesperada veio ao meu encontro assim que adentrei a lanchonete. Depois do pequeno surto fiquei dando voltas enquanto esperava o tempo passar, meu celular tocou várias vezes até mesmo com ligações da minha melhor amiga, mas eu não queria falar com ninguém.

– Você está bem?

Dessa vez foi Wilmer quem perguntou.

– Estou sim. - forcei um sorriso para eles. – Desculpa estragar o almoço de vocês.

Encolhi meu ombros me sentindo envergonhada.

– Quer conversar sobre?

– Não, Cams. - neguei suspirando. – Só quero trabalhar para esquecer um pouco.

– Tudo bem.

A mesma se aproximou, dando-me um abraço aconchegante. Retribui, segurando minha língua para não perguntar de Miley. Só pode ter ido embora com Megan e quem sabe se não estão transando agora.

– Ok, vamos trabalhar.

Pedi, saindo dos braços de Camila e limpando as últimas lágrimas que caíram. Hoje não é um bom dia, mesmo que ele tivesse tudo para ser, eu pensei que seria.

A tarde passou se arrastando, tentei ao máximo focar no meu trabalho sem pensar em Miley ou em meus relacionamentos fracassados, mas era impossível. Justin não sai da minha cabeça e da vez que o peguei me traindo ou então, no mesmo me pedindo perdão como se fosse a coisa mais fácil de conseguir de mim.

– Não quer mesmo que eu vá com você?

– Camila, vá se divertir.

Falei, a mesma não queria sair com Lauren por perceber que eu não estava bem. Na verdade, ela nem iria dormir no apartamento hoje por já ter combinado com a namorada, claro que não iria estragar a noite delas.

– Olha, eu já estraguei meu dia, não estrague o seu, ok?

– Ok. - suspirou se rendendo. – Qualquer coisa, me ligue.

– Esqueceu que você é meu número de emergência?

– Tudo bem. Se cuide.

Sorriu, dando-me um abraço.

– Se divirta!

Me despedi dela, acenando para Wilmer que nem puxou muito assunto comigo hoje, com certeza devia estar com medo de se aproximar. Sai da lanchonete em passos largos, mas parei ali mesmo na calçada. Uma ferrari preta bem conhecida por mim estava estacionada, com os vidros completamente fechados, mas eu sentia que ela estava ali. Suspirei, antes de decidir que deveria entrar, assim o fiz. Pela primeira vez, não havia música alguma tocando e Miley estava completamente séria, de braços cruzados.

– Por que saiu daquele jeito?

Bombardeou-me com sua pergunta, olhando em meus olhos, ainda sem dar partida no carro.

– Prefiro conversar no apartamento.

Falei, desviando do seu olhar duro. Ela estava brava e eu também, não queria discutir dentro de um carro. Ouvi seu suspiro e logo a ferrari foi ligada, partindo em direção ao meu apartamento. Íamos em um silêncio desconfortável, deixando o clima tenso entre nós.

Assim que adentramos o meu apartamento, Batman correu em direção a Miley já reconhecendo seu cheiro. Caminhei até a sala com a loira atrás de mim, pela primeira vez ela não pegou o cachorro em seu colo.

– Podemos conversar agora? - parou a minha frente fixando seu olhar no meu, assenti. – Por que saiu daquela forma?

– Por que fez aquilo?

Devolvi com outra pergunta, a mesma franziu a testa.

– Aquilo o que?

– Você e Megan falando sobre suas transas, sabe muito bem que não gosto dela, Miley!

– Estávamos apenas brincando, Demetria.

– Precisava ficar falando daquele jeito na minha frente? - alterei o tom. – “Conheço todo esse corpinho”.

Imitei o tom de voz de Megan da forma mais ridícula possível, percebi Miley apertar os punhos também se irritando.

– Ok, se você vê assim. - deu de ombros. – Mas pensei que tínhamos combinado que era sem compromisso, sem cobrança…

– Foda-se. - não tinha argumentos por ela estar certa. – Wilmer estava ali com nós, isso não era assunto…

– E dai? Sabia que eu, ele e Megan, a gente se deu muito bem?

Gruni de raiva ao ouvir aquilo.

– Ok, não fiz falta. Obrigada pela parte que me toca e pra quem está tentando me conquistar está se saindo muito bem. - sorri de forma irônica em sua direção. – E se quer saber, eu não quero mais papo. Que você e Megan se fodam!

