História Hard carry - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Jeon Jeongukk, Jungkook, Kim Taehyung, Taehyung, Taekook, Universidade, Vkook
Visualizações 58
Palavras 9.907
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, LGBT, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, meus anjinho lindos!

Como prometido aqui estou eu com mais um shipp diferente! Ebaaaa!
Dessa vez vamos de Taekook (é eu shippo o Tae com todo mundo, me julguem!)
Eu tenho uma amor descontrolado por Vmin, mas as vezes tenho ideias para outros shipps e a medida que for escrevendo vou postando pra vocês, vai que vocês gostam neh?
Essa fic eu escrevi ela até bem rapido, e mesmo sendo um oneshot, é grandinha!
E vamos aqui agradecer a @Illegal- de novo, porque tem o dedinho dela aqui... Como sempre! Ela me ajuda bastante com as coisas que tenho dificuldade, então, essa fic está aqui, mais um vez, graças a ela!
Sem mais enrolação...

BOA LEITURA!

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Hard carry - Capítulo 1 - Capítulo Único

            Se tinha uma coisa da qual não podia reclamar, era de sua vida na universidade. Era tudo aquilo que todos tinha descrito de melhor. Além de suas ótimas notas em seu curso de cinema, ainda tinha todas as festas, todas as bebidas, todas as garotas, e as vezes garotos, desde que esses soubessem ficar calados, e ele sendo o dominante não se importava mesmo. E ainda tinha toda curtição e toda popularidade que tinha ganhado no lugar por ser extremamente talentoso em tudo que fazia e por que era bonito, não podia negar essa parte, não se achava maravilhoso, mas muitos achavam.

            Tinha tudo que queria. Morava no campus e então não fazia nada além de ir a bares e festas de fraternidade nos fins de semana. E a melhor parte, nem era veterano. Tinha só dois anos ali e já estava em níveis que às vezes nem veteranos chegavam. E não, ele realmente não era um babaca, nunca fora. Tratava bem todo mundo, tinha sorrisos e educação a todos. Talvez essa fosse a razão de sua popularidade.

            Estava feliz daquele jeito. Tinha certeza que não precisava de mais nada. E seu pensamento era só um, continuar assim até se formar. Sabia muito bem que a universidade era sua última oportunidade de se divertir, não era estúpido, sabia que a vida adulta estava ali espreitando, só esperando para lhe dar um belo tapa na cara e o trazer para realidade, mas isso podia esperar. Ou assim pensava. Mas a vida não estava nem aí para o que você quer ou não, ela tinha o próprio tempo e o tapa veio cedo e do modo mais inesperado.

— Jeon Jeongguk?! – Hoseok gritou fazendo o mais novo pular em sua cadeira e arregalar os olhos.

— Sim, hyung? – ele perguntou no susto.

— Estou falando com você, menino, está me ouvindo? – reclamou o outro.

— Desculpe, eu me distraí...

— Notei mesmo. Estava dizendo que o Jin me ligou, vai ter mais uma festa na fraternidade deles. Vai ser sábado à noite, eles nos convidaram – explicou o mais velho.

— Ah sim... Isso é muito bom. Algum tema dessa vez? – quis saber Jeongguk.

            A republica Blue Side, onde viviam Kim Seokjin, Min Yoongi e Kim Namjoon era famosa por suas grandes festas com temas diversos, tinha tudo que você imaginar. Esse era o diferencial deles, a temática, e isso era o que dava a festa deles popularidade suficiente para que as pessoas pagassem pra entrar e eles conseguissem dinheiro pra sustentar a fraternidade. Era um processo complicado e que eles conseguiam com maestria. Jin era um veterano de artes cênicas, Yoongi e Namjoon eram veteranos que cursavam música. E eles sabiam como fazer uma festa. Eram as melhores. Jeongguk não perdia uma desde que ficou sabendo delas logo no começo do seu primeiro ano.

            Hoseok era seu colega de quarto, e cursava dança. Era um cara extremamente simpático e falante, e o Jeon amava a companhia dele. Sem falar que o rapaz de cabelos rosas com manchas roxas amava uma festa tanto quanto o mais novo, então até nisso eles combinavam.

            Eles estavam sentados em uma das mesas ao ar livre da cantina da universidade. Tinha acabado de tomar um café e estavam só ali sem fazer nada, era quanta a tarde e as aulas deles tinham se encerrado.

— Hoooobiiiii- hyyyuuuung! – Jimin gritou se aproximando fazendo um grande sorriso se abrir nos lábios do rosado.

— Jiminie! – respondeu contente com a chegada do rapaz.

            E ali estava a tapa na cara de novo. Jeongguk nem mesmo sabia reagir àquilo.

            Jimin era um garoto mais baixo de cabelos loiros, lábios carnudos e certamente o sorriso mais lindo que Jeongguk já tinha visto na vida, que se estendia aos olhos e os deixava pequenos, e seu dono completamente fofo. Gukk quando o conheceu chegou à conclusão de que queria mordê-lo, então só tentou investir, mas quando o próprio garoto confessou que o via do mesmo jeito, desistiu, não parecia uma boa ideia. Desde então eram amigos, e até fazia academia juntos.

            Não, Jimin não era o tapa na cara. Não era a lição que a vida estava jogando pra cima de Jeongguk. O tormento do mais novo era na verdade o amigo de Jimin. O rapaz mais alto de cabelos azuis chamativos e sorriso retangular.

            Ele tinha se mudado há menos de um mês para aquela universidade, mas pelo que Hoseok tinha contado o azulado era amigo de infância de Jimin, por isso eles não se desgrudavam, mesmo que nem fizessem o mesmo curso. Jimin cursava dança como Hoseok, mas Kim Taehyung, o amigo de Jimin, cursava música.

            O maior problema é que como Jimin era amigo dele e de Hoseok, consequentemente o azulado estava sempre por perto também. E por que isso era um problema? Porque Jeongguk tinha uma crise de insegurança sempre que botava os olhos nele. Desde a primeira vez que o cumprimentou, olhando em seus olhos e testemunhando seu sorriso confidente e voz profunda e suave, tinha simplesmente se sentido uma criança idiota perto dele. E isso nem fazia sentido, já que o rapaz era todo sorridente e comunicativo, sem falar que os fazia rir com frequência. Não conseguia entender porque ficava idiota sempre que o rapaz estava por perto.

            O azulado os cumprimentou e Jeongguk resmungou um oi sem graça, enquanto Hobi sorria abertamente ao rapaz respondendo seu comprimento.

— O que estavam conversando? – Jimin logo quis saber.

— Eu estava falando para o Gukk da festa na Blue Side – contou o rosado aos recém-chegados.

— Ah! Vocês vão? – Taehyung perguntou.

— De que vão? – Jimin completou.

— Hobi-hyung nem me contou ainda o tema – reclamou o mais novo.

— Vai ser circo – Hoseok informou.

— Circo... Isso é meio complicado – comentou o Jeon, passando a mão pelos cabelos castanhos.

— Eu vou de contorcionista – Jimin informou sorridente.

— Ohh... Combina com você, Jiminie – comentou Hoseok.

— Você vai ficar sexy com o colam todo colado – Jeongguk comentou sorrindo.

— Viu? Eu falei, você tem que parar de ser tão inseguro, Chim – Taehyung falou irritado com o amigo.

— É fácil falar, Tae. Não acho que tenho corpo – reclamou o menor.

— Como assim não tem corpo? Eu não tenho corpo pra isso. Se alguém aqui tem é você – teimou com o amigo, o azulado.

— O Gukkie tem mais – afirmou o loiro apontando para o mais novo.

            Taehyung se virou olhando o moreno, que sentiu os olhos do rapaz o escanearem de cima a baixo, como se pudesse ver cada músculo de Jeongguk.

— Eu? Não. Não sei fazer o que você faz. É perfeito, Jimin. Vá assim mesmo – falou o moreno, mas corou por causa do olhar do azulado.

