1. Spirit Fanfics >
  2. Goddess of Prophecy >
  3. A letter from the past

História Goddess of Prophecy - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


HHHHAAAAAAAAAAAYYYYYY

Capítulo 14 - A letter from the past


Érika sentia que tinha tomado a decisão certa em escolher o trabalho na enfermaria. Era algo que ocupava seu dia, sem o deixar tedioso, e muito vezes, sem deixar que ele fosse muito cansativo. Atualmente, com a data dos exames mensais se aproximando, Érika acabava tendo seu dia bastante ocupado, mesmo que estivesse fora do seu horário na enfermaria, por conta do tempo que ela precisava passar estudando, já que ela auxiliaria não apenas em recolher as amostras para os exames, mas também em analisa-los:

- Ewelein, eu estou... – a meia humana olhou em volta ao entrar na enfermaria, e estanhou não ver a enfermeira – Ewelein?

Fazia alguns dias que a enfermeira andava estranha... Érika sabia que alguma coisa estava errada, porém, apesar de Érika estrar trabalhando na enfermaria, a amizade delas ainda era muito recente e Érika já tinha percebido que Ewelein era uma pessoa mais fechada, ela costumava não falar muito sobre si mesma com ninguém, porém encontrar a mesma chorando em uma das salas da enfermaria demonstrava que ela precisava conversar:

- Ewelein? Tá tudo bem? Quer conversar? – a elfa negou e esfregou seus olhos com as mãos. Érika entrou na sala e fechou a porta – Vou mudar a pergunta. Você precisa conversar? – a enfermeira ficou em silêncio e Érika sabia que a resposta era sim. A meia humana se sentou em cima da maca da sala – Quando se sentir confortável para falar... E me desculpe pelo atraso, eu dormi tarde.

- Não se preocupe com isso. – ela disse chorosa e respirou fundo, se preparando para falar – Eu nunca falei sobre isso com ninguém... Não sei por onde começar. – ela disse.

- Que tal... Pelo início? – a enfermeira soltou uma risada abafada.

- O início é longe... Nem sua avó tinha aparecido aqui ainda... – ela respirou fundo mais uma vez antes de realmente começar a falar – Quando eu cheguei no QG, o Ezarel era um membro da guarda. Ele estava sendo treinado para ocupar o lugar do líder e depois de um ano eu comecei a ser treinada para substituir o enfermeiro chefe. Nós fomos substituídos no mesmo dia, e Miiko sempre preparou uma festa de despedida e de passagem de cargo dos líderes da Guarda, e nessa festa acabou que ela decidiu adicionar uma despedida do enfermeiro chefe, já que ele estava se aposentando e indo morar com os filhos e netos que vivam longe.

- Essa história me parece ser meio... Sei lá, não motivo de tristeza... – Érika falou a olhando confusa.

- Ah, é que... Nessa festa... Eu e o Ezarel acabamos... Nos envolvendo. Ambos crescemos com a ideia de que precisamos um dia casarmos com um elfo, para manter nossa linhagem pura. O Reino dos Elfos sempre foi bastante preconceituoso com isso... Então... Parecia certo e justamente por isso eu achei que... Que nós dois seríamos sérios. Eu não tenho certeza se eu... Se foi ele quem... – ela respirou fundo.

- Iludiu?

- É! Quero dizer, Ezarel nunca disse com todas as palavras que... Me amava, ou que queria ter algo comigo, mas foi uma coisa que durou tanto tempo, e ele nunca, nesse tempo todo, se envolveu com ninguém além de mim, e eu também não me envolvi com ninguém além dele, então parecia que estávamos no mesmo ritmo... Quando íamos juntos em missões, Miiko sempre nos colocava no mesmo quarto ou barraca, e ele nunca reclamou, então eu achei que... Estávamos namorando sem nunca ter feito um pedido... Não sei se isso faz sentindo pra você.

- Ah, mais ou menos, mas continue.

- Ele vai fazer trinta anos e eu já tenho vinte e nove... Achei que estava na hora, depois de mais de cinco anos... Achei que tinha chegado o momento de... Sabe... Casar e ter uma família, mas quando conversei com ele sobre isso descobri que apenas eu tinha esse pensamento.

