História Habeas Corpus. - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias A Batalha do Apocalipse, EXO, Supernatural
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Anjos, Baekhyun, Batalha Do Apocalipse, Byun Baek Hyun, Chanbaek, Chansoo, Chanyeol, Demonios, Do Kyung Soo, Exo, Kai, Kaisoo, Kim Jong In, Kim Joon Myun, Kim Min Seok, Novela, Oh Sehun, Park Chanyeol, Sehun, Suho, Supernatural, Xiumin
Visualizações 44
Palavras 2.919
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Meu deus, quanto tempo, uh?! Como voce estão? Alimentando bem? E AS FERIAS?
AAAAA, TO DE FERIAS GLORIA A ANÚBIS.
Vamos tretar um pouquinho? Vamos!
Boa leitura, cheirosos!

Capítulo 14 - Infernum


Fanfic / Fanfiction Habeas Corpus. - Capítulo 14 - Infernum

✝️✝️✝️

O que inferno? Esse era questionamento que detetive Kyungsoo fazia todo dia depois do ocorrido no quarto. Mas afinal o que é inferno? O moreno por ser fascinado em literatura, conhecia o famoso contexto Inferno de Dante e de modo engraçado associava esse vale espiritual que está passando ao contexto literário. Dante Alighieri um escrito do século XIII da Itália, ficou conhecido por sua famosa obra ‘‘A Divina Comédia’’, uma trilogia que embarca viés teológico dividido em: Paraíso, Purgatório e Inferno. E é exatamente nessa obra que o escritor ficou conhecido como Inferno de Dante, definiu o inferno em 9 estágios, onde cada esfera estão as almas castigadas de acordo com suas ações em vida.

Por mais que o Park soubesse identificar indicie de possessão, ele se negava aceitar que estava acontecendo com o detetive Kyungsoo. Depois dos acontecimentos passados, do moreno ficar preso no quarto, o pequeno D.O não conseguia mais se concentrar em suas obrigações no trabalho, não tinha mais vontade de socializar, pois tinha sensação que podia matar uma pessoa a qualquer momento, perdeu apetite, se tornou grosso com próprio namorado vulgo Chanyeol e odiava quando seu precioso gato Bartolomeu aproximava de si.

Algumas noites tinham ataques de ira e pronunciava palavras que nenhum dos rapazes conseguia identificar, debatia entre os braços fortes do ocultista e seu amigo Sehun. Tinha situações que o próprio Chanyeol precisava dá calmante para poder dar banho no pequeno detetive. Quando tentava alimenta-lo, o mesmo cuspia toda comida na face do ruivo. Em dias calmos como hoje ficava somente deitado na cama lendo algum livro ou só entrava em um sono profundo. É nesses colapsos de lucidez que Kyungsoo questionava a si mesmo: O que é inferno? O moreno sabia que para cultura, religião e mitologia existia um inferno. Como tem Hades para mitologia grega, para judaísmo tem o Gehena, no cristianismo católico tem o Inferno. Kyungsoo é católico e só conhece básico do que é inferno só por base bíblica.

De modo geral inferno são um termo usado por diferentes religiões, culturas e filosofia de vida, inferno designado da palavra latim infernum/infernus, que tem definição ‘’as profundezas do mundo inferior’’

Nesses momentos Kyungsoo questiona se seu corpo é um inferno para habitar demônios.

– Estais aí? – O moreno ouviu tom de voz grossa e sabia que era do Chanyeol, automaticamente sua mente esvaziou e observou o grandão adentrar no quarto. Kyung sentiu um sentimento bom invadir seu coração delicado, sorriu de lado e balançou cabeça positivamente sem desviar olhar do ocultista.

– Sehun ta preparando aquele lamen apimentado que você gosta. Precisas comer para combater o crime da Coreia do Sul. – O ruivo com seu bom humor, soltou uma indireta para o detetive, já que o mesmo não está alimentando bem.

– N-não sinto fome e mesmo que coma parece que algo dentro de mim expulsa. – Sussurrou com a voz rouca por mal ter usado ultimamente, apertou os dedos esbranquiçados no pequeno livro de Charles Bukowski versão pocket.

