1. Spirit Fanfics >
  2. Gunshot >
  3. Bonus: Fish

História Gunshot - Capítulo 19


Escrita por: e maalubi


Capítulo 19 - Bonus: Fish


Min Yoongi's Point of View

 

Se ter que ouvir do seu melhor amigo que você está com abstinência de homem já é estranho, imagine ser prostituído por ele, sendo que ele nem ganha nada em troca.

— Kim Taehyung, se esse seu amiguinho for algum esquisitão tarado, eu juro que corto seu pau fora.

— Ei, relaxa, ele é legal, e bonito também. Aposto que vai gostar dele.

— Gostar dele? Ele é tipo o cara mais estranho que eu já conheci, ele não tem amigos e... já percebeu que ele me persegue? Está sempre olhando pra mim também... Esquece Taehyung, eu estou indo embora.

Antes que me virasse para voltar ao elevador, Taehyung segurou meu pulso, ah, eu odeio esse garoto.

— Yoongi, tem pessoas que realmente gostam de você. Eu sei que você é egocêntrico e mimado, mas nem tudo se trata do que está acontecendo ao redor do seu umbigo, agora você não pode simplesmente culpar as pessoas por gostarem dessa sua carinha falsa ou essa bunda gigante, entendeu? Porra, eu tô tentando te ajudar há meses, e você nem sequer diz um obrigado, quer ir embora, pode ir. Que saco.

Egocêntrico e mimado? Quem ele pensa que é pra me chamar assim?

— Taehyung... - Ele estava com a cara horrível, talvez fazer um escândalo no meio do corredor do prédio onde meu pretendente mora, fizesse nossa amizade romper para sempre - Eu vou dar uma chance pra ele, tá bem?

Vi ele sorrir de canto, mesmo que sua expressão continuasse péssima.

— Seja bonzinho com ele, é uma boa pessoa, e gosta de você.

— Ele só quer me comer.

— Você vai dar uma chance a ele ou não?

— De me comer?

— Pelo amor de deus Yoongi, você é o virgem mais medroso que existe, dar a bunda nem dói tanto assim.

— Desculpe se eu não sou rodado que nem você.

No momento, senti que estava prestes a se avançar em mim, mas desistiu quando uma risada extremamente escandalosa ecoou pelo corredor.

— Seja educado.

Tae bateu na porta algumas vezes, mas o garoto não deve ter escutado, já que o som que vinha de seu apartamento era ensurdecedor. Depois de alguns minutos à espera, resolvi entrar e, bom, ele me decepcionou no primeiro segundo que o vi.

A primeira coisa errada naquele garoto era que andava com calças sem elástico que mostravam suas cuecas, a segunda, ele usava cuecas de desenho animado, a terceira, ele era extrovertido demais pelo que presumi, e a quarta é que ele estava deitado no chão imitando um peixe e esfregando o peito.

— Isso foi...

— Isso foi uma falta de educação Min Yoongi, você não deveria ter entrado assim. Além de ser crime é invasão de privacidade e... obviamente, Hoseok estava fazendo coisas... importantíssimas.

Taehyung tentou ser convincente de que o errado na história era eu, eu realmente preciso de um melhor amigo novo.

-- Taehyung, Yoongi, desculpem-me por ter demorado a atender a porta e... bom, recepcionar vocês assim - O garoto parecia envergonhado, patético.

-- Que nada Hoseok, sem constrangimentos quanto a isso.

Como Taehyung era mais chegado, já foi invadindo a casa do garoto e se sentando onde quisesse, sabia que ele faria de tudo pra deixar eu e ele sozinhos, mas diferente dos outros garotos, esse não era ameaçador ou parecia do tipo que ia tentar me assediar toda vez que eu virasse de costas, digo, ele estava imitando um peixe quando chegamos.

-- Uh, eu me chamo Jung Hoseok, prazer em conhecê-lo - Ele esticou a mão, mas eu não a apertei, não era uma situação tão formal para isso.

-- Min Yoongi.

Ele fez uma careta e colocou a mão no bolso, por um momento, o encarei feio, quem ele pensava que era pra me olhar daquele jeito? Parecia que nem estava afim de mim.

