1. Spirit Fanfics >
  2. Glass Heart >
  3. The Boss

História Glass Heart - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Oieeee mochis🍥!!!
Mais uma pessoa na família, não acredito 🌱💓!!!
Tô tão feliz, sério... O comentário me motivou bastante! Thanks...
Ah nesse capítulo vai rolar muita treta, e o fim é mesmo oh... Voilà! Era para o postar anteontem mas decidi acrescentar umas coisinhas...🎨
Vou começar depois a escrever o próximo!
Aproveitem a leitura!🤓📖
.
Vocabulário: Yeoboseyo? = Alô? // Appa = papai
.
Gif: Taehyung
.
MÚSICA DO CAP. : [https://youtu.be/Hj2tlBoLP1o]

Capítulo 4 - The Boss


Fanfic / Fanfiction Glass Heart - Capítulo 4 - The Boss

JI-EUN (IU) P.O.V

 Depois de estudar durente três horas, deitei a cabeça sobre a mesinha.

Ter que estudar quando a única coisa que se preocupa nesse momento é a dor de barriga intensa causada pela menstruação, é um pouco difícil.

Tirei os óculos e os fones de ouvido. Deixei que o cansaço tomasse conta de mim e fechei os olhos.

De repente, meu celular tocou. 

["Tae Tae do Cacete" ligando...]

Ji-Eun: O que esse idiota quer? — aceitei a ligação. — Yeoboseyo?

Taehyung: Oi. Você por acaso está com a Tzuyu?

Ji-Eun: Não. Por que razão eu estaria com ela? — revirei os olhos.

Taehyung: Sei lá. Às vezes vocês duas estudam juntas... Bem não interessa, ela sumiu, literalmente! — dava pra notar o desespero na voz dele.

Ji-Eun: Sumiu? Como assim? — fiquei assustada.

Taehyung: A gente combinou se encontrar em casa pra jantar. Ela foi pegar a novata na escola e eu o Jungkook. Depois a gente voltou pra casa, e elas as duas tinham sumido.

Ji-Eun: Já tentou ligar pra ela?

Taehyung: Os celulares das duas estão em casa.

Finalmente, fez-se luz na minha cabeça.

Eu e Tzuyu nos conhecíamos muito bem. Nós duas éramos colegas de trabalho... É verdade, prostitutas. Não tenho vergonha em o admitir. Pra concretizar meu sonho precisava de dinheiro, com a idade que tinba só ganhava dinheiro com isso. Uma tristeza essa sociedade...

Problema é que prostituição era algo ilegal. Bem perigoso, se lidássemos com homens psicopatas sexualmente frustrados.

E depois que ela tinha sumido... Juntamente com a novata.

Um arrepio percorreu meu corpo. Não perdi mais tempo, e fui calçar meus tênis.


________________________________________

•°* CAP. 3 *°•

•°* {THE BOSS} *°•

________________________________________


JUNGKOOK P.O.V

A gente tinha procurado elas por todo o lado. Casa, escola, shopping, ruas, cafeteiras, lojas... Nada.

Eu conseguia ver o Taehyung se exaltando cada vez mais. Eu tinha proposto até passarmos pelo posto policial porém Taehyung negava e continuava a sua busca.

Eu sabia que Tzuyu era muito importante pro meu melhor amigo. Ele sempre a colocava primeiro que sua própria vida. Me questionava se aquilo era mesmo só amizade ou algo mais...

Taehyung resolveu então ligar pra Ji-Eun porém esta desligou a chamada a meio da conversa. Meu amigo deu de ombros.

Taehyung: Acha que ela cagou pra gente?

Jungkook: Não sei... Acho que ela não faria isso. — conhecia ela há bastante tempo, tinha bom coração.

Eram já 23:40 quando vimos um grupo de garotas passando com garrafas de soju e cigarros acesos nas mãos.

Era composto por Jennie, Seungyeon, Yeji e Eunbi. As quatro garotas mais populares da escola. Jennie, a riquinha que tinha tudo o queria; Seungyeon, trainee em uma empresa de pop coreano; Yeji chefe das líderes de torcida; Eunbi, modelo e estrela das redes sociais.

Não eram de confiança, porém resolvi perguntar.

Jungkook: Oi. Por acaso viram a Tzuyu e a novata?

Jennie: Não, porque as veríamos? — questionou com ar de convencida.

Taehyung: Nada. — mentiu. — Estamos brincando de esconde-esconde pela cidade...

Seungyeon: Que crianças... Venham, meninas! — fez sinal para continuarem o caminho.

