1. Spirit Fanfics >
  2. Guerra Negra >
  3. Lembranças - parte final

História Guerra Negra - Capítulo 10



Notas do Autor


EAEEEEEE POVÃO TUDO BOM COM VOCÊS??? ESPERO Q SIM❤️
Aqui quem vos fala é a Ste, vou confessar que a demora desse cap é minha culpa kkk ( nao me matem), eu estava extremamente atarefada e sem tempo pra escrever minha parte, MAAAAS trouxemos esse capítulo sensacional com um belo e maravilindo HOTZÃO q sabemos q vcs amam😍, afinal é dia de São Valentin (dia dos namorados mundialmente menos aq no Brasil).

Bom gente, desculpa qualquer erro, esse capítulo foi revisado na correria e como eu sou meia desligada sempre fica algo.

SEM MAIS FALATÓRIO PREPAREM OS CORAÇÕES, BOA LEITURA E NOS VEMOS NAS NOTAS FINAIS.😘

Capítulo 10 - Lembranças - parte final


Fanfic / Fanfiction Guerra Negra - Capítulo 10 - Lembranças - parte final


Sasuke POV

Na última vez em que estive com Sakura nós nos beijamos e após o beijo eu vi, vi tudo o que houve na minha infância. Sei que naquela noite não foi um sonho, Kakashi havia mesmo apagado nossas memórias, agora ficou claro o motivo desse vazio dentro de mim. Sempre procurei por respostas e nunca as encontrei... até o dia em que vi Sakura na sala de reuniões, aquele miserável vai me pagar.

Depois de Sakura ir embora, volto para meu reino. A fúria dentro de mim estava me matando, eu quero respostas para tal ato e eu vou ter. Assim que cheguei ao reino fui tomar banho e colocar roupas secas pego, minha espada e vou em direção ao reino Oeste. Não pretendo ser visto então decido usar meu rinnegan (nós Deuses Uchihas carregamos com nós um "Tesouro" os Olho Samsara herdamos do primeiro Deus do Sul Hagoromo Otsutsuki ele nos dá um poder inimaginável porém o custo é grande muitas das vezes). Uso minha técnica de espaço tempo para ir diretamente à Kakashi. Após passar pelo portal entro em um quarto e lá estava ele deitado porém não demorou muito para ele perceber minha presença.

- O que faz aqui, Sasuke? - ele fala se pondo de pé em sinal de alerta.

- Eu quero saber o Por quê? – ele me olha confuso sem entender muito sobre o que eu digo. - Você já deve imaginar sobre o que eu estou falando, mas deixa eu refrescar sua memoria. Por que apagou nossas memórias? - o ódio dentro de mim já estava enorme.

- Do que está falando? Eu não faço a menor idéia do que você está falando! e mesmo se soubesse não é do seu interesse. – sua fala soou em deboche e eu estava perdendo minha paciência.

- Kakashi, pela Sakura eu não vou te matar. – bufei - Mas eu quero respostas agora! Ou você fala de uma vez por todas ou eu mesmo vou me certificar de contar a Sakura e aos conselheiros. - Sakura não percebeu quando eu selei aquelas lembranças. Eu não queria ver ela triste, Kakashi tem um valor sentimental para ela.

Ele me olha por alguns segundos, o desconforto naquele momento era grande ambos sabiam que isso iria terminar mal.

- Eu queria proteger a Sakura. - ele fala de uma vez - você sabe que Deuses não podem ter relações com Anjos sejam eles de guerra ou não. você pensou no que a Sakura iria passar ao saber que vocês dois jamais poderiam ficar juntos? Pensou em como os sentimentos dela ficaria destruídos? – sua fala transpassava angústia e tristeza.

- E você achou que apagar nossas memórias seria o certo? Você fala de como a Sakura ficaria ao saber que eu e ela jamais poderíamos ser felizes quando você mesmo tirou algo importante para nós dois, quem lhe deu o direito de fazer isso? Quem disse que isso seria o certo a se fazer? – cuspi as palavras em sua cara, nesse momento minha postura está indo embora. - Naquela época eu não sabia sobre esse regra e se eu soubesse com toda a certeza eu não aceitaria ser um Deus.

Kakashi me lança um olhar cheio de raiva

- Você acha mesmo que eu iria permitir isso?

- Você não decide isso Kakashi.

- Sakura jamais ficará com você se depender de mim. – percebo que algo de estranho está acontecendo, seu olho esquerdo muda de cor e o vermelho escarlate brilha como sangue, SHARINGAN. .

