1. Spirit Fanfics >
  2. Half Blood: O Mar De Monstros >
  3. Hermes nos ajuda a quebrar algumas regras.

História Half Blood: O Mar De Monstros - Capítulo 5


Escrita por:


Capítulo 5 - Hermes nos ajuda a quebrar algumas regras.


Então, querem saber o que aconteceu na corrida? Bem, na visão de Tântalo os pássaros carniceiros estavam tranquilos na deles, vivendo suas vidas, até que a louca da Ray Dallas começou a atirar flechas nas pobres e inocentes criaturas, Percy, Annabeth e Tyson apenas pioraram a situação perturbando as aves ainda mais ao conduzirem mal suas bigas.

Foi injusto e ridículo, eu sei, mas eu já havia me acostumado então pela primeira vez, não disse nada, no meu lugar o Fishman furioso mandou Tântalo perseguir um donut. Eu ri muito. Aquilo obviamente não melhorou o humor do morta fome da meia-noite. Como castigo ele estendeu minha semana de trabalho nos estábulos e nos mandou prestar serviço na cozinha. Lavar a louça o dia inteiro na cozinha subterrânea com as Harpias da limpeza. 

O pior de tudo é que aquelas galinhas voadoras lavavam as louças com lava ao invés de água, bem, a lava realmente limpava e deixava um brilho muito magnífico, MAS ERA PERIGOSO PRA GENTE!. Eu, Anny e Percy tivemos que usar luvas e aventais de asbesto.

Tyson nem ligou, atolou as mãos lá dentro e começou a esfregar. Ciclopes são meio que imunes ao fogo, então não dói nele. Mas era muito agoniante para mim fazer aquilo, a pia estava muito quente, sem contar nos respingos assassinos. Ficamos horas dolorosas lá, principalmente por causa da quantidade absurda de pratos extras. Tântalo ordenou um banquete especial para celebrar a vitória da carruagem da Clarisse, uma refeição completa, incluindo pássaros de Estinfálo. Primeiramente, eca, comeram monstros mortos, segundamente, eu odeio Tântalo do fundo do meu coração.

- Minhas mãos estão ardendo!_ reclamei balançando as mãos, tirando a lava super perigosa, como castigo Tântalo também disse que eu não podia recorrer a atendimento médico, ou seja, meus machucados não poderiam ser tratados e minhas mãos ainda estavam cheias de bicadas e sem a pele! 

- Eu lavo a sua parte pra você_ Tyson sugeriu, balancei a cabeça.

- Não, não precisa, obrigada, Ty, eu estou bem_ sorri fazendo um joinha para ele, depois voltei a lavar minha louça. Do outro lado Percy contava seu sonho com o Grover para a Annabeth.

- Se ele encontrou aquilo mesmo..._ Annabeth murmurou_ E se nós podermos resgatar... 

- EI, Anny! O que ele encontrou é realmente aquele negócio de ouro? Eu tava aqui pensando, e ele cheira igual Pan, então faz sentido né?_ perguntei, eu passei o dia pensando nisso, e tem essa lenda de um negócio de ouro mágico tirado de um carneiro, acho que é lã, mas o nome não é exatamente lã.

- Sim_ Ela concordou. 

- Então se a gente achar, o veneno...

- Esperem aí_ Percy chamou a nossa atenção me interrompendo. Corno safado_ Vocês estão me deixando confuso, estão agindo como se aquilo... O que Grover encontrou, fosse a única coisa no mundo capaz de salvar o acampamento. O que é aquilo?_ Jackson perguntou. De fato é a única coisa capaz de salvar o acampamento no momento. Iji rimou.

- Vou lhe dar uma dica_ Annabeth começou_ O que você consegue quando arranca a pele de um carneiro?

- Deixar ele despelado_ falei rindo 

- Ficar todo sujo?

Annabeth suspirou alto 

- Um velocino! A pele do carneiro se chama velocino_ Ela explicou. Sim, sim era esse nome aí, o Velocino de Ouro, tem na história de Jasão e os argonautas e parará pererê. 

- Tá querendo dizer que aquilo que ele achou é o Velocino de Ouro? 

- É né, pensa aí Jackson, ele falou que tem cheiro de Pan e uma natureza mágica muito forte._ falei prestando atenção nos meus pratos, Percy demorou uns três segundos apenas para perguntar.

- Vocês tão falando sério?_ O MENINO LERDO MEUS DEUSES!

Annabeth jogou um prato cheio de ossos na lava fazendo respingar em mim.

- Cuidado! Isso queima sabia?_ falei brava

- Desculpe. Percy está lembrado das irmãs cinzentas? Elas disseram que sabiam onde estava aquilo que você procura. E mencionaram Jasão. Três mil anos atrás, elas disseram a ele como encontrar o Velocino de Ouro. Conhece a história de Jasão e os argonautas?_ a loira perguntou. E parará pererê? Haha. Esperai, irmãs cinzentas? Aquelas que só tem um olho? Literalmente só UM olho para as  TRÊS irmãs. 

- Sim_ Percy respondeu_ Aquele filme antigo com os esqueletos de barro. 

- Deixa de dar uma de mongolóide_ falei rindo. Aquele filme é bem ruim. 

Annabeth revirou os olhos.

- Pelos deuses, Percy! Você não tem jeito mesmo.

- O quê? 

- Só escute, a verdadeira história do Velocino: havia aqueles dois filhos de Zeus, Cadmo e Europa, certo? Eles estavam para ser oferecidos como sacrifício humano quando imploraram a Zeus que os salvasse. Então Zeus enviou aquele carneiro voador mágico com sua lã de ouro, que os recolheu na Grécia e os transportou até Cólquida, na Ásia menor. Bem, na verdade ele transportou Cadmo. Europa caiu e morreu no meio do caminho, mas isso não é importante. 

- Deve ter sido importante pra ela_ Percy e eu falamos ao mesmo tempo.

- A questão é que. Quando Cadmo chegou a Cólquida, sacrificou o carneiro de ouro aos deuses e pendurou o Velocino numa árvore no meio do reino. O Velocino levou prosperidade a terra. Os animais pararam de adoecer. As plantas cresceram melhor. Os lavradores tiveram colheitas fartas. Nunca havia o castigo das pragas. É por isso que Jasão queria o Velocino, ele é capaz de revitalizar qualquer terra onde for colocado. Cura doenças, fortalece a natureza, limpa a poluição..._ CADMO FOI UM BAITA DE UM MAL AGRADECIDO, tadinho do carneiro, levou ele todo o caminho pra chegar lá e ser morto, injustiça.

- Poderia curar a árvore de Thalia.

Annabeth concordou

- E deixar as fronteiras do acampamento Meio-Sangue muito mais fortes. Mas o Velocino está desaparecido há séculos. Toneladas de heróis já buscaram por ele, mas não tiveram sucesso. 

- Mas Grover esbarrou com ele_ falei 

- Sim_ Percy concordou_ Ele foi em busca de Pan e encontrou o Velocino em vez disso. Podemos salvá-lo e salvar o acampamento ao mesmo tempo, é perfeito!_ Ele falou animado.

- Um pouco perfeito demais não acha?_ Annabeth perguntou hesitante, minha mente não se impediu de viajar até os eventos do verão passado, onde Cronos controlou nossa missão,e também haviam as palavras do meu sonho "Quando falhar em proteger aquilo que mais ama...", Annabeth tinha razão, aquilo tinha grandes chances de ser uma armadilha que ia acabar com a gente e com o acampamento.

- Que escolha temos?_ Percy perguntou_ Você vai nos ajudar a salvar o Grover ou não?

- Nos ajudar?_ perguntei confusa, ele ia levar o Tyson?

- Sim, eu e você_ pisquei sem entender, desde quando eu confirmei que ia também?.

- Percy, vamos ter que enfrentar um ciclope_ Annabeth começou.

- Sim, eu sei, Polifemo, é na ilha dele que o Grover está.

- É, cabeça de alga, mas ele não é um simples ciclope, é o pior de todos eles, e só tem um lugar onde a ilha dele pode estar. O Mar de Monstros._ estremeci, o fantasma do garoto do ponto de ônibus realmente sabia de tudo que estava acontecendo, Ulisses enfrentou Polifemo depois de passar pelo mar de monstros. Quem diabos é aquele garoto, ou melhor, o que ele é?.

- Onde fica isso?_ Percy perguntou.

- Caramba, Fishman, que leigo você. O Mar de Monstros. Aquele mar onde Ulisses navegou, Jasão também deu umas voltinhas por lá, Enéias e todos os outros._ falei cruzando os braços e me queimando com as luvas quentes. AI CACETE. 

- Você quer dizer o mediterrâneo? 

- Sim! 

- Não. Bem, sim... Mas não._ olhei confusa para a Annabeth. Que história é essa de é, mas não é, mas é, mas não é?.

- Como é que é? 