O silêncio instalou no cômodo e ambos ficaram se encarando. Chanyeol sabia bem que ele estava comentando. E obvio que Kyungsoo sabia que estava acontecendo, só que nenhum tinha coragem de conversar sobre isso.

Para o ocultista é doloroso ver seu pequeno tão abatido, com olheiras profundo e mais magro que o normal. Toda massa muscular que o detetive criou por anos devidos seu trabalho, está perdendo em uma semana e para Chanyeol isso é assustador. O ruivo via delicado como um vidro e cada vez mais emagrecendo, algo aterrorizante.

– Mas tente, por favor?! – O pedido de Chanyeol foi sincero de uma forma tão emotiva que os olhos do ruivo brilharam, talvez com lacrimejados.

– T-tá bom... – Kyungsoo concordou após sentir o peso do pedido do namorado. Inclinou corpo de lado e colocou o pequeno livro no criado mudo. – Chan... Sabes que as coisas vão piorar né? Ainda to conseguindo ter controle de mim mesmo, só não sei ate quando. – O moreno falou entre suspiro evitando olhar do ruivo.

– Vou lá ver se lamen ta pronto – E Chanyeol mais uma vez tentou fugir do assunto, quando estava preste para virar o corpo grande e caminhar direção a porta, sentiu algo gélido e delicado segurar sua mão. Parou corpo e fechou os olhos com força. Não sentia preparado.

– Não fuja de mim assim. Doloroso te ver desse jeito, logo eu que te conheci tão forte. – Ao ouvir aquilo Chanyeol virou corpo e ficou encarando o homem deitado na cama. Aproximou pouco mais e sentou no colchão macio sendo recebido por um sorriso sincero do detetive, sorriso esse com formato de coração.

– Desculpa, só não consigo aceitar essa situação. Sinto tão culpado. – Disse ultima palavra em um suspiro arrastado e logo seguida fechando os olhos.

Kyungsoo que segurava mão do Chanyeol apertou com força e o puxou, trazendo o corpo grande para deita-se ao lado.

– Não tem culpa. Você me fez sentir coisas que ninguém nunca fez. E graças a você me sinto vivo. – Detetive proferiu as palavras com tom de voz doce sentimental. Sentia encantado toda vez que o ruivo mostrava esse face delicada que poucos conhecem.

O ocultista segurou mão fina do moreno e com cautela levou próximo aos carnudos, selando a pele alva e gélida com maestria. Inclinou cabeça pro lado como se deitasse sobre mão e fechou os olhos, logo em seguida sentindo os mesmo dedos deslizarem nos fios avermelhados em um cafuné.

– Não vou deixar nada acontecer com você. – Park sussurrou com tom de voz rouco e de olhos fechados, Kyungsoo em silêncio admirava a face do ocultista com suas bochechas gordinhas e os carnudos levemente cheios. Naquele momento D.O sentiu inteiramente vivo.

✝️✝️✝️

Catedral de São Bento

19:30

Seguidamente de uma missa, Padre Suho caminhou até escritório da paróquia ao lado da Catedral, ali retirou suas vestimentas de clero e ficou com roupas comuns de um ser humano qualquer. Em pé em frente da cafeteira, fechou os olhos e respirou fundo. Sentia que estava acontecendo, só não sabia especificamente o que.

De repente um clarão tomou contra do escritório junto com um barulho de asas batendo. Suho abriu os olhos e ficou observando liquido marrom cair aos poucos na xicara de porcelana. Não se deu o trabalho de virar para saber quem estava ali.

– Olá, Arcanjo! – A voz suave, mas forte instalou no cômodo ecoando no escritório. O próprio ser celestial que falou isso começou andar de forma cautelosa pelo ambiente, com a ponta dos dedos alvo como uma nuvem dedilhou a estante de livros. O ser de estatura media, caminhou descalço praticamente flutuando, por ter uma delicadeza angelical, instalando um aroma de carvalho no ambiente.