Ele tenta me atingir comum soco de direita mas eu desvio. Como portador legítimo do sharingan, mangekyou sharingan meus reflexo são melhores que os dele, o que me dá uma vantagem em batalha. Ele não desiste e torna a me atacar mas desta vez com vários socos dos quais eu desvio, ele alcança uma espada que estava na parede de seu quarto e minha direção em uma velocidade da qual me obrigou a sacar minha Katana para me defender.

- Se você quer lutar kakashi assim será.

Dou um impulso na Katana fazendo kakashi dar alguns passos para trás e dessa vez sou eu quem vai em sua direção, começamos a lutar de igual pra igual. Ativo o meu sharingan e antes mesmo de kakashi perceber dou um chute com força em seu abdômen fazendo ele se chocar com a parede atrás de si o barulho foi grande os guardas deve ter ouvido.

- Argh, seu…

- Eu não pretendo continuar essa luta, quero que você viva e sofra! Você melhor do que ninguém sabe que sua punição divina vai ser dolorosa, porém se eu ver você perto da Sakura novamente, se você se atrever a fazer mais um mal a ela eu vou me certificar de que você não veja o dia amanhecer. - e sem falar mais nada uso a técnica de espaço tempo e volto para o meu reino, não queria problemas com seus guardas nesse momento e o uso do espaço tempo me deixa cansado.

Amanhã Sakura e eu vamos nos encontrar novamente, dessa vez pretendo levar ela a um lugar que para ela será novo. Desde meus 17 anos visito o mundo dos humanos no intuito de esquecer um pouco meus deveres de deus, na maioria das vezes tento treinar com o Itachi porém ele fala demais, com muitos pensamentos o sono vem e me entrego a ele.

Na manhã seguinte

Acordo com duas batidas na porta provavelmente é uma das servas, me levanto e vou abrir a porta não era uma serva e sim meu irmão Itachi.

85

- Bom dia Sasuke-Sama - como sempre ele está com um sorriso no rosto - Karin está no salão principal querendo lhe ver.

- Por que ela está aqui a essa hora? E por que você veio me avisar? - Karin foi uma das escolhidas pelos conselheiros a se tornar minha esposa no futuro porém nada nela me agrada, ela é bela mas quando estou com ela não sinto nada além de uma vontade imensa de sair correndo.

- Perdão, ela estava fazendo muito barulho não sei como você não acordou. - ele fala como sempre rindo da situação.

- Já vou descer, fale a ela para me esperar na biblioteca - antes dele responder fecho a porta não estou com humor hoje muito menos para aguentar a Karin.

Vou ao banheiro faço minhas higienes matinais e desci indo diretamente à biblioteca ver o que a Karin deseja, assim que abro a porta ela se vira e corre em minha direção me abraçando, a como eu odeio isso.

- Sasuke-Sama bom dia, desculpa vir sem avisar antes. - eu desfaço o abraço e sento em uma das poltronas.

- O que deseja? - já fui direto ao ponto.

- Você gostaria de sair? Senti saudades...

- Karin, como eu já disse as outras escolhidas vou dizer a você, não tenho interesse em me casar. não quero ser grosso mas não sinto nada além de amizade por você. - falo tentando ser o mais breve possível sem ser rude.

- Você disse que eu era a mais indicada. Não entendo...

- Eu errei e peço perdão. - vejo seus olhos ficarem cheios de lágrimas.

- Você tem outra escolhida? - ela me pergunta de cabeça baixa.

- Sim, ela tomou meu coração a muito tempo - opto a ser sincera a ela.

- Eu desejo que você seja feliz ao lado dessa pessoa - dava para ver que não era aquelas palavras que ela gostaria de dizer, Karin sempre foi forte poucas vezes mostrava suas fraquezas mas dessa vez ela está chorando e eu apenas sinto um aperto no peito, não gosto dela ou a amo e sim por que não fui sincero com ela desde o começo afinal eu não me lembrava que meu coração foi tomado a muito tempo atrás.

- Obrigada - essa foram as únicas palavras que eu consegui dizer.

Após a Karin ir embora faço meus deveres como Deus, visitei os plebeus para ver se está tudo bem sempre fui atencioso com o bem estar de todos ajudei alguns deles e logo depois ouvi as preces dos humanos, nós Deuses temos um santuário onde os humanos fazem sua preces e seus pedidos não são todos da qual eu posso realizar sou o Deus do caos ( deuses do Sul são considerados Deuses do caos) nos anos de guerras peçam pela minha ajuda, não é como se eu fosse descer nos mundo do humanos e ajudar apenas dou a força para que sejam capaz de alcançar seus objetivos. O sol já estava se pondo me arrumei com uma roupa discreta calças branca e uma blusa branca de mangas longa com detalhes dourados nas mangas e na gola, pego a roupa de Sakura que eu pedi para a costureira do reino fazer, sem querer no dia em que a levei no lago ativei meu sharingan e gravei cada parte do seu corpo.

