História Giving all of me to you - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Abraxas Malfoy, Alvo Dumbledore, Gellert Grindelwald, Harry Potter, Órion Black, Tom Riddle Jr., Walburga Black
Tags Almas Gêmeas, Harry Protetor, Romance, Tom Ciumento, Tom Protetor, Tomarry, Viagem No Tempo, Vingança
Visualizações 1.208
Palavras 1.999
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Luta, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mina obrigada pelos 106 favoritos, 50 comentários e 721 visualizações, vcs são maravilhosos!

Agradeço-lhes pelas palavras de incentivo.


OBS: Para melhor compreensão coloquei os diálogos em negrito e o que estiver em negrito e itálico são pensamentos ou a personagem lendo algo.

Espero que gostem do capítulo😉

Capítulo 3 - Mentes brilhantes surgem


Três anos depois 

 

Tom e Harry se tornaram inseparáveis. Ninguém via um sem o outro. Mesmo que as crianças do orfanato não se aproximassem deles, os olhares de ódio e desprezo faziam com que Tom se perguntasse o que fez de errado. Mas, esses questionamentos desapareciam no momento em que via o sorriso de seu Harry. Sorriso que o fazia lembrar que ele não estava mais sozinho. 

Na escola pública eles eram considerados os mais inteligentes, especialmente, após fazerem o teste de quociente intelectual, que mostrou os seguintes resultados: Tom atingiu o QI de 235, enquanto Harry alcançou o QI de 241. Eles foram noticias nos principais jornais do país e até conseguiram uma bolsa de estudos em uma das melhores escolas de Londres.

Em virtude dos resultados do teste de QI, a nova escola os fez avançar para o 2º do Ensino Médio. A maioria dos alunos eram filhos de pessoas ricas e automaticamente, excluíram Harry e Tom por serem pobres e órfãos. Apesar da rejeição que sofreram, ambos se mantiveram firmes em seu propósito de serem os melhores, seja em notas ou comportamento.

 Tom e Harry consideravam a escola sua verdadeira casa, porém nem tudo era um mar de rosas. A bolsa de estudos cobria as mensalidades, livros e uniformes, mas a alimentação era paga, ou seja, sem dinheiro eles não poderiam comer.

Tom não se importava em ficar sem almoçar, entretanto, Harry era sua responsabilidade, seu primeiro e único amigo, aquele que conquistou seu coração e ele não permitiria que seu pequeno ficasse sem comer. Então, mesmo sabendo que a maioria dos alunos os odiava e invejava, surgiu-lhe a ideia de cobrar algumas libras por trabalhos que os professores passavam em sala de aula. Inicialmente poucos contrataram seus “serviços”, mas com o tempo quase 20% dos alunos que cursavam o Ensino Médio eram seus “clientes”.

 Neste momento Tom e Harry estavam na biblioteca da escola se dedicando a uma pesquisa sobre o projeto que apresentarão na feira de Ciências e Tecnologia que acontecerá em 2 meses. Eles estavam empolgados, pois se ganhassem o 1º lugar receberiam £ 1.000 (mil libras esterlinas) e o dinheiro lhes ajudará na compra de roupas e alimentos.

A comida estava escassa no orfanato e Harry detestava quando Tom deixava de comer para que ele não passasse fome. Cansado de ver sua alma gêmea se sacrificar, ele resolveu fazer algo, mesmo que isso significasse criar algo que existia em seu tempo. E por mais que fosse imoral se apropriar da criação de alguém, o que os olhos não veem o coração não sente.

 

 

 

 

***

 

Era o horário de almoço e os meninos estavam indo para o refeitório. Eles não tinham muito dinheiro, mas os trabalhos que faziam para seus colegas de classe era o suficiente para que não morressem de fome, pelo menos na escola.

Tom parecia um marido dedicado, que controlava o dinheiro e checava o que Harry precisava. Muitas das vezes ele deixava de comprar roupas para si, pois sentia que seu Harry precisava mais que ele. Não importava o quão velho e desgastado estavam seus sapatos, o garoto de olhos verdes que conquistou seu coração, era sua prioridade.


POV Tom ON 

Depois de longas horas de pesquisa, finalmente, iríamos comer algo. Meu Harry fez cara de desgosto ao ver que coloquei brócolis e berinjela em seu prato, mas ele sabia que tinha que se alimentar o mais saudável possível. Eu estava preocupado, ultimamente Harry tossia secamente e tinha medo que algo o acontecesse. Perdê-lo me destruiria, pois o amo com todo o meu coração.

