História Give me cigarettes and love - YoonMin - Reescrevendo - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Daddykink, Gay, Jimin, Jungkook, Lemon, Lemon Yaoi, Masoquismo, Namjoon, Sadomasoquismo, Suga, Suji, Taehyung, Taekook, Texting, Vkook, Yaoi, Yoongi, Yoonmin
Visualizações 69
Palavras 3.142
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Lemon, LGBT, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIISIJA9IAMQAOInisqimq oi ❤

Leiam as notas finais ⚘⚘

Capítulo 13 - Dia 11 : spoiling one night


Fanfic / Fanfiction Give me cigarettes and love - YoonMin - Reescrevendo - Capítulo 13 - Dia 11 : spoiling one night


  Não conseguiam pensar. Não conseguiam parar, e nem queriam. Apenas se entregavam ao deleite que se tornava ainda mais intenso à cada segundo que se passava. O saboroso gosto dos lábios amenos de Jimin, aquele com quem Yoongi iria passar sua noite. 

O Min parecia estar mais que animado para passar uma de suas noites com seu baby. Mesmo que não soubesse, e isso mal passava por sua mente, que Jimin era o garoto que agora estava em seu colo, beijando afoitamente seus lábios, continuará adorando esta noite memorável. Yoongi nunca havia se sentido tão entregue à alguém, o que o deixava intrigado já que achava não conhecer o possuidor de fragrância adocicada, sentado sobre seu colo.

 As mãos do bem mais claro percorriam pelo corpo de Jimin, o fazendo suspirar várias e várias vezes. Os lábios finos e macios que deslizavam pela pele bronzeada, e pelos lábios carnudos e avermelhados do moreno. Jimin não podia mentir, e não iria se o perguntassem, estava adorando tudo aquilo. Adorava seus beijos, o contato delicado que o deixava ainda mais sensível aos seus toques. Yoongi também estava adorando, e adoraria ainda mais se soubesse que ali era Jimin.

Seria uma grande surpresa para ambos se verem ali, fazendo tais coisas, mas para Yoongi, deixaria tudo mais excitante por mais confuso que fosse. Por mais que quisesse afastar esses pensamentos enquanto estava com seu baby, não podia evitar pensar em Jimin. Parecia estar sempre disposto a passar mais algumas horas dentro de uma lanchonete, apenas para deixar que Taehyung não perdesse seus compromissos. Para Yoongi, seu jeito rude no começo, mas logo dócil depois de alguns dias, era adorável. Jimin era lindo aos olhos de seu Yoongi, e provavelmente aos olhos de todos. Yoongi não conseguia imaginar que um dia, alguém olhasse para Jimin e o achasse feio, ou algo assim. Seria inacreditável.

Mas tudo passa tão rápido. Até mesmo uma noite que poderia ter sido umas das melhores de sua vida, com sua ótima companhia, não demorou muito para acabar. Não por vontade dos dois, mas sim por causa da vibração que sentiu em seu bolso, e o toque alto que assustou ambos, sinalizando que alguém estava ligando. 

O menor bufou irritado ao ser interrompido das carícias que distribuía por todo corpo de seu daddy, mas permaneceu em seu colo. Yoongi não estava acreditando que logo agora, alguém estava o ligando. Era inacreditável como as pessoas conseguem ser tão inconvenientes e irritantes para ligarem apenas nesse tipo de situação. Jimin permaneceu em seu colo, mas não tardou muito para que Yoongi o tirasse de cima dele para ir atender. Ele havia desligado na primeira vez, afinal odiava ter que parar o que estava fazendo, mas teve que atender na segunda vez. 

Levantou-se da cama ouvindo os suspiros de frustação de seu baby, e revirou seus olhos indo até a porta. Ainda não acreditava que alguém o havia ligado a esta hora, e pior, logo agora. Por que caralhos alguém estaria o ligando a esta hora? E quem seria a pessoa que com certeza ele ficaria com raiva por alguns dias?

Claro, Jung Hoseok.

— Posso saber por que caralhos está me ligando a essa hora, Hoseok? — Indagou, soltando um suspiro de irritação, levando sua mão até sua testa. 

