História Gramado: Where dreams come true... - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Shadowhunters
Personagens Simon Lewis
Tags Clichê, Historia Aleatoria, Lewisfer, Muito Surto, Sonho Realizado Aqui, Stefade
Visualizações 1
Palavras 2.389
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


A

Capítulo 19 - Capítulo 18.


Eu vou mentir se eu falar que uma pequena faísca de empolgação não nasceu dentro de mim.

- Bem, é surpresa — Harry disse.

- O quê? 

- É surpresa.

- Então você fez todo esse suspense pra no fim não me contar porque é surpresa? — eu fechei meu armário e comecei a caminhar, enquanto Harry corria atrás de mim. 

- Não, eu vou te contar. Não sou eu que estarei com uma surpresa. É uma "surpresa" pra nós — ele disse.

- Novamente, o quê? Nós, você e eu?

- Oh, meu senhor. Deixe-me explicar do começo — ele disse com um suspiro.

- Isso ajudaria muito — falei.

- Vamos nos sentar, você pode matar essa primeira aula.

- Harry, você está querendo eu me tornar uma má aluna?

- Talvez — ele disse e mostrou a língua.

- Bom saber.

- Okay. Longe disso. Frequentar aulas não te faz uma boa aluna. Ter notas boas te faz uma boa aluna. E você pode conseguir notas boas depois.

- Você é quem está dizendo isso.

- Sim, e minha palavra vale mil vezes mais.

Eu dei uma risada e assenti.

- Vamos então, senhor sabe tudo.

- É ótimo ter uma amiga que reconhece meus esforços. Faço o possível para saber mais — ele disse fazendo uma referência com os braços, dizendo-me para ir na frente.

- Isso inclui frequentar aulas? — eu perguntei.

- Agora você me pegou — ele disse.

Dei um sorriso vitorioso.

- Ah, deixe. Vamos logo — ele falou e me empurrou em direção ao campo de futebol. Arquibancada.

-------
Chegamos lá e sentamos pra observar o campo vazio. Achei estranho nem um garoto estar ali, mas o campo verde sem nenhum garoto fardado era ainda mais bonito.

- Agora que estamos sentados e confortáveis, posso lhe explicar desde o começo. 

- Obrigada. 

Ele deu uma tossida dramática e se ajeitou numa posição melhor.

- Harry, você está demorando tanto que estou começando a achar que é algo ruim. Se for, é melhor contar agora. Eu não saio feliz mas todos podemos fingir que eu saí.

- Você deve gostar. Deixe-me começar. 

- Comece logo.

- Ok, ok. Todo ano, a escola tem 3 eventos especiais, além dos obrigatórios. 

- Obrigatórios?

- É, como o baile de formatura e a comemoração de aniversário da escola. Tirando esses, temos 3, tirando os eventos inesperados que o conselho faz às vezes.

- Entendi. Então, estamos no primeiro evento desses 3 aí?

- Exatamente. Geralmente fazemos só na escola. Tipo um festival, comida e pá. 

Eu assenti, pensativa.

- O que vamos fazer?

- Eu não sei — ele simplesmente respondeu.

- Como você não sabe?

- Eles não falaram. Só daqui uns dias. 

- Que droga, preciso me preparar mentalmente — praguejei. 

- Você pode subornar o Matt pra ele te contar, mas dúvido que ele vá contar. No primeiro ano aqui, ofereci de tudo pra ele me contar, e nada. O mesmo pra Eme.

- De tudo? Hum — disse com um tom malicioso.

Ele abriu a boca em choque.

- Você só pensa em besteira. Tudo menos isso.

- Mas você queria, não é?

- Ah, cale a boca.

- Calada estou.

Ficamos em silêncio por um momento.

- Eu realmente quero saber. Quais as suas ideias pra subornar ele, além de entregar seu corpo nu?

- Não irei mentir e falar que não passou pela minha cabeça entregar meu belo corpo numa bandeja com maçãs. Bem, ele.... parando pra pensar, eu não faço ideia. 

- Eu não acredito. Você conhece ele desde que se entende por gente e não... ah.... — eu parei minha fala assim que vi o mesmo Matt se aproximar lentamente por trás de Harry.

- Está tudo bem. Temos a Em, se não falarmos nada ela pode nos contar... — Harry disse pra mim. 

- Realmente, ela pode — disse Matthew parando atrás de Harry e sussurrando no ouvido dele.

- Ah, caralho! — Harry exclamou e tapou o ouvido em um reflexo.

- Olá, Mr.Daddario — eu disse.

- Olá, senhorita Scheffer. Como vai?

- Na medida do possível. Diria ótima.

- Que bom. E você, Mr. Shum? — ele olhou pra Harry — Se divertindo as minhas custas?

Harry parecia nervoso ao extremo, mas mesmo assim sorriu para Matthew e o respondeu.

- Vou bem, Mr. Daddario. De forma alguma, estava só pensando... você poderia nos contar os planos pro evento do começo do ano.

Matt mordeu o lábio fingindo estar pensativo. Então ele sorriu e disse.

- Eu adoraria, mas isso infelizmente vai contra os meus ideias, Mr. Shum. Você terá que esperar... só mais um pouco.

