História Harry and Hermione - True Love - Capítulo 39


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Andromeda Tonks, Angelina Johnson, Argo Filch, Arthur Weasley, Bellatrix Lestrange, Carlinhos Weasley, Dino Thomas, Draco Malfoy, Duda Dursley, Ernesto Macmillan, Fílio Flitwick, Fleur Delacour, Fred Weasley, Fred Weasley Ii, Gina Weasley, Gui Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Jorge Weasley, Lilá Brown, Lucy Weasley, Luna Lovegood, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Molly Weasley II, Narcissa Black Malfoy, Nymphadora Tonks, Padma Patil, Pansy Parkinson, Parvati Patil, Percy Weasley, Personagens Originais, Petunia Dursley, Pomona Sprout, Poppy Pomfrey (Madame Pomfrey), Remo Lupin, Rita Skeeter, Rolf Scamander, Ronald Weasley, Rúbeo Hagrid, Severo Snape, Simas Finnigan, Ted Lupin, Tiago S. Potter, Valter Dursley, Victoire Weasley
Visualizações 8
Palavras 2.182
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Fantasia, Magia, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi!
Voltei, como disse no último capítulo!
E talvez ainda consiga postar mais um esta semana, mas não prometo nada.
Na próxima semana vou viajar, e só volto duas semanas depois, por isso, durante essa altura não vai haver capítulos.
Obrigada!
Aproveitem o capítulo!

I solemnly swear that I'm up to no good.

Capítulo 39 - Teddy, o cabelo!


POV Harry

Na manhã seguinte, acordei e a Hermione já não estava na cama. Como a escola do Teddy começa cedo, ela tinha de acordar para lhe fazer o pequeno-almoço. Levantei-me e desci até à cozinha, onde Teddy contava a Hermione o que fizera ontem na escola. Ele havia adotado o azul elétrico como cor de cabelo outra vez.

- E o treinador Graham disse que precisamos de sapatilhas, equipamento, um cantil com água, produtos para o banho e de um saco para levar isso tudo!

- Está bem, querido, hoje à tarde vens comigo comprar isso tudo, sim? – A minha mulher perguntou.

- Sim!

- Bom dia! – Beijei as testas dos dois.

- Olá!

- Gostaste do primeiro dia, pequeno?

- Sim! Sabes o Gus, que costuma estar na padaria a que a avó Andromeda me leva? Ele está na minha turma! E eu, a Vic, a Molls e o Gus fizemos uma amiga nova!

- Foi? E como se chama?

- Maisie. Tio Harry… tenho uma pergunta para te fazer. Como era a família que tomava conta de ti? – Fiquei surpreendido com a sua pergunta.

- Oh, pequenote, tu não queres saber. Os Dursleys não eram… os melhores tios. E o seu filho, Dudley, também não era o melhor primo.

- Tio, a Maisie… a minha amiga que eu conheci ontem, o apelido dela é Dursley.

- Oh. – Fiquei surpreendido. Não esperava aquilo. A Hermione havia largado a loiça que lavava e prestava agora total atenção em mim.

- Harry, estás bem?

- Sim, claro. Sabes que mais, Teddy? Queres que a Vic, a Molls, o Gus e a Maisie venham cá brincar hoje à tarde?

- Hoje não, querido. Tenho de ir à baixa com ele comprar as coisas para o basquetebol. – Hermione relembrou.

- Oh, sim. Então… amanhã?

- Sim! – O pequeno respondeu.

Eu escrevi o número de telefone fixo de nossa casa em dois papéis e dei-lhe.

- Chama os teus amigos para brincar cá amanhã e dá estes papéis à Maisie e ao Gus, e diz-lhes para darem aos pais, para que me liguem. – Disse-lhe.

- Está bem!

- Então, vá, campeão, vai arranjar-te. – Sorri e baguncei os seus cabelos. Ele saiu da cozinha e eu suspirei.

