História Guardiões de Alma - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Guardiões De Alma
Visualizações 6
Palavras 4.805
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Fantasia, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura a todos
E a imagen e a ensignia do broche que os cadetes receberam

Capítulo 10 - Guerra a Caminho?


Fanfic / Fanfiction Guardiões de Alma - Capítulo 10 - Guerra a Caminho?


Lucas parou  em frente ao quartel, a procura dos amigos no meio de tantos cadetes, ao avistar  os cabelo compridos  negros com mechas azuis de Anthony  se dirigiu aos amigos.
  - O que aconteceu? Porque ainda estão todos aqui? – perguntou olhando para Anthony  que ainda não  estava com o uniforme.
 - O patrulhamento  foi cancelado, no lugar disso teremos uma reunião da emergência – falou  o moreno de mechas.
 - Todos os cadetes do terceiro ano foram chamados, já os oficiais foram todos para o patrulhamento. – completou Dimy
 - Isso é  muito estranho – falou Lucas olhando em volta.
 - Você  também  esta muito estranho – disse Dimy.
 - O que aconteceu Luk ? – perguntou Anthony 
 - Não  sei bem, to tentando  entender ainda – disse Lucas cruzando os braços.
 - Boa a Noite a todos temos apenas um comunicado a fazer a vocês depois estão  liberados - disse uma das mulheres responsaveis pelo treinamento dos Alunos da academia e aspirantes a Guardios.
 - Estamos aqui para discute com vocês  fatos recentes dos Continentes de Serenety, sei que muitos notaram  que tem havido muitas invasões  recentemente, e a movimentação  dos Loyros no plano  material tem aumentando  e por esse motivo tomamos uma decisão – disse um homen  vestido uma túnica verde cabelos compridos negros e duas espadas presas na cintura, que estava ao lado da mulhee - Estamos cancelando a presença  dos alunos  da Academia Arusis  nas patrulhas. Não  podemos mais garantir a segurança  de vocês.
Sussurros  de descrença foram ouvidos pelos jovens.
 - Disponibilizamos a muitos alunos da academia a possibilidade  de fazerem parte da equipe de patrulhamento, assim aumentando o preparo de vocês, coisa muito útil para aqueles que querem seguir a carreira de Guardiães  de Alma, hoje precisamos suspender isso. Cada pelotão  de patrulhamento era formado por um oficinal  de alta patente e vários aspirantes e um ou dos alunos. Mas  com o aumento de invasão a necessidade  de oficiais  aumentou, por isso estamos encerrando a participação  de vocês no esquadrão - continuou a falar o homem.
 - Aqueles que mesmo assim desejarem fazer parte do esquadrão  procurem o ofício  responsável, pelo seu pelotão. Se eles aceitarem a permanência  de vocês. Aqueles escolhidos receberão  a patente de aspirante. Pensem bem se é  isso o que realmente querem. Por que ao escolherem  fazer parte do esquadrão, deixaram de ser alunos e passaram a sem de fato oficiais. Estão  todos dispensados – completou Leonard. 
 - Vou atras do Capitão  Morgan, eu vou continuar no esquadrão – falou Lucas.
 - Não  só voce nê – rebateu Anthony bufando. Dimy fez aceno afirmativo com a cabeça  e segui os amigos
Avistaram o capitão  da primeira divisão  de reconhecimento e proteção  da Sacerdotisa no continente  de Serenety, Morgan Meredith  e em volta desse vários outros jovens uns vinte no total.
 - Capitão – comprimento Anthony batendo continência. 
 - A vontade , estava me perguntando quando vocês  chegariam – respondeu ele sorrindo - Não  preciso dizer que aceito, a solicitação  de permanência de todos vocês  no meu esquadrão – completou  ele sorrindo – os outro que fizerem o pedido apos a meia noite serão  recusados. Façam  uma fila tenho algo para vocês – disse ele, que nas mão  tinham vários broches com a figura de um quadrado inclinado dividido em quatro partes e com um circulo no seu centos*
 - Com esses broches torno todos vocês membros do primeiro esquadrão  de reconhecimento  e defesa  da Sacerdotisa no continente de Serenety  o continente que estamos  atualmente – disse ele passando  de um jovem para outro entregando a esses os boches.
