1. Spirit Fanfics >
  2. Half Moon >
  3. Chapter Twenty-Five - Loss of Control

História Half Moon - Capítulo 27


Escrita por: e delphw


Capítulo 27 - Chapter Twenty-Five - Loss of Control


Fanfic / Fanfiction Half Moon - Capítulo 27 - Chapter Twenty-Five - Loss of Control

Capítulo Vinte e Cinco | Perda do Controle 

 

Reserva Quileute - Forks, Washington - Estados Unidos da América

|JUNHO DE 2019|

 

Nikaia soltou uma risadinha antes de se aproximar do ouvido do Thomas para sussurrar algo como “pare de ser uma puta” que fez o garoto lançar lhe um olhar falsamente indignado e ter a boca tapada pela mão da garota antes que tivesse a chance de reclamar.

 

- Sam, podemos ter uma conversa em particular – perguntou o patriarca da família Cullen direcionando sutilmente o olhar para os dois humanos presentes

 

- Não se preocupe, vovô, a gente contou pra eles – comentou Nessie ao lado do namorado sentada no sofá – Quer dizer, não foi exatamente intencional

 

- A culpa foi do Thomas! – Falou rapidamente a ruiva enquanto levantava as mãos. Desta vez, no entanto, o garoto não pareceu ofendido, dando de ombros.

 

- Foi divertido

 

- Você quase morreu, idiota – brigou a ruiva empurrando ombro do garoto que sequer tropeçou

 

Carlisle endireitou a postura e, desviando o olhar da pequena discussão entre os amigos, coçou a garganta para chamar a atenção dos demais para o problema que enfrentavam no momento.

 

- Continuando, parece que a amizade da minha neta com os humanos não funcionou muito bem... – qualquer um poderia notar facilmente os ombros do alfa tornando-se rígidos diante da possibilidade – Alice teve uma visão em que os Volturi pretendiam vir para dar fim a nossa família, embora o motivo seja aliasse com humanos, acreditamos que seja algo mais íntimo, como a derrota anterior deles e...

Nikaia não sabia o que eram os Volturi, é claro, mas notou que todos ficaram tensos diante do comentário, alguns apresentavam irritação também.

 

- Duas visões, na verdade - cortou-o a mais baixa – na primeira, eu estava no corpo da pessoa, ela estava se afogando, eu não podia ver direito, estava tudo meio borrada. Eu tive essa visão de novo, antes de virmos para cá...

 

Edward, é claro, sabia disso, tendo visto nas memórias da irmã, mas ela não comentara com mais ninguém sendo uma surpresa para ambas as espécies.

 

- Na primeira eu não podia ver quase nada, mas na segunda eu podia ver duas mãos tentando empurrar uma que segurava meus cabelos, o cabelo dele, abaixo da água e tinha um colar, flutuando um pouco e lembrava um par de asas, eu acho

 

Todos notaram, é claro, o coração do moreno acelerar com a menção do colar e, automaticamente viraram-se para encará-lo que encolheu-se levemente diante da atenção. Thomas não era tímido, mas neste momento era um pouco difícil manter-se sério.

 

- Então... – começou colocando a mão por baixo da camisa branca e tirando um colar prateado com duas asas, era bonito, tinham de admitir

 

- Deixei-a ver, Thomas, pode não ser este colar – pediu esperançosa a ruiva enquanto o garoto puxava o colar por cima da cabeça e dava para a vampira

  

Alice encostou no colar com cautela, como se pudesse machucá-la de alguma forma, depois apertou-o e suspirou, mesmo que não precisasse de ar, era quase automática agir como um humano. Virou o colar e leu em voz alta o que estava escrito, mas a língua era desconhecida, ninguém a entendeu

 

- É italiano – comentou o moreno – significa amarei-te mesmo após perderes tuas asas

 

- Larieh – sussurrou a loira vendo o nome logo após as palavras em, aparentemente, italiano.