- Veja, o Mar de Monstros é o mar que todos os heróis atravessam em suas aventuras. Costumava ficar no mediterrâneo, sim. Mas, como tudo mais, muda de lugar quando muda o centro de poder do ocidente_ ela explicou, bem faz sentido. O olimpo saiu da Grécia, então é óbvio que tudo ia mudar junto dele.

- Como o monte Olimpo no alto do edifício Empire State_ Percy falou. Já fui lá, é bem bonito, toda a civilização dos deuses lá em cima, porém tive medo das escadas de mármore._ E o Hades embaixo de Los Angeles_ também fui lá, foi onde conheci meu pai e ele ameaçou de me matar e mandar meu esqueleto liderar sua tropa de soldados mortos. Acho que ele me ama.

- Sim, isso mesmo_ Annabeth confirmou.

- Mas um mar inteiro de monstros... Como você poderia esconder algo assim? Os mortais não teriam notado coisas estranhas acontecendo... Tipo, navios sendo devorados e coisas do gênero?_ Percy voltou a perguntar. É claro que iam notar, não podem explicar, mas sabem que acontece algo estranho lá. AI MEU HADES. Lembrei do meu trabalho de geografia, que foi muito bem feito, as coordenadas, o jeito como os navios sumiam, as estranhas mudanças de climas na região, até as minhas teorias malucas. EU ESTAVA FALANDO DO MAR DO MONSTROS TODO AQUELE TEMPO E NEM NOTEI.

- O triângulo das bermudas!_ falei soltando uma panela dentro da pia respingando mais lava em mim.

- Aí!

- Exatamente_ Annabeth confirmou.

- Espera, o que? O mar de monstros é o triângulo das bermudas? 

- Sim, sim, onde acontecem coisas que nenhum mortal consegue explicar, navios sumindo, redemoinhos  em larga escala na água... O Mar de Monstros!_ falei chacoalhando as mãos. Os redemoinhos devem ser obra de Caribdis. 

- Bem, pelo menos agora sabemos onde procurar_ Percy falou. Costa leste dos estados unidos, logo a noroeste da Flórida, as coordenadas exatas são: 26° 37' 45" N,70° 53' 1" W. Eu fiz um ótimo trabalho, mereci aquele 10. 

- Ainda assim, é uma área enorme. Procurar uma ilha minúscula em águas infestadas por monstros..._ Annabeth começou.

- Ei, sou filho do deus do mar. É o meu território, não pode ser tão difícil._ Gargalhei alto.

- Você não podia estar mais errado... Pra nós sempre pode ser tão difícil_ cruzei os braços novamente me queimando com as luvas quentes. 

- EU ODEIO ESSAS LUVAS!_ gritei brava, meus braços completamente vermelhos.

- De qualquer jeito temos que falar com Tântalo, conseguir aprovação para uma missão, ele vai dizer não_ Annabeth falou, ri baixo. Aprovação, verão passado nem precisei disso. 

- Ray não precisou disso verão passado_ Percy riu. TA LENDO A MINHA MENTE?.

- É, verão passado o diretor de atividades não odiava ela_ Annabeth olhou para mim_ Por favor, sem fugir dessa vez okay, não consigo nem imagina o que Tântalo faria com você. 

- Me banir para sempre do acampamento talvez?_ Perguntei ainda rindo_ Não se preocupe, Anny, não vou fazer nada imprudente dessa vez._ até porque eu nem quero ir nessa missão, nada contra o Grover, eu gosto dele e quero muito salvar o acampamento, mas só não quero mais arriscar minha vida e receber um "Não fez mais que sua obrigação, como prêmio, vou deixar você viver." 

- Mas, ainda temos o problema de Tântalo...

- É só falar com ele na hora da fogueira, bem alto, na frente de todo mundo_ Falei_ Ele não se importa nenhum pouco com o acampamento, mas sob a pressão de todo mundo ele vai fingir se importar e vai dar a aprovação. 

- Talvez_ Annabeth falou parecendo um pouco mais esperançosa_ É melhor terminarmos com esses pratos. Me passe o pulverizador de lava, por favor. 

Confesso que também tive um pouco mais de esperanças, mesmo tendo 0 vontade de ir nessa missão, se eu ao menos soubesse que Annabeth e Percy iam com certeza ia ficar mais tranquila. Porém novamente meu sonho vinha em minha cabeça, estávamos tendo a chance de salvar o acampamento, e tentar salvar poderia levar a uma falha, isso era outro motivo de eu não querer ir na missão, se eu não for, não vou falhar, se não falhar nunca vou me juntar a Cronos. Estremeci, eu nunca pensaria em me juntar a Cronos, mas e se o que aconteceu com Luke acontecesse comigo? Ficar tão furiosa com os deuses, me sentir tão usada e abandonada que meu ódio me levaria a me juntar com o rei Titã para destruí-los, eu teria a capacidade de me tornar tão rancorosa e mal assim?. 

- EI!_ despertei do meu pensamento com Percy estalando os dedos na minha frente. 

- Hã, o que?

- Seus dedos, Ray!_ Annabeth pegou a minha mão rapidamente puxando de dentro da pia onde eu a mantivera mergulhada. Minha luva parecia ter sido corroída, meus dedos estavam a mostra e antes de Annabeth puxar minha mão, estavam imersos na lava. 

- O QUÊ? AAH_ olhei assustada para minha mão, a ponta dos dedos estava suada, haviam as bicadas dos pássaros, mas nenhum dado causado pela lava, nenhuma queimadura.

- Como você fez isso?_ Percy perguntou. 

- Eu não sei_ murmurei ainda assustada, eu apodreci a luva e ela se corroeu, isso eu sabia que podia fazer, mas não me queimar? Como eu fiz isso?

- Você parecia estar em um transe_ Annabeth falou preocupada analisando minha mão_ O que aconteceu?

- Eu estava pensando...

- Ray é igual a mim!_ Tyson falou animado finalmente, depois de passar todo aquele tempo brincando de fazer barcos com copos e colheres. Olhei para ele assustada, ainda sem conseguir digerir direito o que estava acontecendo, meu coração acelerado batendo tão forte que doía em meus ouvidos.

- Pensando em que?... Meus deuses as vezes você me assusta muito_ Annabeth confessou. DO NADA_ Não... Não quis ofender é que... Eu, e-eu não consigo controlar é... Um medo irracional_ ela confessou, olhei para ela sem entender, porque ela estava falando aquilo? Meus olhos iam da minha mão a Annabeth, eu ainda não conseguia entender nada, Cronos eu estava pensando em Cronos e então eu apodreci minha luva e consegui resistir a lava.

Olhei novamente para lava, aproximei lentamente os dedos da pia e afundei eles na lava quente. 

- AAAI_ puxei minha mão de volta rapidamente, sentindo meus dedos queimarem como se estivessem derretendo. 

- Você ficou doida?_ Percy gritou agarrando minha mão_ Meus deuses, não tem água aqui não?_ Ele rodou a cozinha me puxando.

- Aqui!_ Annabeth colocou ao lado da pia uma bacia cheia de água onde o Fishman afundou minha mão. 

- Porque você foi fazer de novo?

- Eu queria saber se realmente conseguia resistir_ Jackson deu um peteleco na minha cabeça. 

- Olhe para os seus braços, gênio, é óbvio que você não pode_ E realmente meus braços estavam totalmente vermelhos dos respingos que pingaram em mim.

- Foi a luva, ela só se deteriorou completamente quando você tirou a mão da lava_ Annabeth falou sem acreditar muito no que dizia_ Tem que ser... E, Ray, desculpa dizer aquilo de você me assustar, eu não sei porque eu disse, mas só...

- Ficou assustada e começou a falar sem pensar_ falei dando um leve sorriso_ A culpa foi minha, acho que viajei um pouco e me descontrolei... Esse negócio de Aura de Hades, eu não sei quando usar e quando não usar, eu não sei nem usar pra falar a verdade.

- Tudo bem... São muitos poderes surgindo do nada pra você... Quase como se algo estivesse forçando eles a aparecerem._ ela falou essa última parte muito baixo como se não quisesse que eu ouvisse, mas, tarde de mais, eu ouvi.

- A gente precisa terminar de lavar esses pratos_ falei tentando fingir que não havia escutado. Será que realmente tem como alguém forçar as habilidades de um semideus a surgirem? 

- Vou pegar outra luva pra você_ Annabeth falou.

- Eu posso ir, não fiquei inválida também não né, Anny_ falei tirando os restos da outra luva que ainda estavam na minha mão. 

- Eu tô tentando ajudar, cala a boca.

- Você é um amor de pessoa_ zombei

- Eu sei, vocês morreriam sem mim_ ela respondeu. Percy suspirou e fez uma careta.

- Se ela não tivesse certa eu ia discordar, mas "shh" não fala em voz alta, ela não precisa saber que a gente concorda_ ele respondeu rindo, balancei a cabeça concordando. Não precisa saber mesmo.