— Boa noite para você também, amor. — Parecia estar sorrindo do outro lado da linha, ao contrário de Yoongi, que apenas revirava seus olhos e esperava ansioso para que Hoseok falasse logo o que queria e desligasse. — Só preciso saber onde está. Você sabe que odeio ficar sozinho! Por que não está comigo? Onde você está, Yoonie?

— Está querendo dar uma de Sra. Min e querendo tomar conta da minha vida, Hoseok? Você sabe que estou na porra do hotel, com um acompanhante. Não deveria estar me ligando agora, não se faça de idiota. 

— Aigo Yoonie! Não seja rude comigo, sabe que fico chateado. Eu quero estar com você, agora mesmo. Estou carente de suas carícias, meu amor.  — Disse, parecendo chateado. Não que o pálido estivesse com vontade de ir para casa ficar na companhia de Hoseok, mas o ruivo parecia realmente louco pela atenção de seu amado. Queria estar com seu baby, mas ao que parece, teria que cuidar de um outro. — Tive uma idéia brilhante! — Se alegrou de repente. — Vou ir aí te ver. Sei bem onde está, nunca poderia esquecer o Hotel que nos encontramos pela primeira vez.

— Não pode vir aqui, Hobi. — Fechou seus olhos ao perceber que não iria se livrar de Hoseok, e se encostou na porta de madeira. — Lembre-se que estou com alguém, apenas aceite isso e arrume outra coisa para fazer ao invés de me atrapalhar.

— Desculpe, meu amor, mas já estou chegando. — E assim desligou a ligação. Yoongi estava enfurecido pelo ruivo ser tão estúpido às vezes, e também por não o obedecer quando deve. 


Min Yoongi POV

Dei um longo e pesado suspiro ao perceber que teria de cuidar de Hoseok, e parar meu compromisso para tal. Hoseok não parecia saber seus limites comigo, parecia mal se importar com eles. Sabia que teria de ir para fora do lugar para evitar mais estragos, então assim fiz rapidamente. Adentrei o elevador de imediato, indo até o saguão.

Olhei para meu reflexo no espelho e alinhei meus fios escuros, os arrumando. Tratei de arrumar minhas roupas e minha postura, antes de chegar até o saguão. Passei meu polegar sobre meu lábio inferior e sorri ao lembrar do delicioso gosto dos beiços de meu baby boy. O saboroso sabor de morango, e a maciez que os tinham. Aquele garoto era, por completo, estupendo.

— Hoseok idiota... — Bufei, furioso. Por que me ligar logo agora, sabendo onde eu estava e com quem estava? Hoseok se faz de tolo, mas sabe que isso não cola comigo. 

Caminhei até as portas e saí do Hotel, o esperando. Estava frio, e as ruas estavam muito cheias para uma noite de segunda. Olhava para os lados, a procura do ruivo, mas não o via em lugar algum. Como havia dito na ligação, disse que já estava chegando, mas parecia ser mais uma de suas mentiras para me distrair. Não acredito que saí do conforto do quarto para vir até aqui, e não o ver.

— Cheguei, meu amor. — Ouvi a voz que tanto conhecia vir de trás de mim e retirei com frieza as mãos que cobriam minha visão. Como era sonso ao ponto de me distrair, deixar o garoto esperando e ainda fazer brincadeirinhas idiotas. 

— Hoseok, você sabe que estou ocupado agora. — Me virei para si, ficando em sua frente. Estava com minha carranca séria, e pela carinha sonsa que fez, parecia estar entendendo que estava irritado. 

— Eu estava sozinho naquela casa enorme, Yoon! Você sabe que odeio ficar sozinho, e odiava pensar que você podia estar com outra pessoa. Uma pessoa que podia achar ser melhor que eu, e me largar. Imagine o inferno que seria não o ter mais comigo. — Suspirou tristemente, abaixando seu rosto. Revirei meus olhos e coloquei minhas mãos na cintura, procurando algo para dizer. Não acreditava no que dizia, mas se fosse verdade, não gostaria de vê-lo pensar que estaria o abandonando. 

