1. Spirit Fanfics >
  2. Habibi >
  3. Segundo

História Habibi - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Imagem meramente ilustrativa do Yushi (lider lan) Lianshan ( sua esposa) e Peng ( filho do Mingjue e Xichen)

Capítulo 2 - Segundo


Fanfic / Fanfiction Habibi - Capítulo 2 - Segundo

Bom dia, boa tarde, boa noite.
Obg a todos que vieram e estarão aqui nessa nova jornada kkkkk
Quem leu A cura vai pegar direitinho a referência ao cultivo de cura, quem não leu, vai entender com o decorrer da estória.
************


Uma faixa com um pingente de safira foi posta na testa do ômega que, para desagrado de seu amigo, desgostou completamente jogando o objeto longe e criando um bico emburrado nos lábios que o deixavam ainda mais bonito.

Xuanyu revirou os olhos procurando outros adereços que pudessem agradar seu jovem mestre. A penteadeira já estava uma bagunça do tanto que já haviam mudado os adornos, mas Wei Ying odiava qualquer coisa que amarrassem em sua cabeça.

- Olha, e esse pingente de jade? - mostrou com um fio de esperança, mas foi rejeitado novamente - Xian-gege, tem que escolher um!

- Não quero.

- Está bem - virou à procura da fita vermelha de sempre e amarrou os cabelos do mais velho num rabo de cavalo - Espero que sua mãe reclame sobre isso. Sabe que precisa usar!

Wei Ying lançou um olhar mortal para o amigo, que deu de ombros. Ele sabia que os adereços eram para atrair mais olhares e destacar sua beleza, mas era desconfortável estar com aquelas faixas, fora o pingente batendo em sua testa toda vez que andava.

- Irei arcar com minha decisão - debochou, se levantando - Agora vamos, temos que curar - sorriu para o menor que concordou e o acompanhou.

Estudar e praticar não eram o real desejo de Wei Wuxian, mas não podia fugir sempre de suas responsabilidades para ficar brincando pelos arredores de Olho d'água. Era o futuro da seita, precisava estar à frente de suas próprias capacidades para poder assumir a liderança junto ao seu futuro marido.

- Jovem mestre Wei - alguns juniores o cumprimentavam no caminho.

Mo Xuanyu ia sempre um passo atrás, como sinal de respeito, por que mesmo que fosse tratado como um familiar, ainda tinha consciência de ser um servo e que alguns ainda o olhavam com desgosto pelo passado que inventaram sobre suas supostas atitudes desagradáveis que fizeram Guangshan não aceitá-lo em LalingJin.

- Aqui - informou se sentando em frente a avó que balançou a cabeça em negação - Culpa do A-Yu - apontou para o ômega que o olhou desacreditado.

- Você se atrasou de novo, ficará de castigo comigo o resto do dia - Baoshan ditou para seu desagrado.

- Mãe, não seja tão cruel, o jovem mestre Wei deve ter uma boa desculpa - Xingchen falou sorridente, incentivando o sobrinho a falar.

- Obrigado meu tio - falou entre dentes, se curvando para o Xiao - Apenas não gosto de usar faixas.

- Que pena, a segunda jade de Gusu vai perder essa dispulta - a senhora deu de ombros - Vamos começar, meu genro só tem a minha maravilhosa presença por 3 meses, devo ensinar tudo que sei - se direcinou a todos os alunos sentados no gramado.

- Vovó o que quis dizer com isso?

- Nada, agora cale-se, hora da aula!

O menino ficou emburrado em seu lugar, curioso do por que, que o segundo herdeiro de Gusu perderia apenas por que o ômega não gostava de usar faixa na testa. Olhou para Xingchen tentando descobrir algo, mas o alfa apenas sorriu balançando a cabeça em negação, não querendo ajudá-lo sobre o assunto.

