1. Spirit Fanfics >
  2. Golden Eyes (remake) >
  3. ... W h a t ?

História Golden Eyes (remake) - Capítulo 3


Escrita por: Red_Poison15

Capítulo 3 - ... W h a t ?


LAST QUEST

☑ ϙᴜᴀsᴇ sᴇʀ ᴍᴏʀᴛᴏ ᴘᴏʀ ᴜᴍ ʀᴇᴅᴇᴍᴏɪɴʜᴏ
☑ᴅᴏʀᴍɪʀ ᴇᴍ ᴜᴍ ʙᴀʀʀɪʟ
☑ᴇɴᴄᴏɴᴛʀᴀʀ ɴᴏ ᴍɪ́ɴɪᴍᴏ 1 ᴀᴍɪɢᴏ
☑ᴅᴇsᴀғɪᴀ ᴏ ᴘʀɪᴍᴇɪʀᴏ ʙᴏss
☑ᴏʙᴛᴇʀ ᴜᴍ ʙᴏᴛᴇ ᴘᴀʀᴀ sᴀɪʀ ᴅᴀ ɪʟʜᴀ
☑...ʜᴜʜ.

 

GOLDEN EYES

REBOOT

 

CHAPTER 2

... What?

 

 

 

 

 

Justiça...

 

Mas que palavra forte, hein?

 

Justiça...

 

 

Pode ser interpretada de varias formas, depende do seu ponto de vista.

 

 

Agora... injustiça. Ah sim. Todo mundo conhece injustiça. Algo ruim, algo perverso.

 

 

 

Vem aí... Falsa Justiça.

 

 

 

 

 

 

 

- Quê?

- Isso mesmo!

- Eu ainda não copiei.

- Você sabe bastante sobre a Grand Line. Você quer viajar o mundo, não é? - Luffy pergunta, vendo o outro voltar a se deitar da mesma forma de antes.- Sim e aí?

- Aí, eu posso te levar para ver o mundo! Estou em busca de One Piece e preciso de você para encontrá-lo. - O encapuzado olha o moreno em silencio, pensando nas suas escolhas. Hmmm. Vamos ver. Ele não tinha passado nem um dia junto com o outro e já suspeitava que seria uma longa viajem lutando com a sua própria paciência. Se bem que... Ele provavelmente achará outros companheiros que terão que aguentá-lo também. - Pode não parecer, mas quando acharmos os outros, nós vamos viajar o mundo inteiro! - Por baixo do capuz, seus olhos se arregalam. - O que você disse? - Ele se levanta subitamente. - Eu disse, que quando acharmos os outros, nós vamos viajar o mundo juntos!

O estranho fica em silêncio por um tempo. Luffy o olhava pacientemente esperando pela sua resposta. Ah, droga. O rosto dele estava tão esperançoso e seus olhos estavam tão grandes que parecia com uma criança. Sabendo que não tinha como negar com uma cara como aquela, o encapuzado suspira e se vira para o lado com a cara emburrada. - Tá... Tanto faz.

- Beleza! - Luffy gritou alegre. Ele já tivera o seu primeiro companheiro da tripulação, que sorte ele tinha! Um companheiro logo no começo da jornada. - Agora só falta acharmos o próximo! Shishishi! - Coby, que assistia tudo se sentindo fora de lugar da conversa, fica confuso. - O que... Quer dizer... O Roronoa Zoro? - Para o seu azar, o moreno assentiu com um sorriso enorme. - Se ele for legal, vou convidá-lo a vir comigo! - Ai, não...

- O QUÊÊÊ!? VOCÊ ESTÁ SONHANDO!!! VOCÊ NÃO VAI CONSEGUIR! ELE É UM MONSTRO!

- Não podemos ter certeza disso ainda.

- NÃO VAI FUNCIONAR!!