- Ela vai achar que sou um tarado - pensei por alguns minutos se deveria levar o vestido da qual pedi para fazer e por fim decidi que Sim

Eu já havia chegado ao local e comecei a lembrar da noite que estivemos juntos que nem percebi que Sakura havia chegado

- Boa noite Sasuke-kun - ela me cumprimenta com um sorriso lindo - você está lindo!

- Obrigada, vista isso - entrego o vestido para ela - vamos nos mundo dos humanos hoje.

Ela me olhou por um tempo confusa, pega o vestido e me pergunta

- No mundo dos humanos? Mais somos proibidos de ir lá.

- Não vamos demorar muito vou usar meu espaço tempo vai ser rápido - termino de falar e ela apenas assentiu com a cabeça e foi atrás da cerejeira para se trocar, não demorou muito para voltar e ela estava linda sua beleza é invejável

- Você está linda - ela corou e ficou mais linda ainda - vamos?

- Sim.

Ativei meu rinnegan e abri o portal para o mundo dos humanos, quando chegamos em uma aldeia escutamos músicas e havia várias barracas seria um festival, Sakura se encantou olhando tudo ao seu redor as luzes coloridas barracas com várias brincadeiras e comidas porém uma delas chamou sua atenção um doce cujo havia três cores diferentes verde, amarela e branca seus olhos verdes brilharam ao olhar o doce sem perguntar a ela vou em direção a barraca e compro o doce que ela parecia tanto desejar.

Obrigada Sasuke-kun - ela me agradeceu sorridente e prova o doce - é maravilhoso qual o nome?

Olho para a barraca pois eu não fazia ideia do nome do doce

São dangos - digo depois de ler o nome

O que aquelas pessoas estão fazendo? Ela olhava na direção de algumas pessoas dançando o que parecia ser uma música medieval

Estão dançando, você gostaria de dançar? - perguntei meio tímido nunca dancei com outras pessoas Sakura seria a primeira

Eu adoraria mas não sei dançar - ela abaixa a cabeça

Essa dança vai acabar e começar outra é só você seguir os passos - pego em sua mãe e sigo em direção onde as pessoas daquela aldeia estavam dançando esperando a próxima música tocar

A música acabou e as pessoa que já estavam dançando saíram e deram espaço para as outras levo a Sakura e coloco ela de frente para mim

É só seguir os passos - termino de falar e começa a tocar a música

Primeiramente Sasuke e Sakura se aproxima e um faz reverência para o outro, em seguida Sasuke pega a mão da Sakura e a leva para o centro depois eles se afastam um pouco, eles começaram a dançar um ao redor do outro batendo palmas e ao mesmo tempo eles batem os pés no chão jogando um pouquinho pra frente. Em seguida eles pegam nas mãos e se aproximam girando o corpo pra um lado e para o outro e se afastam rodando ficando lado a lado Sakura coloca as mãos no seus vestido e roda cada um pra um lado com uma mão nas costa e esticando Sasuke faz movimentos balançando o braço e Sakura vai pra frente do Sasuke com as mãos no vestido enquanto balança o corpo sem deixar de sapatear em seguida ela sai para o lado fazendo o mesmo movimento anterior com o braço e eles dança rodando entre si. Sakura voltando a frente de Sasuke e eles dando um toque nas mãos de um lado depois do outro, eles trocam de lado ficando lado a lado fazendo a o sapateado batendo os pés e os jogando um pouquinho pra frente tocam as mãos dançando e girando trocando de lado novamente e pegam nas mãos levantando os braços acima das cabeças, pegam uma de suas mãos e giram se separando ficando frente a frente Sakura com as mãos no vestido e se separam cada um indo pra um lado dançando com as mãos pra cima e voltam pra ficar frente a frente. Sakura por sua vez coloca as mãos na cintura e eles batem palmas e esticam os braços colocam a mão na cintura e fazem com uma das mãos o gesto como se estivessem chamando um ao outro para mais perto e termina a dançam enquanto rodam e balançam as mãos.

- Foi maravilhoso - ela fala ofegante e eu me perguntando como ela conseguiu dança perfeitamente sem errar nenhum passo

- Você foi maravilhosa - comentei rindo poucas vezes sou de rir mais ao lado da

Sakura sinto que não preciso manter essa armadura de um Deus sério



Enquanto isso no reino do oeste..


Madara Pov.

