História Guerra de Mortos e Vivos - (Interativa) - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Personagens Originais
Tags Apocalipse, Interativa, The Walking Dead, Zumbi
Visualizações 19
Palavras 2.856
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey! Quanto tempo faz, 2 semanas? Uau, eu não tenho palavras pra me redimir com vocês por ficar esse tempo todo off, mas que forma melhor de pedir desculpa se não for postando um capitulo fresquinho? Agora sério, foi mal mesmo aí.

Espero que gostem, boa leitura :^)

Capítulo 8 - 21 de Dezembro de 2019 - Lado A


GMV - 21 de Dezembro de 2019

    Bloomington, Illinois; 12:30. Duas pessoas viajavam pela cidade em um Mercedes-Benz G-Class, o som do carro era bem alto, atraia zumbis, mas eles não conseguiam acompanhar a velocidade do veículo então não fazia tanta diferença assim, embora sempre tivesse que reduzir a velocidade por causa de alguns carros abandonados na estrada mas nada muito perigoso naquele momento. A viagem até ali foi entediante em certos momentos, por isso estavam escutando um CD do “Led Zeppelin” que Zachary sempre guardava no porta luva do carro, naquele momento estava tocando “Stairway to Heaven” a música não era animada, então os dois irmãos meios que estavam sendo influenciados pela música, Elizabeth estava com o cotovelo apoiado na janela olhando a paisagem morta da cidade, Zachary estava de olho na pista, mas sua expressão não estava nada sorridente, parecia estar serena e até mesmo um pouco cansada, mas essa serenidade é interrompida por um chiado, vinha do rádio, Zachary atendeu.

  Alice: – Alô, mozão? – falou em um tom brincalhão

  Zack: – Aonde estão? –

  Alice: – Não sei, estamos em um posto no meio da rodovia, o Sammy foi ver se achava um mapa da região –

  Zack: – E como estão? –

  Alice: – Ótimos! Não comemos há dois dias e os zumbis não param de aparecer, até parecem que estão nos seguindo –

  Zack: – Como assim seguindo? –

  Alice: – Virou detetive e não contou é? Para de fazer perguntas, e vocês como vão? –

  Zack: – A gente acabou de comer, estamos bem próximos do prédio –

  Alice: – Olha só o garoto voltando, depois nos falamos melhor, temos que ir, tchau –

  Zack: – Tchau –

  Elizabeth: – Faltam quantas ruas? –

  Zack: – Não sei, umas sete ou oito? –

  Elizabeth: – Essa foi a pior viagem que já fizemos? –

  Zack: – Por que? Queria que o Sammy estivesse aqui não é? – era visível uma leve vergonha no rosto dela nesse momento

  Elizabeth: – O que? Não, quem se importa com ele? –

  Zack: – Pelo visto, você – ela aumenta o som da música meio irritada. – Ata, então é assim... brincadeira viu! –

    Demora mais uns 4 minutos para eles chegarem ao tal prédio na qual estavam querendo ir, ao longe um som de moto, os dois se olharam, não parecia estar muito longe, talvez estivesse na outra rua, o moto era razoavelmente silencioso e pela sonoridade parecia uma moto de corrida, Zachary entendia de mecânica, sacou na hora, Elizabeth também entendia, mas não tanto quanto o irmão para poder identificar o tipo da moto só pelo barulho, eles pararam o carro na frente do tal prédio. Era um prédio comercial, com certeza pertencia a alguma empresa, e pelo nome na sacada, era da Pfizer uma empresa que fabricava antibióticos, Elizabeth abriu a mala do carro e começou a pegar as armas, qualquer coisa que fosse útil na missão, então Zack comunicou.