Depois disso voltou a frente do seu pelotão.
 - Muito bem, agora todos vocês repitam comigo. Juro fidelidade e coloco a segurança da sacerdotisa  Anika  antes da minha. Protegerei o meu continente e todos os outros quatro enquanto respirar.
Todos os jovem presentes  repetiram isso, ao terminarem de proferi essas palavras seus broches brilharam intensamente.
O capitão  Morgan  sorrio em quanto dizia. – É ótimo ver que aqueles a qual depositei confiança  estão  realmente falando a verdade, esse brilho no broxe de vocês  e a confirmação  disso.
Os jovens se entreolharam abismados, o broxe estava com um feitiço  da verdade.
 - Muito bem, agora iremos para a verdadeira reunião, fiquem juntos e me sigam – disse o capitão  se encaminhando para o quartel na porta desse um homem espera. 
 - Boa a Noite a todos vamos da início  a reunião, mas antes disso tenho uma aviso e uma notificação  a fazer. Prestem bem atenção – Falou Jeremy o General de Brigada do Patrulhamento  de Arusis - Nada que for discutido  nessa reunião  poderá se discutido ou comentado com a qualquer pessoa que não  seja aquela que passar pela porta. Esse é  o aviso, para notifica-los que um feitiço  de segredo foi colocado, para garantirmos isso. Então  só entrem se forem respeitar isso – completou ele dando as costas aos cadetes e entrando na sala de reunião. 
Muitos cochichos foram ouvidos, Lucas, Anthony  e Dimy se entreolharam fazendo um gesto afirmativo entre eles e seguiram para a sala. Cadeira tinham sido espalhadas por toda a sala no em frente a essas cadeiras de esplanadas altas  tinham sido colocadas com sua frente para essa onde outros oficiais  estavam sentados, Jeremy  caminho para a cadeira desocupada e sentou, esperando todos os jovens adentraram  o local e se sentarem. Quando por fim todos estavam sentados e em silêncio. Um homem se levantou ele vestia uma túnica  azul claro amarrada  na cintura uma espada presa a essa, seus cabelo negros compridos estavam presos em uma trança, olhos também negros. 
 - Muito bem, você  receberam autorização  de Capitão  do seu esquadrão  por isso estão aqui, mas lembre-se  nada que foi dito aqui deve ser discutido com ninguém alem dos que estão  presentes.
Lucas olhou para todas as cadeiras ocupadas que estava sobre um mini-palanque, so conseguia sentir  um poder espiritual  vindo de la, do homem sentado na ultima e quinta cadeira da direita para a esquerda. Será que ele tinha tanto poder que não  conseguia conte-lo? O que só queria dizer o quanto aquelas pessoas eram fortes, algo muito estranho estava acontecendo.
 - Vamos começar  pelo princípio, vocês  sabem como era o Nosso plano espiritual antes da sacerdotisa? – perguntou  um homem  que estava sentado no cento das cadeiras posicionada essas que era ocupadas pelas pessoas do auto escalão.
- No princípio  era escuridão, como diz os mortais nossas terras eram assim. Sim o sol nascia e se punha mais nem seu brilho era pário para a escuridão  que vivíamos, os Loyros dividiam espaços com os espíritos  que não  tinham abdicado do seus sentimentos nos os Iluminados, era um suplício. Ate que um dia a natureza e os elementos escolheram  uma pessoas ou melhor uma criança – disse o homem de pé - Essa criança  possuía o espirito diferente de todas as outras, ao contrário do homem que comandava a escuridão, ela era pura  luz.
 - A luz absoluta – sussurrou Anthony  ao lado dos amigos.
