1. Spirit Fanfics >
  2. Go back My Time (vkook - Taekook - kookv) >
  3. A dor e o medo

História Go back My Time (vkook - Taekook - kookv) - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Eaiii viado! KKKKKK

Nossa depois de um meses consegui terminar esse capítulo, e não é porque ele é longo, mas sim, porque fiquei presa em uma parte da narração e não conseguia continuar. — a criatividade tambem não estava ajudando. — eu pensei seriamente em apagar tudo e fazer de novo, mas essa é uma parte importante, uma passagem de tempo bem importante e que deixa uma certa curiosidade, então não podia desistir agora.

Tô tão feliz que consegui terminar e trazer esse capítulo pra vocês. Espero que não tenham desistido da fanfic, porque mesmo com alguns contratempos ela vai ser terminada e entregue em mãos para vocês. Obrigada por acompanharem Go back my time.

Boa leitura 💜💜💜

Capítulo 9 - A dor e o medo


Fanfic / Fanfiction Go back My Time (vkook - Taekook - kookv) - Capítulo 9 - A dor e o medo

Dor.

Aquela sensação terrível de queimação que todos tentam evitar. Os caninos afiados do príncipe perfuraram minha pele como se eu fosse apenas um pedaço de carne servindo na mesa do jantar. Eu não ocupo, ele não tem culpa de não nós amarmos para que está marca seja bem recebida pelo meu organismo.

Uma lágrima escorreu do meu olho, enquanto eu os fechava fortemente por puro reflexo e por dor.

Sabe, antigamente eu acreditava que seria eu a marcar um ômega, séria eu colocar meus filhotes em teu doce ventre, que seria eu o alfa desta relação, mas olha para mim, sou ômega com deveres opressores e que estou a viver a merece de uma marca, pois sou de uma espécie rara. Que droga de raridade inútil, que só serve para aumentar o ego inflado de um alfa. Não me importo em ser de uma espécie rara, porque primeiramente eu nunca quis ser um ômega e ser um sangue puro apenas está dificultando minha vida cada vez mais.

Só quê...

Hoje de certa forma eu aceitei mais que sou um ômega, eu aceitei a marca de submissão do príncipe, não era o que eu desejava, só que isto nunca foi sobre mim de qualquer forma.

Agora com esta marca série forçado a me submeter ao Jeon e ter consciência disto está ferido meu orgulho como ex alfa.

Eu apertei fortemente o tecido fino da blusa que o príncipe trajava descontando uma parcela da dor que eu estava a sentir. Minha boca estava fechada fortemente para que nenhum som vindo de meus lábios pudesse ser escutado.

Para quem visse de longe foram apenas vinte ou até mesmo dez segundos, mas para mim receber aquela marca foi tão lento e doloroso, que o tempo parou apenas para observar e marcar aquela sensação em minha alma, em meu ser... Em mim.

As presas do Jeongguk abandonaram a curvatura do meu pescoço, um alívio imenso percorreu todo meu corpo e toda tensão se esvaiu, pude soltar a respiração que não notei estar prendendo.

Eu me encontrava deitado sobre a cama, enquanto o Jeongguk se encontrava por cima de mim, com seus quadris acomodados no meio de minhas pernas. Eu acreditei que ele abandonaria aquela posição naquele momento, entretanto eu não poderia estar mais engando. O alfa deitou seu corpo sobre o meu — dificultando um pouco minha respiração — e escondeu seu rosto sobre a curvatura do meu pescoço, soube disto assim que sua respiração gélida se chocou contra minha pele.

O seu aroma estava diferente. Ele cheirava como Carvalho e mel, estranhei, pois até onde sei ninguém pode mudar tão drasticamente seu aroma desta forma, apenas pode haver algumas alterações dependendo do seu humor, mas sempre mantendo sua essência original. Estava confuso, mas necessitava que o príncipe saísse de cima de mim, está posição não é algo confortável.

— Jeongguk... Sai de cima de mim, por favor. — pedi calmamente. Fiquei a espera de uma resposta e nada. Assim que eu estava pronto para dizer algo novamente senti sua língua macia passar sobre o meu pescoço, mas especificamente sobre a marca. Um arrepio percorreu cada fibra do meu corpo e o espanto me atingir, meu coração martelava dolorosamente. E com aquele simples ato pude entender o que estava acontecendo. — se você não se afastar de mim, eu farei engolir está tua língua.

— você é tão lindo... Finalmente você é meu... Um ômega tão especial, tão bonito, tão perfeito e eu perdendo meu tempo com alfas, mas agora eu tenho você e é só isso que eu preciso, não é? — meus pulsos foram segurados fortemente pelo o príncipe, que lentamente levou seu olhar até a mim. Ele me encarava com aquele belo sorriso com teus dentes avantajado a mostra, aquele mesmo sorriso que antes julguei ser tão belo está a me amedrontar e me fazer temer. Não pude deixar de notar a pupila dilatada de teus olhos que me encaravam profundamente. Aquele não é príncipe.

