História Harry Problema X Mia Solução - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Hailee Steinfeld, Harry Styles, One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais
Tags Harry Styles, One Direction, Romance
Visualizações 555
Palavras 4.818
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


|BarBieZinhah na área)

Boa noite... Alguns devem estar surpresos, mas a verdade é que eu fiquei surpresa com a aparição relâmpago de muitas leitoras que nunca tinha comentado e hoje tava sem nada pra fazer, então pensei, vou deixar meus leitores felizes (ou não)
Aos leitores fiéis que deixaram comentários, muito obrigada de verdade eu fiquei feliz até com novas críticas em relação a Mia, me ajuda bastante na formação da personalidade da personagem. Estou seguindo com a fic por vocês. Vocês se superaram nos comentários, foi um melhor do que o outro e eu fiquei muito feliz, tipo muito mesmo. Desculpa não ter respondido, minha internet anda muito ruim. Logooooo respondo todos, ahhhhhh, amo vocês...

Vamos de capítulo novo?

Seria interessante ler a segunda parte do capítulo ouvindo: Erik Grönwall - Higher.

Espero que gostem desse capítulo, desculpa pelos erros ortográficos, escrevendo no bloco de notas e é horrível :-(

/BOA LEITURA MEUS AMORES)

Capítulo 10 - Capítulo Nove


Fanfic / Fanfiction Harry Problema X Mia Solução - Capítulo 10 - Capítulo Nove

Harry Problema X Mia Solução | Capítulo Nove

"Oxford, Oxfordshire, UK, 10/10/17, 17:25min PM"

"Oh, eu sei, pode ser assustador. Você aposta de tudo quando seu coração está em linha, mas oh, querida não se preocupe, apenas segure minha mão e nunca me deixe ir." — Erik Grönwall -Higher.

Meia hora depois, Clube Villaggio;

— Eu...

Ela parou após a primeira palavra pronunciada, precisava de mais tempo para inventar alguma desculpa descente e convencê-lo de que um afastamento seria o melhor para ambos. Inalou o ar quente e olhou de soslaio para ele que não havia desviado sua atenção dela em momento algum. — É simples, Styles... — articulou com uma dose de sarcasmo, impassível, deixando algo oculto no ar, só então fixou os olhos no moreno e seu semblante enervante. Evitar olhá-lo diretamente, era uma ótima forma de controlar o próprio corpo. — Só não queria falar ou estar com você depois daquele infeliz incidente de ontem. Só isso. — articulou baixando a cabeça, mas, contra sua vontade racional, subiu a vista para observar sua reação.

— Incidente? — perguntou pousando as mãos no quadril. — Foi apenas um incidente para você? — voltou a questionar, havia muitas expectativas para uma resposta, qualquer que fosse. Precisava ter certeza. Mia precisava ser sincera.

— Sim. — respondeu com um movimento contínuo com os pés e inalou, soltando o ar lentamente. — Foi apenas um incidente que nunca mais se repetirá. — bradou elevando a voz. — Não podia ter me agarrado e...

— Eu te agarrei, Mia? — perguntou automaticamente. Ele parecia incrédulo da atitude, no mínimo estranha da garota. Estava muito mudada. — Você está sendo demasiadamente cínica, sabia? — pronunciou firmando os lábios em uma linha fina e começou a caminhar em círculos pela quadra, deixando a garota tonta.

— O único cínico aqui é você — manteve-se impassível e o rapaz à sua frente parecia estático, sequer pestanejava. — Se quer saber, aquele beijo não significou nada pra mim e você beija mal... muito mal, deve ser por isso que nunca arrumou uma namorada de verdade. — articulou com um sorriso maldoso nos lábios.

— Isso é sério? — questionou horrorizado.

— Uma criança de dez anos beija melhor que você. — afirmou simulando uma seriedade inexistente e ele ficou esbranquiçado como uma folha de papel. Era visível que ela estava se divertido às suas custas.

