1. Spirit Fanfics >
  2. Give me Love >
  3. Eu me demito!

História Give me Love - Capítulo 17


Escrita por:


Notas do Autor


Boa noite minhas querida (dos) leitores!!! Tudo bem com vocês? Espero que siim.
Morri com os comentários do capitulo anterior, todo mundo odiando o Liam, Hahahahaha... Vocês são demais. Sei que muitas me xingaram (e provavelmente vão me xingar nesse capítulo), mas prometo que o coração de vocês terá uma folguinha, e os próximos capítulos a paz reinará. Então sem mais delongas, segue o capítulo.

Capítulo 17 - Eu me demito!


Fanfic / Fanfiction Give me Love - Capítulo 17 - Eu me demito!

POV Klaus:

Passei o final de semana inteiro tentando evitar pensar nela ou no que estaria rolando entre ela e aquele imbecil do Sr. Morgan. Tentei resolver várias questões de trabalho num único sábado, mas tudo só me serviu para ganhar uma enxaqueca horrível. Durante a noite resolvi aceitar um convite de Hayley, para ir a um badalado aniversário de uma amiga de seu trabalho, pode – se dizer que me diverti me embebedando com drinks sofisticados e whisky do bom, até troquei alguns beijos com a aniversariante, e por ela rolaria até algo a mais, mas naquela noite eu realmente não estava no clima. Tessa era uma mulher bonita, elegante, morena com os olhos esverdeados e um corpo que chamava a atenção de muitos homens, fiquei me perguntando por um longo tempo qual que era o meu problema, por que toda vez que ela ameaçava em me fazer uma carícia mais íntima eu educadamente a afastava, e a resposta era óbvia: Ela não era Caroline Forbes.

Hayley como uma ótima amiga me levou para seu apartamento, já que eu estava tão bêbado que não conseguia acertar a chave do meu próprio carro. O domingo passei praticamente todo com Hayley, e além dela me chamar de mole por não ter ido “pros finalmente” com sua amiga, ainda jogou na minha cara que entre eu e Caroline rolava algo, não confirmei, porém também não neguei. Mas Hayley também me instigou a ter uma ótima ideia, em relação ao Sr. Morgan, ela disse: O que não é visto, não é cobiçado. Bingo! Era isso. Se o Sr. Morgan não trabalhasse mais lá eles não teriam muito tempo para se verem, já que agora o tempo de Caroline estava muito corrido entre trabalho e faculdade.

Fiquei o resto do Domingo pensando numa maneira de dispensa – ló, ou até mesmo o promover só para muda – ló de empresa, quem sabe ele poderia retornar para Nova Orleans.

Me deitei para dormir e meus pensamentos voavam longe, entre como executar meu plano macabro contra o Sr. Morgan e entre ela.

***

Ao chegar no trabalho dei de cara com ela, indo para a copa.

- Bom dia. – Me desejou meio seca.

- Dia. – Nem coloquei o “bom” na frente, que era para ela se tocar que desde aquela sexta não havia nada de BOM nos meus dias. Ela me olhou de canto e caminhou para a copa, passei por sua mesa, e fui direto para minha sala.

- Bom dia Sr. brigão. – Damon já estava me esperando, sentando na minha cadeira.

- Já estou vendo que a Elena foi fazer fofoca. – Falei lhe enxotando da minha cadeira.

- Não foi fofoca, ela só comentou a cena que você fez por causa do Sr. Morgan. – Me respondeu como se fosse uma coisa idiota. Nem me dei o trabalho de responder, continuei calado ligando meu notebook.

- Quer falar a respeito? Sabe que sou seu amigo também né? – Damon parecia realmente preocupado comigo e com meu temperamento.

- Quero, vou oferecer um cargo maior para o Sr. Morgan. – Anunciei e vi os olhos de Damon brilharem surpreso. – Mas, lá na minha empresa em Nova Orleans. – Continuei, e vi seus olhos mudar, me lançando um olhar reprovador.

