1. Spirit Fanfics >
  2. Grávida de Jeon Jungkook >
  3. Chapter Fiveteen

História Grávida de Jeon Jungkook - Capítulo 15


Escrita por: e ByunMahina


Notas do Autor


Uhum, att na sexta à noiteeeeee, espero que gostem! Está no fim, hein?

Capítulo 15 - Chapter Fiveteen


_____ Point Of View 

Yoongi, Jungkook  e Namjoon voltaram para dentro do bar, o rosto de Jeon estava péssimo. Ele tinha brigado? 
Mas a falta de alguém se fez presente, onde Lu estava? Os garotos caminharam até a nossa mesa e sentaram Jeon, com o cuidado que a masculinidade permitia ter, Nam e Yoon olharam sérios para Jin que se levantou. 

— Onde está minha Lu? — Jin perguntou olhando em volta —  Onde vocês deixaram ela? 
— Jin, sente-se, por favor.  — Jungkook pediu —  A notícia não é boa... 

Jin se sentou e eu curvei meu corpo sob a mesa, afim de ouvir melhor, estava apreensiva. 

— Lu foi levada, era para eu ir... mas ela quis se entregar. — Jeon diz com tristeza em sua voz — Ela esta com meu sogro agora e eu não quero nem pensar o que ele tá fazendo com ela nesse momento. 
— Me levem onde ela está, eu sei que ela deixou rastro. — Jin diz se levantando novamente. 
— Eu também vou. — digo me levantando e empurrando a cadeira. 

Os sete garotos me encararam, com uma interrogação, não podia deixar minha prima sozinha numa hora dessas. 

— Vamos, me dê a arma dela. — disse indo até Yoongi tirando a arma dela das costas dele e colocando em minha cintura — Vão salvar minha prima ou não? 
— Amor, olha pra mim. — Jungkook pediu e eu o olhei — Não se meta nisso, amor. 
— Uma Song, é uma Song.  Sob nenhuma hipótese deve se meter com uma Song. — digo e cruzo os braços.
— Você não é preparada como a Lu, amor. — ele pegou minha mão —  Pode se machucar. 
— Namjoon, me ajuda? — digo e ele entendeu o que eu quis dizer —  Mas não vamos poder ir agora, eles estão esperando por isso. 
— Vamos para casa, conversamos melhor — assenti. 

Saímos do bar, pagando o que havíamos consumido, entramos em dois carros. Namjoon, Jin, Yoongi e eu em um carro. Jeon, Jimin, Taehyung e Hoseok em outro. 
Nam pediu para que os garotos o seguissem, e assim foi feito, o mesmo deu partida no carro e eu olhei para trás, vendo o outro carro em nosso encalço. 

Chegamos numa casa em um vilarejo próximo de Seul, não ficava longe, mas eu juro que não sabia da existência dessa casa. 

— Onde estamos? — perguntei para Yoon que me olhou confuso. 
— Casa da Lu. — respondeu e eu franzi o cenho. 

Me contentei em não falar nada, apenas seguir os meninos em passos rápidos mantendo o silêncio. Jin abriu a porta de entrada, e logo se colocou a chorar. Era nítido o quanto estava preocupado com Lu. 

— Precisamos de um plano. — Taehyung disse assim que a porta foi fechada. 
— Eu já tenho um. — disse e eles me olharam curiosos 

 —  O que? 
— Realmente, uma Song é uma Song. — Jin riu em meio às inúmeras lágrimas que caiam de seus olhos —  Minha bebê que eu acabei de conhecer praticamente, me deixando orgulhoso. 

Jin era assim, meio "mãe" com todos e Namjoon era como se fosse nosso "pai", eles cuidavam de Lu como ninguém, e nos dois meses que estavam aqui também cuidavam de nós como se nos conhecêssemos há anos. Sorri para Jin e fui para perto dele, o abraçando. 

— Diga seu plano, _____ — Yoon pediu e eu suspirei. 
— Sabemos que Lu se meteu nessa encrenca por minha causa. — eles negaram com a cabeça — Além de eu ter uma certa desconfiança que Lu não fora levada à mando do velho, porque o velho tem medo dela. 
— Quem você acha que é, amor? — Jungkook perguntou e eu bufei — O que foi? 
— Está tão na cara, Jeon.  Vou soletrar para você.  H-E-E V-A-G-A-B-U-N-D-A J-I-N
— Mas se fosse ela, não mandaria atacar o JK. — Hoseok disse pensativo. 
— Aí que você se engana, Hobi. — Jimin disse, abrindo a boca pela primeira vez desde que chegamos aqui — Jeon foi a isca, porque ela sabia que Lu iria atrás, para salvar o amor da vida de _____.

Não precisa falar tão explicitamente, não é Park? Senti minhas bochechas esquentarem, os meninos riram, e Jeon me lançou um olhar cheio de afeto, ternura e amor. 