     Thomas não desviou olhar, não sentia vergonha, mas sentiu o garoto ao seu lado encolher-se. Notou também alguns poucos lobos soltando pequenas risadas do Garoto Bonito e outros parecendo um pouco mais preocupadas com ele. Thomas não olhou para Seth, mas quis.

 

Seth não estava apaixonado, ele sabia disso, ele sabia que o Imprinting não poderia forçar alguém a se apaixonar, ele sabia que o imprinting era mais uma necessidade do que um sentimento. Mesmo assim, ele não pode impedir que a necessidade que era o imprinting lhe fizesse sentir vontade de proteger o garoto e sentir ciúmes da pessoa que lhe dera o bonito colar. Ele se odiava por sentir isso, ele odiava o imprinting por fazê-lo sentir isso e ele nunca pensou que entenderia sua irmã que odeia esta necessidade, mesmo que ela o tenha incentivado a explorá-la.

Ele não ama o Thomas, ele não quer amá-lo, não porque ache que o garoto não é divertido, mas porque isso significaria perder-se, prender-se. Seth quer conhecer mais, quer descobrir, Seth quer viver e sentir, mas não queria sentir isto tão cedo se isso significa que ele vai ficar preso a um homem.

Ele sempre gostara da ideia de imprinting, claro, saber que existe alguém que lhe completa, mas ele nunca pensou que isso implicaria que apenas ele sentiria a necessidade de estar junto.

Seu imprinting não é um lobo, ele não sabe o que é esta necessidade, de estar perto, o mais perto, de tocar e beijar e saber que ele está ali do lado com você, para você.

Ele não quer o imprinting, não agora, porque tão cedo, ele quer correr pela floresta e visitar outro lugar, ele queria a experiência de se apaixonar por alguém sem isto lhe dizendo quem, ele quer mais que uma vida aprisionada. Mas ele não pode ter, não mais. Leah não entende, nem Jake ou Sam, não sabem qual a sensação de não ter uma ponte para mostrar-lhe um lugar que ele não conhece, porque ele está preso, preso nessa necessidade de não ir. Seth sabe, sabe que mesmo se tivesse uma ponte ele não atravessaria porque ele não pode, mas ele quer, então por que não pode? Porque ele tem de estar com um homem, um homem que não ama, um homem que ama outra pessoa e que pode amar que quiser, um homem que nunca vai ser dele, mas que sempre vai tê-lo.

Seth quer conhecer, quer voar para longe, ver novos horizontes, ouvir outras músicas, ler outros livros e sentir sentimentos sobre outras pessoas, ele quer voar para longe, mas ele não pode, porque mesmo que tenha perdido as asas ele ainda vai estar “amando” um imprinting, um que ele não deseja, mas ele nunca teve escolha, não é? O pequeno Seth nunca vai ter escolha.

Não importa se ele quer, porque Seth não é mais ele mesmo, ele é Thomas, mesmo que Thomas não seja Seth, não importa, a escolha não é dele, a escolha não é do “Thomas”. O imprinting não é bonito, não é uma historinha para dormir, é cortar as penas de um pássaro e deixa-lo preso para se apreciar, não importa o que o pássaro quer, ele não vai mais voar.

De repente, ele odeia aquele garoto. Ele arrancou suas penas, ele que apareceu ali, Seth não o queria, não o quer...por que ele não vai embora? No fundo da sua mente, na parte obscura que costumamos esconder Seth desejou que a visão da vampira acontecesse. Talvez assim ele pudesse atravessar a ponte e apenas voar, voar para longe e sentir o que ele não poderia sentir naquela pequena gaiola sem escolhas.

Eu o odeio.

Eles não notaram, eles não viram exatamente quando ele perdeu o controle, nem mesmo Edward, mas, em algum momento, em algum momento de fragilidade e descontrole Seth se transformou o bonito lobo cor-de-areia. O lobo cor-de-areia que Thomas acariciou, o mesmo lobo cor-de-areia que Thomas prendeu em uma gaiolinha, o mesmo lobo cor-de-areia que perfurou Thomas com as garras.

Dizem que não se pode machucar um imprinting com intenção, eles erraram.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...