- Isso só para ele não ficar perto da Caroline. – Damon afirmou, me fazendo o encarar.

- De certo isso resolveria o problema, mas e se aparecer outro interessado nela, você vai arrumar mais um cargo em outra empresa só para afastar a pessoa dela? – Ele me questionou e eu pensei por um tempo.

- Certamente eu terei outra ideia criativa e o afastarei. – Respondi com um sorriso debochado nos lábios. Eu sabia o que ele estava querendo fazer, ele estava querendo me mostrar que eu estava indo longe demais, e que eu não tinha aquele direito, certamente não tinha, mas o Sr. Morgan em especial me tirava do sério.

- Por que você não admiti logo para ela o que sente e ficam juntos de vez?

- Porque não tenho nada para admiti, Caroline Forbes é uma garota atraente que acha que pode brincar comigo, e você sabe que joguinhos de sedução comigo não funcionam. – Expliquei sério, já não estava gostando do rumo daquela conversa, até porque eu tinha dificuldades de admiti para mim mesmo o que sentia por ela, imagina para ela mesma.

- Você que sabe. Só quero que você saiba que eu não sou contra você dar um cargo melhor para o Sr. Morgan, até porque realmente está precisando de alguém lá na sua empresa, porém sabe que você está fazendo isso pelos motivos errados.

- Não importa, o importante é que ele vai ter um cargo melhor e um salário maior ainda. Sou um ótimo chefe. – Me gabei, arrancando um sorriso debochado de meu sócio.

- Então vamos alinhar isso direito e depois chamamos ele para comunicar. – Damon me pediu. E eu mais que rápido já lhe mostrei o documento que tinha redigido na madrugada anterior.

***

POV Caroline:

Eu estava mais do que preocupada. Liam já estava um bom tempo na sala de Klaus, ele me disse que Damon tinha o convocado para uma reunião e minhas pernas tremiam só de pensar que ele poderia ser prejudicado por minha culpa.

A noite de sexta tinha sido uma catástrofe, e eu tive que usar toda minha criatividade para tentar explicar minha relação com Klaus para Liam sem confirmar o nosso envolvimento sexual. O sábado não tinha sido muito diferente, e tinha quase certeza de que todo o estudo que Liam tinha me ajudado havia sido em vão, já que minha cabeça martelava sem parar o porquê de Klaus ser tão imprevisível daquele jeito, logo era óbvio que eu havia sido uma derrota na prova.

E agora em plena segunda ele solicitava Liam em sua sala. Algo em mim dizia que não era boa coisa o que estava prestes a acontecer. A julgar a cara de Klaus na hora do almoço, eu sabia que uma tempestade se aproximava.

Liam saiu da sala nervoso e aquilo me alertou mais.

- O que houve? – Perguntei preocupada.

- O que houve que ele me demitiu. – Falou bravo.

- O quê? – Sabia que ele não ia deixar barato o enfrentamento de Liam na sexta.

- Primeiro ele me promoveu e me deu um cargo até que satisfatório, o problema que é em Nova Orleans, minha vida inteira está aqui agora Caroline. – Ele me explicou tentando se manter firme. Fiz menção para ele continuar a história.

- Ai perguntei se eu recusasse o que aconteceria, e ele me disse que eu estaria sem emprego, pois aqui eles não precisavam mais de mim. Eu bati de frente com ele Caroline, não posso deixar ele querer ter o controle da minha própria vida, porque sabemos muito bem que ele tomou essa decisão por conta do que houve em seu apartamento.

- Ele é um tremendo filho da puta! – Falei irritada e caminhei para sua sala. Ouvi Liam protestar, mas quando me dei conta já estava abrindo a porta e entrando.

- Por que vocês demitiram ele? – Perguntei visivelmente brava para Klaus e Damon.

- Isso não lhe diz respeito. – Klaus me respondeu ríspido.

- Diz sim, admita que foi por causa de sexta. – Pedi alterando o tom da minha voz.

- Nem tudo gira ao seu redor, não se ache tanto. – Ele me respondeu também aumentando o tom de sua voz, que carregava um certo ódio.