— Ah... — inalou, finalmente entendendo a questão. — Isso é apenas mais uma forma de fugir da atração que sente por mim. — pronunciou mordendo o canto do lábio, estava desconcertado. Ele tinha uma entonação diferente na voz. Certamente não queria ter ouvido aquilo. — Não esperava ouvir outra coisa da politicamente correta, Srta. White. — comentou com os dedos passeando nos cabelos, tirou a camisa que começava a incomodá-lo, mas sem desviar a atenção dela em nenhum momento. Mia olhava, agora, fixamente para seu abdômen e ele logo notou seu recente interesse. — Por que está me olhando assim? — indagou extremamente divertido e ela voltou a si no mesmo momento.

— Acho melhor eu ir embora e...

— Fica, por favor. — pediu aproximando minimamente seu corpo do dela e deslizou as mãos por seu quadril e acariciou sua cintura com as pontas dos dedos, encontrando o olhar dela em seguida.

— Para de me olhar assim... por favor, você não joga limpo. — protestou inconscientemente e ele fez-se de inocente, logo tatuou um semblante de falsa indignação em sua face.

— Mas eu não estou fazendo nada, estou me comportando piamente bem, Pirralha. — contrapôs deslizando os dedos por entre os cabelos molhados de suor e se afastou cuidadosamente dela que estudava cada uma das suas ações com cautela. Qualquer passo em falso e ela seria só sua.

— Não está fazendo nada?! — sibilou por entre os dentes cerrados, tentando não alterar a voz. Inacreditavelmente, Harry segurava a fisionomia séria em si. — Como você consegue ser assim... tão cínico? — ela o interrogou com os dentes cerrados, o moreno cessou seus passos e ficou cabisbaixo, algo que demorou segundos.

Alheio as suas palavras, Harry tomou posse da cintura da loira e confrontou seus quadris. Era incrível como ela era vulnerável a ele. Todo aquele papo de afastar-se, se anulava no momento em que ele lhe tocava o corpo. Como se Styles exercesse algum poder sobre ela. Lhe surpreendendo — como sempre —, Harry ergeu todo o seu cabelo, antes solto e fez um coque firme. A loira, que não entendeu sua ação, continuou imóvel e então, ele começou a dedilhar em seu pescoço, massageando-o. Aquilo era estranho, entretanto, muito prazeroso. Logo chegou a vez da sua face ser acariciada pelos longos e ásperos dedos do moreno.

— O que está fazendo, Harry? — indagou, ainda imóvel e ele segurou sua face entre as mãos.

— Me responderia uma pergunta íntima? — sua voz que sempre fora sedutora, agora estava bem mais, quase hipnotizante. — Responderia? — insistiu virando seu corpo e segurando o seu quadril por trás.

— Talvez... — gostaria de ter respondido um belo de um não, entretanto, não conseguiu. — Questione-me, porém, não prometo respostas. — pronunciou rindo com uma boba e foi em direção ao banco de madeira que estava logo à frente, sendo seguida por ele.

— Por que nunca foi pra cama com seu ex-namoradinho? — formulou a pergunta, sentando-se ao seu lado e o sorriso sumiu da sua face de Mia. Era incrível como ele conseguia estragar momentos bons entre eles. — Então? — insistiu por uma resposta e ela que estava de costas para o moreno, voltou seu corpo para trás, agora estava defronte para ele e furiosa.

— Não te interessa! — ralhou contra sua face e completou: — Realmente não te interessa e...

— Sim, me interessa e muitíssimo, Mia. — contrapôs batendo com o punho fechado no banco. — Vamos conversar abertamente.

— Por que age assim... comigo, Harry? — a pergunta em sua mente parecia mais sensata e não houve uma resposta da sua parte. — Por alguma razão, acredito que esse Harry badboy é apenas uma forma de fugir de você mesmo, do que tem medo?