Gritei a última frase, deixando Miley sozinha na sala e indo para meu quarto. Ela veio atrás, adentrei o cômodo e a mesma junto. Sua mão segurou-me, puxando meu corpo contra o seu, os mesmos grudaram.

– Qual é, ruiva? O que está acontecendo com você?

Seu tom doce, calmo me fez derreter.

– Por que não admite que está com ciúmes?

– Eu só não gosto dela.

Respondi, quase que sussurrando. Miley abraçou minha cintura, juntando seu corpo ainda mais no meu e eu suspirei com o contato, encostando minha cabeça em seu peito.

– Você está bem?

– Estou, Miley. - dei de ombros tentando me desvencilhar dela. – Miley…

– Não minta para mim. - pediu agarrando meu rosto entre suas mãos obrigando-me a encara-la. – Camila me contou que passou a tarde triste.

– Maldita.

Xinguei minha amiga entre dentes.

– Me conta, vai.

– Só estou cansada, ok? Me desculpa pelo restaurante, eu sei que não devia.

– Eu não devia ter levado Megan, sabendo que não gosta dela, me desculpe.

– Tudo bem.

Dei de ombros mais uma vez.

– Agora me conte, uhn?!

– É só algumas coisas do passado, não vou te encher com isso.

– Pois estou louca para ouvir.

Acariciou meu rosto e eu revirei meus olhos, não adianta Miley sempre será incrivelmente insistente.

– Ok.

Puxei a mesma para sentar na cama, Miley ao meu lado estava mais atenta que nunca e até curiosa para que eu contasse logo.

– Você sabe eu já namorei o Justin. - ela assentiu e eu continuei. – Bom, ele me traiu, mas eu já tive outro namorado.

– Você gosta dele?

– Não. Eu o amava, mas ele me batia.

Relaxei os ombros, sentindo um peso sair de mim mais uma vez. Só havia contado isso para minha família e Camila os que mais confiava. A boca de Miley estava aberta em um perfeito “O”, apavorada.

– Denunciou, certo?

– Fiquei com medo. - olhei para minhas mãos. – Não queria que ele viesse atrás de mim.

– Ruiva… - Miley tocou em meu queixo levantando meu rosto. – Deus! Você é tão maravilhosa, como podem?

– Bom… - meus olhos encheram-se de lágrimas. – Eu tive outro, mas esse era muito possessivo. Ele praticamente excluiu do mundo, quase que eu não conseguia falar com minha família. Foi minha primeira tentativa de um relacionamento sério.

– Algum forçou algo?

– Não! Nunca. - neguei freneticamente não conseguindo pensar na possibilidade de mais sofrimento ainda. – Eu só… Já sofri tanto na mão desses três, Miley. Não consigo mais acreditar no amor, entende? E isso me dói.

As lágrimas caíram, Miley prontamente juntou nossos corpos em um abraço aconchegante. A mesma acariciou meus cabelos, dando um beijo no topo de minha cabeça.

– Demi, eu nunca faria algo com você. Eu prometo.

Sussurrou.

– Todos falam isso. - ri de forma triste em meio as lágrimas. – Todos prometeram me cuidar, fidelidade…

– Ruiva.

A mesma afastou-se para olhar em meus olhos.

– Não sou eles, eu gosto de você. - seus dedos limpavam minhas lágrimas que caiam ainda mais. – Você é perfeita! Como conseguiram fazer tudo isso com você?!

– Miley, eu só não quero amar mais ninguém.

Confessei, vendo o olhar da loira mudar. A mesma suspirou, decepcionada com o que eu acabará de falar. Por dentro era só isso que eu pensava, mas meu coração já grita por alguém. Isso é o que mais me dói, estou amando novamente e eu não quero sentir aquela dor toda novamente, estou sofrendo por antecedência.

– Não vou me afastar de você. - beijou meus lábios surpreendendo-me. – Eu quero você de verdade e irei te conquistar, Demi.

Seus olhos azuis tão grudados nos meus, deixaram-me completamente sem saída. Abracei novamente seu corpo, sem coragem de voltar a encara-la, sem coragem de admitir tudo que estou sentindo.

– Ei, sem tristezas. - Miley voltou a nos separar. – Vamos assistir um filme de comédia.

– Miley, eu…

– Pede qualquer coisa, só não pede que eu vá embora.

Implorou, parecendo adivinhar que eu iria pedir para ficar sozinha. Respirei fundo, assentindo ao que ela acabará de falar. Não pedir para que ela vá embora.