É um desprazer conhecê-lo... Lobo.

— Jeongguk, saia de cima de mim! Agora! Eu exijo! Não quero usar força contra você. — meu coração batia rapidamente sentia como se a qualquer momento ele pudesse fugir de meu peito e correr para bem longe, pois assim como eu ele sabe que não estamos lidando com algo bom.

— ei, Taeh, você pode carregar meus filhotes por mim, não é? Você me faria feliz? Construiria uma família comigo? Hum? Eu sei que você pode. Você é tão perfeito, cada traço do seu corpo parecem ter sido esculpidos por Deus. você clama por mim, seu aroma está a pedir para eu lhe fazer meu. — minha boca estava fechada fortemente, enquanto meus lábios tremiam. Eu estava com medo, ver um lobo tão de perto é realmente assustador. — você vai deixar não é? Vai permitir eu lhe fazer meu e colocar meus filhotes em teu ventre?

— traga o príncipe de volta! Eu não quero você aqui! Saia de perto de mim! — gritei as palavras rentes a sua face, enquanto tentava me soltar de seu aperto em meus braços e fugir para longe, porém eu confiei no príncipe e me coloquei em uma posição que me desfavoreceu. Seus quadris estão colados em minha intimidade, não consigo empurra-lo com os pés, não consigo soltar meus pulsos de seu aperto, eu não consigo, eu não consigo!

Estar desta forma tão impotente, tão vulnerável, está ferindo tanto minha alma, está machucando tanto meu ser. Me sinto inútil para me alto defender, a que ponto cheguei?... Sinto que uma parte de mim se foi e isto está me matando. O Lobo do Jeon irá fazer o que quiser comigo e eu ao menos consigo socar o rosto dele e correr para longe, eu não consigo trazer o Jeongguk de volta.

Eu sou um inútil com os olhos nublados por autoconfiança, que somem toda vez que uma lágrima caí.

— você não me quer?... Mas ela disse que você seria minha felicidade, Taehyung... Você... Tem que ser tudo que eu espero não quero uma decepção... — o seu olhar tristonho que antes me lançará se transformou em um intenso olhar de fúria. — não grite comigo! Você não está em posição de gritar comigo! Você é meu! Meu! Eu posso fazer o que eu quiser, amor.

O medo e o temor pela minha vida tomaram conta do meu corpo, me sentia estremecer conforme a mão do príncipe passeava pelo meu torso desnudo. Eu estava apavorado, não esperava me encontrar em tal situação algum dia.

O lobo aproximou seu rosto de meu pescoço e deixou alguns selares sobre minha curvatura. Uma de suas mãos segurava meus braços fortemente sobre a cama. Minha respiração estava pensada, assim como as lágrimas que rolavam sobre minha face. Elas eram quentes e dolorosas, a demostração escupida de meu sofrimento.

Monstro... — deixei a palavra escapar de meus lábios em um baixo murmúrio.

O lobo se afastou de mim de forma bruta, meu rosto forá tomado por sua mão me forçando a encara-lo. Ele aparentava estar irritado, suas presas salientes estavam a mostra, um rosnado vindo do alfa era audível. Respirei aliviando quando sua mão abandonou meu corpo e se fechou em um punho que foi desferido contra o colchão macio ao lado do meu rosto.

Ele murmurava coisas desconexas. Sua presença forte e teu aroma tão amargo dominavam aquele enorme cômodo, creio eu que ao longe seria possível senti-lo.

— eu não sou um monstro! — um alto rosnado escapou de seus lábios. Me apavorei e me senti minúsculo sob tamanha fúria do alfa.

Suas duas mãos se encontrava em seus fios de cabelo e bruscamente ele se afastou de mim. Ele aparentava estar totalmente em choque, não sei bem o que estava acontecer com o príncipe, mas eu sabia bem qual seria o meu próximo passo agora;

Correr, o mais rápido que eu puder. Para longe, para algum lugar seguro deste castelo.

Peguei a camiseta do meu pijama e assim como o vento corri para longe daquele local. Meus pés descalços tocavam no mármore frio, fazendo leves calafrios percorrem sobre meu corpo, mas naquele momento eu não me importava. Tudo que eu queria era ficar longe daquele local.

Parei de correr apenas quando meus pés pousavam sobre a grama úmida. Eu estava no jardim, pois sabia que o aroma das flores disfarçariam o meu, ficaria difícil para qualquer alfa me encontrar. Aproveitei o momento de calmaria e coloquei minha camiseta.

Minha respiração pesada e descompassada tornavam meu cansaço aparente para quem me visse. Meu peito subia e descia rapidamente, eu estava cansado. Me sentei sobre a grama e repousei minhas costas sobre a parede branca do castelo.