Quando entrou, o segui até a sala e me acomodei ao lado de Taehyung, a casa dele era honesta, não parecia ter muito dinheiro e provavelmente morava sozinho, o que já me dava motivos para não vir visitá-lo sozinho, não que eu tenha cogitado em vir aqui outras vezes.

-- Então, o que vamos comer? - Tae perguntou, parecia estar em casa, suas pernas estavam apoiadas na mesinha de centro e o controle da TV estava em suas mãos. O pior era que Hoseok parecia pouco se importar, eles eram íntimos? Eu não sabia disso, mal via esse garoto pela escola. De qualquer forma, não estava gostando.

-- Eu ia fazer uma pizza, mas acabou dando errado, acho melhor pedir. Quais sabores vocês querem?

-- Eu posso te ajudar a fazer outra, sou eu quem cozinho quando minha mãe não está em casa - Falei, e na mesma hora me arrependi, iria ficar preso com Hoseok na cozinha dele, isso era pior do que o pesadelo de ficar pelado na escola.

-- Ah, por mim está tudo bem - O pior de tudo era aquele sorriso angelical na cara dele, digo, Jung Hoseok era muito bonito, mas era meio bobo demais. De qualquer maneira, não faz meu tipo.

Taehyung sorriu ao ver eu me levantar, ele era louco para me arranjar um namorado, mas se estava pensando que daria uma chance para Hoseok apenas porque estava sendo gentil com ele, estava muito enganado.

-- Com as coisas que sobraram, acho que dá pra fazer uma portuguesa. Você acha que conseguimos assar no micro-ondas? Eu não tenho forno.

A  cozinha era pequena, típica de apartamento. Se eu não tivesse que ficar grudado nele e ele não fosse tão alto a ponto de eu ter que esticar o pescoço, eu acharia o cômodo bonitinho.

-- Acho que dá sim... Pode me dar algo pra misturar a massa?

-- Sim, sim. Só vai pro lado um pouquinho.

Ok, ele estava agachado praticamente na minha frente e isso era estranho, por sorte o viado do Tae não estava vendo isso.

-- Aqui.

Ele me entregou um pote e eu comecei a misturar as coisas na ordem que lembrava, parecia estar dando certo, no máximo teríamos que apelar pra comprar um sorvete e afogar as mágoas na gordura hidrogenada.

-- Então, você dança? - Perguntei, julgando que o peixe fosse um tipo de passo de dança.

--  Ah, sim. Eu faço parte do clube da escola desde que começaram.

-- Você é tipo o líder?

-- Eu era, mas me rebaixaram por ser infantil demais.

Gostava que ele não estava me encochando, nem perto demais, mesmo a cozinha sendo pequena. Os últimos garotos que Tae me apresentou tentaram me atacar no primeiro momento em que ficamos sozinhos.

-- Hum. Quando é sua próxima apresentação? - Eu queria muito ver onde o maldito peixe se encaixava.

-- No próximo sábado, o Tae vai, está convidado também.

-- Obrigado - Sorri e então, coloquei a massa na forma. Não gostava dessa proximidade entre ele e Tae, obviamente não estavam namorando, e Tae era MEU melhor amigo, não deveria estar fazendo amizades assim com mais ninguém.

Pelo resto da tarde, a conversa fluiu. A pizza tinha ficado tão boa que acabamos comendo tudo.  Foi diferente dos outros encontros, foi... agradável? Ele não tinha se mostrado desrespeitoso comigo em nenhum momento e, eu até que gostei.

-- Aprovado? - Taehyung me perguntou após deixarmos o apartamento de Hoseok.

-- Em análise.

-- Ah, cale a boca, você gostou dele.

-- Não gostei não, ele só não é babaca.

-- Isso significa que gostou.

-- Significa que ele é um ser humano normal. Agora, acho que você está me devendo um sorvete.

-- Você vai me falir assim, albino.

-- E você vai acabar tirando minha virgindade.

Tae riu que nem bobo quando entramos no elevador, eu queria socar a cara dele, mas acabei rindo também.

-- Só promete que nunca vai me deixar, tá bom? 

