História Guardião Da Galáxia - Imagine Chanyeol - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Boa Leitura, Cherries. <3

Capítulo 5 - Capítulo 05


Fanfic / Fanfiction Guardião Da Galáxia - Imagine Chanyeol - Capítulo 5 - Capítulo 05

Chanyeol continuou por dois dias ainda no mesmo local, após a garota que para ele era estranha diferente de todo o sexo feminino conhecido, seguiu uma certa direção sumindo da vista dele.

Ainda se aquecendo na pequena fogueira que havia feito usando do seu poder e alguns galhos secos, pensou no dia seguinte em como sairia dessa roubada, sua nave destruída não dará a chance dele voltar ao seu mundo, muitos menos servirá de mordida, portanto, se acomodou com o que tinha no momento sendo a si mesmo e sua positividade de que tudo terá um final bom, foi quando avistou algo brilhando no chão. Levantando com cautela, pegou o pequeno vidro de espelho quebrado, assim teve a própria imagem diante dos seus olhos cometendo um pequeno surto, após perceber seus traços e aparência estranha, o cabelo comum demais e os olhos na cor natural de como era os daquela garota perturbada.

— Fui exposto a radiação, só pode ser isto.

Passou a andar de um lado para o outro, se olhando naquele espelho pequeno a cada um segundo, esperando que sua aparência volte ao normal não se agradando em nada em como estava.

— Que planeta estranho é esse ? — Questionou irritado e confuso, antes de resolver explorar o lugar até chegar em uma parte mais plana conhecida como rua, nesta a qual um caminheiro quase passou por cima do rapaz gigante freiando bem em cima do mesmo que não esboçou sequer uma reação comum, de quem escapou por um fio da morte.

— Rapaz, preste atenção quando for atravessar a rua. Ainda mais sendo de noite. — Pediu o senhor idoso, percebendo o quão confuso e perdido aparentava Chanyeol. — Se perdeu ?

— Como ? Não… Quer dizer, essa é a terra mesmo ?

— Pergunta estranha, mas sim. Bebeu ? Não parece ter bebido. — Se aproximou um pouco buscando cheiro de álcool, nada além de fumaça. — O que estava fumando ?

— Fumando ? Nossa, a terra tem cada gíria.

Chanyeol ria sozinho, assustando um pouco o idoso que não teve outra alternativa a não ser levar ele na delegacia mais próxima, talvez um familiar estaria atrás do jovem.

Chegando já naa regiões movimentadas devido a correria cotidiana das pessoas, os olhos de Chanyeol esbugalharam com tamanha iluminação e em como o meio de transporte era diferente do planeta dele, sem falar em como a humanidade se vestia. A aparência da cidade chegava a ser um tanto parecida como seu mundo, no caso da agitação.

Sua testa se franziu, ao ver um homem passar ao seu lado falando ao celular, a curiosidade do que seria aquele pequeno aparelho fez ele seguir a pessoa, retornando os passos assim que o idoso agarrou seu braço lhe levando na delegacia mais próxima. Entraram no local e outra vez o simbolar do fogo se admirava, compreendeu se tratar de um lugar onde infratores são presos, após bater os olhos em um homem que passou algemado.

— Eu não cometi traição.

É como em seu mundo é julgado, o que leva alguém ser jogado na cela ou até mesmo morto.

— Estamos aqui para achar o responsável por você, se acalme.

— Responsável por mim ? Tipo, alguém da terra ?

O idoso assentiu e indicou a cadeira para ele sentar, frente a frente com o delegado daquele turno, em meio a isso Chanyeol em quem faria mais sentido ser o responsável por ele. Na sua cabeça veio a imagem de S/N, a primeira humana que teve contato e ajudou ele.

Porém, não sabia sequer seu primeiro nome imagina o segundo, sem falar o quanto é vazio o que sabe dela.

— Uma moça.

— Nome ? — Perguntou o delegado prestes a anotar na caderneta, mas foi tão vago que um semblante confuso se apossou do rosto de Chanyeol. — Estou aqui para ajudar, pode confiar.