- Tudo bem, querido? – A Hermione perguntou.

- Sim… só nunca pensei que fosse voltar a ver o meu primo. Mas estou bem. – Respondi.

- Ainda bem. Vai correr bem. Toma.

Pôs uma tigela com cereais à minha frente. Eu comi rapidamente e subi para me preparar para o trabalho. Quando desci, o Teddy já estava de uniforme e casaco vestido, tinha a lancheira na mão e a mochila às costas. Deu-me um beijo na bochecha e outro à Hermione e disse:

- Até logo!

Preparava-se para abrir a porta quando eu exclamei:

- Teddy, o cabelo! E os olhos!

- Ai, já me esquecia! – Mudou a cor dos cabelos e dos olhos. – Obrigado, tio! Até logo!

- Até logo, pequeno. Tem um bom dia.

Abriu a porta e eu e a Hermione ficámos lá a vê-lo entrar no autocarro. Deu um abraço à Vic, que já lá estava, e, quando se sentou ao lado dela, acenou-nos uma última vez. A Vic sorriu para nós e mandou um beijo. Depois disso, o autocarro partiu.

- Merlin, o meu menino está tão grande… - Hermione suspirou e eu abracei-a pela cintura, dando-lhe um beijo.

- Até já, amor. – Despedi-me dela, que ficaria em casa até mais tarde para levar os gémeos ao infantário.

- Tem um bom dia, amor. – Ela respondeu, eu larguei-a e Desapareci para o Ministério.

***

POV Teddy

Entrei no autocarro, abracei a Vic e voltei a acenar para os meus tios. A Vic mandou-lhes um beijo e o autocarro partiu.

- Vic, descobri quem os Dursleys são. Tomaram conta do meu padrinho quando ele ainda era menor de idade, e não eram lá muito bons para ele. Ele não gosta de falar sobre eles, mas convidou-vos aos quatro para ir lá a casa amanhã! Acho que quer falar com o pai da Maisie.

O autocarro parou mais uma vez.

- A Maisie é muito querida e doce. Eu gosto dela. Ela não deve ser como os avós e pai dela foram para o tio Harry.

- Tens razão.

- Bom dia, meninos! – Maisie exclamou. Deu um beijo na cara da Vic e abraçou-me. Depois, sentou-se atrás de nós e mandou um beijo a uma senhora de cabelos castanhos-claros e olhos azuis, como os de Maisie, e a um senhor loiro nem muito magro nem muito gordo. Os dois sorriam-lhe. – São os meus pais. – Disse quando o autocarro começou a andar.

Estávamos muito animados a conversar enquanto a nossa viagem continuava. A Molls e o Gus entraram no autocarro entretanto, e juntaram-se à galhofa.

- Olhem, o meu padrinho convidou-vos a todos para ir lá a minha casa amanhã. – Eu anunciei. – Vocês querem ir?

- Claro! – Responderam todos em conjunto.

- Boa. – Entreguei os papéis com o número de telefone a Gus e Maisie. – Entreguem isso aos vossos pais e digam para ligar ao meu padrinho. Esse é o número. Perceberam?

- Sim. – Os dois responderam. – Porque é que elas não recebem um papel?

- Somos quase como primos, nós os três. Eu e a Vic somos mesmo primas, e o Teddy é quase como um filho para o padrinho dele, que é nosso tio. Por isso conhecemo-nos desde sempre. – Molls explicou.

- E porque moras com o teu padrinho, Teddy?

Essa pergunta deixou-me um pouco triste, mas era a realidade e eu tinha de começar a enfrentá-la.

- Os meus pais foram… assassinados quando eu tinha apenas um mês de vida. Morei com a minha avó aos três anos, depois passei a morar com o meu padrinho, Harry, a minha tia, Hermione, e com os seus filhos, Phoebe e James, que são gémeos. Dentro de alguns meses nascerá a sua filha mais nova, Riley. – Expliquei.