- Parem vocês dois. – Damon interviu, se levantando e ficando entre nós. – Vocês estão no local de trabalho e não na casa de vocês. – Damon continuou levemente irritado, e eu lhe entendia perfeitamente.

- Quer saber, você é um tremendo babaca. – Falei despejando toda a minha raiva nas palavras. Vi sua expressão se endurecer e transparecer raiva.

- E você uma garota ingênua que acha que sabe alguma coisa. – Ele me respondeu entre dentes, era nítido todo o rancor que ele continham por mim. Damon tentou falar algo mais eu o cortei.

- Quando for preparar a rescisão dele aproveita e faz a minha, porque eu me demito. – Falei certa de mim. Nem fiquei para analisar sua expressão ou ouvir algum protesto de Damon. Caminhei rapidamente para minha mesa e comecei a juntar minhas coisas.

- O que você está fazendo? – Liam perguntou me observando.

- Você não está falando sério Caroline. – Damon chegou logo atrás me falando, bastante preocupado.

- Estou sim. – Respondi alto.

- Tá falando sobre o que? – Liam ainda continuava sem entender.

- Ela se demitiu, por sua causa. – Damon falou ríspido.

- Tá maluca? Para com isso. – Liam tentou tirar a bolsa de minhas mãos, porém eu fui mais resistente.

- Não. Não vou ficar aqui vendo ele tratar mal todo mundo que se aproxima de mim. – Respondi andando e solicitando o elevador.

- Vai para casa, e amanhã nós conversamos de cabeça fria. – Damon me instruiu, mas naquele momento eu tinha muita raiva alojada em mim, se eu pudesse certamente tinha repetido o tapa de sexta que dei nele.

- Damon, minha decisão está tomada. – Falei entrando no elevador, Liam me acompanhou.

- Vamos para algum lugar, para conversarmos e você ver que essa ideia é uma estupidez. – Liam me propôs.

- Aceito o convite, estou precisando beber, mas nem venha me persuadir, porque isso não funciona comigo. – Falei com cara de poucos amigos.

Passamos na sala de Liam para ele pegar suas coisas e em questão de minutos estávamos num barzinho, tomando mojito. Nas primeiras horas ele tentou com toda perseverança me fazer enxergar que não era uma escolha inteligente aquela de pedir demissão, mas eu estava de saco cheio de Klaus, estava exaustada de ser tratada daquele jeito, e ele prejudicar outra pessoa por conta da sua raiva tinha sido a última gota do copo. Eu odiava injustiças, e não ia ficar de braços cruzados vendo ele cometer aquela, e ainda sabendo que indiretamente eu tinha contribuído para aquilo.

- Você não tem aula hoje? – Liam perguntou olhando para o relógio.

- Não, só quarta. Hoje e amanhã é reunião pedagógica. – Respondi pedindo mais uma bebida.

Eu e Liam começamos a ter uma conversa divertida e sem ter nenhuma palavra relacionada ao trabalho. Era tudo bem simples com ele, a conversa fluía, a companhia era agradável, e o sorriso dele me encantava. Tudo seria bem mais fácil se eu sentisse tudo o que Klaus me provocava por Liam.

- Tá, se você fosse um animal o que você seria? – Liam estava super alegre, deveria ser por conta dos três drinks que havíamos bebido. Também me sentia bem leve e por incrível que parecesse feliz.

- Hum... acho que um pássaro. – Falei, pensando no quão fantástico seria poder voar.

- Eu gostaria de ser um leão, para ser um dos animais mais poderosos. – Ele confessou, imitando um rugido de leão, e eu ri ainda mais com aquilo.

- Que ambicioso você Sr. Morgan. – Falei finalizando meu drink. Liam ficou me olhando por algum tempo, talvez me admirando.

- Dá pra perceber o porquê dele ter ciúmes de você. – Ele me disse. Automaticamente senti um desgosto ao pensar nele, estava tão bom sem pensar um segundo se quer naquele britânico arrogante.