E, como obra do destino, um emprego noturno de entregadora que ela havia conseguido com a amiga, assim que retornou do seu trabalho da faculdade, fez com que a próxima entrega fosse feita naquela delegacia onde dois policiais de plantão pediram por frango frito, não demorando muito para ela surgir no momento exato das perguntas do delegado. S/N entrou erguendo as sacolas em mãos, gritando como forma de anunciar que pedido tinha chegado, não atraindo apenas a atenção dos policiais como a de Chanyeol o qual olhou para trás curioso com o escândalo da pessoa.

— Essa moça! — Disse confiante após retornar seu olhar ao delegado, ele não parecia acreditar já que S/N parecia tranquila fazendo seu trabalho.

— Tem certeza ?

— Tenho. Uma criatura estranha..

Então, não esperando muito chamou ela que confusa caminhou na direção dela, levando um imenso susto quando Chanyeol revelando sua figura.

— O rapaz afirmar ser responsável dele. Concorda ?

— O quê ? Digo, não sei o que dizer, é que… — Praticamente gritou. — Não estou entendendo nada, delegado.

— Preciso que assine aqui.

Como ela estava confusa não compreendo nada, apenas assinou e o delegado liberou eles, S/N não esperou muito para sair correndo daquele lugar como se tivesse cometido um crime, hesitando continuar os passos após lembrar em como poderia encontrar aquele rapaz pela segunda vez, logo a terceira vez quando Chanyeol surgiu na frente dela.

— Então, serva. Onde poderei dormir ?

— Como é ? Aliás, por que está me seguindo ? — Empurrou o corpo dele e tentou seguir caminho, mas escutava os passos do mesmo seguindo ela. — Eu não te conheço, cara. Me erra!

— Serva alguma precisa me conhecer, apenas me servir.

S/N parou os passos e virou-se rapidamente, se assustando quando bateu de frente com ele e, se não fosse pela diferença na altura, seus lábios poderiam ter tocado os dele.

— Não tenho o privilégio de servir nem a mim mesma, porque faria isso por você ? — Ergueu uma das sobrancelhas, vendo ele ter a resposta já que sorriu.

— Meu primeiro contato humano foi com você, no caso, é a responsável por mim! — Disse convicto daquilo, esperando ela seguir caminho para que assim fosse atrás.

O caminho todo de volta ao estabelecimento onde ela trabalha foi assim, ele a seguindo sem hesitar por um segundo e, chegando no local ficou ao lado de fora observando ela lá dentro trabalhando através do local ser todo vidrado dando visão perfeita.

Ficou em pé na na calçada, sempre mantendo seu olhar focado ao dela, assim não perderia S/N de vista. Com minutos longos após na mesma posição, sentiu gotinhas estranhas caindo do céu, não compreendeu o que seria, afinal, no seu mundo não existe chuva baseada em como é a da terra, portanto, continuou do mesmo jeito não se importando em como estava ficando encharcado e com frio.

— Aquele rapaz bonito espera por você ? — Uma outra funcionária da mesma idade de S/N, perguntou a ela.

— Não. Não faço a mínima idéia de quem seja.

— Ele é muito lindo, meu Deus.

— Para de babar, essas mesas não vão se limpar sozinha. — Advertiu, deixando tudo limpo para amanhã.

Foi quando seu olhar se ergueu e seu coração que às vezes mesmo sendo de pedra, sentiu pena por enxergar Chanyeol como um bobo naquela chuva, algo nada normal de se fazer. Então, deixando o trabalho de lado pegou o guarda chuva e foi até ele, chegando com os sermões.

— Qual o teu problema ? Geralmente, quando a chuva chega se costuma fugir dela. — Diante daquela tempestade forte, ela precisou gritar colocando medo no rapaz que costuma não se apavorar com nada.

— Esperava por você.




Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo. Até mais, bb's. <3

Meu perfil @Meiyeol


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...