1. Spirit Fanfics >
  2. Hallucination (a.b.o) >
  3. Algumas coisas, precisam permanecer em segredo

História Hallucination (a.b.o) - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Dois capítulos quase no mesmo dia, pois eu realmente estou inspirada, terminei a leitura de um livro que me fez chorar mares e rios. Por esse motivo este capítulo é a mais pura seiva de drama.

Um aviso prévio, não sou de enrolar para juntar casais, mas não se enganem. Este aqui está realmente longe de ficar concreto

Aproveitem, boa leitura ❤️

Capítulo 4 - Algumas coisas, precisam permanecer em segredo


Fanfic / Fanfiction Hallucination (a.b.o) - Capítulo 4 - Algumas coisas, precisam permanecer em segredo

𝑺ó o tempo sabe quem realmente somos, nós apenas fingimos saber enquanto os conhecidos criam uma imagem ilusória do que você é. Durante um tempo eu pensei saber quem eu era, mas assim como todos que pensavam como eu, estava enganado. Era estranho como eu sabia mais sobre a pessoa que estava sentada na minha frente do que sabia sobre mim. Mas mesmo pensando conhecer o mínimo dela eu não conhecia nem 1%. Mas um lobo não consegue se esconder da lua cheia, quando ela aparece ele simplismemente se mostra, e é exatamente isso que aconteceu, a lua cheia chegou para Choi Seungcheol em apenas dois dias.

Jeonghan:

- O que estava fazendo tão longe de casa Choi Seungcheol?

Ele ficou sem palavras, me olhou por alguns instantes e então Respondeu

Seungcheol:

- Fui expulso do reino- Diz simples se levantando e caminhando até o quarto, eu corri até o mesmo e fechei a porta

Jeonghan:

- Está mentindo!- falo em bom tom, tentando da forma mais sutil parecer autoritário na presença de um alfa, que naquele momento eu percebi ser um lúpus como eu, e no mesmo instante quis sair correndo de medo mas não o fiz.

Seungcheol:

- Não eu não estou!!- Cheol havia acabado de usar a voz de alfa sobre mim, foi nítido que eu me encolhi e foi mais nítido ainda que ele percebeu o que fez e se arrependeu- Sinto muito.- O alfa com cheiro de vinho envelhecido caminhou até mim, que estava encostado na porta do quarto, tocou meus ombros me fazendo encolher mais, e então olhou para mim- É verdade, eu mesmo me expulsei, eu decretei exílio para mim mesmo e disse que qualquer bastardo burro que aparecesse, poderia ficar com o trono no meu lugar.- Para mim nada fazia sentido, mas eu tinha uma resposta, uma na qual Realmente me deixou surpreso, Choi Seungcheol era um escolhido. Assim como eu, e igual a mim também abandonou o trono, eu havia desvendado parte do enigma e criado outro.

Jeonghan:

- Você é um escolhido...- Queria que falar aquilo em voz alta fizesse entrar na minha cabeça mais rápido, o que funcionou mas fez meu cérebro quase decretar aposentadoria. Cheollie confirmou com a cabeça ainda mantendo contato visual, realmente próximo, mas a uma distância "segura"- E... O que você... Por que você fugiu? Por que abandonou o trono?... Por que meus pais te veneravam tanto? Você os conhecia?- Eram tantas perguntas, e eu não tinha certeza se seriam respondidas ou ignoradas, mas o meu maior medo naquele momento, era que eu não descobrisse, que tudo continuasse igual.

Seungcheol:

- Eu já te disse o motivo de ter abandonado o trono. Seus pais queriam manter uma boa visão de mim para você, por mais pequena que fosse. Já que você pelo visto... Não saberia quem eu era.

Jeonghan:

- Você disse... Disse que o príncipe deixou o reino para procurar seu prometido.- Seungcheol concordou com a cabeça, e aos poucos foi se afastando até que suas pernas tocassem a cama, ele esperava que eu ligasse todos os pontos dessa história.

Eu não queria fazer perguntas óbvias, ele estava procurando seu prometido. Específicamente nas terras de fogo, era incontestável. Então eu resolvi fazer a pergunta mais banal possível.

Jeonghan:

- E você achou, não achou?

Seungcheol:

- ... Eu achei o escolhido, Yoon Jeonghan. Mas não acho que tenha encontrado de fato o meu prometido, talvez, ele já se foi a muito tempo.

