História "Hard Times" Jikook - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Jikook, Namjin, Vhope
Visualizações 128
Palavras 1.271
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ceis vão me matar aaaa
Gentee amei os comentários de vocês ♥♥ vocês são realmente um amorzinho <3
Boa leitura bbs <3
{Fic também no WattPad e Sweek}

Capítulo 19 - Eighteen


No capítulo anterior...

"Porque eu sou um fracote, e isso é nítido para todos."

Quando estou prestes a fazer um corte em meu pescoço com o estilete ouço batidas na porta. No começo, batidas normais, mas com o tempo a intensidade do barulho foi aumentando. Soltei uma pequena risada e encostei o estilete em meu pescoço. 

Uma lágrima caiu. Uma gota de sangue caiu. Mas o que era para cair no chão já sem vida, não caiu. 

Ouço o estrondo da porta sendo arrombada tendo a vista do meu vizinho vindo correndo em minha direção tirar o estilete de minhas mãos.

— O que está fazendo, garoto! Está maluco?! — diz segurando meu braço que tenta o tempo todo enfiar a lâmina em meu pescoço.

— Me solta! Me deixe morrer em paz, desgraçado! — grito fervorosamente em prantos.

— Não me obrigue a fazer isso! — ele grita em cima de mim segurando meus braços para cima.

— Faça! — grito e sinto seus dedos apertarem um nervo meu que me faz apagar por completo.

[...]

— O que? Mas... Mas que merda...! O que aconteceu? Onde estou? — acordo com uma tremenda dor de cabeça com a mão apoiada na mesma numa casa desconhecida.

— Você queria se matar, garoto. E eu ainda achei que alguém estava te matando, mas na verdade era você mesmo. — diz meu vizinho sentado em um banquinho ao lado do sofá em que estava.

— Ele já acordou? — pergunta sua mulher. — Tome, lhe fiz sopa. Tenho uns calmantes aqui também, se quiser. — diz me entregando uma bandeja com uma tigela de sopa.

— Por favor. — digo aceitando os remédios.

Ela sai da sala e volta para a cozinha, logo já voltando com um copo cheio d'água e com uma cartela de remédios.

— Tome, isso vai te acalmar. Mas tome somente um, não quero que morra. — diz sorrindo sincera.

Esboço um pequeno sorriso em agradecimento por saber que se importa comigo.

— Nós vamos cuidar de você como um filho agora. Vai ficar por alguns dias aqui na nossa casa, tendo cuidados e atenção. Minha mulher é psicóloga, se precisar desabafar... — diz colocando a mão no meu ombro como forma de conforto. — Sei que você é um terapeuta, mas acho que não dá para desabafar consigo mesmo, não é? É preciso mais de uma mente para pensar. — sorri sincero.

— Muito obrigado, senhor e senhora Kang. Não sei como agradecer ou retribuir. — digo sem jeito.

— Não a de quê, meu querido. Temos compaixão por termos, não porque queremos algo em troca. Fazemos isso porque gostamos. — diz sorrindo largo.

— Sim, está certo. — sorrio tímido. — A sopa está ótima, senhora Kang! — digo saboreando a comida.

— Que bom que gostou! Por favor, me chame pelo nome, me chamando de senhora me sinto velha. — e dá uma risada gostosa.

— Ah, sim! Desculpe, não era minha intenção. Estás bela e conservada, MiCha. — elogio-a.

— Que gentileza a sua, JungKook. Eu sei que não era sua intenção. — dá uma pequena risadinha.

Termino de comer a sopa e tomo o calmante. Logo após, me levanto do sofá agradecido.

— Muito obrigado, senhor Kang e MiCha, mas tenho que ir para casa. — digo com uma expressão meio triste.

— Não, não, não, garoto! Vai ficar aqui em casa! Pode sentar aí! — diz DongYul me empurrando para o sofá novamente.

— Desculpe, mas amanhã tenho que consultar meus pacientes. — digo me levantando novamente. — Mas obrigado por tudo.

— Ah, sim. Mas então não vá tentar aquilo de novo, em! — diz apontando o indicador para minha cara como se estivesse dando bronca em alguns de seus filhos.

— Sim, pode deixar. Já me acalmei. — digo soltando  uma pequena risada — Aliás, esse remédio faz efeito muito rápido, né? — digo já meio zonzo.