Coloquei minha mão em seu ombro e ergui seu rosto, o fitando em silêncio. Seus olhos encaravam os meus, e assim continuamos, permanecendo em um silêncio que não parecia ter fim. Mas teve. — Hobi... sabe que não vou o abandonar. Quantas vezes eu já vim para esse hotel ficar com algumas pessoas, mas do mesmo jeito voltei para você. Sabes que é o meu favorito e sempre será, não precisa vir até aqui. 

— Vamos para casa, Yoonie... preciso de você. — Disse, esperançoso que eu concordasse. Não consegui dizer nada, então apenas afirmei com a cabeça. Pulou de alegria e percebi o brilho em seus olhos voltar rapidamente. — Então vamos agora? 

— Não, preciso ir falar com o garoto lá em cima que estou ocupado agora e não posso ficar com ele hoje. Satisfeito? — Revirei meus olhos.

— Mais do que tudo, amor! — Disse, alegremente. Suspirei e acariciei sua bochecha pedindo que esperasse. Adentrei o lugar novamente e caminhei até o elevador, passando pela recepção e sorrindo docemente para a recepcionista. Eu quase sempre estava ali, então nos conhecíamos muito bem, éramos amigos. 

Assim que saí do elevador, após chegar no meu andar, fui até o quarto meio receoso. Não sabia se o mesmo ainda estava ali, e se ainda iria querer me encontrar novamente algum dia desses, esperava que sim. Coloquei minha mão sobre a porta do quarto e a abri, caminhando pela escuridão com dificuldade e chegando até a cama. Levei minha mão até a mesma, o procurando, e por sorte o senti ali. — Aí está você. — Disse, sorridente. Mas não ouvi qualquer resposta vir do garoto, então deduzi que estava irritado comigo. — Me perdoe por sair assim do nada, baby. Tive um pequeno contra tempo e preciso ir embora... desculpe. — Falei, continuando a não ouvir nenhuma resposta sair dos lábios doces do garoto.

Me aproximei um pouco mais de seu corpo, o levando até seu rosto. Ao ouvir os curtos suspiros e o ver se mexer um pouco na cama ao chegar perto de mais, percebi que estava dormindo. Me controlei para não rir e me afastei um pouco, dando um demorado selar em sua bochecha e saindo do quarto após escrever um pequeno bilhete, o deixando em cima do criado-mudo.

Ele estava dormindo mesmo. Acho que cansou de me esperar e sentiu sono, assim dormindo. Ok, eu também dormiria se alguém demorasse tanto para voltar quanto eu demorei, então não o culpo. Só tive de sair o mais rápido possível para não acordar com minhas risadas escandalosas de idiota. Admito que havia adorado o encontro que tivemos, mesmo que não tardara muito para acabar. Ele era tão único.


(Você é um idiota, sabe disso não sabe?)

Sei, obrigado por me lembrar, voz estranha da minha cabeça.

(COMO DEIXOU AQUELE GAROTO PARA IR ATENDER OS CAPRICHOS DE HOSEOK?)

Sabe como ele é, ele provavelmente iria ficar puto comigo e você sabe...

(Você não precisa do brioco de Hoseok, idiota. Que tal darmos meia volta e acordarmos aquele ser humaninho?)

Não.

(Acho que te odeio)

E eu tenho certeza de que te odeio.

(Magoado estou)

Foda-se.


Continuei meu caminho até o saguão e fui até a recepcionista, que sempre me recebia com um sorriso amável. — Oi, Jisoo. — Falei, vendo a mesma vir até mim com seu sorriso doce. — Então, sabe o garoto que está lá em cima comigo? 

— O lindinho? — Então ele era bonito... interessante.

— Sim, esse mesmo. Cuide bem dele, providencie um bom café da manhã no quarto pro garoto. Tenho assuntos para tratar por agora, e ele acabou dormindo pela minha demora. Confio em você para cuidar dele por mim, ok? — Não que é que eu estivesse exagerando. Na verdade, era o mínimo que eu podia fazer após o deixar esperando.

— Um pedido seu, é uma ordem, Yoongi. — Piscou para mim, se virando para fazer alguma outra coisa. Sorri em agradecimento e saí do Hotel por fim, indo até Hoseok.


Terça-feira, 09:05    [ Park Jimin ]


Abri meus olhos, me sentando na cama. Lembro-me vagamente da noite passada, mas preferia esquecer já que acabei dormindo pela falta de paciência que foi de esperar meu daddy retornar, após sair para atender a ligação.