Não posso dizer que esqueci tudo o que aconteceu, a cada segundo que passava minha cabeça se enchia cada vez mais de pensamentos, tudo estava acontecendo ao mesmo tempo, Cronos, o acampamento, o Grover, era tudo demais, me lembro do começo do ano, quando meu maior problema era esquecer meu lanche em casa. 

- Aqui, pronto_ Jade falou terminando de enfaixar a minha mão, estávamos na fogueira e enquanto o resto do pessoal de Apolo, como sempre, liderava a cantoria a irmã gêmea do Joel me ajudava com meus machucados. Meus dodóis.

- Sinto muito não poder fazer mais, ainda estou aprendendo a curar_ Ela sorriu_ Sabia que temos essa habilidade? Se bem que só funciona ao sol, por causa do nosso pai e tal, é bem difícil, por isso também aprendemos a medicina mortal normal.

- Vocês são incríveis, tipo aqueles personagens de RPG que têm poderes de cura_ falei animada. São da classe dos clérigos!._ Me sinto até mais curada_ falei olhando para minha mão enfaixada, Jade riu.

- Não é assim, pelo menos não comigo... E seus ferimentos são especialmente difíceis de serem tratados, principalmente as queimaduras de lava. 

- Mas ei, você sabe que eu não podia receber tratamento né?_ perguntei cutucando uma queimadura. Aí!_ Tântalo disse que faz parte do meu castigo, minha feridas tem que ficarem a mostra e se curarem sozinhas para que eu aprenda a ser mais disciplinada._ Ela revirou os olhos.

- Ele pode abrir um processo contra mim se quiser, mas vai estar muito ocupado perseguindo o jantar_ falou me fazendo dar uma gargalhada. Jade afrontosa._ Ainda não entendo porque colocaram ele no lugar de Quiron, também não entendo essa cisma com você... Isso não é certo, e seria um motivo para ele ser demitido do acampamento. 

- Mas o Sr.D acha divertido, ele também é mal, então só me resta suportar_ Suspirei derrotada_ Pobre Ray Dallas, sofrendo injustiça na mão do diretor de atividades, oh o que vai ser de mim?_ repousei as  costas da mão na testa de maneira exageradamente dramática, Jade riu e me empurrou. 

- Talvez ele não goste porque seu pai é Hades_ ela falou, olhei surpresa para ela, falou com uma naturalidade, sem nem se importar._ Talvez tenha medo de você mandar ele de volta para os campos de punição... Percy estava certo, ele é realmente um espírito de lá, eu pesquisei a história_ ela cruzou os braços. Será que eu conseguiria jogar ele de volta nos campos de punição?.

- Bem, vou tentar ao máximo_ falei pensando na possibilidade, algo que terei que perguntar a "Ulisses" quando ele der as caras.

- O acampamento inteiro agradece... Espera... EITA ESSA É MINHA MÚSICA FAVORITA!_ ela gritou e saiu aos tropeços se aproximando mais da fogueira. 

Todos do acampamento, liderados pelos cantores profissionais de Apolo, começaram a cantar "Eu sou meu
próprio ta~ta~ta~ta~taravô". Era uma das canções tradicionais do acampamento, cantamos todas naquela noite: "As margens do Egeu" eu só fingi, porque não lembrava direito, já "Está terra é a terra de Minos" eu cantei toda, conhecia a letra inteirinha, foi divertido, mais um daqueles momentos de descanso em que posso esquecer tudo de ruim que acontece ao meu redor e consigo focar apenas no presente.

A fogueira era encantada, então quanto mais alto cantávamos mais alto ela queimava, a cor das chamas e o calor também variavam de acordo com o humor da galera. Teve dias, nos dias bons, que ela chegou a subir 6 metros, ficou tão quente que todos os marshmallows que estavam perto explodiram em chamas, foi bem engraçado. Mas naquela noite o fogo só chegou a um metro e meio de altura, quase morno, as chamas também não estavam as mais belas, tem sido assim desde o começo do verão, quer dizer desde que o pinheiro mágico foi envenenado. 

Dionísio nunca gostou das fogueiras, mas estava especialmente entediado naquela noite, depois de poucas canções saiu reclamando e dizendo que até jogar Pinoche com Quiron era mais empolgante. ENTÃO TRÁS ELE DE VOLTA, CACHORRA INGRATA. 

- Isso foi adorável_ Tântalo falou assim que a última música terminou, logo depois do Sr.D já ter saído na direção da casa grande. O morta fome da meia-noite tentou pegar um Marshmallow assado da ponta do galho fino que segurava, mas antes que pudesse encostar nele, o Marshmallow saiu voando do galho, na tentativa de escapar do prisioneiro o doce chegou perto de mim, agarrei-o no ar e dei uma mordida.

- Obrigada, diretor_ agradeci sorrindo, Tântalo me olhou de cara feia enquanto alguns campistas tentavam segurar a risada. Achei que ele fosse me dar mais um castigo, mas ele apenas deu um sorriso frio e voltou a falar. Nham nham que marshmallow delicioso. 

- Agora então, alguns avisos sobre a programação de amanhã.

Levei um cutucão nas costelas e olhei brava para o Percy.

- O quê?_ ele acenou com a cabeça para o Tântalo, suspirei._ Sabe que se eu falar ele vai ignorar completamente né?_ perguntei.

- Sim, por isso eu e Annabeth vamos falar também, é a nossa missão, vem._ ele não esperou que eu respondesse se levantou me puxando pra levantar com ele, suprimi minha vontade de encher o Jackson de socos. Conta até 10, respira fundo.

- Tântalo!

- Senhor_ Percy falou na mesma hora que eu. Uau que garoto educado. 

- Parece que Rayleen Dallas tem algo contra ser educada, siga o exemplo do Jackson, é "Senhor Tântalo"_ ele falou.

- Oh, Desculpe-me, Senhor Tântalo_ corrigi da maneira mais cínica que consegui, como se realmente estivesse sentindo muito por lhe faltar respeito.

- Agora está melhor. Então, o que nossos ajudantes de cozinha têm a dizer?

Alguns campistas de Ares deram risadinhas, Percy ficou tenso e olhou na direção de Annabeth, graças aos deuses ela se levantou também.

- Temos uma ideia pra salvar o acampamento_ Percy falou criando coragem. Todos ficaram em silêncio prestando atenção em nós, as chamas da fogueira chamejaram em amarelo vivo.

- É mesmo?_ Tântalo começou se preparando para soltar uma piada_ Bom, se tiver algo a ver com bigas...

- O Velocino de Ouro_ interrompi ele_ Sabemos onde ele está... Grover achou ele, na verdade_ olhei para Percy e ele sacudiu a cabeça concordando, logo começando a falar tudo sobre seu sonho com Grover e a ilha de Polifemo, Annabeth também ajudou lembrando a todos do que o Velocino era capaz, aquilo pareceu convencer mais ainda os campistas.

- O Velocino pode salvar o acampamento_ Ela concluiu_ Tenho certeza disso. 

- Bobagem, bobagem_ Tântalo falou_ Não precisamos ser salvos!

Todo mundo olhou fixamente, indignados com a bosta que ele tinha acabado de falar, aquilo pareceu constranger o prisioneiro.

- Além disso_ acrescentou depressa_ e o Mar de Monstros? Dificilmente se poderia dizer que é um local exato. Vocês não saberiam nem onde procurar_ levantei a mão inocentemente.

- Na verdade o Mar de Monstros está fixo em um lugar agora, o triângulo das bermudas, eu sei as coordenadas exatas de lá_ sorri, Tântalo fez careta para mim.

- Mas é na ilha de Polifemo que está o Velocino, querem que eu mande vagarem no Mar de Monstros até que por acaso tropecem na ilha?_ Perguntou, logo meu sorriso sumiu, eita eu não tinha pensado nisso. Percy me imitou e também levantou a mão dando um leve sorriso. 

- Não precisamos tropeçar na ilha, sei onde podemos achar_ falou, olhei para Annabeth que assim como eu parecia não ter certeza do que o Fishman estava falando, em uma sincronia perfeita nos aproximamos de Percy perguntando baixo:

- Tem certeza? 

- Trinta, 31, 75, 12_ ele falou depois de assentir, primeiro achei que eram números de loteria, quase anotei pra poder jogar, mas qual é, eu não sou tão burra, tinha acabado de falar sobre coordenadas, e eu estudei a região do triângulo das bermudas, se fizer um cálculo rápido na mente e visualizar o mapa da pra perceber que isso da em um lugar onde NÃO TEM EXATAMENTE NADA. Não tem ilha no meio do triângulo das bermudas! Mas okay, vou manter a calma porque é uma ilha de um monstro mitológico, um lugar coberto pela névoa que não pode ser visto nem marcado em mapas de mortais normais.