- Lamentamos pelos teus pais, Teddy, e parabéns pela bebé!

- Sim… A Phoebe, o James e a Riley são como irmãos para mim. – Pensar nisso fez-me sentir melhor.

Quando chegámos à escola, todos os alunos que se encontravam dentro do autocarro saíram. Ao chegarmos ao recreio, onde ontem nos tinham recebido, vimos que estava vazio.

- A Sra. Merme deve estar na sala de aula. Vamos! – Exclamou Bianca Stone, uma rapariga da nossa turma. Ela e os seus amigos começaram a correr, e nós e o resto da turma fomos atrás.

Chegámos à sala, onde a professora nos aguardava à porta. Ontem ensinara-nos como queria que entrássemos na aula: teríamos de fazer uma fila, e parar sempre para dar os bons dias à professora. E foi o que fizemos. Quando chegou a minha vez, disse:

- Bom dia, Sra. Merme!

- Bom dia, Teddy. – Ela sorriu para mim, e eu entrei. Sentei-me no meu lugar, pendurei a minha mochila nas costas da minha cadeira e tirei o meu caderno, onde a professora nos ajudava a treinar a escrever letras e números.

E a aula começou. A aula estava dividida em duas partes de uma hora e quarenta e cinco minutos. Na primeira, treinámos a escrita da letra “A” e na segunda estivemos a aprender como reciclar, e a fazer jogos sobre reciclagem. No fim da segunda parte, tocou a campainha, que anunciava o fim da aula e o início da hora de almoço. Eu e os meus quatro amigos arrumámos as nossas coisas e fomos até à cantina. Fomos para a fila, e, quando chegou a nossa vez, pegámos num tabuleiro, nos talheres e no copo com água. A funcionária deu-nos um prato com bife e arroz, e fomos sentar-nos numa das mesas. Havia mesas no jardim e na cantina, mas nós preferimos as do jardim pois lá estava menos barulho.

As nossas atividades (ballet, basquetebol, natação e artes) só aconteciam às segundas, quintas e sextas. Hoje era terça, e nas tardes de terça e quarta temos música.

- Que instrumento escolheram para a aula de música? – Perguntou Maisie. – Eu escolhi violino.

- Guitarra elétrica. – Respondi.

- Voz. – Respondeu Molls, pois ela cantava maravilhosamente bem. Eu já tinha ouvido n’A Toca.

- Piano. – Respondeu Vic.

- Flauta transversal. – Respondeu Gus.

O intervalo acabou meia hora depois. Nós pegamos nas nossas coisas e fomos ao estúdio de música.

- Boa tarde, alunos! – Exclamou aquele que presumi ser o professor. Estava vestido de preto, tinha os olhos castanhos-escuros e o seu cabelo era grisalho. – Sou o Mr. Bray. Sou o professor de música. Bom, separem-se em grupos. Os que são de voz vão para este lado, os de bateria para aquele, e assim adiante.

Separámo-nos em grupos, como o professor pediu.

- Primeiro, quero ouvir os de voz cantar. Os outros podem sentar-se no chão. – O professor disse. Obedecemos. – Muito bem. O primeiro a cantar é… Damien Kolm. Cante alguma coisa, Mr. Kolm.

Damien era um rapaz às direitas. Era simpático e tinha muitos amigos, incluindo eu. Cantou uma parte de “Bitter Sweet Symphony”, dos The Verve. Tinha voz até bonita. Mais quatro pessoas cantaram. Houve uma que cantou “Baby One More Time” de Britney Spears, e toda a gente bateu palmas no fim. Mas, para mim, a Molls, que foi a última a cantar, foi a melhor. Não por ser da família, mas porque a sua voz atingiu todas as notas da música “I Will Always Love You”, de Whitney Houston, que, convenhamos, é bastante difícil de cantar. No fim, todos os alunos se levantaram e aplaudiram, o que a fez sorrir.