 Cocei meus olhos com às costas das mãos, dando um longo bocejo. Minha noite de sono havia sido magnífica, claro que porquê estava deitado em uma cama tão gostosa. Claro que os lençóis macios e o travesseiro fofo ajudaram. Aquele quarto era simplesmente perfeito.

— Pelo menos meu sono foi ótimo, porque ó noitinha mais desastrosa. Também não vou mais nessa merda, não vou nem agradecer pela noite que passei aqui, tô revoltado. — Cruzei os braços, formando um bico emburrado. — Mentira, tenho bons modos. Mas tô revoltado nesse caralho mesmo. — Suspirei, putinho da vida. 

— Tão lindo e ao mesmo tempo tão impaciente. — Assustei-me ao ouvir a voz feminina vir da porta, com os braços cruzados e um sorriso malicioso em seu rosto. Ao seu lado havia um carrinho prata de café da manhã. Estava com tanta fome que esqueci rapidamente de sua presença. Tudo me parecia tão saboroso que quase me pegava babando pela comida. — Vamos, não precisa babar ou fazer essa carinha de cachorro esfomeado, já vou te servir.

— Oh, obrigado. E desculpe pelo palavrão. — Cocei minha nuca, com vergonha. Mas a morena apenas alargou seu sorriso e veio até mim com o carrinho, logo me servindo. Estava me sentindo um rei. Rei Park Jimin. 

Quando era pequeno, digo, menor do que já sou, já me peguei sonhando em ser um rei. Como nos filmes de princesa que minha mãe colocava pra eu me iludir e me fazer esse adulto trouxa que sou, que as garotas, do nada descobriam que eram princesas e um dia se tornariam lindas e ricas rainhas. Pensava até mesmo no nome em que o meu povo, vulgo meus brinquedos, me chamariam, algo como "Rei Jimin". Agora penso o porquê de minha mãe rir de mim toda vez que dizia esse nome, parecia realmente muito idiota, mas ela sempre dizia que era adorável.

— Suga' me pediu para lhe dizer que sente muito por ter o abandonado ontem à noite, ele estava ocupado tendo que lidar com "alguns problemas irritantes". — Riu de si mesma ao falar sobre esses "problemas" e terminou de colocar o meu café da manhã. — E também me pediu para cuidar de você.

— Ok, tanto faz. Bom, não precisa cuidar de mim, já sou bem grandinho e não preciso de cuidados. — Terminei de comer e me levantei da cama, procurando minha camisa pelo enorme quarto. A achei e me vesti, evitando a olhar, mesmo que me sentisse envergonhado ao sentir o seu olhar queimando em meu corpo. — Já estou indo pra casa. Diga para esse tal "Suga" que ele foi um total imbecil me convidado para vir e ir embora ainda nem na metade da noite. — Fui até a porta e assim que toquei na maçaneta, a olhei de canto. — Poderia pelo menos me dizer o nome real dele?

Fingiu passar um zíper em seus lábios vermelhos por conta do forte batom e sorriu. Revirei meus olhos desistindo de tentar e fui até o carrinho para pegar a maçã que aparentava ser tão saborosa, dando uma mordida e finalmente saindo do quarto que tanto sentirei saudades. 

     

Terça, 15:45

— Ele foi tão idiota, Taehyung! — Falei, enfurecido ao lembrar da saída de Suga'. Uma vez ou outra me recordava disso e sempre revirava meus olhos. Ao falar pela quarta vez a mesma coisa para o garoto que mal ligava pro que estava falando, ouvi as portas da lanchonete sendo abertas e vi a silhueta masculina que conhecia bem. 

— Do que estão falando? E por que está tão bravinho, Jiminnie? — Yoongi disse, vindo até nós com as mãos nos bolsos da calça jeans escura. Ele estava tão bonito. Na verdade, ele sempre estava bonito. Parecia sempre bem arrumado e com uma boa aparência, os fios de cabelo perfeitamente alinhados e com seu habitual sorriso gengival.

— Todos agora podem o chamar pelo apelido que criei, Jimin? — Taehyung se pronunciou, limpando suas mãos com um pano branco. Engraçado que apenas se pronuncia para falar alguma besteira. Joguei o pano que estava na minhas mãos em seu rosto e olhei para Yoongi, que sorria ao nos observar. 