Eu senti um nó na garganta, eu simplismemente não queria chorar, e não fiz isso. Mas pude até mesmo ouvir o som do meu coração se rasgando e tornando-se míseros pedaços de carne que só serviam para me manter existindo. Eu havia o perdido, eu sentia sua falta, mas não sabia que era estar sem sua presença que tornava minha mente apenas um buraco vazio. E agora, tudo que eu sentia era tristeza. Mas não tinha absolutamente nenhum tipo de amor envolvido, o máximo que eu cheguei a sentir pelo homem que eu abrigava na minha casa era desejo carnal. O natural desejo de qualquer ômega, mais nada. E isso não fazia com que eu me sentisse bem, eu, Jeonghan, tinha perdido a minha memória, mas Choi Seungcheol lembrava de tudo, e ainda existia o sentimento nele pois de uma forma ou de outra, nós havíamos nascido um para o outro. Eu só queria sentir alguma coisa, no instante em que esses pensamentos me rodeavam em nenhum momento Joshua passou pela minha cabeça. O que provava que até agora eu só havia amado uma vez e não me lembrava disso. Ele estava certo

Eu não era mais seu prometido e esse fato, sugou absolutamente toda a minha energia. Era como se minha alma precisasse de algo para me manter de pé, mas eu não precisasse desse "algo". E no fim era nítido que quem precisava era meu lobo, não eu, e nunca me entregaria ao instinto animal, pelo menos não agora. Mas eu cometi um erro em buscar respostas, Cheol deveria ter omitido elas de mim.

Jeonghan:

- Me desculpe... Me desculpe mesmo.

...

Na noite daquele mesmo dia, tudo que eu não conseguia fazer era dormir, mas dessa vez não era por conta dos pesadelos, e sim por causa de descobertas que eu não deveria ter procurado. Eu caminhava pelas ruas desertas do vilarejo, disse que precisava de um tempo. Eu disse que necessitava de um tempo, para alguém que já havia esperado de mais.

Enquanto me martirizava eu escutei gritos, e como sempre resolvi seguir eles, sobre tudo que aconteceu comigo até agora, a única coisa na qual eu tinha certeza era que eu merecia. Por sorte ou azar não era nenhuma criatura estranha, era só Wonwoo e Mingyu em uma discussão. Seria errado ouvir, e eu sabia disso, mas não me importei. Apenas me escondi atrás da parede de uma casa e comecei a escutar a conversa que depois de poucas palavras percebi realmente que não deveria ser tão curioso.

Mingyu:

- Eu mereço saber Jeon! Me explica o que é isso? Me diz o que está tentando me esconder?- Sua voz era trêmula, ele estava com raiva, mas acima de tudo também se mantinha triste

Wonwoo:

- Não é da sua conta Kim Mingyu.- Ele diz simples, eu sempre venerei o modo com que Wonu tratava alfas, ele obviamente era mais fraco que eles, mas mesmo assim, não deixava o medo empoderar. Principalmente nos últimos dias, era como se um instinto selvagem tivesse possuído seu corpo, e logo mais eu descobriria o motivo.

Mingyu:

- Como ousa dizer que isso não é da minha conta? Wonwoo todos já sabem do segredo, e finalmente chegou nos meus ouvidos. Por que quer tanto me manter longe disso? É injusto- A voz do alfa estava chorosa, desta vez eu tinha certeza que ele desabaria em lágrimas, e até o momento eu não fazia idéia do motivo

Wonwoo:

- Porque o filho é meu! Não tem absolutamente nada haver com o alfa que está na minha frente. Você pode ter ajudado a fazer mas não é digno de ajudar a criar.

Mingyu:

- O que eu te fiz?! Em momento algum eu fui mal com você, eu respeitei suas vontades a cada segundo. Eu passei semanas achando estar apaixonado por você. E então, minha paixão me pediu para ir embora, e eu fui, porque você me pediu! Não é justo que não deixe que eu tenha a chance de ser o pai da criança que eu ajudei a gerar.- Nesse momento eu arregalei meus olhos e prendi a respiração, Wonwoo estava grávido de Kim Mingyu. Em que tipo de caos familiar eu acabei de me envolver, mesmo que indiretamente?

Wonwoo:

- O que você fez?? E ainda pergunta?!- Ele estava realmente estressado- Além de ter me traído com a porra de todos os ômegas daquele maldito exército, você envenenou a minha mãe! Admita, foi você.- Aquilo Realmente estava indo longe de mais.