- Ah, Ewelein... Eu realmente sinto muito.

- Você acha que a culpa foi minha? Por não ser... Sei lá, suficiente?

- Não ouse falar isso de novo! Ewelein... Isso de ser ou não o suficiente para uma pessoa não existe, o que existe é vocês serem diferentes demais para darem certo. Acho que o que faltou entre vocês dois foi conversa. Ao mesmo tempo que ele deveria ter dito que não queria nada sério, você deveria ter perguntado para ele como ele se sentia em relação a tudo ao invés de supor que aquilo que vocês dois tinham era tudo o que você desejava.

- O que acha que eu deveria fazer?

- Ficar chorando na enfermaria com toda certeza não é algo que você deveria fazer. – as duas riram levemente – Tente se distrair e se acalmar, e quando se sentir bem de novo, tente falar com ele mais uma vez. Ezarel costuma ser muito cabeça dura, mas ele também tem sentimentos... Por mais incrível que as vezes isso pareça. – elas riram novamente.

- Obrigada...

[...]

Alajéa sabia que algo havia mudado nos últimos dias. Karenn estava afastada dela, parecia apenas ter tempo para Chrome, ao mesmo tempo que tinha capacidade de fornecer tempo para Érika e para seu irmão, mas para sua melhor amiga de vários anos? Nada! Alajéa não era mais uma criança fazia um bom tempo, e sabia que sua amiga estava assim por conta da discussão delas de dias atrás, quando a vampira a disse com todas as palavras, que preferia que a meia humana ficasse com o vampiro galanteador do que com ela.

[Flash Back On]

- Sejamos realistas, Al. Meu irmão é muito velho para você, e ele não tem atração por ti. Ele e Érika são perfeitos um para o outro.

- Está me dizendo que Érika é melhor que eu, e por isso é ela quem deve ficar com Nevra? – a vampira revirou os olhos.

- Estou dizendo que Érika e Nevra estão vivendo... A mesma fase da vida. Enquanto você e eu estamos na idade de encontrar namorado, eles estão na hora de encontrar casamento, e que Érika combina mais com o meu irmão. Eles são... Praticamente feitos um para o outro.

- Sabe que não pode afirmar nada disso com certeza antes de ter aprovação dos seus pais, não sabe? E se me lembro bem... Sua mãe gosta muito de mim!

- Minha mãe gosta e aprova você como minha amiga, não como namorada e futura esposa do meu irmão. Entenda uma coisa: o fato de você ser minha melhor amiga, não me obriga a achar que você e meu irmão fariam um bom casal, só porque você tá apaixonadinha por ele!

[Flash Back Off]

A vampira sempre foi bastante amarga nas suas palavras, e a sereia já tinha se acostumado com isso. Entendia que esse era o jeito dela: levemente grosseira, porém sempre muito sincera, mas se havia algo que Alajéa não aceitava, era que ela perderia Nevra para a meia humana sem tentar algo com ele antes.

Espionagem nunca tinha sido o seu forte, mas nem era necessário algum tipo de tática da espionagem e dedução para saber que algo havia mudado entre os dois. A sereia perdeu a conta de quantas vezes viu o vampiro suspirando durante o dia, e em como ele parecia arranjar motivos para visitar Érika na enfermaria durante o dia, e em como eles pareciam sempre juntos durante as refeições, e não apenas isso... Ela pode jurar que viu a meia humana entrando no quarto do vampiro, sem estar acompanhada por ele várias vezes:

- Aconteceu alguma coisa? – a sereia perguntou para Érika quando a mesma saiu do quarto, segurando o que parecia ser uma adaga em um estojo. A meia humana virou dando um pulo de susto, e respirou fundo ao notar que era a sereia.

- Ah, Alajéa... Que susto! – ela respirou fundo mais uma vez – Não, tá tudo bem.

- Sei... E porque você está entrando no quarto do Nevra?

