1. Spirit Fanfics >
  2. Glint >
  3. First

História Glint - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


"O mais triste de morrer em seus olhos foi não ter onde me enterrar"~João Doederlein.

Capítulo 1 - First


Fanfic / Fanfiction Glint - Capítulo 1 - First


-E foi assim que Michelangelo pintou o teto da Capela Sistina.- finalizei sentindo meu rosto corar por conta do peso dos olhares da turma sob minha feição. Mesmo que no funda saiba que ninguém da sala estava prestando atenção eu sabia que ela estava e não me refiro a professora.
-Parabéns Taylor, com isso acho que terminamos por hoje.- a professora se levanta e dispensa a sala.
De repente um abraço me pega por trás. -não precisa ficar tão corada Taylor McNutly, -falou a dona da voz mais leve da minha vida. -Sério, ficou travadona lá na frente, desse jeito vai virar a própria escultura de Michelangelo- disse rindo e me levando para fora da sala de artes.
-Não tem graça Julie, para você é muito mais fácil, você faz teatro é desinibida pra caralho.
E era mesmo, Julie conversava com quase todo mundo que via na frente.
-Já te chamei para ir comigo, mas você é um robozão que só quer saber de recarregar as pilhas no seu cafofo, pô vamos sair vai- fala dando um empurrãozinho no meu ombro.- Não precisa ser no teatro, sei que não é sua praia, mas vai rolar uma festa na casa do Fred hoje...
Fred era um carinha popular da minha sala, conhecido por dar grandes festas na cidade.
-Além do mais lá você poderá conhecer gente nova, vou pedir para o Willy me ajudar a te arrastar para lá.
Willy era um apelido carinhoso de Wilbert, meu melhor amigo, um ano mais velho que eu e que a Julie, amigos desde sempre, por conta da amizade das nossas mães.
-Que festa? Você tá louca. Tenho coisa melhor para fazer- eu odiava ir em festas, não suportava cheiro forte de cigarro e pessoas enchendo a cara no gramado alheio.
-Por favor Tay, faz essa por mim vai, não quero ir sozinha e minha mãe só vai me deixar sair se for com você.- 
-Pff- resmungo. -Claro, ela sabe que eu tenho à cabeça no lugar e não faço burrada como você cabeção.
-Ela confia em você porque você é filha da prefeita- disse revirando os olhos com voz de zombaria- Vai continuar sendo a filhinha da mamãe ate quando?
-Ok, eu vou. Mas com uma condição... se você me der trabalho eu nunca mais vou para lugar nenhum com você. -estico a mão para fazermos um acordo e ela consente.
-ótimo, na casa do Willy as 20:00.- e saiu rapidamente em direção a outra sala de aula.
Eu não sei quem estou enganando esse tempo todo, quer dizer... sei muito bem, estou enganando a mim mesma. Eu sempre tive muita certeza sobre minha orientação sexual, mas gostar da minha melhor amiga?? Isso esta fora de cogitação, eu não conheço alguém mais hétero do que a Juliette, bom, ela deve pensar algo semelhante sobre mim, ainda mais depois das férias em Ohio, quando eu inventei para ela que tinha ficado com dois meninos gatinhos lá...mentira, mal sabe que passei o verão inteiro pensando nela, em seus cabelos finos, em sua pele delicada, em seus olhos mel. Bom, meus motivos foram válidos, ela não poderia desconfiar.
 


Notas Finais


Em breve mais capítulos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...