1. Spirit Fanfics >
  2. Gravity >
  3. Capítulo Único

História Gravity - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


ola baitolas essa fic ganho cerca de 1k palavras no ultimo minuto apenas porque eu quis e nao ninguem pediu renyong mas eu faço as regras por aqui ok ALIAS essa fic foi todinha inspirada pelas fotos nas quais a @Lilica1258 me marco e portanto eu vou deixar o link nas notas finais pra voces olharem antes de ler e é isso fique em casa paz

Capítulo 1 - Capítulo Único


“O que você tá fazendo aqui, Taeyong-hyung?” Renjun questiona enquanto fecha a porta atrás de si e garante que ela está bem trancada. Ele ouve uma risadinha sapeca e então o barulho surdo de Taeyong andando pela sala. “Por quê? Você não gosta de me ver por aqui, baby?” Taeyong está sorrindo do jeitinho mais provocativo possível quando Renjun enfim se vira para ele e Renjun só não faz algo para limpar esse sorrisinho da boca dele imediatamente porque acaba preso na bela imagem que Taeyong fornece hoje. Ele parece o pecado mais sujo de Renjun sentado sobre a mesa do outro lado da sala praticamente se exibindo com suas roupas escuras e apertadas. “Não é isso” Renjun murmura “Mas você tá me distraindo parado lá vestido assim e eu preciso gravar”.

Taeyong ri de novo, a cabeça pendendo para o lado deixando mais exposto ainda o pescoço que Renjun ama marcar com a boca e as mãos, e então chama Renjun para próximo com os dedos. Renjun sabe que é perigoso ficar perto de Taeyong agora, mas ele está frustrado demais para ligar e quer muito Taeyong ao alcance das mãos, portanto logo ele está atravessando a sala até Taeyong, se encaixando entre as pernas dele e o agarrando pela cinturinha delicada. Taeyong tem as mãos em cima dele de imediato também, deslizando do peito para os ombros e para os braços. “Você tá sexy vestido desse jeito...” Taeyong comenta distraído, parecendo fascinado como antes quando observava por detrás das câmeras enquanto Renjun e os outros tentavam gravar.

“Eu sou sexy” diz Renjun ainda que seu ego esteja tão inflado que ele praticamente sinta o gosto doce disso na boca. Taeyong cantarola baixinho para a afirmação e Renjun sente os dedos dele alcançando seus cabelos, segurando com firmeza as mechas coloridas da nuca. “É verdade, Renjunie, você é sexy pra caralho” Taeyong se inclina um pouco em seguida e puxa Renjun pela cabeça mais para frente, faz com que respirem o mesmo ar e Renjun tenha a chance de olhar de perto os olhos profundos e bonitos dele. Com certeza Taeyong tinha a intenção de começar algo aqui, porém Renjun toma a oportunidade antes que ele sequer tente: ele puxa Taeyong pela cintura para mais próximo ainda e avança, toma os lábios doces dele num beijo agressivo e sedento.

Quando enfim se afastam Renjun está ofegando e tem um Taeyong molinho enfiando os dedos sob sua jaqueta numa clara tentativa de se livrar da peça. “Não podemos fazer nada aqui, ouviu?” as palavras escapam de Renjun fracamente enquanto ele não só deixa Taeyong empurrar a jaqueta para baixo como o ajuda a removê-la de vez, o lado sensato dele incapaz de dominar o lado frustrado que quer Taeyong agora mais do que qualquer coisa. Taeyong concorda vazio e desinteressado, tirando a própria jaqueta preta pesada e largando sob a mesa. “Eu vou ficar quieto” é tudo que ele declara, como se ele fosse realmente capaz disso. Renjun ri então, agarrando os cabelos de Taeyong e puxando para trás até poder roçar os lábios pelo pescoço nu dele.

“Você não fica quieto nem quando eu mando ficar, neném” Renjun pressiona os dentes no pescoço de Taeyong, mordisca a pele delicada só o bastante para arrancar um gemido doce alheio. As mãos de Taeyong agora apoiadas nos ombros de Renjun se movem com isso, deslizam pelo peitoral e o tronco de Renjun até alcançarem o cinto preto que ele usa hoje. “É só você ocupar a minha boca” a sugestão faz coisas para Renjun e não só porque a voz de Taeyong soa dengosa, mas porque a ideia de pôr Taeyong pra mamar agora parece um sonho delicioso. Renjun rosna sem querer, a mão segurando Taeyong pela cintura aumentando o aperto. Ele pode sentir o desejo vibrando sob a pele, a tensão sufocando todo seu senso de responsabilidade.

Renjun desliza o nariz pelo pescoço de Taeyong à seguir, desce pela pele quente enquanto puxa a camisa frágil dele para cima. “Não temos tempo” argumenta Renjun enquanto finalmente se livra da maldita camisa reveladora de Taeyong e sente Taeyong abrir seu cinto preto. Taeyong geme descontente e então envolve as pernas dele ao redor do quadril de Renjun, apoia os braços sobre a mesa e se inclina para trás até estar se exibindo para os olhos sedentos de Renjun. A garganta de Renjun seca e ele agarra a cintura de Taeyong, pressiona os dedos com raiva na carne. “Você não quer que eu te chupe mesmo, Renjun-hyung?” Taeyong é baixo e terrível quando quer e Renjun devia saber que o merdinha arriscaria tudo assim.

