História Got Sereias: Um amor que veio do mar - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Got7, Markjin, Romance, Sereais
Visualizações 33
Palavras 2.157
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey pessoal, pensei em fazer algo diferente, espero que gostem <3

Capítulo 1 - Gênio do Mar


Fanfic / Fanfiction Got Sereias: Um amor que veio do mar - Capítulo 1 - Gênio do Mar

                                                               Got Sereias : Um amor que veio  do mar

   

                                                                                        Gênio do Mar

 

Anotação:

           A terra é estranha. Já me falaram que talvez fosse sombria, medonha e assustadora. Um lugar frio onde não se há amor, nem família, nem esperança e nem o mar. E quanto aos humanos? Seres irracionais que matam uns aos outros. É apenas esse o conhecimento que eu havia adquirido sobre a terra até minha adolescência, felizmente decidi não  me conformar com o que já sabia e cheguei a conclusão de que  o que me falavam sobre a terra e os seres humanos não está cem porcento correto, por certas situações  ainda carrego minhas dúvidas sobre como realmente são. Há muitos meses tenho avistado do coral o que parece ser a sombra de um  homem,  que por algum motivo,  ajudou um filhote de tartaruga a voltar para o oceano. Esse homem tem voltado todos os dias e me pego tentando observar o seu rosto, nós sereias não possuímos uma visão nítida em superfície mas conseguimos enxergar a áurea e   o coração e ele  não passou nada de ameaçador, pelo contrário algo muito positivo.

 

 

     Mark Tuan é uma sereia do pacífico, mora geograficamente na costa da Ásia, no litoral do complexo de ilhas de Jeju, possui uma família grande, ele e sua família são conhecidos no mar por serem grandes pesquisadores dos estudo terrestres . Seu pai é um grande expert na área do conhecimento humano  e Mark não buscou outro caminho além do estudo desses seres tão desconhecidos. Era sua paixão, apesar de que esta área não era a mais atraente e bem vista pela maioria das sereias, mas esta encantava Mark de modo surreal. Ele desde pequeno, mesmo sabendo que a superfície poderia ser perigosa, adorava visitar os corais com seu pai em expedições e as vezes até ia escondido. Mark tinha o sonho de ser um grande pesquisador e de poder ver de perto as criaturas que causavam tanto medo nas sereias. Haviam  lendas no oceano que o pai de Mark já teria visitado a terra um dia e por isso saberia tanto sobre ela e o garoto morria de curiosidade mas seu pai não parecia gostar de tocar  no assunto.

 

     Anotava sempre em rochas distantes de onde morava suas observações que iam de científicos à pessoais, funcionavam como um diário e as escrevia em sua própria língua. As sereias, assim como os seres humanos possuíam uma organização social, só que melhor  e assim como os países da terra, cada região do mar possuía sua língua,raça e crenças específicas. Era uma sociedade desenvolvida em questões éticas e morais, quase perfeita senão pela distância dos seres humanos, talvez seja por isso que  a sociedade funcionava tão  bem. Na criação do mundo houve um acordo de separação de todas as criaturas mágicas dos terrestres, não se sabe o motivo, mas os mesmos não poderiam conviver juntos e era estritamente errado que os dois mundos viessem a se cruzar. Os humanos por algum motivo não lembravam desse acordo, mas as sereias os seguiam rigorosamente e somente algumas tinham direito, através da magia, de visitar a superfície.

 

   Na faculdade das sereias, eles mesmos escolhiam o caminho a qual queriam trilhar, uma vez escolhida a área, o mesmo deverá fazer suas pesquisas individuais até se mostrar mestre naquilo. Mark diferente da sua turma, era cheio de energia para as pesquisas, desde o primeiro dia de aula mostrou-se competente em falar para seu professor tudo o que já havia pesquisado, inclusive as observações sobre possivelmente os seres humanos não serem tão maus assim, o que foi visto com discórdia entre os alunos, já que alguns possuíam medo e até raiva de seres humanos e os mesmos chamaram Mark de louco.

 

- Mark, já experimentou outras áreas? Ainda dá tempo de mudá-las por exemplo, estudo de corais, fisiologia dos peixes... Essas parecem combinar bastante com você. – Disse o Sr. Lin com olhar preocupado depois que a aula acabou.

- Professor, já disse. Estou decidido quanto a isso, eu realmente quero estudar sobre a vida na terra, as vezes até consigo sentir que aquele é o meu lugar sabe... Eu já fui a superfície algumas vezes, não é daquele jeito que dizem por aí. Algo me chama, senão posso viver lá gostaria de pelo menos apoio para que possa estudar sobre!