Porém Eunbi se aproximou da gente, sussurrando:

Eunbi: Eu... vi alguém, bem ouvi. Meu tio trabalha no ferro-velho da cidade. É, eu sei, um renegado da família... Fui visitar ele antes de vir ter com as garotas e falou que estava enlouquecendo e ouviu gritos de garotas. Estava ajudando ele transportando umas coisas, quando ouvi um grito. Alguém falando, era a Tzuyu. Tenho a certeza... E depois alguém chorando. — ela suspirou. — Garotos, me matem se estiver enganada! Mas era igual! Ignorei e vim embora, mas está tudo bem com ela? Provável que estivesse alucinando ou fosse apenas o barulho do ferro e dos materiais... — encolheu os ombros.

Jennie: Eunbi! Tá boa a conversa? — cruzou os braços.

Eunbi: Tou indo!

Taehyung e eu agradecemos e saímos correndo. Não havia tempo a perder!

________________________________________

JI-EUN (IU) P.O.V

Eu seguia pela estrada, um pouco trêmula. Embora já tivesse a carta de motorista, só a tinha recebido duas semana antes.

Tinha pedido emprestado o carro do meu Appa (hum talvez o tenha levado sem autorização), e conduzia com medo de um mínimo risco na tinta.

Virei à direta, e dei uma curva bem apertada. Sempre que mudava de direção meu coração apertava.

Quando soube do desaparecimento da Tzuyu, liguei depressa pro meu chefe. Porquê? Pois ele é o hacker mais bem sucedido desse planeta miserável. E pra quê? Uns semanas antes, Tzuyu me tinha contado sobre um cliente obcecado por ela.

Esse doido chegava a fazer marcações com a "Angie", vulgo Tzuyu, umas 15 vezes por semana! Ele a perseguia quando ia pra casa ou pra escola. Sabia já o nome verdadeiro dela e que era menor.

Isso era muito perigoso, então decidimos avisar nosso chefe secreto. Esse, em um dia, conseguiu acessar os dados do homem do capeta.

Nome, idade, morada, tudo mesmo. Incluindo número de celular. Quando soube que era casado, o nosso glorioso chefinho ameaçou contar à esposa que o marido andava a traindo. E mesmo se este dissesse que contaria pra polícia, nosso chefe falou que em um clique esvaziaria a conta bancária do homem.

O homem, assustado, acalmou, parando de ser o stalker da Tzuyu.

Porém, ao que pareceu, ele quis revidar. Sequestrando minhas duas colegas, inadmissível...

Deus sabia lá o que ele poderia estar fazendo!

Então, quando fiz a ligação pro meu chefe contando sobre o desaparecimento da Tzuyu e da novata, ele acessou ao celular do homem e pronto! Localizou ele...

Ele era o melhor! Talvez algum dia pudesse conhecer ele pessoalmente, só ouvia a voz robótica dele, que nem era a verdadeira mesmo. Nunca falava com a gente presencialmente. Por algum motivo queria manter sua identidade bem guardadinha.

Então aquele filho de uma puta se tinha metido em um ferro-velho com minhas amigas, ele estava tão na merda...

________________________________________

TAEHYUNG P.O.V

Chegamos no ferro-velho num instante. Cheirava a mofo e a vista era preenchida por materiais, ferro e metais empilhados uns em cima dos outros.

Não havia ninguém, e só se ouviam os grilos cantando.

Peguei um pé de cabra, pronto pra luta.

Jungkook perscrutando o lugar parecia um coelho em estado de alerta.

De repente, ouvi uns gritos.

Taehyung: Tzuyu! — comecei correndo mas alguém me puxou pra trás, me impedindo de avançar.

Jungkook: Sabe o que é "entrada silenciosa"? Falámos sobre isso no carro... Carai você é teimoso. — ele me largou.

Taehyung: Eu sei, mas elas podem estar em perigo!

Jungkook: Moleque, você acha que eu não sei? Mas desse jeito eles vão ouvir você e fugir de novo!

Taehyung: Tá ok, entendi. — revirei os olhos.

Se ouviram gritos de novo e eu me conti.

Jungkook perscrutou o ar mais uma vez e sorriu satisfeito consigo mesmo quando seu olhar se encontrou com um armazém.

Jungkook: Vem dali! — apontou pro tal armazém.

Taehyung: Tem mesmo certeza?

Jungkook: Não questione minha audição perfeita...

Taehyung: A Eunbi tinha razão, por um momento pensei que estivesse enganando a gente. Não há dúvida que é a Tzuyu, porém não ouço a Yeri.

Jungkook: Espero que esteja bem...

Estiquei as costas e avançamos prontos para acabar com aqueles merdas.