— E você, Taehyung? Vai de que? – Hoseok perguntou, fazendo esse tirar os olhos de Jeongguk, que desviava o olhar e tentava fingir que nada acontecia.

— Mágico – respondeu sorridente.

— Ah, mágico era uma boa – resmungou Hoseok. – Acho que vai ficar bom pra você também.

            Ouvindo a conversa Jeongguk só se perguntava o que não ficava bem naquele homem. Ele era tão bonito que chegava a doer. Os olhos expressivos, o nariz de tamanho perfeito para seu rosto, lábios que não eram grossos demais nem finos demais, maxilar quadrado e sorriso fofo. Simétrico, perfeito. E ainda tinha a irritante mania de umedecer os lábios colocando a língua entre eles. E nem mesmo no corpo havia defeitos. Ombros largos, bom condicionamento físico e uma bunda... O Jeon nem se arriscava em dar um adjetivo a ela.

— Você devia ir de palhaço, hyung – Jimin deu a ideia.

— Hmmm... Não seria tão mal... Ótima ideia, Jimin. Vou fazer isso mesmo – concordou o rosado sorridente.

— Ei! E eu? Também preciso de uma ideia.

            O menor se manifestou quando percebeu que era o único que não tinha uma fantasia no momento. Jimin levou a mão ao queixo em uma pose clichê enquanto pensava em algo para o amigo mais novo. Então levantou um dedo e sorriu.

— E se você for daqueles levantadores de peso? De circos antigos, lembra? – propôs o menor, fazendo o azulado sorrir.

— Lembro, mas... Eu não sou tão grande – argumentou o moreno.

— É só uma fantasia, Gukkie, não tem que ser realista. Não vai pra um concurso de cosplay – contra pôs Hoseok, aparentemente concordando com a ideias do loiro.

— Ok. Se me ajudarem a achar uma fantasia que sirva eu vou – concordou o mais novo dando de ombros.

— Bom, temos até sábado pra dar um jeito. Acho que conseguimos – afirmou Jimin sorridente.

           

***

 

            E eles conseguiram. No sábado estavam os quatro com suas roupas, só tinha que se trocar e seguirem para a festa.

            Não se falava em outra coisa na universidade naquele dia. Todos estavam falando sobre as roupas que usariam e combinavam hora com os amigos. O lugar ia mesmo bombar. E isso deixava Jeongguk animado, festa cheia significava muita bebida e muitas garotas. Isso era sempre bom.

            A festas estava marcada pra começar às nove da noite, então era oito e meia e Jeongguk estava ajudando Hoseok com a maquiagem. O mais velho usava uma bermuda amarela com um monte de bolinhas coloridas, um suspensório grosso vermelho e uma camiseta azul, e um all star vermelho. Jungkook tinha pintado o rosto dele de branco, uns riscos azuis na sobrancelha e a boca de vermelho e ele tinha o nariz de bola vermelha para colocar. Jeongguk por outro lado não precisava de nada disso. Calçava um tênis preto e um macacão listrado de vermelho e branco, que parecia um uniforme de luta greco-romana, mas com um decote muito maior, deixando seu peito a mostra. Só depois que vestiu aquilo que notou que era totalmente apertado, um short curto, até o meio da sua coxa, um cinto na cintura, com o peito e os braços a mostra, era certamente muito pior que a roupas de Jimin. Hoseok ainda fez questão de arrumar um bigode de mentira para ele usar junto com tudo aquilo e dois braceletes de pano nos pulsos.

            Era uma boa fantasia, mas estava completamente inseguro de usar aquilo, o que o incomodava mais do que gostaria, pois nunca fora de ter inseguranças.

            Se olhou no espelho e quase voltou para o guarda-roupa e se trocou. Mas Hoseok estava pronto e sorridente ali atrás dele o esperando.

— Você ficou ótimo... Melhor irmos – falou o rosado sem perder o sorriso.

— Eu não me sinto ótimo – resmungou o mais novo sem saber lidar com aquela sensação de que estava ridículo.

— Ah larga de bobeira. Essa universidade inteira já cai aos seus pés normalmente, com essa roupa então...

            Hoseok seguiu para a porta já a abrindo. Sem opções ou bons argumentos só seguiu o amigo com um suspiro. Era só hoje, não ia morrer por usar aquilo. Além do mais Hoseok tinha razão, as pessoas já gostavam dele, uma roupa não mudaria isso. Eles seguiram em direção a fraternidade que não era nada longe.  Logo eles avistaram o local, cercado de gente com pessoas com roupas coloridas, alguns fáceis de identificar outros mais difíceis. Mas não pararam pra tentar. Se aproximaram da porta onde dois rapazes cobravam de quem ia entrar. Os dois pagaram e entraram na casa. Logo viram Jin sorridente, ele usava roupa de apresentador de circo em tons de preto e vermelho. Um chapéu cobrindo seus cabelos negros.

— Oi, garotos! – ele falou sorridente chegando até ele. – Sejam bem-vindos. Uau, amei a roupa de vocês. Está gostoso, hein, Gukk? – afirmou o mais velho o analisando.

            Jeongguk sorriu para o mais velho e levantou uma sobrancelha. Naquele momento não se lembrava mais de ter tido insegurança alguma, ainda mais com um elogio daqueles vindo do mais velho.

— Ainda está namorando, hyung? – ele perguntou cheio de segundas intenções, abrindo seu sorriso fofo de coelho.

            Jin era um cara muito bonito, mas já namorava quando Jeongguk o conheceu, então, não teve chances.

— Não abusa, moleque – ouviu a voz mais grave de Namjoon que descia as escadas.

            Ele usava roupas coloridas, mas não era um colam nem roupas de palhaço, então devia ser um malabarista ou coisa do tipo. Ficou um contraste legal com os cabelos prateados.

— Desculpe, Hyung. Não quis desrespeitar – falou o moreno sorrindo.

— Aposto como tem um monte de gente te querendo com essa roupinha. Então fica longe do meu Jin – firmou o mais velho.

            Era notável que ele tentava esconder o riso. Eles se conheciam há mais de um ano e Jeongguk tinha muito respeito pelos três líderes da fraternidade, e as brincadeiras eram frequentes. Mesmo que ele já tivesse ficado com Yoongi algumas vezes, isso antes dele e Jimin se envolverem em uma relação de vai e volta que era enjoativa e melosa demais pra o gosto do mais novo. Mas Namjoon e Jin tinham uma relação impressionantemente estável e leal, era bem legal ver o quanto se gostavam.

            Namjoon chegou até Jin e o abraçou pelos ombros. Eles trocaram um selinho e se viraram para os amigos.

— Espero que aproveitem a festa. Qualquer coisa só nos chamar – afirmou o rapaz de cabelos prateados

            Eles já iam passando por eles, mas Jin voltou.

— Aliás, sabem do Jimin? – quis saber.

— Não, não o vi hoje – respondeu o rosado. – Por quê?

— Yoongi estava perguntando dele...          

            Hoseok sorriu. Todo mundo sabia da relação estranha daqueles dois.

— Aposto como logo ele está aí – informou o mais novo sorrindo.

— Sim, sim... Fiquem a vontade.

            Com isso o mais velho se foi deixando os dois ali.

— Beber? – Gukk perguntou.

— Beber – concordou o rosado e eles rumaram para a conhecida cozinha.

            Tudo estava enfeitado com a temática, inclusive a cozinha. Lá eles encontraram as bebidas. Hoseok pegou uma cerveja e Jeongguk foi um pouco mais radical e pegou logo uma dose. A única coisa que tinha certeza era de que queria ficar bêbado, o resto ele podia ir buscando com o tempo.

            O lugar se encheu com rapidez, logo tinha gente de todo tipo por ali, e Jeongguk estava só de olho, para ver se aparecia alguém interessante. Enquanto bebia sua dose. Já nem sabia mais qual era aquele copo, mas já tinha visitado a cozinha para reabastecer várias vezes.