- Olha Mark – proferiu abaixando o tom de voz – Se quisesse ver humanos, deveria ter se tornado um embaixador dos mares.

- Você acha que eu já não pensei nisso? Mas para falar a verdade eu acho algo realmente chato, todos aqueles cargos políticos e burocracias... Isso me enjoa, se fosse para fazer algo na superfície que seja para fazer o que eu quiser.

- Olha filho, empregos para nós na superfície são poucos... Afinal que sereia gostaria de ir lá? Se você não pode ser embaixador, seja o segurança do embaixador e se não pode ser o segurança faça magia para se tornar humano.

 

O corpo de Mark tremeu. Nunca esperara ouvir aquelas palavras sairem da boca do Professor Lin. O mesmo estava tão assustador que sua voz trêmula pediu para que o professor repetisse o que tinha falado. Aquilo era algo inimaginável e fora da realidade.

 

- Sim Mark, é isso mesmo. Eu gosto muito de você, mas acho que dentro do oceano nunca conseguirá tirar suas dúvidas sobre lá fora. Você precisa na sua vida de uma dose de adrenalina de fora. Sei que estou sendo antiético dizendo para você quebrar um acordo de anos, mas pelo visto só isso lhe faria feliz.  – Disse o professor lhe entregando o que parecia ser uma pedra com umas anotações.

 

    A pedra era pequena, cabia na mão de Mark, o professor entregou a ele e pediu para que escondesse as sete chaves.  Nela havia escrito o endereço de um grande feiticeiro que há muito tempo atrás tinha dado como morto nos sete mares por violar as regras. Mark nem sabia que o grande feiticeiro Beckop estava vivo e que continuava a transformar sereias em pessoas. Era muito conhecido e temido por suas façanhas, porém o professor o alertou o risco que podera acontecer, falou-lhe também Backeop poderia ser duvidoso e ter um caráter sarcástico mas que diferente do que lhe falaram, era um ótimo mago dos oceanos.

 

   Então Mark agradeceu ao professor, ficou temeroso mas sem pensar duas vezes voltou a caverna onde morava com sua família e pegou o que tinha de mais precioso, o colar que sua mãe lhe dera quando nasceu, antes de morrer. Seu pai havia dito que aquele colar era especial pois não era daqui e que deveria guardá-lo com todo apreço. O pai de Mark havia viajado para uma expedição em outro oceano e seus irmãos  não estavam em casa. Saiu deixando apenas uma mensagem em uma rocha “Volto já”. Com pressa deslocou-se muitos quilômetros até chegar em uma parte desconhecida do oceano. Uma parte escura e profunda, onde quase nenhuma sereia visitaria. De cara, Mark avistou a caverna escura a qual a pedra mencionava e se aproximou. Ao entrar percebeu um lugar com grandes talismãs e outros objetos nunca vistos, provavelmente pegos da superfície.

 

- Tem alguém aí? – gritou e ressoou o eco de sua voz na caverna escura – Não acredito que nadei três horas para ele não estar aqui – resmungou – Minha calda dói!

 

     Foi quando sentiu se aproximar a sombra de um homem, o mesmo não era peixe nem era humano. Só podia ser o feiticeiro assustador a qual o professor havia falado.

- Lin me avisou que viria. Está com medo? Eu não mordo – disse o homem estranho com voz assustadora. – Você até parece um pouco com sua mãe, mas sabia que eu odeio seu pai? Por causa dele quase fui morto!

 

- Espera aí, você disse minha mãe? Mas Co-? – respondeu surpreso até ser interrompido

 

- Sim, eu a conheci. Agora não posso falar sobre isso, entende, são assuntos  particulares entre mim e Raymond (pai de Mark)  menino. Mas me diz aí o que você quer... Pelo seu colar posso deduzir que você quer uma transformação estou certo?

 

- Na verdade não é por muito tempo, só gostaria de observar e voltar logo... Mas o que tem haver o meu colar? – respondeu duvidoso.

 

- Olha menino, por algum motivo eu gosto de você,  posso dizer que poderia ir até a superfície sem mim. Esse colar que você tem é muito valioso... Mas por via das dúvidas vou lhe dar a minha magia.

 

    Mark não entendeu muito o que o feiticeiro disse mas preferiu não perguntar. Achou estranho que Backeop não havia pedido nada em troca e apenas aceitou de bom grado. Meticuloso, prestou  atenção nas instruções do mago que disse apenas para Mark engolir uma poção,  fechar os olhos e quando acordasse teria pernas e que deveria procurar por YoungJae.