- Ah legal!_ Disse Tântalo_ Obrigado por compartilhar esses números sem sentidos.

- São coordenadas de navegação. Latitude e longitude. Eu, ahn, aprendi isso em estudos sociais_ Percy explicou, um leve rubor surgindo nas bochechas. Eu aprendi isso em geografia

- Trinta graus, 31 minutos Norte, 75 graus, 12 minutos Oeste. Ele está certo! As irmãs cinzentas nos deram essas coordenadas. E também temos as coordenadas do Mar de Monstros!_ Annabeth apontou pra mim. Prazer, Coordenadas do Mar de Monstros._ Precisamos de uma missão!

- Esperem só um minuto_ Tântalo falou

- PRECISAMOS DE UMA MISSÃO!_ gritei mais alto que ele fazendo os campistas me acompanharem em um coro. Eu sou mal que nem um Pica-Pau.

- Isso não é necessário!_ Tântalo insistiu, mas ninguém realmente ouviu.

- PRECISAMOS DE UMA MISSÃO! PRECISAMOS DE UMA MISSÃO! 

- ÓTIMO!_ Tântalo gritou mais alto que todos, borbulhando de raiva_ Vocês, moleques, querem que eu lhe atribua uma missão? 

- SIM!

- Muito bem_ ele concordou. Nossa, essa foi até fácil_ Vou autorizar um campeão a empreender essa perigosa jornada, resgatar o Velocino de Ouro e trazê-lo para o acampamento. Ou morrer tentando. 

Não sei porque, mas senti meu coração acelerar, não queria ir nessa missão no começo, mas agora estava muito empolgada, disposta a fazer o que fosse para salvar o acampamento e o Grover, poderia até enfrentar Cronos no soco. 

- Vou permitir que nosso campeão consulte o Oráculo_ Tântalo anunciou_ E escolha dois companheiros para a jornada. E acho que a escolha do campeão é óbvia_ Ele olhou para mim, Percy e Annabeth como se quisesse arrancar nossas tripas e pular corda com elas.

- O campeão deverá ser alguém que conquistou o respeito do acampamento, alguém que provou ser capaz na corrida de bigas, e corajosa na defesa do acampamento. Você deverá liderar a missão... Clarisse!.

Tá, eu devia ter previsto essa.

A fogueira tremeluziu em várias cores diferentes, o chalé de Ares começou a bater os pés, aplaudindo e gritando: CLARISSE, CLARISSE.

Ela se levantou parecendo atordoada, engoliu em seco e deu uma olhada para mim, pareceu dar um leve aceno com a cabeça e inflou o peito de orgulho.

- Eu aceito a missão!_ ela falou, confesso que fiquei com uma mistura de raiva e alívio. Porém mais raiva que alívio, era completamente injusto ele dar nossa missão para outra pessoa. Tântalo é um baita de um filho da p...

- Espera!_ Percy gritou_ Grover é meu amigo. O sonho veio para mim!

- Sente-se_ Um campista de Ares gritou_ Você teve sua chance no último verão.

- Sim, ele só quer ser o centro das atenções_ outro falou.

- Cala a boca, figurante_ falei brava, por mais que eu odeie concordar com o Fishman, ele estava certo, mas se bem que no verão passado ele roubou minha missão do mesmo jeito que Clarisse tá roubando a dele, É O CARMA!.

- O que disse, aberração?_ o filho de Ares falou, senti meu sangue borbulhar, estendi minha mão na direção dele vendo a terra se remexer sob seus pés, mas antes que eu pudesse fazer algo Annabeth segurou minha mão e me repreendeu com um olhar, cruzei os braços. ME DEIXA QUEBRAR A CARA DELE AAAAH!.

- Aceito a missão_ Clarisse repetiu_ Eu, Clarisse, filha de Ares, vou salvar o Acampamento!

Os campistas de Ares aplaudiram ainda mais, Annabeth protestou sendo seguida pelo chalé de Atena, o que deu início a uma pequena comoção, aproveitei esse momento de distração, como uma sombra da minha mão a mão cinzenta surgiu da terra e imitou os movimentos que eu fazia, agarrou o pé do filho de Ares e puxou o derrubando no chão, sufoquei uma risada. 

- Fique aí_ falei baixo, a mão me obedeceu e passou de um cinza morto para um avermelhado, como se tivesse virado barro, o menino gritou, mas ninguém pareceu dar ouvidos, porque aquilo já havia virado uma zona, todos protestando, discutindo e jogando marshmallows uns nos outros, pensei até que fosse virar uma guerra...

- SILÊNCIO, MOLEQUES!_ Mas Tântalo gritou interrompendo, confesso que o jeito que ele falou me assustou um pouco.

- Sentem-se_ Ordenou_ E vou lhe contar uma história de fantasma._ sem entender o que o morta fome da meia-noite pretendia fazer voltamos aos nosso lugares, quer dizer, quase todos, o garoto de Ares ainda estava caído no chão preso pela mão. Deixei escapar a risada e logo se tornou numa gargalhada que fez minha barriga doer, aí ai, talvez eu realmente seja uma aberração.

- O que faz aí no chão, menino?_ Tântalo perguntou bravo.

- Eu estou preso, essa mão macabra apareceu aqui me puxou e me prendeu, foi a Ray! Ela que fez essa coisa aparecer!_ todos os campistas, menos o pessoal de Ares, começaram a rir. 

- Boa, Ray!_ alguém gritou no meio das risadas. 

- Me ensina a fazer isso_ outra pessoa falou, senti minhas bochechas esquentarem porém não deixei de rir alto.

- SILÊNCIO!_ Tântalo gritou mais uma vez_ Tire-o de lá_ ordenou, cruzei os braços.

- Porque ele simplesmente não sai sozinho? Eu esperava que os filhos de Ares fossem mais fortes, mas parece que são só conversinha igual ao pai_ Dei de ombros recebendo olhares assassinos de todas as crianças de Ares incluindo Clarisse. 

- E você acha que eu não tentei..._ O garoto protestou puxando a perna com força fazendo a mão de barro se quebrar, os outros campistas riram mais altos.

- Você ficou esse tempo todo aí no chão fazendo cena?_ Travis perguntou rindo

- Tá achando que é a Xuxa_ Connor zombou fazendo todos rirem ainda mais, o menino se levantou envergonhado e me olhou como se quisesse arrancar meu fígado, mas voltou para seu lugar sem falar nada.

- AGORA CALEM A BOCA_ Tântalo gritou mais uma vez_ Hora da historinha.

Dava pra notar que conseguimos irritar o prisioneiro profundamente, ele irradiava uma aura malévola tão forte que eu diria que só perde para a do próprio Hades, aquilo chegou a me dar calafrios. Não fique com medo, você pode fazer pior, me surpreendi ao perceber que aquele pensamento era só meu, não era "Ulisses" falando comigo, era eu afirmando pra mim mesma que poderia ser pior que Tântalo, por incrível que pareça, aquilo me acalmou. 

- Era uma vez um rei mortal amado pelos deuses_ Tântalo falou colocando a mão sobre o peito. Ah não, ele vai contar a história dele._ Esse rei tinha permissão até para se banquetear no Olimpo. Mas, quando tentou levar um pouco de néctar de ambrosia para a Terra, para descobrir a receita... Apenas uma pequena quentinha, vejam só... Os deuses o puniram. Eles o baniram dos seus salões para sempre! Sua própria gente zombou dele! Seus filhos o repreenderam! E, ah!, sim, campistas, ele tinha filhos horríveis. Filhos... Iguaizinhos... A vocês!_ ele apontou o dedo para pessoas aleatórias da plateia, incluindo eu, onde ele parou apontando por vários segundos a mais. Fingi um bocejo quando ele parou o dedo na minha direção. Rayleen afrontosa Dallas.

- Sabem o que ele fez com os filhos ingratos?_ Perguntou suavemente_ Sabem como ele retribuiu aos deuses sua punição cruel? Convidou os olimpianos para um banquete em seu palácio, só para mostrar que não havia rancor. Ninguém reparou que seus filhos não estavam presentes. E quando ele serviu o jantar aos deuses, meus caros campistas, vocês podem adivinhar o que havia no cozido?_ fiz careta. Tântalo tinha um olhar macabro no rosto, como se tivesse aproveitando bem o medo que estava causando nos outros campistas.

- Ah! Os deuses o castigaram na vida após a morte_ o prisioneiro continuou_ Eles fizeram isso, ah!, se fizeram. Mas ele teve seu momentos de satisfação não teve? Os filhos nunca mais lhe responderam nem questionaram sua autoridade. E vocês sabem o que mais? Diz-se que o espírito do rei agora reside exatamente nesse acampamento, aguardando uma oportunidade de se vingar das crianças ingratas e rebelde.  E agora... Mais alguma reclamação antes que mandemos Clarisse em sua missão_ Todo mundo ficou em silêncio. Levantei a mão fazendo ele olhar para mim. 

