História Harry Potter e a Revolta dos Sangue Ruins - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Visualizações 23
Palavras 2.507
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Spoilers, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Capítulo 11 pronto.

Espero que gostem

Capítulo 12 - Procurando um Amor Perdido


Assim que firmou os pés no chão, Hermione puxou a varinha de sua camisola, e apontou para cima, e não se surpreendeu quando um enorme ônibus roxo apareceu, entrou correndo, assustada e aflita, então se lembrou de que esquecera o dinheiro no quarto, e pediu para que descontasse em Gringotes.


— Me levem para o Largo Grimmauld, por favor - pediu com pressa. O motorista ficou assustado em ver a garota naqueles trajes, com uma veste por cima. Em menos de uma meia hora, ela estava parada na frente do Largo Grimmauld.


— Obrigada - disse antes de descer do ônibus acenando para o motorista.


Algum tempo depois ela na porta lembrando de uma frase e logo entrou pela porta, nem pisou no piso direito já tinha reconhecido aquele malão velho, e a gaiola de Edwinges ao lado, sabia perfeitamente quem estava ali, suspirando aliviada, achou melhor voltar para a casa e que no dia seguinte voltaria para conversar, mas de repente uma voz a chamou sussurrando.


— Mione! – Hermione pulou para trás – Sou eu, Tonks! - e saiu escondida da escuridão.


— Tonks, fale baixo - pediu Hermione com gentileza - Não quero que ele saiba que estou aqui.


— Ok, ok, não precisa ir embora, durma no meu quarto, tem uma cama sobrando, ninguém saberá que você está aqui.


Hermione sorriu, contente.


— Obrigada, vamos então? Se não se importa, Tonks, eu estou morta de sono!


— Ok, tudo bem, compreendo, vamos. 


Hermione agradeceu mentalmente e marchou para o quarto de Tonks, era o mais confortável possível. 


Hermione não dormiu nada bem após a briga com Harry e foi acordada por Monstro que insistia em limpar seu nariz.


Tonks arrumava seus cabelos em um coque em frente o espelho, Hermione gentilmente pediu uma roupa emprestada para Tonks.


— Pega lá no meu armário - respondeu com um grampo na boca.


Hermione levantou-se com alguns raios de sol invadindo o quarto, foi até o guarda-roupa, escolheu uma calça preta bem agarradinha, e uma saia bem curta que colocaria por cima da calça preta, pegou uma frente única rosa salmão e colocou, prendeu os cabelos lisos em um bico de pato, e foi até o banheiro para se cuidar melhor.


Após alguns minutos, Hermione saiu perfeitamente linda, nada igual à noite anterior, mas se esta fosse irmã gêmea da Hermione da noite anterior daria uma disputa bem legal, na qual não se sabe quem ganharia. 


Hermione desceu sorridente para a cozinha, o número de pessoas que se espantaram ao ver ela foi grande, mas Harry fingiu não estar nada empolgado e continuou comendo sua torrada como se nada tivesse acontecido.


Hermione cumprimentou todos e por último sentou defronte a Harry.


— Olá.


Ele não respondeu, fingiu não ouvir.


— O que faz aqui?- perguntou aos sussurros para que ninguém o ouvisse sendo grosso.


— Eu preciso falar com você, te espero lá na sala, aonde Bicuço se encontra - pegou uma torrada e despediu com um aceno discreto.


— Eu não vou – disse entre os lábios. 


— Você quem sabe, as conseqüências podem ser piores - piscou para ele e saiu.


Harry a tomou pelo braço e a fez sentar de volta.


— Você está me ameaçando?


— Venha, só te peço isso – ela saiu de cabeça baixa da cozinha.


Orgulhosamente Harry se decidiu, não iria, não queria papo com ela.


Harry passou em frente ao cômodo, esticou a mão, ia bater na porta, mas algo fez abaixar sua mão, não, ele a queria, mas não dessa forma, tinha que ser ao contrário, totalmente. Ele queria que ela rastejasse aos seus pés, e não ele aos pés dela, então, por um leve impulso, deu duas batidas de leve.
Hermione abriu a porta delicadamente.