            Hoseok tinha sumido em algum momento, devia ter achado algo melhor pra fazer do que seguir o moreno. Saiu da cozinha onde estava e seguiu para sala, logo ali na porta viu Yoongi e Jimin quase se engolindo encostados na parede.

            Yoongi estava com uma roupa de motoqueiro toda trabalhada no dourado. Globo da morte, certeza. Jimin usava um collant colorido de verde e laranja, muito grudado no corpo escultural do menor, o que facilitava para que as mãos do mais velho explorassem o corpo do loiro.

            Jeongguk revirou os olhos para os dois e seguiu pela sala olhando, em volta. Foi nisso que viu uma menina o olhando e sorriu para ele, a retribuiu e se aproximou, se encostando na parede ao lado dela. A menina parecia fantasiada de palhaça, mas era bem bonita.

— Oi – ele falou.

— Oi – respondeu a menina sorrindo para ele.

— Jeon Jeongguk – se apresentou.

— É, eu sei... – ela falou sorrindo tímida para o moreno

— E qual seu nome? – ele quis saber sorrindo para menina.

— Nayeon – respondeu desviando o olhar dos olhos do maior que a encarava com intensidade.

— Seu nome é bonito. Só não tão bonito como você – Jeongguk sabia que ela estava afim dele quando sorriu baixando o olhar.

            Bem sabia que se ela não quisesse nada com ele, já teria reclamado da cantada idiota dele. Jeongguk achava que as pessoas eram previsíveis fáceis de ler, ao menos a maioria delas.

— Obrigada, mas não seja exagerado – a menina fingiu reclamar.

— Eu nunca exagero – ele respondeu sorrindo para Nayeon.

            A menina abriu a boca, parecia encantada com ele. Então sabia que podia dar mais um passo. Levou uma mão ao rosto da garota que fechou os olhos. Deu sorriso de lado, já estava acostumado com essa entrega, era assim com quase todas as pessoas. Se aproximou lentamente, sabia que tinha que ser suave, garotas eram sensíveis e não gostavam de afobação. Então a beijou com suavidade, ela logo o retribuindo. A garota tinha um beijo razoável, nada impressionante, mas já era um ganho para sua noite.

            Nayeon demorou um pouco para reagir, mas logo o abraçava pelo pescoço, então pode segurar a cintura fina da menina e acariciar levemente. Antes do que o Jeon desejava a menina desfez o beijo e quis conversar. Muitas meninas eram assim, o problema é que muitas dessas nem tinham um bom papo.

— Você faz qual curso mesmo? – ela quis saber.

— Cinema – respondeu ele sorrindo.

— Ah legal... Eu faço música...

            E disparou a falar. Jeongguk a ouvia, mas ao mesmo tempo acariciava o pescoço da menina que vez ou outra sorria para as carícias. Com o tempo notou que ela tinha até parado de falar, então sabia que ela tinha desistido da conversa. Ia beijá-la, mas parou no meio do ato.

            Jeongguk simplesmente perdeu todo raciocínio quando bateu os olhos no mágico que se aproximava. Não saberia dizer se a menina falou mais alguma coisa, pois automaticamente toda sua atenção estava no mágico. Calça e sapatos sociais negros, uma camisa branca e um colete negro de botões e com pontas em v na frente, que apertava a silhueta esguia e bonita. Os cabelos azuis apareciam na lateral da cartola. E na mão uma varinha típica de mágicos de circo e festas infantis. Um sorriso confiante enfeitava seu rosto perfeito, enquanto andava pela sala e recebia olhares de interesse de quase todos naquele ambiente.

            Taehyung veio na direção em que estava Jeongguk e passou por ele, mas sem tirar os olhos de Jeongguk.  Esse olhava o mais novo de baixo em cima, analisando cada parte tão destacada por aquela roupa pequena e colada. Deu um sorriso charmoso de lado, que fez um frio surgir na barriga do moreno, que nem mesmo sabia como reagir. Só acompanhou o rapaz com os olhos. E a insegurança estava ali, o testando. Se sentia como um adolescente recém-chegado na puberdade, com o rosto cheio de espinhas, o corpo longo demais e desengonçado, a voz instável e os hormônios a flor da pele. Se sentia a pessoa mais feia naquele ambiente, e mesmo que tentasse gritar consigo mesmo que não era assim, não se convencia de maneira nenhuma. Travou ali, olhando o mais velho entrar pela porta da cozinha. Abriu a boca. Precisava reagir. Vamos Jeon Jeongguk!!! Você parece um coelhinho assustado! Reage! Se xingou mentalmente.

            E naquele momento foi tomado uma coragem que nunca achou que teria, não pra aquilo pelo menos, então seguiu para cozinha atrás do rapaz de cabelos azuis.

— Ei! O que está fazendo? – a menina reclamou. – Babaca!

            Jeongguk a ouviu, mas não conseguia realmente ligar aquilo, então só ignorou e seguiu em direção a cozinha. Taehyung estava lá, tinha colocado o copo sobre a ilha e colocou uma boa quantidade de bebida antes de se virar para colocar a garrafa no lugar. Calma, calma... Ele não vai ter morder. Só fica calmo. Respirou fundo e seguiu cozinha a dentro. Se aproximou, e se encostou na ilha, bem ao lado do copo do azulado. E tentou não transparecer todo seu receio.

            Taehyung se virou e viu o moreno ali e voltou a medi-lo com os olhos. Fazendo Jeongguk estremecer sobre aquele olhar, que parecia faminto e certo do que queria. Mas o que queria Jeongguk não ousava adivinhar.

— Jeon Jeongguk – ele falou umedecendo os lábios.

            Por que seu nome soava tão melhor naquela voz profunda e suave?

— Kim Taehyung... Está sozinho? – Jeongguk nem mesmo entendia de onde vinha aquela coragem, até tomar outro gole de seu destilado, aí entendeu. Estava bêbado. Era certamente o álcool que estava o empurrando para aquilo.

            O sorriso quadrado tomou o rosto bonito do outro.

— Depende. O lugar está cheio. E agora você está me fazendo companhia. Mas se quer saber se estou pegando alguém essa noite... Não, não estou. Ainda – respondeu dando um sorriso de lado e se aproximou.

            O azulado ficou bem de frente para o mais novo e então se aproximou lentamente olhando o moreno nos olhos. Um arrepio desceu pela espinha do Jeongguk que se mexeu incomodado.

            Em seguida, sentiu um frio na barriga, o coração disparou e a respiração ficou presa no pulmão. O cheiro que exalava do azulado era uma mistura de perfume amadeirado e algo que era extremamente satisfatório para o mais novo. E provavelmente fora isso que o fizera voltar a respirar, mas não podia dizer que está estava em seu normal, pois o ar ainda parecia lhe faltar. A pele dourada do mais velho era extremamente atraente e o chamava, queria tocar ali, com as mãos, com os lábios, com a língua, com os dentes, qualquer um o deixaria satisfeito. As pernas pareciam ter perdido os ossos e lutava pra se manter firme. Ridículo, Jeongguk, ele é uma pessoa como todas as outras. Se acalma! Entreabriu os lábios, e ficou olhando o mais velho se aproximar. Internamente gritava consigo mesmo, por fora estava travado e assustado. O azulado se desviou dele no último segundo, o mais novo conseguiu sentir a respiração do maior em seus lábios, e pegou o copo sobre a ilha, pra em seguida se afastar, mas não o suficiente para dar espaço ao mais novo, nem próximo o suficiente para fazer o Jeon ter alguma certeza sobre aquilo tudo. Ele estava perto demais para o raciocínio voltasse completamente, mas estava longe demais para alguém que tem interesse. Estava confuso. Na verdade confusão resumia o estado de Jeongguk naquele momento. 