 - Cinco  homens escolhidos por essa criança  ainda pequena, foram elevados para protege – la os primeiros guardiãs  de Alma, da alma dela. Eles a esconderam ate que ela tivesse idade suficiente para escolher, e ela escolheu. Sim a sacerdotisa  Anika Arusis escolheu proteger todo o continente. Ela foi ate o monte mais alto e rezou um uma semana inteira, rezou pela purificação  de toda a nossa terra, no pé desse monte quatro dos cinco guardiães que a protegiam lutavam arduamente para não  deixar nenhum  dos loyros chegar a ela. Só que no pico mais alto onde a sacerdotisa  orava seu quinto e fiel guardião a protegia do rei das sombras, quando o rei se viu derrotado pelas oração  sem vacilação  da sacerdotisa  e pelo seu guardião  esse fugiu. Desse dia em diante a barreira de proteção  da sacerdotisa  existe. Depois disso mais cinco pessoas foram escolhidas para auxilia- la.  As escolhidas são como a chamamos, e com as cinco escolhidas mais cinco guardiães para protege-las. O trabalho das escolhidas e mantes e fortificar a barreira existente no seu continente.
 - Continente  de Alexandria, com a escolhida Loret, Continente  de Marcelia com a escolhida Marguerita,  continente  de Serenety com a escolhida  Flora, Continente  de Presalia com a escolhida Aline e o continente central de Lótus  onde reside a sacerdotisa  e seu guardião. Recebemos a  visita de um dos guardião da sacerdotisa  nessa madrugada.
Múrmuros de espantos foram ouvidos por todo o espaço, visita de um dos protetores  da sacerdotisa? Algo muito ruim devia esta acontecendo. Afinal eles sempre se mantinham nas sombras. 
- Eles vinheram alerta que equilíbrio  não  estava bem,  e nos pediram para aumentar as patrulhas e deixar todas as tropas de prontidão,  mais e mais invasões  estão ocorrendo, não queremos gerar  pânico  só ficarmos alertas, por isso vocês foram escolhidos entre todos os outro. Sabemos que fizeram suas escolha, mas pedimos que pensem melhor se querem seguir esse caminho e nos deem a resposta amanha. Sim talvez estejamos a véspera de outra guerra como a antiga e talvez não, ninguém sabe realmente. Pensem bem no que querem fazer.Talvez tenhamos que ficar ate mesmo conta os lideres e reis dos  continente, já que os Guardiões  de Alma so respondem a Sacerdotiza. O feitiço  de segredo continuara fazendo efeito mas a escolha ainda é  de vocês – falou o homem que não  tinha se apresentando sentando.
Lucas, Natan e Dmitry se olharam  não foi preciso falar um palavra eles já se conheciam muito bem, o juramento não  tinha sido em vão. Eles não  iam voltar atras. Iriam proteger a Sacerdotisa e seus continentes.
 - Vocês  estão  dispensados amanha aqueles que querem continua assinam a lista que esta na porta de entrada, os que não  assinarem avisamos que seus broches vão sumir.

Todos os jovem presentes na sala, se levantaram e começaram  a sair.
 - Matheus, Lucas, Dimy, Anthony, Edgar fiquem – disse o capitão  Morgan ao ver os rapazes levantarem. Os rapazes citados a cima voltaram a sentar, enquanto a sala ficava vazia, Lucas olhou para o lado o mesmo acontecia com outros capitães. Esses sentaram se nas cadeiras enquanto alguns outros membros do seu esquadrão ficavam ao seu lado. Nas cadeira em frente para essas ninguém se mexeu, ate todos os outros ocupantes saírem. Depois disso o homem que havia feito todo o relato e que estava sentado na terceira cadeira  das cinco estalou o dedo, as portas e janelas antes abertas se fecharam, as tochas que estavam atras das cadeiras sobre o nimi palanque  se apagaram. Esse mesmo homem se levantou pegou uma cadeira desocupada e sentou nela deixando a cadeira que esteve sentado ate a pouco tempo desocupada entrelaçou os dedo apoiando os braço no braço  da cadeira  e esperou. Lucas sentiu o coração  acelerar  algo iria acontecer sentia isso  na atmosfera do lugar, notou  que assim como ele ninguém tirava os olhos da cadeira desocupada. Lucas piscou e logo depois disso se arrependeu, a cadeira antes desocupada agora tinha uma pessoa sentada.
