História Give Me Love - Bubbline - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Hora de Aventura
Personagens Ash, Beemo "BMO", Cake, Finn, Fionna, Jake, Marceline, Marshall Lee, Princesa De Fogo, Princesa Jujuba, Principe Chiclete
Tags Amor, Bonnibel, Bonnie, Bubbline, Cartoon Network, Colegial, Faculdade, Finn, Gumblee, Hora De Aventura, Jake, Jujuba, Lesbicas, Marceline, Marcy, Marshall Lee, Princesa Jujuba, Principe Chiclete, Romance
Visualizações 95
Palavras 1.563
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), FemmeSlash, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha quem voltooou! Meus chero, muito obrigada a todos que estão comentando e favoritando, isso me motiva muuiito a continuar.
E uma coisinha: eu vou começar a colocar P.O.Vs do Marshall e do gumball, ok? Só avisando. Os deles vão ser curtinhos porque eles não são o casal foco da fic, mas vão estar aqui!
Aproveitem o capítulo, volto o mais rápido possível.

Capítulo 5 - Capítulo cinco


Fanfic / Fanfiction Give Me Love - Bubbline - Capítulo 5 - Capítulo cinco

BONNIBEL POINT OF VIEW



A semana se iniciou novamente, e com isso, eu teria que olhar para a cara de Lucy e suas amigas todos os dias de manhã. Como sempre, acordei bem cedo, eu odiava me atrasar para qualquer coisa. Tomei um banho rápido, coloquei minha roupa e mandei mensagem para gumball. Ele também acordava bem cedo.

"Lanchonete?" 06:17 AM

"Com certeza, você me deve um donut de morango, lembra?" 06:18 AM

guardei o celular na bolsa e fui até o guarda roupas pegar uma jaqueta. Achei uma que eu não usava a anos, era jeans claro com alguns desenhos de banda. Realmente não a usava há anos, era da minha adolescência.

Quando me virei para caminhar até a porta, tropecei em alguma coisa no chão e acabei caindo desengonçadamente encima da cama de Marceline, mais precisamente com a cara em seus seios. O que acabou fazendo-a acordar e se sentar assustada.

— QUE? QUEM FOI? CADE? — Ela começou a olhar para todos os lados e levantou as mãos em punhos, como se fosse bater em alguém.

— Droga, viu! — Falei me levantando rapidamente de seu corpo e voltando a ficar de pé. Vi que havia tropeçado em uma roupa dela e fiquei furiosa por isso. — Também, você deixa suas roupas jogadas! Você é uma bagunceira! — Falei nervosa.

— Espera espera espera… você caiu encima de mim, me acordou e ainda quer brigar comigo, em plena… — Ela leva a mão ao criado mudo e pega o celular, vendo as horas. — Em plena seis e vinte e quatro da manhã? — Ela pergunta esfregando os olhos e bocejando.

Oh merda, por quê ela tinha que ser tão linda. Seus cabelos estavam bagunçados, com alguns fios rebeldes caindo em seu rosto e sua blusa grande caia no ombro esquerdo o deixando exposto o suficiente para ver duas pintinhas que ela tinha pouco acima de sua cravicula, como se fossem mordida de vampiro.

— Desculpa, eu só estou um pouco estressada... — Falei com sinceridade. Quem gosta de acordar cedo afinal?

Ela não disse nada, apenas se levantou e pegou as roupas que estavam no chão e jogou ao pé da cama. Eu rolei os olhos e ela riu da minha cara, como se não se importasse com isso tanto quanto eu me importava.

— Você precisa ir agora? — Ela perguntou ao pegar sua toalha.

— Sim, marquei com meu irmão em uma lanchonete… — Respondi parada na porta.

Ela apenas concordou com a cabeça e seguiu para seu banho.

Sai do nosso alojamento e segui para a lanchonete onde eu havia marcado com gumball, não era onde Lucy trabalhava, eu não iria voltar lá nunca mais.

A caminhada até lá era mais longa, mas compensava.

Quando cheguei, me sentei em uma mesa e esperei gumball chegar, fiz nossos pedidos a garçonete e ela disse que iria trazer. Ela é muito educada. Depois de alguns minutos ele chegou e caminhou até mim, se sentando ao meu lado.

— Ah, droga, eu realmente odeio meu alojamento! — Gumball jogou sua bolsa no chão e disse.

— Por quê? — Perguntei.

— Porque tem um grupo de trogloditas todo no meu corredor. Eles ficam ouvindo músicas ridículas e falando um monte de abobrinhas. — Ele falou bufando. A garçonete voltou com nossos pedidos e sua cara logo mudou ao ver o grande donut de morango. — E tem aquele garoto super estranho que anda com a sua colega de quarto, o Marshall Lee, ele vive me olhando e me defendeu uma vez do Ash… — Ele falou e deu uma grande mordida no doce a sua frente. Eu o olhei e sorri faceira. Não era novidade para mim gumball gostar de garotos, ele se descobriu muito novo, mais novo até do que eu mesma.

— Não me olhe assim… ele está ficando com uma garota da turma de biologia. — Ele disse entendendo meu olhar. Muchei os ombros e comecei a comer minhas panquecas.

— Ele é irmão da minha colega de quarto, Marceline. — Falei não o encarando.

— hm, algum problema com isso? — Ele perguntou enquanto limpava os lábios com um guardanapo de papel.