Enquanto os dois discutiam, o encapuzado se perguntava como ele pode ser tão fraco contra aquela carinha do moreno. E o pequeno barco segue a caminho á Base da Marinha. - Ah é! Agora você faz parte da minha tripulação, mas ainda não sei o seu nome. - O encapuzado se vira para se deparar com dois rostos ansiosos o olhando com atenção. - É Natsu. - Ele respondeu, mas algo o chamou a atenção. - ... Monstro, é? - Coby ajeita os seus óculos. - Isso. Natsu-san... Roronoa Zoro, também conhecido como o "caçador de piratas", ele é devastador. - Agora o nomeado Natsu, solta uma de suas risadas baixas. - Que tamanha ironia.

O rosado assentiu levemente, um pouco distraído com a risada do outro. Não era grave, mas era profunda e ao mesmo tempo leve. Não era melodiosa, mas tinha um som bonito. Era... Caloroso. Saindo do seu transe, Coby balança a cabeça e volta a explicar: - D-dizem que é um animal sedento por sangue... Vagando pelos mares caçando fugitivos. - Se vira para Luffy. - É um monstro na forma humana!

- Sério?

- Então esqueça aquela ideia maluca de convidá-lo... - Coby acredita que isso iria mudar a cabeça do chapéu de palha, tadinho. - Eu não decidi se vou recrutá-lo ainda! - Luffy se vira para os outros dois. - Mas se ele for gente boa...

- ELE FOI PRESO PORQUE É MAU!!

- Não tenha tanta certeza disso.

- Hã? - Mais uma vez, os dois param para prestar atenção ao encapuzado. - Coby, sabe mais alguns outros humores sobre esse tal Roronoa? - O rosado tentando relembrar de mais algumas coisas, nega com a cabeça. - Hm... O papo dele caçar piratas, ele deve trabalhar mercenariamente para a marinha de alguma forma. Com as recompensas e tal. Mas isso não justifica as suas intenções. Talvez ele trabalhe isso para se sustentar. Inclusive, mas isso não significaria que ele seria diferente desses piratas. Tirando vida de piratas que provavelmente devem ter tirados milhares e milhares de outras vidas. - Agora parando para pensar... Coby não tinha percebido isso. Ele olha novamente para Natsu. Os seus pensamentos eram tão estranhos. O que ele disse poderia ser verdade, mas também não poderia. Tinha tantas possibilidades e outras alternativas.

Luffy observava o encapuzado com os seus olhos cor de ônix. Natsu era um sujeito estranho. Ele tivera falado aquilo como se já tivesse passado por algo parecido. Por acaso... - Você foi preso também? - O encapuzado nega com a cabeça. - Não. Mas houve muitos casos de pessoas jugando outras por apenas as suas escolhas. É sempre bom ter todas as provas e respostas antes de condenar. - De repente, ele solta um bocejo. - ... Essa conversa já está me dando sono. Me acordem quando chegarmos lá. - Ele diz como a sua palavra final, logo se virando para o lado novamente e sem demorar muito tempo, dormir.

Luffy e Coby assistem o encapuzado com gotas na cabeças. Quem iria dormir logo depois de dizer uma coisas dessas? Dando de ombros, os dois voltam a fazer o que estavam fazendo. que era praticamente nada por parte de Luffy e navegar por parte do outro.

 

 

 

 

 

 

- Finalmente!! Chegamos à Base da Marinha!! - Natsu sai do bote depois de ajeitar a sua bolsa no lugar. - É finalmente. - Ele diz, olhando envolta da cidade-base. - Muito bem, Coby! - Ao escutar o seu nome, o rosado, que ainda amarrava a corda no poste para que não vá-se embora, olha para Luffy confuso. - Hã?

- Nós alcançamos nosso destino!! - Coby franze as sobrancelhas. - mas é claro! Isso é o básico da navegação! Se você sempre ficar a deriva do mar, nunca vai se tornar um pirata... - Ele informa. - Você deveria ao menos procurar um navegador pra entrar no bando.

- Beleza!! Vamos comer!! - E lá se foi o futuro rei do piratas, ignorando completamente as dicas do rosado e indo em direção ao restaurante mais próximo. Natsu e Coby ficam parados, vendo o outro andar em todas as direções. O maior suspira, já e arrependendo levemente da sua escolha e afaga os fios rosados do menor. - Bom trabalho. - Ele diz, antes de seguir o seu capitão. Coby o segue, colocando a mão em cima da sua cabeça se sentindo... Orgulhoso.