            Taehyung levou o copo aos lábios e bebeu um gole. Para em seguida abrir um sorriso safado que fez todo frio, que tinha sumido, voltar a barriga de Jeongguk com o dobro de potência.

— E você? Está sozinho?

— Ehh... Eu... – abriu a boca incrédulo com o fato de ter gaguejado. Nunca tinha feito isso antes, soava ridículo, limpou a garganta antes de continuar – Também não estou com ninguém.

            Já tinha se esquecido totalmente da menina na sala. Isso era bem babaca da sua parte, mas não evitava. Taehyung apagava tudo de sua mente que não fosse o próprio azulado.

            Taehyung se lembrava da menina, tinha visto muito bem que o mais novo estava a beijando, mas se o Jeon não se importava, ele também não se importaria.

— Eu não estou a fim de ficar de vela. Acredito que você também não. O que acha de... Procurarmos alguém juntos?

            O que? Jeongguk sentiu a ironia das palavras do outro. Sentia que o mais velho estava jogando com ele. Pelo jeito queria mesmo que o moreno dissesse que estava afim, ele fingia que não estava entendo, mas era bem visível que de inocente o azulado não tinha nada. Não queria jogar, estava cansado de se sentir estúpido perto do mais velho, queria que esse o ajudasse com isso. Mas não era o que estava rolando. Ele só piorava as coisas e parecia gostar disso.

            Estar bêbado era melhor desculpa que tinha. Passou dois anos tentando esconder o fato de que era bi, mas com o azulado ali ao alcance de suas mãos não se importava em nada de mostrar isso a todos mundo. Sabia que beijá-lo não significava que teriam alguma coisa, mas não beijar certamente significava que não. E aquela ali era a melhor chance que teve desde que o conheceu. E foi o que fez.

            Ainda com aquele frio na barriga lhe revirando as entranhas, levou a mão a nuca do mais velho e o puxou pra si colando seus lábios. O azulado riu em seus lábios antes de enfiar a língua entre eles, buscando pela língua do moreno, que o retribuiu na hora. Os lábios dele eram macios, e língua molhada se enroscava na sua sem receio. Tinha gosto de menta e álcool, era maravilhoso. O frio na barriga e o coração disparados o fazia ter uma única certeza, era certamente o melhor beijo que já tinha provado.

            Taehyung colocou o copo sobre a ilha para agarrar a cintura do mais novo e pressionou o corpo contra o dele. A roupa de Jeongguk favorecia Tae da mesma maneira que a de Jimin favorecia Yoongi. E as mãos grandes do azulado sabiam bem aproveitar a situação. E quando se deu conta estava quase gemendo nos lábios do mais velho que explorava seu corpo de forma desejosa, mas sem invadir áreas proibidas em público. E se assim já o fazia se sentir como gelatina, imagina o que podia fazer entre quatro paredes. E quando o azulado o puxou desencostando da ilha, o faz sentar num dos bancos ali ao lado, que o fazia ficar um pouco mais baixo que o azulado, e esse se enfiou entre suas pernas, teve certeza que estava entregue, nunca esteve tão submisso na vida. Era estranho, não sabia o que fazer quando não estava guiando a coisa toda, mas no momento sabia muito bem que estava sendo guiado e por mais que quisesse negar estava gostando daquilo. Gostava de como as mãos do mais velho passava por seu corpo, o apertando vez o outra trazendo gemidos baixos que morriam em seus lábios ocupados. Enfiou os dedos pelos cabelos azuis e macios ao toque, o que faz a cartola cair, mas nenhum dos dois se incomodou com aquilo.

            Jeongguk demorou a reagir, mas acabou por fazer aos poucos. Tirou uma das mãos dos cabelos e desceu pelas costas do mais velho até onde queria, sua bunda, e apertou, precisava fazer aquilo e saciar sua curiosidade. Era firme bom de apertar, então repetiu o ato. Isso fez o azulado tirar os lábios dos seus em um estalo e levar a boca perto de seu ouvido.

— Você é apressado – afirmou fazendo um arrepio descer pela lateral do corpo do mais novo que se contorceu e mordeu o lábio contendo um suspiro.

— Desculpe. Eu só precisava apertar – falou com um voz tão baixa e falha que surpreendeu até a si mesmo.

— Está se desculpando pelo que? Não estou reclamando – afirmou o mais velho prendendo entre os dentes o lóbulo de sua orelha com a argola que usava sempre. E dessa vez o suspiro veio.

            Soltou a orelha do menor com um sorriso dobrado ao ouvir o suspiro, então desceu um pouco mais passando de leve os lábios pela pele cheirosa do mais novo, sentindo o aperto em seu cabelo aumentar à medida que os dedos do moreno se fechavam mais ali.

— Taehyungieeeeeee!!!

            O mais velho suspirou ao se ouvir ser chamado. Jeongguk conhecia muito bem aquela voz. Era Jimin, e estava certamente muito bêbado.

— Taehyungie, larga essa pessoa e me dá atenção – ele voltou a chamar.

            Com isso o azulado riu e se afastou do mais novo, olhando em direção a porta, por onde vinha o menor.

— O que houve, Chim? – quis saber o maior.

— TaeTae, o Yoongi está se aproveitando de mim, só porque estou bêbado – falou enquanto vinha em direção a eles.

            O maior estava de pé em frente o mais novo, que não via Jimin, até que ele chegou a Taehyung o abraçando e colocou a cabeça no ombro do maior. Então pode ver o loiro fazendo bico com os olhos fechados e se agarrando ao amigo.

— Acho mais fácil você se aproveitar do Yoongi do que o contrário, Jiminie – afirmou Taehyung retribuindo o  abraço.

            Isso fez o loiro abrir os olhos e franzir o cenho olhando bravo para o amigo. Então se afastou irritado.

— Está contra mim também – teimou o menor.

            Foi nisso que ele notou o moreno ali sentando. A confusão tomou seu rosto, e ele ficou um tempo olhando do moreno para o azulado com um dedo levantado, como se estivesse tentando chegar a uma conclusão. Abriu a boca como se fosse falar, mas desistiu logo em seguida e se jogou, dessa vez sobre o moreno.

— Jimin! – exclamou o Jeon segurando o menor, se não tivesse os braços fortes deixaria o loiro cair com certeza.

— Gukkie, me salve desse dois.

            Jeongguk olhou para frente e encontrou Yoongi escorando na porta, ele parecia impaciente com a cena feita pelo loiro, e passava a mão pelos cabelos cinza arroxeados. Taehyung os olhava com um sorriso no rosto.

            Foi nisso que o corpo de Jimin foi ficando mais mole e mais difícil de segurar. Jeongguk desceu do banco apressando e pegou as pernas do menor o segurando no colo. E então foi visível que ele tinha apagando.

— Droga! Ele dormiu ou desmaiou? – Taehyung perguntou agora preocupado se aproximando.

            Já tinha saído várias vezes com Jimin mas nunca o tinha visto fazer aquilo.

— Como eu vou saber? – respondeu o mais novo assustado.

            Nisso Yoongi estava ali, ao lado deles.

— Dormiu. Ele vive fazendo isso. Já me deixou na mão um monte de vezes – informou o mais velho os olhando.

            Taehyung riu com a informação. Jeongguk podia imaginar o azulado usando isso contra o amigo pra sempre.

— Ótimo, ele está bem... Mas está começando a ficar pesado – informou o mais novo os olhando.

— Podem deixar ele no meu quarto, se quiserem continuar o que estavam fazendo – propôs o mais velho os olhando.

            Jeongguk corou como um tomate, mas Taehyung entortou a boca como se pensasse naquilo.

— Melhor levar ele pro dormitório. Ele pode ficar bravo comigo por deixá-lo aqui e... Você pode encontrar alguém e não vai querer o Jimin no seu quarto nessa hora – concluiu o azulado.

— Na verdade, acho que vou dormir, mas isso não resolve a questão dele ficar bravo. Melhor vocês irem então – afirmou o mais velho.

