História Gyaku Kimetsu - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Demon Slayer: Kimetsu no Yaiba
Personagens Giyuu Tomioka, Inosuke Hashibira, Kanao Tsuyuri, Kyoujurou Rengoku, Mitsuri Kanroji, Nezuko Kamado, Personagens Originais, Sabito, Shinobu Kochou, Tanjirou Kamado, Zenitsu Agatsuma
Tags Giyuu, Inosuke, Kanao, Kimetsu No Yaiba, Kny, Nezuko, Reverseau, Shinobu, Tanjiro, Zenitsu
Visualizações 49
Palavras 1.067
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, LGBT, Luta, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


olá olá

Capítulo 7 - Primeira missão


Fanfic / Fanfiction Gyaku Kimetsu - Capítulo 7 - Primeira missão


Nezuko caminhava com dificuldade de volta para casa, com a cabeça baixa e milhões de pensamentos em mente. Sua cabeça estava enfaixada, e ainda havia um pouco de sangue seco perto de seus lábios. 


Se sentia péssima por não ter conseguido conversar com nenhum demônio para encontrar uma maneira de transformar seu irmão de volta em humano.


Me desculpe, Tanjiro. Eu estou exausta. Até meus ossos parecem pesados, e eu só queria chegar logo em casa…


Mas o sol já havia se posto no leste quando finalmente alcançou o sopé da montanha. 


─ Urokodaki-san, Tanjiro… Eu voltei. 


De repente, uma das portas da cada foi jogada para longe com um chute, e seu irmão saiu andando como se nada tivesse acontecido.


─ Tanjiro! ─ Ela gritou. ─ Você acordou! Tanji… ─ Ao tentar dar um passo à frente, seu corpo travou e caiu no chão, impotente.


O Kamado, entretanto, correu até ela, saltitando, com uma nova mordaça, dessa vez, feita com um bambu e uma tira vermelha na boca.


Ele a abraçou, como se não se vissem a anos, e Nezuko sentiu todo o peso dentro de si finalmente desabar, permitindo que as lágrimas lhe escapassem.


─ Ah, Tanjiro! Por que você entrou em coma daquele jeito?! Eu fiquei com tanto medo de te perder! 


Como maneira de consolá-la, Urokodaki também juntou-se ao abraço.


─ Você voltou viva, Nezuko.


E naquele momento, ela pôde realmente descansar.


Quinze dias se passaram desde então. Nezuko já estava se recuperando, e Tanjiro agora passava algumas noites inteiras acordado, o que a deixava muito mais tranquila.


No décimo quinto dia, de manhã, o barulho de sinos de vento e o novo cheiro presente chamaram a atenção de Nezuko. 


─ Urokodaki-san! Essa é a pessoa que estávamos esperando?


A figura com um chapéu rodeado de sinos de vento aproximou-se, parando em frente a casa.


─ Meu nome é Haganeduka. Eu forjei a espada que será usada por Kamado Nezuko.


─ Ah, sim! ─ Ela sorriu. ─ Eu sou Kamado Nezuko. Por favor, entre e sente-se um pouco, deve ter sido uma viagem longa até aqui e…


A interrompendo, o homem ajoelhou-se na terra, abrindo a caixa na qual carregava a espada, dando uma longa explicação sobre os minérios que absorviam a luz do sol usados na fabricação da lâmina, enquanto a jovem Kamado tentava inutilmente convencê-lo a entrar.


Em uma de suas tentativas, Haganeduka finalmente levantou a cabeça, revelando sua máscara estranha, e encarou Nezuko por bons segundos.


─ Você é uma criança "do carmesim ardente", certo? É um ótimo momento para nos encontrarmos. 


─ Eh? Ah, não, eu filha de Kie.


─ Não nesse sentido. ─ Ele apontou um dedo em sua direção. ─ Veja, seus cabelos e olhos são alaranjados como uma brasa morna, o que significa que a sua família vem de um negócio que fabrica fogo. Isso é uma sorte e tanto, então fique feliz.


─ Hm? Eu… Não tenho certeza se entendi…


─ Acho que existe uma chance dessa espada se tornar vermelha, certo, Urokodaki? ─ Haganeduka esticou a cabeça para enxergar dentro da casa, e o homem da máscara de tengu apenas concordou. 