Mingyu:

- O que? Está me acusando de ser um assassino? Jeon Wonwoo, por que eu mataria a pessoa que você mais ama?- Ele falava alto, com indignação

Wonwoo:

- Por que eu sei que você trabalhava para o reino de ár, e o seu "ex" chefe, desejava a cabeça dos Jeon desde a primavera de fogo. Minha família havia comandado as tropas para acabar com o trono e conseguir 30% do espaço de Twikhal, a cidade onde o rei estava, mataram metade de seus soldados e depois disso, boa parte deles começaram a vir para aonde minha família se instalava, e adivinha? Colocaram a cabeça de um por um em uma estaca, e acabaram com a árvore geonologica da minha família. Durante esse tempo você se alistou para o exército e se aproximou de mim, até aí tudo bem. Mas por pura coincidência minha mãe morreu envenenada, e no mesmo dia descobri que estava grávido de você.

Mingyu:

- Wonwoo, eu não fiz isso, sim eu trabalhava para o exército de ar, e sim, eu sei muito bem o ódio que o rei carregava pela sua família. Mas eu não vim foragido, vim pois não queria mais servir a um bruto, eu não envenenei a sua mãe.

Wonwoo:

- Entregue-me provas, e não palavras vazias Mingyu, se você não fizer isso antes que esse bebê nasça... Eu te entrego para o tribunal, e na melhor das hipóteses você perde a guarda dessa criança e é exilado das terras de fogo... Mantenha isso em segredo para o seu próprio bem.- Ele finalizou chorando, e então saiu de lá, eu simplesmente corri para o mais longe possível, até que não enxergasse mais a casa vermelha na qual estava escondido. Eu estava tentando fugir do meu drama, e sem querer caí em um que nem mesmo me pertencia, mas que agora eu teria que manter escondido de todos.

A única certeza que eu tinha, era que se eu vivesse até o fim dessa semana, eu realmente era indestrutível. E tive ainda mais certeza desse fato quando quem eu menos queria ver, apareceu na minha frente.

- Ei Hannie, tudo bem? Parece tenso...

Jeonghan:

- Droga...~ acabei falando em voz alta, saiu quase como um sussurro mas bem audível para ele

- Jeonghan tudo bem? Me responde amor...

Jeonghan:

- Tudo!- Eu caminhei até Jisoo e o beijei, um beijo seco e rápido, não envolvendo qualquer tipo de sentimento.- Está tudo bem meu amor, mas por favor, eu só quero alguns segundos sozinho, então eu sinto muito mas vou ter que pedir... Vai... Embora, eu te imploro- Tentei parecer educado, com a voz mais calma e fofa que eu consegui fazer, era incrível como eu conseguia encenar uma personalidade inexistente tão bem. Pois no mesmo segundo em que eu disse isso, Joshua sorriu e se retirou, sem fazer qualquer tipo de pergunta.

Eu então me ajoelhei sobre a grama gelada e abracei minhas pernas. Eu pensava sobre muitas coisas, e todas me levavam a uma conclusão: A vida trazia para nós erros que já havíamos cometido a muito tempo, para ver se já tínhamos aprendido a lição, e eu não aprendi. Mas quando se erra mais de uma vez, para de se tornar um erro e se torna uma escolha. O problema é que eu tinha certeza que estava fazendo a escolha errada, eu queria tanto ter crescido ao lado do meu prometido, e reinado como ninguém jamais reinou, como a minha mãe desejava. Mas esse não era o meu destino, o meu destino não era sentar em um trono e ser amado. O meu futuro, caminhava diante de uma estrada que me fazia uma pessoa louca aos olhos daqueles que um dia juraram lealdade e respeito aos Yoon. Eu estava feliz por ter aparecido alguém que não me enxergava assim, alguém disposto a me fazer feliz por mínimos segundos se quer, mas nesse momento tudo que eu mais queria era que nunca tivesse o conhecido. Eu estava cansado de chorar, mas aquelas lágrimas... Me tornavam forte, a água tocando a pele em combustão tornava minha pele rochosa, pronta para qualquer rodada de decepções.