Harry fez uma expressão decepcionada e eu o acompanhei.

- Juro, e só uns dias. Talvez 2, se eu estiver - se Eme estiver - de bom humor.

- O que houve? — eu perguntei.

- Ela está com.. ontem saímos e estava tudo bem. Bebemos, falamos, era um clube..

- ...como vocês conseguem ter energia pra tanta coisa?

- Eu não queria ir — ele disse se sentando ao lado de Harry

Era mentira. Você podia ver no olhar dele.

- Certo. E o que houve? — eu perguntei.

- Ah, sim. Emeraude bebeu demais, pra variar. Em pouco tempo ela já estava cercando garotas por aí. Mas ela não deu sorte — ele respondeu.

- É por isso que ela está de mau humor?

- Não. Ela se deu bem com uma garota, beijos até demais — ele disse olhando pro campo.

- Então qual é o problema? — Harry perguntou.

- A garota estava bêbada demais e acabou vomitando na Emeraude. 

Eu e Harry fizemos uma careta.

Matthew olhou para nois dois alternando os olhares.

- Pois é. Rosto e tudo. O vômito escorrendo pelo cabe...

- Isso é o suficiente — eu disse.

Ele começou a rir.

- Na hora foi aterrorizante. Emeraude parecia que ia ter um treco. Não julgo, eu também teria.

Uau. Uau. 

Espera.

- Matthew, o que você veio fazer aqui? 

- Hum? — ele franziu o cenho.

- É mesmo — Harry concordou. — Você não apareceu aqui do nada só porque estávamos... você sabe, falando de você.

- Ah — ele parou pensativo. — Eu vim...

Então ficou extremamente vermelho e balançou a cabeça em negação.

- Eu vou embora — ele disse.

- Espera, a gente disse algo errado? — Harry disse.

- Não é culpa de vocês. Eu só lembrei de algo. Bem... — ele levantou ajeitando as roupas — Ana, me acompanha? 

- Eu? — fiquei surpresa.

- É, você. Quero falar com você.

Harry olhou pra mim e eu pra ele.

- Okay... — eu disse e levantei — até depois, Harry.

- Até — ele deu um tchauzinho.

Matt sorriu pra ele e com um "vamos" eu o segui.

------

- O que você queria? — eu perguntei o seguindo.

- Queria te perguntar algo — ele disse — Você tem algo em mente?

- Como assim?

- Um clube. Todos tem um clube. Você não vai participar de nenhum?

Clubes. Isso é uma coisa que eu tinha esquecido totalmente. Eu não lembrava desse detalhe. Na verdade, não lembro nem que me falou sobre clubes.

- É obrigatório? 

- De jeito nenhum. Ah, não estou te forçando a nada. Só queria saber.

- Ter um clube... eu não sei, ajuda em algo? 

- Aumenta notas. Digo, você ganha extras por causa disso.

- Me parece bom.

- E não é todos os dias. Além de que, você pode arranjar amigos, talvez — ele virou em um corredor e o jeito que ele se estava se movendo, dizia que conhecia aquele lugar de cabeça.

- Uou, me chamou de solitária. Obrigada — disse em um tom falso de decepção.

- Hey, não é nada disso! — ele disse apressado e espantado — Mas é que um clube é ótimo... achei que você iria querer...

- Sua cara foi ótima. E isso também parece ótimo — eu o vi suspirar e então sorrir, que sorriso, amigos. — Pensarei nisso.

- Idiota. – ele disse continuando a andar e um silêncio até que agradável se estabeleceu ali.

- Então... — ele começou.

- ...então? — eu continuei.

Ele parou até que eu estivesse ao lado dele e mordia o lábio em nervosismo.

- Como eu estava?

- Onde?

- Lá na arquibancada..

Eu parei para olhar pro seu rosto e o analisar.

Arquibancada. Arquibancada.

- Ah, vamos lá. Eu acho que me sai bem. Digo, eu não estava nervoso nem nada, ou eu só achava que não estava...?

- Do que você tá falando?

Ele soltou um suspiro e ergueu a cabeça, que eu nem tinha percebido estar abaixada.

- Esqueça — ele disse — é uma coisa minha. 

Ele começou a andar em direção a sala do conselho.

- Eu te atualizo das coisas, em relação ao evento — ele abriu a porta e olhou pra mim do canto do olho — até.

E fechou.

Ou quase. Teria fechado mas uma Emeraude furiosa saiu de dentro da sala, o fazendo recuar alguns passos.

- Cadê ele? — Emeraude perguntou.

- Ele quem? — Matt disse.

- Você sabe. O que houve? 

- Não, não sei.

- Matthew Quincy Daddario. Você foi e voltou sem nada nas mãos. Cadê sua promessa?

- Xiu, Emeraude! — ele disse desesperado e alternou o olhar pra mim e pra ela.

Ela me olhou por cima do ombro dele e um "oh" saiu dos lábios grossos e pintados de vermelho.

- Olá — ela disse com um sorriso.

- Oi... — eu sorri de volta.

- Perdoe meu irmão. Ele está confuso. Bateu a cabeça, não sabe o que fala...