  Zack: – Pega meu arco –

  Elizabeth: – Arco? Em um prédio? –

  Zack: – É, tem razão, mas então –

  Zack: – Você é bem grandinha, acho que pode entrar sozinha –

  Elizabeth: – Aonde vai? –

  Zack: – Atrás daquela moto –

  Elizabeth: – Então leve o carro –

  Zack: – É... tem razão – ela pegou a pistola e o facão e bateu a mala do carro então ele entrou pela porta do motorista – Toma cuidado tá? –

  Elizabeth: – Tá, vou tomar –

  Zack: – Qualquer coisa chama no rádio –

  Elizabeth: – É, eu sei –

  Zack: – Te vejo daqui a pouco –

  Elizabeth: – Tchau – ela começou a adiantar, para ele não falar mais nada

    Prédio da Pfizer, Bloomington; 12:57. Elizabeth foi caminhando até a porta da frente, era de vidro, ela olhou com bastante atenção, estava cheio de zumbis, lotado, como se estivesse acontecendo algum churrasco de carne humana com open bar, naquela altura era bom sinal, significava que uma daquelas coisas não estavam ali, ela deu um suspiro e tentou procurar uma alternativa, aparentemente não tinha, deveria ter levado uma corda, poderia subir por uma das janelas que davam acesso aos outros andares do prédio. Ela então começou a dar a volta no prédio procurando algum lugar pra poder entrar, ventilação? Não, geralmente fica na parte de cima, e não tinha como escalar um prédio de 10 andares assim; esgoto? Poderia ser, ela teria que passar pelo térreo de qualquer jeito, deveria ter alguma porta de emergência que dava acesso as escadas, tinha mesmo, na parte de trás do prédio, no lado onde ficava o estacionamento, tinham alguns mortos-vivos, mas nada que ela não pudesse passar batida se fosse rápida, ela correu até a porta e abriu, estava em uma sala, talvez fosse a sala dos funcionários, tinham 3 zumbis nelas, ela os decapitou com total frieza, afinal não importava, ela olhou por um vidro que mostrava a recepção, cara, o cheiro não era nada bom, era de carne podre e o local estava abafado fazendo o odor a sufocar a cada segundo que continuava naquele prédio. Havia uma escada, mas para chegar lá ela teria que atravessar um mar de zumbi, ela deu um pequeno sorriso, lembrou das piadas que Alice fazia toda vez que via algo assim, a sala dos funcionários ficava atrás do balcão, talvez se ela desse um salto... Ela abriu a porta e ficou olhando o lustre pendurado no meio da sala, um pouco próximo do balcão, os zumbis tentavam pega-la, mas eram impedidos pelo balcão, mas ela estava ocupada demais olhando para o lustre lembrando dos movimentos que Sammy fazia, ele se penduraria ali e pularia de pé na porta das escadas, ela cogitou a hipótese, mas ela não conseguiria, não tinha força o suficiente. Ela analisou tudo, e conseguiu montar uma estratégia. Elizabeth deu um tiro no lustre, ele caiu levando com ele vários zumbis ela pulou do balcão para lá, precisava ser rápida se não iria ser pega com certeza, ela deu mais um salto para a porta da escada ali perto a porta se quebrou e despencou ao chão junto com a moça que havia caído de mal jeito e agora estava com o joelho ralado. Ela foi subindo as escadas do prédio com rapidez mas tentando ao máximo manter a cautela em seus movimentos, subindo andar por andar e verificando as portas, todos eles estavam cheios de zumbis, não tantos quanto o térreo tinha, mas eram muitos, pelo menos cada andar tinha uma denominação na porta, logo a baixo do seu número como por exemplo “2nd Floor: Telemarketing“. A caminhada até o décimo andar não foi longa também facilitou tudo, como de costume abaixo do número 10 estava a seguinte escrita: Escritórios Executivos. Só pelo local já dava pra se imaginar que não teria muitos zumbis afinal eram escritórios. Ela olhou os degraus e escutou os ruídos que vinham dos andares abaixo, zumbis que estavam subindo, não contou muito tempo e entrou no andar foi andando em direção a um dos 5 zumbis que estavam ali, enfiou a faca em sua cabeça e seguiu em direção ao outro, fez a mesma coisa, com este e com todo o resto, foi seguindo até uma sala no final do corredor, ela entrou abrindo a porta devagar, receosa do que poderia haver do outro lado, afinal já havia topado com coisas que aterrorizavam apenas em um simples olhar, mas por sorte não havia nada demais, apenas um escritório normal, com uma mesa em seu centro, ela foi até a mesa e abriu a primeira gaveta tinha somente uma coisa, uma pequena caixa marrom.

