História Guerreiro Medieval - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Gemma Arterton, Henry Cavill
Personagens Gemma Arterton, Henry Cavill, Personagens Originais
Tags Aventura, Cavaleiro, Conto, Fantasia, Ficção Adolescente, Gemma Arterton, Guerreiro Medieval, Henry Cavill, Hot, Romance
Visualizações 19
Palavras 1.049
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 11 - Ãh?


Fanfic / Fanfiction Guerreiro Medieval - Capítulo 11 - Ãh?

Deixamos a cabine minhas pernas estão bambas por causa da altura e do beijo.

Seguro sua mão e seguimos para outro brinquedo que encerraria esse tour que ele chamou de Disney.

— Um dragão! - Ele disse colocando a mão ao redor da minha cintura.

O tal dragão que Tristan se refere é a montanha russa.

— Tristan isto é só um brinquedo como os outros, venha vamos nele.

Arrasto ele pelo braço e seguimos até a montanha russa tem quatro na nossa frente Tristan olha para o brinquedo com seus olhos infantis estão brilhantes.

— Magnífico. - Cochichou.

— Olhando assim é, mas quando está lá a gente sente frio na barriga.

Tristan engoliu a seco ao darmos um passo a frente.

— Acho que quero outra nuvem e poupar nossas vidas.

Eu realmente estou com receio de andar nesse brinquedo desde os vídeos que vi de pessoas que são atiradas para fora do brinquedo.

— É a gente pode comer pipocas e maçã de chocolate. - Comentei saindo da fila.

Tristan segura minha mão confuso.

— Maçã de quê? - Ele perguntou.

Não preciso ficar explicando assuntos de comida.

— Você vai ver. - Falei.

Me aproximo da barraca e faço os pedidos para comemos no carro.

Assim que pego a sacola em mãos seguimos para a Kombi abro a porta do motorista e me sento. Tristan senta no lado do carona, abro a sacola e pego as duas maçãs de chocolate.

— Isto aqui é maçã de chocolate. - Entrego a Tristan que observa a maçã com cara de nojo.

— Maçã de chocolate? E o que é chocolate?.. Isto se parece a um pântano só que cheira bem.

Não estou a fim de explicar mordo a maçã e mastigo, Tristan faz o mesmo. Mas ao mastigar seus olhos quase saltam para fora de sua face ele dá outra mordida desesperada.

— Hm.. Essa maçã do pântano é ótimo.

Sorri mastigando.

— É maçã de chocolate. - O corrijo e pela cara feia detestou que eu corriji.

Ainn tão sentimental.

— Mm muito bom. - Ele resmungou.

Ainda na metade da maçã e Tristan já terminou? Também com esse bocão o que eu poderia esperar.

— Tome isto é pipoca doce. - Entrego o saco de pipoca para ele que analisa e se depara com um milho.

— Isto é comida de galinha por a caso tenho cara de galo?

Se eu disse que tem será que ele usa aquela espada prã cabra comigo?

Suspiro e volto a comer minha maçã, não estou com paciência já vi vários rostos hoje e ainda tem fios do mercado.

— Tristan só come. - Resmunguei.

Nossa acabei de bancar a bipolar, não queria é que quando eu estou comendo detesto falar.

Tristan come uma pipoca seus olhos arregalaram e então ele comeu um atrás do outros.

— Tristan devagar.

Ainda estou começando a comer a pipoca, enfio a chave na ignição e dou partida.

— Para onde vamos agora, bela dama. - Tristan perguntou de boca cheia.

— Supermercado.

Tristan se põe empolgado elê ajeita o cinto.

— Produtos que cabem no seu carrinho é só aqui. - Tristan imitou o comercial.

Não me aguento e caio na risada, ele é super engraçado duvido que encontraria um cara tipo Tristan. Todos parecem tão egoísta bom, os que conheci só pensavam em si.

— Você gostou do parque? - Perguntei.

— Sim, muito. - Ele respondeu em pensativo.

Olho para o lado e vejo ele pensar em algo, que o deixa com as sobrancelha arqueada.

Será que está pensando em ir embora?

Talvez se tocou que o futuro não é pra ele.

Nem quero perguntar o que passa na cabeça dele.

Deixo a Kombi no estacionamento e entramos no mercado. Meu pesadelo é fila de mercado e mercado lotado e meu primeiro e maior pesadelo é pegar número em banco e esperar até o número 82.

Pego uma cesta e entrego a Tristan, olhando assim nós parecemos um casal fofo.

— Vem só me siga e não saia do meu lado.

Tristan concordou eu não havia percebido, mas está com marca de chocolate no canto dos lábios.

— Tem chocolate no canto da sua boca. - Alertei.

Tristan estirou aquela língua para o canto do lábio e limpou o lado errado.

— Deixa que eu faço isso. Bebê. - Estiquei a mão em direção o canto de seu lábio.

Tristan relaxou os braços e sorriu, por um instante pareceu que todos estão nos olhando.

— Vamos as compras!

Quando me referi as compras não sabia que na minha casa estava faltando tanta coisa.

As compras são inçacadas, tudo certo!. Quando eu chegar vou assistir um filminho sei lá maratona jurássiparque, ou qualquer outro tipo.

Seguimos até a Kombi guardei tudo no banco de trás.

— Vamos pra casa uma tempestade está se aproximando.

Olhei para o céu antes de partimos, impossível o céu está azul e só tem três ou quatro nuvens.

— O céu está bonito deixa de ser louco.

Giro as chaves aumento o som piso no acelerador.

Se chover outro raio pode cair e se cair pode levar ele de volta pra casa.

O céu está nublado Tristan jogou uma praga no céu. Finalmente em casa estaciono a Kombi, Tristan tirou os cintos pronto para descer.

— Susan! - Uma voz masculina chama por mim.

É o Hector.

— É aquele homem..

O impedi que descesse pondo a mão contra seu peito.

— Não sai daqui.

— Não prometo!

Tristan bufa bravo rangendo os dentes, tiro os cintos e vou até Hector, minhas pernas estão tremendo.

O que será que ele quer?

Ele está usando uma camisa social branco e um jeans.

— Oi. - Falei.

Cruzo os braços seus olhos estão em meu corpo, ou está procurando palavras?

— Vim pedir desculpas.

Se sabe o que falar seus olhos estavam mesmo em meu corpo.

— Eu não percebi que estava assustando você. - Ele mostra um sorriso sincero.

É bonito e sexy, mas seus pensamentos são podres e maléficos como de um demônio.

— Tudo, mas mesmo assim não vou poder ajudar você. Tenho outras coisas para fazer.

Os olhos de Hector se voltam para trás de mim Tristan está atrás de mim, ele pousa o queixo em meu ombro.

— A gente tem que pegar as compras. Amor.

Hector guarda as mãos no bolso, não consigo esconder o sorriso. Tristan está com ciúmes adoro.

— Entendo. Bom preciso ir, tchau Susan.

— Tchau.

Hector da as costas e nos deixa Tristan olha para Hector com os olhos semicerrados.

— Este homem não vai parar de olhar pra você assim enquanto nós não nos casarmos.

Ãh? Casar? 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...