Puta merda” Renjun sibila em chinês enquanto as frágeis restrições dele quebram de vez e ele puxa Taeyong de volta para perto, próximo o suficiente para encarar os olhos travessos dele diretamente antes de beijá-lo de novo. Dessa vez Renjun quase força Taeyong a se submeter, usa da língua e dos dentes até estar engolido os barulhinhos delicados dele e ter as mãos dele agarrando seus braços com força. “De joelhos aqui na minha frente” diz Renjun assim que termina o beijo profundo, já se libertando do aperto das pernas de Taeyong e se encostando no espaço livre da mesa bem ao lado dele. Taeyong não hesita um segundo, pula da mesa e se ajoelha diante de Renjun como se tivesse esperado o dia todo para isso.

Assim que Taeyong está devidamente acomodado, Renjun alcança o rostinho bonito dele e o empurra para cima para que possa olhá-lo melhor. Ele suspira. Taeyong fica devastadoramente bonito com os olhos maquiados e o cabelo todo desfeito porém tudo que Renjun pode imaginar agora é o quão mais bonito ele vai ficar com o rostinho vermelho e a maquiagem dos olhos bagunçada. “Se você não me fizer gozar a tempo, você vai me pagar por isso depois” é uma ameaça séria e Renjun sabe que Taeyong recebeu o recado quando percebe os olhos dele escurecendo mais, cintilando de tesão com a ideia. O bufo que escapa de Renjun é mais de diversão e escárnio do que qualquer coisa. “Você é mesmo uma cadelinha masoquista, ein?” Taeyong apenas ri em resposta.

À seguir, Taeyong leva as mãos ao quadril de Renjun e desfaz o zíper da calça dele, puxa a peça para baixo apenas o bastante para que Renjun sinta um pouco de alívio com a diminuição de pressão em cima do pau meia bomba que tem dentro da boxer. “A pausa tá acabando, eu não enrolaria se fosse você, amor” Taeyong concorda docilmente para isso antes de levantar o olhar para Renjun e enfiar a mão dentro da boxer dele, envolvendo o pau dele com uma mão e puxando para fora das roupas. Renjun morde o lábio para conter o gemido que vem a boca, não só porque o toque de Taeyong é bom mas porque ele parece bonito demais fazendo isso e Renjun é fraco. Taeyong parece apreciar a reação dada visto que ele morde o próprio lábio vermelho também.

A mão de Taeyong começa a se mover então, rápido e intenso, do jeitinho que deixa óbvio que ele quer Renjun completamente duro antes de começar de verdade. Renjun se vê obrigado a segurar Taeyong pelo cabelo enquanto morde o lábio com mais força, o prazer delicioso enchendo suas veias rápido demais. “Começa a usar a boca, Yongie” Renjun empurra Taeyong para a frente tão gentil quando pode gerenciar, a questão do tempo e do lugar pressionando seus ombros. A mão de Taeyong para de se mover prontamente e, com um último olhar para Renjun, Taeyong se inclina para obedecer como o bom garoto que ele pode ser quando quer. Então os lábios macios dele enfim encostam na cabeça úmida do caralho de Renjun, causam um arrepio de tirar o fôlego.

À seguir Taeyong está depositando beijos úmidos pela pele quente que pode alcançar enquanto os dedos atrevidos trabalham na extensão de Renjun. Ele é cuidadoso e ágil e Renjun não consegue desviar o olhar apesar dos arrepios de prazer o tentarem o tempo todo. Taeyong não demora muito brincando assim, no entanto, e logo está enfiando na boca molhada a cabecinha de Renjun, afundando a extensão entre os lábios vermelhinhos. E é delicioso, a fricção e a sensação macia e molhada deixando Renjun trêmulo de imediato. “Não enfia tudo na boca, você ainda tem t-trabalho” Renjun avisa com o resto de lucidez que possui. Taeyong abre os olhos, o encara por um curto momento parecendo o epítome de putinho sujo, e então silenciosamente concorda.

Em seguida Taeyong toma na boca macia mais algumas polegadas do cacete de Renjun e começa a chupar, a cabeça balançando sob o aperto de Renjun e a língua esperta traçando as veias do pau dele religiosamente. Os arrepios de prazer aumentam pelo corpo de Renjun imediatamente e ele começa a morder o interior da bochecha com força para se impedir de gemer alto, os olhos fixos em Taeyong e em como ele parece devasso mamando tão bem. “Você tava mesmo querendo me mamar, ein?” Renjun sibila entre dentes assim que a primeira gota de pré-porra aparece, a mão livre descendo para cutucar a bochecha de Taeyong bem onde supõe que seu caralho esteja acomodado. Taeyong balbucia abafado para isso, pressionando a língua na fenda sensível da cabecinha de Renjun.

