História Harry Potter e a Luz Sombria - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Neville Longbottom, Ronald Weasley, Severo Snape, Sirius Black, Tom Riddle Jr.
Tags Harry Potter, Tomarry, Tomxharry
Visualizações 1.333
Palavras 3.412
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi meus filhotes, como vocês estão?
Mais um capítulo para vocês lerem e se divertirem com.essa maravilha.

Capítulo 2 - Potencial Desbloquedo


Capítulo 2 

Potencial desbloqueado

Harry se sentiu mais leve assim que acordou, antes era como se ele estivesse carregando um fardo pesado a vida toda e nunca tivesse percebido isso, mas agora tudo estava mas fácil. Abrindo os olhos, o menino observou o ambiente, ele não estava mais na câmara de cura, mas o que parecia ser um quarto. As paredes da caverna eram iluminadas por tochas e uma lareira no canto fazia a sala naturalmente escura iluminar-se.

- Bem-vindo de volta jovem bruxo - 

- Quanto tempo eu desmaiei? - Harry perguntou, sua garganta se sentindo crua e sua voz saindo rouca.

- Apenas quatro horas - respondeu o goblin, aproximando-se de Harry - Estou surpreso em ver você acordado para ser honesto, você é muito mais forte do que pensa -

Harry encontrou-se assentindo levemente enquanto se sentava lentamente na cama. Passando as mãos pelos cabelos que estavam até os ombros, o surpreendendo depois que seu cérebro repentinamente processou essa nova informação.

Maeve observava o mago com um leve humor quando ele parecia pular acordado e perceber suas mudanças físicas. Ela também notou que ele precisava de uma água para a  garganta.

- Você gostaria de um espelho? - Ela perguntou, enquanto passava por seus suprimentos procurando a poção correta.

Harry acenou com a cabeça, pegando o espelho conjurado vendo sua nova aparência. Olhando para o reflexo dele, ele ficou chocado, as mudanças quando analisadas individualmente não eram tão boas, mas no geral? Elas o fizeram parecer completamente diferente. Ele não era mais um clone de James Potter - com certeza você poderia dizer que eles eram parentes, mas não era um fato esmagador agora como era antes.

Seus olhos verde esmeralda ainda eram uma característica proeminente, mas haviam perdido sua forma circular e agora eram mais amendoados. Seu nariz era menor, mais delicado, e seus lábios pareciam ter preenchido, ficando maiores. Seu queixo perdeu um pouco de sua borda e suas maçãs do rosto foram mais gordinhas. O mais drasticamente desaparecido foi o famoso cabelo de Potter. Em vez de uma juba selvagem, seus cabelos negros caíam sobre os ombros em ondas, ainda levemente selvagens, mas não incontroláveis. Ele parecia ligeiramente feminino, ele pensava ociosamente como ele traçou suas feições com a mão antes de perceber que ele podia ver sem seus óculos.

Colocando o espelho para baixo depois de alguns minutos olhando, Harry notou que a curandeira Maeve se aproximou dele, segurando uma poção na mão. Cauteloso por causa de tudo o que ele havia passado, Harry ponderou se ele realmente precisaria, mas decidiu colocar sua confiança no goblin que o curou.

- Para sua garganta - ela explicou quando o pegou olhando para o frasco receioso.

Com um aceno de cabeça, Harry pegou a poção oferecida e a jogou na boca, pois era melhor engolir rapidamente por causa do gosto. Depois de alguns segundos deixando poção funcionar, Harry hesitante abriu a boca.

- Por que Dumbledore queria mudar a minha aparência? - Ele perguntou baixinho, sem esperar uma resposta.

- Eu duvido que algum dia recebemos uma resposta clara - respondeu uma nova voz - Pelo menos, não nesta vida -

Harry se virou e viu o chefe Ragnok entrando na sala, olhando para ele.

- Você está melhor agora, Sr. Potter? - 

- Obrigado, chefe Ragnok - Harry disse honestamente - Eu me sinto muito melhor -

- Você provavelmente experimentará uma mudança significativa em sua magia nas próximas horas como seus principais reassentamentos - Maeve disse, mudando para o modo de curador - você pode ter dificuldade em controlar o nível de poder que você coloca em suas magias até chegar acostumar com seus novos níveis de poder. Você deve descobrir que, uma vez que tudo esteja resolvido, você poderá conjurar magias mais avançadas sem se cansar e ter uma quantidade maior de magia para recorrer -

- Eu vejo - disse Harry.