Mas lá estava ele, lá estava o rapaz que por algum motivo se apaixonou pela minha loucura, e que mesmo sabendo que não poderia me ter, continuou a querer me ver bem. Cheollie estava ajoelhado na minha frente, ele levantou meu rosto com o polegar, me fazendo prender a respiração pela segunda vez naquele dia.

Seungcheol:

- Vamos pra casa Jeonghannie- Ele Sussurrou com a sua voz rouca perto de mim.

Jeonghan:

- Eu não posso, eu não quero dormir, não quero ter pesadelos, e também não quero ficar acordado e pensar de mais.

Seungcheol:

- Então não pensa, não durma no quarto hoje, eu prometo que nada vai interromper seu sono

Jeonghan:

- O que está pedindo para mim fazer Exatamente?

Seungcheol:

- Durma perto de mim, com as luzes acessas e perto de proteção. Você não é o tipo que precisa ser protegido, nunca foi, mas de qualquer forma merece descansar, muita informação em um dia só- Ele não tinha idéia, eu não estava em posição de negar então apenas concordei, então Cheol me ajudou a levantar, e me cobriu do frio no caminho de volta, enquanto me abraçava de lado e me mantinha aquecido. Eu apenas retribui o abraço escondendo meu corpo exausto no casulo como um pássaro em baixo das asas da mãe. Ou melhor, um lobo filhote atrás daquele com o qual ele se sentia protegido. Me entregar ao meu lobo seria muito mais fácil, eu gostava de me embriagar com o cheiro desse alfa, eu sentia desejo de tocar nele quando estávamos muito próximos. Mas o fato de ser simplismemente carnal não me agradava por diversos motivos, e o maior deles é que eu sabia que em qualquer situação de carência ele era a pessoa na qual eu correria, coisa que antes era Joshua. Isso me traria problemas, eu precisava aprender a me controlar. Mas antes que essa noite acabasse eu cometeria o pior dos meus erros, o erro que daria início a todos os outros.

...

Eu tomei um banho vaporoso, trajei um moletom que era concerteza muito maior que eu, e coloquei uma calça, tudo em tons vermelhos. Cheol havia arrastado o colchão para a sala/cozinha e deixado ele preparado para mim. Assim que eu entrei na sala fui recepcionado com a visão de Cheol sem camisa perto do fogão, era a segunda vez que eu via ele assim mas me causou a mesma reação da primeira, dessa vez um pouco pior.

Jeonghan:

- Pretende me trazer jantar na cama?- Pergunto irônico me jogando no estofado, Seungcheol ri e concorda

Seungcheol:

- Claro majestade.

Jeonghan:

- Hmm a majestade aqui é você, mas pode ser meu serviçal por um dia, eu deixo- Respondo em tom brincalhão e Cheollie nega com a cabeça sorrindo. Então aparece com uma bandeja caprichada na cama e se senta na minha frente. Eu começo a comer e dividir com ele, o mesmo sorria bobo ao me ver fazer gestos que eu diria serem normais, ou meramente desleixados. Eu deveria ter notado esses olhares antes, eu perceberia o quanto este homem era apaixonado por mim e poderia acabar com isso antes de descobrir o motivo. Mas será que eu não me sentiria triste depois? Eu acabei notando junto da presença de Seungcheol que era bom ter alguém que não desistisse de você. E que seria um pesadelo se eu sentisse sua falta e ele não estivesse mais a minha espera. Não leve isso para o lado romântico, eu só gostava de saber que era verdadeiramente amado por alguém. E me sentia estúpido por não retribuir esse sentimento.

Nós terminamos de comer, Seungcheol lavou a louça e eu guardei, em seguida escovamos os dentes e voltamos para a cama, ele se deitou e colocou um filme e eu deitei ao seu lado, e foi aí que o problema começou.

Seungcheol tinha pego dois travesseiros e ele estava mais alto que eu, deitado na minha frente. Eu tentava me ajeitar mas não havia sobrado travesseiros então o forcei a deitar de barriga pra cima e apoiei minha cabeça no seu peitoral

Jeonghan:

- Não leve para o lado pessoal, só estou fazendo isso para conseguir enxergar.

Seungcheol:

- Eu não disse nada- Responde sorrindo e continua assistindo. O silêncio começa a incomodar os dois, principalmente por conta da posição em que estávamos

Jeonghan:

- Você pode se mover se quiser, não estou sentindo nem seu coração bater direito.- Digo, dessa vez mantendo o contato visual com o mesmo

Seungcheol:

- Meus batimentos cardíacos podem atrapalhar seu sono, não vamos arriscar- Eu rio e nego com a cabeça

Jeonghan:

- Não existe nada melhor do que dormir escutando os batimentos cardíacos de alguém, isso foi uma péssima desculpa.