            Com isso Yoongi simplesmente se foi deixando os dois ali com Jimin apagado.

— Consegue levá-lo? – Taehyung perguntou mordendo o lábio por algum motivo desconhecido, mas Jeongguk só queria que ele parasse.

— Acho que vamos descobrir – esclareceu o mais novo.

— Ok...

            Taehyung deu um sorriso de lado e apontou o caminho para que Jeongguk fosse na frente. Ele nem pensou em discutir, só foi. O campus não era longe, mas carregando alguém com certeza faria parecer à quilômetros dali.

            Eles passaram pela porta e seguiram pela sala lotada. O objetivo era chegar a porta levando o loiro. Mas no meio do caminho Jeongguk viu Hoseok sentado no sofá tristonho, olhando pra o nada. Bêbado. Hoseok era um cara alegre e animado, mas quando ficava bêbado ficava exatamente o oposto. Era hora dele ir dormir também.

— Taehyung? – Jeongguk o chamou.

            O azulado se virou o olhando com um sorriso.

— Sim?

— Pode chamar o Hoseok? Ali no sofá? Acho que ele também precisa ir dormir.

— Ok.

            O azulado foi até o sofá e chamou o rosado que se levantou na hora e o seguiu desanimado.

— Oh... O que houve com o Jiminie? – ele perguntou ao ver o loiro nos braços do mais novo.

— Ele bebeu demais e dormiu. Podemos ir? Ele fica mais pesado a cada segundo – reclamou o moreno.

— Ah, Gukkie, esses músculos devem servir para alguma coisa...

            Hoseok falou e começou a apertar o braço do amigo.

— Hyung! Para com isso – reclamou o mais novo.

            O que não surtiu efeito então ele só continuou caminho pra sair da casa. E assim o fizeram.

            Logos três seguiam pelas ruas em direção ao campus. Eles já seguiam ao lado da universidade, mas a entrada era mais à frente. Jeongguk ia no meio com os outros dois ao seu lado, o acompanhando. Vez o outra o mais novo acomodava o corpo mole do amigo nos braços. A cada passo que ele dava parecia que o loiro ficava mais pesado. Precisavam chegar logo.

            Hoseok parecia sonolento e por causa da bebida estava pouco falante. Taehyung por outro lado parecia o mesmo, quieto com o sorriso confiante nos lábios. Depois de algum tempo, quando eles já andavam pelo campus em direção aos prédios do dormitório o moreno percebeu estar sendo analisado pelo azulado.

            Se virou o olhando e o viu analisar fixamente seu corpo. Os lábios presos entre os dentes, e ainda assim sorriu para o mais novo ao ser pego no flagra. Jeongguk de repente queria que um buraco se abrisse ali para que ele pudesse se jogar e sumir. O olhar do azulado fazia sua confiança o deixar aos poucos.

— O que foi? – perguntou antes que perdesse a coragem.

            A pergunta fez o rapaz rir.

— Nada, só apreciando a vista.

            Corou com aquilo e desviou o olhar, olhando pra frente e acelerando o passo.

            Taehyung sorriu de ver o garoto todo encabulado, gostava do como ele era tímido. E gostava mais ainda por ter notado que ele só era assim com ele. Não sabia porque, mas não se importava com o motivo desde que continuasse assim. Não sabia muito sobre Jeongguk, mas ouviu de todos a quem questionou, que ele era hetero, mas não foi isso que Jimin disse, e não foi isso que pareceu mais cedo. Então... Podia apreciar.

            Não demoraram a estar nos dormitórios e seguiram para o quarto que Jimin dívida com Taehyung. O maior abriu a porta e logo Jeongguk colocava Jimin na cama que o azulado indicou. Hoseok tinha se escorado na porta e esperava pelo colega de quarto para irem embora.

— Bom, Jimin está entregue – Jeongguk comentou flexionando os braços que já estavam doloridos.

— Obrigado – Taehyung agradeceu.

— Ah... Sem problemas. Melhor eu ir dormir também.

            Todo sem jeito o mais novo seguiu para porta e saiu, Hoseok o seguiu.

— Jeongguk? – Taehyung o chamou.

            O mais novo se virou o olhando. O azulado, ainda com a bela roupa de mágico estava encostado na porta com as mãos no bolso o olhando com um sorriso de lado. A cartola tinha ficado pra trás. O mais novo abriu a boca o olhando.

— Hyung? – ele questionou encarando o rapaz, corado de novo.

            O sorriso de Taehyung cresceu com aquilo.

— Devíamos marcar de terminar o que começamos, não acha? – ele questionou a voz carregada de charme.

            O mais novo sentia que ia entrar em combustão espontânea de tão quente que estava, não sabia onde enfiar a cara, e nem mesmo sabia o que responder.

— Eu... Ehh... Claro. Claro.

            O sorriso retangular do mais velho tomou o rosto dele. E o coração do Jeon perdeu uma batida.

— Ok. A gente se fala então. Boa noite.

— Boa noite – Jeongguk e Hoseok responderam.

            Com isso o azulado se virou entrando e fechou a porta.

            Hoseok se virou para o mais novo cheio de ironia e um sorriso debochado.

— Agora não – resmungou o mais novo e seguiu caminho emburrado fazendo o mais velho rir antes de o seguir.

 

***

 

            Acordou com uma dor de cabeça horrorosa e boca seca como o deserto. Ressaca era sempre um saco. Se levantou ainda no escuro do quarto com as cortinas blackout fechadas e foi ao frigobar que ele e Hoseok tinha dado um jeito de comprar.  Assim que mexeu os braços notou que estava doloridos. Isso trouxe lembranças, uma enxurrada delas. Corou só de lembrar que tinha beijado Taehyung, mas sorriu feito um idiota ao se lembrar que fora correspondido. E como fora. Se lembrou da sede e pegou uma garrafa de água ali e a esvazio de uma vez só. Depois olhou em volta e notou Hoseok o olhando da cama, com a mesma expressão de quem desejava não ter bebido tanto.

— Já que está aí, pode me trazer água? – pediu o mais velho.

            O moreno logo pegou uma garrafa para o amigo e voltou pra cama com a intenção de ficar bem ali, o dia todo.

            Hoseok tomou a água dele bem rápido também então se virou olhando para o amigo.

— Então, o que foi aquilo ontem? – ao mais velho quis saber.

— Aquilo o que? Porque eu posso pensar em pelo menos meia dúzia de coisas de ontem que resultariam nessa pergunta – respondeu o moreno levando a mão a cabeça dolorida.

— Ok... Estou falando do Taehyung. Ou melhor, de você com o Taehyung – esclareceu o rosado.

            O rapaz de cabelos escuros suspirou ao ouvir sobre aquilo. Era óbvio que o amigo ia questionar, ainda mais que ele não tinha visto. Bom, Hoseok não tinha visto. Mas metade da universidade tinha visto o famoso Jeon Jeongguk se derreter nos braços de Kim Taehyung. Então que sentido tinha esconder do amigo?

            Deve ter ficado tempo demais pensando, pois o rosado voltou a falar.

— Olha, é bem óbvio o quanto ele te intimida. Você parece um gatinho assustado quando ele está por perto. E é notável também o interesse que têm um pelo outro. Então, não faz sentido tentar me enganar – explicou o mais velho.

— Eu não ia te enganar, hyung. Eu só estava lembrando. Nós nos beijamos – contou.

— No meio da festa? – se surpreendeu o rosado.

            Ele sabia dessa bobeira que Jeongguk tinha com a questão de gostar de garotos, então era realmente surpreendente se fosse o caso.

— É, hyung. No meio da festa. Na frente de todos mundo, é que... Quando o vi tão perto eu não resisti e só o beijei, e... Foi tão diferente...

— Anwww... Gukkie está apaixonado – falou o mais velho sorridente.