— Sabia que você viria – ela não tinha um sorriso no rosto.


Harry cumprimentou Bicuço e sentou no chão ao lado de Hermione que estava deitada na barriga gorda de Bicuço.


— O que você quer?- perguntou secamente acariciando as penas do hipogrifo que comia seus ratos.


— Que você entendeu tudo errado, sabe, sobre ontem - disse ela desajeitada suspirando.


— Você me expulsou, Hermione - e parou por um segundo de acariciar Bicuço - Você queria que eu continuasse lá? Te encarando como se nada tivesse acontecido? Sendo que você estava me expulsando?


— Mas não queria...


— Mas expulsou - retrucou com rispidez e em alto som, fazendo com que Bicuço agitasse a cabeça para o lado incomodado, e transferindo os morcegos de lugar sem ao menos se dar ao luxo de pegar uma vassoura e cutucá-los.


— Ah, Harry...


— Quer saber, Hermione? Você chegou na hora errada na minha vida... Me pegou carente e desprevenido...


— Você acha isso? É isso que você acha? Que eu aproveitei a sua carência para dar em cima de você?


Harry suspirou passando a mão nos cabelos rebeldes, por mais que não confirmasse com palavras, sua expressão dizia que “sim”.


Lágrimas saltaram dos olhos de Hermione e Harry não pareceu se importar nem um pouco com isso, então Hermione colocou a mão na maçaneta.


— Você quer mesmo que eu vá? Para sempre?


— Seria bom se você sumisse da minha vida - respondeu.


— Se eu for, eu juro que não volto – disse ela baixando a cabeça para os sapatos.


— Adeus – sussurrou Harry inconsciente.


Hermione abriu a porta e fechou com violência, Harry pensou em ir atrás, mas seu orgulho o impediu.


Harry passou os dias mais chatos de sua vida, na qual teve que se segurar de curiosidade de não perguntar por carta ao seu amigo Rony, o que estava acontecendo na casa dos Granges, vários dias que se arrastavam de modo mais demorado possível, os dias para voltar para Hogwarts se aproximavam, por falta do que fazer ele começou pelas tarefas escolares, faltando menos de um dia ele já tinha acabado tudo.


— Harry, acorde - disse Lupin acendendo a luz do quarto - Hoje é o grande dia.


Harry sorriu.


— Vou voltar para Hogwarts, só isso - respondeu dando os ombros após sentar-se na cama.


— Ah, sei, sei, bom, estamos esperando você para o café da manhã.


— Ok, já estou descendo.


Em menos de vinte minutos, Harry desceu para tomar café, Monstro estava lamentando pela morte de Sirius o que fez o peito de Harry estufar de saudades e com vontade de sacudir o elfo e matá-lo a socos, tentara isso diversas vezes, mas Lupin, infelizmente, chegava todas às vezes.


Tonks tinha ido ao Beco Diagonal no dia anterior comprar o material de Harry, o garoto estava ocupado demais para ir, tinha muitos deveres, então Tonks fizera esse favor a ele, sorriu para ela, agradecendo.


— Vamos - disse Tonks olhando no relógio - o trem sai jájá.


Harry se despediu de todos o mais depressa possível e entrou na lareira usando Pó de Flu, e conseguiu chegar a tempo na Plataforma, onde se pegava o trem para embarcar à Hogwarts, sua escola de Magia e Bruxaria.


— Harry- chamou uma voz irritante, Harry procurou para todos os lados, era Marieta acompanhada de sua mãe.


Harry só não soube como ela tinha coragem de olhar na cara dele depois que fizera, sem alternativa Harry não respondeu e atravessou a plataforma, correu para pegar uma cabine, por sorte conseguiu uma das últimas para os seus amigos Rony, Hermione, Gina e Luna.


Ao se passarem 10 minutos o trem começou a andar, Harry entrou em pânico, os amigos ainda não tinham embarcado, ou será que tinham?