— Prossiga com o plano, pequena. — Namjoon me encorajou. 
— Temos que criar uma distração ao chegar no local. — disse olhando um por um daquela sala —  Eu vou ser a isca desta vez. — disse tirando a arma de minha prima na cintura — Vamos descobrir onde ela está, e eu me entregarei. 
— Esperamos eles baixarem a guarda com a sua proposta e atacamos? — Yoon perguntou e eu assenti — Boa ideia!
— Boa ideia, Hyung? Ficou louco? — Jeon se levantou —  Não vou deixar você se arriscar, ____, aquela mulher é louca. 
— Minha prima também não deveria se arriscar. — coloquei minha mão em seu rosto —  E ela fez isso hoje sem pensar nas consequências, para salvar a minha felicidade. 
— Não faça isso comigo, ____. — ele suplicou e eu dei um selinho demorado no mesmo.

— Só faço o necessário. — disse quando me afastei dele —  Vocês vão nos ensinar a atirar, certo? — perguntei e Namjoon assentiu – Vamos todos dormir, amanhã acordaremos cedo para treinar. Precisamos salvar ela. 

Eles assentiram e os meninos foram chegar os quartos, a casa era grande e eu tenho certeza de que acomodaria todos nós. Olhei mais uma vez para o rosto de meu homem, estava machucado. Suspirei e balancei a cabeça negativamente. 

— Vem, vamos cuidar disso aí.  — puxei ele pela mão até a cozinha, Lu não mudava nada, sempre deixa a caixa de primeiro socorros embaixo da pia da cozinha. 

Lu Point Of View  

Eu estava amarrada em uma cadeira, meus pulsos e tornozelos estavam doloridos pela pressão que as cordas exerciam nos mesmos. Sugoh havia me deixado sozinha, nessa sala escura que fede a mofo. Fazia mais de uma hora que eu estava aqui sozinha, e eu sabia que os meninos não viriam hoje, até porque seria burrice demais, eles estariam esperando tal ato. 
O silêncio me atormentava, mas um barulho começou a me deixar mais irritada ainda. Eram barulhos de salto-alto batendo contra o chão de madeira, anunciando a chegada de uma mulher. 
A luz da sala foi acesa e eu forcei meus olhos à se acostumarem com a claridade, tanto quanto haviam se acostumado com a escuridão. A mulher caminhou até mim, e foi aí que reconheci sua face. Era Hee Jin, a vagabunda. 

— Deveria saber que era você. Seu pai tem medo de mim, só uma dissimulada como você para não ter. 
— Vamos nos divertir até você pedir para ser solta e prometer tirar sua prima de perto do meu Jeon. — ela diz completamente enjoada — Ou eu farei você se arrepender por estar viva. 

Lancei meu corpo contra o dela, fazendo a cadeira se balança e a garota se assustar, era firme para ameaçar alguém de morte, mas para contato físico não era? Tadinha. 

— É melhor você rezar por sua vida, Hee Jin. — disse entredentes — Porque o próximo presente que seu pai irá receber vai ser sua cabeça em cima da cama dele. — disse calmamente. 

Ela veio para cima de mim e me deu um tapa, vadia. Só porque eu estou amarrada, senão ela não teria coragem. 
Outro tapa veio contra minha face, e esse doeu. 

— Suas ameaças não me metem medo! — disse em tom de deboche. —  SUGOH! 

Mais passos vieram pelo corredor e Sugoh entrou na sala, caminhou calmamente até nós duas e sorriu para a prima. 

— Sim? — perguntou ainda com aquele sorrisinho no rosto. 
— Vamos ao trabalho! 

______ Point Of View 

Passamos a manhã toda treinando e agora estávamos descansando, o plano seria colocado em ação hoje, espero que minha prima esteja sã e salva. 
Me rolei para o lado, estava deitada na mesma cama que Jeon, ele agora dormia, pois eu fiz questão de acordar todo mundo às quatro da manhã, quase que Yoongi me dá um tiro, porque ele diz que o maior ódio dele é quando alguém rouba o papel de seu despertador e o acorda.
Enfim, eram dez da manhã e nós tínhamos que estar bem descansados para poder resgatar minha prima. 

Minha mãe tinha tirado folga e disse que passaria o dia todo com Eunwoo e que eu podia ficar na casa da Lu até amanhã se eu quisesse e eu apenas assenti, quanto menos ela soubesse melhor. 

Já deu o horário e lá estávamos nós, parados na porta de um casarão bonito. Eu respirava incontáveis vezes tentando manter a casa e me lembrei que a maior protetora do meu filho e da minha vida estava em apuros. Então abri a porta do carro e corri até o casarão. 
Parei em frente ao portão, tinha dito a Namjoon que eu os atrairia para fora, para que eles pudessem pular o muro da rua detrás e entrar na casa. 
Vi os carros se movimentarem para rua traseira e suspirei aliviada, agora faria meu show. 

— HEE JIN! — gritei —  EU ESTOU AQUI VADIA! VEM ME PEGAR! — berrei agora, com vontade. 

Os portões da casa se abriram e a porta da entrada agora também estava aberta, mostrando uma Hee Jin com um sorriso sádico nos lábios. 