- É aqui que nossos caminhos se separam! - Luffy diz, batendo na sua barriga cheia de comida. O trio se encontrava no restaurante que tinha o nome mais literal que se podia dar em um lugar desses. - Faça o seu melhor pra ser um grande marinheiro viu? - Os olhos de Natsu vão em direção ao menor, quem chorava por conta da partida dos outros. - Certo...! - Ele responde choroso. - Muito obrigado, Luffy-san... Você também deve se tornar um grande pirata! Mesmo que nos tornemos inimigos no futuro. - O encapuzado relaxa na sua cadeira de madeira com um suspiro satisfeito. - Estava aqui pensando se o Roronoa ainda está preso aqui...

 

 

*CLASH*

 

*CRACK*

 

*BOOM*

 

 

- Mas que caralhos... - Tudo, exceto o trio, se tornou como um furacão. Pessoas voando comicamente para o ar, as coisa quebrando no chão, mesas caindo. Natsu olha para a cena com uma sobrancelha levantada. As pessoas estavam afastadas do trio, como se estivéssemos infectados com algum vírus ou algo do tipo. - Parece que não podemos simplesmente mencionar o Zoro aqui... -Coby sussurra para os dois. - Vi uma placa falando sobre um tal capitão Morgan e... - Mais uma vez as coisas vão para os ares, isso chamou a atenção do encapuzado. Quem se levantou para sair do lugar. - É melhor não conversarmos sobre isso aqui. - Ele diz. - E parece que está rolando algo sujo nesse lugar.

O trio sai do restaurante com Luffy rindo da palhaçada das pessoas. - Hahahaha! Que restaurante engraçado! Natsu, temos voltar lá algum dia... - Um sorriso divertido surge no rosto do nomeado. - Algum dia, Luffy. - Coby ainda se perguntava da confusão de antes. - que estranho... Tenho um mal pressentimento... - Ele comunica. - até entendo que fiquem assustados depois de ouvir o nome de Roronoa Zoro, pois ele pode sair a qualquer momento... - Os outros dois assentiram. - Mas por que temer o nome de um capitão da marinha também?

- Bem, talvez ele tenha feito algo ruim pra eles, não acha?

- I-IMPOSSÍVEL!!

- Eu falo sério. - Luffy pode ter razão. Para as pessoas reagirem daquela forma, deve estar acontecendo alguma coisa. E não é coisa boa...

 

 

 

 

 

Chegando em frente da base e sinceramente... - Parecia mais feio de longe. - O moreno comenta, olhando para o design da base. Natsu, olha para a base com o rosto contorcido por baixo do capuz. - Vá em frente, Coby. - Luffy diz. - M-mas eu ainda não estou pronto! Além do mais, aquele incidente no restaurante me fez pensar um pouquinho... Ah! Luffy-san! - Luffy sobe o muro que rodeava a base e se pendura no muro. Ele olha ao redor da área em busca do caçador de piratas. - Monstro... Onde será que ele está? - Natsu fica no chão ao lado de Coby. - Não vai encontrá-lo assim tão fácil... Devem mantê-lo preso em um cela secreta ou algo assim. - O rosado diz. - Concordo. - O encapuzado responde. - Do jeito que os outros reagiram ele deve estar preso em um lugar longe do ponto de vista das pessoas. 

-  Pior que não, eu vi alguma coisa daquele lado! - O outro responde, se largando do muro e correndo para a esquerda para ver melhor. Natsu o segue por conta da sua curiosidade, deixando o rosado para trás. - Er... - Luffy sobe mais uma vez no muro, o outro pula chutando a parede como "boost" para subir. Coby estava tendo dificuldades para subir, então o encapuzado o puxa pela sua gola e solta. - Olha aquele cara. - Luffy aponta para o homem que estava preso em uma... Cruz? - Eita porra. Jesus?