Eu já estava ficando maluco em descobrir quem era a dita filha da Atena. Muitas possibilidades passavam pela minha mente... Quem seria o pai? Onde está essa criança? Ela realmente existe? Eu precisava tirar toda essa história a limpo de qualquer forma. Eu teria de ir vê-la novamente. Saí pelo corredor a fora procurando meu subordinado.

- OROCHIMARU! VENHA ATÉ AQUI IMEDIATAMENTE! – chamei-o

- Sim Madara-sama, no que posso servi-lo? – o rapaz estava com um avental e um óculos estranho, o que me fez pensar que ele estava no laboratório novamente fazendo suas maluquices.

- Como está os preparativos para o primeiro ataque?

- Estão nos testes finais, mas são apenas detalhes. O Gedo Mazou está pronto para ser utilizado como Juubi na grande cerimônia de retorno e sua ascensão será excelente. – Ele fala empolgado passando as língua sobre os lábios.

- Certo. Eu tenho que resolver um assunto importante, ao meu sinal eu quero essas bestas preparando minha nova casa. – gargalhei já convencido da minha vitória.

O rapaz se curvou e voltou para seu laboratório enquanto eu saí corredor a fora. Já em frente ao castelo do reino Oeste, eu abri um portal e fui diretamente para os aposentos de Atena.

- Por que está aqui novamente? Esqueceu que eu não vou ceder e posso acabar com você agora mesmo? – Atena estava em pé na sacada olhando a lua, coberta apenas por um tecido leve com muita transparência amarrado de um lado do corpo deixando seu seio esquerdo amostra e seus longos cabelos soltos.

- Eu vim atrás de respostas. – falei friamente, não poderia me deixar levar novamente por sentimentos fúteis.

Ela então se vira e anda lentamente vindo em minha direção, sua proximidade é provocante e meus instintos começaram a responder a tal.

- Que tipo de respostas? Eu não devo satisfação nenhuma a você. – a sensualidade e arrogância na sua voz estavam me deixando louco mas eu tinha que resistir.

Ela me rodeia e então decide se sentar com as pernas abertas em um divã que havia ali em seu quarto.

- Eu não tenho tempo para os seus joguinhos. Você tem uma filha? – me concentrei para ela não perceber o quanto toda aquela cena me deixava excitado. Aquela mulher tinha um poder sobre mim e eu teria q me livrar dessa maldição.

- Eu não devo satisfação nenhuma para você, Madara. É melhor você sair imediatamente ou eu vou mata-lo agora mesmo.

Como um raio me direcionei atrás dela, abaixei na altura do pescoço e inalei aquele perfume.

- Eu disse que eu vim aqui atrás de respostas e você vai falar querendo ou não, Querida. – lambi seu pescoço o que fez ela suspirar. – Eu duvido muito que você queira me matar exatamente agora... Você está quase implorando para eu te foder.

- Madara Eu odeio você e tudo o que você causa em mim!

Dizem que sexo com amor é bom mas com raiva é sensacional. Ela virou o seu rosto e me beijou com ansiedade e excitação, o sabor de vinho na sua boca era forte mas pouco me importava. Saí de trás e num piscar de olhos eu já estava sobre seu corpo beijando seu pescoço e roçando nossas intimidades.

Rasguei sua roupa e com fome abocanhei seus seios, deixei chupões em seu seio direito enquanto eu masturbava aquela boceta que eu conhecia tão bem – e que já estava tão molhada –.

- Tão gostosa... Você com raiva fica mais sexy e tão excitante. – sorri ladino

- Cala a sua boca e vamos acabar logo com isso! Eu quero que você me foda mais e fale menos. – suas unhas cravaram em minha nuca, senti arder e aquilo me deixou completamente louco.

- Uau, falando desse jeito nem parece que é uma deusa tão exigente com a postura. – sorri sacana.

Tirei minha blusa, fiquei ajoelhado na frente da menor e percebo que ela observa uma gota de sangue escorrer pelo meu pescoço. Sem mais e nem menos ela se aproxima e lambe meu sangue de forma sensual. Tirei meu membro para fora da calça e ela continuou lambendo e mordendo meu abdômen até descer e começar a me chupar. Sua língua começou a brincar com a minha glande lambendo todo o pré-gozo, ela começou a sugar com calma me colocando por completo em sua boca. Agarrei em seus cabelos de forma bruta ditando a velocidade, ela se agarrou em minhas coxas cravando suas unhas, aquela ardência deixava tudo mais selvagem, ela engolia com vontade e eu quase não tinha mais controle sobre o meu corpo. Tentei me conter mas quando percebi já estava a mercê daquela mulher.