- O que tem a dizer agora, Dallas? 

- Pode me dar outro Marshmallow?_ ouvi Percy ao meu lado quase engasgar tentando segurar a risada, alguns outros campistas fizeram o mesmo, a atmosfera do local pareceu relaxar e se livrar do ar sombrio que Tântalo havia deixado, falando no infeliz, ele me olhou como se fosse arrancar meu fígado, mas apenas sorriu e falou. 

- Temo que não, Srta. Dallas, mas posso dar uma semana a mais nos estábulos_ o pessoal de Ares riu alto, dei de ombros.

- Poxa, só queria uma Marshmallow_ Olhei na direção de Mikhail que estava vermelho, com as mãos na frente da boca. 

- Mas algumas reclamação ou piadinha idiota? 

Silêncio total. 

Tântalo acenou com a cabeça para Clarisse.

- O oráculo, querida. Vá em frente.

Clarisse parecia constrangida, talvez pelo fato de saber que foi injustiça ela receber aquela missão ou porque a glória parecia amarga quando se era a queridinha de Tântalo.

- Senhor...

- Vá!_ rosnou o prisioneiro. Clarisse fez uma reverência desajeitada e correu para a casa grande. Tenho grande curiosidade em conhecer esse oráculo, imagino ele sendo um monge que fica sentado no sótão tomando chá, até aparecer um campista com uma missão... MAS, É UMA PESSOA PRESA LÁ? 

- E quanto a vocês_ Tântalo perguntou tirando meu foco da casa grande. Tomara que não seja uma pessoa que esteja presa lá._ Mas algum comentário dos nossos lavadores de pratos? 

Abri a boca pra soltar mais uma piadinha, mas vi Annabeth sacudir a cabeça negativamente e desisti, acho melhor parar antes que tenha que cuidar dos estábulos pelo resto do verão inteiro.

- Bom_  Tântalo falou_ E deixem-me lembrar a todos: Ninguém parte deste acampamento sem minha permissão. Qualquer um que tentar... Bem, se sobreviver a tentativa, será expulso para sempre. Mas as coisas não chegarão a esse ponto. As Harpias irão reforçar o toque de recolher de agora em diante, e elas estão sempre com fome! Boa noite, queridos campistas. Durmam bem.

