1. Spirit Fanfics >
  2. Good Boy >
  3. Capítulo Único

História Good Boy - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oláaaaaaa!

cara, eu ia postar essa one ontem, mas me deu vergonha por perceber que só faço one hot akakakkakakajakkakaka o auge viu! Vim postar, mas tô com o sentimentozinho ainda kaakakakakakkaka é porque essa em particular é bem hot, aí dá uma vergoinha, né?

seguinte, a seguir vocês lerão uma fanfic MUITO HOT, tá? Pelo menos do que eu já escrevi, essa é a mais hot delas, eu acho KKKKKKK estão avisados

se vocês gostam de um Sasuke macho alfa, o que manda na porra toda e é o fodão, e não abrem mão disso... bom, essa one não é para vocês. AQUI TEMOS SAKURA QUEEN BEM FODEDORA DE CU (literalmente hahahahahahaha)

eu pesquisei um pouco, mas fui bem básica mesmo, até porque não entendo muuuuuuuito de BDSM, mas sentia vontade de fazer algo relacionado a isso, e fiiiiz!

espero que vocês gostem! Boa leitura ❤

Capítulo 1 - Capítulo Único


Sasuke observou sua mulher sorrindo e cumprimentando as pessoas, seus olhos verdes doces e atenciosos. Ela tinha um carisma natural, que deixavam todos a sua volta cativados por ela. Até via um certo ar de inocência, bom, isso se ele não a conhecesse como ninguém.

Ah, aquela mulher poderia ser tudo, menos inocente, e o plugue em sua bunda era um sinal muito claro disso. Ele que ousasse tirar aquela pecinha. Sakura era ótima, nunca sentiu tanto prazer na cama como sentia com ela, mas ela também sabia exercer seu poder em forma de castigo, um doloroso e prazeroso, mas um castigo.

Viu seus olhos verdes encontrem com os seus, e o brilho libidinoso deles quebrando a máscara de doçura que ela carregava. Ah, Sakura sabia ser uma cadela quando queria. Enfiar um plugue na sua bunda em uma festa da empresa que ele comanda?

Suspirou, bebendo da taça de champanhe. Não é como se ele realmente se importasse o suficiente para contraria-la. Afinal de contas, sempre foi um bom menino para ela.

O suor escorreu por sua têmpora, seus olhos acompanhando a mulher andando pelo quarto em um espartilho justo preto, sobre seus saltos altíssimos e o chicote batendo levemente em uma das mãos. Ela sorriu, seus lábios cheios pintados em um forte tom de vermelho.

— Ah, meu amor, você não sabe como eu amo te ver assim… – se aproximou, lentamente e ergueu o chicote, passando levemente pelo rosto bonito, descendo até sua barriga e o pênis, que se encontrava completamente duro e ereto, o anel peniano na base – tão indefeso.

Sasuke ofegou através da bola que estava amarrada em sua boca, quando a mulher levantou a perna e plantou a ponta do salto em suas testículos.

— Você quer minha boceta, amor? – se abaixou, seus olhos nivelando com os dele, que assentiu freneticamente, sons ininteligíveis saindo da sua boca – Quer, não é? Mas… será que você merece?

Ela virou-se de costas, amando ouvir por ele gemendo em desespero. Desesperado por ela. Ah, ela adorava a sensação de controle e era exatamente isso que Sasuke dava a ela. O olhou por cima do ombro, mordendo os lábios. A visão dele lhe parecia extremamente excitante, tanto que seu interior se contraiu e sentiu sua calcinha molhar ainda mais.

Sasuke estava sentado em uma cadeira, uma mordaça em formato de bola em sua boca, nu e ofegante; seu pau muito duro e as mãos atadas atrás das costas. E ela sabia que o plugue em sua bunda, provavelmente estava fazendo loucuras em sua excitação, mas graças ao anel peniano na base de seu pau com certeza fazia da experiência uma tortura, bastante prazerosa, mas uma tortura.

Sakura abriu uma gaveta da cômoda disposta no quarto, vários objetos de seus frequentes jogos espalhados pelo espaço. Pegou a venda e fechou a gaveta, se virando novamente e andando até Sasuke, que a encarava como se ela fosse uma deusa, a venerando, e ela amava isso.

— Vamos vendar seus olhos, huh? – ele balançou a cabeça, em negação – Ah, sim, vamos, eu quero brincar com você e assim é bem mais divertido.

Riu, passando a venda pela cabeça dele e amarrando atrás firmemente. Tirou a bola mordaça da boca dele, que suspirou audivelmente e ela deu risada.

— Eu quero gozar, Sakura… – sentiu a chicotada vir de encontro a sua perna e subir para seu rosto, batendo levemente.

— É Sakura que diz? E você não tem modos?

— Eu quero gozar… senhora, por favor! – sua voz estava trêmula, assim como ele todo.

— Ah, muito melhor! – lambeu os lábios, enfiando a mão entre os cabelos lisos e sedosos dele, puxando para frente – Ajoelha no chão.