-- Taehyung, você é o namorador, eu que deveria pedir isso a você.

Ele apenas sorriu, se namorar significasse deixar de sair com Tae, eu me manteria solteiro para sempre.

 

~.~

 

Uma semana se passou, e Hoseok não havia desistido. Confesso que ele tinha me surpreendido, mas pensava que iríamos ser amigos antes de começarmos a sair em encontros.

Bom, ele tentou se aproximar como amigo, fazia bastante coisas com Taehyung, queria entrar e formar um trio, eu não queria, então, talvez, tenha sido por isso que ele me chamou pra sair. Eu aceitei, não sei ao certo o porquê, mas parecia divertido, íamos patinar.

-- Você está se preocupando demais para o que deveria ser uma saída qualquer com um garoto que você não gosta - Taehyung comentou após eu provar a terceira roupa que  tinha trazido.

-- Não é isso, eu só não quero parecer ridículo.

Sempre que saía com algum garoto, me arrumava na casa de Taehyung, já que não queria que minha mãe me enchesse de perguntas sobre como seu futuro genro era e que meu irmão ficasse me zoando.

-- Então você não gosta nem um pouco do Hoseok e isso tudo é uma farsa? Eu posso cancelar o encontro pra você se quiser.

-- Não! - Falei assustado, com o tom de voz um pouco elevado - Quer dizer, talvez eu tenha achado ele bonito.

Taehyung sorriu de maneira diabólica, eu definitivamente odeio ele, se tiver feito eu me apaixonar...

-- Tá bom, ele é interessante, mas só porque é diferente dos outros. Está satisfeito?

-- Ele ser diferente quer dizer que é o cara certo pra você.

-- Credo, você fala como se eu fosse me casar. Eu só vou patinar com um cara legal, tudo bem?

-- Certo, mas se não quiser ele, pode deixar que eu quero.

-- Seu tarado, você acha namorados pra eu decepcionar e você pegar quando estão sensíveis?

-- Finalmente você compreendeu do que se trata - Ele piscou e eu apenas ri, terminando de abotoar minha camisa, era a melhor que tinha, talvez fosse até demais pra um encontro desses, mas era a única que realmente me fazia sentir bem - Como estou?

Dei uma voltinha e o encarei, pela sua cara, estava ótimo.

-- Lindo como sempre...

-- Af, isso não basta - Estava quase tirando a roupa quando ele segurou meus braços e me impediu de fazer isso.

-- Yoongi, você gosta do garoto e é a paixão escolar dele. Ele não vai se importar com o que você vestir, e nem venha com o papo de que não quer agradá-lo, porque eu sei que por você, iria de calça de moletom e camiseta de pijama. E cara, você é o mais lindo da escola, ele deveria se sentir sortudo por ter a oportunidade de sair com você.

Respirei fundo e me soltei dele. Vesti meus sapatos e peguei minhas coisas, já estava atrasado, maravilha, tudo por causa que eu não sei escolher que roupa usar, agora iria magoar o garoto que eu gosto mas não gosto de admitir.

 

~.~

 

Foi divertido sair com Hoseok? Muito. Nós saímos mais vezes? Muitas. Eu estava feliz com isso? Bastante. Ele estava próximo demais de Taehyung? PRA CARALHO, EU ODEIO ESSE VIADO.

Acho que ele não entendeu que não era pra rolar triozinho, muito menos uma dupla que envolva meu ficante - o qual ainda não beijei - e meu melhor amigo. Ele estava roubando Taehyung de mim, e não era nem no sentido romântico- psicopata de livros adolescentes, onde os protagonistas começam a namorar e um deles esquece do melhor amigo porque tem que ficar com o seu amor, eles estavam grudados, faziam tudo juntos. Eu aceito que ele dance que nem um peixe fora d'água, aceito sua felicidade extrema e aceito que ele não saiba patinar, mas nunca deixaria ele roubar Taehyung de mim.

-- Ei, Yoongi, quer ir ver um filme lá em casa hoje? - E quando eu menos esperava, o demônio aparecia. Quando não estava com Tae, estava me irritando e atrapalhando minha visão.

-- Não - Disse curto e grosso, ele rouba meu melhor amigo e espera que eu goste dele?

