História Good Dreams... - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Bakugo Katsuki
Tags Bakugou, Bakushima, Bnhayaoi, Kiribaku, Kirishima
Visualizações 196
Palavras 1.790
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Fluffy, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Nossa gente, eu acho que prometi uma One-Shot KiriBaku/BakuShima é quase um mês '-' eu sou um monstro por demorar tanto ;-;

Mas ok, eu fiz essa One bem Fluffy para preparar geral pra Short-fic pesada e tensa que eu to preparando pra trazer desses meus bebês, que aliás, não vai demorar muito não ( ͡° ͜ʖ ͡°)

Boa leitura!!!

Capítulo 1 - Bons Sonhos, Katsuki...


O corpo suando descomunal.

A respiração ofegante e descompassada, ele estava exausto e não era por pouco.

Quem o visse, diria que ele tinha corrido uma maratona, que passou horas se exercitando.

Mas na verdade, ele nem de seu quarto havia saído.

Bakugou tinha acabado de acordar, e sentia como se não dormisse a anos. O motivo de sua afobação era o pesadelo que acabara de ter.

Quer dizer, ele nem se lembrava do que tinha sonhado, tudo que restou foi o rastro do sentimento ruim e desesperador que faz o sono se extinguir e ficar apenas o cansaço.

Era quase como se estivesse com... Medo.

Mas era impossível, Bakugou não tinha medo de nada.

Ele era imponente, poderoso, era incrível, Katsuki era os mais forte e detinha todo o controle das coisas que aconteciam consigo e ao seu redor.

Esse era Bakugou.

E mesmo assim...

Quando encarou suas mãos em cima de seu colo, elas tremiam, ele sequer conseguia controlar a própria respiração ofegante, não fazia sentido, ele nunca ficou assim antes, então por que agora era diferente?! Por que agora ele estava... Apavorado?!

Ele nem ao menos se lembrava do que sonhou, e mesmo assim a sensação de pavor, de desespero continuava vivo em si.

Katsuki estava se sentindo mal...

Nunca admitiria, mas não queria ficar só, talvez se estivesse acompanhado não tivesse tanto incômodo assim em fechar os olhos, mas a questão então era... Quem?!

Bakugou não era um cara de muitos amigos, julgando por seu temperamento e atitude talvez nem tivesse algum, mas dos que podia considerar como algo parecido com parceiro, havia um que o receberia sem nem fazer perguntas se pedisse e isso era exatamente o que precisava... O que procurava.

Com certa pressa, tratou de se levantar de sua cama e sair de seu quarto, não se importando em trancar seu quarto, ou colocar outra roupa — que diga-se de passagem era aquela costumeira roupa improvisada de pijama, uma camiseta regata preta e uma calça moletom cinza —, muito menos notou que tinha que pegar pelo menos um calçado para não tocar com os pés quentes no piso frio do alojamento.

Como ele mesmo constatou, ele estava afoito — e um pouco aflito — para se preocupar em como estava ou como seria visto, ele só queria sair logo daquele cômodo frio e escuro.

Quando parou a frente da porta de seu vizinho, não se restringiu ou coisa parecida, bateu com certo afoito na porta esperando que os sons de "Toc Toc" fossem o suficiente para acordar o outro e ele dava graças por ouvir um resmungo incompreensível do outro lado e a luz ser acesa.

Quando Kirishima abriu a porta espera encontrar qualquer pessoa do mundo de pé do outro lado, menos Katsuki.

E para a surpresa do ruivo, era justamente ele que estava ali.

Bakugou?! — exclamou em surpresa ganhando mais da atenção do loiro que levantou o olhar o encarando com aqueles olhos rubis sempre tão vivos e em brasas, mas que naquele momento, estavam caídos, aquilo não era normal e Eijirou não gostou nada daquilo — Tudo bem? — perguntou meio aflito franzindo o cenho.

Ver Kirishima com aquela expressão fez com que Katsuki quase se arrependesse de sua decisão de ir até ele... Mas era apenas quase.