- Desgraçada! – minha voz grave saiu quase como um sussurro

Ela me olhava e aquilo me deixou louco, já sentia meu ápice se aproximar mas eu não queria acabar tão cedo. A puxei para um beijo desesperado e a coloquei deitada na cama ficando por de baixo de mim.

- Nada disso! Você me provocou e agora vai ter de me aguentar. – ela diz invertendo nossas posições rapidamente – EU vou por cima, QUERIDO.

E sem demora ela se posicionou e eu a invadi, seu gemido foi alto e logo em seguida ela começou a cavalgar deliciosamente em cima de mim. Seus movimentos eram lentos e fortes mas não demorou muito para que a velocidade aumentasse, eu não fiquei parado e minhas investidas começaram a ficar cada vez mais frenéticas. O movimento de vai e vem, a respiração ofegante, o balanço dos seus seios estavam me deixando louco, ela se apoiou em meus ombros e suas unhas grandes novamente arrancaram sangue de mim. Aquilo estava insano e intenso demais. Me sentei mas sem parar os movimentos, estapeei sua bunda e ela automaticamente arqueou as costas gritando.

- Oh Madara! Mais forte!

O som das nossas intimidades de chocando era alto, ela sentava com mais força e com maestria. Ela se agarrou em meu pescoço em um aperto mais forte, seu corpo contraiu e o gemido de alívio anunciaram que ela chegou ao limite e gozou. Eu não parei minhas investidas e logo em seguida me derramei dentro dela.

- Nana... – eu fiz o que mais temia, gozei chamando seu apelido. Coisa que só nós dois sabíamos.

Ela arregalou os olhos, ficamos ali parados um encarando o outro esperando que nossas respirações voltasse ao normal.

- Você me chamou de Na... – ela começou a falar mas deixou a frase morrer ao olhar em meus olhos.

Me retirei de dentro dela e fui em busca de minhas roupas imediatamente, eu não acreditava que tinha frito aquilo. Ela tinha me enfeitiçado não é possível! Me senti um tolo mas logo me lembrei o motivo de ter vindo aqui.

- Vai me responder agora? – fui direto, não queria continuar com aquele assunto.

- Pra que você quer saber? – eu sabia que ela não iria ceder tão fácil.

- Sim ou Não Atena? – eu já não tinha paciência e falei alto demais

Ela ficou alguns instantes me olhando, respirou fundo e novamente me encarou.

- Fala logo! – me exaltei e fui me aproximando novamente dela.

- SIM! Eu tive uma criança e você nunca vai saber quem é e onde está!. – suas palavras me deixaram em estado de choque.

- Quem é o pai? É algum mortal qualquerzinho que você vive se atracando por ai? – disse com desdém. Eu avisei que queria respostas e ela iria me dar.

- Pra que te interessa isso Madara? Eu já disse o que queria saber. – ela se aproximou de mim e desferiu um soco em meu rosto. – E DA PRÓXIMA VEZ QUE FALAR ESSE TIPO DE COISA PRA MIM EU MATO VOCÊ. NÃO, MELHOR! EU VOU MATAR VOCÊ AGORA! GUARDAAAAS!

- Sua maldita! Eu vou acabar com vocês todos. – meu ódio consumiu meu corpo por completo - Por bem ou por mal eu vou conseguir o que eu quero e você sabe disso. Quando eu conseguir você vai implorar por misericórdia.

- Se for assim morrerei com dignidade. - Atena sabia que cedo ou tarde eu saberia toda a verdade afinal eu já fui seu mestre.

Antes mesmo que eu pudesse fazer algo um estrondo me tira a atenção e o quarto é invadido por vários cavaleiros antes deles chegarem perto eu ativei meu mangekyou sharingan e abri minhas asas.

- Eu, Madara Uchiha, Deus do Submundo declaro aqui o começo da Guerra negra. – abri um portal com meu rinnegan e vou para o centro do reino oeste - kuchiyose no jutsu - invoquei a primeira besta, a besta de oito caudas. Gyūki.



Continua…    


Notas Finais


Ta todo mundo vivo ai? Kkkkkk eu espero que sim!
Débora e eu desejamos um ótimo fim de semana pra todos vcs, MUITÍSSIMO obrigada por acompanhar vcs são incríveis ❤️.

Pessoal gostaria de compartilhar com vocês a @Caverna_Ryuchi. É um perfil do nosso grupo de autoras onde vcs encontrarão fics incríveis que foram desafios para nós. Dêem uma olhada, sei que não vão se arrepender.

É ISSO GENTEEEE BOA NOITE E QUALQUER COISA ENTREM EM CONTATO COM A GENTE😘❤️ BYE BYE AMOREEES


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...