- Merda – disse Anthony  em um sussurro bem audível  na sala silenciosa.
Um gargalhada foi ouvida da cadeira agora ocupada. Todos olhavam abismados  a pessoa sentada na cadeira, o manto  negro e capuz negro lustroso com runas bordadas em fios prateados.
 - Boa noite a todos, sou Gregório um dos cinco guardiões da Sacerdotisa, vim aqui hoje responder algumas das duvidas de vocês – falou ele com voz firme porei melodiosa.
 - Obrigada por sua visita e gentileza. Sou Bernardo Lerov, Major do exército  de Guardioes do continente de Marcelia. Realmente temos muitas duvidas sobre o atual estado dos nossos continentes. Pode nos fazer um resumo  do que esta realmente acontecendo?
 - O senhor da escuridão  voltou  a se mover, do lado de fora da barreira de proteção há muitos e muitos Loyros reunidos sobre o seu comando, eles estão atacando  a barreira sem para, e muitos daqueles que conseguem atravessa la, estão de posse da pérolas  de Lótus.
 - O quê, mais isso não  é possível – disse o homem de quimono verde.
- Nada é impossível  quando falamos do senhor das sombras, e com certeza corromper  um dos habitante  de Lótus, para conseguir as pérolas não  é difícil – rebateu o homem de capuz negro.
 - O que eles estão  contrabandeando para dento da barreira?
- Generais e lordes Loyros – foi a resposta  firme.
Mais murmúrios  de negação  e surpresa  foram ouvidos pela sala.
 - O que a sacerdotisa está  fazendo em relação  a isso? Afinal  é obrigação  dela zela pela barreira de proteção !! – falou um homem que estava sentado na ultima cadeira das cinco. O mesmo homem que a um tempo atras Lucas havia achado que ele era forte de mais para ocutar seu pode, porem agora so o achava um idiota.

- Obrigação  dela? Como ousa falar assim, depois de todo o sacrifício  que Anika tem feito por todos vocês, dos presentes aqui você  Ricardo Derub, e o único que não  tem moral para falar nada, afinal você  nunca lutou contra um Loyro, sempre pagou por proteção. – Foi a resposta fria e sem emoção  de Gregório. 
Um frio tomou conta de toda a sala uma áurea  de poder  emanava do homem de capuz.
 - A sacerdotisa luta contra os loyros desde que tem três anos.  Aos seis anos ela foi ao monte Lótus, perdeu  mãe  e irmãos  para proteger vocês, e você ousa falar assim? – o homem de capuz não  se moveu mais o poder que o rodeava  fez com que muitos se ajoelhassem – Um de vocês ou vários  estão vendendo  pérolas  de Lótus para o Senhor das sombras, e você ainda joga a culpa na sacerdotisa? 
- Eu, eu sinto… - tentou se desculpar Ricardo de joelhos no chão  sem nem conseguir levantar o rosto. Muitos dos presentes estava na mesma posição, Anthony e Matheus, estavam sentados sem problemas, Lucas e Dimy sentiam seu corpo pesado, nada que os impossibilitassem de continuar sentados os oficiais  de alta patente  estavam como eles, o poder de Gregório era como uma massa pesada forçando  seus corpo em direção  ao chão.
 - Gregório ? – uma voz feminina calma e melodiosa se fez ouvir por toda a sala.