Ele franziu o cenho como se não soubesse do que ela falava.

- Do que... Oh. Sim, eu bati a cabeça — e ele sorriu.

- Sim, exatamente, claro. Agora, Matt... você poderia me ajudar lá dentro. Depois que eu trocar um papo com a Ana.

Ele arqueou uma sobrancelha mas assentiu e entrou.

- Perdão novamente pelo meu irmão — ela disse com um suspiro assim que ouviu a porta fechar.

- O que foi isso?

- Minha encenação pra ajudá-lo e achar que está escondendo bem sua paixão de tempos. Está tudo bem, ele não bateu a cabeça, mas seria bom pra ver se ele toma juízo. 

- Então você está o ajudando a se iludir? Cruel — eu sorri pra ela.

 - Três papéis como rainha má e dois como malévola na escola. Eu sou cruel, huhuhuhu....

- Huhuhu?

- Eu sei. A risada era a única coisa que eu não conseguia. Mas não deixava de ser a melhor...

- Que frustante. 

- Muito — ela concordou com a cabeça – Mas enfim, onde estávamos? Ah, sim. Matthew. Você vai ver mais dessas encenações, se acostume. Ao menos até eu perder a paciência e o fazer ir falar...

Ela disse e recuou uns passos até a porta.

- Você sabe com quem.

- Não. Não sei? – desviei daquilo.

- Sim, você sabe. Se não souber é lerda. Mas sabe e se finge de lerda em respeito ao amigo. Eu também, eu também. — e entrou.

Demorei a perceber que ainda eram 14h e eu ainda tinha horas de aula. Bem, desculpe Harry, mas eu iria continuar as aulas.

Olhei meus horários no caderno e caminhei até a próxima aula. Era química e preferia morrer do que ir, mas fui. 

--------- 

Duas horas depois eu só pensava no evento que iria ter. Eu fiquei sim empolgada mas não sabia se realmente queria participar.

A minha cabeça ainda estava no processo pela noite da festa, me perguntei se eu gostaria de me misturar com um monte de adolescentes em mais uma coisa.

Talvez fosse melhor eu não ir. Eu devia dar um descanso pra minha cabeça. Prolongar ele, na verdade. Harry e Jade iriam me matar, a Katherine iria me reviver somente para me matar de novo, mas ela entenderia depois. 

Ou talvez fosse melhor sim eu ir. Digo, às vezes as coisas tem um efeito contrário, não é? Eu participar ir e se minha cabeça ficasse lotada demais eu esqueceria quaisquer outros problemas. E o melhor, eu não iria morrer.

Mas se eu não participasse, teria um bom tempo relaxando... talvez. É claro, né? Esses eventos contam como pontos extras mas eu não sou obrigada, e não devem descontar pontos ou faltas. Eu ainda poderia pensar mais no assunto com Matt sobre entrar em um clube! Nossa, eu realmente preciso de tempo pra analisar cada um.

Não, é melhor eu me juntar, definitivamente. Depois de tanta coisa eu chamaria Harry e Jade para um massagista e de tanta coisa meu cérebro automaticamente excluiria memórias infelizes e problemas. Eu estaria no paraíso.

Mas eu ainda posso fazer isso sem ir. Okay. Eu não vou. É isto. Sinto muito a todas as pessoas que botaram expectativas em mim. Eu não vou. 

- Ei! — senti uma mão no meu ombro que me fez acordar completamente dos meus pensamentos.

Jade.

- Hey... — eu respondi.

- Como você está? — Jade disse.

Eu respirei bem fundo olhando o caminho pela frente e vendo que o apartamento estava perto dali.

- Bem. Você sumiu o dia todo, o que houve?

- Ah! Pois é... — ela disse mordendo o lábio.

Arquei uma sobrancelha e prestei atenção nela.

- Você já deve saber desse negócio da escola. A questão é que, alguém conseguiu ouvir da Emeraude sobre algo de formar grupos e espalhou pra quase todo mundo. Um espalha pra outro e assim...

- Como eu não ouvi nada disso o dia todo?

E espera. Acabou mesmo que a Emeraude "liberou" informações.

- Você estava em zona de conforto. Bem, a questão é que, eu estava planejando um grupo.

- E você terminou tudo?

- Sim, está tudo perfeito!

- Você falando desse jeito até dá vontade de ir. Mas não o suficiente.

Então ela parou.

- Espera, então você não vai?

- Não — eu respondi.

- Merda. Eu não sabia — ela disse em um riso de "sinto muito".

Eu apertei os olhos e suspirei.

- Não me diga...

- Eu já meti você no grupo.

Game Over.

- Eu não sabia! Bem, é claro que eu pensei duas vezes antes de formar o time com Simon no meio, mas..

- Com Simon?

- Sinto muito, eles estavam decididos! Nem Stefan conseguiu negar.

Ótimo. Realmente mais um jogo perdido pra mim. Eu iria sim participar ao invés de relaxar e recompor meus pensamentos. E Simon faria parte do tal grupo. Eu seria obrigada a passar mais tempo com ele, resumindo. 


Notas Finais


Oi gente assistam Glee


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...