Seungcheol:

- É estranho que o silêncio atrapalhe seu sono.- Respondeu retira do o cabelo do meu rosto e colocando atrás da minha orelha

Jeonghan:

- Não é o silêncio que me encomoda. É a cabeça cheia de pensamentos errados que tiram meu sono.- Grande erro

Seungcheol:

- Que tipo de pensamentos?

O desejo de te beijar nesse exato momento mesmo não sentindo nada por você, ou a vontade de tocar cada centímetro do seu abdômen desnudo e completamente definido. O desejo que meu lobo tinha de adulterar, e o desejo que eu tinha de impedir que ele tomasse o controle, mas Choi não me ajudava, olhando para mim daquela forma. Falando comigo naquele tom rouco quando ele tentava ingênuinamente sussurrar. Eu odiava ser um ômega, minha espécie era fraca, incontrolável até que fosse marcada. Indomável como se estivéssemos a todo instante no cio. Eu simplesmente não queria trair o Joshua, mas se não estivesse com ele. Eu Concerteza já teria deixado meu lobo agir, todo esse desejo não é repentino, eu já guardava ele desde a floresta, mas saber que aquele homem deitado comigo era ou algum dia já foi meu prometido, foi um gatilho enorme.

Jeonghan:

- Pensamentos sobre hoje.

Seungcheol:

- Você deveria esquecê-los se lembra?

Jeonghan:

- Como esquecer se você está aqui?

Seungcheol:

- Estou aqui porque quero seu bem, compreendo que não exista mais nenhum tipo de afeição sua por mim, e estou numa boa com isso

Jeonghan:

- Não Seungcheol, não está tudo bem para mim. Eu estou em conflito interno, literalmente.

Seungcheol:

- Eu estou assim desde que soube quem você era Jeonghan. Eu te salvei naquela floresta por que reconheci seu cheiro, mas no mesmo instante percebi que você não se lembrava de mim. E isso me machucou mais do que eu já estava ferido, mesmo assim, não insisti nisso, então por que você tinha que ser tão curioso? Eu tive que segurar meu lobo em diversas vezes quando estava próximo de você. O problema foi saber que você não mudou quase nada desde a sua infância, o problema foi lembrar que você não era só alguém bonito e superficial. Era extraordinário, cada parte sua era perfeita com suas imperfeições, seus olhos, sua boca, seu intelecto... e eu tive que suportar cada segundo, mesmo sabendo disso, e vendo você amar outro. Mas estava tudo bem, pois você estava feliz e para mim isso é tudo, então por favor só esqueça.- Como ele ousou me dizer para esquecer após falar tudo isso? Era quase egoísta, porém. Mais egoísta que ele, era eu por ter puxado seu corpo, sentado em seu colo e agido sem pensar em qualquer tipo de dano. Sem pensar que por mais que eu delirace sentindo o gosto daqueles lábios roçando nós meus em perfeita harmonia, eu era um ômega comprometido. E me culparia até o fim dos tempos por isso.

Mas naquele momento a culpa não era o que passava na minha cabeça. Alguém deveria ter me dito que não adiantava procurar o gosto do beijo em alguém por quem você não sente nada. Nunca seria o mesmo gosto, o gosto do beijo não era o mesmo gosto da boca, era o verdadeiro sabor da ternura. Era incrível a sensação de sentir algo assim, o meu corpo estava quente como um vulcão prestes a entrar em erupção, e a pele de Choi estava fria como o oceano depois de uma tempestade. Nós éramos uma pura catástrofe natural quando estávamos juntos, era lindo de se ver, mas destruía tudo que estava pela frente.

Eu deveria ter levado isso como um aviso, mas simplesmente ignorei.


Notas Finais


O capítulo foi bem mais curto do que o de costume, e eu acho que isso foi perceptível, mas ah uma boa razão para isso na qual não vou revelar mas vocês irão notar mais para frente.

O capítulo foi revisado mas me perdoem qualquer erro ortográfico

𝑶𝒃𝒓𝒊𝒈𝒂𝒅𝒂 𝒑𝒐𝒓 𝒍𝒆𝒓 🖤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...