Anthony  sentiu seu membro endurecer, ao som dela. Uma arrepio correr pelo seu corpo algo nela lhe era muito familiar. Engoli-o em seco ao identificar a quem ela pertencia, A sacerdotisa. Sacode-o a cabeça  e tentou se concentra na conversa a sua volta.
 - Anika, você  deveria esta dormindo – respondeu Gregório.
 - Eu com certeza estaria se você  não  estivesse fazendo todo o palácio  flutuante balançar. – respondeu a voz sorrindo, uma corrente de ar passou pela sala toda levando para longe o poder opressor  do guardião  da sacerdotisa e fazendo com que uma a calmaria voltasse para todos os seus ocupantes.
 - Sabia que não  devíamos ter deixado esse esquentando  ir sozinho – outra voz se fez ouvir.
- Quem você  está  chamando de esquentado, Rafael ? Você  ouvi-o o que esse insolente disse – perguntou Gregório fechando as mãos com força

- Quer dizer  que é  tudo responsabilidade  da sacerdotisa, me de 2 minutos com ele e farei ele rever isso – uma terceira voz disse.
  - Vocês  parecem crianças  do primário, se desgastando com um homem que nem as próprias botas amarra – falou uma quarta voz – só quando ele começar  a fazer isso terá peito ou moral para falar alguma coisa.
 - Até  você  Miguel?  Me deixem em paz eu posso resolver  isso – falou Gregório bufando. 
Todos que estava na sala trocavam olhares abismados  era a primeira vez que muitos ouviam as vozes da Sacerdotisa  e de seus Guardiões.
- Fico muito feliz e aliviado em ouvir isso, mas será que você Gregório, pode cuidar disso sem colocar o quartel a baixo? – uma quinta voz perguntou calmamente.
- Nem venha usar a “voz de deus” comigo, Liritus.
- Imagina, eu nunca me atreveria a fazer isso.
Gregório  bufou alto. O som da gargalhada melodiosa da Sacerdotisa  se fez ouvir, fazendo com que os presentes da sala sorrissem também.
 -  Agora que tudo esta resolvido, Anika para a cama – falou Liritus, firmemente.
 - Sim meu guardião, boa noite a todos – disse a sacerdotisa.
- Boa noite, Sacerdotisa – foi a resposta de todos os presentes.
 - Gregório lembre-se que suas ações  refletem em todos nos Guardiões da Sacerdotisa. E você Ricardo volte a insulta-la e eu mesmo vou resolver isso, e diferente do Gregório  e dos outro eu não serei apaziguado – disse Liritus pela ultima vez.
 - Desculpe-nos por isso, Gregório, nunca foi intenção  de ninguém aqui ofender a Sacerdotisa, temos noção  de todo os sacrifícios  que ela e vocês os guardiães dela, tem feito, só queremos saber quais providências estão  sendo tomadas e como podemos ajudar.
 - Precisamos que continuem com as patrulhas  de reconhecimento, no continente de Lótus  estamos contando com o pelotão  do Major Nicolas  Urumack, fazendo investigação  sobre quem são  as pessoa que estão  passando as pérolas  ao Senhor da Sombra. Ele esta sobre o comando do rei.
 Lucas sentiu os olhos de muitos presentes serem direcionados a ele, não  era surpresa  saber que seu pai estava a cargo de uma investigação  como essa. E qui com toda certeza seu irmão mais velho também o estaria ajudando.
 - Os portais  que ligam o plano material e espiritual também tem sendo atacados. Como o trabalho dos Shinegames e feito no plano material não podemos lacra-los. Não sabemos ao certo quais os planos do Senhor da Sombras mas estamos de olho, eu e os outros guardiões estamos fazendo varreduras constantemente, sejam  mentais ou presenciais.
 - Senhor Gregório, a Sacerdotisa  sabe quem são  os responsáveis pela venda das pérolas  de Lótus, por que ela não  faz nada?
 - Por favor, professor Urânio, poderia responder essa pergunta por mi ? – disse Gregório. Um dos homens  sentados mais afastados respondeu.
