História Guerra e sangue - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Dragon Ball
Tags Amor, Filhos, Gohan, Luta, Romance, Tragedia, Videl
Visualizações 11
Palavras 2.092
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura.

Capítulo 22 - Ao futuro


 

Alguns meses se passaram...

                -              Grávida? – questionou Chichi caindo sentada no sofá da sala de sua casa.

                -              Mamãe eu sei que...

                -              Gohan sempre conversamos para que vocês tivessem cuidado! – disse Goku ainda em estado de choque.

                -              Papai eu e ela...

                -              Sei o que fizeram,  quero saber o que pretendem fazer. – questionou o pai irritado.

                -              Ainda não sabemos, estamos confusos.

                -              Traga ela para jantar em nossa casa. Precisamos conversar sobre o que fazer. – disse Chichi levantando-se e indo para o quarto. Parecia furiosa.

                -              Decepcionei vocês não? – perguntou Gohan ao pai que estava com a cabeça baixa.

                -              Gohan tínhamos outras expectativas para você, não nego. Mas essas coisas acontecem. Sua mãe só precisa se acalmar, nos dê alguns dias para absorver isso.

                -              Só queria que soubessem que não tínhamos a intenção de decepcionar ninguém.

                -              Não decepcionaram, vamos dar um jeito nisso. – disse Goku pegando nos ombros do filho. – Agora vou ver sua mãe. – disse ele indo para o quarto para procurar a esposa.

                -              Chi.

                -              Ah Goku, o que faremos? Eles são tão jovens. E se eles decidirem partir? E se eles decidirem se separar e ela levar nosso neto embora? – disse Chichi abraçando o marido preocupada.

                -              Nosso neto. – disse ele sorrindo. – Seremos avós, eu ainda não havia me dado conta. – disse ele sorrindo e a esposa sorriu também.

                -              Ela é de outra raça, não sabemos o que pode acontecer. O que será dessa criança? A gravidez pode ser complicada.

                -              Não sabemos, mas se ela está grávida é porque existe a possibilidade de um mestiço nascer. – respondeu o general com tranquilidade. – Cuidaremos para que tudo fique bem. Eles não são mais crianças.

                -              Mas são um par de inconsequentes. – disse ela frustrada. - Mal começaram a namorar.

                -              Gohan fará o certo, é dono de si, tem um bom emprego, você verá que ficará tudo bem.

O jantar foi marcado para o início da próxima semana, e a tal noite chegou rapidamente. Na casa do general a campainha tocou, Goten correu para a porta para atender.

                -              Boa noite senhorita Videl. – disse o menino animado.

                -              Boa noite. – disse ela calmamente.

                -              Pode entrar. – disse ele abrindo espaço para que ela entrasse.

                -              Obrigada Goten. Jantará conosco? – perguntou ela um pouco envergonhada.

                -              Não, hoje vou dormir no palácio, vou estudar com o Trunks, temos muitas provas essa semana. Mesmo assim, estou muito feliz em ser tio. – disse ele sorrindo animado.

                -              Que bom. Bons estudos então. – disse ela sorrindo.

Goten saiu e Gohan veio até ela e a beijou nos lábios com delicadeza.

                -              Você está bem? – perguntou ele com ternura.

                -              Um pouco nervosa, mas precisamos fazer isso. – disse ela.

                -              Estou com você, não precisa se preocupar. – disse ele beijando-a.

                -              Já contou a eles?

                -              Não, achei informação demais depois de ter contado sobre a gravidez.

O jantar estava sendo servido pelos empregados e a família esperava em silêncio. Mas Chichi estava um tanto ansiosa e decidiu iniciar o difícil assunto.

                -              Videl, sua família já sabe o que está acontecendo?

                -              Bem, eu não tenho mais pai nem mãe, mas Minosh e Mai saberão em breve, ainda preciso me organizar um pouco, saber o que farei. Eles são os monarcas de Konatsu e não gostaria de incomodá-los sem trazer maiores informações e algumas soluções.

                -              Bem, é para isso que estamos aqui. Queremos ajuda-los no que precisarem. – disse Goku calmamente.

                -              Inicialmente você precisa ir ao médico, precisa confirmar essa gravidez e ver se está tudo bem com você e com essa criança. É de outra raça, temos de acompanhar isso de perto. – disse Chi preocupada.

                -              Gohan e eu já marcamos uma consulta para essa semana com o médico que é de nossa confiança. Foi ele quem descobriu que eu estava grávida quando me senti mal e desmaiei no palácio.

                -              Excelente. Tudo será mais seguro pra você e seu bebê assim. – respondeu a mãe.