Procurou espantado por todas as cabines, chegou mais ou menos na terceira ou quarta cabine lá estavam, Rony, Hermione, Gina, Luna e Neville conversando animadamente, como se Harry não fizesse falta e nem existisse, Hermione estava sentada ao lado de Rony segurando as mãos dele, Luna, Neville e Gina estavam na frente deles, peraí, o estômago de Harry deu uma reviravolta fazendo cócegas, voltou sua atenção para os amigos, Hermione segurando a mão de Rony, seus olhos se arregalaram instantaneamente, Hermione nunca fora assim com Rony, de segurar sua mão.


A vontade de Harry foi invadir a cabine e meter o soco na cara de Rony e na de Hermione também, como podia ser tão cachorra? Beijar Harry em um dia e no outro dia fica assim, de mãos dadas com o seu melhor amigo, francamente. 


Enfurecido, Harry voltou às pressas para a sua cabine solitária, quer dizer, imaginava que estava solitário, mas não estava, após bater a porta com violência ele escutou um suspiro.


— Harry - murmurou uma voz familiar. 


Harry virou-se para a pessoa, para mandar que ela fosse embora de uma vez por todas e não enchesse o saco, mas algo disse que aquela voz fora muito meiga com ele, então seria muita grosseria da sua parte expulsar a moça da cabine.


— Cho? 


Lágrimas surgiam no rosto da garota.


— Cho... - disse ele se ajoelhando entre suas pernas e limpando suas lágrimas - O que aconteceu?


— Miguel Corner, ele ... me trocou por outra... 


Então Harry sentiu um formigamento pelo corpo, Cho saíra no final do ano anterior com Miguel.


— Quer saber?- disse Harry indo até a porta da cabine e abrindo ela - vai embora também. 


Cho abriu a boca espantada para dizer alguma coisa, mas foi obrigada a sair à força, totalmente arrasada, isso não era de se esperar de Harry Potter, um garoto que sempre fora tão meigo com ela, quer dizer, quase meigo.


Extremamente zangado sentou de braços cruzados, como o seu dia já tinha começado mal, Rony e Hermione namorando, sentia um extremo ódio no corpo.


Então alguém bateu na cabine, Harry virou para mandar a pessoa ir embora, mas era Gina, sorria amigavelmente feliz.


— Entre - murmurou sem sorrir.


— Olá Harry - disse ela beijando seu rosto com um estralo.


— O que faz aqui?- perguntou esfregando a bochecha no ombro direito das vestes como se não tivesse gostado nem um pouco.


— Por que fala assim comigo Harry? Eu não fiz nada para você, fiz?- perguntou incrédula se sentando.


— Não - respondeu secamente olhando pela janela, com os olhos fixos.


— Vem cá, olha para mim - disse ela virando o rosto dele para ela.


— Você devia estar sorrindo lá com eles. - respondeu secamente.


— Eu disse que ia atrás da Mulher dos Doces, na verdade vim te ver.


O estômago de Harry revirou novamente.


— Diga, veio jogar na minha cara que...


— Harry!- exclamou Gina grudando as sobrancelhas, chateada - Desse jeito eu vou embora ofendida e nunca mais volto a falar com você, é isso que você quer?


— Não... Desculpa - disse bagunçando os cabelos com as mãos, muito furioso, em seguida suspirou - Rony e Hermione estão namorando não é?


Harry nem terminou a pergunta e começou a fitar os sapatos, por um segundo pediu a Merlin que ela negasse, então ele pareceu atender seu pedido.


— Não - disse Gina - Você deve estar pensando algo né? Eu vi você passando pela nossa cabine, fingi não olhar.


— Como assim, não? Eles estavam de mãos...


— Mas não estão, quer dizer... - disse ela fitando o rodapé da cabine - Rony beijou Hermione nessas férias, quer dizer, tentou.

 

— O QUE?- perguntou assustado de levantando.


— Desculpa, eu não queria te deixar nervoso - disse ela se levantando e entrando na frente dele antes que ele começasse a correr pelo Express soltando feitiços imperdoáveis.


— Não, não é nada disso, eles se merecem - respondeu zangado - Rony e Hermione não vão ao menos vir falar comigo?


