História Hate - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias One Piece
Personagens Koala, Monkey D. Luffy, Nami, Nefertari Vivi, Nico Robin, Personagens Originais, Portgas D. Ace, Roronoa Zoro, Sabo, Sanji, Viola
Tags Ace X Vivi, Luffy X Nami, Luna, Mihawk X Hancock, Sabo X Koala, Saboala, Sanji X Viola, Shanks X Makino, Viace, Zoeira, Zoro X Robin, Zorobin
Visualizações 76
Palavras 1.784
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


cheguei, tô prepara pra atacar~~
volteeei, tudo bom com vocês? eu tbm
beeem, vi que vocês gostaram da fic, já que teve cinco comentários CARALHO EU NÃO ESPERAVA NEM UM chorando de happy aqui
obrigada pelos cinco comentários e onze fav. szzz
depois que postar esse capítulo eu vou responder os comentários, eu costumo sempre responder depois que posto o prox. capítulo rs
eu vou dar alguns avisos aqui, já que no primeiro cap. só foi um teste pra ver se eu continuaria ou não, já que se flopasse eu fingiria que isso nunca tinha existido rsrs

● One Piece não me pertence e sim ao Oda, aquele fdp. Se fosse meu o bb Ace estaria vivo (DESGRAÇAAAAAAA)
● os personagens aqui podem ter a personalidade um pouco alterada, nunca faço fanfic's com a personalidade deles igual ao anime.
● os casais principais acho que vocês já sabem, mas de qualquer jeito vou falar: Ace × Vivi (otp) Nami × Luffy, Zoro × Robin e Sabo x Koala. Podem ir entrando outros casais ao decorrer da fic. Assim como mais personagens.
● fanfic de zoeira e romance, então esse é o foco principal. Conterá palavras de baixo calão e talvez Hentai (esse eu não sei, sou uma merda em fazer hentai)
● depois faço uma capa decente, tô com preguiça agora.
● não sei a data de lançamento de cap. tudo vai de acordo com minha criatividade, e acho que é só, se eu lembrar de algo eu edito dps.

ps: capa aleatória, apenas queria deixar claro que Ace é lindo, divo e pleno, amém.

é isto galera.
boa leitura e até o proxxx

Capítulo 2 - OPORA


Fanfic / Fanfiction Hate - Capítulo 2 - OPORA

— Eu não acredito que passei essa vergonha. — Vivi disse, chorando na mesa. — Vou me matar. — pegou uma colher e "enfiou" em seu estômago, caindo em cima da mesa logo em seguida, "morrendo".

Nefertari Vivi, a dramática, hoje nos cinemas.

Bom, depois que os três intrusos saíram do apartamento delas, Nami jogou Vivi no banheiro, quase matando a coitada a afogada por deixar a água do chuveiro cair bem na cara da azulada. Mas, pelo lado bom, ela tinha voltado ao normal. Normal do jeito dela, pelo menos.

E as três contaram a amiga tudo que ela fez em seu estado "pós-bêbada". Desde de gritar da janela do terceiro andar para que a possuíssem a babar no chão enquanto olhava para o "desconhecido gostosão". Vivi queira apenas ser um tatu, pois aí poderia se enterrar em um buraco e sair só depois de meses. Pelo menos pouparia de passar tanta vergonha. 

Já tinha se passada um bom tempo desde o incidente, e agora faltava menos de trinta minutos para que Nami e Vivi fossem para a boate, e a ruiva psicopata estava cogitando a idéia de degolar a Nefertari e depois desovar o corpo na casa dos malditos vizinhos. Nami já não tinha a dádiva da paciência, e quando abusam dela conseguia ter menos ainda.

— Tá, tá, tá. — Nami interrompeu a encenação da azulada. — Temos que ir pra One Piece, Vivi. Sabe que precisamos sempre chegar um pouco mais cedo.

— Oh, Nami! Cara Nami, o único lugar em que eu quero ir neste momento é o cemitério mais próximo, pois não desejo passar vergonha novamente nesta vida miserável...— fez uma pose dramática, se jogando no chão. 

Ainda bem que Vivi fazia faculdade de Artes Cênicas, pois ela seria realmente uma boa atriz. 

— PARA COM ESSA MERDA! SE VOCÊ NÃO PARAR EU VOU TE JOGAR DO TERCEIRO ANDAR! — Nami com uma aura demoníaca em sua volta, gritou.

— Vamos, por favor.  — Vivi logo se levantou, suado frio. 

As vezes Nami a assustava. 

Robin e Koala que apenas observavam a discussão, explodiram em risos. Não tinha nenhum ser vivo que não tinha medo de Nami, era um fato. A ruiva com certeza poderia ser o próprio diabo se quisesse, segundo Robin.

— Eu e Robin provavelmente vamos colar lá mais tarde. — disse Koala, olhando para as amigas.