O de cabelos rosados fica chocado ao vê-lo e acaba caindo do muro. - Oi! - Natsu grita preocupado. - O que foi? - Luffy pergunta, vendo como o menor estava no chão. - Aquela bandana negra e a roupa na cintura...! É-é ele! É o Roronoa Zoro! E aquela aura maligna...! É o Zoro...! - Hmmmm... Esse é o Zoro? Ele é... verde. Assim como o rosado disse, Roronoa usava uma bandana preta-esverdeado, com uma blusa branca e um haramaki verde. Calça longa preta e botas da mesma cor. - Então ele é o Zoro, hein...? - Natsu diz, o analisando de cima pra baixo. 

- Aquelas cordas não parecem muito fortes pra mim. - Luffy comenta, enquanto o encapuzado ao seu lado ajudava o menor subir novamente.. - P- PARE...! 

- Ai, cacete!

- Ah. Desculpa, Natsu-san. Pare de pensar nisso! Se libertá-lo, ele pode causar problemas na cidade e até mesmo matar vocês dois!

- Ei! Você!

- Hã?

- AAHH!

- Você poderia... Vir até aqui e me desamarrar? Estou amarrado há nove dias e estou exausto. - Zoro diz, em um jeito bem educado, por sinal. Sangue escorria de sua boca, com um estado fraco. - Olhe, ele está sorrindo... - É. Apesar da sua situação, Roronoa tinha um sorriso de lado. - E-ele...! Ele falou...! - O encapuzado olha para o menor com uma das sobrancelhas arqueadas. - Coby, ele não é um animal. 

 - Vou recompensar vocês... - A voz do de verde surge no ar novamente. - Posso caçar algum fugitivo e lhes dar a recompensa... Não estou mentindo. Sempre cumpro a minha palavra. - Natsu encosta o seu queixo em da sua mão, olhando para o preso com um olhar de suspeita. - N-não faça isso Luffy-san! Não se engane com as palavras dele! Se soltá-lo, ele vai matar a gente e escapar!

- Ele não vai nos matar... - Luffy diz, com certeza. - Por que... Eu sou muito forte também. - O rapaz ao seu lado, suspira com as suas palavras. Enquanto o  rosado o olha. -  Hã?

- Oh merda... Hm? - De repente, uma escada parece no lado de Coby e uma garotinha sobe, logo dando um sinal para o trio ficar me silêncio. E então, ela pula o muro e vai em direção ao esverdeado. Deixando o de cabelo rosa em pânico. - Ah...! Não faça isso! É perigoso! - Mas ela o ignora e continua a andar. - Ei, o que você está fazendo aqui? - Zoro pergunta, aparentando reconhecer a garotinha e chamando a atenção do encapuzado. - Luffy-san, vai lá e traga ela de volta! Ela pode morrer! - Luffy, como sempre delicado, apenas responde com um: - Por que você não vai...? - Um estalar de dedos os chamam a atenção, fazendo os pararem de discutir - Vocês dois. Calem a boquinha, estou tentando escutar.

Os dois ficam confusos e voltam a ver a cena novamente. - Por acaso está querendo morrer...? Suma daqui! - Zoro ameaça a garotinha. Porém, o sue tom não era assustador, era mais um aviso. - Hm, onii-chan, eu fiz alguns bolinho de arroz pra você! - A de maria-chiquinha mostra a comida. - Está sem comer há um tempo, né? 

- Não estou com fome! Vá embora! - Roronoa exclama. - Mas...

 - NÃO QUERO! ME DEIXE EM PAZ! SUMA DAQUI ANTES QUE EU MATE VOCÊ!!

 - Tch. - Os gritos do esverdeado estavam começando a dar dor de cabeça no rapaz encapuzado. Luffy olha para o encapuzado. - Natsu? - O nomeado nega com a cabeça. Outra pessoa chega na cena, sendo acompanhada por dois soldados da marinha. - Roronoa Zoro! Não ameaça a criancinha... Ou eu vou contar pro meu pai. - Diz alguém... Com uma cabeça de cebola? Ah, não... Era apenas o cabelo. Espera ele disse "ou eu vou contar..." Ah. O de capuz franze as sobrancelhas em irritação. - É um pirralho. - Ele pensa. - Que cara estranho... - Luffy comenta. - Ele deve ser alguém importante na marinha... Graças a Deus, agora a menina está segura.