  Elizabeth: – Sem dúvida é um deles... –

    Ela pegou a caixa, colocou sobre a mesa e a abriu, tinha um embrulho, era pesado, parecia ter ferro dentro. Não teve tempo de abrir para ver qual palavra estava contida nele, escutou uma explosão vindo da parte debaixo do prédio um grito alto e rouco, parecia um gorila, logo depois do grito, passos, pesados e rápidos que pareciam estar cada vez mais perto, dois segundos depois e Elizabeth não resistiu ao desespero, estava sozinha, geralmente a simples presença de Sam ou Zack faria com que ela se sentisse mais segura, ela ficou imóvel por um tempo até que foi possível escutar a porta do andar sendo arrancada por pura força bruta, ela encarou o corredor e viu uma criatura vindo em sua direção com sede de sangue, respirava intensivamente, era humanoide, tinha um braço completamente desproporcional e grande, as paredes e colunas eram totalmente subjugadas pela força bruta daquela coisa. A criatura estava vindo, tinha que sair dali e rápido mas não tinha escapatória a não ser... a janela, ela correu para ela e se apoiou na lateral do prédio, ela foi se esgueirando pela lateral, a criatura destruiu a janela com seu braço e tentou agarrar a moça, mas por centímetros não conseguiu, ela continuou, sem olhar para o chão 10 andares abaixo dela, mas não tinha mais para onde ir, sabia que ia morrer, não havia outra forma, pelo menos Zachary veria o fragmento junto ao seu corpo no chão, mas se a criatura a pegasse seria bem pior, ela respirou fundo e soltou as mãos deixando-se cair, certamente morreria, se não fosse por...

○●○●○●○●○●○●○●○●

    Bloomington, Illinois; 13:10. Zachary estava dirigindo seu carro atrás de uma moto, seguindo o som dela pelas ruas da cidade, até que o som se encerra, ele sabia que seja lá quem estivesse pilotando a moto já teria escutado o carro se aproximando, ele dobra uma rua e tem uma leve surpresa ao ver uma BMW de corrida, era uma beleza, branca com detalhes em azul, padrão da marca, mas aquele motor estava modificado, era silencioso até demais pra uma moto dessas, ele não sabia quem era o dono, mas sabia que o cara tinha bom gosto. A moto estava parada em frente a uma lojinha, ele parou o carro e se certificou de que não iria tomar um tiro assim que saísse. Foi andando até a loja com a pistola pronta para um disparo, ele chutou a porta e mirou, um rápido reflexo fez ele tirar o braço, bem a tempo de evitar que uma espada o decepasse mas a espada acertou o cano de sua arma fazendo com que ele a derrubasse no chão, então ele conseguiu ver quem o estava atacando, era uma mulher, ela havia saltado para pegar a arma no chão, conseguiu, mas Zack já estava em cima dela, sem tempo ela tentou corta-lo, ele se esquivou mas pegou de raspão rasgando sua roupa, então chutou o braço da moça fazendo a espada voar de seu braço para algum lugar naquela loja, ela apontou a arma para a cabeça dele, já era, ele iria morrer, ela puxou o gatilho... e um som de estalo ocorreu da arma, o cão não estava ativado, ela olhou para a arma por um instante, se distraiu, ele saltou nela a imobilizando contra o chão.