Com um aceno de Tântalo, o fogo se extinguiu, e voltamos para os chalés no escuro. 

~~~~~~~

Fiquei encarando o teto, apenas pensando, será que foi castigo porque eu não queria ir nessa missão? Ah não, não foi castigo, foi Tântalo, aquela criatura ridícula. 

- Você vai de qualquer jeito?_ Tyson perguntou para Percy, me arrumei no meu beliche me virando na direção deles.

- Não sei_ Percy respondeu_ Seria difícil. Muito difícil.

- Se quiser fugir, eu posso sempre dar uma mãozinha_ respondi apoiando o queixo nas costas da mão, o discurso de Tântalo não me assustou, fugir  a noite realmente seria complicado, mas não impossível e sempre poderia fugir de dia. 

- Eu também vou ajudar_ Tyson falou 

- Não. Eu... Ahn, não poderia lhe pedir isso, grandão. É perigoso demais._ Percy estava certo, era perigoso demais para o Tyson, mas caso saíssemos nós dois nessa missão, o acampamento também seria perigoso para o Tyson. Deixá-lo sozinho com Tântalo não era uma boa idéia.

- E você ouviu ele_ Percy olhou para mim_ As harpias vão estar mais cuidadosas e ele vai "nos expulsar para sempre"

- No caso o "para sempre" duraria até o Quiron voltar e perdoar nossa infração, e qual é... A gente só precisa ser mais rápido que as galinhas gordas, ou fugir de dia, poderíamos até levar os Pégasos e aumentar a afronta_ falei rindo.

- Você é louca. 

- Apreensiva, isso sim, tenho certeza de que se a Clarisse ver o disfarce do Grover vai revelar ao Polifemo, isso se ela não morrer no Mar de Monstros. 

Percy cruzou os braços.

- Droga, até faz sentido.

- Ou podemos estar sendo bobos e ela vai realmente conseguir, eu não sei, só sei que roubaram sua missão do mesmo jeito que você roubou a minha_ falei rindo maldosamente_ O carma sempre chega, Jackson. 

- Cala a boca!

O chalé ficou em silêncio, o único barulho vinha das peças de metal que Tyson mexia em seu colo, molas, engrenagens e pequenos arames. Depois que Beckendorf deu a ele umas ferramentas e algumas peças que sobravam ele passava todas a noites mexendo no bolo de metal, devia estar construindo algo muito importante.

- O que está construindo?_ Percy perguntou, Tyson não respondeu de início, deu apenas uma fungada.

- Annabeth não gosta dos ciclopes. Você... Você não me quer por perto?_o grandão havia achado que o Percy não ia querer levar ele por não gostar dele. Olhei para o Percy e sentei sobre minhas pernas cruzando os braços.

- Ah! Não é isso_ Percy falou sem muito entusiasmo_ Annabeth gosta de você. De verdade. 

Tyson tinha uma lágrima no grande olho dele.

- Ela só tem medo, Ty_ falei, ele não respondeu, enrolou seu projeto em um oleado, deitou na cama e abraçou a trouxa como se fosse um ursinho, virou-se na direção da parede, nas suas costas tinham cicatrizes enormes e horríveis. 

- Papai sempre se preocupou comigo_ Fungou_ Agora... Acho que ele foi malvado em ter um menino ciclope. Eu não devia ter nascido.

Tyson viveu toda sua vida nas ruas e provavelmente foi muito maltratado para ter aquelas cicatrizes, e ainda diz que Poseidon se preocupou com ele, meu Merlin, bela preocupação Fishgod. 

- Não fale assim! Poseidon o reclamou, não foi? Então... Ele deve se preocupar com você... Muito..._ a voz de Percy falhou, ele olhou para mim em busca de apoio, mas eu apenas dei de ombros, não tinha nada a dizer, não acreditava que Poseidon realmente se preocupava com ele, queria, mas não acreditava. 

- Tyson... O acampamento será um bom lar pra você. Os outros vão se acostumar com você. Eu prometo_ Percy voltou a falar. Tyson merece isso, e ele vai ter, nem que eu tenha que ameaçar cada ser desse lugar. Tyson suspirou, ri baixo.

- Sabe que ele tá dormindo né?_ perguntei ao Percy. 

- Sim, acabei de notar... Espero que ao menos tenha ouvido.

- Pode falar de novo amanhã, irmãozão._ ele fez careta.

- Não me chame assim... É estranho. 

- Tá bom, Fishman... Mas, se você resolver fugir, devia levar o Tyson_ falei voltando a me deitar, encarando novamente o teto.

- O que? Você ouviu a parte que eu disse que é perigoso? E ele não sabe quase nada!

- Ah, e você sabia quando saiu atrás do raio-mestre? Era profissional em semideusisses? 

- Essa palavra nem existe!

- Agora existe, cala a boca... O que eu quero dizer é, ele vai se sentir melhor se for com você, mais útil, sem contar que ele pode aprender a lutar e quando vocês voltarem com o Velocino todo mundo vai se sentir grato e vão parar de tratar ele como um monstro assassino._ já estava começando a lutar contra o sono, meus olhos ficando pesados. Percy ficou em silêncio, como se estivesse pensando sobre o que eu disse. 

- Porque você está falando como se não fosse?_ ele falou de repente me despertando de um quase cochilo._ Do nada você decidiu que não quer mais ir? 

Respirei fundo, eu ainda estava confusa, queria ir, mas ao mesmo tempo não queria ir. 

- Sim, tenho muita preguiça, e fugir dá muito trabalho_ me virei para o lado da parede_ Vocês vão conseguir sem mim... Talvez. 

- Você diz isso, mas sabe que se a gente for você vai acabar indo.

Não respondi, talvez ele estivesse certo, mas só talvez. Eu ainda estava apreensiva quanto a Cronos e com muita raiva dos babacas olimpianos. 

Só percebi que cai no sono quando fui acordada de uma vez por um grito.

- RAY VEM AQUI!_ era a voz do Daniel, me sentei no beliche olhando para todos os lados, Percy não estava na cama dele e Tyson ainda roncava alto na sua. 

Deitei a cabeça no travesseiro de novo fechando os olhos.

- RAYLEEEN! RÁPIDO!_ outro susto.

Olhei para o Tyson que ainda roncava.

- Como que ele consegue?_ cocei os olhos e saltei da cama me espreguiçando_ Daniel eu vou matar você! 

Calcei meus tênis e peguei meu casaco, me arrastei para fora do chalé ainda sonolenta, Daniel não estava lá fora. 

- VEM! POR AQUI!_ a voz parecia vir da direção da praia. 

Confesso que estava com tanto sono que nem parei pra pensar o quão estranho era o fato de que Daniel, o sátiro super certinho, estava perambulando pelo acampamento depois do toque de recolher, não parei pra pensar nem que a qualquer momento as Harpias poderiam aparecer pra tentar me devorar. 

Coloquei o capuz e sai apertando as orelhinhas do mesmo. 

Cheguei na praia e não vi o homem-burro, os únicos lá eram dois esquisitos sentados em uma toalha. O QUE DIABOS ESTÁ ACONTECENDO? 

Cruzei os braços e me virei pra ir embora, mas um dos esquisitos sentados na toalha começou a acenar para mim, olhei para todos os lugares só pra ter certeza que era realmente para mim, logo despertei e percebi que, seja quem fosse aqueles dois malucos, eles imitaram a voz do Daniel para me atrair até a praia. Isso já era motivo o suficiente para voltar correndo para o meu chalé e gritar pelas Harpias da limpeza, mas eu ainda não estava pensando direito, então me aproximei.

- Ah sim, chegou quem eu esperava, venha Ray, sente-se com a gente_ fiquei ainda mais confusa quando cheguei perto e vi os malucos, um era o Percy e o outro um cara vestido com roupas de corredor, ele tinha cabelo grisalho e um sorriso muito familiar de quem vai aprontar. AI MEU MERLIN. Os dois estavam sentados numa toalha de frente para o mar tomando Coca-Cola. 

- O que diabos...?_ não consegui formular bem a pergunta, não estava pensando direito, só queria entender porque o Percy estava em um encontro romântico com um deus.

- Ora, não seja tímida_ o corredor me puxou me fazendo sentar do seu lado_ Estava aqui falando ao jovem Percy o tanto de tempo que faz desde que consegui relaxar pela última vez!

- Como você conseguiu imitar a voz do Daniel?_ perguntei de uma vez_ Porque me atraiu até aqui? 

"Ela é direta, sem enrolação" uma voz estridente e masculina falou dentro da minha cabeça, olhei para todos os lados, mas não havia ninguém além de nós lá. A PRONTO, AGORA EU TO FICANDO DOIDA.

- Isso é um dos meus sonhos retardados, só pode ser_ murmurei, o corredor sorriu.

- Não é um sonho, querida, e sim, eu usei alguns truques para trazê-la aqui, queria conversar com você e com o Percy._ Luke definitivamente puxou mais ao seu pai, o sorriso era igual e aquele corredor definitivamente era Hermes. 

- Porque quer conversar com a gente? Você é doido?_ perguntei levando um olhar assustado e de reprovação do Percy. 

"Ah gostei dela, ela não tem medo de ser pulverizada" ouvi novamente aquela voz na minha cabeça.
"Ela é só mal educada, que falta de respeito" uma outra voz falou, essa era feminina.

- Eu não sou mal educada! E falta de respeito não é me tirar da minha cama a essas horas? Temos um toque de recolher aqui, sabia?_ falei cruzando os braços. ESSE ACAMPAMENTO NÃO É UM CABARÉ NÃO.

"Não me resssponda, garota mal educada!" A voz feminina sibilou brava. É uma cobra, Pelas barbas de Dumbledore! Eu sou ofidioglota? Sou uma Horcrux? 

- Eu tenho que responder, é como uma conversa funciona._ ótimo estou discutindo com a voz na minha cabeça.

- Okay, okay, já chega vocês duas. Não tenho tempo para discussões_ Hermes suspirou_ Faz tanto tempo que não tenho um momento de paz, desde o telégrafo é só... Correr, correr, correr_ ele olhou para o céu_ Vocês tem uma constelação favorita?

Certo, esse definitivamente é o momento mais aleatório da minha vida, Hermes me tirou da minha cama apenas para me perguntar se tenho uma constelação favorita? 

- Não_ falei balançando a cabeça. MEU SANTO PÉRICLES O QUE TA ACONTECENDO?

- Ahn eu gosto de Hércules_ Percy falou. Eu gosto do desenho do Hércules.

- Porquê?_ Hermes perguntou.

- Bem... Porque ele tinha um azar desgraçado. Pior ainda que o meu. Faz eu me sentir melhor_ não pude segurar o riso.

- Você ainda tem tempo de superar ele._ murmurei, Percy revirou os olhos.

- Não é porque ele era forte, famoso e tudo isso?_ Hermes indagou novamente. Ele realmente me trouxe aqui só por isso?

- Não.

- Você é um jovem interessante, e você, Ray, porque não tem uma constelação favorita? 