Miley

Demetria dormia em meus braços, não deu dois minutos de filme e a mesma adormeceu, provavelmente cansada do dia de hoje. Desde o restaurante não parava de pensar nela, ainda mais depois da dura que levei de Camila dizendo que acreditava que eu iria cuida-la da maneira que merecia. Mas não fiz por mal, eu juro. Megan apareceu de surpresa em meu trabalho para almoçarmos juntas, não pude negar.

A conversa que eu e a ruiva tivemos só me convenceu de que ela é ainda mais maravilhosa, passar por tudo que passou e mesmo assim ainda estar de pé é incrível. Sei que vai ser difícil conquistá-la até porque a mesma é teimosa, mas cada dia mais gosto mais dessa ruiva. Queria poder protegê-la de todo mal que sofre.

E aqui estou, encarando ela dormir enquanto Batman também a olha, deitado em nossos pés. É muito lindo o amor que esse animalzinho tem por ela, parece cuidar todos movimentos da mesma.

– Uhn… - resmungou. – Por que estou sendo tão observada?

Seu tom sonolento se fez presente no quarto e Batman até levantou as orelhinhas. Os castanhos estavam sendo aberto aos poucos, sorri ao ver o quanto ela fica fofa com a cara toda amassada.

– Dorminhoca. - beijei a ponta de seu nariz. – Está melhor?

– Estou sim, você foi incrível comigo. Obrigada.

– Sempre vou estar aqui pra você, Demi.

Sussurrei, tocando em seu rosto. Os castanhos brilhavam ao meu olhar e ali eu conseguia ver que alguém sentimento poderia estar começando a nascer.

– Hummm… Está com fome?

Demi desviou de mim assim que iniciei uma aproximação para beija-la. A ruiva saiu de meus braços e eu soltei um suspiro baixo, é difícil ser rejeitada a todo momento quando eu sempre tinha tudo que queria.

– Estou com vontade de pizza.

Falou, sorrindo como um criança.

– Pede para nós então. - sorri de volta. – Eu pago!

– Vamos dividir.

Decretou, revirei os olhos já aceitando sua teimosia. Demi foi a primeira a levantar, indo em direção a cozinha sem ao menos me esperar. Soltei um sorriso negando, a ruiva é tão independente e parece não gostar de muito grude, bom, pelo menos não por enquanto. Antes as mulheres davam tudo para passar mais tempo comigo e a que eu mais quero, fica mais longe do que perto. Levantei da cama, ao ver que Batman também havia seguido Demi e eu tinha que fazer o mesmo.

– Você quer pizza de que?

A ruiva perguntou já com o celular em mãos.

– Gosto do que você gosta. - pisquei para ela e a mesma sorriu. – Peça a sua preferida.

– Tudo bem.

Deu de ombros, discando o número de uma pizzaria qualquer. A mesma virou indo até a geladeira, provavelmente procurando alguma bebida. Sentei no balcão que havia no meio da cozinha, observando Demi falar com a atendente no celular. O pedido foi feito, ouvi até a mesma pedir um refrigerante para nós. Único problema foi que a ruiva continuou a mexer no celular, olhei para outro lugar divagando sobre qualquer coisa não querendo nem ao menos pensar com quem poderia estar conversando.

– Tinha algumas mensagens da minha mãe. - sua voz me chamou atenção. – E bom… - suspirou antes de continuar. – Da Ruby também.

– Sério? Ela ainda tenta?

– Sim. - revirei os olhos com a revelação. – Mas eu não falo mais com ela, sei que não gosta.

Me olhou sugestiva.

– Está falando isso para mim parar de falar com Megan?

– Não! - respondeu rápido. – Talvez…

– Demi, antes de tudo ela é muito minha amiga.

– Até mesmo antes de mim. - bufou e eu fui falar, mas ela interrompeu. – Esquece, estou sendo ridícula novamente, sem cobranças e compromissos.

Cantarolou as últimas palavras. Soltei uma pequena risada do seu ciúmes, vendo sua cara fechar ainda mais. Desci do balcão, indo até ela.

– Sabe que não deito com ninguém a dias, não sabe?

– Não deita? Uhn, que antiquada.

Fez uma cara de nojo, nós rimos.

– Só consigo pensar em você, Demi. - declarei ouvindo ela suspirar. – Mulher nenhuma mais me interessa.

– Legal, Miley. - mais uma vez desviou de mim, indo para outro lado. – Eu vi que já está tarde e…

– Não se preocupe. - a interrompi já percebendo onde iria chegar. – Como a pizza e vou.

– Eu não quis dizer isso, gosto da sua companhia.