- Não tenha tanta certeza disso, Coby... - O de capuz diz. - Quê? - Ele põe um dedo entre os seus lábios, sinalando para ficar quieto. - Concentra.

- Tch... Olha se não é o idiota do filho do capitão. - Zoro zomba do de terno roxo. - Idiota? Ora seu arrogante... Meu pai em um capitão da marinha! - O loiro de cabelo de cebola nota a garotinha.  - Ah, olá garotinha... - Diz, pegando um de seus bolinhos caseiros. - Esses bolinhos parecem saborosos.

- Ah! N-não!

- Argh!! - O rosto do cara se contorce em desgosto ao comer o bolinho. - HORRÍVEL!! VOCÊ COLOCOU AÇUCAR NELES! BOLINHO DE ARROZ SÃO FEITOS COM SAL! - Ele grita. - M-mas eu achei que ficariam mais gostosos se fossem doces...! - A menininha gagueja. - Como alguém vai comer essa... Droga de bolinho! - O de roxo joga os bolinhos no chão e pisa neles com força. Os manchando com a terra, fazendo com que a brancura do arroz se torne em um cinza nojento. - Ahh! Para! Para! Ele não vai poder comer mais! - Coby fica chocado e triste com a cena. - C-como ele é cruel! Ela se esforçou tanto pra fazê-los...! - Os outros dois ao seu lado apenas olhávamos em silêncio, por baixo do capuz, seus olhos estavam cheio de ódio. - O desgraçado teve a coragem de fazer isso com uma criança. Uma criança! - Era o que ele pensava, tendo de todos o modos se controlar para não agir naquele exato momento.

- Não se preocupe! As formigas vão comer o que sobrou. He he he he! He he... - O loiro riu, enquanto a menininha chorava. - Isso é maldade! E-eu fiz com tanto carinho...! - O cabeça de cebola a olha como se fosse um estorvo. - Ahh... não chore! Não é difícil entender por que odeio crianças... E além do mais, a culpa é toda sua, sabia? Por acaso não viu essa placa aqui? - Ele diz apontando a uma placa que ninguém tinha notado até agora. - "Quem quer que ajude um prisioneiro será condenado pelo mesmo crime"... "Morgan- Capitão da Marinha". - Ao ver ele chegar perto da menina e pegar o seu queixo, Natsu sente o seu sengue começar a ferver. - Você deve saber quão assustador meu pai pode ser, não é? Pegaria pena de morte se fosse um pouco maior! - A pobre menina tremia nas mãos do loiro. - Ei, jogue essa pirralha pra fora! - Ele comanda um dos marinheiros que estavam ao seu lado, que o olha me choque com as suas palavras. Os olhos de Natsu se arregalam. - O quê?

O loiro pega o colarinho do marinheiro e o puxa para perto do seu rosto. - Eu estou falando pra jogá-la pra fora daqui! Está me desobedecendo por acaso!? Eu vou contar pro meu pai! - Mencionar o seu pai era tudo para o marinheiro ficar apavorado. - SIM, SENHOR! - Não demorou muito para ele pegar menininha pela gola e a jogar para fora da base. Um vulto se mexe entre Luffy e Coby, quem percebe que o encapuzado tivera sumido e logo escuta um: - ARGH! - Vindo de longe.

- Natsu/Natsu-san! 

 O nomeado se senta no chão, sentindo as suas costas começarem a arder por conta do impacto. Ele olho para a menina no seu colo, que o olha de volta com os olhos brilhando devido as lágrimas. Ao ver o seu rosto, ignora a dor e dar um sorriso caloroso à menina. Secando as sua lágrimas com o dedão.. - Você está bem, pequena? - Pergunta, recebendo um "Hm!" da mesma. - Muito obrigado, onii-chan! Você me salvou! - Natsu ri levemente, satisfeito. - Não tem problema. - Os outros dois correm até eles, enquanto o mais velho se levantava com a menininha em um braço e tirava a sujeira das suas roupas com o outro. A sua bolsa não sofreu nenhum dano, por sorte. Apenas um pouco de sujeira.