— Não seja ridículo, Hoseok-hyung. É só que... Eu me sinto... Ah não sei como dizer isso. Ehhh... – falou todo sem jeito.

            Suspirou mais uma vez e olhou para o amigo que o olhava com uma expressão de quem ia jogar na cara dele algo que com certeza ia ferir o ego do mais novo e foi isso que ele fez.

— Você se sentiu dominado. Submisso! – jogou o mais velho com a expressão irônica.

            O mais novo ficou sério na hora. Na hora se sentia maravilhoso nas mãos do azulado, mas era humilhando quando ouvia o amigo dizer com tanto desdém.

— Obrigado. Me sinto muito melhor agora – ironizou o mais novo bravo.

— Ah, eu vivi pra ver esse dia. O pegador dominante Jeon Jeongguk virou um coelhinho fofo nas mãos do rapaz de cabelos azuis – afirmou o mais velha dando risada.

            O moreno revirou os olhos e só queria sumir. Entrar por um buraco e nunca mais ter de encarar nenhum deles. Nem Hoseok, nem Jimin, nem Yoongi, nem o casal Kim e muito menos Taehyung.

            Resmungou consigo mesmo que queria sumir e se levantou. Pegou o celular e carteira e seguiu para porta.

— Ei! Eu estava brincando... Jeon... Jeongguk!!!

            Mas o mais novo saiu e bateu a porta, nem mesmo pegou a chave, tinha certeza que o rosado não ia lugar nenhum.

            Saiu e foi direto as escadas, seu quarto era no terceiro andar e tinha que descer. Desceu as escadas apressado e logo chegou ao corredor que dava acesso a saída, a porta do prédio estava aberta como sempre, então só saiu por ali. Parou por dois segundos ali fora só para os olhos se acostumarem com a claridade e começou a andar rápido pra direita, nem sabia onde estava indo, só estava indo.

            Baixou a cabeça, olhando pro chão e seguiu ainda irritado. Sabia que era infantil da parte dele, mas Hoseok podia ter considerado os sentimentos dele nem que fosse por um segundo. Mas não fez isso, parecia feliz com todo conflito que se instaurava dentro do mais novo.

            Bufou irritado e virou a direita outra vez no prédio seguinte. Foi quando sentiu duas mãos o segurarem pelos ombros.

— Ei! Onde vai com tanta pressa?

            Era uma pergunta que qualquer pessoa que quase foi atropelada faria. Mas o problema não era a pergunta e sim a voz. Por quê? Jeongguk se perguntou praticamente gritando por dentro. Por que ele?! Podia ser qualquer um! Quantas pessoas existem nessa universidade? Cinco?! Por dentro Jeongguk era uma grande revolta. Mas por fora tinha travado. 

            E tudo só piorou quando sentiu as mãos passarem de seus ombros para suas costas e um corpo quente colou no seu, então a respiração quente do outro em sua orelha. Com isso Jeongguk já tinha até se esquecido de praguejar consigo mesmo.

— Com esse tamanho todo pode machucar alguém – o rapaz falou com sua voz suave e os lábios colados em sua orelha.

            Jeongguk precisou de toda sua concentração pra não se contorcer ou deixar as pernas fraquejarem. Ele fazia isso de propósito, isso acabara de ficar óbvio. Kim Taehyung sabia o que causava em Jeongguk e usava isso, muito bem por sinal. Depois de tudo não podia mais negar o quão entregue ficava, era visível. Era óbvio como Hoseok bem disse.

            Então mesmo sabendo que estava vermelho como um tomate bem maduro levantou a cabeça e olhou para o azulado. Ele tinha uma boina negra sobre os cabelos coloridos e um brinco longo balançava perto de seus pescoços. Os olhos negros de predador brilhavam em excitação enquanto o analisavam de volta. Os lábios estavam levemente curvados em um sorriso mudo e cheio de significados.

            O mais novo nem se importava mais, só se adiantou em direção ao azulado pra beija-lo, mas esse se afastou enquanto o sorriso crescia em seus lábios bonito e que chamavam Jeongguk.

— Apressado – resmungou o mais velho sorridente.

— Eu podia te beijar se quisesse – respondeu o moreno irritado.

            Com isso o sorriso retangular do outro cresceu em seu rosto. Ele tirou uma das mãos das costas do mais novo e levou ao rosto dele, passando os dedos por sua bochecha antes de usar o dedão para levantar o queixo do moreno e se abaixou um pouco beijando demoradamente a base do pescoço do moreno. Jeongguk suspirou com o contato e agarrou a blusa larga do outro na altura da cintura com as duas mãos.

— Claro que poderia. Mas não vai... Sabe por quê? Porque você quer que eu te beije – afirmou ele voltando a encarar os olhos tímidos e bonitos do moreno.

            O mais novo abriu a boca pronto pra argumentar, mas parou ao perceber que não queria e nem podia. Era isso que queria. Então bufou impaciente.

— Se sabe o que está esperando? Um convite formal? – Jeongguk quis saber em um momento de coragem, que ele estava tentando prolongar.

— Hmm... Privacidade. Vem.

            O azulado soltou o mais novo pegando em seguida sua mão e o puxou em direção da entrada do prédio mais próximo, que Jeongguk logo notou ser o do quarto de Taehyung. Mas não disse nada só se deixou levar até estar no quarto dito e ver que Jimin não estava ali.

— Cadê o Jimin? – perguntou o moreno olhando em volta.

            O quarto tinha uma distinção clara entre o lado claro, organizado e cheio de coisinha fofas de Jimin e o lado mais bagunçado, escuro e cheio de artes nas paredes de Taehyung.

— Na Blue Side – respondeu o menor.

            Jeongguk parou de olhar as artes na parede à sua direita para franzir o cenho para o mais velho.

— Depois de todo trabalho que tive pra trazê-lo de lá ontem, ele levantou e correu pra lá? – reclamou o moreno.

            Taehyung riu na irritação do mais novo.

— Reclame com ele. Eu disse pra ele descansar, mas ele não estava nada a fim. Só levantou e foi – explicou o azulado.

— Não há muito que se possa fazer...

            O mais velho sorriu de lado e se aproximou lentamente. Jeongguk sem nem mesmo notar se afastava, até que as costas colaram na porta. Antes de terminar de se aproximar, Taehyung o encarou.

— Não queria que eu te beijasse? – quis saber do moreno.

— Ainda quero – respondeu Jeongguk o encarando agora sem receio.

— Então porque estava se afastando? – questionou o outro sorrindo de lado.

— Não sei, foi automático. Você me intimida – deixou escapar o moreno.

            Na hora notou o que tinha confessado e abriu a boca chocado, procurando um modo de corrigir aquilo, mas fracassando miseravelmente. O sorriso no rosto do azulado tirava toda sua concentração.

            O mais velho só se aproximou mais e sem esperar o beijou, pegando Jeongguk de surpresa. O garoto ficou estático e sem reação diante o ato, mas quando sentiu a língua quente do outro acariciar seu lábio acordou do transe, e com um suspiro profundo retribuiu o beijo.

          Taehyung prensava o corpo forte de Jeongguk contra a porta enquanto se deliciava com aqueles lábios que estavam sendo sua perdição. Suas mãos curiosas percorriam o corpo forte do garoto amando a sensação de ter a pele macia sob suas palmas. O acastanhado sentiu a mão alheia descer por seu abdômen fazendo um caminho perigoso, então a segurou impedindo que continuasse. Jeongguk ainda não entendia o que acontecia com seu corpo quando estava perto de Taehyung, no momento se focava em se entregar naquele beijo tão bom, mas ainda não se sentia confiante diante os toques quentes.

         Nenhum dos dois estavam preocupados com o tempo, apenas queriam se deliciar cada vez mais no corpo um do outro. Taehyung conseguiu livrar sua mão do aperto do mais novo, e a desceu lentamente contornando o cós da calça alheia fazendo-o arfar entre o beijo. Cada minuto que se passava o beijo se tornava ainda mais viciante e desesperado, apenas fazendo Jeongguk se entregar cada vez mais aos toques agora tão bem vindos do mais velho.