— Agora é você que está falando de mim como se me conhecesse. — retrucou fitando seu sorriso acolhedor e então ele fechou os olhos. — Você só conhece um Harry Styles e por enquanto, as coisas devem permanecerem assim.

— Você é estranho... — mais descontraída, ela deu um tapa de leve em seu braço, isso foi o bastante para que ele puxasse-lhe para o seu colo. — É a primeira vez que conversamos assim, como duas pessoas civilizadas, por favor não estrague tudo. — pediu mexendo em seu cabelo, alinhando alguns fios.

— Gostaria de ser seu primeiro homem, Mia. — sussurrou em seu ouvido, bem baixinho e a mulher encolheu os ombros. — Isso é estranho, porque eu nunca liguei muito pra essas coisas. — ela inalou ab-ruptamente e fechou os olhos. — O Natan era um fodido de muita sorte e nem soube aproveitar ter você ao seu lado. — suspirou e Mia pôde sentir sua respiração quente batendo em seu pescoço.

— Essa conversa está mudando de rumo, não é? — murmurou inclinando a cabeça em sua direção e ele sorriu, enquanto lhe afagava os cabelos. — Acho que hoje eu conheci um pouquinho do outro Harry e ele é bem mais legal. Poderíamos ser... amigos.

— Não sirvo pra ser seu amigo, ao menos que a nossa amizade seja bem colorida, cheia de permissividades. — afirmou sem hesitar e seu semblante escureceu, de repente. — Ainda vou te mostrar que homens como eu, safados e experientes, são bem mais atrativos do que homens certinhos. — murmurou impulsivo, assim dando um nó na cabeça da mulher que o olhava extasiada.

Como era possível que ele mudasse sua personalidade em tão pouco tempo?

— Por exatos dois minutos, eu cheguei a acreditar que você tinha um coração, entretanto, percebo que me enganei, você é 99 por cento pervertido e esse 1 por cento referido ao seu lado legal, que sobrou, logo vai sumir. Voltou a ser o velho Harry insuportável de sempre. — resmungou enquanto saia de seus domínios e se posicionou em sua frente.

— Está louquinha por mim e ainda nem percebeu. — lhe provocou se ergeundo da cadeira e inclinou o corpo para frente, obrigando a outra a recuar.

— Existem homens bem mais interessantes que você, Styles, não seja prepotente! — disse em resposta a provocação e arqueou as sobrancelhas em sua direção.

— Mas nenhum deles faz você se arrepiar com um toque, — pousou as mãos em seu abdômen e dedilhou até a altura do busto de Mia, o bastante para que suas palavras se concretizassem, ela estava arrepiada. — nenhum deles te beija como eu te beijo. — sussurrou em seu ouvido e se inclinou mais para cima dela, tanto que para manter a distância, Mia acabou caindo no chão, trazendo Harry junto. — Me bateria se eu te beijasse agora?

— Sim! — articulou com ele sobre seu corpo e apertou os olhos, sentindo o ar lhe faltar, estava totalmente entregue ao momento.

— Ótimo! — murmurou e um segundo depois invadiu sua boca de forma violenta, ali mesmo, no chão quente da quadra de tênis, sem se importar em estarem em público, para Harry não era algo ruim, mas para ela sim. Experimentou cada pedacinho da sua boca, entre mordidas e encontros de línguas, ele conseguiu, em segundos, se excitar, deixando a outra também excitada. Passeando as mãos em suas coxas, ele ouviu um gemido baixo da loira, um incentivo a mais para continuar, deslizou as mãos para cima e parou bem na borda de sua saía. — Merda, se eu continuar, vamos acabar transando aqui. — pronunciou com a boca junto a dela e foi empurrado para o lado.

— Não devíamos ter feito isso. — afirmou cabisbaixa, sem conseguir olhar em volta e o outro se direcionou para seu lado.

— Relaxa, não fizemos nada de errado, Pirralha. — tentou amenizar seus temores e segurou seu queixo com as pontas dos dedos.