                -              Mas e sobre o nascimento? O que pretendem fazer? – perguntou Goku.

                -              Bem, Videl e eu ainda não decidimos se nascerá aqui ou em Konatsu, tudo é muito recente e preferimos esperar que o médico nos dê uma posição sobre como funcionará a gestação para darmos um segundo passo em nossa decisão. – disse Gohan.

                -              Decisão? – perguntou Chi.

                -              Sim. Videl e eu decidimos nos casar. – disse Gohan pegando as mãos de Videl e sorrindo.

Chichi e Goku ficaram pasmos. Goku respirou fundo e parecia que diria algo, mas Chi se apressou:

                -              Querido, não era o que eu esperava para você, casar tão cedo, em meio a uma gravidez inesperada, mas o amor não escolhe idade nem data não é? – disse ela levantando-se e sorrindo indo até Videl que também se levantou nervosa. Mas a mãe de Gohan a abraçou forte e disse: - Estamos aqui para o que precisar minha querida.

Goku fez o mesmo e Gohan sorriu feliz.

                -              Mas se estamos diante de um jantar de noivado precisamos brindar. – disse Goku animado e foi acompanhado pelo filho que já providenciava a bebida e as taças.

                -              Videl você brinda com suco. – disse Goku servindo a nora e a vendo sorrir.

Todos brindaram animadamente ao futuro do casal e a noite foi bastante animada, Goku e Chichi fizeram vários planos como avós e o casal se divertia com as possibilidades.

Videl acabou ficando para dormir com Gohan, e no quarto...

                -              Fico feliz que seus pais não estejam zangados.

                -              Sim, pareceram felizes.

                -              Você acha que eles querem um menino ou uma menina?

                -              Acho que estão animados com a ideia de uma criança correndo por essa casa. Não acho que se interessem pelo sexo em si.

                -              Essa casa?

                -              Sim, a casa dos avós sempre é uma boa referência para uma criança.

                -              Mas você não quer dizer que moraremos aqui não é?

                -              Não, calma. Ainda temos que pensar como faremos, não sei se ficaremos em Vegetasei, Konatsu. Mas se ficarmos aqui vamos ter nossa própria casa.

                -              Consideraria a ideia de morar em Konatsu?

                -              Se for o que você quer.

                -              Ainda não sei. Aqui você tem seu emprego, talvez eu consiga trabalhar com alguma coisa, em Konatsu as coisas ainda são um tanto precárias, é um planeta começando ainda.

                -              Não precisamos pensar nisso agora, vamos nos concentrar no bebê e nos preparativos da festa. – disse ele calmamente.

                -              Seremos tão felizes. – disse ela o abraçando.

                -              Somos. – respondeu ele beijando-a.

Então ela sentou-se na cama e tirou os brincos, abriu a pequena gaveta do móvel ao lado da cama para guarda-los e se surpreendeu com um colar.

                -              Ora Gohan, acho que encontrei algo interessante. – disse ela brincalhona.

Gohan olhou e a viu segurando o colar de Vados e ficou sério.

                -              Esse colar não é pra você Videl, deixe-o.  – disse ele um pouco irritado.

                -              Não? Mas é seu então? – perguntou curiosa.

                -              Sim, é meu. – disse ele tirando das mãos da noiva e recolocando na gaveta rapidamente. – não mexa mais no colar está bem?

                -              Está bem, mas do que se trata? – perguntou ela estranhando a reação.

Gohan deu um suspiro e disse:

                -              Não quero segredos entre nós. Sabe que Vados e eu tivemos uma relação e esse colar era dela, ela me deu para que controlasse o poder da fúria que existia dentro de mim. É o colar de um anjo. – disse ele sério.

                -              Por que o mantém aqui? Ainda precisa dele para controlar seu poder? – perguntou ela um tanto desconfortável.

                -              Não precisei mais despertar aquele tipo de poder. Não sei se precisarei um dia.

                -              Guarda o colar por isso ou para ter uma lembrança dela? – perguntou Videl um tanto triste.

Gohan a observou e sorriu.

                -              Eu só tenho olhos pra você Videl. Pra você e para o nosso bebê. Vados está no passado, não vamos traze-la para nossa relação.

                -              Está bem. – disse ela deitando-se abraçada a ele.

                -              Videl, não pense nela.

                -              Não farei isso, mas o que você e ela viveram foi muito intenso.

                -              O que eu e ela vivemos acabou. Fizemos nossas escolhas.

                -              Você amava ela não é?

                -              Amei Vados de maneira muito intensa, descontrolada, com isso entendi que o amor dessa forma não é bom. Gosto do amor tranquilo, do amor confortável, sem dramas dolorosos, gosto de nós, do nosso amor Videl. Eu amo você.