- Porque eu não consigo saber quais são elas, todo mundo diz constelação disso e daquilo, mas eu olho pro céu e vejo um monte de pontinhos brilhantes e nunca sei qual é qual_ falei cruzando os braços ouvindo Percy e Hermes rirem. 

- Você é encantadoramente imprevisível, Ray_ Hermes falou, olhei para o chão envergonhada, para minha surpresa e a de todo o mundo, Hermes me deu tapinhas reconfortantes na cabeça. 

- Então, e agora?

Questionou, olhei para ele sem entender, do que ele tá falando? Agora eu queria estar dormindo e se não fosse a interferência de vossa divindade, eu estaria.

Antes que eu pudesse perguntar, a voz feminina falou novamente: "Estou com Deméter na linha dois" 

O QUÊ? 

- Agora não_ Hermes falou_ Diga para ela deixar uma mensagem.

"Ela não vai gosta disso. Na última vez em que você a dispensou, todas as flores da divisão de entrega florais murcharam."

- Diga-lhe que estou em reunião_ Ele revirou os olhos_ Desculpem de novo, vocês estavam dizendo...

A gente não tava dizendo nada, quem tava falando era tu.

- Ahn... Quem é você exatamente?_ Percy perguntou, olhei pra ele erguendo uma sobrancelha. Sério mesmo?

- Caramba, Jackson!

- Ainda não adivinhou, um menino esperto como você?_ Hermes perguntou, quase ri. Percy? Esperto? Onde?

"Mostre a ele!" A voz feminina pediu " Não fico no tamanho normal há meses."
"Não dê ouvidos a ela!" A voz masculina sibilou " Ela só quer se mostrar." 

Hermes puxou do bolso um telefone brilhante, nada muito fora do normal, a não ser pelas cobras verdes do tamanho de minhocas que se contorciam ao redor da antena. EU SABIA, SOU OFIDIOGLOTA!

- Forma original por favor_ o telefone brilhou em uma luz azul e se alongou até virar um bastão com um metro de comprimento e asas brotando no topo, as cobras agora estavam em tamanho real enroladas no meio, a forma original do telefone de Hermes era um caduceu, símbolo do chalé 11. eu sei, eu sei, sempre tenho razão. 

- Você é o pai de Luke_ Percy falou finalmente notando.

- Hermes_ falei. Pai de Luke é um jeito estranho de se referir ao deus mensageiro.

Hermes fez um muxoxo. Fincou o caduceu na areia como se fosse um cabo de guarda-sol, uma das cobrar ficou mostrando a língua para mim, mais do que o normal. 

- Era você que estava brigando comigo_ apontei para ela.

"Era você que estava sendo mal educada" ela respondeu, sorri. 

-"Pai de Luke". Normalmente não é esse o modo como as pessoas costumam me apresentar_ Hermes falou melancólico_ Deus dos ladrões, sim. Deus mensageiro e dos viajantes se quiserem ser gentis._ viu, eu fui gentil.

"Deus dos ladrões funciona" a cobra menino falou.
"Ah! Não ligue para o George" a cobra menina vibrou a língua na direção do Percy " Ele só está azedo porque Hermes gosta mais de mim" 
"Não gosta"
"Gosta sim"

- Comportem-se vocês dois_ Hermes os advertiu_ Ou vou transformá-los de volta em telefone e pôr no vibra call! Agora, vocês não me responderam, o que pretendem fazer com respeito a missão?_ Então era disso que ele estava falando? Porque ele tá tão preocupado com isso, porque se incomodar em vir aqui só pra saber o que iriamos fazer.

- A gente não tem permissão pra ir_ falei apoiando as mãos nos meus joelhos 

- Não, de fato, isso não a deteve no verão passado, vai detê-los agora?_ ele perguntou, suspirei alto.

- Vão lembrar disso pra sempre?

- Eu quero ir_ Percy falou_ Preciso salvar Grover_ e precisa salvar sua própria bunda, todos sabemos que se Grover morrer Percy morre também.

- Certa vez conheci um menino_ Hermes falou sorrindo_ Ah! De longe mais jovem que vocês! Apenas um bebê, na verdade. 

"Lá vamos nós de novo" George falou "Sempre falando de si mesmo." 
"Quieto!" A cobra menina repreendeu "Quer ser posto no Vibra call?"

Hermes ignorou as duas e voltou a contar a história de quando ele era bebê. O mão leve começou cedo.

- Uma noite, quando a mãe do menino não estava olhando, ele se esgueirou para fora da caverna e roubou algumas cabeças de gado que pertenciam a Apolo.

- Ele foi explodido em pedacinhos?_ Percy perguntou, coloquei a mão na testa e suspirei alto. Como ele consegue ser tão lerdo? 

- Hummm... Não. Na verdade, tudo acabou muito bem. Para compensar o roubo, o menino deu a Apolo um instrumento que inventara... Uma lira. Apolo ficou tão encantado com a música que se esqueceu da raiva._ Hermes falou sem acrescentar muito, não consegui compreender o que ele queria contando aquela história, talvez só se gabar de ser um ótimo ladrão.

- Então, qual é a moral? 

- Moral?_ olhei confusa para Percy. Ele sabe que moral só existe em fábulas, não sabe? 

- A moral?_ Hermes perguntou_Céus, isso não foi uma fábula. É uma história verdadeira, a verdade tem Moral? 

- Ahn...

- Espera, então você não sabe que Hermes tava falando dele mesmo?_ perguntei, o menino peixe me olhou confuso, olhei para Hermes que balançou a cabeça. 

- Primeiro ele vem com "Pai do Luke" e agora isso_ o deus fez cara de ofendido_ Eu sou uma piada pra você? 

- Sinto muito, pai do Luke, o Percy pode ser duro as vezes_ falei rindo.

- Tudo bem, eu irei suportar essa dor. Mas, se é uma moral que você quer. Que tal: "Roubar nem sempre é ruim"?

Fiz careta.

- É isso que você ensina para os seus filhos?

"Ratos são deliciosos" George cobra falou, DO NADA.
"O que isso tem a ver com a história?" A outra cobra perguntou.
" Nada, mas estou com fome" 

Essas cobras são tão aleatórias quando Hermes.

- Já sei!_ O dito cujo falou_ Os jovens nem sempre fazem o que lhes mandam, mas se conseguem se dar bem e fazer algo maravilhoso, ás vezes escapam do castigo. Que tal? 

- Posso relatar_ falei rindo, ele quer que a gente quebre algumas regras novamente.

- Você está dizendo que deveríamos ir de qualquer jeito_ Percy falou_ Mesmo sem permissão.

Os olhos de Hermes brilharam, o mesmo brilho que eu sempre vejo em Travis e Connor quando vão aprontar.

- Martha, quer me passar o primeiro pacote, por favor?_ a cobra que eu estava me referindo como cobra menina, Martha, abriu a boca... E continuou abrindo até caber meu braço inteiro lá, e então, expeliu um recipiente de inox. ECA, ECA, ECA.

O que Martha tinha cuspido, era uma garrafa térmica de lancheira antiga, com tampa de plástico preto. Era decorada com desenhos de cenas da Grécia antiga em vermelho e amarelo , um herói mantando um leão, um herói levantando o Cérbero, meu cão de três cabeças. Isso me lembra que tenho que voltar ao mundo inferior e levar uma bola nova para ele, vou ver se faço isso no final do ano.

- Hércules_ Percy murmurou_ Mas como...

Que Hércules o que, é uma garrafa, o Percy tá bem doido hoje.

- Nunca questione um presente_ Hermes repreendeu_ Isso é um item de colecionador de Hércules arrebenta cabeças. Primeira temporada.

- Isso é algum tipo de programa do Olimpo?_ perguntei. O desenho da Disney não é, disso eu tenho certeza.

- Uma grande série_ Suspirou Hermes_ Da época que a TV de Hefesto não era só reality shows. É claro que valeria muito mais se eu tivesse a lancheira completa...

"Ou se ela não tivesse estado na boca de Martha" George falou me fazendo rir, ri ainda mais quando Martha começou a persegui-lo ao redor do caduceu.

- Espere um minuto, isso é um presente?_ Percy perguntou. A gente vai poder vender? 

- O primeiro de dois presentes_ Disse Hermes_ Vá em frente, pegue_ Percy olhou para mim um pouco apreensivo, fiz uma reverência apontando para a garrafa.

- Vá em frente, pegue_ repeti a fala de Hermes, eu que não quero encostar na baba da Martha.

Percy pegou a garrafa e quase derrubou. EITA, ABIROBADO!

- É uma bússola_ o Fishman falou, surpreendendo até o deus dos ladrões. MAS O QUE DANADO É ISSO, É HÉRCULES, UMA BÚSSOLA OU UMA GARRAFA?

- Muito engenhoso. Eu nunca tinha pensado nisso. Mas sua utilidade é muito mais radical. Destampe-a e vai liberar os ventos dos quatro cantos da Terra para despacha-los mais depressa em seu caminho._ Hermes nem explicou direito e Percy já colocou a mão na tampa pra abrir_ AGORA NÃO!_ o deus gritou nos assustando, logo se recompondo._ Agora não, isso é muito perigoso. E, por favor, quando chegar o momento , desenrosque a tampa só um pouco. Os ventos são um pouco como eu, sempre inquietos. Se todos os quatro escaparem de uma vez... Ah!, Mas eu tenho certeza que vão tomar cuidado. E agora, meu segundo presente, George?

"Ela está encostando em mim" George reclamou enquanto ele e Martha deslisavam pelo bastão.

- Ela este sempre encostando em você_ Hermes falou_ Vocês estão entrelaçados, e se não pararem com isso não acabar se dando um nó outra vez!

As duas cobras pararam de brigar e George fez a mesma coisa bizarra que Martha e tossiu um frasco cheio de pastilhas que quase acertou minha testa, mas eu tenho reflexos incríveis, peguei o frasco com nojinho. Estava cheio de "Pastilhas de vitaminas" coloridas.

- Tem formato de minotauro?_ perguntei olhando, Hermes pegou o frasco e chacoalhou.

- As de limão, sim. As de uva são fúrias, eu acho, ou seriam "índias" de um jeito ou de outro, essas são poderosas. Não tomem a não ser que precisem muito, muito mesmo.

- E como vamos saber que precisamos muito, muito mesmo?

- Saberão, acredite. Nove vitaminas essências, minerais, aminoácidos... Ah! Tudo o que você precisará para se sentir você mesmo outra vez._ semicerrei os olhos, ele deu uma dica muito óbvia aí, podem ser vitaminas que revitalize nossa força ou...

- Isso serve pra anular algum tipo de feitiço que nos transforme em marmotas?_ perguntei, verão passado Ares nos ameaçou de fazer isso, talvez Hermes esteja nos protegendo desse babacão. O deus sorriu e me jogou o frasco.

- Você definitivamente saberá quando usar.

Então vamos realmente rever aquele bosta e ele vai tentar nos transformar em marmotas. Hahaha estamos preparados agora seu deus medíocre. 