A aula prosseguiu bem calma, diferente das outras vezes que a mulher esteve ali. Wei Wuxian era mais novo e mais agitado e adorava quando a avó e o tio passavam aqueles adoráveis 3 meses junto a sua família. Sendo Baoshan uma imortal que acompanhava a seita Wei desde o avô de Changze, tinha conhecimento de sobra sobre a prática de cura, então era sempre convidada a dar aulas para os jovens de Hanjian.

Cangse era filha de seu primeiro amor, mas como nem todos conseguiam a imortalidade, teve que vê seu amado partir sem poder fazer muita coisa. Já Xingchen veio de um caso rápido, uma vez que a mulher evitava se apaixonar para não sentir a dor da perda novamente.

Os dois viviam subindo as montanhas, mas ninguém sabia ao certo para onde. A senhora treinava os poucos que conseguiam encontrá-la e os direcionava para as seitas existentes, não os encontrando nunca mais após isso. Só se aventuravam fora quando iam visitar Hanjian. Quer dizer, Xingchen saía mais, depois que se apaixonou por um discípulo de uma seita pequena mais a oeste chamado Song Lan.

- As raízes de Hanjian estão conectadas a todas as seitas, alimentando e dando vida até àquelas que se destacam como inférteis, como QishanWen e QingHeNie. Infelizmente a seita Wen vem sendo a menos favorecida por motivos internos que apenas os líderes vem deliberando durante todos esses anos - começou a explicar fazendo os mais novos prestarem mais atenção em si - ChangZe é muito gentil ao fornecer tanta vida àqueles...

- Mamãe - Xingchen chamou sua atenção antes que ela falasse demais - Vamos tomar como lição uma das regras de GusuLan e não falaremos de outra pessoa ou seita pelas costas.

- Claro - bufou em desagrado, mas seu filho tinha razão, não devia envolver os mais novos nisso - Toda vida é preciosa - falou o lema da seita Wei - Agora preciso que sejam mais eficazes e tentem alcançar a nossa cidade e se possível passar dela. Veremos quanto tempo aguentarão.

Wei Wuxian concordou, já se preparando para se conectar, quando foi impedido pelo tio que negou.

- Você não meu neto, sua força e cultivo vão além desses jovens. Irá atrapalhar, mais do que ajudar - a senhora o alertou.

Com isso, o menor ficou quieto observando os outros tentando criar conexões com as raizes da terra que os guiariam até a cidade. Para Wei Ying era muito simples, até fácil demais, mas para os mais jovens era uma sensação terrível de sobrecarga e perda de energia muito grande. Alguns suavam e ofegavam se esforçando para conseguir, mas nem todos tiveram êxito.

Baoshan sorria observadora, sem julgar nenhuma das crianças à sua frente. Muitos anos atrás, quando ainda era uma jovem cultivadora, teve a sorte de conhecer um bom mestre de cura que foi paciente para guiá-la. Sabia como era difícil dar energia daquela maneira, principalmente para quem ainda estava desenvolvendo seu núcleo dourado.

- Tudo bem, descansem - pediu calmamente - Agora A-Ying, alcance mais longe. Sua capacidade já te levou a QingHe, quero que vá além.

- Sim senhora.

Mo Xuanyu se afastou um pouco para dar mais espaço para que o mestre conseguisse se concentrar melhor. Wei Wuxian estralou os dedos, antes de sentar em posição de meditação, com as mãos próxima ao peitoral fazendo um círculo médio, colocando parte de sua energia espiritual no centro antes de direcionar as mãos ao chão e começar a conexão, se unindo as raízes e com elas sendo guiado aos caminhos que ultrapassavam as fronteiras de Hanjian, até Yunmeng e de lá seguindo o fluxo que interligava as outras seitas.

Sua respiração estava bem fraca, pois suas energias estavam direcionadas a encontrar algo que estivesse precisando de si. Algo ou alguém sozinho, em momento de meditação ou fraqueza. Mas, diferente do que imaginava, seu corpo congelou e sentiu como se pudesse se afogar a qualquer momento. A pessoa com quem se ligou estava submersa num lugar congelante demais para sua capacidade de resistência. Então bruscamente se desconectou, voltando ao seu corpo tão fraco e frio que acabou desmaiando.

