História Go And Do Not Come Back - Capítulo 21


Escrita por:

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alix Kubdel, Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Félix, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Jalil Kubdel, Lila Rossi (Volpina), Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mestre Fu, Mylène Haprèle, Nathalie Sancoeur, Nathanaël, Nino, Nooroo, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain, Wayzz
Tags Marichat
Visualizações 50
Palavras 1.784
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Lírica, Luta, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Adultério, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Este capítulo está meio curto mas, espero que gostem.
Nao adormeçam no meio da aula de matemática da Marinette, kkkk.
Boa leitura

Capítulo 21 - Take Me To Church


Chat Noir...

Corri de telhado em telhado, até chegar na sacada de Jéssica, olhei pela mesma e ela estava mexendo no computador enquanto falava ao telemóvel.

-Desculpe? Quem fala? Depende de quem quizer falar. Não não posso, caso não tenha dado conta eu vim para Paris estudar e amanhã tenho escola, já está muito tarde, então com a vossa licença.-Ela desliga e atira o telemóvel para cima da cama, pelos vistos a conversa não foi simpática. Foi curta... Mas no entanto nada simpática. Pulei pelo telhado e pousei do outro lado da casa, no terraço de Marinete, bati três vezes na janela e ela não atendeu. Bati novamente e nada. Empurrei um pouco e ela estava aberta, as luzes estavam todas acezas incluindo a da casa de banho que se abria no momento. Subi até ao pequeno andar do seu quarto, que tinha a sua cama e ela não estava lá, voltei a descer e fiquei encostado na parede de braços cruzados. Ela saiu da casa de banho e estava com uma toalha enrolada no corpo bem Curta (Jéssica: Tenho um irmão super pervertido) (Adrien: Olha lá? Você e o Pantera quase que se pegavam e eu é que sou o pervertido?), ela passou por mim e mesmo assim não me viu.

-Oi princess.-Digo e ela se surpreende, ao ponto que, ao se virar para trás e a falar alto o meu nome deixa cair a toalha.

-Chat Noir?-Diz ela, nesse exato momento a toalha cai. Acho que o mundo parou mesmo para eu olhar aquela vista, por azar ela estava de calcinha e sutiã. Imagina se não tivesse...ADRIEN BERNARD AGRESTE NÃO PENSE NESSAS COISAS, estou enganando quem, claro que eu gostava de ver. Sabe no museu, quando dizem «Ver é com os olhos e não com as mãos» e há sempre aquela criança que mexe? No museu eu sou a criança e a Marinette a estátua. Sou um pervertido.-Ó meu deus.-Ela se deu conta que a toalha caiu e voltou a se tapar, a minha reação foi a mesma, fiquei com aquela cara de uma criança qundo entra em uma loja de doces.-Ainda bem que estava de sutiã.-Sussurra ela.

-Também poderia não estar.-Digo um pouco alto. A sua cara estava mais vermelha que um tomate cherry.-Desculpe Princesa estava brincando.-ESTAVA NÃO.

-V..Vai se vira.-Ela faz um gesto para eu me virar.

-Virar? Porquê?-Digo.

-Eu quero me vestir Chat.-Fala ela fazendo beicinho.

-E eu não posso ver? Eu sou um grande apreciador de arte.-Ela depois disso fica seria me olhando.

-Se você não se virar, vai virar uma bonita estátua no departamento de animais estintos do museu de ciência viva.-Nossa, fiquei arrepiado. Acho que ela daria uma ótima general das forças armadas. E este é lado Ladybug na Marinette.

-Pelo menos sou uma estátua bonita.-Me viro de vagar, só que por um pequeno espelho na sua secretária vejo ela se vestindo. CHAT VIRA A CARA ISSO É ERRADO mas ela não sabe VIRA A CARA.

-Pode virar.-Ela tinha vestido uma camisola de frio branca com letras verdes e umas calças super fofas também verdes, o tom de verde da roupa do exército.

-Nossa se você é uma general pode mandar em mim á vontade.-Disse quase babando, nossa como ela ficava linda.

-Uhh...-Pensou ela.-Você vai parar com as cantadas e vai dar uma curva.

-Com o maior respeito, vou ter que a desobedever-lhe.-Sou de mais.

-Aff chat, eu tenho deveres.