– O que tu queres Gabriel? – Suho ou Arcanjo Miguel questionou o endivido sem precisar olha-lo, só reconhecendo-o pela energia e aroma.

– Vim trazer boas novas, irmão. – Baekhyun sussurra sem precisava olhar para Suho, estava com olhos fixados nos livros em sua frente. Mas o próprio Padre reconheceu o tom de desgosto na voz suave do arcanjo.

– Digas logo! – Suho segurou asa da xicara de porcelana entre seus dedos e aproximou a loça delicada nos lábios, absorvendo o liquido quente aos poucos com cuidado para não se queimar. – Melhor invenção dos humanos é café, já provou? – Questionou em seguida, satisfeito pela bebida quente espalhando no paladar. Deu uns passos preguiçosos, arrastando-se para mesa de madeira no centro do escritório.

Quando Baekhyun ouviu palavra humano, franziu sobrancelhas grossas introduzindo uma expressão de repulsa na face e logo em seguida virou os olhos, um ato comum reproduzido pelo Arcanjo que tinha nojo dos humanos. 

– Seu maravilhoso humano está se perdendo do caminho do Senhor, com outras palavras, está preste para ser possuído e senão já foi.. – Respondeu o irmão celestial curto e grosso. Afastou-se da instante, próximo da mesa da madeira observou cadeira e sentou-se de frente, assim cara a cara com o Padre Suho. – E não, não quero essa porcaria, Suho! – Após palavras curtas, o ser celestial cruzou as pernas sentado no estofado e em seguida apoiou as mãos nas coxas.

O Arcanjo Miguel reconheceu que aquilo que estava ouvindo era verdade, por isso sentia energias na região tão oscilada. Fechou os olhos e deixou pequena xicará sobre mesa. Levantou os braços e levou as mãos na face esfregando as palmas ali em um ato de desespero, não importando se rosto ficar avermelhado. O silêncio adentrou no escritório e ficou. Baekhyun entediado mexia o pé para frente e para trás, vez e outra jogava cabeça para trás e bufou alto por não aguentar aquele silêncio.

Nesse meio tempo de silêncio, o ruivo ocultista aproximava da porta do escritório do Padre. Apesarem de estarem com amizade abalada desde que Chanyeol descobriu que o clero é um arcanjo, o mesmo não se ver no direito de negar-se e pedir ajudar para o amigo. Para o ocultista aquilo é difícil, colocar o famoso orgulho de lado para ir clamar por ajudar ao ser superior, mas o mesmo entendia que independente quem aquele ser místico fosse ambos criaram uma amizade. Estranhou quando adentrou na paroquia e não encontrou Kris para atendê-lo. Por conhecer bem o caminho, só seguiu em passos longos aproximando na porta da madeira, assim que girou a trinca da porta e abriu, ouviu bem as palavras proferidas na voz tão bem conhecida.

– Sabe que isso significa né? Lúcifer está querendo garoto de novo, ele sabe que Kyungsoo é o Sant Graal. Se esse detetive cair nas mãos de Luhan, eu não sei que será da humanidade. Você veio para esse mundo de merda para evitar isso. Então faça alguma coisa ou será que está se tornando um humano também, famoso soldado Miguel? – Gabriel ou Baekhyun resmungou finalizando com um estalo da língua no céu da boca.

– Eu sei. Eu sei, tá legal? Eu sei, porra! – A voz de Suho sai abafada devida mãos na face, mas logo as retiras e abre os olhos encarando a face angelical do Baekhyun.

– Então pare sentir demais e faça alguma coisa, ou eu farei. – O anjo Gabriel pronunciou tais palavras com tanta convicção que próprio Arcanjo Miguel sentiu espinha coluna arrepiar-se.

O clima ficou tão pesado, que nenhum dos Arcanjos sentiu presença do humano no local. Chanyeol parado na porta começava raciocinar se realmente tinha vindo na melhor hora. Assim deu um passo para trás e com cuidado tentou puxar a porta, mas esta fez barulho chamando atenção dos dois homens na sala, que logo olharam em direção ao ruivo, de onde vinha à sonoridade.