- Você se sente capaz de continuar nossa conversa anterior, Sr. Potter, ou você gostaria de tempo para se familiarizar com seu novo corpo? - Ragnok perguntou após uma pausa.

Harry suspirou e ficou de pé, surpreso ao descobrir que estava vestido com calças largas de algodão, mas imensamente feliz, como teria se arrependido de ter mostrado seu corpo para chefe dos duendes.

- Eu acho que seria melhor deixar tudo fora do caminho o mais rápido possível. No entanto, gostaria de alguns momentos para me refrescar - disse Harry.

Ragnok acenou com a cabeça em concordância - Junte-se a mim na sala de estar quando terminar, é através desta porta - disse ele, indicando a porta

Harry assentiu e esperou que os goblins saíssem. De pé, o menino descobriu que ele havia crescido um pouco. Seu corpo, que sempre fora dolorosamente magro, ainda estava desnutrido, mas tinha uma aparência mais esbelta, seus músculos ligeiros o deixavam ágil. Fazendo o seu caminho para o que ele achava que seria um banheiro sair graciosamente. Assim qie chegou no banheiro ele abriu a torneira e espirrou água em seu novo rosto, ainda fascinado pelas mudanças. Seu corpo parecia estranho para ele e era apenas sua graça inata que o impedia de cair sobre seus pés quando se acostumou com as mudanças.

Uma vez que ele lavou e cuidou do seu corpo, Harry voltou para o quarto e encontrou suas roupas antigas que foram colocadas em uma cômoda. Colocando-os, Harry descobriu que estava bem, mas não perfeito. Vendo sua varinha ao lado da pilha, ele a pegou e se concentrou em trocar de roupa para se encaixar nele, tentando não se surpreender quando o feitiço acontecesse antes que ele tivesse a chance de dizer o encantamento. Endireitando a coluna, Harry caminhou com um propósito em direção à sala, esperando que a próxima ordem de negócios fosse mais agradável que a anterior.


TOMARRY


- Tomei a liberdade de conseguir uma refeição leve para nós - disse Ragnok enquanto Harry entrava na sala. O menino apenas acenou com a cabeça, e tentou não pensar na situação com o.duente. Pelo que ele lembrava, muitos duendes eram notoriamente formais com bruxos, portanto Harry estava tendo dificuldade em determinar como agir em torno do chefe dos duendes.

- Obrigado - ele disse simplesmente, sentando-se em frente ao Ragnok.

Depois de alguns momentos de silêncio, Harry decidiu falar, renunciando às estritas regras de propriedade.

- Chefe Ragnok, não que eu não seja grato por sua ajuda em me livrar das numerosas porções e encantos colocados em mim, mas eu me vejo perdido em relação ao que você ganha por me ajudar. É sabido que a raça goblin tenta não se envolver com os assuntos dos magos -

- Você está certo, Sr. Potter - disse Ragnok - No entanto, a sua situação é única na medida em que ambos devemos dívidas uns aos outros. A nação dos duendes lhe deve uma dívida por livrar o mundo da insanidade de Voldemort ... -

Ao ouvir o nome de Voldemort, o menino sentiu seu coração apertar dolorosa memte que ele mal.conseguia respirar.

- e você mesmo deve à nação dos duendes uma dívida pela liberação e destruição causada pelo dragão Riari-

Harry ponderou sobre isso - Então você ajudou a me libertar porque eu destruí Voldemort?- Ele perguntou, ignorando a dor que cresceu no seu peito novamente.

- Libertar você, não foi nosso objetivo inicial, em seu estado atual, Sr. Potter, você é incapaz de cumprir as reparações exigidas a você pela nação duende. Nosso objetivo era ajudá-lo a reivindicar suas soberanias para que você possa fazer os pagamentos necessários e conquistar seu lugar de direito na sociedade. Portanto, nós dois estaríamos livres de qualquer dívida: nós, ajudando você e você nos pagando - explicou Ragnok.

- Então o que aconteceu foi apenas uma coincidência de sorte? - Harry perguntou.

- Eu não acredito em sorte, Sr. Potter - afirmou Ragnok.