— Veio se entregar, amor? — perguntou sorrindo. 
— Deixe minha prima ir! — ouvimos o barulho de tiro, então eu parti para o plano B, puxei minha arma de minhas costas e apontei para Hee Jin —  Me leva até a Lu agora! 

Ela assentiu e colocou-se a andar e eu a seguia em seu encalço, sem deixar de mirar em sua cabela, um movimento em falso e adeus Hee Jin. 
Seguimos por um extenso corredor, era parecido com o corredor da morte, sabe? Onde os prisioneiro condenados à pena de morte passam antes de receber a injeção letal? Então, esse corredor se assemelhava à tal lugar. 
Ela abriu a porta revelando um Sugoh rendido, a marca de bala na parede e minha amarrada.
Maldita Hee Jin, o que ela fez com a minha prima? 

— MALDITA! — chutei a parte detrás de seu joelho fazendo a mesma se curvar, sentindo uma dor grande. — O QUE VOCÊ FEZ COM A MINHA PRIMA? 

Eu não sei qual foi o momento em que eu subi em cima da vadia e comecei a lhe dar vários socos em sua face, a mesma gritava por ajuda, mas os garotos estavam chocados demais com a cena que encontraram. Eu estava tomada pelo ódio, não enxergava nada além de borrões, e os gritos de Hee Jin pareciam distorcidos ao chegarem em meu ouvido. 
Senti braços fortes rodearem minha cintura e me tirarem de cima da vadia, que agora estava com o olho inchado, nariz e boca estavam escorrendo um filete de sangue quase, mas eu sabia que não era o suficiente. 

— Me desamarrem, por favor. — minha prima pediu fraco, mal tinha voz, talvez ela tivesse gritado demais.

Corri até ela, desatando os nós que ali estavam, Jimin tirou seu casaco e emprestou para minha prima. A mesma agradeceu e se voltou para Sugoh. 

— _____, trouxe minha arma? —perguntou e eu a entreguei o objeto —  Agora vamos acabar com a vida de um miserável que 

Lu tirou a trava de segurança, ouvimos o "click" indicando que a bala já estava no lugar correto e era só dar uma pressionada no gatilho que aquilo acabaria. 
A garota mirou na testa de Sugoh, mas antes que ela pudesse atirar, Namjoon, Jin e Yoongi foram pra cima dele. Eu senti Jeon me largar e ir puxar os meninos com Jimin, Hope, Taehyung. 
Hee Jin tentava escapar sorrateiramente, mas eu a puxei de volta para sala. 

— Onde pensa que vai? — perguntei sorrindo — Hoje acabaremos com você, irá morrer que nem seu primo agora. Vai assistir a morte dele, ouviu? QUERO VOCÊ DE OLHOS ABERTOS. SE FECHAR, VAI SER PIOR PARA VOCÊ! — ela assentiu engolindo seco. 

Virei o rosto dela em direção da Lu, que agora podia atirar livremente em Sugoh, e assim o fez. Eu não senti nada, achei que iria ficar com medo ou algo assim, mas para mim foi gratificante ver Sugoh morrer após.
Após o tiro, a arma de minha prima caiu no chão, fazendo um baque seco ser ecoado pela sala e logo depois a mesma cai de joelhos, chorando compulsivamente. Soltei Hee Jin, que estava estática com a cena que presenciou e fui até minha prima, me ajoelhando ao lado dela, apoiei seu rosto em meu ombro a ouvindo soluçar. 

— Prima, eu estou aqui, viemos te salvar. — disse e dei um beijo no topo da cabeça dela —  Eu estou aqui. Não aconteceu nada! — disse mais uma vez a apertando contra mim. 
— O que faremos com Hee Jin? — perguntou Yoongi. 
— Entregaremos para o pai dela, com uma condição. — Jeon disse. 
— Qual? 
— Que ele desfaça essa merda de acordo e casamento, nos deixando em paz. — ele disse e nós assentimos. 

Levantei Lu com certa dificuldade, precisava tirá-la dali. 
E foi aí que minha vida começou a entrar nos eixos, minhas maiores ameaças foram resolvidas, eu teria meu homem de volta para amar. Mas agora teria que cuidar de minha prima... para que ela pudesse amar seu homem novamente, Yoongi não suportaria perdê-la. 

 

 


Notas Finais


Perdoem quaisquer tipos de erros. Eu estou sem tempo de revisar, foi bem básico mesmo, então, ignorem!
Estou muito grata pelos 303 favs, aaaaa vocês são demais! 🖤

Ai gente, tadinha da Lu, passou por tanta coisa para proteger sua família. Ela merece mais que um final feliz, certo?! Ela fez muito por vocês, sim!

O que estão achando da história? Hee Jin mereceu coisa pior?! #queremosfinalfeliz

https://www.spiritfanfiction.com/historia/love-yourself-answer--park-jimin-18734391

Fic nova, vão lá, sim?
https://www.spiritfanfiction.com/historia/scream--jeon-jungkook-18765017


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...