  Zack: – Beleza, agora, quem é você e o que faz aqui? – perguntou intimidador

  ???: – Eu que deveria te perguntar –

  Zack: – Mas não sou eu que estou contra o chão –

  ???: – Desde quando isso significa alguma coisa? –

  Zack: – Desde que você tentou me matar – falou nervoso

  ???: – Ei! Você é o agressor aqui, começou a me seguir, eu estava me defendendo –

  Zack: – Tem razão... – ele pensou por um instante, vendo a expressão dela

  ???: – Já vi que é um dos mocinhos, se não já teria me matado –

  Zack: – É, pode se dizer que sim – vendo que o perigo já passou ele se levanta dando uma ajuda a mulher

  ???: – Anna... –

  Zack: – O que? –

  Anna: – Anna Lopez, meu nome, e o seu? –

  Zack: – Zachary Bloodkay, ou só Zack –

  Anna: – Tá bom Zack, por que estava me seguindo? –

  Zack: – Eu e minha irmã estamos na cidade a procura de uma coisa, queria me certificar de que ficaríamos bem –

  Anna: – Não foi muito inteligente, digo, você quase perdeu a mão –

  Zack: – É... – ele pegou a arma de volta, pensativo – E você? –

  Anna: – Eu o que? –

  Zack: – Por que esta aqui? –

  Anna: – Suprimentos... eu e minha equipe estamos na cidade –

  Zack: – Você disse, equipe? –

  Anna: – É, vai gostar deles –

  Zack: – Sabia... nunca que você estaria sozinha –

  Anna: – Acha que não sei me virar? – ela pega a espada e coloca na bainha

  Zack: – Não disse isso – ele escuta uma explosão, e por algum motivo uma sensação muito ruim toma conta do seu peito – Elizabeth!! –

    Ele ignora Anna e sai correndo para o carro, ela sem entender vai atrás recebendo um simples “minha irmã está em perigo!”, eles ligam os veículos e Zachary sai em toda velocidade em direção ao prédio da Pfizer. Ao chegarem eles viram Elizabeth se apoiando na lateral do prédio.

  Zack: – Elizabeth!!! – Gritou sem retorno – Droga! –

  Anna: – O que ela está fazendo!? – e viu o braço do monstro ser estirado para fora da janela – O que é aquilo!!? –

  Zack: – Bem vinda ao meu mundo –

    Ele sabendo que a irmã não tinha saída, correu para o prédio da frente que tinha uns 5 andares, subiu as escadas correndo e foi para o terraço, de lá ele viu a irmã se jogar. Uma onda de adrenalina tomou todo seu corpo e ele correu, o mais rápido que pode, chegou na beirada do prédio e saltou, seu coração batia rápido e forte, ele via tudo em câmera lenta, viu o corpo de sua irmã se aproximar do seu, ele a agarrou com força e tudo voltou ao tempo normal, eles atravessaram uma janela do prédio da Pfizer, e foram arrastados pelo corredor do segundo andar, Zachary com certeza tinha quebrado pelo menos 3 costelas, mas na hora ele nem sentiu, apenas levantou sua irmã.

  Elizabeth: – Precisamos sair daqui! – som de passos muito acima. – Rápido!!! – gritou em desespero.

    Eles correram para a escada, tinham alguns zumbis, nada que as balas dos dois não resolvessem, ao chegar ao térreo não tinha mais aquela lotação, conseguiram passar se esquivando deles, saíram do prédio e ao saírem viram 4 carros parados na frente do prédio.

  Anna: – Não atirem!! – gritou para seus companheiros. – Estão comigo –

  Elizabeth: – Precisam tirar todos daqui! Rapido!! – ordenou em desespero

  Anna: – Calma... eles não vão te machucar... –

  Elizabeth: – Agora!!! – grita nervosa

  Homem: – Aí qual é seu problema hein!? –

    Eles escutam o som de concreto se partindo e uma criatura humanoide com mais de 4 metros sair destruindo a sacada do prédio, o desespero tomou conta do local, a criatura foi para cima de uma chuva de balas, foi matando um a um.