Nesses anos Harry me ensinou magia sem varinha, ainda tenho dificuldade em fazer feitiços não verbais, mas estou fazendo o meu melhor para que possa proteger aquele que é precioso para mim.

Retirado de meus pensamentos, percebi que teremos que pegar mais trabalhos escolares, pois estamos com pouco dinheiro e meu Harry não pode ficar sem almoçar. Ele é tão pequeno e frágil, que não posso deixar de ser superprotetor dele. 

Ao vê-lo comer senti meu coração se apertar, pois sei que quando chegarmos ao orfanato uma refeição decente se torna um luxo. Quero dar o mundo a ele, mas não sou bom o suficiente. Pelo menos por enquanto, jurei que darei o melhor ao meu Harry e cumprirei minha promessa. De repente o ouvi perguntar: Marvolo, eu tenho que comer berinjela? – dando-lhe um olhar de cachorrinho abandonado – Você não pode ser tão cruel comigo! – fazendo beicinho – Pensei que me amasse! – Tom se derretia cada vez que via aquele olhar, mas tinha que ser firme. Rejeitar comida era algo que não podiam fazer. Então falou: Meu Harry, você é o único que amo. Tu és o que tenho de mais precioso e por isso, você deve comer os legumes e verduras. Lembre-se que são eles os responsáveis por fornecer os nutrientes que nosso corpo necessita. Agora coma sem fazer beicinho!

Ele queria protestar, mas sabia que Marvolo não mudaria de ideia, então se forçou a comer a berinjela. 

Após o almoço caminhamos em direção à sala de aula. Quando sentamos em nossos respectivos lugares, Harry falou: Marvolo, eu tenho uma ideia para a feira de Ciências e Tecnologia – Tom se animou e perguntou: E qual é a sua ideia? – os olhos do menor brilharam e ele disse: Conversaremos em nosso quarto. Aqui alguém pode nos ouvir.

Eu queria saber qual era à ideia que Harry teve, mas como sempre ele tinha razão. E devemos deixar essa conversa para nosso quarto. Afinal, algum colega invejoso pode querer roubar a ideia de meu pequeno ou prejudicar nosso projeto por despeito.

 

 

Duas horas depois

Acabei de deixar Harry na biblioteca, ele queria emprestar alguns livros. Desejava estar com meu pequeno, mas Marcus me chamou para pagar a atividade de química que entregamos está manhã. Em minha opinião meu Harry é o único digno de meu amor, carinho, gentileza, proteção e atenção. Sinceramente, não sei o que faria se tivesse que conviver 24 horas por dia e 7 dias por semana com pessoas desprovidas de capacidade intelectual. Marcus é um exemplo de pessoa sem capacidade intelectual, o garoto era tão burro que não pude fazer uma atividade que desse uma nota maior que 7, mas era o suficiente para que ele passasse. 

Com o dinheiro em mãos, comecei a planejar o que poderia fazer com ele. Talvez comprar algum alimento ou juntar para pagar uma consulta médica a Harry, sua tosse me preocupa. E tenho que cuidar dele e protegê-lo.

POV Tom OFF 

 

 


***


Horas Depois – Orfanato Wool

As crianças detestavam Harry e Tom. Billy ainda acreditava que a criança de olhos verdes tinha um vínculo com o demônio. As agressões físicas pararam, mas a violência psicológica era constante. E Tom para se proteger tornou-se mais frio e cruel. Não permitindo que ninguém o ofendesse, porém o inferno subiria ao orfanato no momento em que falassem um “a” sobre seu pequeno.

Na última vez, ele enviou 5 adolescentes ao hospital por dizerem que Harry era a encarnação de Lúcifer. A Sra. Cole queria se livrar de Tom, mas estar sob a maldição de Imperius, não colaborou.

Harry era considerado o pior dos dois, pois ele quebrava os ossos e “persuadia” seus colegas da forma mais cruel sem tirar o sorriso inocente dos lábios. Por ter um controle melhor de sua magia, ele fazia o que podia para proteger sua alma gêmea da Sra. Cole e do padre. Obviamente que um Obliviate e Imperius não verbal e sem varinha resolveria o problema, mas como iria lhes ensinar uma lição, se tudo fosse tão fácil, então a criança de olhos verdes adorava torturá-los psicologicamente, privá-los de sono e dar-lhes alguns Cruciatus.

Tom fazia o possível e o impossível para garantir que Harry estivesse seguro, protegido, cuidado, alimentado e amado, mas quando a comida ficava escassa, ele chorava por não conseguir cumprir sua promessa. Na maioria das vezes, a criança de olhos verdes consolava sua alma gêmea, dizendo o quanto o ama e que ele estava muito feliz por tê-lo ao seu lado. E o carinho e amor de Harry davam-lhe forças para fazer seu melhor, pois somente assim sairiam daquele inferno.