Após um tempo, o forjador de espadas finalmente entrou na casa, e ajoelhou-se ao lado de Urokodaki, enquanto Nezuko sentou-se ao lado de Tanjiro, que permanecia debaixo dos cobertores, porém com um olhar atento a tudo que sua irmã fazia.


─ Agora, tente tirar a espada da bainha.


─ Certo… ─ Kamado segurou a bainha com uma das mãos, e o cabo da espada com a outra, revelando uma lâmina metálica incolor.


─ As espadas nichirin também são conhecidas como "espada da mudança de cor". Sua cor se adapta baseando-se no seu portador.


Ao erguer a espada, sua lâmina começou a clarear, ganhando um tom belo e pacífico de branco.


Nezuko espantou-se, mas não de um jeito ruim. A espada ficara linda, e de certa forma, sentiu que aquela era a cor perfeita.


─ Está branca! ─ Haganeduka gritou.


─ Eh? Isso é um mal sinal?


─ Não exatamente. ─ Explicou Urokodaki. ─ Eu nunca havia visto uma lâmina ficar branca antes.


─ Ah, que droga! Eu realmente achei que pudesse ver uma lâmina vermelha e brilhante dessa vez!


De súbito, um pássaro negro atravessou a janela, pousando no parapeito.


─ Kamado Nezuko! ─ Ele gritou, fazendo sons estranhos aqui e ali.


Ah, o corvo fala…


─ Vá para a cidade ao noroeste craw! Essa é sua primeira missão!


─ Primeira missão? ─ Nezuko olhou para Tanjiro, confusa, mas o Kamado apenas lhe retribuiu com um olhar perdido.


─ Vá caçar o demônio! Garotas estão desaparecendo na cidade ao noroeste, craw! Toda noite, toda noite, garotas estão desaparecendo! Vá encontrar a verdade sobre esse caso, craw!


A Kamado levantou-se, guardando a espada na bainha.


─ Certo. Essa é minha… Primeira missão. 


Após alguns minutos de preparo, e após Haganeduka ir embora, Urokodaki havia preparado tudo o que Nezuko iria precisar.


O uniforme dos exterminadores havia lhe caído perfeitamente, e claro, ela fez questão de usar o casaco cor de rosa que havia ganhado de Koishiro, um bom tempo atrás. 


Enquanto terminava de preparar suas coisas, Tanjiro sentou-se ao seu lado, em seu tamanho normal, alguns centímetros mais alto do que ela. Nezuko sorriu ao notá-lo ali, e acariciou seus cabelos, que agora estavam longos como nunca foram.


─ Vamos fazer uma pequena viagem, ok, Tanjiro? Prometo que vou ser o mais cuidadosa possível. 


O Kamado apertou os olhos, sorrindo, aproveitando do momento. Em uma certa parte de sua mente, ele estava admirado ao ver o quanto sua irmã havia crescido, e não apenas fisicamente.


Quando a hora de ir embora chegou, Nezuko recebeu mais uma surpresa. Enquanto esteve fora na seleção final, Urokodaki havia adaptado o carrinho no qual levava Tanjiro para que simplificasse a viagem. A madeira era leve, não pesava quase nada, e agora, haviam quatro rodas e apenas uma haste para carregar. 


─ Urokodaki-san. ─ A Kamado parou na porta, com Tanjiro já dentro de seu carrinho. ─ Obrigada. Por me treinar e por cuidar do Tanjiro. Obrigada por tudo.


Como despedida, Nezuko recebeu um abraço. 


─ Tome cuidado na sua viagem. Sobreviva.


─ Não se preocupe, Urokodaki-san. Eu vou. ─ Sorriu, confiante.


Antes de ir embora de vez, Nezuko também parou na rocha, tocando-a com uma mão, um sorriso saudoso e carinhoso nos lábios. 


─ Até, Tensui, Tenkara.


E então, a jovem Kamado partiu para sua primeira missão. 




Notas Finais


o motivo da lâmina da Nezuko ser branca não é só porque é o contrário da do Tanjiro, ok?

tem a ver com o siginificado da cor, que também é o foco da Nezuko na história, mas isso vai ser melhor explicado lá na frente ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...