Taehyung era outro que não valia nada, ele estava me afastando. Fez eu gostar do garoto pra não desgrudar mais dele. Quando tivermos a oportunidade de conversar, eu vou jogar tudo na cara dele.

-- Não? - Me afastei, e ele me seguiu - Por quê não? Não estamos em tempo de provas, e pelo que eu saiba, sua mãe te deixa sair à noite.

Revirei os olhos e continuei andando, ele me acompanhou, será que teria que ser grosso para ele entender que eu não quero mais nada com ele?

-- Porque eu não quero, Hoseok - Falei pausadamente e com um tom sarcástico. Ele fez uma careta e então assentiu com a cabeça, deu um sorrisinho e então se afastou. Ele entendeu que estava tudo terminado? Foi tão fácil assim? Será que esse tempo todo ele só quis ser meu amigo, e por isso não se importou? Que seja, eu odeio Kim Taehyung e Jung Hoseok.

Uma semana depois, tive uma visita inesperada de um Hoseok choroso. Ele mal esperou que abrisse a porta e já entrou, seu rosto estava vermelho e ele chorava como uma criança.

-- O que você quer? - Talvez eu devesse ter perguntado se algo tinha acontecido, mas não éramos mais amigos, não precisava me importar.

-- Você é um idiota.

Franzi o cenho e cruzei os braços, ele faz tudo aquilo e depois chega assim, falando essas coisas. Quem ele pensa que é?

-- Você... você nunca gostou de mim, brincou comigo, e não entendo o porquê, nunca nem quis me beijar, imagina sexo. Não pode querer dinheiro, sabe que sou pobre, eu tenho que fazer pizza no micro-ondas poxa, eu entendo que não posso te levar nos restaurantes mais caros, Yoon, mas meus sentimentos por você são reais, eu pensei que estava me dando uma chance, mas do nada você para de falar comigo. Você não sabe o quanto me magoou, Min Yoongi.

Ele estava indo embora, o impedi, segurando sua mão. Não deixaria ele me insultar assim.

-- Você acha que eu sou vidente pra saber que gosta de mim?

-- Não... você não é tão infantil assim, não pode ser.

-- E ainda me chama de infantil? Cara, você veio na minha casa me xingar, esperava que eu fizesse o quê? Te recebesse com flores e beijinhos?

As lágrimas ainda corriam pelo seu rosto, mas ele estava mais calmo, sorria até. Fui soltando seu pulso lentamente, até que sua mão voltou a pender ao lado de seu corpo.

-- Eu vou embora, não se preocupe.

-- E depois de tudo ainda vai embora?

-- O que esperava? Você não gosta de mim.

Confesso que aquilo me pegou de surpresa, pensei que ele soubesse que negava a todos os garotos e ele era o primeiro com quem sai várias vezes, mas eu não era celebridade ou algo do tipo, e ele também não era vidente, eu achava que ele soubesse que gostava dele, mas talvez as coisas não fossem tão óbvias assim.

Me tranquei no quarto e me joguei na cama, arrasado. Pela primeira vez em dezesseis anos, estava chorando por causa de um garoto, por causa do sentimento rui  que invadia meu peito toda vez que pensava que podia tê-lo perdido para sempre, por saber que fui egoísta e que eu mesmo me afastei do meu melhor amigo, e agora não tinha mais ninguém pra me aconselhar.

Esse evento, por mais que doloroso, foi muito importante para mim, me fez aprender, crescer, mudar. Tae não estava bravo comigo, então foi fácil me redimir com ele, e foi com o seu apoio que algumas semanas depois, eu fui consertar o erro que cometi com Hoseok.

Tinha medo que tivesse achado alguém melhor, que já tivesse me superado. Quase um mês havia se passado, e eu não falei com ele nenhuma vez. Ele merecia algo melhor, obviamente, mas na minha mente egoísta, ele ainda deveria ficar comigo, afinal eu era um Min Yoongi mudado agora.

Toquei a campainha de seu apartamento, quando ele abriu, quase fechou na mesma hora, mas eu enfiei o buquê de flores para dentro e o fiz segurá-lo.