- De qualquer maneira você me ajudou imensamente - 

Ragnok assentiu com a cabeça para isso. Antes que eles pudessem continuar, uma batida suave foi ouvida vindo da porta.

- Entre - gritou Ragnok.

A porta se abriu e um jovem duende entrou, empurrando um carrinho coberto de comida. Colocando os pratos na mesa entre Harry e Ragnok, o servidor desapareceu rapidamente.

- Continuaremos nossa discussão depois de termos comido - afirmou Ragnok - Não faria bem se você desmaiar de fome logo após ser libertado das garras de minha esposa -

Harry sorriu levemente e olhou para a comida oferecida, ele reconheceu a maior parte, mas achou a apresentação um pouco diferente do que estava acostumado. Pegando uma tigela pequena do que parecia ser um ensopado de carne, Harry inalou o aroma e descobriu que estava surpreendentemente faminto.

- Isso parece delicioso - disse ele antes de cair em um silêncio confortável.

Depois que ambos terminaram de comer e a refeição foi limpa com um movimento de seu pulso, Ragnok levou um momento para olhar para o bruxo em frente a ele. O jovem parecia melhor do que quando apareceu pela primeira vez em seu escritório horas antes, mas ainda tinha o mesmo olhar assombrado em seus olhos.

- O que você entende dos resultados do teste? - Perguntou Ragnok.

Harry pensou em tudo que leu. Ele começou devagar - Eu acho que eu entendo alguns dos títulos e do dinheiro, mas ... - Harry parou, quanto mais ele pensava sobre isso, mais ele se encontrava em uma perda.

Ragnok assentiu, não surpreso. - Por seus títulos, através de seu pai você ganha três senhorios. A família Potter é uma descendente direta do Peverells, que é um ramo lateral da família Grifinória; todos os três vêm com votos no Wizengamot, um assento no Conselho de Administração de Hogwarts e um assento de fundador no conselho. Como o último herdeiro de todas as três famílias, você pode reivindicar o senhorio deles junto com os três votos. Seu padrinho de sangue te adotou como seu herdeiro, e através dele você ganha o senhorio da família Black e o voto da família Black no Wizengamot. O senhorio sonserino é mais complicado; Você ganhou o senhorio através do direito de conquista quando derrotou o nome de si mesmo Lord Voldemort. A partir disso você ganhou seu voto no Wizengamot e seus fundadores sentaram-se no Conselho de Diretores de Hogwarts. Seu título final é uma espécie de lenda que até nós, os goblins de Gringotes, nunca pensamos que iria acontecer. Você, Harry Potter, é o mestre da morte -

Harry ficou espantado, tentando absorver o que aprendera - O que isso significa? - Ele finalmente perguntou.

- Isso significa, Sr. Potter, que você fez o que era considerado impossível. Você ganhou o controle da própria morte -

Harry piscou duas vezes ao ouvir as palavras de Ragnok. Ele abriu a boca para falar antes de fechar com um estalo. Ele ficou sem fala.

Ragnok deixou o silêncio cair antes de continuar - O que isso implica, mesmo que eu não saiba, mas eu esperaria que isso se tornasse claro para você nos próximos dias -

Harry ouviu, mas manteve seu silêncio.

- O que vem a seguir é para você reivindicar formalmente suas senhorias -

- Como eu faria isso? - Harry perguntou. Sua voz saindo um pouco mais alta que o normal era a única indicação da tensão que ele estava sentindo.

- O processo é simples: tudo o que você precisa fazer é colocar os anéis de senhorio em sua mão esquerda. Se eles aceitarem você, eles se unirão a você e à sua magia, se não, eles retornarão para a guarita mantida dentro dos cofres da família até o momento em que eles forem reivindicados pelo herdeiro legítimo - Depois que ele falou, ele pareceu alcançar debaixo do mesa e produziu cinco caixas, as quais variavam em idade e desgaste - Não se preocupe em usar vários anéis na mesma mão, embora nunca tenhamos um senhor de tantos títulos, não é tão incomum que alguém seja o senhor de duas casas. Seus anéis, se eles aceitarem você, serão combinados em um quando usados, criando um novo design combinado com os recursos de suas casas. Quando necessário, no entanto, um anel familiar específico pode mostrar -

Harry acenou com a cabeça e lentamente pegou a caixa mais próxima. Era preto e bastante simples. Abrindo-a, Harry sentiu seu interior congelar de horror e ele visivelmente recuou. Sentando-se aninhado inocentemente na caixa estava o anel que continha uma vez um dos horcruxes de Voldemort.