— Não temos nada pra fazer mesmo. — concordou Robin. — Melhor beber pra morrer de cirrose daqui a alguns anos.

— Aí, credo, Robin. —— as três disseram em uníssono, batendo na mesinha de madeira três vezes.

— A gente já vai, até mais tarde. — disse Vivi dando um dos seus sorrisos.

— Não façam nada que eu faria, até mais. — Nami cantarolou e todas riam.

Logo, Nami e Vivi saíram da vista de Koala e Robin, deixando as duas olharam uma para outra, começar olhares cúmplices. 

— Som alto com funk enquanto nós arrumamos? — Koala perguntou, dando um sorrisinho suspeito.

— Exatamente! — Robin concordou prontamente.

Logo, elas ligaram o som no penúltimo volume colocando pra tocar Jogo do Amor de Mc Bruninho, enquanto se preparavam para ir a boate. Dançavam e cantava feito loucas. Ah não, 'pera. Elas não loucas.

(...)

— Nossa que bom gosto musical. — Sabo murmurou sarcasticamente.

— Que lixo. — o Roronoa grunhiu.

— Essas vizinhas tão uma porra. — Luffy imitou o meme, bufando.

Olharam para Ace esperando ele reclamar sobre a música ruim, mas quando olharam para o Portgas a reação foi completamente diferente. Ele estava cantando a música, e pelo que puderam perceber, ele sabia a letra de cor. O moreno chegou até a dançar. Uma visão não muito bela para os amigos. 

— ...que no lugar do coração da princesinha não existia nada... — e continuou dançando e cantando, sem se importar com os olhares incrédulos dos amigos. 

— Que visão do inferno! — Zoro tapou os olhos assim que Ace começou a rebolar.

— Por favor, Deus. Poupe-me de ver tal abominação. — Sabo se jogou no chão, num ato dramático digno de peças de teatro. 

— Tá, beleza. Quero carne. — Luffy ignorou todos, indo direto pra cozinha. — OPORA AQUI NÃO TEM CARNE! AQUI NÃO TEM NADA!

— Pelo amor de Deus, alimentem esse animal, não quero ser quase comido novamente. — Ace pediu, parando de rebolar.

— Vamos sair então. — Sabo deu a idéia.  — Não tem nenhum mercado aberto as nove da noite, e aproveitamos pra sair e conhecer a cidade. 

— Não, obrigada. Vou continuar dormindo. — Zoro virou para o lago, voltando a dormir.

— Tá bom, cabeça de alga, nos vamos em um bar beber enquanto você fica aqui dormindo. — Ace provocou e logo Zoro se levantou. 

— Eu ouvi beber? — prontamente se levantou, acordadissimo.

— Agora você quer ir né, seu cachaceiro?! — Sabo indagou, indignado.

— Mas é claro, cachaça é vida. — Zoro abriu um sorriso.

— MANO, VOCÊS NÃO ESTÃO ENTENDENDO A GRAVIDADE DA SITUAÇÃO! — Luffy gritou e as atenções foram todas para ele. — EU TÔ COM FOME, SE NÃO ME DEREM COMIDA EU VOU DAR A LOUCA, CARALHO!

— OPORA, HEIN! — Portgas gritou.  — Bora logo em algum lugar encher esse seu buraco negro. 

— E beber. — Zoro completou.

— Cala a boca. — Sabo rebateu.

Logo os quatro saíram do apartamento. Ace ainda dançou e cantou ao som de abusadamente, música que as vizinhas estavam ouvido. Enquanto isso, Sabo, Zoro e Luffy queriam se suicidar com essa visão horrível. 

O quarteto não fantástico desceu até o estacionamento para que Ace pegasse sua S10 para que eles fossem fazer alguma merda por aí, porque desses quatro só podemos esperar isso.

(...)

— Aqui está o pedido de vocês. — Vivi entregou a porção de batatas fritas e as tequilas ao grupo que estavam sentados na mesa.

— Obrigada. — agradeceu um deles e Vivi apenas sorriu, se retirando logo de seguida.

— Aqui sua cerveja. — Nami entregou a bebida ao cliente.

— Obrigada. 

— Hoje tá cheio, hein. — Vivi comentou observando o lugar cheio de pessoas.

— O que significa mais gorjeta. — Nami falou feliz, tendo seus olhos transformados mas grandes "B's". 

— Você só pensa em dinheiro, credo. — Vivi resmungou sorrindo.

— Mas é claro, dinheiro é uma dádiva. — Nami cantarolou, feliz.

Vivi apenas revirou os olhos, vendo um grupo de garotos chegando e se sentando.

— Parece que chegou mais gente. — Vivi murmurou. — É hoje que minhas pernas caem. — disse indo em direção a mesa.

— E que meus bolsos enchem. — A azulada não pode deixar de escutar.