 - Quando a sacerdotisa completou 13 anos uma comissão  com os lideres e reis de todos os continentes e províncias foi feita, eles decidiram que não  queriam que ela fosse responsável  pelo controle  dos continentes e que ela  não  devia interferir na forma que os continentes era governados, isso devia ficar a cargo dos reis desses, Ela aceitou mais em contra partida abriu mão  do seu dom, “os olhos de deus” que a possibilitava ver as coisas ao longe apenas se concentrando no seu objetivo e o colocou em um pedra, assim não podia ver todas as coisas que aconteciam. Dessa forma nao correndo o risco de interferir.

- Sim ela sabe, quem são  como são  e o como estão  fazendo, mas não  ira interferi, já que isso foi um pedido dos seus lideres – completou Gregório. 
Murmúrios de descontentamento  foram ouvidos por toda a sala. E na mente de todos os presentes divididos apenas por certezas  e questionamentos, eles estariam passando por tudo aquilo por culpas dos seus governantes, que por medo de serem depostos haviam retirado a liberdade daquela que podia resolver toda essa confusão? 
 - Senhor Gregório, tem ocorrido chuvas não  esperadas por todos os continentes. Devemos nos preocupar? – perguntou Capitão  Morgan, fazendo com que todos olhassem para ele. Muitos pensando o por que de um capitão  fazer uma pergunta sem cabimento em um momento como esse.
Gregório abaixou seu capuz deixando a mostra seus cabelos ruivos e compridos, olhos de um azul hipimotizador como as águas  da fonte espelho do palacio flutuante sua pele era branca, olhou fixamente ao homem que o havia questionado. 
 - Sim, capitão  todos nós devemos nos preocupar com a chuva – respondeu ele levantando o movimento de capa foi a ultima coisa vista que denunciava a saída do Guardião da Sacerdotisa.
 - O que isso quer dizer? – foi a pergunta mais repetida depois da saída desse.
Capitão  Morgan  passou a mãos pelos cabelos negros enquanto seus cadetes  o olhavam.
 - Capitão? – falou Lucas em voz baixa para ser ouvido apenas pelos seus colegas.
 - As chuvas querem  dizer que a sacerdotisa  não  esta bem – respondeu o capitão  com a voz no mesmo tom  de Lucas. Se levantando e caminhado  em direção  a saída, sendo seguido pelos seus cadetes.
 Destrancou a porta com um aceno, e saiu noite a fora,  continuo  a caminhar  sendo seguidos pelos os jovens do seu pelotão ate se sentar em um banco solitário.
 - O que a chuva tem haver com o fato da Sacerdotisa não  estar bem? – quis saber  Matheus.
 - O clima esta ligado diretamente a Sacerdotisa desde que ela criou a barreira de proteção, nos sempre usamos discos de clima  em todos os continentes para assim podermos controlar todos. Mas quando a sacerdotisa  não  esta bem chuvas, tufões  ou tornados aparecem, isso era muito comum quando ela era criança  ate aprender a controlar  o próprio poder. Lembro que uma vez não  muito tempo atras ela estava tão  zangada com alguma coisa, que os cinco guardiões  se uniram para coloca-la para dormi por que seu estado começou  a dar origem a imensos tufões. 
 - Então  as chuvas querem dizer, que ela esta triste? Afinal chuvas são  com lagrimas, ou não? – questionou Dimy.
 - Exatamente  isso, e o seu guardião  acabou de confirma. Com certeza ela deve saber algo que não  sabemos ou estar passando por algo difícil. Por que o senhor das Sombras começou a se mover agora depois de mais de 80 anos que a barreira foi erguida?.  A sacerdotisa  só tem 16 anos pode ser coisas da idade ou algo assim, mas alguma coisas esta acontecendo.