Sasuke caiu da cadeira de joelhos, a mão pequena ainda firme em seu cabelo, e ele sentiu um puxão, erguendo sua cabeça e os lábios dela roçarem no seu, sugando a parte inferior e mordendo com um pouco de força, que o fez gemer.

— Eu quero que você me chupe… até eu gozar e dizer chega.

Ela puxou o cabelo dele, o trazendo de joelhos até a borda da cama, onde se sentou e abriu bem as pernas, sua intimidade molhada e sedenta pela língua dele. Ergueu a perna, adornada por uma meia calça, a cinta liga presa no espartilho, e colocou sobre o ombro de Sasuke, que aspirou profundamente. Era louco pelo cheiro e sabor bom do caralho da boceta dela.

— Me chupa, amor. Bem gostoso, do jeito que você sabe que eu gosto.

Sasuke se inclinou para baixo, com a ajuda dela o guiando e beijou suavemente o seu monte vênus e deu uma lambida na sua extensão, mordendo o clitóris inchado e sugando logo em seguida, se afastando um pouco e soprando a carne, então abriu a boca e se lambuzou com sua boceta.

— Ah, você é tão bom, amor! Hmmm… isso! – ela caiu de costas na cama, rebolando a bunda, se abrindo mais para ele e se oferecendo.

Sasuke deslizou a língua lentamente envolta do clítoris, depois capturou o pequeno botão entre os lábios, chupando. Adoraria ter seus olhos livres para vê-la enlouquecer enquanto batia sua língua contra sua carne, ver as duas íris verdes rolarem para trás e a boca de coração se abrir. Mas, mesmo com os olhos vendados, os gemidos audíveis e clamores dela para chupa-la com mais força, mais rápido, dizendo o quanto estava gostoso, o fazia ir do céu ao inferno, por querer gozar fortemente, mas a peça em seu pau impedindo.

Enfiou a língua profundamente na entrada dela, e Sakura se desmanchou, tremendo e gritando o nome dele, enquanto gozava forte na boca de Sasuke, que lambeu carinhosamente sua boceta e ela suspirou.

— Ah, muito bom, querido, muito bom. – se ergueu e segurou o rosto dele dos dois lados, aproximando-se e lambendo seus lábios com seu sabor neles.

Abriu sua boca contra dela, e ambos arfaram, deslizando as línguas uma contra a outra, Sakura sugando a dele e voltando a pressionar nele, enfiando as mãos nos cabelos, cada vez mais intensos, ansiosos e excitados. Sasuke lamuriou e tentou ir sobre ela mais uma vez, quando seus lábios se afastaram.

Tsc, tsc… muito apressado, amor. – ela bateu o dedo nos lábios masculinos inchados, ele capturou seu dedo, chupando e ela ronronou, mas retirando e se levantando, voltando a puxa-lo ajoelhado até a cadeira – Senta.

Sasuke sentou de volta na cadeira. Ele rolou os olhos por de trás da venda e mordeu os lábios. Caralho, ele queria tanto gozar.

Ouviu alguns sons pelo quarto, se atentando e tentando descobrir o que aconteceria a seguir, mas sua mente parecia fora, nublada de prazer. A risada sensual e com um toque de maldade ecoou pelo quarto, e sentiu algo muito gelado em seu mamilo.

— Porra! – gemeu, quando Sakura pressionou o gelo no mamilo e deslizou para o outro, rodeando lentamente.

Sakura apreciou as reações de seu submisso, contorcendo sobre a cadeira e implorando para ter seu pau em sua boceta. Pegou os grampos que estavam em suas mãos e colocou um cada mamilo intumescido. A cabeça de Sasuke caiu para trás e mordeu lábios com força, impedindo o gemido sôfrego sair de sua garganta.

— Bom menino. – ela lambeu seu pescoço, deixando uma leve marquinha.

Sentou sobre as pernas dele, segurando seu pau na mão e batendo para cima e baixo.

— Caralho, Sakura! Eu preciso te comer! – rosnou e recebeu uma bofetada no rosto – Eu preciso te comer, por favor, senhora. Pelo amor de Deus!

— Ah, bem melhor. – ronronou.

Mesmo adorando vê-lo se perder na própria maré de prazer, não alongaria mais a tortura dele. Soltou o anel peniano da base de seu pau e Sasuke gemeu baixinho. Segurou sua ereção e esfregou-se nela, provocando, indo até a entrada e voltando.

Ele sabia que sua mulher era uma filhinha da puta, mas ela sempre se superava, e foda-se, ele amava cada segundo. Quem a via normalmente na vida cotidiana, não tinha a menor ideia que a mulher pequena e de sorriso doce, era uma domme muito sádica.

Por favor… – implorou, suas bolas apertadas, cheias de porra.

Sakura segurou o falo e se ergueu, colocando na entrada escorregadia dela, se encaixando e descendo lentamente, ao som dos gemidos de Sasuke, que elevou o quadril, batendo fundo no interior dela.

— Ah, amor, você me preenche tão bem. Eu amo seu pau. – rodeou o pescoço dele com os braços, mordendo levemente o lóbulo.