- O corpo dele está congelando - Xingchen alertou a mãe, segurando o sobrinho nos braços e correndo de volta para a casa.

- Gusu? - a mulher se questionou, não lembrando de um lugar mais frio do que acima daquelas montanhas.

*********

Wangji sentiu um calafrio enorme passar por seu corpo, tornando as águas da fonte fria insuportáveis, tanto que se viu obrigado a sair o mais rápido possível ou acabaria congelando. Olhou espantado para a água, estranhando aquela sensação que nunca havia ocorrido. Arriscou pôr um pé para ter certeza que estava como sempre e se surpreendeu ao ver seu corpo voltar ao normal e não sentir mais o frio de antes.

Olhou ao redor, esfregando as mãos no ombro na intenção de se aquecer, não encontrando nenhuma atividade estranha que pudesse ter lhe atingido tão de repente.

Sem respostas, apenas pegou suas vestes e tratou de arrumar não vendo mais necessidade de entrar na fonte outra vez. Assim que terminou, viu os pés delicados de Lianshan descerem as escadas à sua procura. A ômega carregava um sorriso malicioso que fez o filho suspirar.

- Vamos, Peng vai ficar com seu pai, poderemos comprar o presente para o jovem mestre de Hanjian.

- Mãe... - tentou mais uma vez fazer a mulher desistir.

- A-Zhan, rápido, vá trocar suas roupas - pegou bichen do chão e entregou ao filho que, emburrado, subiu em sua espada em direção ao seu quarto.

- Você não tem jeito mesmo Senhora Lan - Yushi, que estava ocultando sua presença, se aproximou da mulher e segurou sua cintura - Wangji pode escolher não ir.

- Senhor Lan, eu conheço meu filho muito bem para permitir que decida não ir.

- Está muito confiante, minha senhora - beijou a bochecha da esposa antes de virar e pegar o neto no colo.

- Vamos, nos leve para o quarto, também devo me aprontar - ergueu os braços para o marido que logo a pegou e subiu em sua espada voltando para o Hanshi.

A mulher não precisava se arrumar de verdade, foi apenas para passar um tempo com o marido e o neto até que Wangji estivesse pronto. O pequeno Peng corria pelo grande quarto criando histórias imaginárias com seus brinquedos enquanto era observado pelo casal. Diferente dos demais, até mesmo de seus filhos quando pequenos, Peng não gostava ou se acostumava à rotina dos Lan, mesmo sendo imposto a rigidez das 3000 regras desde que nasceu. Apesar de herdar o nome da família do māma, seu espírito era agressivo e selvagem como os da seita Nie, mostrando o quanto havia herdado de MingJue. Não tinha interesse por espadas muito menos por música. Contudo, diferente do que todos imaginavam, MingJue desaprovava essa conduta do filho, apesar de querer muito vê-lo manuseando um sabre, Peng era um Lan, e deveria seguir as restrições e tradições de sua família.

- YouJin, sente-se corretamente - Yushi alertou o neto quando QiRen entrou - Mestre Lan.

- Qingheng-Jun - se curvou para o irmão entrando e entregando a carta que recebeu - Fiz o que me pediu, mas não li nada. Ainda acho que está se precipitando, Wangji é seu segundo herdeiro, não deveria mandá-lo para ficar em outra seita.

- A-Ren - provocou o mais novo, fazendo sua mulher rir - A seita Lan está segura, Chifeng-zun está ao nosso lado com QingHe e Xichen já nos deu um herdeiro - apontou para Peng, que estava quietinho observando os mais velhos conversarem - Agradeço a ajuda, isso facilitará a aceitação de Wangji em Hanjian.

- Certo - soltou o ar com força - Já esta aí, não quero me envolver em mais nada - deu as costas e saiu.

Yushi e Lianshan se olharam sorridentes abrindo a carta e descobrindo várias coisas sobre as preferências do jovem ômega da seita Wei. A maioria relacionada a dança e comidas apimentadas.

