História Guardiões demoníacos - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Two


Acordei com uma puta dor de cabeça, quando eu levantei a cabeça me senti um pouco tonto mas logo consegui me recuperar da tontura.

 

Assim que minha cabeça parou de girar eu pude ver a minha situação.

 

Eu estava sentado em uma cadeira de frente pra minha escrivaninha feita de madeira de um Carvalho negro, meus braços estavam cruzados sobre a escrivaninha, como se eu os tivesse usado para apoiar a minha cabeça.

 

Antes que eu pudesse processar mais alguma coisa, eu sinto eu tapa na minha cabeça seguido por uma dor alucinante.

 

– Aí! Filha da Puta! – Grito sem pensar duas vezes.

 

– Olha você me respeita ou eu vou te bater de novo. – Disse uma voz feminina do meu lado direito que, infelizmente, me era familiar.

 

Quando eu olhei pro lado vi minha "irmã" Pacífica segurando uma frigideira.

 

"De onde ela tirou isso?" Pensei fazendo uma expressão confusa, "Ah é ela é um demônio." pensei novamente respondendo a minha própria pergunta e desfazendo a minha cara confusa, a substituindo por uma expressão irritada.

 

– Por que você me trouxe de volta? – Perguntei irritado.

 

– Você é idiota? – Ela perguntou, mas eu sabia que era uma pergunta retórica então nem me dei ao trabalho de responder. – Se o papai te visse ele ia te matar, Bill você sabe muito bem que ele odeia quando você invade os sonhos dos humanos.

 

"Eu odeio quando ela chama ele assim"

 

– Primeiro; para de chamar ele de papai é irritante e segundo; eu só queria conhecer o moleque que eu teria que proteger.

 

– Eu também odeio chamá-lo assim mais a minha mãe está feliz então agora eu tenho que tratá-lo como se ele fosse meu pai biológico. – Ela disse e depois soltou um suspiro cansado. – Se arruma, o jantar de despedida é daqui a pouco.

 

Depois de falar ela se virou e saiu do meu quarto.

 

⚠️Uma hora depois⚠️

 

Estávamos todos na sala de estar, nós havíamos acabado de comer e agora estávamos conversando sobre vários assuntos.

 

Depois de algumas horas conversando finalmente deu o horário em que eu e a minha "irmã" – eu nunca vou chamar ela de irmã nem que me paguem – iríamos pra terra.

 

Dois portais se abriram, nós nos despedimos deles e entramos nos portais que nos levariam a Gravity Falls.

 

Eu entrei no portal azul e a Pacífica entrou no rosa.

 

Depois de alguns segundos eu me vi em um quarto super organizado, corri meus olhos pelo quarto, quando meus olhos recaíram na cama eu vi ele deitado, dormindo como um anjo.

 

Antes que eu pudesse pensar eu já estava andando em sua direção, eu subi na cama e deitei atrás dele, o abraçando logo em seguida e depois disso eu peguei no sono.

 

⚠️No dia seguinte⚠️

 

Eu estava dormindo tranquilamente até que ouço alguém gritar e sinto o garoto se debater tentando sair dos meus braços.

 

– Dá pra você parar de se mexe porque se você não notou eu to tentando dormir. – Resmunguei irritado.

 

Depois de algum tempo ele parou de se mexer, abri um dos meus olhos e vi que ele estava me olhando.

 

Quando percebeu ele corou e rapidamente virou o rosto pro outro lado, dei um sorriso de canto de boca e ri baixinho.

 

– N-não r-r-ria de mim. – Ele disse ficando ainda mais vermelho. – A-aliás q-quem é v-você? C-como v-você conseguiu e-entrar a-a-aqui?

 

– Ah é eu ainda não te expliquei né? – Perguntei e ele só assentiu.

 

Me levantei, andando até o meio do quarto, me espreguicei mas antes que eu pudesse falar qualquer coisa eu percebi que eu ainda estava usando as roupas do dia anterior, estalei os dedos fazendo eu trocar aquela roupa por uma blusa amarela, uma jaqueta preta, uma calça jeans azul escura e um tênis da adidas.

 

Quando olhei pra frente, o garoto estava me olhando com uma cara surpresa, ri da sua cara de surpresa e comecei a explicar.

 

– Então... Dipper né? – Ele novamente só assentiu – Eu sou um demônio dos sonhos, eu e a minha "irmã" – falei fazendo aspas com as mãos ao pronunciar a última palavra – cometemos muitos crimes e como consequência fomos forçados há proteger dois humanos que o conselho escolheria.

 

– Uou, é muita coisa pra mim processar. – Ele disse fazendo uma pausa e logo voltando a falar – Mais e os meus tivôs? Eles vão desconfiar.

 

– Fica tranquilo o conselho colocou um feitiço neles então eles vão achar que eu sou um amigo seu que veio passar as férias com você e a sua irmã.