- Combinamos de não falar sobre aquele ambiente, e além do mais não é ciúmes, é ego ferido. – O corrigi espontânea.

- Não, é ciúmes sim, porque você é uma mulher de inúmeras qualidades. – Aquela afirmativa me atingiu em cheio. Notei seus olhares alternando para meus olhos e meus lábios e ali percebi que Klaus sempre esteve certo, Liam com toda certeza queria muito mais do que só minha amizade, mas naquela hora pensei que talvez fosse fácil esquecer uma paixão com outra.

- E quais seriam essas minhas qualidades Sr. Morgan? – Questionei me aproximando dele, e caminhando com meus dedos por seu peitoral até o colarinho de sua camisa. Aproveitei para encarar sua boca, os lábios dele também eram bonitos, não como o do babaca do meu agora ex-chefe, mas eram atrativos.

Percebi seu olhar tomar outra forma, e olhar fixamente para minha boca.

- Linda, inteligente, generosa, paciente, engraçada e terrivelmente irresistível. – Ele confessou e automaticamente senti suas mãos suavemente em meus cabelos, enquanto sua boca se aproximava e começava a interagir com a minha.

Deixei me levar pelo momento e permiti sua língua se juntar com a minha, num suave beijo. Seu lábios eram suaves e doces, tragava perfeitamente o gosto do nosso último drink, seu toque era carinhoso e zeloso, porém faltava algo, e no fundo eu sabia muito bem do que ou de quem minha boca necessitava. Me afastei parando o beijo.

- Desculpa se eu fui muito invasivo. – Ele me pediu docemente.

- Não, não se desculpe. O beijo foi bom, mas sou eu, eu que estou muito confusa e ainda levemente bêbada. – Confessei com um sorriso meigo. Ele sorriu também e me abraçou. Traguei seu perfume adocicado e me lembrei do cheiro amadeirado do de Klaus. Que inferno, para de pensar nele Caroline! Me repreendi mentalmente.

Eu e Liam ficamos aproveitando mais um pouco, até ele decidir que era hora de me levar para casa. A bebida já estava me afetando e tudo o que eu lembrava era de uma Elena muito irritada, me colocando embaixo do chuveiro e dizendo algumas palavras que eu tinha uma certa dificuldade de ouvir com clareza.

No dia seguinte acordei com a maior ressaca da minha vida. Tinha sido uma tola ao achar que aguentaria tantos drinks distintos. Longo durante o café levei um belo sermão de Elena que por mais ruim que fosse ela estava coberta de razão. Ela me disse o quanto havia ficado preocupada comigo, me chamou a atenção por não atender as tantas ligações dela ou simplesmente responder alguma mensagem, me disse também que eu estava iludindo Liam e que estava sendo uma garota birrenta ao se demitir. Quanto a essa última afirmativa eu tentei argumentar, mas ela tinha a resposta na ponta da língua para qualquer coisa que eu falasse.

Depois de ouvir Elena retornei para meu quarto, precisar me arrumar para ir ao trabalho assinar minha rescisão. Muita coisa do que Elena havia me falado fazia muito sentido, e principalmente o fato de eu precisar de emprego para pagar minha faculdade, não seria qualquer emprego que bancaria metade da minha faculdade e ainda me daria todas as mordomias que eu estava acostumada na Original’s and Salvatore’s, porém trabalhar com Klaus era sinônimo de não ter sossego na minha vida, teria que conviver com um chefe autoritário ao extremo, explosivo, impulsivo e arrogante, não, definitivamente eu não podia voltar atrás da minha decisão. Quanto a Liam Elena estava certíssima, precisava conversar com ele e deixar claro que somente minha amizade ele teria.  

***

Cheguei na empresa uma hora exata após meu horário de entrada, certamente que Klaus e Damon já estavam presentes. Toquei no ramal de Damon para avisar que eu já estava lá e estava pronta para assinar minha rescisão. Ele com um certo pesar na voz pediu que eu esperasse alguns minutos e que logo após me retornaria para ir até ele.