— Não pergunte nada, só me diga... Posso dormir aqui?! — disse em um tiro só com a voz que era sempre autoritário mais baixa, certamente coisa que só deixou o outro mais preocupado, Bakugou também nunca abaixava o tom de voz.

— O que?! — não era bem uma pergunta, mas Kirishima não tinha entendido nada, quer dizer, Bakugou aparecer de repente em sua porta e pedir para ficar em seu quarto não era una coisa que acontecia todo dia, aliás, isso nunca aconteceu, e por isso Eijirou estava em choque.

— Posso ou não?! — indagou impaciente, Bakugou era muitas coisas, menos paciente.

— Ah... É claro, entra ai, cara... — disse retomando controle sobre sua consciência.

Com calma, o ruivo deu um passo ao lado deixando espaço para Katsuki adentrar seu quarto que não tardou em fazê-lo deixando que Kirishima pudesse fechar a porta.

Tendo tempo para analisar — coisa que Eijirou não fazia, mas com o loiro naquele estado ele se via na obrigação de tentar entender o que estava acontecendo sem perguntar — notou que ele estava... Tremendo.

Deus, o que em vida era assustador o suficiente para fazer o loiro tremer?!

Ele nunca saberia, conhecendo Katsuki como conhecia ele não o diria mesmo que tivesse uma arma apontada para sua cabeça, então também não perguntaria, achou que talvez, fosse melhor não perguntar nada mesmo como o próprio explosivo lhe pediu.

Olhando agora de dentro, o quarto do ruivo era normal, tinha posters de seu herói favorito, algumas coisas bem característico de alguem alegre e energética como ele, mas fora isso, era bem parecido com o seu.

A cama mesmo era grande o suficiente para duas pessoas — o que Bakugou agradecia no fundo de seu interior — e realmente cogitou a idéia de dormir no mesmo espaço que o ruivo. Na verdade não parecia má ideia, só não sabia se Kirishima aceitaria isso.

Mas como todos sabiam, incluindo o ruivo, Katsuki era independente da opinião alheia e fazia o que queria, por isso antes mesmo de que Eijirou tivesse tempo ou oportunidade de perguntar ou dizer algo, o loiro já se encaminhou para a cama do outro tomando-a como se fosse sua.

Deitou com extrema rapidez, cobriu-se e se virou para a parede, aquela era a deixa dele para dizer que não queria conversa, perguntas ou olhares, e isso fez Kirishima suspirar, no final de contas teria que dormir no chão mesmo que o quarto, a cama e tudo ali fosse seu.

Com passos lentos, ele caminhou até o seu guarda-roupa e o abriu.

O som das dobradiças da porta acabou por chamar a atenção do loiro que se limitou a franzir o cenho quando se virou e viu Kirishima ainda de pé.

— O que está fazendo? — perguntou e dessa vez foi a Kirishima que se virou e encarou Katsuki.

— Eu... Estou procurando o Futon — disse como se fosse óbvio, o que devia ser mesmo.

Bakugou, ao receber a resposta suspirou, achou que Kirishima iria entender seus pensamentos sem precisar dize-los, besteira, foi ingenuidade sua, Eijirou era tudo, menos perspicaz.

Não precisa — murmurou e se encolheu mais para o canto dando espaço o suficiente para outra pessoa deitar.

E isso foi o suficiente para Eijirou entender que aquele espaço vago em sua cama não era coincidência, era proposital, era o espaço na medida certa para ele poder se deitar. O seu pensamento o surpreendeu, primeiro porque Katsuki estava disposto a dividir a cama consigo — era meio improvável isso — e segundo por seja lá o que assombrou o loiro o deixou tão mexido que o garoto explosivo sempre imponente e independente que nunca precisava de ninguém estava, literalmente, pedindo... Afeto.

Era uma conclusão tão estranha, mas que Kirishima não deixou de abraçar, o que ele mais queria era se tornar alguém digno da confiança de Bakugou, desde que colocou seus olhos no outro no primeiro dia de aula pode sentir isso, uma coisa dentro de si se remexer e gritar lhe dizendo que devia se aproximar daquele loiro com cara de mal, e Eijirou era uma pessoa que confiava muito em seus instintos e desde aquele primeiro olhar ele tentava de todas as formas se aproximar de Katsuki.