Coby olha para os dois completamente preocupado. - Vocês estão bem!? Aqueles idiotas...! - Luffy se aproxima, olhando para o maior. Natsu assentiu, afirmando que estava bem. Logo, coloca a menininha no chão. Os dois então olham para o muro

Por conta das suas habilidades, o encapuzado escutava tudo do lado de dentro. - Não pensei que você fosse tão forte! - A voz, que ele imaginava ser do cabeça de cebola, diz arrogantemente. - Vou ficar vivo por um mês inteiro... - Roronoa. - É melhor manter a sua palavra...! - O loiro riu. - He he! Oras, vou manter a minha palavra... - Pelo tom da sua voz, o capuz tinha certeza que aquela promessa era vazia. - Se conseguir viver assim por um mês, cumprirei minha palavra e libertarei você! Boa sorte! - A sua voz começa a ficar cada vez mais distante... Natsu sinala para Luffy que a barra estava limpa e assim, os dois pulam o muro. Deixando o rosado com a garotinha.

- Ainda estão aqui? É melhor ir embora, ou aquele cara vai contar pro pai dele sobre vocês... - Luffy o olha sem expressão. - E daí? - Ele pergunta. Não esperando por uma reposta. - Estou recrutando pessoas pro meu bando de piratas. Até agora eu tenho apenas um. - Se referindo ao outro do seus lado, quem estava em silêncio olhando para o esverdeado com os braços cruzados. - Bando? Pirata? Ha! Então desistiu da sua vida e se tornou um fora da lei...? - Roronoa diz, aparentando zombar do moreno. - É o meu sonho! - Luffy responde. - Não há nada de errado em me tornar um pirata!

- Ele tem razão. - Natsu diz, por sua vez. - A vida é de cada um. Igual as suas escolhas. - O de bandana bufa com a resposta. - Ora! Não me diga que vocês vão me soltar... E me forçar a entrar no bando. - O encapuzado sorriu de lado. - Eu ainda não decidi. - Luffy responde. - Todos acham que você é um cara malvado.

- Um cara malvado, é? Nunca entrarei pro seu bando... Tenho outras coisas pra me preocupar primeiro! - Incrível como ele era orgulhoso. - Posso sobreviver mesmo que você não me ajude! Só preciso ficar vivo por um mês. Aquele idiota prometeu libertar depois disso. - Natsu franze as sobrancelhas. - Vou fazer tudo que estiver ao meu alcance pra ficar vivo... e realizar meu sonhos!

- Sério? No seu lugar eu acho que morreria em uma semana. - Luffy diz com um sorriso despreocupado. - Por isso que somos diferente. - O outro responde. - Vá procurar outras pessoas pra se juntar à você. - Depois o de capuz suspira. - Dois idiotas. - Ele pensa -  Farinha do mesmo saco. -  Os dois estavam prestes a sair, quando Zoro diz: - Ei! Espere... - Os dois param. Luffy alguns passos na frente. Natsu não se vira, porém estava  o escutando. - Você... Pode pegar aquilo pra mim? - Seguindo o seu olhar, o de capuz vê o monte de arroz imundo que estava no chão. - Você quer comer isso? - Pergunta, levantando uma de sua sobrancelha. Ele anda e pega o bolinho estragado. Cheio de lama...

- Cale a boca. Apenas me dê. Vou comer tudo! - Oya, oya. O encapuzado anda até ele e põe a comida na sua boca, seu rosto de contorcendo ao escutar a crocância a cada mordia que o outro dava. Mentira. Zoro engole tudo, não deixando nenhum grão se estragar. O de banda começa a tossir, sentindo a sua garganta áspera. - Por acaso quer se matar? - Ele pergunta, abrindo a sua bolça para pegar uma coisa enquanto os outros dois conversavam. - D-diga pra aquela garota...