— Não é nada, Yoongi. Na verdade, está tudo às mil maravilhas! Nunca estive melhor. E se estive, não me lembro desse tempo. — Forcei um sorriso e fui em direção à cozinha para pegar os guardanapos. Caminhei até a estante, coloquei o banquinho e subi para ficar mais alto, abri uma das portinhas de madeira, os buscando com uma das mãos. Merda, tenho certeza que os guardei aqui, por que não os acho logo?

— Tem certeza que não quer me contar o porquê de estar tão ansioso e agitado? — Assustei-me ao ouvir sua voz vir da porta e de imediato bati minha cabeça na madeira, murmurando alguns xingamentos. Me virei para o garoto que controlava a risada e mostrei meu dedo do meio. — Desculpe te assustar.

— Estou bem, Yoongi. O que eu tenho que fazer para acreditar em mim? — Indaguei, o vendo caminhar até mim. Assim que chegou bem perto, me afastei, dando um passo para trás. Me olhou dizendo algo como "está tudo bem", e colocou sua mão em minha cabeça dolorida pela batida, afagando meus fios. O olhei meio sem graça e cruzei os braços, evitando o olhar nos olhos.

— Não precisa fazer nada para me fazer acreditar em você, idiota. Apenas relaxe. — Continuou afagando meus fios de cabelo, enquanto dava um sorriso gentil. Levei minha mão até a sua para a tirar de minha cabeça quando o ouvi me chamar de idiota mas fui impedido pelo próprio que me jogou na parede gélida e segurou meus braços no alto para que não saísse de lá. 

— O que caralhos está fazen... — Parei de falar ao sentir suas mãos apertarem ainda mais meus braços e meu corpo contra a parede. Fitei seus olhos em silêncio e não pude evitar corar ao vê-lo olhar tão fixamente pra mim. O que ele estava tentando fazer? O que ele acha que vai ganhar começando a agir tão estranho de uma hora para a outra? Afinal, por que ele está tão estranho? — Yoongi... está me machucando... — Ele estava realmente me machucando. Depois de alguns segundos, que pareciam horas, me encarando, me soltou e se afastou um pouco de mim.

— Você está estranho. Parece me esconder alguma coisa. Não me acha confiável suficiente pra me contar alguma coisa? — Deu de ombros, indo até a estante e pegando com facilidade os guardanapos que tanto demorei para encontrar.

— Eu estou estranho? Sério isso!? Yoongi, você acabou de me prender na parede por motivo algum, isso não é estranho? — Perguntei, assustado. Peguei os guardanapos de suas mãos com rapidez e me afastei logo que o peguei. 

— Não precisa ficar com medo de mim, Jimin. Sabe que não vou te machucar, idiota. Muito menos te morder. — Ajeitou a jaqueta que vestia enquanto se olhava no espelho e caminhou para fora da cozinha, mas antes de sair completamente, olhou para mim e sorriu de canto de modo perverso. — A menos que peça. — Pegou a maçã da cesta e assim saiu do meu campo de visão, ao sair da cozinha.

Revirei os olhos lentamente e olhei para a parte de metal no guardanapo, observando meu reflexo, percebendo o quanto estava com cara de bobo. 

— Pare de me chamar de idiota!


                  











Notas Finais


Eu realmente sinto muito por ficar tanto tempo sem postar capítulo nenhum, mas houve alguns problemas que demoraram para se resolver. E já que agora está tudo bem, espero que possam me perdoar e continuarem lendo essa fanfic que tanto gosto de escrever para vocês.
Tenho grandes planos para o futuro dessa fanfic e tudo isso depende de vocês. Vocês são tão importantes que nem podem imaginar. Tudo isso... é pra vocês. Espero que não me abandonem ❤. Bom, espero que tenham gostado! 🦄
(Sei que não esperavam por isso, até eu acho que poderia ter feito coisa melhor pra uma volta, mas foi o que consegui. Sinto muito ksks logo terão capítulos melhores)

E se você achou que teria Lemon, sinto muito, mas você é mais trouxa que o Jimin.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...