Sakura iniciou os movimentos, sentando nele lentamente, prolongado o sobe e desce, e Sasuke, erguia com o quadril, mas a sua posição na cadeira, impedia um movimento mais brusco, e Sakura gemia baixinho em seu ouvido, balançando para frente e para trás. Sasuke procurou com a boca o pescoço macio, cravando levemente os dentes na carne e soltando, lambendo a região em seguida.

— Mais rápido, por favor… – pediu, languidamente, quase em loucura.

Ainda podia sentir o plugue em seu interior, e os grampos apertando seus mamilos, juntamente a boceta dela apertando seu eixo. Meu Deus, ele ficaria louco antes daquela sessão acabar.

Sakura se levantou, levando o calor de seu interior com ela e Sasuke quase cedeu. Aquela mulher queria o levar para a beira do abismo, e ele estava indo, muito obedientemente.

— Você foi um menino muito bom, hoje. – puxou a chave do seu decote e abriu as algemas que envolviam suas mãos, e ela imediatamente o sentiu se levantar e agarrar suas nádegas, mas ela segurou seu rosto na mão, apertando e o empurrando para trás – Quem disse que você ainda está livre para me tocar?

E mesmo com uma vontade quase insuportável de ter suas mãos nela, ele se conteu, abaixando as mãos e se deixando ser levado até a cama, onde foi empurrado e logo suas mãos estavam novamente presas, mas dessa vez, acima da cabeça, na armação de ferro da cama. Sua pernas foram separados e ela a sentiu passar as mãos em suas bolas, descendo ao períneo e seguindo a abertura em sua bunda, puxando lentamente o plugue para fora dele, que lhe causou um tremor por todo corpo.

— Você foi bem, amor.

Largou a pecinha de lado, e rastejou de volta para ele, com a intenção de acabar com a tortura do seu amado. Segurou o pênis e se encaixou novamente, mas dessa vez, sem enrolação e desceu de uma vez, arrancando um gemido de ambos. E com a posição, Sasuke tinha mais liberdade para erguer os quadris para cima e bater rapidamente dentro dela, e com força.

— Boceta gostosa da porra! – bateu, de novo e de novo, os gemidos dela soando pelo quarto como melodia para ele. Sentiu ela deitar em seu peito, agarrando o travesseiro através da sua cabeça, e ele virou a cabeça para o lado, enterrando o nariz nos cabelos macios.

— Ah! – arfou quando ele rebolou os quadris – Isso, amor. Que delícia. Você é tão gostoso.

— Me solta, por favor, deixa eu te comer direito. – parou os movimentos rápidos, arremetendo lentamente – Por favor?

Sakura sorriu, e pegou a chave e encaixando na fechadura da algema, e ela mal teve tempo de girar completamente, para Sasuke tirar a venda e se virar bruscamente, deixando-a por baixo, se ajoelhando na cama, as mãos agarradas as nádegas e as coxas roliças firmes enroladas em seus quadris, guiando seu pau para dentro dela e metendo fundo.

— Porra! Isso!

Arremetou com força, sentindo seu pau ser espremido pela boceta dela. Apoiou uma mão na cama, olhando para onde eles se conectavam. E porra, era incrível! Sentia seu pau pulsar, enquanto batia fortemente nela, um orgasmo abrasador e intenso se aproximando, prometendo arrancar os resquícios que ainda restavam da sua sanidade.

— Sasuke, ah!

E ele sorriu ao ouvir seu nome. Ela sempre o chamava de amor nas sessões, mas ela nunca mantinha quando estavam assim, perdidos um no outro, com ele metendo profundamente em sua boceta.

— Goza pra mim, amor. – se abaixou, soltando sua bunda e apoiando os cotovelos ao lado da cabeça dela – Deixa essa bocetinha gozar, huh?

Ele lambeu os seus lábios e enfiou a língua dentro, em um beijo confuso. E sentiu quando ela atingiu seu ápice, as unhas arranhando duramente suas costas e a boquinha se abrindo em um O, o grito saindo quase sem fôlego.

— Linda demais.

Meteu duramente mais alguma vezes, e seu estômago contraiu, seu pau expelindo forte dentro dela, enchendo-a com sua porra. Tremeu, e encostou a cabeça na curva de seu pescoço, deixando a respiração acalmar. As mãos dela alisando delicadamente seu cabelo.

— Ainda vai chegar um dia em que você vai me matar, amor. – disse Sasuke, saindo para fora e caindo do lado dela na cama, a respiração ainda descompassada.

Sakura riu, beijando sua bochecha e tirando os grampos dos mamilos dele, que estavam inchados. Sugou um, depois o outro carinhosamente. E deitou em seu peito.

— E você vai morrer muito feliz, que eu sei.  

Ah, pior que ela tinha toda razão.


Notas Finais


Então? Vocês acharam a narrativa maçante? Porque eu acho que detalhei muito, mas enfim, espero que tenham gostado, hahahaha

me perdoem qualquer erro, até uma próxima ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...