- Porque Nevra me pediu para pegar a adaga dele. Inclusive, o que você está fazendo aqui? Tem treino conjunto hoje. – a sereia arregalou os olhos – Todas as guardas juntas, esqueceu?

- Ah, eu... Só vim... Hã... – Alajéa engoliu em seco – Vim tomar minha poção... Para as minhas pernas não sumirem.

- Oh, mas você não deveria tomar ela apenas a noite? O efeito dura mais...

- Onde você ouviu falar disso?

- Eu estou trabalhando na enfermaria, lembra?

- Sim, sim... Claro. – a meia humana levantou uma das sobrancelhas, desconfiada.

Aparentemente, não era apenas com Nevra e Érika que as coisas andavam diferentes. A sereia não pode deixar de perceber como o líder de sua guarda e a enfermeira chefe estavam estranhos. Quando o vampiro e a meia humana começaram a mudar, a dupla de elfos estava como sempre esteve, porém, pouco tempo depois ambos pareciam brigados, e de decorrer de uma semana, os dois pareciam... Próximos novamente...

Curioso...

[...]

“Anos antes do surgimento de Eldarya, os seres místicos habitavam o mundo humano e viviam escondidos e isolados do resto de todos. Eram comandados pelas três grandes e mais poderosas raças: os Aengels/Deamons, os Dragões e os Fenghuangs, que usavam seus poderes, sua força e estrema sabedoria para guiar, comandar e proteger todos os atuais habitantes de Eldarya.

Porém as leis eram severas entre eles: nenhum fruto poderia nascer em uma mistura das três raças, pois a criatura que nascesse disso, seria poderosa demais para seu próprio bem. Portanto, Aengels, Dragões e Fenghuangs se mantinham exclusivamente puros, mas, um dia, um jovem Aengel se apaixonou por uma bela Dragão e contra a autorização de seus pais viveram um romance e...”

- Ah, sinto muito Kero, o resto me parece incompreensível... – Érika disse olhando para o pergaminho antigo.

- Hm... Estamos surpresos que conseguiu entender tanto... – Miiko disse a olhando. Érika olhou em volta da biblioteca. Estavam Kero, Ykhar, Miiko, Leiftan e os três líderes, para lerem um pergaminho encontrado em uma missão de exploração.

- Está em letra cursiva, vocês usam a de forma apenas... – ela disse olhando para os papéis – Mas a tinta me parece... Apagada demais para poder entender. Eu consigo identificar umas palavras soltas aqui, mas nem com uma luz forte em cima daria para ver a maioria. Tem palavras demais que estão apagadas pra poder tentar supor o que são. Os papéis me parecem muito detonados pelo tempo.

- O que é curioso. Uma magia sempre foi usada, mesmo nos nossos pergaminhos mais antigos, para eles ficarem intactos. Nem fogo destrói eles. – Leiftan disse.

- Mas isso apenas em arquivos originais. Esse provavelmente é uma cópia, a magia nunca funciona direito quando é assim, e esse me parece um arquivo de muita importância, isso significa que alguém está com o original. – Kero acrescentou.

- Não é mistério para ninguém que as três raças se mantinham puras, com medo do que poderia acontecer, mas o final da parte que dá para ler, dá a entender que talvez algo aconteceu... Quero dizer “viveram um romance”, e se eles tivessem tido um filho? – Ykhar perguntou para todos.

- Eu conheço uma história de uma brownie que teve um bebê com um Dragão. A criança foi morta. – disse Kero.

- Como a lei de segurança exigia que as três raças se mantivessem exclusivamente puras, sempre que uma criança nascia, ela era obrigatoriamente analisada por um representante de cada uma das três raças. O bebê que não passasse por isso e fosse descoberto, ou que fosse identificado como herdeiro misto de uma das raças superiores, era morto. – Leiftan falou.

- Ainda é estranho... O que uma cópia de um pergaminho importante estava fazendo numa ilha deserta? E principalmente, onde está o verdadeiro? – Nevra perguntou.