 

– Ok, então sai. – Ele disse vindo em minha direção.

 

– O que?! Por que eu tenho que sair? – Perguntei confuso.

 

– Porque eu vou me trocar. – Ele disse me empurrando em direção a porta – Então fica me esperando aí fora. – ele falou e fechou a porta na minha cara.

 

⚠️30 Minutos depois⚠️

 

Eu estava encostado na parede esperando ele sair de lá, "Nunca vi alguém demorar tanto só pra trocar de roupa." pensei entediado até eu ouvir a porta se abrindo, "Graças a Lúcifer ele resolveu sair desse quarto." pensei novamente.

 

– Vamo na cozinha comer alguma coisa. – Ele disse e agarrou meu pulso me arrastando pela cabana até chegarmos na cozinha.

 

Quando chegamos, vi que havia uma garota de cabelos castanhos parecida com o Dipper, "Deve ser a irmã dele." pensei e junto dela estava a Pacífica.

 

– Bom dia maninho(a), bom dia garoto(a) que eu nunca vi. – Eles disseram ao mesmo tempo.

 

– Pera. – Eles disseram juntos parecendo processarem o que haviam acabado de falar. – Quem é esse(a)? – Perguntaram ao mesmo tempo.

 

"Ok isso já tá começando a me assustar. " pensei e depois olhei na direção da Pacífica ela também estava igualmente assustada.

 

– Esse é o... – Dipper disse e logo depois olhou na minha direção.

 

– Bill, Bill Cipher – Falei olhando pra garota de cabelos castanhos – sou o guardião do Dipper.

 

– Ah então é você que vai proteger o meu irmão. – Ela falou me olhando.

 

– Isso. – Respondi.

 

– Prazer sou a Mabel, irmã gêmea dele. – Ela falou enquanto estendia a mão em minha direção.

 

– O prazer é todo meu. – Falei apertando sua mão.

 

– E essa é a... – Ela disse olhando na direção da Pacífica, aparentemente elas também não haviam se apresentado.

 

– Pacífica, Pacífica Northwest. – Ela falou se direcionando ao Dipper.

 

– Sou o Dipper. – Ele disse e eles apertaram as mãos.

 

Comemos e ficamos conversando, eu e a Pacífica explicamos pros gêmeos Pines que, infelizmente, somos meio irmãos.

 

⚠️De tarde⚠️

 

Estávamos na sala assistindo Patotive, eu e a Pacífica estávamos sentados no sofá enquanto os gêmeos estavam sentados no chão.

 

Estávamos tranquilos assistindo o programa, que na minha opinião é meio idiota, até um velho vir nos incomodar.

 

– Dipper, Mabel eu preciso que vocês ajudem o Soos e a Wendy na loja de lembrancinhas. – Ele disse parando na frente da Tv.

 

– Ok tivô Stan a gente vai mais dá pra sair da frente da Tv pra podermos terminar de assistir. – Mabel disse fazendo sinal pra ele sair da frente.

 

– Essas crianças de hoje em dia. – Ele resmungou enquanto ia em direção a porta da frente.

 

⚠️Na loja⚠️

 

Eu estava encostado em uma das paredes observando o Pinetree trabalhar, o que já estava me irritando já que enquanto ele trabalhava ele ficava conversando com uma garota ruiva que ficava no caixa com ele.

 

Eu não sei o motivo, eu só sei que aquela cena me irritava, quanto mais eu olhava mais eu me irritava.

 

Depois de algum tempo os observando eu resolvi mexer no celular do Dipper, já que eu ainda não havia comprado um pra mim, vi tudo desde fotos até conversas no WhatsApp.

 

Se passou algum tempo e eu já estava entediado de ficar lá parado, de vez em quando vinham algumas garotas – que pareciam ter uns quinze anos – falar comigo mas eu logo as dispensava e voltava a mexer no celular do Pinetree.

 

Depois de alguns minutos Mabel veio até mim, ela se aproximou e deu um sorriso alegre.

 

– Por que você tá olhando toda hora pro Dipper hein? – Ela perguntou sorrindo – Tá com ciúmes porque ele tá conversando com a Wendy é? – Ela falou com um tom brincalhão na voz.

 

Nesse momento eu corei com o que ela disse, ela soltou uma risada divertida e eu respondi.

 

– É c-claro q-q-que não tá louca é? – Falei gaguejando.

 

"Droga por que eu gaguejei?" pensei enquanto via Mabel rir de mim, "E porque eu to vermelho?" pensei novamente.

 

– Se você não tá com ciúmes por que que cada vez que você olha pra eles você fica com raiva? – Ela perguntou me olhando.

 

– Eu sei lá – Falei.

 

A Mabel ficou me atazanando com um monte de perguntas por um tempo, até o Dipper se aproximar.