— Sim, ele é bem forte. Uso ele quando estou em situações tipo a sua. — diz MiCha.

— Acho bom eu ir logo então. — digo indo em direção a porta.

Eles abrem a porta e me despeço dos dois com um abraço apertado. 

Eles parecem realmente preocupados comigo, parecem se importar, o que me deixa feliz em saber que não estou completamente sozinho. 

Entro em casa e vejo que a porta já está arrumada, então me pergunto: por quanto tempo fiquei apagado? 

Vou ao meu quarto que é próximo a sala e caio feito pedra em minha cama. Que remédio forte, em?!

[...]

Acordo com meu telefone tocando, então levanto rapidamente da cama, o que me dá uma pequena tontura e visão escura. Atendo antes vendo quem liga: Mãe Park.

Ligação ON

Alô? JungKook?

Sim, senhora Park. Aconteceu alguma coisa? Ficou sabendo do acidente? Como você está?

Sim, eu estou sabendo do acidente, e por isso te liguei. Estou bem, sim, obrigada. Te liguei para te avisar que não vou mais pagar consulta para o Jimin com você.

Por que, JiYang? 

Você bateu o carro com meu filho dentro já todo quebrado. Você não tomou cuidado com ele. Deixei-o sob suas responsabilidades e você não teve nenhum cuidado com o garoto. O menino já morreu duas vezes, se jogou da sacada, você bateu o carro. Nada disso tinha acontecido antes de você chegar. Ele nunca morreu nenhuma vez e ressuscitou duas vezes ou mais, nunca se jogou de uma sacada, nunca sofreu um acidente de carro. Você mexeu demais com a cabeça do meu garoto e não vou deixar que isso se repita. Se parar de te pagar, não irá ter mais motivos para você continuar andando com ele. Vou buscar a ele um outro terapeuta, se você está preocupado se ele ficará bem. Mas fique ciente de que vou voltar logo de viajem para cuidar do meu filho e também de que não quero mais você andando perto de meu menino. Está entendido?

S-sim, senhora Park. M-me desculpe, e-eu realmente n-não tomei cuidado com Jimin. Entendo que só quer protegê-lo, é a melhor coisa que a senhora pode ter feito, com certeza. Não vou mais perturbá-lo ou perturbar a senhora, vou deixá-los seguirem seus caminhos. Fico feliz que a senhora se preocupe tanto com seu filho, ele é um anjo e uma benção. Espero que outro terapeuta possa cuidar dele bem melhor do que tentei cuidar mas não consegui. Desculpe por tudo e obrigado por proteger Jimin de qualquer coisa. A senhora tem toda a razão.

Tudo bem, meu filho. Obrigada por entender. Beijo, tchau!

Tchau.

Desligo o telefone já em prantos. Ela realmente tem toda a razão, todo o direito de fazer isso, afinal, ela só está protegendo seu filho. Com certeza a melhor decisão que já tomou. Também sei que a pior decisão que já tomou foi deixar seu filho comigo, sob minhas responsabilidades, sob meus cuidados, deixar seu filho ser consultado por mim.

Só não sei por que choro. Se era isso que queria desde o início, por quê choro? A vida de Jimin será um mar de flores sem mim para atrapalhar.

É como ontem. Aquela mulher já tinha me falado aquilo que JiYang acabou de me falar. Por que continuo triste? Por que continuo com a mesma impressão de surpresa, sendo que não era nenhuma? É o mesmo sentimento de ontem, só que pior. Pior por que isso já foi informado a mim e eu continuo com a mesma reação. Pior por que eu continuo sem Jimin e vou continuar sem ele para sempre.

Não vou me fazer de vítima, porque sei que tudo começou comigo, tudo é culpa minha. Jimin falou e é verdade, mas não no caso dele: Todo acidente tem um culpado e essa era minha pena, essa era minha consequência, esse era meu futuro.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Continua...


Notas Finais


Agora o negócio ficou bão.
Não me agridam, não me ataquem, please!
(Isso só vai piorar, tô avisando o ceis)
Me desculpem por qualquer erro e até o próximo capítulo!! <3
2bjo😘😘
{Fic também no WattPad e no Sweek}


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...