- e...eu quero dizer, eu não... como? - Harry finalmente conseguiu perguntar.

- Você já viu este anel antes? - Ragnok questionou.

- Sim, este anel era um dos de Voldemort - Harry se cortou, não querendo compartilhar o que Voldemort fez com sua alma - Quero dizer, eu sei que este anel foi destruído -

- Ah - disse Ragnok em compreensão - Um anel de senhorio não pode verdadeiramente ser destruído a menos que a família seja dissolvida. Se danificados, os anéis retornarão aos cofres da família -

- Este anel também já foi amaldiçoado - disse Harry, olhando para o anel com cautela. Ele se lembrava de ter visto a mão de Dumbledore e a carne enrugada e enegrecida antes que outro pensamento o atingisse e por um momento ele se perguntou se isso significava que Voldemort não estava realmente desaparecido. Um tremular em seu coração e um profundo anseio por aquele pensamento fugaz o chocou antes que ele afastasse esses sentimentos. Voldemort se foi e o anel não tinha mais a presença esmagadora que a horcrux de Voldemort já teve.

- Qualquer maldição do dono anterior teria sido removida - disse Ragnok - as únicas propriedades do anel são, se bem me lembro, proteção contra assaltos mentais, poções, feitiços de influência e ataques mágicos de baixo nível. Deveria haver um pergaminho em algum lugar no cofre explicando-os. -

Pegando a caixa de novo, Harry, hesitante, pegou o anel. Colocando-o em seu dedo anelar, ele sentiu uma súbita corrida em sua magia antes de se acalmar.

- Parabéns, senhor Sonserino - disse Ragnok, sorrindo com os dentes.

Harry então reivindicou o resto dos Lords sem choques escondidos extras, os anéis se fundiram em um no dedo de Harry.

- Agora que isso é feito, Senhor Potter, acredito que é hora de falarmos sobre sua dívida com a nação dos duendes - afirmou Ragnok.

Harry afastou os olhos do novo anel e acenou com a cabeça em concordância - Você está certo, chefe Ragnok -

- O dano causado pela liberação do dragão foi imenso, não só causou uma brecha em nossa fortaleza, mas oito goblins foram feridos e mais de 200 trouxas tiveram que ser obliviados -

Harry estremeceu com o dano - Eu sei que as palavras não têm sentido, mas eu gostaria de me desculpar de qualquer maneira antes que o pagamento seja dado - disse Harry - A situação era grave e, embora minhas ações tenham causado grandes danos, na época senti que elas eram justificadas -

Ragnok estreitou os olhos - Só na hora?n- Ele questionou.

- Agora percebi que minhas ações até hoje dificilmente seriam minhas. Sim, era eu, mas eu tinha pouco controle sobre mim mesmo com a quantidade de poções e encantos em que estava. Portanto, não posso dizer se eles eram justificáveis. Mas o que está feito está feito e eu farei o meu melhor para compensar você e sua raça -

- Você está correto e isso será levado em conta - disse Ragnok sabiamente.

- Meus agradecimentos - disse Harry.

- A dívida será considerada cumprida se o pagamento de 10 milhões de galeões for dado - disse Ragnok.

Harry sentiu seus olhos se arregalarem levemente com a imensa soma. Ele podia pagar facilmente agora, ele sabia disso, mas ainda era uma grande quantia de dinheiro. No entanto, considerando a situação, Harry sabia que seria de seu interesse aceitar. No entanto, antes que ele pudesse concordar, Ragnok falou novamente.

- Junto com isso, eu, em nome da nação duende, gostaria de oferecer a você nossa amizade -

Com isso, Harry nem tentou mascarar seu choque. Ser chamado de amigo duende era uma grande honra que não era concedida a muitos. Harry mal podia pensar na última vez que isso aconteceu. Apenas os bruxos ou bruxas mais poderosos e influentes foram nomeados e, mesmo assim, apenas aqueles que os goblins respeitavam.