Levei meu olhar para o céu estrelado, que se encontrava incrivelmente iluminando e com suas estrelas tão nítidas. A luz do luar iluminava o belo jardim que realçava a beleza daquelas belas flores. Uma noite dão bela, tão agradável, porém os acontecimentos anteriores mancharam seu encanto em minha memória para sempre. Uma noite tão bela... Pena que meus olhos não dão importância para sua beleza está noite.

Uma lágrima solitária escorreu pelo meu rosto manchando minha pele. Eu fui fraco, não consegui me defender. É assim que vai ser daqui para frente? É isso que o futuro me reserva? Medo, fraqueza, amargura, temor... É isso que vai fazer parte de mim? Não... Eu me recuso.

— o que você quer de mim!? — gritei com todas as forças e o máximo que minha voz poderia alcançar. Vi pássaros voarem assustado. — por que me colocou aqui?... Eu quero minha de volta... Você roubou a minha escolha de viver ou morrer. — cada palavra saia dolorosamente de meus lábios e cada vez mais lágrima rolavam pela minha face. Fechei meu punho fortemente. Eu costumo sofrer em silêncio, mas cada vez mais um bolo se forma em minha garganta; me machucando e me consumindo lentamente.

— porque eu preciso da sua ajuda... — uma voz feminina tão conhecida por mim surgiu ao meu lado, me limitei a olha-la, mas o pouco que eu vi pude jurar que seus olhos estavam a brilhar.

— para quê? Por que?

— preciso achar uma pessoa e desejo a morte de outra. E neste momento apenas você pode me ajudar... Eu salvei sua vida de um eterno sofrimento, seja mais grato. Você morria de qualquer forma. — disserá ela em um tom mais ríspido e rude.

— você me ferrou então... Faça algo por mim, já que não irá trazer minha vida de antes de volta. — levei meu olhar para a mulher, os seus olhos possuía um tom roxo brilhante, era possível ver as estrelas refletidas em seu olhar. Seu silêncio e tua espera por uma resposta fizeram-me retomar a falar. — me torne infértil. — as palavras do lobo do príncipe martelavam em minha mente e me tornavam cada vez mais medroso e receoso sobre meu futuro.

Me recuso a carregar seus filhotes, me recuso a me deitar com você... Você me dá medo.

— que pedido inusitado... — um mínimo sorriso surgiu em seus lábios. — posso arranjar algo, saiba que o arrependimento virá, pode não ser hoje, pode não ser amanhã, mas um dia você vai se arrepender.

— não me importo com o futuro neste exato momento, o que me importa é o agora e o desejo de não engravidar daquele alfa e  não o deixar me tocar novamente.

— ele não teve culpa, teve? — sua voz carregava certeza e entendimento sobre a situação que eu passei. Estranhei, mas logo me irritei, pois se ela viu o que aconteceu poderia muito bem ter me ajudado ou feito algo, mas não, ela apenas observou em silêncio.

— como você sabe? Do que você sabe? — a olhei com certa desconfiança.

— o mesmo que você. — um sorriso surgiu em seus lábios, aumentando ainda mais minha desconfiança sobre si.

— sinto que está a mentir.

— será? Mas, agora o assunto do momento é você. Vai querer se tornar infértil? Um ômega que não pode engravidar se torna inútil neste tempo, ainda mais um ômega de sangue puro. O que acha que vão fazer com você quando descobrir? Hum? — havia graça em seu tom de voz, não entendo o que a de engraçado nisto.

— eu não me importo! — minha voz saiu de meus lábios em um tom elevado, estou irritado por ela questionar minha decisão, que apenas convém a mim. — apenas faça isso, você me deve.

— está bem, irei arranjar o que procura com a Deusa da fertilidade. Amanhã lhe entregarei e você terá o deseja. — ela olhou para o céu com um belo sorriso em seus lábios. — uma bela noite... Aos meus olhos.

E em questão de segundos ela desapareceu, sem deixar rastro ou vestígios que possam provar que Hyuna esteve aqui. E novamente me encontrava sozinho e com apenas minhas inseguranças ao meu lado.

Mãe, será que a senhora realizou seus sonhos? Ou morreu tentando, assim como eu... Pois meu sonho, foi enterrando juntamente ao alfa que eu costumava ser.

O vento beijava minha pele e me ninava em seus braços. Me deitei sobre a grama e deixei o sono me consumir, desejando acordar em meu simples quarto e em minha simples cama. Por que a vida tem que ser tão complicada?

A dor não é somente física, pois estou a me machucar cada vez mais internamente.

Mamãe... Se tivesse me levado com você nada disso teria acontecido, mas mesmo assim eu te amo...

Eu vou sobreviver...













Notas Finais


Talvez... Saia um capítulo hoje ou de madrugada... Mas é só um Talvez.

Até o próximo 💜💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...