Sem pensar duas vezes, o ruivo apagou a luz do quarto, dava graças por não ter cortinas em suas janelas deixando com que a luz da lua iluminasse minimamente o quarto o suficiente para ver o caminho para sua cama sem tropeçar em nada, ao estar na beirada de sua cama se deitou — um pouco receoso ainda, em sua cabeça a ideia de que podia ser tudo ilusão sua e aquele convite para dormirem juntos nunca ocorrera e ele iria ser explodido para fora da galáxia no instante que se deitasse meio que não o deixava ficar exatamente tranquilo, claro, isso não aconteceu.

Quando viu o ruivo se arrumar para deitar, Bakugou fechou os olhos evitando qualquer tipo de contato visual, sua expressão não mudara nada, porém estava se sentindo envergonhado por estar vulnerável — e estar tão perto do outro que podia sentir a respiração leve dele se chocar com seu rosto —, o loiro apenas ficou quieto por um tempo na tentativa de dormir, deixando o quarto em um total silêncio.

Durou-se alguns minutos sem palavras ou movimentos por parte dos dois, tanto que Kirishima achou que o loiro já estava realmente dormindo.

— Bakugou?! — chamou baixo para saber se o outro estava mesmo dormindo e não houve resposta, o que fez Kirishima suspirar de alívio.

Prestou mais atenção em seu parceiro e notou a expressão meio aflita que ele tinha, ele parecia estar tendo um pesadelo.

Bakugou estava sofrendo, aquilo era tão... Novo.

E tudo que Eijirou podia fazer era observar, tudo fazia sentido em sua cabeça agora, o loiro não estava perturbado porque viu alguma coisa quando chegou ao seu quarto, ele tinha sonhado com algo ruim e não conseguiu mais dormir só e venho pedir refúgio especialmente a Kirishima, de alguma maneira, saber que ele era alguém em que o loiro estava confiando sua fraqueza o deixava feliz, porque assim ele sabia que era amigo de Katsuki e ao mesmo tempo, sentia que devia ajudar ele com aquilo, Afinal, Bakugou escolheu a si para conforta-lo.

Instintivamente, sabia o que fazer. Essa era uma de suas melhores armas, o instinto.

Ele se aproximou do corpo de seu melhor amigo e pode sentir o calor corporal dele e o abraçou, sabia que era ousadia o que fazia e que quando o loiro acordasse iria joga-lo longe, mas como não faria isso?! Como não o abraçaria vendo-o tão vulnerável?! Era impossível resistir.

Tanto era o seu desejo de proteger Bakugou de si mesmo, o abraço foi apertado, queria passar segurança ao loiro que dormia, talvez o contato fosse o suficiente para fazer com que o temores que assolavam o sonho do outro desaparecessem.

E realmente funcionou, Katsuki parou de tremer e aos poucos sua expressão e respiração de suavilizaram, deixando nítido que seja lá o que se passava no sonho do outro já não o assustava mais.

Mas com certeza, a maior surpresa de todas para Kirishima foi sentir o loiro se aconchegar em si.

Eijirou... — o loiro sussurrou inconscientemente o nome do ruivo.

Eijirou sorriu levemente com o sussurro e beijou a têmpora do loiro — achou meio estranho essa vontade repentina de beija-lo, mas ignorou —, de alguma forma ele foi capaz de alcançar o outro no mais profundo de seu âmago, isso sem duvida era incrível para si.

Bons Sonhos, Katsuki — desejou em um pedido baixo e singelo, com a determinação de não dormir aquela noite passando a velar pelo sono do seu melhor amigo.


Notas Finais


FINISH >O<

Deixa eu desabafar u.u É MUITO DIFÍCIL ESCREVER FIC BAKUSHIMA/KIRIBAKU AHHHHHH nossa, o Bakugou é um personagem que não demonstra afeto, então é muito difícil fazer ele "sentir" as coisas, ainda mais fazer ele ser Cute, MEO DEOS, #TO-MORTA

Espero que tenham gostado, ok u.u


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...