- Dizer o quê? - Luffy pergunta.

- Q-que "o bolinho estava com um gosto ótimo... Muito obrigado". - O moreno parece gostar do que o outro falou. Dando um riso feliz. Finalmente encontrando, o encapuzado tira um cantil de água e um lenço que guardava. - Ei. - Chama a atenção do amarrado. Esse que o olha pelo canto dos olhos. - Aqui. Beba.

- Eu não quero iss--

- Não estou perguntando. Beba. - Natsu diz, encostando a boca do cantil nos seus lábios, o interrompendo de negar. Desistindo, ele abre a boca e aceita a ação. O rapaz vira o cantil com cuidado para que o outro não se engasgue, escutando cada golada que ele dava. Assim que ele para de beber, Natsu usa o resto de água que sobrava e molha o lenço para limpar o sangue da sua boca e do seu rosto. Zoro o observava fazer o ato. Satisfeito com o trabalho feito, o outro guarda o lenço na bolsa de ombro e se vira para ir embora com Luffy, que olhava a cena em silêncio, me seguindo.

- Hm... Gostei desse Zoro.

 

 

 

 

 

 

- Mesmo!? - A menininha pergunta contente para Luffy. 

- Sim! Ele comeu tudo.

 - Que bom! - O trio se encontra nas ruas, perto da casa da menina. Luffy se sentava na escada em frente a porta, Coby em um barril e Natsu estava em pé enquanto olhava as pessoas passarem.  - Er... Ele é tão horrível quanto dizem por aí? - Coby pergunta, incerto com toda a situação. - Não é não! - A mais nova nega. - O onii-chan não fez nada de mal... É só que as pessoas dessa cidade tem medo dele! - Ela explica a história por trás daquela cidade. 

 

 

 

- Então o que está dizendo é que ele foi preso por ter matado o lobo do Helmeppo? - Natsu pergunta para a menina com os olhos fechados. - Isso. - Ela responde. - É mesmo...! Então talvez ele tenha um gênio difícil, mas caçar fugitivos... Não é o que eu chamaria de crime também. - O rapaz olha para Coby com um sorriso de lado, orgulhoso pelas suas palavras. A menina se senta ao lado de Luffy, empurrando as pernas no seu peito e se apoiando o queixo nos braços por cima dos seus joelhos. - As únicas pessoas malvadas aqui são os Morgans!! - Ela diz. - Você é executado se os desobedecer, por isso todos tem medo dele.

- He he he he he! - Ah, não... - Quem ousar levantar a cabeça, eu conto pro meu pai! - O quarteto olha com uma fileira de pessoas se curvava perante ao Halmeppo e o seus guarda-costas marinheiros o seguia como servos. - Por acaso querem ficar igual a Roronoa Zoro? Vou executá-lo publicamente em três dias! 

- Como é que é...? 

- Vou usá-lo como exemplo pra todos! Vai ser muito interessante... - Luffy se levanta. - Três dias? Você não disse que era um mês? - O rosto do cabeça de cebola estava em uma expressão nojenta. - Ora, quem é você? Que atrevido... Eu estava só brincando com ele! Só um idiota acreditaria nisso. He he he! - Mais uma vez, Natsu sente o seu sangue ferver, o seu corpo se arrepiar de ódio e apertar os meus dentes com tanta força, a ponto dos meu caninos afiados aparecerem.

Coby, ao lado da menina,  olhava para o encapuzado em choque, terror e preocupação. Ele nunca tinha o visto daquele jeito.

Em uma voz profunda e sombria, saiu apenas uma pergunta...

 

 

 

 

- ... O  q u ê ?

 

 

 

ONE PIECE

 

 

SHIFTING COMPLETE

 

MAIN QUEST

☑ Ganhar um novo aliado☑Chegar em sue destino☑Presencia uma injustiça☑Ser um bom cidadão 2☑Contar a noticia☑Se enfurecer

 

MISSION COMPLETE

 

SAVING PROGRESS

 

WOULD YOU LIKE TO CONTINUE?

⤞ʏᴇꜱ                    ɴᴏ

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...