-- Por favor, me escuta, eu sei que eu fui um idiota, mas eu estou realmente arrependido - Ele me encarava com uma cara de bunda, mas ao menos não tinha fechado a porta ainda -. Eu tenho saído com vários caras que Tae tem me apresentado, e confesso que as expectativas com você eram baixas, mas eu me surpreendi, você é diferente dos outros garotos, eu pensava até que queria apenas ser meu amigo. Você não tentou tocar no meu corpo, só queria me agradar, eu realmente adorei os nossos encontros mas... você começou a se aproximar demais do Tae e, eu pensei que estivesse tentando roubá-lo de mim, mas aí eu vi que eu quem estava te magoando, eu costumo não me importar, mas aquilo me afetou, porque no final eu estava com ciúmes também, porque... - Tentava olhar pra qualquer outro lugar que não fossem seus olhos, mas quando senti que iria fechar a porta, o encarei - eu gosto de você - minhas bochechas enrubesceram, meu corpo inteiro estava quente e suado. Aquilo era tudo o que tinha para falar, se não me aceitasse ali, significava que eu tinha o perdido para sempre -. Me desculpe por ter te magoado, eu não pretendo fazer mais isso.

Por alguns segundos, me encarou com uma expressão indecifrável, e então entrou, nos mínimos segundos em que largou o buquê, meu coração disparou, pesando que não havia aceito minhas desculpas, mas então, retornou a porta de entrada, escorou-se no marco e depois de alguns instantes, esticou um dos braços, segurando em minha cintura e me puxando contra seu próprio corpo, para enfim ficar com as duas mão em meus quadris. Nas vezes em que saímos, nos abraçamos várias vezes, mas nenhum toque tinha sido tão íntimo como aquele. Era estranho eu me sentir tão confortável em uma situação tão vergonhosa como aquela, ele estava me tocando, estava no controle do meu corpo praticamente, tinha me puxado... eu nem tinha notado, mas estávamos colados, minha barriga estava encostada na sua, e eu estava encarando seu pescoço esse tempo todo.

Notando o quão antiquado eu era, ele guiou minhas mãos até sua nuca. Já tinha beijado antes, sabia onde minhas mãos deveriam estar, mas com ele, eu simplesmente travei. Acho que isso é o que chamam de sentimentos.

Sua mão deslizou sobre meu braço e então tocou meu queixo, o levantando gentilmente, ele sorria agora, não com aqueles sorrisos iluminados como o sol que dava, mas um sorriso simples de satisfação, de qualquer maneira, era lindo.

-- Você é ótimo pedindo desculpas, sabia?

Com aquilo, finalmente soube que estávamos bem, claro que havia mais coisas para se preocupar, mas agora tinha a certeza de que estava perdoado.

-- E você é profissional em me deixar sem graça.

-- Shh...

Seu dedão passou pelo meu lábio inferior, o abrindo minimamente.

-- Seu rosto está ficando vermelho, Yoon.

-- Cale a boca.

Ele me lançou um sorriso desafiador, e então eu reuni coragem e uni meus lábios aos seus, ficando na ponta dos pés e fazendo que abaixasse um pouco seu rosto. Com o tempo, o selinho evoluiu para um beijo profundo e necessitado, ele é do tipo que beija bem a pouco de viciar no primeiro contato, se eu soubesse disso, teria o beijado quando caí por cima dele no gelo.

-- Sei que eu tenho que me desculpar, mas acho que seus vizinhos não gostam de ver a gente se beijando no corredor.

Ele riu e assentiu, me puxando para dentro do seu apartamento.

-- Tem muitos modos de você se redimir aqui dentro. Pode lavar minhas cuecas, cozinhar pra mim ou sentar.

-- Sentar?

-- É, sentar, no sentido sujo mesmo.

-- Seu pervertido, eu vim todo fofinho pedir desculpas e você usa minha bondade pra me comer?

-- Agora que sei que gosta de mim e o beijo tá liberado, eu vou me aproveitar ao máximo desse corpinho branquelo.

Revirei os olhos, rindo e negando com a cabeça. Me desculpar com Hoseok foi a melhor escolha que já tomei.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...