- Eu agradeço a você por uma grande honra como Chefe Ragnok, e eu aceito os termos de cumprir minha dívida - disse Harry - No entanto, devo perguntar: por que eu? -

- Por que você, lorde Potter? -

- Por que estou sendo honrado de tal maneira? Eu não fiz nada por você, mas você está disposto a me nomear um amigo duende -

- Não é o que você fez, Lorde Potter, mas o que você virá fazer - Ragnok começou a explicar - Há poucas pessoas neste mundo que realmente têm a chance de moldá-lo, e eu, junto com os outros líderes. da raça dos duendes, acredite que você será uma dessas pessoas -

Harry ficou chocado. Ele não sabia como responder a isso, não se sentia digno de tal elogio.

- Se eu puder fazer uma sugestão de lorde Potter, agora que nossos negócios terminam - disse Ragnok depois que o silêncio se esticou por um momento.

- Por favor, se eu seu amigo, então me chame de Harry - disse Harry.

- Harry, então, eu recomendaria que você levasse alguns dias para pensar sobre o que você deseja fazer com o seu novo poder - não apenas seu poder mágico, mas também sua influência política. Você nunca teve a chance de realmente ser você mesmo, de pensar por si mesmo.

Harry fechou os olhos de dor quando percebeu que Ragnok estava certo. Se ele acreditasse no exame de sangue, o que ele fez, então Dumbledore e quem sabe quem mais o estava controlando e manipulando por toda a vida. Ele se forçou a não pensar nisso desde a descoberta, concentrando-se em tudo o mais, mas agora que estava, sentia-se traído e zangado. Não era uma raiva ardente como ele geralmente experimentava, mas uma raiva quieta e quente.

Abrindo os olhos, Harry não percebeu que eles estavam quase brilhando com o poder ou que o ar ao seu redor parecia vibrar com magia reprimida - Eu acho que você está correto Ragnok - disse Harry, sua voz saindo enganosamente suave.

Ragnok reprimiu um arrepio com a quantidade de poder que o bruxo diante dele possuía e permaneceu como antes - Você está livre para usar um dos nossos sistemas floo para retornar à sua residência atual, se preferir, em vez de atravessar o beco -

Harry considerou isso, mas decidiu que a caminhada ajudaria a clarear sua mente - Eu agradeço, mas eu preciso de algumas coisas - disse ele, em pé e seguindo o goblin através do labirinto de túneis até chegarem a um conjunto de portas.

- Se você deseja colocar um glamour, agora seria a hora - aconselhou Ragnok - Embora você pareça bem diferente, seus olhos ainda são bastante conhecidos neste mundo -

Harry assentiu, sacudindo o pulso para que sua varinha aparecesse na mão. Concentrando-se no que ele queria mudar, Harry sentiu um formigamento nos olhos. Abrindo-os, ele olhou para Ragnok e perguntou - O que você acha? -

- Embora semelhante à aparência pela qual você é conhecido, com a mudança na cor dos olhos, você deve ser capaz de cuidar do seu negócio com facilidade, desde que mantenha a cicatriz coberta - disse Ragnok. Com os olhos azuis e a remoção do glamour do sangue, o bruxo parecia diferente o suficiente para que as pessoas o deixassem passar sem comentários.

Harry sorriu levemente: - Obrigado por sua ajuda, Ragnok. Que seu ouro transborde e beneficie você -

- E os seus inimigos podem se esconder em seu nome, Harry - disse Ragnok, antes de abrir as portas para Harry sair do andar principal do banco.

Com um último aceno de cabeça, Harry levantou o capuz e fez o seu caminho através da multidão, sua caminhada se tornando mais graciosa quando ele se acostumou com sua verdadeira forma. Ele não percebeu que todos os goblins a certa altura olhavam para cima e olhavam enquanto ele passava, que sua aura ainda era mascarada enquanto ainda era chamada, advertindo-os de seu poder. Que para eles, sua caminhada graciosa parecia quase mágica, como um predador à noite.


Notas Finais


O que vocês acharam do segundo capítulo? Foi bom vocês gostaram? Estou amando essa fanfic, já disse que ela é maravilhosa...
Bjss filhotes e antes que me esqueça não vai ter um dia certo para.postar a fanfic pois, ela ainda está sendo postada então me decidir ainda mas estou pensando.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...