Assim que Damon me deu aval, caminhei para sua sala em passos lentos, sabia perfeitamente que aquela decisão não teria volta, mas parte de mim já estava aliviada por digamos ser “livre”.

- Escrevi uma carta de próprio punho pedindo minha demissão. – Falei entregando a carta a Damon. Damon analisou a carta e me olhou com uma certa tristeza.

- É isso mesmo que você quer? – Me perguntou bem desanimado, odiava ver ele daquele jeito, mas não tinha outra solução.

- É o melhor para ambos os lados Damon. – Falei também carregando uma certa tristeza na fala.

- Podemos conversar? – Fomos surpreendidos por Klaus que adentrou sorrateiramente na sala. Me virei subitamente para ele, e lá estavam aqueles olhos marcantes me encarando.

- Vou dar alguns minutos para vocês, qualquer coisa gritem! – Damon saiu entregando a ele minha carta. Ele passou os olhos por cima e se aproximou mais.

- Então é isso? – Ele perguntou firme, com um olhar penetrante no meu.

- Sim, é exatamente isso. – Falei tentando desviar o olhar, mas ele continuou em posição questionadora. Me embebedei de coragem e o encarei.

- É isso mesmo que você quer? – Ele continuou perguntando, sério, com sua voz grave.

- É o certo Klaus. – Disse e depois gelei, pois esqueci totalmente de chamar ele de NIKLAUS.

Ele me olhou com uma certa intensidade e rasgou minha carta.

- Ei! – Indaguei tentando pegar de suas mãos os pedaços do papel, mas ele recuou.

- Não vou deixar você se demitir. – Ele me disse novamente com aquele tom autoritário, o que me fez revirar os olhos.

- É por esse motivo que estou saindo, por seu autoritarismo sem igual. – Respondi ríspida, passando por ele para me retirar, quando senti sua mão puxar meu braço.

- Fica. – Pediu com uma voz mais mansa, e detectei em seus olhos um sinal de súplica. Aquele olhar amoleceu meu coração, senti minha postura que antes era rígida se relaxar, e uma vontade enorme de ceder ao seu pedido.

- Não posso Niklaus, nós dois juntos não damos certo em nada, e por mais que nos desculpamos um com o outro, sabemos que é só questão de tempo para nos estranharmos novamente. – Confessei, e ele pensava exatamente como eu, porque não rebateu, apenas abaixou a cabeça.

- Não damos certo no trabalho porque desde o começo misturamos as coisas. – Agora foi a vez dele ser sincero, e ele estava cheio de razão.

- Não quero te prejudicar. Você é uma funcionaria exemplar, inteligente, proativa, e agradável, precisamos muito de você. – Ele respirou profundamente, como se estivesse farto de me pedir desculpas.

- Não quer me prejudicar, mas você acabou prejudicando outra pessoa por conta do seu ciú... – Parei na metade da palavra e estremeci ao ver ele pronto para responder, já sabia que Damon teria que intervim dali há alguns minutos.

- Por conta do meu ciúmes? Ok Caroline, admito que foi por conta do meu ciúmes. – E aquela revelação me pegou de surpresa. Uma coisa era eu achar que ele tinha ciúmes de mim, outra era ele mesmo confessar.

- E por isso que não deveríamos ter misturado nossa relação profissional com a pessoal. – Novamente ele tocou nesse ponto, e para meu desespero ele estava completamente certo.

- Você tem razão, mas agora já foi e não podemos apagar aquela noite ou as outras que tivemos. – O olhei tentando decifrar o que se passava em sua mente, mas como sempre ele era uma incógnita.

- Não quero apagar, mas se quisermos manter a relação profissional sugiro que não aconteça mais nada entre nós. – Ele me propôs meio incerto.

- Então você está falando que se eu continuar aqui de agora em diante só a relação profissional que vai haver entre nós dois? – Perguntei meia confusa, ele dizia uma coisa, mas seus olhos estavam me dizendo outra, e parte de mim queria que aquela proposta fosse verdadeira e que daquele momento em diante eu pudesse enfim colocar minha vida nos trilhos.