– Chan... – Suho o chamou com tom de voz emotivo e em seguida empurrou cadeira maciça de madeira, pondo-se em pé com olhar fixado no grandão parado na porta.

Convenhamos, Suho não aguenta viver longe do seu filho, quer dizer, Suho criou o Park e ensinou tudo para o rapaz, é meio obvio ter reação emotiva depois de tudo.

– O-oi... Se for incomodo posso vim outra hora. – Chanyeol com seu jeito de tanto faz, desviou olhar do amigo.

– Não, você fica humano. – Baekhyun pronunciou rispidamente depois de um tempo em silêncio, inclinou para descruzar as pernas e aos poucos se levantou, virando de frente para o ocultista. – É por sua culpa que esse caos está começando – E novamente estava lá o arcanjo Gabriel cuspindo as palavras na cara do Chanyeol.

O próprio arcanjo Miguel ou só Suho enrijeceu os ombros largos e musculosos, o ambiente novamente silenciou e só foi escutado porta bater com força, barulho ecoar no cômodo. E lá estava Chanyeol dentro da sala encarando aqueles seres celestial que se sentem donos do mundo.

– Que foi Gabriel? Está com ciúmes porque transei com o objeto sacro de vocês?! – O ocultista o questionou com jeito esnobe que próprio anjo odeia. Deu passos pelo ambiente e enfio as mãos grandes nos bolsos da calça na frente caçando o isqueiro e cigarro. Ao encontrar levou o vício entre os carnudos avermelhados e em seguida guiou o fogo do isqueiro no mesmo acendendo, então sugou nicotina viciante e segurou fumaça na cavidade bocal.

Com passos preguiçosos aproximou suficiente para ficar cara a cara com Baekhyun, o ocultista precisou baixar pouca cabeça para olhar as íris do anjo, detalhando como o mesmo tinha face formidavelmente bela para um arcanjo tão merda.

– Ah é, esqueci como você negasse assumir que tem um amor encubado por mim. – Chaneyol proferiu as palavras propositalmente seguidas com fumaça do cigarro na face de Baekhyun, esse que começou tossir e balançar mão frente do rosto, abanando a fumaça.

– E-então... Que desejas Chan? – Suho tossiu propositalmente para chamar atenção de ambos e revirou os olhos por ver a expressão enojada do anjo Baekhyun.

O pequeno anjo afastou-se da mesa e dos dois homens, caminhou passos calmos e silencioso até estante de livros de costas para eles.

– Eu sei o que queres, Park. – E respondeu por Chanyeol.

O ruivo suspirou com força, como se estivesse contando até dez mentalmente para não descer uma porrada na cara do anjo.

– Se sabes por que não responde o seu irmãozinho ai?! – Revirou os olhos e soltou um sorrisinho sarcástico para Suho, virou cabeça de lado olhando diretamente para as costas do anjo Gabriel, onde rapidamente deixou suas asas grandes e brancas serem exibidas.

– Parece uma galinha – Soltou piada seguida de uma risada escandalosa de sempre, ao fim, levou novamente o cigarro nos carnudos e sugou com vontade, soltando em seguida a fumaça.

– Bom, poderia dizer que o Arcanjo Poderoso Chefão Miguel fez um trabalho excelente te resgatando do inferno, mas lembrei de que foi criado para ser cão celestial. Então é obvio que não surpreende ser assim sem ética e educação. – Essas palavras que o próprio anjo proferiu, atingiu de cheio Chanyeol como umas laminas.

O ocultista ficou em silêncio só tragando último restinho do cigarro e olhando de baixo pra cima o anjo de costas. O ruivo não sabia identificar se aquilo era homem ou mulher, mas reconhecia que por mais seja hipócrita, o anjo tem estilo. E Baekhyun continuou.