Assim que se aproximou o suficiente da mesa, a Nefertari teve a impressão de já tê-los visto, mas resolveu esquecer. Não se lembrava de ver tais deuses gregos em sua vida.

— Boa noite! — abriu um sorriso, atraindo a atenção do grupo.  — O que desejam essa noite, belos senhores?

Dois morenos e um loiro começaram a encarar sem nem piscar, enquanto o cara de cabelos verdes estava quase dormindo. Vivi estreitou os olhos, arqueando a sobrancelha. Não conhecia nenhum deles, não é? 

— Hellooo...— Vivi tentou chamar a atenção deles.

Deu mais ou menos certo, pois o loiro e o moreno pararam de a encarar fixamente, diferente do moreno que ela suspeitava que tinha algumas sardas. Esse a encarava sem nem mesmo piscar. Parecia algum tipo de psicopata.

— Espera aí, você não é a garota que gritou da janela do terceiro andar "ME POSSUA SEU DESCONHECIDO GOSTOSÃO" hoje de manhã? — o sardento finalmente falou algo, para a infelicidade de Vivi.

A garota paralisou. Se ele sabia da vergonha que ela tinha passado de manhã, ele era um dos caras que estava  se mudando. Seguindo a lógica, Vivi deduziu que esses quatro eram os vizinhos de hoje de manhã. Ela ficou branca.  Se esses eram mesmo eles, eles viam a tampa vergonha. 

De susto e choque, ela caiu dura ali mesmo. Ela não suportaria tamanha vergonha. 

— MEU DEUS DO CÉU! — Ace, que estava sentando na cadeira ao lado da azulada, conseguiu segurar a garota antes que ela se espatifasse no chão. 

— Eita porra! — Sabo e Luffy gritaram, atônitos.

Enquanto isso, Zoro dormia tranquilamente, não notando o tumulto a sua volta. Ele estava tendo sonhos bons demais para acordar agora, mesmo que não estivesse em sua casa e sim num lugar público e cheio de gente. Mas vamos relevar, é o Zoro, e o Zoro faz zorices.

Ao notar o tumulto de pessoas em somente uma mesa, Nami foi verificar o que havia acontecido, pronta pra rumar um taco de basebol na cara de qualquer um.

— Que porra é essa?! — Nami questionou, correndo até a amiga.

— Meu Deus! É O demônio daquela hora! — Luffy correu para detrás de Sabo, morrendo de medo.

— Nami? — Sabo a olhou surpreso. — Trabalha aqui?

— Sim, e você está fazendo o que aqui mesmo?

— QUEM SE IMPORTA CARALHO! TEM UMA GAROTA DESMAIADA AQUI NO MEU COLO, OPORA! — Ace gritou, com uma Vivi desmaiada dramaticamente em seu colo.

— Ah, é. — Nami pareceu se lembrar. — Deve ser porque a viu vocês. Você aí que eu não sei o nome, leva ela para o quarto lá dentro.

— Meu nome é Ace.

— Tanto faz. — deu de ombros. — Entra por aquela porta. Fica com ela até acordar, eu não posso sair daqui. 

— Ô, meu Deus. — Ace resmungou, fazendo o que Nami tinha "pedido".

— Por quê você está com um taco de basebol? — Zoro que já tinha acordado graças aos gritos de Ace, perguntou. 

— Eu achei que teria que matar alguém. — Nami deu de ombros, como se estivesse falando algo normal. 

— QUE — Zoro gritou, assustado. 

— Essa é minha prima camarada, se acostume. — Sabo disse, balançando a cabeça negativamente.

— Certo, mas qual vai ser o pedido de vocês? Tenho mais o que fazer. 

— CARNE! — Luffy brotou, dando um berro no ouvido da ruiva.

— OPORA! NÃO PRECISA GRITAR! — retrucou. — Só isso?

— BEBIDAS! — Zoro também gritou. 

— EU VOU TACAR ESSE TACO SE BASEBOL NA CARA DE VOCÊS! — ameaçou, irritada.  — Só isso? E não se atreva a gritarem no meu ouvido de novo.

— Traz uma porção também.  — Sabo disse calmamente. 

— Certo, certo. — disse. — Infelizmente não vou conter um homicídio hoje, que triste. — murmurou enquanto voltava para o balcão. 

— Nunca pensaram em internar essa louca?  — Zoro comentou, vendo Nami guardar o taco de basebol debaixo do caixa.

— Não, mas vou pensar nesse caso. — Sabo respondeu com ar pensativo. 

— Carne...— Luffy disse de maneira aleatória. 

A noite hoje renderia, ainda mais quando duas amigas desceram do táxi, belas, lindas e plenas indo em direção a boate onde esqueceriam seus nomes depois de beber tanto (pelo menos uma ruiva).


Notas Finais


até rsrs
eu não reviso, se tiver algum erro me avisem
bjosss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...