            Para Taehyung, sentir a pele arrepiada e quente do mais novo em seus dedos era uma sensação maravilhosa, sentir o poder que tinha sobre ele, vendo-o se entregar tão manhoso, mas aquilo não era mais o suficiente para si. Taehyung queria mais. Desceu ainda mais sua mão apertando a coxa farta com gana, ouvindo um baixo gemido escapar por entre o beijo necessitado. Puxou a perna do acastanhado para cima fazendo-o circundar seu corpo com ela, e assim o prensou mais uma vez contra a porta fazendo o mais novo gemer manhoso quando teve sua intimidade semi-desperta estimulada. Aquele som para o azulado era como música, e queria ouvir muito mais.

            Jeongguk sentia o corpo em brasa quando sentiu os lábios alheios abandonarem o seus e passarem a distribuir beijos em seu pescoço. Mantinha os olhos fortemente fechados e mordia os lábios tentando conter aqueles sons vergonhosos que queria escapar de sua garganta. Sentia os dentes do azulado raspando de leve sua pele fazendo seu corpo se arrepiar por inteiro. Jeongguk se achava louco por estar amando tanto aquelas sensações que o outro estava lhe causando.

            Um arfar escapou dos lábios inchadinhos do mais novo quando sentiu sua gola ser levemente puxada para baixo dando acesso ao que Taehyung desejava. E assim passou a beijar e mordiscar a clavícula exposta do mais novo, fazendo-o delirar com os arrepios que percorriam por seu corpo. Em resposta aos toques do mais velho, Jeongguk enroscou suas mãos nos fios coloridos, puxando-os com um pouco mais de força. Puxou o azulado para mais perto de si fazendo seus membros claramente despertos roçarem em um atrito gostoso.

           Taehyung separou os lábios da pele alheia arfando profundamente quando sentiu a outra perna no mais novo se enrolar em torno de si. Apoiou as duas mãos nas coxas grossas para segurar o peso do outro, agora Jeongguk estava completamente a mercê de Taehyung. O mais velho ainda segurando o acastanhado nos braços se afastou da porta indo até a cama onde depositou o corpo forte delicadamente.

— Tae... - gemeu roucamente quando sentiu os lábios do mais velho voltarem a maltratar sua pele.

           Outro beijo teve início, com ambos cada vez mais quentes e inebriados pelo momento e foi nesse misto de sensações que a mão do mais velho se aventurou mais uma vez até a calça do acastanhado a adentrado lentamente. Jeongguk se engasgou com um gemido quando sentiu aquele toque tão impuro invadindo sua peça íntima. Jogou a cabeça pra trás em meio a um gemido ao sentir o toque quente em seu membro desperto.

             Seu cérebro parecia ter derretido diante daqueles toques, mas seu corpo se recusava a interrompê-los. Jeongguk se martirizada mentalmente por estar gostando tanto das sensações que Taehyung lhe proporcionava. Já o azulado sentia-se extremamente satisfeito ao perceber o efeito que causava em Jeongguk. Notou que o mais novo se remexia sobre a cama ansioso por mais toques, mordia os lábios tentando conter os gemidos, e apertava fortemente os olhinhos completamente entregue a aquelas sensações tão prazerosas.

             O mais velho sorriu vendo a completa bagunça que Jeongguk havia se tornado, então decidiu arriscar um pouco mais, afinal se ele tava gostando tanto, não havia motivos para parar. Afastou-se do corpo de Jeongguk observando todos os belos detalhes daquele garoto. Os cabelos bagunçados, o rosto corado, os lábios inchados, olhos fortemente fechados, o pescoço completamente maltratado por si, e o peito subindo e descendo rapidamente em busca de ar. Jeongguk era uma verdadeira obra de arte.

            Taehyung passou a língua sobre os lábios sorrindo, Jeongguk era completamente seu agora. Aproximou-se do corpo forte se livrando daquela calça que escondia aquelas coxas tão deliciosas. Notou a ereção bem marcada na peça íntima e sentiu sua boca salivar, adoraria sentir o gosto dele em sua língua, mas se conteve. Tocou levemente a ereção ouvido um arfar pesado escapar dos lábios alheios. Olhou para o rosto do mais novo notando seus olhinhos negros em si, parecia cheio de expectativa sobre o que viria a seguir. Taehyung decidiu parar de enrolar tanto e se livrou da peça íntima que se fazia tão desnecessária agora.

            Viu o membro tão necessitado de atenção agora completamente livre do aperto das roupas, então se permitiu sentir a textura daquela pele tão quente, e as veias levemente saltadas, começando um movimento lento de subir e descer. Abaixou sua cabeça deixando um leve selar na glande inchada, logo ouvindo um gemido mais alto ecoar em seus ouvidos. Taehyung voltou a erguer a cabeça notando os lábios vermelhinhos e inchados o chamando para mais um beijo. Sorriu antes de puxar o mais novo pelo pescoço, fazendo-o se erguer um pouco, e unir as bocas num beijo tão necessitado.

             O beijo começou tão selvagem, Jeongguk parecia sedento pelos lábios do mais velho. Agarrou na nuca do azulado puxando os fios coloridos com certa força, fazendo o mais velho murmurar de dor. Taehyung como se quisesse se vingar aumentou o ritmo de sua mão, fazendo o mais novo gemer mais alto separando-se do beijo. Jeongguk jogou a cabeça para trás caindo deitado na cama, controlando-se para não se contorcer muito de prazer.

             A imagem de Jeongguk completamente entregue apenas fez o azulado se sentir ainda mais sedento pelo mais novo. Fez o acastanhado abrir mais as pernas e se acomodou ali no meio continuando os movimentos de sua mão. Debruçou seu corpo sobre o outro e deliciou-se daquele pescoço, antes liso, mas agora cheio de marquinhas avermelhadas. Sentia o próprio pênis clamar por atenção, mas não se daria a esse luxo por enquanto.

— Ah... Tae… - Jeongguk murmurou manhoso sentindo seu ápice cada vez mais perto. Nunca imaginou em sua vida que algum momento gozaria apenas com uma punheta de Taehyung. Não entendia todo o poder que aquele rapaz tinha sobre si, apenas sentia.

              Taehyung aumentou o ritmo dos movimentos ao perceber os espasmos no corpo de Jeongguk. Então simplesmente aconteceu, Jeongguk sentiu cada músculo de seu corpo tensionar e depois relaxar quando gozou na mão alheia. Taehyung não se conteve e acabou deixando uma mordida no ombro do mais novo ouvindo um grito de dor se mesclar com os gemidos de prazer. Taehyung não sabia explicar, mas ouvir o gemido manhoso em meio aos choramingos de dor e prazer o estava deixando completamente louco. Poderia gozar apenas ouvindo aqueles sons deliciosos.

            Da mesma forma que Jeongguk não sabia como o mais velho tinha tanto poder sobre si, Taehyung estava completamente louco por aquele garoto. O azulado vendo que detinha toda a atenção do mais novo, levou a mão melada pelo gozo até os lábios e lambeu os próprios dedos sentindo aquele gosto agridoce e sorriu perverso.

— Espero que esteja preparado, isso foi apenas o começo.

 

***

 

            Durante toda semana sentia como se cada pessoa por quem passava o julgava ou falava dele. Nem mesmo sabia se isso realmente estava acontecendo ou era sua mente brincando consigo. Mas era estranho pois no fundo parecia que estava perdendo tudo aquilo que tinha conquistado em dois anos, ao mesmo tempo que passava horas sonhando com a noite que tinha passado com o azulado. Nunca tinha se imaginado naquela posição, e apesar de querer negar com todas as suas forças, gostava e queria mais.