- Ahn, Obrigado_ Percy começou, eu continuei ouvindo encarando o frasco de vitaminas e pensando na derrota de Ares. Hehehe_ Mas, senhor Hermes, porque está nos ajudando?

- Talvez porque eu espero que vocês possam salvar muitas pessoas nessa missão. Não apenas seu amigo Grover._ levantei a cabeça, Hermes tinha um sorriso melancólico.

- Luke?_ perguntei fazendo ele olhar para mim. Sério que ele acha que o Luke pode ser salvo?

- Sabe que isso é praticamente impossível agora?... Luke estava com muita raiva do senhor, ele te odeia especialmente_ falei e suspirei_ Ele quer destruir o Olimpo pedra por pedra, Cronos já o tem por completo_ terminei sentindo meu coração afundar, eu queria salvar o Luke tanto quanto queria quebrar ele na porrada, mas era mais fácil eu aprender a voar. 

- Priminha, se há algo que eu aprendi ao longo das eras, é que você não pode desistir da sua família, não importa o quando se sinta tentado a isso. Não importa que eles o odeiem, o envergonhem ou simplesmente não apreciem seu gênio por ter inventado a internet... 

- Você inventou a internet?_ Percy perguntou.

"Foi ideia minha!" Martha falou orgulhosa.
"Ratos são deliciosos" Lispector George.

- Foi ideia minha!_ Hermes falou_ Quer dizer, a internet, não os ratos. Mas isso não vem ao caso, entendem o que quis dizer sobre a família? 

- O senhor... Está dizendo isso porque realmente quer salvar o seu filho ou por que tem medo do retorno do seu avô?_ perguntei, Hermes me olhou surpreso, eu tinha que tirar essa dúvida, era estranho imaginar o homem que o Luke odeia tanto se preocupando com ele... Afinal, foi por causa dele que Luke foi para o lado negro da força.

- Ele é meu filho!_ Hermes falou firmemente, depois sorriu e colocou a mão na minha cabeça_ Você o entende e ele ainda confia em você, salve-o_ senti meu coração acelerar descontroladamente. Luke ainda confia em mim? Como ele sabe? Ele só deve estar mentindo para me motivar... Luke provavelmente me odeia agora.

- E-eu não posso_ murmurei_ Não sei como.

- Saberá em breve_ Hermes se levantou e sacudiu a areia das pernas_ Agora, preciso ir andando.

" Você tem sessenta chamadas para retornar." Martha falou 
"E mil e trinta e oito e-mails" George acrescentou "Sem contar as ofertas para comprar ambrosia online com desconto" 

- E vocês_ Hermes falou_ Tem um prazo mais curto do que imaginam para completar sua missão. Seus amigos devem estar chegando mais ou menos... Agora.

Ouvi a voz de Annabeth e Tyson, cada um nos chamando de direções diferentes da praia.

- Espero ter feito a mala para vocês direito_ Disse Hermes_ Tenho certa experiência com viagens.

Ele estalou os dedos e quatro sacos de viagem amarelos apareceram aos nossos pés. 

- A prova dágua, é claro. Se você pedir educadamente, seu pai é capaz de ajuda-los até chegar ao navio.

- Que navio?_ Percy perguntou confuso.

Hermes apontou e com certeza tinha um navio de cruzeiro atravessando o estreito de Long Island, as luzes brancas e douradas brilhando na água escura. ELE JA TINHA TUDO PLANEJADO? COMO AQUELE NAVIO CHEGOU ALI?

- Como? Isso não tá fazendo sentido nenhum!_ falei balançando a cabeça. Primeiro, como esse homem descobriu que a gente já sabia como salvar o acampamento e que já haviam nos negado a missão? DEVEM TER CÂMERAS POR TODO LADO, FAZEMOS PARTE DE UM DOS REALITY SHOWS DA TV HEFESTO!

- A gente nem concordou em ir._ Percy falou.

- Eu me decidiria nos próximos cinco minutos se fosse vocês_ Hermes aconselhou_ É quando as Harpias chegarão para comê-los. Agora, boa noite, primos, e... Será que ouso dizer? Que os deuses os acompanhe? 

Ele abriu a mão e o caduceu magicamente voou para ela.

"Boa sorte, cuidado para que a impertinência dessa daí não mate você" Martha falou, mostrei a língua para ela.
"Tragam um rato pra mim" Pediu George.

O caduceu se transformou em um telefone e Hermes enfiou novamente no bolso, e então saiu correndo pela praia, quando atingiu certa distância tremeluziu e desapareceu. Olhei para Percy assustada.

- O que a gente vai fazer?_ perguntei_ Correr para o mar ou voltar para o chalé antes das Harpias virem atrás da gente? 

- Isso quer dizer que você mudou de ideia? 

Revirei os olhos, eu sei que falei que não ia, mas Hermes veio nos pedir pessoalmente, e agora tínhamos mais uma coisa para acrescentar a missão, além de pegar o Velocino e trazer o Grover de volta, eu ia salvar o Luke. 

- Ainda não voltei correndo não é_ falei empurrando ele com o ombro_ Se você for eu vou também... Você morreria sem mim._ Percy olhou na direção do mar.

- Eu...

- PERCY! RAY!_ Annabeth e Tyson se aproximaram gritando nossos nomes.

- O que está acontecendo?_ A loira perguntou_ Ouvi vocês gritando por socorro!

- Eu também_ Tyson falou_ Percy gritava "Coisas ruins estão atacando!"

- Não chamamos vocês_ falei, Hermes usou o mesmo truque que usou comigo, carinha safado.

- Estamos bem_ o Fishman concordou.

- Mas então quem..._ Annabeth então olhou para os quatro sacos de viagem no chão e para as coisas que seguravamos_ Que...

- Escutem, não temos muito tempo_ Percy começou, logo contamos nosso encontro com Hermes, aquilo tomou o tempo que tínhamos para fugir e logo que finalizamos a história ouvi os guinchos a distância, as Harpias fedorentas haviam achado a gente.

- Temos que partir nessa missão_ Annabeth falou, que rápido, ela nem se preocupou que vamos ser expulsos para sempre.

- Vamos ser expulso. Você sabe. Confie em mim, sou especialista em ser expulso_ Percy falou. 

- Mas se não pegarmos o Velocino, não vai ter acampamento pra nos expulsar_ falei

- Ray tem razão, precisamos arriscar, cuidamos desse detalhe depois_ Annabeth concordou comigo.

- Sim, sim... Mas lembre que você prometeu a Quiron...

- Prometi que ia manter vocês afastados do perigo. Só posso fazer isso indo com vocês! Tyson você pode ficar e contar a eles...

- Eu quero ir!_ Tyson interrompeu Annabeth.

- Não_ A loira soou como se estivesse em pânico_ Quer dizer... Vamos lá, Percy, você sabe que é impossível.

Percy olhou para mim, cruzei os braços, minha opinião não havia mudado, não seria bom deixar Tyson sozinho no acampamento e ele poderia aprender muito e ajudar indo nessa missão.

O Fishman estava demorando uma eternidade para decidir, o som das Harpias se aproximando.

- Sabe o que não temos?_ perguntei_ O dia todo! Aquelas coisas vão nos devorar.

- Percy?_ Annabeth perguntou batendo o pé 

- Não podemos deixá-lo_ A fada aquática finalmente falou_ Tântalo vai castigá-lo por temos partido.

- Percy_ Annabeth falou respirando fundo pra não surtar_ Estamos indo para a ilha de Polifemo! Polifemo é um c-i-c... Um c-i-c..._ Ela bateu os pés em frustração, quando se tem dislexia é bem difícil soletrar._ Vocês sabem o que quero dizer.

- Tyson pode vir_ Percy insistiu_ Se ele quiser 

O ciclope bateu palmas sorrindo.

- Eu quero!

Aquilo obviamente não agradou Annabeth, mas não havia muito o que fazer, e também não tínhamos tempo, ela podia matar o Jackson depois.

- Tudo bem, mas como vamos chegar até aquele navio?_ Ela perguntou um pouco brava. 

- Hermes disse que meu pai ajudaria.

- Então anda, faz uma ligação aí, a gente não tem tempo_ falei balançando as mãos exageradamente, as Harpias tão vindo.

- Ahn, pai?... Como vão as coisas?

SÉRIO ISSO?

- Percy, estamos um pouco com pressa_ Annabeth falou. Meus deuses.

- Precisamos da sua ajuda_ Jackson aumentou  o tom de voz_ Precisamos chegar até aquele navio, tipo antes que sejamos comidos ou coisa parecida, então...

De primeira, não aconteceu nada, comecei a surtar internamente pensando em como as Harpias iam me devorar, elas inclusive já estavam atrás das dunas. E então, três linhas brancas apareceram na superfície. Moveram-se com velocidade em direção a praia, pareciam garras rasgando o oceano. Quando se aproximaram, as águas se abriram e as cabeças de quatro corcéis brancos se ergueram das ondas. Meus olhos brilharam, não contive o sorriso. QUE FOFOS!!

- Peixe-pôneis!_ Tyson falou animado me fazendo rir.

Ele não mentiu, quando os cavalos se arrastaram para a areia, dava pra ver que eram cavalos apenas na frente, a parte de trás era de corpos de peixes prateados, com escamas brilhantes e nadadeiras de arco-íris na cauda. Hipocampos. Me aproximei parando na frente de uma das criaturas, fiz uma pequena reverência como se ele fosse um hipogrifo, esperei o hipocampo retribuir e quando esse o fez, o abracei sorrindo.

- Que fofo!

- Vamos admirá-los depois_ Percy falou_ temos que ir!_ e então me jogou um dos sacos de viagem que quase acertou minha cara. YOU CEGO MAN?

- Ali_ Uma voz guinchou atrás de nós_ Crianças más fora dos chalés! Hora do lanche para as Harpias sortudas.

Cinco delas vinham voando pelas dunas, pequenas e gorduchas, a cara chupada, garras e asas de pena, pequenas demais para o corpo gordo delas, por sorte, não eram muito rápidas. 

- BOA SORTE PRA TENTAR PEGAR A GENTE_ Gritei gargalhando.

Demorou um pouco para fazer Tyson para de encarar os hipocampos e se mexer, mas conseguimos, Poseidon parecia saber que ele era um dos passageiros, porque um dos cavalos-marinhos era bem maior que os outros, do tamanho certo para carregar um ciclope.

- Vamos lá, Hobi_ falei montando no meu hipocampo, não sabia se ele já tinha nome, mas já havia dado um pra ele, então seria Hobi. Ele relinchou em alegria, segurei firme para não cair quando ele mergulhou nas ondas.

As Harpias nos amaldiçoaram, gritando para que voltássemos. Os cavalos eram muito rápidos dispararam sobre a água na velocidade de jet skis, logo as galinhas voadoras e o acampamento ficaram para trás, e o grande navio cada vez mais perto. 

É parece que vamos ter que ir atrás do Velocino, salvar o Grover e o acampamento... Aí aí, mais uma vez indo numa missão que não é minha. A história da minha vida. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...