— Como não, se você tem namorada, Harry? — questionou e só então ele se deu conta de que ainda não havia dispensado Sienna, embora tivesse planos para fazê-lo mais tarde.

— Você não é a primeira que eu beijo mesmo estando namorando a Sienna. — comentou descontraído, com um sorriso devasso, mas se arrependeu de ter aberto a boca quando viu o olhar da garota escurecer, parecia irritada, até mesmo ofendida.

— Coitada da Sienna, não sabe o cretino que tem como namorado. — resmungou meneando a cabeça num sentido negativo e o sorriso de Harry se alargou. — Agora que já conseguiu me beijar, já pode ir caçar outra presa.

— Ah, Mia, se você soubesse como fica sexy quando está irritada. — afirmou prendendo os lábios entre os dentes e lhe jogou um beijo no ar. — Mas só pra você saber, nunca quase transei com ninguém nessa quadra, você quase foi a primeira. — comentou com seu humor renovado, deixando a outra incrédula de seu descaramento.

— Cretino! — resmungou recuando para o mais longe que conseguiu ficar dele e inalou com força.

—Preciso que...

Sem se permitir ouvir outra vez algo que ele já sabia, Harry a interrompeu de forma truculenta: — Não precisa se preocupar, vou te deixar sozinha e quando se der conta que está louca por mim, já sabe onde me encontrar. — murmurou com a voz mais branda, pegou a raquete do chão e se preparou para sair dali, mas antes, disse algo que daria um rumo novo a tudo: — Antes que se vá, só queria te dizer que eu estou apai...

Antes que Harry pudesse completar o raciocínio e falar algo que estava entalado em sua garganta, o rapaz foi interrompido justamente pela única pessoa que não queria ver naquele momento: Nate Price.

— Mia, querida. — a cumprimentou e ignorando o outro, puxou a garota para um abraço apertado. — Oi, Styles. — estendeu a mão para Harry que a muito custo a apertou, depositando força demais ali. — Sabia que iria te achar aqui. — afirmou, Nate lançando um olhar sedutor para a loira que a cada segundo se sentia mais desconfortável entre os dois. — São pra você. — o moreno ergueu um buquê de rosas azuis na altura dos olhos de Mia que sorriu desconcertada, voltando o corpo na direção do outro que encarava a situação com sarcasmo.

— Achei que estivesse de casamento marcado. — Harry alfinetou o outro que lançou um olhar sarcástico para ele.

Mia havia se anulado entre os dois, apenas os observava atentamente, rezando para que Nate fosse embora logo e tudo voltasse a fluir como antes.

— E estou, só que isso não me impede de ter amigas e Mia sempre será uma pessoa especial pra mim, sempre. — afirmou com toda atenção direcionada a ex-namorada que sequer pestanejava naquele momento e gostaria bastante de sumir.

— Para com isso, Harry. — a garota sussurrou em seu ouvido e apertou os olhos ao sentir as mãos do moreno em seu quadril. — Por favor. — praticamente suplicou e de forma instintiva se distanciou dele.

— Não percebe o que ele está fazendo? — sussurrou de volta para ela, bem próximo a sua boca e Nate sorriu com sarcasmo, sacudindo a cabeça num sentido negativo.

— Não estou fazendo nada, cara. — protestou simulando indignação, colocando a mão, propositalmente, em seu ombro e Harry apertou os olhos.

— Não toca em mim. — rosnou voltando o corpo para trás e o tom vibrante de sua voz fez Mia estreitar os olhos em sua direção, estava começando a se assustar.

— Podem parar, por favor?! — pediu em voz alta e ambos lhe encararam, surpresos com sua determinação. Geralmente ela era fofa, educada, comportamento de princesa e agora ela estava gritando no meio da quadra de tênis. Se não estivesse tão irritado, Harry a abraçaria e diria que estava orgulhoso pela sua falta de modos, no entanto, decidiu se calar, ao contrário do outro.