— Não sei, Hermione te deseja a morte, mas sei que isso é só da boca para fora, ela chora toda noite por você, antes que você pense que Hermione é uma galinha, foi Rony quem beijou ela e...


— E ela se entregou – completou chateado.


— Não foi bem assim, quer dizer, foi sim, mas depois de alguns minutos dele beijar ela à força.


Harry chutou o seu malão que se abriu espalhando os pergaminhos pelo chão da cabine, Gina segurou os músculos do garoto e puxou para si, murmurando para ele parar.


Harry sentiu o hálito de Gina tocar no seu pescoço, o que fez ele se arrepiar por um momento, se virou em direção a Gina, a prendeu na parede e a beijou com força.


Gina tentava empurrar Harry, ela tinha um compromisso com Dino Thomas, não podia beijar um e depois outro enquanto estava namorando, mas Harry era mais forte e não deixava ela sair, então após muitas tentativas Gina tirou as mãos do peitoral de Harry e começou acariciar suas costas.


O beijo de Harry não era nada ruim, mil vezes melhor do que do Dino Thomas, pensava Gina enquanto voltava para a sua cabine, teria que confessar ao Dino sobre o ocorrido, não podia esconder, sentindo um peso na consciência, Gina deu três leves batidos na cabine de Dino.


— Olá amor.


Ela recuou para trás.


— Dino, eu quero terminar nosso namoro - disse sem pensar.


Dino ficou totalmente pálido, como ela podia terminar assim de uma hora para outra? Sempre correspondeu às suas cartas no verão, e parecia bem, o pior que ele a visitara no verão, e ela não terminou com ele.


Ele fechou a cara, incrédulo. Não havia motivos, era um relacionamento saudável...


— Eu e o Harry, a gente andou se beijando... – disse ela fitando os sapatos, totalmente sem graça.


Dino saiu trombando em Gina em direção à cabine de Harry para dar um soco no meio da fuça do garoto intrometido, mas Gina o impediu segurando pelo braço.


— Eu o beijei, juro que foi eu. A culpa é minha!


Dino ficou péssimo à partir disso, voltou para sua cabine chorando e Gina também, então parou em frente a sua cabine.


— Gina, o que foi?- perguntaram todos espantados, principalmente Rony que se levantou e ficou de frente a ela.


— Tropecei... - disse ela fingindo uma dor no cotovelo e massageando.


— Gina, não minta.


— Ok, eu e o Dino...


— O QUE ELE TE FEZ?- perguntou Rony cerrando os punhos.


— Acalme-se Rony - disse Hermione fazendo Rony se sentar. 


— Eu e o Dino, terminamos.


Rony ficou mais aliviado.


— Ele te bateu?


— Não... queria bater no Harry.


— Harry?- perguntaram todos - O que ele tem haver com isso?


— É que agora eu fui visitar ele e eu beijei ele sem querer - disse ela fitando o chão como se tivesse dado a pior mancada do mundo. 


Rony e Hermione se entreolharam.


— Estão namorando?- perguntou Luna com rispidez.


— Não, só foi um beijo - e se sentou entre Neville e Luna.


Luna sonhadora disse.


— Isso está parecendo a história de Rathorn e Arabella Figg.


Hermione assoprou a franja, Gina achou que talvez o motivo pudesse ser as mentiras de Luna, mas estava totalmente enganada.


~~

Harry estava sentado na cabine, pensando: será que a essa hora Hermione já estava sabendo da sua vingança? Então ele sentiu um arrepio pelo corpo, Hermione não era besta, poderia descobrir que isso era mais um plano de Harry Potter para fazer ciúmes para ela e se ela contasse isso à Gina, provavelmente Gina nunca mais olharia na cara de Harry, então Harry sorriu amareladamente acariciando seu cavanhaque ralo, então notou que precisava fazer a barba, fazia dias que não usava um barbeador.


Alguém tinha invadido sua cabine com estrondo, alguém que parecia furioso, prestes a dar um soco na cara de Harry, Hermione Granger estava parada na cabine com um braço apoiado na porta e o outro na cintura.


— Então Harry Potter, está feliz com Gina Weasley?


Notas Finais


Próximo: McClain


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...