            Queria poder ignorar a existência do mais velho, mas ele estava sempre por perto. E mesmo que nem ele e nem Jimin ou Hoseok tivesse tocado no assunto, mesmo todos estando cientes, ainda assim sentia como se aquilo estivesse sempre ali, pairando sobre eles. E em um dia naquela semana que Jimin e Hoseok saíram pra pegar café, deixando ele e Taehyung na mesma mesa esperando, Jeongguk podia jurar que as pessoas os olhavam e cochichavam rindo de alguma coisa. Se sentia sufocado por tudo aquilo. Aquele tinha sido um momento estranho, porque o azulado não tinha dito uma palavra, mas seu olhar expressivo e cheio de charme o analisava o tempo todo, e mais uma vez o mais novo não soube o que fazer além de corar e encarar a mãos inquietas sobre suas pernas.

            Nunca estivera tão confuso até porque o silêncio de Taehyung era pior parte, o fato dele não o ter procurado e mesmo eles estando juntos, não ter dito nada, fazia com que os níveis de inseguranças de Jeongguk, já afetados, chegassem a níveis alarmantes. Queria saber se o azulado realmente queria algo com ele, ou só estava brincando consigo. Não que pudesse reclamar, depois das tantas vezes que tinha feito isso com outras pessoas, mesmo que sem intenção. Mesmo assim só queria saber, pois era um tanto ruim pensar em abandonar sua vida como era ali, e não ter nada do que imaginou m troca.

            Estava andando pelos prédios do dormitório, passando pela praça central onde uma grande quantidade de pessoas ficavam depois das aulas, indo para seu próprio quarto. Ao mesmo tempo que olhava em volta e se incomodava com os olhares de julgamento e cochichos. Pareciam mais intensos naquele dia por algum motivo, ou talvez só estivesse ficando mais paranóico do que antes. Foi nisso que notou a figura sentado no banco bem no meio do seu caminho.

            Ele usava calças negra, blusa de mesma cor, por cima uma camisa de mangas longas aberta com desenhos geométricos cinza e preto, um sapato preto lustrado, uma boina escura cobrindo os cabelos azuis que apareciam nas laterais e um óculos. Estava sentado de modo elegante com as pernas cruzadas e o braço que segurava um livro com a capa em tons de laranja, verde e amarelo, não entendeu o nome, apoiado na perna de cima. Estivera o analisando desde que o viu ali. Tão lindo, tão charmoso, tão elegante. Era meio complicado para Jeongguk imaginar que um cara tão estiloso, inteligente e certo de si, realmente queria algo com um idiota metido a popular como ele. Respirou fundo e encarou o chão, se preparando pra fingir que não tinha visto o mais velho e seguir para seu quarto e se torturar sozinho.

            Aumentou sua velocidade, para ver se passava despercebido. Foi só nisso que ele notou que desde o momento que viu Taehyung ali, não tinha mais se preocupado com as pessoas a sua volta que não fossem o azulado. Como era idiota.

— Ah... Jeongguk? – ouviu seu nome ser chamada pelo rapaz no banco.

            Parou o olhando, notou que ele tinha baixado o livro e descruzado as pernas, pronto pra se levantar.

— Sim? – respondeu o mais novo, ficando até surpreso por ter falado normal.

— Podemos conversar um minuto? – ele pediu ficando de pé.

— Ah...Claro.

            Então de desviou de seu caminho e se aproximou do outro. Mas não muito. Depois de ter se lembrado das pessoas ali a sua volta não tinha mais se esquecido.

            Mas o mais velho não parecia se importar com nada daquilo e se aproximou perigosamente do moreno, sustentando seu lindo sorriso. Só que Jeongguk se afastou olhando em volta um tanto assustado.

            O sorriso do azulado sumiu de seus lábios, e ele cruzou os braços. Uma das mãos ainda segurava o livro.

— O que foi? – quis saber sério.

— As pessoas têm me olhado estranho – confessou o moreno.

— Medo de perder sua popularidade?

            Jeongguk pode sentir a ironia naquelas palavras, e quando o olhou viu que o sorriso em seus lábios não tinha nada do que tinha visto antes, era carregado de deboche. E o mais novo podia ouvir os pensamentos do azulado o ecoando o quanto aquele comportamento de sua parte era fútil e egoísta. E como poderia negar, era exatamente isso.

— Eu gosto da minha popularidade – resmungou, agora num fio de voz muito mais afetada por sua insegurança do que antes.

— Bom, se é o mais importante pra você...

            Engoliu em seco com aquelas palavras, sentia que o mais velho estava desistindo e isso o apavorava mais que tudo. O encarou de boca aberta, e apesar da expressão dura, os olhos mostravam certa mágoa. O mais velho começou a dar as costas a ele.

— Espera... – ele pediu agarrando a mão grande do outro.

            Taehyung suspirou e voltou a encarar o mais novo.

— Não pode me ter e ter sua popularidade. Eu não sou popular como você, e se tiver algo comigo não vai ter com mais ninguém, entende isso? – esclareceu o mais velho.

— Sim... Não me importo – confessou o moreno ao mesmo tempo que percebia a verdade no que dizia.

— Você disse que gostava da sua popularidade – contrapôs o mais velho.

— Acho que gosto mais de você.

            Não teve coragem de encara o azulado quando disse isso. Mas logo sentiu os dedos longos do outro em seu queixo o fazendo olhar em seus olhos.

— Acha? – questionou Taehyung.

            Jeongguk não conseguiu manter o olhar e desviou os olhos.

— Eu não tenho certeza de nada quando estou ao seu lado. Você me deixa nervoso e inseguro – acabou contando.

            Isso fez o azulado voltar a sorrir, e tirar as mãos do rosto do outro.

— Mas se te deixo inseguro, como pode ter certeza do que quer? – quis saber o azulado.

— Eu sei – disse o mais novo firme.

            Sei? Jeongguk ficou confuso com as próprias palavras. Sabia mesmo? O que o fizera dizer aquilo sem nem mesmo parar para pensar. Encarou o azulado. Seu rosto perfeito, o sorriso agora simples, os cabelos azuis em contraste com a boina negra. Os olhos firmes atraentes. A pintinha na ponta do nariz e outra no cantinho esquerdo do lábio inferior. A língua umedecendo os lábios em um ato involuntário. Taehyung era perfeito em todos os aspectos possíveis. E o encarando ali teve certeza que mal podia esperar por se deixar dominar pelo azulado outra vez, e quantas vezes pudesse. 

— Tem certeza? Por que...

            Taehyung se calou quando o moreno o abraçou pelo pescoço e beijou. Sem se importar com os alunos, sem pensar em mais nada que não fosse ao azulado.

            Jeongguk ouviu o barulho do livro caindo sobre o banco ali ao lado e então os braços possessivos do mais velho o envolviam e sua língua se enfiava por entre seus lábios, sem hesitar, trazendo o frio na barriga, o coração acelerado, a fraqueza das pernas e receio. Mas percebeu que gostava disso. Gostava do fato de que não sabia qual seria a próxima ação do mais velho. Gostava de ser envolvido e guiado por ele. Gostava de senti-lo. E isso não podia ser substituído por nada que uma simples e fútil popularidade seria capaz de trazer.

            E ali seu mundo tinha mudado completamente. Ali seus planos para o futuro tinham sido completamente cancelados e novos começavam a surgir. E algo dizia a Jeongguk, que mesmo que as coisas não seguissem como ele gostaria, não se arrependeria. Pois tinha aprendido mais sobre si mesmo em um mês, desde que conhecera Taehyung, do que em seus dezenove anos de vida. Era agora, grato aos tapas que a vida nos dá. 


Notas Finais


É só isso mesmo... Um história pra distrair um pouco! Espero que tenho gostado, eu ficaria feliz em saber o que acharam nos comentários!
E se puderem favoritar também farão essa autora mega feliz!

Obrigada!

Até mais! ^.^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...