– Kyungsoo estava muito bem até você chegar, ele estava neutro. Nem sentia nada e depois de ti o inferno voltou. Por sua culpa Kyungsoo está assim. Aquele homem é Sant Graal, sabe o que é isso, estúpido? – O anjo virou de frente para o humano que o encarava seriamente, observou o mesmo aproximando com os punhos fechados. Chanyeol soltou uma risada ironia por ficar observando o projeto celestial irrita-se.

– Encosta um dedo em mim que te mando de volta para o Éden, solzinho de Deus. – Suho arregalou os olhos quando ouviu que Chanyeol disse e o próprio Baekhyun parou no meio do caminho.

– Que foi? Esqueceu que da mesma forma coloco demônios no inferno posso colocar anjinhos de volta pra casa? – Deu ultima tragada com gosto e jogou resto do cigarro no chão da sala, com a mão que segurava a nicotina enfiou no bolso do casaco longo e puxou uma adaga grande de bronze celestial.

Suho reconhecia aquela adaga, pois foi sua. Ele se lembra do dia que entregou para Chanyeol. De alguma forma sentiu orgulhoso por seu filho ter ainda o instrumento. Os dois arcanjos enrijeceram os músculos e ficaram com olhar tenso sobre objeto. Quando Chanyeol percebeu reação deles, soltou uma boa risada.

– Vocês sentem superiores demais, mas esquecem de que podem morrer nesse plano e sabem que faria isso com todo prazer. E sim, sei o que é porra de Sant Graal, pensei que isso era só um mito que igreja inventou. Sei que Lúcifer quer alma do Kyungsoo para conseguir domar os humanos por ser último resquício de Jesus na terra e todo esse bla bla bla. Mas isso não justifica que Kyungsoo tem que viver como um morto. – Chanyeol respirou fundo e ficaram revezando o olhar para os dois homens parados na sala.

– Eu sei que fui idiota, tá legal? Mas porra, ele é humano de toda forma. Queria o que? Que ele vive enclausurado como uma freira? Por favor, né. Não vai acontecer nada com ele, ok? Eu não vou permitir isso. Acreditem em mim. – As últimas palavras do ocultista foram pronuncias de uma forma tão melancólica que o próprio anjo Gabriel ou Baekhyun sentiu dó da situação do humano, por mais que odiasse essa raça egoísta e hipócrita.

Mais uma vez silêncio abraçou os três homens. Por uns longos minutos calados, só possíveis ouvir as asas baterem e um vento forte espalhar no escritório. E lá se foi Baekhyun, restando somente Suho e Chanyeol na sala.

– Vim contar sobre últimos dias com Kyungsoo, mas já vejo que sabes. – Pronunciou e com cuidado levou adaga para bolso do casaco longo, guardando-a depois que anjo Gabriel foi embora.

– Sim e como ele está? – O padre afastou-se da mesa de madeira e caminhou para roupeiro preste para buscar o casaco.

Quando Chanyeol estava pronto para detalhar situações para o amigo, ouviu celular tocar e imediamente enfiou mão grande no bolso da calça em busca do aparelho, quando encontrou deslizou polegar na tela e colocou no alto falante.

– CHAN, VEM PRA CASA QUE KYUNG TÁ FORA DE SI. – O ocultista desesperou quando ouviu a voz aflita do Sehun, coisa rara já que o homem é tão calmo. Em seguida pudesse ouvir um grito e em seguida varias palavras de idioma diferente do coreano, ouviu algo como um eco parecido com um ranger grosso e da nada ligação caiu.

- Ele está falando em hebraico? Desde quando kyung sabe hebraico? – Suho questionou perplexo, pois não esperava algo estava tão fora do contexto assim.

Naquele momento Chanyeol, Suho e Sehun sabiam que não estavam mais lidando com Kyungsoo.

✝️✝️✝️


Notas Finais


DEUS EU AMO DIVINA COMEDIAAAAAAAAAA. Adoro Dante. Voces ja leram? Fiz um jornalzinho com uma citação do poema.
https://www.spiritfanfiction.com/jornais/habeas-corpus--hell-13610458

A partir de agora é só dedo no ku e gritaria. Que. Amém irmão? Amém!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...