Encostou seu corpo da pia, seria minha última tentativa hoje. Dei passos lentos em sua direção, com minhas duas mãos para trás demonstrando inocência.

– Gosta mesmo?

Fiquei a centímetros de ter meu corpo encostado no seu, Demi encolheu o mesmo para trás, mordendo seu lábio e demonstrando seu nervosismo.

– Gosto, Miley.

Relaxou os ombros, pela primeira vez no dia confessando algo sobre mim.

– E… Hmm… - aproximei-me alguns centímetros, encostando nossos corpos. – Você acha que eu beijo bem?

Meu rosto aproximou do seu, podia sentir sua respiração se misturar com a minha. Demi deixou seu olhar cair para meus lábios, dando-me uma deixa para morde-los e provoca-la ainda mais. Podia ver que a mesma estava perdida no movimento do mesmo, foi então que rocei meus lábios nos seus e consegui ver a ruiva fechar seus olhos entregando-se.

Sorri, finalmente tocando em seus lábios. Toquei em seu pescoço aprofundando nosso beijo e Demi colocou suas mãos em minha cintura, puxando meu corpo contra o seu. Suspirei com o contato, pressionando mais meu corpo contra o seu. A língua quente da ruiva tocando na minha e o corpo tão colado no meu era suficiente para que eu começasse a me excitar.

O beijo foi interrompido por falta de ar, mas tratei de voltar a beija-la dessa vez, colocando minhas mãos geladas por debaixo de sua roupa tocando em sua cintura. Demi gemeu fraquinho sobre meus lábios com o contato, o beijo acelerou ainda mais deixando todo o clima entre nós ainda mais quente. Faz tanto tempo que não transo que ultimamente só consigo pensar nisso. Desci minhas mãos para as coxas da ruiva, impulsionando para que a mesma entrelaçasse suas pernas em minhas cintura. Ela o fez, totalmente entregue ao momento.

A guiei até o balcão a sentando no mesmo e ficando entre suas pernas. Quebrei nosso beijo com uma mordida de leve no lábio da ruiva, tocando mais uma vez em seu corpo por baixo da blusa. Levei meus lábios quentes até seu pescoço e beijei o mesmo, sentindo mais de sua pele macia.

– Miley. - sussurrou tão baixinho que nem dei bola. – Miley, para.

Pediu, tocando em meus ombros, estava mais que excitada. Não iria parar agora, meu desejo por ela só aumenta.

– Miley, é sério!

Empurrou-me, tirando meu corpo de perto do seu. A olhei de forma indignada não acreditando no que estava acontecendo. Deus, meu amigo já estava dando um sinal de vida.

– O que foi, Demi?

Praticamente gritei com ela.

– Eu não quero, Miley.

– Demi, eu não acredito! Vai mesmo me deixar assim?

Alterei ainda mais meu tom.

– Vai embora! - desceu do balcão empurrando meu corpo. – Vai embora agora, Miley. Você pensa que sou o que?

– E você? Vai brincar comigo até quando?

– Se é sexo que você quer, vá arrumar com suas putas!

Pegou em meu braço, puxando meu corpo para a saída do apartamento. Respirei fundo tentando me acalmar, ao perceber que seu semblante havia mudado. Eu sou uma completa idiota. Demi estava quase chorando.

– Ruiva. - a chamei e a mesma não parou abrindo a porta do apartamento. – Demi, me desculpa.

Seu corpo virou de frente para o meu, as lágrimas estavam caindo pelo seu rosto. Me doeu ver o que eu havia feito - mais uma vez, com ela.

– Surtei, desculpa. - pedi novamente envolvendo meus braços em seu pescoço a puxando para um abraço. – Nunca que vou forçar você a nada, eu juro.

– Você é uma idiota, Miley.

– Eu sei, tem toda razão. - a apertei ainda mais em meus braços. – Vou melhorar por você.

– Não prometa, estou cansada de promessas que não são cumpridas.

Neguei, não sabendo mais o que falar para que a ruiva confie em mim. Fechei meus olhos, me concentrando para não me irritar e muito menos fazer algo de errado, é difícil ter paciência ao tentar conseguir ter o que quer.

– Ok, só saiba que eu gosto de você.

Beijei o topo de sua cabeça, colocando em minha mente que a partir de agora as coisas tem que ser diferentes. A atitude tem que vir dela, não posso pressiona-la tanto assim mesmo com todas minhas vontades.




Notas Finais


Volteii... Continamos coma meta de 13 comentários. Miley com vontades... Não sei nao.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...