— Só estava...

Como Harry havia alertado para o que Nate não o tocasse e ele, propositalmente, havia tocado mais uma vez em seu ombro, não hesitou em acertar um soco bem no meio do seu rosto cínico, acertando em cheio seu septo nasal. Como havia sido pego de surpresa, Nate caiu quase desacordado no chão, segurando o nariz que sangrava de forma ininterrupta. Mia estava horrorizada com a atitude violenta de Harry e cobriu a boca com as mãos, do contrário, soltaria um grito ruidoso.

— Eu te avisei, cara. — disse em voz alta, sem se importar com os olhares desconfiados que recebia de pessoas que haviam parado para ver a confusão de perto, caminhando até ele que continuava caído no chão, mas antes que pudesse chegar até Nate, foi puxado para trás por Mia.

— Por que fez isso, Harry?! — ela questionou aos gritos e o segurou pelos braços, sentindo os olhos umedecendo conforme a raiva que apoderava-se do seu corpo.

— Não percebeu que ele estava me provocando?! — ricocheteou e ao tentar segurar suas mãos e tirá-la dali, como tanto queria, foi empurrado para o lado e estreitou os olhos vê-la seguir na direção do ex-namorado cara de pau.

— Você está bem, Nate?

O interrogou se sentando ao seu lado e o ajudou a se erguer, apoiando, parcialmente, o corpo dele em seus ombros e lançou um olhar mortífero para o outro que observava toda a cena se sentindo injustiçado, ele o provocara, Nate era o culpado por ter apanhado e não estava nem um pouco arrependido por ter acertado sua cara cínica, faria isso mais vezes se ele continuasse com suas malditas provocações.

— Preciso de ajuda pra chegar até o carro. — a voz esganiçada do rapaz que inclinava a cabeça para trás, para que o sague parasse de descer do seu nariz, ecoou nos ouvidos de Mia que o encarava assustada, ainda com ele apoiado sobre seu corpo. — Me acompanha até lá, por favor. — pediu alternando o olhar entre ela e Harry que continuava com seu olhar furtivo sobre ele, exatamente do jeito que Nate queria.

— Você não vai com ele a lugar nenhum, Mia. — afirmou Harry, puxando a garota pelo braço, entretanto, ela continuou onde estava, ignorando-o por completo, estava irritada demais para raciocinar direito. — Não pode ir com esse babaca.

— Você não manda em mim. — contrapôs sem olhar para trás e encolheu os ombros, sentindo-se pesada e triste por estar diante daquela situação, mas se Harry estava agindo daquela forma, ela agiria à mesma altura e equipararia as coisas. — Nate, eu te ajudo. — pronunciou após ponderar a respeito e começou a caminhar na direção contrária a que Harry estava, não conseguiria olhar para ele e continuar lhe ignorando como estava fazendo.

— O que aconteceu, Mia? — questionou, Babi surgindo na frente da amiga e observou a cara amassada de Nate que continuava com a cabeça inclinada para trás. Estava horrorizada.

— Pergunta pra ele. — retrucou olhando para trás uma última vez e fitou a figura aborrecida de Harry que meneava a cabeça num sentido negativo, incrédulo de sua atitude.

— O que você aprontou, Harry? — Louis indagou enquanto observavam Mia e Nate se afastarem, sumindo no ambiente seguinte. — Você acertou o nariz do Nate? — insistiu numa resposta e se arrependeu disso ao vê-lo em seu pior estado de ânimo, sabia que ele estava dando seu melhor para não fazer uma bobagem e colocar tudo a perder de vez.

— Ele me provocou. — argumentou em sua defesa e alternou o olhar entre o amigo e uma Bárbara Holmes completamente assustada. — Agora tanto faz. — murmurou entre dentes e arqueou os ombros, caminhando na direção contrária, sendo acompanhado pelos dois, que não o deixaria sozinho tão facilmente.