 

– Mabel deixa o Bill em paz e vai trabalhar vai – Ele disse.

 

Mabel sussurrou um "Seu chato" e foi atender alguns clientes que haviam acabado de chegar.

 

– Desculpa por ela, às vezes a Mabel pode ser insuportável – Ele falou enquanto mexia em seus cabelos castanhos.

 

– Tudo bem, ela não é nada comparado com Pacífica – Falei sorrindo – Ela sim é um porre.

 

Dipper ri do que eu falei e eu o acompanhei, depois disso a garota ruiva – que eu descobri que se chama Wendy – chamou o Dipper. 

 

Quando ele ia se virar e andar pra ver o que ela queria eu agarrei seu pulso, fazendo ele me olhar com uma expressão curiosa.

 

– Me encontra na entrada da floresta – Falei simplesmente – afinal, você quer saber mais sobre demônios e outros tipos de criaturas mágicas, não é? – falei me lembrando de quando eu estava entediado e resolvi invadir a mente do Dipper.

 

– Como você sabe? – Perguntou com uma expressão surpresa e curiosa ao mesmo tempo.

 

– Tenho meus truques – Falei fazendo mistério – então, me encontra na entrada da floresta depois do seu trabalho?

 

– Tá, te encontro depois – Ele falou e logo depois foi na direção da ruiva.

 

⚠️Algum tempo depois⚠️

 

Eu estava encostado em uma árvore qualquer, de uma floresta que ficava a poucos metros de distância da Cabana do Mistério, esperando o Pinetree chegar já á alguns minutos.

 

– Então, o que queria me mostrar? – Ouvi a voz dele e quando eu virei o meu rosto vi ele saindo da cabana e caminhando em minha direção.

 

– Me segue – Falei adentrando a floresta.

 

– O que? – Perguntou me fazendo parar e o olhar.

 

– Achava mesmo que eu ia fazer isso aqui? – Perguntei tentando não rir – Onde qualquer um pode ver e saber que eu sou um demônio?

 

Ele parou para pensar por alguns minutos, que pareceram décadas, e disse.

 

– É faz sentido.

 

Voltei a andar pela floresta sentido o moreno andar atrás de mim, depois de algum ouvimos um barulho entre as árvores.

 

“Deve ser apenas um animal” pensei, mas aparentemente o garoto ao meu lado não pensou o mesmo que eu, já que ele deu um mini pulo e agarrou o meu braço.

 

– Tá com medo Pinetree? – Perguntei, o deboche claro em minha voz.

 

– É c-claro q-que n-não – Ele falou soltando o meu braço e voltando a andar normalmente – falta muito pra gente chegar?

 

– Não Pinetree, falta só mais um pouco.

 

– Olha, será que dá pra você parar de me chamar assim? É irritante.

 

– Não, não dá.

 

Passamos o resto da caminhada em silêncio até que finalmente chegamos onde eu queria.

 

– Uma clareira? – Perguntou – Porque me trouxe aqui?

 

– Porque aqui é mais seguro – Falei como se fosse óbvio.

 

– Tá, agora me fala – Falou um pouco irritado – o que você ia me mostrar?

 

– Isso.

 

Falei enquanto eu estalava os dedo e logo em seguida três livros de capas vermelhas com uma mão dourada de seis dedos apareceram e flutuaram até o Pinetree que os encarou um pouco confuso.

 

– O que é isso? – Falou com uma cara curiosa e surpresa, por causa da magia, ao mesmo tempo.

 

– Esses são diários que tem todas as criaturas sobrenaturais que existem escritas em suas páginas.

 

– E por que você tá me dando isso? – falou desacreditado.

 

– Sabe que nem eu sei – Falei enquanto eu pensava – mas, se quiser continuar com esses diários é melhor não ficar me perguntando ou eu posso mudar de ideia.

 

– Ok, não tá mais aqui quem falou.

 

– Espertinho – Falei e ri por causa da sua fala.

 

– O que? Achou mesmo que eu ia perder a oportunidade de investigar o mundo sobrenatural?

 

– É, com certeza não – Falei – vem, vamos voltar pra cabana.

 

– Já? – Perguntou fazendo uma voz manhosa.

 

– Sim, já tá escurecendo e eu ainda to me acostumando a usar os meus poderes nesse corpo.

 

– Tá, vamos – ele disse e logo em seguida fomos pelo caminho que viemos de volta pra cabana do mistério.


Notas Finais


Oi gente! Espero que tenham gostado do capítulo, se estiver algum erro ortográfico desculpa é que eu sou péssima em português e o próximo capítulo vai ser do ponto de vista da Mabel e eu não faço a mínima ideia do que fazer então... se alguém tiver alguma ideia por favor deixa nos comentários. Bjs ❤️❤️❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...