 

     Mark fez como o feiticeiro pedira, tomou a poção e fechou os olhos. O feiticeiro disse que as águas o levariam a superfície da praia certa. Ainda tinha muitas dúvidas  de como poderia voltar para casa, mas preferiu não “abusar da boa vontade de Backeop” com medo dele mudar de ideia.  Tomou a poção e subitamente  sentiu seu corpo adormecer  e ficar mais leve, sentiu a sensação de que algo o levantava para a superfície, era a sensação de flutuação. Pela força das ondas do oceano conseguiu ser levado à praia, mas o mesmo não poderia abrir os olhos até que estivesse em terra. Ainda de longe conseguiu ouvir de longe um boa sorte do bruxo mas preferiu se concentrar na sensação de estranha de que algo estava mudando em seu corpo, já não conseguia bater a nadadeira e nem mesmo sentí-la, estava dormente e já lhe faltava o ar.

 

   Em terra, acordou como se fosse um sonho, estava deitado em algo que apenas olhara de longe, a areia e sentiu o calor pela primeira vez e em seguida notou que não estava cercado por água, seus cabelos loiros não estavam mais molhados e conseguia ver perfeitamente. Ainda estirado no chão, olhou para trás e viu o lugar de onde veio, se surpreendeu, o mar era realmente lindo e logo avistou alguém que se aproximava, era um homem de boné e moleton com um sorriso enorme e que estendia a mão para levantar Mark.

 

- Olá, sou YoungJae, prazer! Você deve ser o Mark né ? Aqui pega, são roupas para você!

 

    Mark não entendeu sequer uma palavra  do rapaz que parecia ter um ótimo ânimo e continuou no chão.

 

- Ah, eu já tinha me esquecido, você precisa tomar essa poção aqui, quando tomar vai entender tudo o que estou dizendo. – disse se agachando e fazendo sinais que Mark deveria tomá-la- Agora sim, vai conseguir entender tudo em alguns segundos!

 

    Mark tomou e arregalou os olhos, em instantes conseguiu entender tudo o que o humano lhe dizia conseguia também responder  naquela língua. Se levantou do chão assustado, com as pernas tremulas e gritou “ O que é isso que está no meio das minhas pernas?!”

 

- Pelo visto você já consegue falar! Tá vendo é para isso que precisa de roupas, para cobrir isso aí . – riu -  Tome as coloque. Sua sorte é que a praia está vazia, o Backeop sempre manda seus clientes pra cá no dia de baixa movimentação, ainda bem, se te vissem assim iam tomar um susto. Vamos – proferiu sorrindo- Vou te levar até em casa. E me diga uma coisa, quanto o Backeop cobrou para te trazer até aqui? Pelo o que eu sei é muito caro, você deve ser bem rico Mark Tuan...

 

    YoungJae era o sobrinho humano de Backop e ajudava o tio em “missões” como essa. Morava próximo a praia sozinho e ficava responsável por conduzir as criaturas mágicas em terra. Fez questão de dizer a Mark que o ajudaria em tudo que precisasse e que inclusive adorava responder as dúvidas de sereia, pois,  se divertia a beça com elas.

 

      No caminho, Mark estava tenso, mas tentou não demonstrar.  Em sua mente, inúmeras dúvidas haviam se passado. Então assim que é a terra, pensava. Ainda era cedo, o sol nem mesmo havia aparecido, Jae e Mark seguiam até sua casa que ficava na ponta mais alta da ilha. 

 

- Mark essa é minha casa, um pouco antiga não é mesmo? Eu moro só, por isso não é tão grande, mas aconchegante - disse YoungJae tirando os sapatos. – Você dormirá na parte de cima tudo bem? É só seguir essa escada.

 

- Escada? Você diz, esse caminho que leva para o alto? – perguntou encabulado.

 

- Sim, isso é uma escada, vamos lá – apontou indicando que Mark deveria segui-lo

 

     Foi quando ouviram o tocar da campainha, Jae virou para olhar. “ Estranho, não tinha nenhuma visita para hoje, vá para o quarto Mark “. A campainha tocava incessantemente irritando Jae, que se estressou. O Jovem sorridente pareceu ter rápidas alterações de humor.

 

 

- Quem será à essa hora da manhã? – Gritou!


Notas Finais


Gnt o capítulo ficou grandinho, mas é porque é introdução hehe
O YoungJae é meio bipolarzinho e o Jinyoung se acha um pouquinho, só um pouquinho mas o Mark conseguiu derreter ele.
Comentem o que acharam <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...