2h mais tarde, Mansão White;

Mesmo contrariado, Nate foi para um hospital cuidar da fratura do nariz e assim que soube que o ex-namorado estava bem, ela pegou um táxi e foi para casa descansar. Precisava descansar e esquecer tudo o que havia acontecido naquela tarde. Entrou no banheiro do quarto e se afundou na banheira, ficando lá até sentir-se dormente. Queria, a qualquer custo, esquecer a lembrança de Harry Styles socando o rosto de Nate. Sabia que seu ex havia provocado o outro, mas não era motivo suficiente para ele sair distribuindo gentilezas.

Pegou um roupão no armário e caminhou de volta para o quarto, sentando-se na borda da cama. Foi até as janelas do cômodo e as abriu para respirar um ar relativamente fresco. O celular emitiu um alerta vibratório em cima da cômoda. Na tela do aparelho, a foto de Bárbara, pensou em ignorar a chamada, no entanto, estava louca pra ter notícias de Harry e não se atreveria a ligar para ele. Encarou o celular entre os dedos, após um instante e decidiu aceitar a chamada:

— Oi, Babi. — murmurou indo em direção ao closet e pegou um par de roupas para se vestir e colocou o ar condicionado do quarto no máximo, embora não fizesse tanto calor como mais cedo. Sentou-se na cabeceira da cama e voltou a pegar o celular, levando-o até a altura do ouvido esquerdo.

— Precisa vir no racha e...

Cortou a amiga ao ouvir aquela palavra, "racha", sempre que aquela palavra era pronunciada, algo de ruim acontecia e não seria diferente daquela vez: — Nem pensar, nem morta. — pronunciou fechando os últimos botões da camisa de cor turquesa e sentou-se em frente a penteadeira, travando uma luta contra seu cabelo rebelde.

— Você não está entendendo, se você não chegar aqui logo, nosso amigo que vai acabar se matando e só você pode detê-lo — disse e pelo tom da voz, Mia soube que ela estava falando sério. Largou a escova e procurou um calçado para colocar nos pés.

— O que esse louco aprontou agora?

Ela questionou temerosa e novamente caminhou em direção as janelas do quarto, na esperança dele estar lá fora, mas não estava. Estava começando a se arrepender por ter lhe deixado sozinho, no entanto, Nate também precisava dela e sabia que o que havia acontecido, indiretamente, era culpa sua.

Começou a caminhar em circulos e encarou uma fotografia sua ao lado de Tom em cima da cômoda. Queria tanto se aconselhar com o irmão. Seu coração estava apertado. Segurou a fotografia entre as mãos e praguejou o momento em que colocou os pés para fora de casa, talvez se tivesse ficado, como Ava tanto pediu, nada daquilo estaria acontencedo. Caminhou de volta para onde havia deixado o celular e novamente o levou até os ouvidos, ouvindo a voz lasciva de Bárbara:

— Depois que você saiu com Nate, ele começou a beber feito louco e cismou que vai correr. — informou e ela pode ouvir um barulho estrondoso, semelhante a motores de motos do outro lado da linha e desabou na poltrona, absorvendo tudo o que acabara de ouvir.

— Droga! — praguejou irritada enquanto descia as escadas e foi em direção a cozinha da casa para falar com Ava, mas ela não estava lá, não estava em lugar nenhum.

— Você vem, né? — Bárbara questionou com medo da resposta da amiga e aguardou sua resposta, vendo Louis se exibir com sua HONDA vermelha envenenada.

— Chego aí em 15min. — afirmou enquanto procurava a empregada, porém, para sua frustação, ela não estava na casa, constatou, sendo assim, foi em direção a garagem subterrânea da mansão para falar com Maxi. — Tenta atrasar a corrida. — pediu, acenando para o motorista que prontamente começou a caminhar em sua direção.