 

 

 

***

 

Uma hora depois -- quarto 214

Após o jantar, Harry e Tom foram para seu quarto. Quando estavam sentados confortavelmente, Harry deslizou para o colo de sua alma gêmea e explicou: Marvolo, depois de inúmeras pesquisas, conclui que devemos construir um sistema navegação por satélite. – se aconchegando nos braços de Marvolo – Primeiro temos que juntar dinheiro para patentear nossa ideia e em seguida criar um esboço sobre nosso projeto. Temos que buscar o apoio da Universidade de Oxford – sentindo o tremor no corpo de sua alma gêmea, olhou-o nos olhos e tentou tranquilizá-lo –  Amor se acalme, vou explicar o que é nosso projeto e como o faremos. Ok? – não vendo objeção continuou – Nosso projeto terá como objetivo criar um aparelho que recebe os sinais enviados por satélite e determina onde a pessoa ou aquele lugar que ela busca está. Ele pode ser útil para a marinha, exército, aeronáutica ou empresas privadas que lidam com entregas de produtos ou prestação de serviços. Entretanto, para desenvolver esse projeto teremos que trabalhar juntos. Sou bom em cálculos, mas você é o melhor, então, posso focar no designer e nos materiais que iremos precisar.

Harry não cansava de surpreendê-lo. Estava feliz por realmente ser útil para o único digno de seu coração. Explodindo de felicidade, afirmou: Meu Harry farei o possível para não desapontá-lo – passando os braços em volta da cintura do menor – Estou preocupado, temos pouca comida e você está com aquela tosse horrível. Marcus pagou pela atividade que fizemos, mas ainda não é o suficiente. A comida saudável é cara e uma consulta médica custa mais que meu rim – beijando o topo da cabeça do menor – Me sinto inútil, especialmente quando não posso te dar o que precisa.

Lágrimas começaram a escorrer pelo rosto do maior e Harry o consolou, abraçando-o fortemente. Lentamente parou de chorar e quando iria falar foi silenciado pelos lábios de Harry. O beijo foi casto, mas transmitiu todo o amor que sente por Marvolo. Ao separarem o maior estava com um rubor nas bochechas e o menor prometeu: Marvolo, eu te amo e você nunca será um inútil. Você é bonito, inteligente, gentil, amoroso, carinhoso, cortês, protetor e leal – dando-lhe um selinho – Sou feliz por tê-lo ao meu lado e tu és somente meu. Sei que temos pouco dinheiro e que esse orfanato é horrível, mas não vou permitir que desvalorize o que você faz por mim. Meu amor, você cuida de mim, me protege, dá carinho e me ama. O que mais posso pedir? Marvolo já lhe disse, somos inteligentes e com o tempo teremos dinheiro. Nosso projeto é o primeiro passo, aposto que se tudo der certo, poderemos cobrar £ 10.000 (dez mil libras esterlinas) por cada unidade produzida.

Tom amou seu pequeno desde o momento em que o conheceu, mas ao ser beijado, seu coração bateu rapidamente. Ele queria se perder naqueles lábios e nunca mais deixá-lo ir. Mas, eles são jovens e é seu dever proteger Harry de tudo e todos. Dando-lhe um beijo na testa, sorriu e declarou: Eu te amo. Você é minha razão de viver e vou fazer o que estiver ao meu alcance para não desapontá-lo – olhando-o nos olhos – Harry o beijo significou muito para mim – com um rubor nas bochechas perguntou – Quero acordar todos os dias de minha vida ao seu lado, desejo compartilhar meus sonhos e objetivos com você, e tu és o meu lar. M-meu pequeno, aceitas namorar comigo?  

Harry sorriu brilhantemente e disse: Eu te amo Tom  Marvolo Riddle e aceito namorar contigo – se aproximou e capturou os lábios rosados de Marvolo em um beijo terno. Ao se separarem encostou sua testa nas de seu namorado e enfatizou: Marvolo temos que pesquisar ou nosso projeto não ficará pronto.

Naquela noite ambos ficaram acordados pesquisando e separando tudo o que poderiam utilizar para seu projeto.


Notas Finais


Mina adorei escrever esse capitulo. A escrita fluiu naturalmente e sinceramente estou feliz por essa nova etapa na estória.

Bjos a todos vcs que acompanham esta fic e agradeço-lhes por cada sugestão enviada nos comentários do segundo capítulo.



Sugestões, críticas, observações ou elogios é só deixar um comentário.



Até o próximo capítulo😉


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...