- Pai, mãe - entrou no quarto se curvando para os pais.

- Tio - Peng se curvou para o alfa que pegou o sobrinho no braço - Tio vai vir visitar A-Jin depois que se mudar?

- Quê? - olhou para os pais buscando respostas mas o casal apenas escondeu os rostos atrás das mangas das túnicas para que o filho não visse que ambos estavam sorrindo.

- Vamos, A-Zhan - a ômega chamou, pondo o neto no chão e puxando o filho.

Os dois desceram para a cidade em um silêncio confortável que ambos já estavam acostumados a compartilhar. Não era necessário, para a mulher, que o filho falasse para saber o que se passava em sua cabeça. Wangji estava curioso para ver quem era Wei Wuxian e entender sobre aquela fama de dançar tão bem a ponto de tirar o fôlego de quem o assistia.

Eram tão pequeno o número de pessoas que haviam visto sua dança, mas todos repetiam sempre os mesmos elogios, alguns até agregavam palavras mais difíceis de pronunciar para descrever o quão encantados ficavam ao ver Wei Wuxian deslizar com os pés no chão.

- Ele gosta de comidas picantes - começou a contar quando começaram a andar por entre as lojinhas e barracas na rua - Mas deixarei que seus instintos o guiem sobre o que deveria dar - acariciou o rosto do filho, que parecia desanimado - Vamos lá, não estou mandando se casar, assim como seu irmão, você tem total direito de se apaixonar por quem quiser, mas não custa nada ir até Hanjian, vai que ele é o amor sua vida?

Wangji encarou a mãe por alguns segundos antes de concordar e os dois continuarem na busca do presente perfeito. O problema não estava em ir a Hanjian e sim na ideia do casamento. O motivo daquela reunião era para levar alguém para cuidar da seita junto ao ômega. Não estava nenhum pouco afim de abandonar seus princípios para viver em uma cidade diferente, longe de sua família.

Não estava interessado em ter um relacionamento, mas ainda assim não podia enganar sua mãe sobre sua curiosidade. Os céus foram gentis ao fazerem seu irmão amar alguém e ter um filho. tirando o foco total da segunda jade, o deixando livre para seguir sua doutrina em paz, mas Lianshan não parecia concordar com isso.

- A-Zhan, o que acha desse perfume? - perguntou mostrando o frasco, mas o mais novo negou com a cabeça, não achando certo.

Não parecia algo que Wei Wuxian gostaria de receber. Varreu os olhos pelas mesas até achar uma que vendia acessórios de dança. Olhou cada item minuciosamente, procurando aquilo que o agradasse mais.

- Quem sabe... - começou, vendo o interesse do filho - Algo que você gostaria de vê-lo usando.

- Hm.

Continuou sua procura até achar uma máscara branca com um pingente vermelho no centro que chamou sua atenção. Pegou-a na mão e analisou os detalhes traçados, levando sua imaginação a tentar imaginar o "belo" rosto escondido atrás daquela máscara, enquanto movia seu corpo de maneira graciosa, numa dança instigante, apenas para ele.

Diante de seus pensamentos, suas orelhas ficaram vermelhas e seu coração agitado. Mas só sua mãe foi capaz de perceber e com um risinho abafado entregou algumas moedas ao vendedor, pedindo que preparasse uma caixa bonita para presente.

- Pronto, A-Zhan, agora podemos voltar. 


*****
Wangji escute sua mãe! Ela sabe o que fala.
Okay gente vem aqui para um pequeno aviso.
Aqui a mãe do Wangji é de boa certo? Então ela fica com o marido no Hanshi e o Wangji continua do Jingshi e o Xichen que ganhou quarto novo que chamarei de Renshi.

Jingshi : silencioso
Hanshi : mestre dos mestre (ou instrutor dos instrutores).
Renshi: quem tem um alto conhecimento.


Notas Finais


Obg a quem está acompanhando.
Amu vocês!
Comentem!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...