— Acha que se eu tirar a roupa, vou conseguir atrasar a corrida? — sugeriu acenando para Louis que continuava sua exibição na pista, ele estava encantador, em contrapartida, mais a frente, Harry continuava a emborcar a garrafa de whisky na boca.

— Não se atreva, Babi. — seu tom de censura fez a outra revirar os olhos, sempre tão recatada, já ela queria apenas se sentir viva e ter aventuras para contar aos futuros filhos e talvez até netos, o pensamento era agradável.

Maxi havia estranhado o pedido da caçula White, no entanto, era discreto demais para questioná-la a respeito. Parou o carro na rua Gibson McLaren, paralela a rua que dava no lugar para prática de racha e a pedido da garota, ficou aguardando no carro. Não queria que ele presenciasse seu pior estado de ânimo.

Com os braços cruzados, Mia caminhou pelas vielas e cruzou num beco à esquerda. Estava escuro e maldito Harry, por sua culpa ela estava naquele lugar outra vez. Apressou o passo e avistou Bárbara próxima a um grupo de pessoas e parecia até está se divertindo. Sorria, erguia as mãos no ar, certamente havia bebido e Bárbara bêbada era um perigoso para a humanidade.

— Onde ele está? — questionou puxando Babi pelo braço e se afastaram do restante que estava ali, sinalizando com os olhos para que Louis ficasse onde estava e sem titubear, o outro obedeceu.

— Ali, com Matteo e Damon.

A loira apontou para a pista, onde haviam algumas motos alinhadas, provavelmente, as que iriam correr e ela o viu em cima de sua moto com as pernas esticadas e os braços cruzados. Se não estivesse tão irritada com ele, admitiria o quão sexy ele estava naquela posição.

Não hesitou em caminhar até ele com toda a rapidez que conseguiu, sendo seguida por Bárbara e Louis que não perderiam aquela discussão por nada. Na primeira motocicleta estava Damon, na segunda Harry e na terceira Matteo. Evitou olhar para os outros dois, já que não guardava boas lembranças de ambos e se posicionou na frente da moto de Harry com as mãos no quadril, visivelmente irritada.

— Você não vai correr nesse estado. — disparou exaltada e Harry estreitou os olhos para a garota, cruzando os braços à sua frente, firmando os lábios, totalmente alheio a sua irritação, afinal, também tinha motivos para estar irritado com ela.

— Achei que tivesse com seu ex. — pronunciou irônico e alternou o olhar entre a garota e os amigos bisbilhoteiros que estavam mais a frente.

— Vamos embora, Harry. — disse enquanto caminhava para seu lado, mas tinha noção de que não seria tão simples convencê-lo a desistir de correr, como ele tanto queria e isso a irritava mais.

— O que foi mesmo que você disse.... "você não manda em mim." — repetiu suas palavras de mais cedo, com a maldita lembrança dela indo embora com Nate se avivando em sua memória. Era doloroso pensar que ela preferia a companhia do ex-namorado ao invés da sua e não podia evitar sentir ciúmes daquilo. — Tudo que vai, volta, querida!

— Não seja infantil. — protestou elevando a voz e estreitou os olhos para Matteo que começava com sua maldita série de ataques de risos inconvenientes, como sempre, enquanto Louis, Bárbara e Damon pareciam ignorar tudo o que estavam ouvindo. — Vamos embora logo. — praticamente exigiu e encolheu os ombros ao vê-lo virar o rosto na direção contrária, como se não quisesse lhe ver e ele realmente não queria vê-la naquele momento, acabaria falando bobagens e se arrependeria mais tarde.

— Vá você, se quiser, eu vou correr. — contrapôs oscilando o tom da voz e pegou a garrafa de whisky que Matteo segurava, emboracando na boca, sentindo algo quente rascar sua garganta e revirar seu estômago. Precisava se anestesiar de alguma forma e como havia recusado a erva que Damon tinha lhe oferecido, só restava o álcool.