O movimento delicado tem um efeito devastador e Renjun treme com a onda de prazer que o atinge direto no núcleo, a boca caindo aberta ligeiramente e os olhos embaçando por um segundo. “Eu sempre quero mamar no pau do hyung” Taeyong tira o pau de Renjun da boca e murmura bem sobre a cabecinha dele, a língua espertinha esbarrando na fenda molhada dele antes de deslizar por toda a pele sensível. As pernas de Renjun tremem com o combo de provocações e ele puxa o cabelo de Taeyong com força o bastante para fazer ele choramingar e reclamar baixinho. “O tempo tá acabando, gracinha, termina isso” a voz de Renjun mal faz seu caminho pela garganta seca dele, porém o tom escuro parece fazer efeito certo pois Taeyong volta ao trabalho imediatamente.

Logo Taeyong está chupando Renjun como o profissional que ele é, fazendo-o ver estrelas a cada vez que desliza a língua ao redor do cacete dele e causando-lhe tremores a cada vez que roça os dentes na carne delicada. “Eu quero gozar na sua boca, v-você vai engolir tudo?” Renjun pergunta assim que sente as suas gotas do pré-sêmen ocasionais se tornarem mais fluidas e percebe os olhos embaçarem com mais frequência. Taeyong não o reconhece de imediato, ocupado demais chupando com vontade e esfregando uma mãozinha nervosa entre as pernas, mas eventualmente diminui o ritmo, olha para cima e concorda silenciosamente com a questão feita. “Merda de putinho gostoso” Renjun pragueja em chinês, a respiração falhando porque Taeyong está bonito demais agora.

A partir daí não leva muito tempo para Renjun gozar e quando ele enfim o faz o orgasmo que o atinge é extasiante o bastante para que ele machuque a boca tentando conter seus gemidos. Ele desliza para o chão assim que as sensações do orgasmo se esvaem por completo, senta diante de um lindo Taeyong bagunçado cuja boca inchada está suja de porra e saliva. “Você terminou, amor?” Renjun esfrega os dedos pelos lábios machucados de Taeyong, reunindo porra quente no indicador só para que possa alimentar Taeyong um pouco. Taeyong limpa o dedo dele antes de balbuciar afirmativamente e subir em suas coxas todo preguiçoso e molinho. “Sem dormir” Renjun acolhe Taeyong nos braços “Você tem que se arrumar e eu também”.

“Eu sei, hyung” Taeyong enfia o rostinho no pescoço de Renjun então, se encolhe todinho no colo dele como se nada mais importasse no mundo. Renjun suspira descrente e abre a boca para chamar a atenção de Taeyong de novo, apenas para ser interrompido por um par de batidas rápidas na porta. “Renjun-ssi, vamos voltar a filmar agora. Esteja no set A em dez minutos, entendido?” a staff não espera respostas e sai de imediato, o barulho dos passos dela desaparecendo em segundos. “Tenho que ir trabalhar, você ouviu?” Renjun coloca Taeyong sentadinho no chão e começa a rapidamente se organizar, vestindo a jaqueta de volta e prendendo o cinto, usando o celular para arrumar o cabelo e o rosto suado da melhor forma possível.

Assim que está decente o bastante Renjun se vira para Taeyong para tomar conta dele apenas para encontrá-lo de pé com as roupas razoavelmente arrumadas e um bico manhoso na boca corada. “O que foi?” ele para diante de Taeyong e abraça-o pela cintura apertado, incapaz de resistir quando ele parece tão carente e amuado. Taeyong nega com a cabeça e dá um beijinho na bochecha de Renjun, murmura baixinho que o tempo de Renjun está acabando e ele precisa ir. “É sobre a roupa?” Renjun chuta, roçando o nariz pelo queixo de Taeyong. A resposta que recebe é uma mão puxando a barra de sua jaqueta e um murmúrio de eu gosto delas, hyung. “Tudo bem então, amor” diz Renjun divertido “Eu vou dar um jeito de levar elas pra casa comigo”.


Notas Finais


e o biscoitinho da submyeon vai rolar ou nao rs mas ei eu tenho alguns informativos pra dar entao se voces puderem prestar atençao seria daora demais ok:
a) eu decidi parar de responder as respostas de comentario :( as novas diretrizes sobre a seçao de comentarios sao rigidas e complicadas e as infraçoes a elas podem chegar a banimento :( acho que esse é o caminho mais seguro pra mim que ja tive uma fic derrubada e um conta banida ok? sinto muito DE VERDADE porque eu amo ficar de conversa nos comentarios :(
b) eu escrevi uma fic iconica da qual to muito orgulhosa e quase ninguem vai ler por causa do shipp mas fodase ela é meu novo tesouro e sim talvez eu poste uma previa pra voces se voces quiserem?
c) o tweet https://twitter.com/railuvlele/status/1255695139021914114?s=20


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...