— Não, não… é que a Marceline e ele se parecem muito… os dois são muito estranhos, uma hora ela parecia não gostar de mim e agora diz que somos amigas, e ela está confundindo a minha cabeça… — Disse e parei de comer para poder encara-lo. Eu realmente estava confusa com isso. Marceline estava tentando ser legal comigo ou tinha segundas intenções? E eu? O que eu estava fazendo a admirando tantas vezes?

Ah droga.

— GLUB, VOCÊ ESTÁ APAIXONADA? — Gumball gritou, fazendo as poucas pessoas nos olharem assustadas. Eu levei minha mão até o rosto e abaixei a cabeça com vergonha.

— Não! Não estou! Eu só não sei o que pensar sobre ela, droga! — Disse num tom baixo mas muito intimidador.

— Sei sei… — Gumball me olhou e sorriu de lado, como fiz antes.

Estávamos terminando nosso café da manhã quando a porta da lanchonete se abre e uma cabeleira negra aparece com muita pressa ali. Ao seu lado, um garoto muito estiloso a olhava divertido.

Apressei gumball e nos levantamos para pedir a conta. A garçonete veio e pagamos. Nesse momento, Marceline nos viu na porta e cutucou seu irmão com o ombro para nos olhar.

Gumball me olhou de lado e eu entendi tudo.

Caminhamos até o balcão onde eles estavam e Marceline sorria como uma boba olhando para mim.

— B-bonnie! — Ela disse quando me aproximei.

— Eai Marshall… — Gumball disse e Marshall sorriu e acenou.

— V-você vai para a aula? — Ela me perguntou.

— Sim! E… e você? — Perguntei.

— Ah… eu também, é claro… eu to muito atrasada... — Ela disse e olhou no relógio.

Eu olhei no meu celular e vi que ainda não estávamos atrasadas, apesar de fazermos cursos diferentes, as aulas começavam no mesmo horário.

— Acho que seu relógio está adiantado, ainda temos vinte minutos. — Eu disse e mostrei a tela do meu celular para ela.

— Ai droga, preciso arrumar essa porcaria. — Disse e bateu com a ponta dos dedos no relógio em seu pulso.

— Maninha, eu já to indo… — Marshall deu uns trocados para a balconista e comprou um salgadinho. — Gumball, se quiser pode me acompanhar, é no mesmo prédio, não? — Ele disse sorrindo e olhou para meu irmão. Eu o olhei e ele sorriu, depois os dois caminharam juntos até a saida da lanchonete.

Eu e Marceline ficamos nos olhando, não sabíamos o que falar… o clima estava… estranho?

— Bom, eu vou indo então… — Disse quebrando o silêncio.

— Oh não, vamos juntas… também temos aula no mesmo prédio… se você quiser me acompanhar é claro. — Ela falou e se aproximou. Levei um tempo para digerir aquela informação e vi que ela pareceu ficar triste. — Tudo bem, não precisa vir se não quiser. — Ela falou cabisbaixa e foi saindo.

— Não! Marceline, espera. — Eu me aproximei e segurei sua mão para impedi-la de prosseguir. — Eu quero te acompanhar. — Eu falei sorrindo envergonhada e soltei nossas mãos quando vi que ela as olhava também sorrindo.

Saimos da lanchonete e começamos a caminhar até o prédio, não era longe e não estávamos atrasadas, então fomos devagar.

— Por que não foi na lanchonete da sua namorada? — Eu não sei o porquê, mas sempre perguntava sobre a namorada de Marceline. Talvez fosse porque ela era extremamente irritante.

— Eu já disse que ela não é minha namorada, Bonnie. — Ela respondeu séria e parou de caminhar e ficou me encarando. — Nós não estamos mais saindo nem nada… —

— É por minha culpa? Pela festa? — Perguntei e cruzei os braços em sinal de nervosismo. Não queria que ela tivesse terminado o "não" namoro com a garota por causa do ocorrido na festa. Não preciso de ninguém tomando minhas dores.

— Sim e não. Ela não faz meu tipo… — Ela falou e colocou as mãos nos bolsos da sua calça.

— Desculpa, é que eu não sei o que fiz pra ela me odiar tanto. — Falei e abaixei os ombros. Eu sabia que Lucy tinha inveja de mim por ser mais inteligente, só não poderia Imaginar que fosse algo tão forte assim a ponto de não me deixar em paz.

— Não se preocupe com isso, ela não vai te incomodar mais. — Ela disse e se aproximou de mim, ficando bem próxima.

Eu olhei em seus olhos, fiquei admirando-os por alguns segundos. Não consegui formular uma frase para dizer então apenas sorri e abaixei a cabeça.

Continuamos caminhando até que entramos no prédio. Minhas aulas ficavam no primeiro andar, então Marceline me deixou na porta da sala. Quando entrei todos estavam me olhando. Lucy viu que ela havia me acompanhado e sua cara não era a melhor, ela cochichava alguma coisa com suas amigas e depois voltavam a me olhar.

Segui para minha cadeira e me sentei. Por sorte logo o professor chegou e a aula se iniciou.

Andar com Marceline parecia provoca-la, e confesso que até gostei disso, o problema é que agora ela provavelmente teria dois motivos para me odiar.

E ainda estávamos no primeiro mês de aulas…


Notas Finais


E então? Gostaram do P.O.V da Bonnie?
Falem comigo meus cheroooo!!!
Bjão


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...