- Sim. Desde o começo era para ser assim. Me desculpe ficar investindo em algo que sabíamos que não era o correto, e que de certa forma nos trouxe aborrecimento. – Ele continuou e pegou na minha mão. Automaticamente olhei para o toque, suas mãos tão fortes cobrindo a minha delicada.

- Fica Caroline, prometo a você que vou ser restritamente profissional e jamais tomarei conta da sua vida pessoal novamente. – Ele me pediu amigável.

- Você já falou que não se meteria na minha vida pessoal e olha o que aconteceu. – Falei irônica. Ele deu um meio sorriso, aquele sorriso que me desconcertava. Droga!

- Porque ficamos novamente e eu me achei no direito disso, mas lhe prometo que não acontecerá mais. Fica vai. – Ele se aproximou e falou numa fala mansa, quase que inofensivo.

- E quanto ao Liam? – Sabia que poderia acabar com aquele Klaus todo solicito na minha frente, mas tinha feito tudo aquilo por Liam, não era justo eu conseguir novamente meu emprego e ele ficar desempregado.

- Já cuidei disso, arrumei um emprego para ele na empresa de um amigo meu aqui em NY. A essa hora ele deve estar saindo da entrevista. – Disse olhando no relógio, e eu precipitadamente estreitei o olhar para ele, como se duvidasse daquilo.

- Se duvida de mim ligue para ele, ele vai confirmar. – Pediu ainda solicito.

- Não precisa, sei que você não é mentiroso. – Falei, arrancando dele mais um singelo sorriso. Ele me olhou erguendo uma das sobrancelhas, como se perguntasse: Então?

- Se eu ficar então você promete que não vai interferir mais na minha vida pessoal e que me tratará somente como sua funcionária? – Questionei, metade de mim queria que ele me respondesse NÃO, porque eu queria pelo menos um último beijo daqueles lábios arrebatadores, mas a outra parte de mim, meu consciente, queria ouvir SIM.

- Te prometo Srta. Forbes. – Ele falou me encarando firme. O olhei mais um pouco, estudando sua expressão, ele estava decidido, estava muito certo daquele desejo.

- Então eu fico Sr. Mikaelson. – Respondi e ele abriu um largo sorriso.

- Tudo bem aqui? – Damon adentrou preocupado.

- Tudo. Srta. Forbes vai ficar. – Ele comunicou vitorioso. Damon me deu um sorriso de ponta a ponta.

- Fico muito feliz com essa notícia, muito mesmo. – Damon confessou bastante satisfeito.

Sorri alegre para Damon e retornei para minha mesa, meu espacinho amado. Eu me sentia aliviada por enfim ter esclarecido a nossa situação com ele, agora poderia trabalhar tranquila e sem ficar pensando o que éramos ou seriamos, porque de certo Rose estava certa, homens como ele preferiam mulheres de mais requinte ao invés de uma mera secretária.

 

 

 

 


Notas Finais


E ai o que acharam? Já sei, me xinguem porque a Car. ficou com o Liam Hahaha, mas olhem pelo lado positivo: Ela admitiu que o Klaus estava certo (pelo menos para ela, haha). O que acharam do Klaus baixando a guarda e pedindo para ela voltar? E o que acharam da ideia do Klaus para afastar Liam de Car.?

Se preparem porque no próximo capítulo eu tenho uma surpresinha para vocês... Então até quinta! Xoxo.

• Músicas:
- Klaus pensando sobre o seu final de semana (Sam Smith – How Do you Sleep?)
- Klaus conversando com Damon sobre Liam (Flor Rida – Whistle)
- Caroline discutindo com Klaus e se demitindo (Nickelback – Savi’n Me)
- Caroline e Liam no barzinho (Calvin Harris – Blame feat. John Newman)
- Klaus pedindo para Car. ficar e ela aceitando (Sam Smith – Stay With Me)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...