— Deixa de ser cabeça-dura, Harry, vai acabar se matando. — Louis decidiu intervir na situação, para a alegria de Mia e irritação do amigo que lhe fuzilava com os olhos. — Corro no seu lugar hoje. — propôs com esperanças dele desistir da corrida e Matteo fez um gesto obsceno em sua direção, nada satisfeito com o que acabara de ouvir.

— Eu vou com você, Louis. — disse Bárbara, eufórica, mas antes que pudesse subir na garupa de sua moto, foi puxada por Mia e ao julgar por seu semblante de preocupação, soube que ela não permitiria que concretizasse seu desejo.

— Você não vai correr com ele, Babi. — murmurou tentando apelar para o quase extinto bom senso da amiga e tomaram mais distância da motocicleta de Louis que estava se divertindo horrores, tirando o fato de Harry que insistia em correr completamente bêbado.

— Nem Bárbara, nem Louis, eu vou correr. — Harry contrapôs, encerrando a questão, olhando de soslaio para a Mia e ligou a moto, assim como Matteo e Damon.

— Tudo bem, mas se você correr, eu vou também. — disse, Louis decidido e também ligou sua moto, jogando um beijo no ar para Bárbara que sorria sem parar, ao contrário da outra que havia fechado a cara.

— Vamos correr os quatros. — Babi propôs, de repente, e recebeu olhares de repreensão vindos de todas as partes, arrependendo-se de ter aberto a boca. Enconlheu os ombros e bebericou sua vodka.

— Mia não vai correr, nem você Bárbara. — Louis contrapôs, estranhamente, sensato e alternou o lhar entre as garotas e Harry que observava toda a cena em silêncio, estava pensativo.

— Então ninguém corre. — Bárbara replicou, tomando o resto da bebida e recebeu uma cotovelada de Mia que estava incrédula acerca de tudo o que estava acontecendo.

A situação já havia fugido do seu controle, sendo assim, dançaria conforme a música que tocava e tocava Erik Grönwall - Higher, nada mau: "Então segure minha mão e nunca me deixe ir. Dê um salto de sorte para o desconhecido..."

Olhou em volta e seu olhar parou em Matteo, ou melhor, na moto do moreno que sorria devasso para ela, ignorando o olhar de censura de Harry Styles. Lembrou-se da primeira vez que pisou ali... Bom, naquela noite ela acabou parando no hospital, porém, agora seria diferente. Enfrentaria seu medo de frente.

Matteo pediu tantas vezes para que ela o acompanhasse, talvez tivesse chegado sua hora e se Harry queria guerra e estava agindo de forma infantil, ele teria guerra e também seria tratado com infantilidade. "Reciprocidade é a base de tudo." Lisa sempre lhe falava isso, seguiria o conselho da mãe, mesmo que de forma distorcida.

Alternou o olhar entre todos e mais uma vez mirou a moto de Matteo e sem pensar duas vezes, foi até ele, parando ao seu lado, para estranheza dos presentes. Precisou de mais alguns segundos para criar a coragem que precisava para seguir com a ideia que surgira, de repente, em sua mente perturbada.

— Matteo, posso correr com você?


Notas Finais


G-zuis!! Vocês gostaram? Não gostaram? Ahhhhhh eu to muito nervosa aqui, parece que meu coraçãozinho vai sair pulando pela boca.

Vocês devem tá p da vida com a Mia novamente, rsrsrsrs, e com esse final, rodou e rodou e voltou pro mesmo lugar, né? O relacionamento dos dois não será fácil, nem poderia ser, já que são opostos e desde o início vem se enfrentando.

Falando sério aqui, se puderem deixar suas opiniões, críticas, observações, eu vou ficar muito feliz, de verdade, então, vou tentar não pirar aqui. Não sumam, pls!!!


Vejo vocês no próximo capítulo? Espero que sim!!!
XxGehxX


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...