 - Como assim 16 anos? Se já faz 80 que a barreira foi erguida? – perguntou Edgar
 - Ela só era despertada poucos meses a cada ano, ate cinco anos atrás  quando os guardião  decidiram não mais coloca-la para dormi. Eles precisavam treinar para serem protetores dela e e para isso foi necessário  tempo. Fora que assim como seus guardião  seu envelhecimento  e bem reduzido, eles já tem mais de 100 e são  como novos. Se ele tivesse respondido negativamente a minha pergunta, não estaria tão preocupado, com a afirmação  dele realmente não  sei o que fazer – falou o capitão  fitando o seu noturno estrelado, como se esse pudesse responder suas duvidas.
 - Sua pergunta foi bem pertinente, me pergunto quem você  é – disse uma voz no escuro da noite. Que parecia se aproximar deles.
Todos os cadetes invocaram suas armas.
 - Sou o filho de Olafe, o defensor – respondeu Capitão  Morgan sem se mover.
 - Gregório, o que está fazendo? – questiono  um homem que se aproximava.
 - Preciso checa as coisas -  disse Gregorio serio. O frio e o  poder opresor dele se fez presente.
 - Mi pergunto, o que a Sacerdotisa  tem a dizer sobre isso – falou um homem se aproximando mais, saindo da escuridão  da noite.
 - Ela não  tem o que falar sou seu guardião, todas as minhas ações são  para o seu bem Leytan – disse o Gregório aparecendo por fim.
 - Vocês  guardem suas armas, e a voce Alicerce, suas perguntas poderiam ser respondidas com uma simples consulta  a minha mente - respondeu Morgan  sem se mover.
- Sua mente não  e o problema, mais sim a mente de dois dos seus cadetes – rebateu Gregório  se aproximando mais de Anthony e Matheus, parando a frente desses.
Sem piscar  ou desviar do olhar inquisidor, Matheus respondeu sem se amedrontar. 
 - Não  tenho nada a esconder.
 - Verdade? Então  porque a mente de vocês tem uma Porta Protetora, quem nem eu um guardião posso ultrapassar?
 - Não  sei o que você  quer dizer – retrucou o Anthony  sem vacilas. Lucas e Dimy se aproximaram mais do amigo.
 - Pare com isso, Gregório, por favor – pediu a sacertotiza sua voz era eco na noite.

No céu,  nuvens começaram a se mover  mas rapidamente, chamando a atenção  de todos para ele. Sem dizer nada o vulto encapuzado  sumiu.
- Merda, por um segundo, pensei que você, Morgan era o traidor – falou o Leytan.
- Você  me conhece a tempo de mais, Leytan. Para pensar uma besteira dessas – falou o capitão  Morgan  fitando o homem  que havia se aproximado.
 - Tempos de guerra, meu amigo, não  há como saber quem são  amigos ou inimigos.
 - Rapazes vocês  estão dispensados, espero a assinatura de vocês amanhã – falou o capitão  sem olhar ao seus subordinados.
Todos os jovens se dispersaram, deixando o capitão  Morgan, e o professor Leytan  sozinhos.
Anthony , Dimy e Lucas foram diminuindo os passos, ficando para trás de Matheus e Edgar.
 - Caramba tudo isso é bem preocupante – falou Dimy com a mão  dentro dos bolsos.
 - A sacerdotisa  não esta bem,  isso é  a pior das notícias – completou Anthony.
 - Isso explica o porque tem aumentado as invasões, a barreira dela esta fraca – falou Lucas aos amigos.
 - Mas e as escolhidas ? Por que não estão fortalecendo as barreiras ? – retrucou Tony.
- E que papo é esse que você  e Matheus  tem uma Porta protetora quem até  um dos Alicerces da Sacerdotisa não  pode ultrapassar? Como conseguio uma? Afinal essas portas barreiras protegem o que quiser que tenha dentro e so podem ser abertas por uma palavra  chave sem contar que e necessario muito poder mesmo para serem cinjuradas– perguntou Lucas.