- E se alguém tivesse roubado e substituído? – Érika falou ainda olhando para o pergaminho – Quero dizer, e se esse pergaminho tivesse uma informação de suma importância, e a pessoa que o queria, não queria que ninguém soubesse que ele tinha sido roubado? Vocês falaram que encontraram isso numa caixa, e que essa caixa tinha repartições para cada objeto, cortado exatamente do tamanho necessário e cada buraco estava preenchido. Se o do pergaminho não estivesse, quem encontraria a caixa depois teria certeza que ela tinha sido roubada.

- Então colocou uma cópia do pergaminho no lugar para poder levar o original, cujas palavras nunca sumiriam, e o papel se manteria intacto. – Nevra complementou – Mas ainda não sabemos o que tem nesse pergaminho que pode ser tão importante assim...

- De acordo com a parte que entendemos, existe a possibilidade de que um Aengel e uma Dragão se apaixonaram... Se eles tiveram um bebê e se por algum motivo eles conseguiram esconder essa criança, sim, esse pergaminho é muito importante. – Miiko falou pensativa.

- Mas por que seria importante? Quero dizer, fazem... Uns quinhentos anos que Eldarya surgiu e isso me parece ter sido bem antes do surgimento de Eldarya. Se essa criança nasceu e viveu, considerando que as duas raças que a originaram estão extintas, o sangue está... Tão diluído no decorrer das gerações que ela não representaria perigo algum mais... – Ykhar disse.

- Eu não sei... – a kitsune respirou fundo – Não adianta ficarmos aqui criando teorias... Foi de grande ajuda Érika, obrigada, mas acredito que deve ir descansar, tem muito trabalho para fazer amanhã. – Érika assentiu – Bom, Ykhar e Kero, guardem isso em um lugar seguro. Não quero que ninguém encontre isso. Ezarel, amanhã comece pesquisando e preparando poções para recuperação de documentos, talvez a gente consiga alguma coisa.

- Sabe que esse tipo de poção demora semanas para ser feito, não sabe? E que para eu fazer eu preciso de uma autorização dos reis Elfos, já que eles comandam a alquimia? – o elfo falou olhando para sua chefe.

- Ah, droga... Ok... Então, amanhã de manhã eu vou enviar uma carta para eles, vamos torcer para que respondam dando a autorização, se bem que não duvido que eles exijam que alguém vá para lá para que eles possam assinar a mesma ou que eles queiram vir aqui... – ela respirou fundo – Bem, estão liberados. Tenham todos uma boa noite.

Érika entregou o pergaminho antigo para Kero enquanto todos saiam da biblioteca. Conversou brevemente com Ykhar que falou sobre chegar mais tarde no dia seguinte para os exames, e foi em direção a porta, encontrando Nevra, que estava a esperando. O vampiro passou um braço pelo ombro dela e a acompanhou até o quarto dela:

- Eu te vejo amanhã na enfermaria, é minha vez de fazer os exames. – ele disse enquanto ela destrancava a porta do quarto.

- Sério? Ah, eu não sei muito quem vem. Nem sabia que Ykhar vinha, só a Ewelein tem anotado o dia de cada um. – ela respirou fundo – Estou aliviada que ela está melhor, independentemente do que tenha acontecido, ela e Ezarel parecem ter se resolvido. – ela abriu a porta.

- Eu também não sei o que eles tenham decidido entre eles, mas Ezarel me parece bem também, e Miiko não está mais irritada com eles.

- Sim, eu soube que ela ficou furiosa. Ela não gosta quando as pessoas... Misturam trabalho e namoro.

- Ah, ela apenas se preocupa com o rendimento de todos. – ela riu levemente – É, não sei como estava o Ezarel, mas a Ewelein estava bastante abalada.

- Estava do jeito dele. Fingindo que não tinha nada o incomodando, porém, fingindo muito mal. – ambos riram.

- Bem... Está tarde e ambos temos dia cheio amanhã. Boa noite. – ela disse sorrindo.

- Boa noite...


Notas Finais


Eu achei que esse capítulo ficou mais "cansativo" do que os outros, mas acho que é pq acabei colocando muita coisa num capítulo só huahauhauha

COMENTEM POR FAVOR! AAAAAAAAHHHHHH

BJS


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...