Ji-Eun: Garotos! KOOK, TAE! 

Voltamos as cabeças e Ji-Eun arfava e corria pesadamente em nossa direção.

Taehyung: Ji-Eun? Como soube que estávamos aqui? 

Ji-Eun: E como souberam que era aqui? — levantou uma sobrancelha — Isso não interessa agora! Vamos! — ela apontou para um armazém.

Jungkook desviou a direção pra onde o dedo dela apontava.

Jungkook: É aquele ali... — fez o seu sorrisinho de coelho.

Ji-Eun: Certo, eu sabia! — endirentou, pondo o peso em outra perna.

E avançamos sem medo.


Ok, morrendo de medo...

________________________________________

YERI P.O.V

Acordei finalmente. Algo me puxava pra trás e meus pulsos doíam muito. Meus pés e meu braços estavam presos a uma paredes com cordas. Não conseguia falar pois tinha algo em volta da minha cabeça que cobria minha boca. E machucava pra caralho...

Olhei em volta, desconhecendo o local onde estava.

"Onde raios eu estou?" — pensei.

Olhei pra meu peito. Minha blusa tinha sumido e os botões dos meus jeans estavam soltos.

Comecei gritando e gemendo de pânico. Tinha lembrado o sucedido.

Tzuyu estava também suspensa e presa do meu lado. Ela abanou a cabeça, sinal pra não gritar.

Ela estava muito mais machucada que eu. Um olho estava muito roxo, o rosto coberto de sangue, os pulsos tinham cortes e havia marcas e sangue por todo o lado.

Eu comecei chorando ao ver ela naquele estado. Ela chorou comigo, deitando a cabeça o mais possível para poder encostar à minha.

Homem: Oh mas que cenário mais agradável... Parece que você, Yeri, já acordou. — ele se dirigiu a mim colocando uma mão no meu queixo.

Tentei desviar mas ele o agarrou com força.

Homem: Digo que você é tão gostosa quanto sua amiguinha... Foi tão fácil foder você enquanto dormia. — ele riu maliciosamente.

Eu chorei mais alto.

Homem: Pare! Pra quê chorar, lindinha? — ele deslizou a mão pra meu peito, o apertando.

Eu me contorcia toda, tentando afastar aquele filho da puta.

Homem: Shhhh! — ele me mandou calar, apertando de seguida meu pescoço.

Tzuyu gemia baixinho com a cabeça tombada.

Homem: Sabe seu irmãozinho já foi embora para não preocupar os papais... Ao contrário de você, ele é muito responsável, e não vai embora de casa do nada. — ele riu. — Mas não se preocupe ele tirou bom proveito do seu corpo, ele já volta...

Ele riu tão alto, me fazia lembrar o coringa.

De repente, seu riso foi interrompido por uma voz familiar e irritante:

Taehyung: LARGA ELAS, SEU MERDA! — ele jogou um pé de cabra em direção do homem com muita força, fazendo ele cair.

Taehyung veio em minha direção, não estranhando o fato de eu estar sem blusa.

Cortou as cordas rapidamente e eu caí no chão de joelhos chorando. Ji-Eun me vestiu uma blusa e me ajudou a levantar, fazendo o mesmo com a Tzuyu.

Taehyung beijou a Tzuyu no rosto e a levou. Jungkook esteve encarregue de manter o homem no chão.

Porém Jungkook foi apanhado de surpresa quando o homem pegou uma faca do bolso e a usou, esfaqueando o garoto na barriga.

Eu gritei quando Jungkook caiu e o homem me puxou quando Ji-Eun foi ajudar o garoto machucado.

O homem encostou a faca junto a meu pescoço.

Homem: Fiquem quietos desse lado e eu não mato ela. — ele começou se afastando comigo.

Eles ficaram pálidos de choque e confusão.

Estava preparando outra fuga quando parou subitamente. 

O estrondo de um tiro fez ecoar as paredes do armazém. 

Os olhos do homem se reviraram e a alma saiu do corpo (se é que ele tivesse alguma). O corpo do homem caiu no chão sem vida.

Me voltei e um sujeito surgiu.

De início, era apenas uma sombra escura.

Depois deu pra entender que era um garoto que eu nunca tinha visto na minha vida. Ele tirou o capuz do moletom preto que usava, fazendo meu coração acelerar.

Ele sorriu e falou numa voz grave e doce pra Ji-Eun e pra Tzuyu, arrepiando meu corpo todinho:

— E aí? Nem um agradecimento ao vosso querido e inigualável chefe, meninas?


Notas Finais


Gsgsgsgs ok vou preparar o próximooooo!!! Annyeong💞


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...