 - Mais sabe o que realmente me preocupa o que sera que tem por tras dessa Porta Protetora, vou tentar descobri, mas falando de coisa mais importante  - respondeu Anthony lembrando do momento que tinha ficado duro com o som da voz da Sacerdotisa – A Sacerdotisa me deixou de pau duro só com a voz  e meu coração  bateu tao acelerado – falou ele dando a volta ao ver que seu amigos pararam ao ouvir suas palavras.
 - Só  com a voz – questionou Dimy – isso é  mesmo impressionante ate mesmo para você.
Os três  voltaram a caminhar.
 - Natan me deixa  de pau duro, desdá primeira vez que eu o vi -  disse Lucas.
Anthony e Dimy pararam de andar, fazendo com que Lucas tivesse que que virar para olhar  para os amigos.
- Como? Quando? E porquê?  - questionou Anthony.
Lucas começou a relatar aos amigos todas as vezes que se sentiu diferente na presença  do Loiro, enquanto os três  caminhavam em direção  ao dormitório, em uma acordo silencioso de quem se conhecia a muito tempo os três amigos se sentaram no jardim.
  - Fique me perguntando se isso aconteceu  por que ele e minha âncora – questionou  os de olhos prateados ao amigos.
  - Matheus e meu âncora  e com certeza  nunca me deixou  duro – falou Anthony deitando no jardim.
  - Rebeca é  a minha e nunca me deixou também, e tem o Edgar que e âncora  da Silva, mas todos sabem que e louca pela namorada Sofia, então  o que ta acontecendo com você não  é  por isso – falou Dimy olhando  o amigo.
 - Já suspeitava  – falou Lucas com um meio sorriso – Mas a duvida é  por que Natan.
 - Simples, por que ele faz o seu tipo – retrucou Dimy dando de ombros – Vocês, Lucas e Tony são lindos, não  há o que discute, mais eu nunca tive interesse em nenhum dos dois. E eu sou gay.
 - Pode ser, mais eu gosto de mulher – voltou a falar o moreno.
 - Nós sabemos disso, mais agora você  sabe que também  gosta de homem, ou devo dizer gosta do Natan. O que quer dizer que você  e bi – falou Anthony olhando o amigo.
 - O que você  vai fazer? – perguntou o ruivo.
  - Ainda não sei.
 - Primeiro precisamos saber se Natan, também  gosta, affs que besteira to falando, só de olhar para ele da pra saber que ta muito afim de você Lucas – falou Dimy rindo.
 - Esta afim e fazer ao sobre isso, é  bem diferente – comentou Anthony.
-  Verdade, afinal você  e apaixonado pela Lúcia mas nem pensa em ficar com ela – falou Lucas  vendo Anthony  sentar.
 - Não  posso, ela é  muito inocente para o meu mundo, sim eu nunca senti o que sinto por ela em relação  a nenhuma  outra pessoa, mas e se eu ficar com ela e o interesse  acabar? Não  posso magoar a Lúcia. Nos três  temos que pensar muito em quem escolhemos para nos involver, vocês sabem, o que me da prazer é a caça  a paquera quanto mais me da não, mais eu quero e depois que consigo acabou, consequencia  de Ferin meu espirito animal proteto.  Você  Lucas precisa comandar estar por cima o poder  de subjugar a pessoa a sua vontade é  o que realmente te da prazer resultado do seu pai autoritario e é  claro do Dimy foi o único que achou alguem que o complete, ele nunca ficaria com alguem mais fraco que ele, o Bred seu namorado também  é um dominador. Nos tres somos implacáveis  no campo de batalha ou na cama – Falou Anthony se levantando.
Lucas e Dimy fizeram o mesmo e seguiram o amigo entrando por fim no dormitório.
 - Nos vemos no café? – perguntou Lucas, subindo as escadas seu dormitório ficava um andar a cima dos amigos.
Tony e Dimy fizeram  um aceno afirmativo com a cabeça  e fora para seus quartos.


Notas Finais


Nos vemos no próximo cap


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...