  Zack: – Precisamos sair daqui!! – disse a Anna

  Anna: – Não vou sem eles – afirmou. – Bater em retirada!!! – mas já era tarde, o último homem acabara de ter o corpo rasgado nesse exato momento. – Não... –

  Zack: – Vamos!! –

    Ele a puxou pelo braço e correram Elizabeth sabia do estado de seu irmão e assumiu o volante, Anna mesmo sem querer reuniu forças e subiu em sua moto, então aceleraram como se a vida deles dependesse daquilo, e dependia mesmo, a criatura era rápida, mas não tanto, acabou ficando para trás, não tinha como eles matarem aquilo naquela hora. Deixaram aquele bicho solto por aí, seria azar de quem topasse com ele... Fora da cidade, a adrenalina baixa, as costelas de Zack começam a doer e estão ficando sem gasolina o que leva eles a pararem em um posto pra abastecer, Anna continua desolada então Elizabeth vai até ela.

  Anna: – Eram bons homens... –

  Elizabeth: – Se estavam com você, posso apostar que eram, afinal é uma mulher incrível –

  Anna: – É... como é seu nome mesmo? –

  Elizabeth: – Elizabeth Bloodkay, irmã dele – ela aponta para o carro, com a cabeça.

  Anna: – Seu irmão é um rapaz legal, ainda mais nesse mundo de hoje, é raro achar alguém como ele... e como você –

  Elizabeth: – É, eu acho que sim, você também não é má –

  Zack: – Acabaram o momento reflexão aí? Preciso de um médico! –

  Elizabeth: – E onde vamos arranjar um? –

  Anna: – No meu acampamento tem um... –

  Elizabeth: – Ótimo, onde fica? –

  Zack: – Não, temos que encontrar umas pessoas... –

  Elizabeth: – Não vamos encontra-los se estiver morto –

  Zack: – Não me importo em morrer e além do mais, temos que entregar o fragmento –

  Anna: – Fragmento? –

  Elizabeth: – É pra consertar o gerador – o radio de Zachary toca

  Alice: – Zack? Está na escuta?

  Zack: – O que foi? –

  Alice: – Achamos um lugar pra ficar

  Zack: – Que ótimo, nós pegamos o fragmento. Cadê o Sammy? Quero falar com ele –

  Alice: – Ele não pode falar agora, está conversando com um tal de Damon

  Anna: – Damon!? –

  Elizabeth: – Que foi? Conhece ele? –

  Anna: – Claro, é o líder do meu acampamento –

  Zack: – Como é? Líder? –

  Anna: – É, ele que me mandou pra cá com os outros –

  Alice: – De quem é essa voz, tá no puteiro Zack?

  Zack: – É só uma garota que encontramos, nada demais... estamos indo para aí, câmbio, desligo – desligou o rádio

  Anna: – Então... Podemos ir? –

  Elizabeth: – E o que estamos esperando? –

    Ela entra no carro e bate a porta, Zack liga o som com o seu Led Zeppelin tocando, Anna sobe em sua moto e ambos os veículos saem do local, Anna um pouco a frente, afinal tinha uma visão de águia, via qualquer coisa na estrada, escutaria qualquer coisa, quase como um sonar, não sabia o porque, mas era praticamente um radar ambulante, e dessa vez também um GPS. Todos eles seguem em direção ao acampamento de Anna, enquanto Zack aguenta a dor de suas costelas esperando que cheguem logo para ser curado.

 

  


Notas Finais


Hey! Se tudo der certo eu quero voltar ao ritmo normal de postagem da fic, espero que não tenham me esquecido hein.

Se não se incomodam vou fazer um rápido marketing aqui. Se quiserem, deem uma olhada na fanfic de um amigo meu, não tem nada a ver com zumbis ou ficção-cientifica, mas é bastante legal, é mais focada em ação, o link tá aí embaixo:
https://spiritfanfics.com/historia/os-10-escolhidos-5639723

Ah, e o próximo capitulo vai ser o outro lado da historia, o que estava acontecendo com Sam, Alice e Ashley enquanto estava acontecendo esse capitulo.

Valeu por ler até aqui :^)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...