-Você não teve tempo para fazer os deveres?-A vejo se sentando na secretária pegando o caderno de matemática e o seu caderno.

-Dever de matemática? Odeio matemática.

-A matemática consegue ser fixe se nós entendermos a matéria.-Deveres? Pois é, eu não fiz os deveres e não entendi nada. Marinette me "helpa".

-Me pode ajudar? Eu sou um gato á esquerda de uma ratoeira.-Não Adrien. Essa não soou bem.

-Nossa...você é um cara simples. Bem, então é muito simples. Só tenho a pergunta sete da página 11 do caderno de atividades.

-Só?-Imagina, eu nem sabia o que era.

-Sim. 7 - Em cada caso, determina o valor exato de ×. No primeiro caso, temos um triângulo BÂC (Â= Ângulo em A), o lado BA, ou seja, o cateto maior mede 15 centímetros, o cateto mais pequeno é o AC com 8 centímetros e o lado BC é a hipotenusa que queremos determinar (×). A fórmula do teorema de Pitágoras para calcular a hipotenusa é simples, é (Hipotenusa ao quadrado) = (Cateto maior ao quadrado) (Cateto menor ao quadrado).

-Então acho que já apanhei. (Hipotenusa ao quadrado) = (15 ao quadrado) (8 ao quadrado)

-Isso mesmo.-Ela escreve o que eu disse.- Então a solução é: (Hipotenusa ao quadrado) = 225 64 e...

-Já acabou?-Preferia Marinette como minha professora de matemática.

-Não. Agora temos que passar o "ao quadrado" para o lado direito da equação.

-Passar? Como?-Gente, eu sou muito lerdo.

-Passa-se em forma de √ (Raíz Quadrada). Então fica Hipotenusa = √289 e a solução é exatamente Hipotenusa = 17cm.

Ela me explicou o outro caso do exercício, e ainda me ajudou a fazer outros exercícios, e fiquei a entender muito melhor.

-Você é muito esperta Marinette.-Depois do que eu disse a vejo corar fortemente. -Eu entendi. Você é uma ótima professora.-Digo galanteador. Fechei o seu caderno e coloquei o meu braço sobre a secretária e me aproximei de vagar do seu rosto, colocando a minha outra mão sobre a sua pele delicada, os nossos rostos se tocaram e os nossos lábios se comprimentaram, e ela me retribuiu depressa. O Panthére pode ter o poder da velocidade, mas é a nossa vida que está a andar depressa.

-Desculpe. Sei que deve ser difícil para você depois...

-O passado já ficou lá atrás.-Depois disso, ela me puxou para um beijo. Fiquei... estupefacto.

(Produtor:OPA PEGA LOGO)

(Realizador:APROVEITA)

(Camara-Men:Ele não reprova na matemática, ele reprova na V I D A)


Narradora...

1 Semana depois...

Tribunal Nacional Francês...

O caso da Jéssica foi transferido para a França, e depois de testes de ADN, confirmações de identidades, a história dos seus pais era verdadeira, ela era filha do Sr.Agreste, irmã do Adrien, ela era uma Agreste, de carne, alma e sangue. Obrigada, foi quase arrastada para dentro daquela sala.

-Declara-se por este meio, que Jéssica Sofia Garrido, de acordo com as provas adquiridas pela assistente social Marie de la Francese , CPCJ Nadie Naladaj e Agente da Polícia Judiciária de investigação historial Anton François, é filha legítima de Lee Ann Garrido e Gabriel Agreste, nascida a 3 de fevereiro de 2004 no hospital de Paris, tendo dupla nacionalidade, porque esta haveria passado a sua vida em Portugal, tendo como irmão gémeo Adrien Bernard Agreste. A guarda desta passará da falecida Lee Ann para Gabriel Agreste, tendo que frequentar agora a sua morada a adotando como sua.-Jéssica até agora estava calada, não podia comentar.-Com autorização do registo civil, Jéssica Garrido, para zelar a sua identidade comum, pediu ao tribunal nacional de justiça com sede em Paris, para manter o seu nome completo, a sua condição foi aceite em parte, tendo que obedecer ás regras do registo civil e do ministério público, e manter um nome de família do seu pai, que por consequência é "Agreste" a mesma deverá se mudar para a nova morada dia 11 de julho de 2018, hoje até ao dia 12 de julho de 2018, amanhã. Por consequência, Gabriel Agreste, está inocente do caso «Fuga Ao Fisco Francês», recebendo todo o dinheiro entregue por si ao estado. Jéssica foi para casa a pé mesmo, precisava de um tempo sozinha e ordenar as ideias. Pelo caminho, ouvia música com os seus Headphones. Enquanto ouvia Hozier-Take Me To Church, pensava em todos os momentos que tinha tido, eram falsos e apenas estavam lá para esconderem segredos.