- Uau! Parabéns, Miss Weasley! Isso foi fantástico! A menina é, de certeza, a voz principal. Os outros cinco podem ser os coros.

Todos voltaram a bater palmas à Molls, que tinha o rosto vermelho e sorria tanto que eu podia jurar que a sua cara rasgaria a meio.

Durante o resto da aula, o professor esteve a ensinar-nos os básicos de cada instrumento, para, na aula seguinte, conseguirmos tocar pelo menos uma nota. No final da aula, o Mr. Bray pediu:

- Meninos, peçam aos vossos responsáveis que vos comprem o instrumento que vão tocar, por favor. Os de piano não se preocupem, a escola tem teclados para emprestar.

A campainha tocou, anunciando o final da aula.

- Podem ir, meninos. Até amanhã!

Saímos todos e corremos para a saída da escola, onde já estava um autocarro. Entrámos e partimos.

- Malta, não se esqueçam de pedir aos vossos pais que liguem ao meu, para combinar as coisas. – Disse aos meus amigos.

Estávamos a conversar, e Gus já havia saído, quando o autocarro voltou a parar. Um rapaz de cabelo preto e olhos azuis chamado Asher Holmes levantou-se e, antes de sair, tocou no ombro de Molls e disse:

- Grande solo que fizeste hoje, Molly.

Depois, saiu. A Molls corara até à flor dos cabelos. Vic e Maisie soltaram uns guinchos estridentes, que eu, sinceramente, não entendi. Raparigas, pensei. A Molls saiu na paragem a seguir, e depois de algum tempo foi a Maisie. Eu saí pouco depois.

Entrei em casa a correr.

- Cheguei!

- Olá, querido. – A tia Hermione apareceu e deu-me um beijo na testa. – Tiveste um bom dia?

- Sim! Já podemos ir comprar as coisas para o basquete? – Perguntei, ansioso.

- Claro, querido.

- Tia, o Mr. Bray, que é o professor de música, pediu que comprássemos o nosso instrumento.

- Está bem, Teddy. Compramos hoje a tua guitarra elétrica e assim amanhã já levas.

- Boa!

Ela pegou na sua carteira e nós saímos. Apanhamos o autocarro até à baixa de Londres e fomos a uma loja de desporto. Lá, compramos uns ténis pretos novos, porque os meus estavam pequenos, um saco de ginástica azul e preto, um cantil de água de metal e novas peças de fato de treino (casacos, t-shirts, calças, camisolas de manga comprida, calções e meias). Depois, fomos a uma loja de música, onde comprámos uma guitarra para mim. Pagámos e depois fomos buscar os gémeos ao infantário. Eles ficaram muito contentes por me ver lá. A seguir, a tia levou-nos a comer um gelado e voltámos para casa, que estava vazia.

- Harry? – A tia perguntou. – Parece que ele não está cá, meninos… Deve ter ido numa missão. Vá, vão brincar um pouco antes do jantar.

E assim foi, fui para o andar de cima com os meus irmãos, e ficámos a brincar com carrinhos até a tia Hermione nos chamar para jantar.

Sentámo-nos à mesa, e a tia Hermione serviu-nos massa com frango.

- A tia Fleur e a tia Audrey ligaram, Teddy. A Vic e a Molls vêm cá amanhã. – A tia informou.

- Boa! – Comemorei.

- E um senhor chamado Paul Frown ligou, para dizer que o Gustav podia vir também.

- Chama-lhe só Gus, tia.

- E uma senhora, Deborah Dursley, também disse que a Maisie podia vir.

- Então vêm todos? – Perguntei, animado.

- Sim, querido.

- Boa!

E continuámos a comer, até o tio Harry aparecer com a roupa chamuscada (nada de grave, é habitual) e se juntar a nós.


Notas Finais


Oi!
Gostaram?
Mais uma vez, digo que vou tentar postar um novo capítulo ainda esta semana, mas não prometo nada.
Adeus!

Mischief managed.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...