                -              Tranquilo? Estou grávida de um mestiço em meio ao que era pra ser uma visita de negócios a esse planeta. Eu acho isso dramático. – disse ela sorrindo.

                -              Pois eu acho que tudo faz sentido. – disse ele beijando-a com docilidade.

                -              Eu amo você Gohan. – respondeu ela beijando-o e abraçando-o fortemente.

Na terra dos anjos.

                -              Vados, posso entrar? – perguntou Whis batendo na porta do quarto da irmã.

                -              Whis vá embora por favor. – disse ela.

                -              Vados me escute. – disse ele entrando com uma bandeja repleta de alimentos, ela estava sentada na cama, parecia estar cansada, a barriga estava maior. – Precisa comer.

                -              Eu não estou com fome.

                -              Converse comigo.

                -              Conversar? Sobre o que gostaria de falar? Do tempo? Da infância? Ou sobre como pretendem matar esse bebê?

                -              Não mataremos seu filho, ele é um inocente.

                -              Como pode ter tanta certeza?

                -              Ele é seu filho, tem seu sangue também.

                -              Ele está cada vez maior, cada vez mais forte.

                -              Ele é uma mistura de seres muito poderosos. Conseguiu contato com o sayajin?

                -              Gohan não toca no colar, imagine usá-lo. Como poderia falar com ele?

                -              Podemos arriscar por tecnologia.

                -              Não sabemos quem mais está atento a essa gestação. Um passo errado, uma mensagem vazada e aí sim podemos ter mais problemas.

                -              Não sai desse quarto há dias, desde que soubemos que seria um menino. Venha comigo, vamos ao vale. Vamos escolher um belo nome para ele. Coma alguma coisa para sairmos.

                -              Todos me olham como se eu estivesse carregando um monstro. Eu não quero sair daqui.

                -              Você não está carregando um monstro. Está gerando uma vida, uma vida poderosa, talvez a mais poderosa desse universo. Deveria estar orgulhosa.

                -              Whis, por favor.  – disse ela irritada.

              -              O desequilíbrio sempre nasce e sempre é balanceado. Sabe que nem o mal nem o bem são puros, sempre há um pouco dos dois em tudo. Seu filho jamais será completamente mal, vamos lutar para que ele desenvolva o potencial dele e para que use isso em favor do universo.

                -              E se não der certo? – perguntou ela tocando no ventre.

                -              Dará. O universo irá trabalhar para equilibrar isso, como fez com Gohan.

                -              Mas não fez com Freeza ou Herida.

               -              Fez. Diante da ameaça sem solução de Freeza apareceu Gohan, fruto do mesmo material energético de Freeza. Nós nascemos de Herida fazendo-a se entregar a morte para nos salvar. O universo sempre dá um jeito para equilibrar tudo novamente. Vados faremos tudo para que seu bebê não precise sofrer para equilibrar o poder que ele carrega. – disse o anjo abraçando a irmã. – Agora coma, está um lindo dia e você precisa se exercitar para ter um parto saudável.

Mais alguns poucos meses se passaram desde então...

                -              Uma menina?  - vibrou Chichi abraçando Videl e Gohan.

                -              O médico disse que está tudo bem e que ambas estão se desenvolvendo muito bem. – disse Gohan animado.

                -              Ah, eu queria um menino, pra que eu pudesse ensinar a lutar. – disse Goten chateado.

                -              Mas até onde eu sei sua amiga Bra te deu uma surra na última batalha escolar. E ela é uma menina. – disse Gohan sorrindo desafiador.

                -              Eu deixei ela fazer isso. – respondeu o menino emburrado.

                -              Já escolheram um nome? – perguntou Goku.

                -              Não. – respondeu Videl meio sem jeito.

                -              Deveriam dar um nome poderoso para ela, um nome que significasse algo especial para vocês. – disse Picolo que jantava com eles e estava animado ao saber que seu pupilo seria pai de uma menina.

                -              Temos uma possibilidade. – disse Gohan meio sem jeito. – Gostamos de Pan.

                -              Pan? De onde tiraram esse nome? – perguntou Goku curioso.

                -              Pan era o nome da minha mãe. – respondeu Videl calmamente.

                -              É um belo nome. – disse Picolo.

                -              Sim, também acho um lindo nome. – disse Chichi vendo Videl sorrir feliz.

                -              Bem, então acho que a neta de vocês tem um nome. – disse Gohan sorrindo e levantando o copo para brindar. – A Pan.

E todos repetiram com os copos erguidos:

                -              A Pan.

Continua.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...