Flash Back:

Jéssica brincava no jardim da casa da "avó", quando cai ao chão e raspa toda a perna, deixando uma grande ferida exposta. A sua "avó" corre até ela, a diz «Oh Hirra" (Filha em espanhol), e pega ao colo.

-Vovó está doendo muito.-Ela chorava muito, e apertava a avó em um abraço. Quando entraram em casa, a avó foi buscar o quit de primeiros socorros e o seu "pai" e deitou no sofá.

-Então filha? O que aconteceu?-Pergunta preocupado.

-Eu estava brincando no passeio e..e... Cai e fiz dói dói.

-O pai e a vovó vamos cuidar de ti.-Quando a mais velha lhe entregou o quit, Joan começou a tratar da perna de Jéssica, até ela perguntar.

-Papai e a mamãe?

-A mamãe está trabalhando, mas está pensando em você.

-Como sabe disso?

-Sei porque a mamã sou pensa em mim e você.-Diz ele mentindo. Ele conhecia a realidade.

Flash Back...

Jéssica saiu de seus pensamentos quando um homem que corria esbarra nela e ela cai, dando um pequeno grito involuntariamente, fazendo com que os seus Headphones saíssem dos ouvidos. Levou a sua mão á cabeça por ter ficado tonta. Se levantou devagar ainda sem olhar para o homem. Quando o olhar o reconheceu de algum lado.

-Me desculpe eu estava a treinar um pouco e acabei por esbarrar em você. Você está bem? Me desculpe mesmo.-Disse ele.

-Não há problema, eu também estava distraída.-Ele a olha por um tempo.

-Eu não te conheço de algum lado?-Ele passa a mão pela barba.

-Ahhh, pessoalmente... Eu acho que não.-Respondeu.-Acho que lhe conheço de algum lado também.

-Espere um pouco.-Ele mexe no celular.-Eu não acredito. Estou ao pé da Um-Brell∆. Meu deus, grande fã. Sou o Lion.

-Pois é... É o Lion, você foi o primeiro youtuber que assisti, foi você que me incentivou pelos seus vídeos a me tornar Youtuber. Pode me chamar de Jéssica também.

-Ta bom...Jéssica. É bom saber isso, adoro mesmo os seus vídeos, especialmente aquele videp com o CW, estava demais.

-Então? O que faz pela França?

-Eu? Vim viajar, o meu irmão mais velho me convidou a ficar na casa dele uns tempos com a Ana. Ela também veio.-Ana é a sua namorada.

-Que bom, então muito bem vindo.

-Obrigado. Estava pensando, em um dia destes fazermos um vídeo juntos, talvez também uma música.

-Eu escrevi uma música para apoiar a equipa nacional no Mundial, talvez a pudéssemos tocar juntos, talvez também com o CW.

-Sim, é uma ótima ideia.

-Uhh.-Ela olha o relógio.-Estou atrasada, mas te posso dar o meu número, e depois combinamos isso.

-Igualmente.-Ambos deram os seus números de celular, e depois de se despedirem seguiram cada um para o seu lado.

Jéssica...

Eu estava tão desanimada que pensei que nada me poderia animar hoje, mas imaginem, EU ESTAVA COMPLETAMENTE ERRADA SOBRE ISSO. Eu encontrei o meu ídolo português em Paris, eu falei com o meu ídolo português em Paris, eu troquei o Meu número com o meu ídolo português em Paris e eu já falei que ele é o meu ídolo português e está em Paris?

Depois da minha onda de adrenalina passar cheguei finalmente á minha nova ex casa, como já tinha as coisas arrumadas o "gorila" as punha no carro, e isso incluía minhas malas, minhas coisas da escola, meus instrumentos e minhas coisas de youtuber, ou seja T Π D♦.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...