1. Spirit Fanfics >
  2. Hate and love >
  3. Capítulo 30

História Hate and love - Capítulo 31


Escrita por:


Notas do Autor


Um capítulo para animar o domingo de vocês, haha.
Boa leitura. ❤

Capítulo 31 - Capítulo 30


Fanfic / Fanfiction Hate and love - Capítulo 31 - Capítulo 30

P.V.O Justin

Tomo meu refrigerante observando Chaz todo babão com Liz. Pois é, Bella nos obrigou a beber somente refrigerante, sem bebida alcoólica na festinha da filha dela.

-- Vem Justin, sua vez de tirar foto. - Bella me chama e eu me levanto. -- Pega a Liz.

Chaz me entrega a mesma e eu seguro com todo cuidado do mundo, mesmo não tendo muito jeito para segurar bebês, pois tenho medo de machucá-los. Me viro para o pessoal sorrindo e Bella bate a foto.

-- Sammy, vai lá. - ela pede para a irmã. -- E nem adianta fazer essa cara, vocês são os padrinhos dela.

Sammy revira os olhos e vem.

-- Quer segurar?. - pergunto para a mesma.

-- Acho que se mexer nela, ela pode chorar. - ela diz e de fato Liz quando é incomodada não mede esforços para mostrar o quão forte seus pulmões são.

-- Junta mais, Sammy. - Ryan pede e ela lança um dedo do meio para ele.

-- Sammy!. - Richard a repreende e ela rir.

Ela se aproxima e passa o braço na minha cintura. Bella bate a foto.

Saímos do meio da decoração e quando vou devolver Liz, recebo uma bela gofada.

-- Puta que pariu, isso fede pra cassete. - digo virando meu rosto.

-- Boa filha, batizou o padrinho. - Chaz diz rindo e pegando a mesma. -- A princesinha do papai é a melhor. Vai lá no meu quarto e pega uma camisa.

Bella me entrega um guardanapo e eu tento tirar o excesso, só que quanto mas mexo, mas o cheiro fica pior. Abro a porta do quarto deles e vou até o guarda-roupa, pegando uma camisa e uma toalha também, pois preciso de um banho.

Ligo o registro e entro no box, mas percebo que o sabonete tinha acabado. Porra, hoje literalmente não é o meu dia. Fecho o registro e enrolo a toalha na minha cintura, abrindo a porta do quarto e indo até uma gaveta, procurar um sabonete. Acho o mesmo e fecho a gaveta, justamente quando a porta se abre. Me levanto e encaro Sammy, que me olhava de cima a baixo.

-- Perdeu alguma coisa?. - pergunto para a mesma que me encarava.

-- Não, vim buscar uma roupinha para Liz. - ela diz indo até a gaveta da mesma.

Sammy puxa um macacão e fecha a gaveta, se virando.

-- Acho melhor você se apressar, Bella vai partir o bolo logo. - ela fala.

-- Vou descer daqui a pouco. - falo me virando e indo em direção ao banheiro.

-- Bieber?. - me viro e vejo ela a centímetros de mim. -- Me beija.

Fico surpreso, mas não perco tempo e agarro a mesma. Ela segura firme em meu pescoço e eu a prendo na parede.

Mordo seu lábio superior e ela geme.

-- Acho...melhor...descer. - ela diz entre o beijo.

Dou um selinho nela e a solto.

-- Toma banho direito, hein. - ela diz rindo e eu dou o dedo do meio.

Entro no banheiro e tomo meu banho.

Depois de ajeitar meu cabelo, eu desço.

-- Porra, achei que tivesse morrido. - Ryan diz me olhando com um ar de deboche.

-- Cala a boca. - digo em sussurro.

--~~--

Estaciono meu carro na entrada da casa do presidente. Abro a porta e vou até o porta-malas pegar sua cadeira de rodas, o ajudando a se sentar nela logo em seguida.

-- Obrigado. - ele diz. -- Não vejo a hora de voltar a ser independe, tô me sentindo um inválido.

-- Logo você vai tirar esse gesso, pai. - Sammy fala. -- Falta só mais um mês, e até lá o senhor tem que se comportar.

-- Precisam de ajuda para entrar?. - pergunto.

-- Não é necessário, não quero te amolar mais. - Richard fala. -- Obrigado mais uma vez.

Ele coloca as mãos na roda da cadeira, mas antes de ir se vira para Sammy.

-- Não demore para entrar. - ele diz isso e sai.

Observo ele tocar a campanhia e quando a porta se abre ele entra.

-- Precisamos conversar de verdade. - Sammy diz me encarando.

-- Sobre o beijo?. - pergunto e ela concorda.

-- Bieber, eu não quero brincar com você. - ela fala e solta um suspiro.

-- Então não brinca, apenas dê uma chance para nós, eu posso te mostrar que é possível ser feliz com alguém. - falo.

-- Não, eu já disse que não posso. - ela diz. -- Então para o nosso bem, é melhor nos afastarmos.

Eu a encaro sem dizer nada.

-- Obrigada por tudo, mas a partir de hoje, é cada um no seu canto. - dito isso, ela se vira e vai embora.

Então é assim? Eu fui dispensado duas vezes. Quer saber? Eu cansei de insistir em uma pessoa que não quer nada sério, eu não vou ficar me rastejando por ela, eu sou o Justin Bieber, o cara que nunca precisou disso, o cara que sempre teve quem quisesse e na hora que quisesse, e já está na hora dele voltar.

Entro no carro e sigo em direção a minha casa.

--~~--

Entro no refeitório e pego meu lanche, seguindo para a mesa onde Ryan estava.

-- Eai, mano. - Ryan me cumprimenta.

-- Boate hoje?. - pergunto e ele me olha espantado. -- Qual foi Butler, vai dar pra trás?

-- Jamais!. - ele diz. -- Fechado.

Tomo um pouco de suco e vejo Sammy passando com Henry. A encaro e ela me olha, mas logo trata de desviar o olhar.

-- Clima tá tenso entre vocês. - Ryan fala observando. -- Até ontem estava brincando e hoje tá assim, o que rolou?

-- Não rolou, é isso. - digo. -- Cansei de correr atrás, vou voltar a ativa, avisa que o velho Bieber tá de volta.

Ele não diz nada.

Observo um burburinho e olho para o lado, vendo que duas meninas estavam discutindo. Vejo Sammy e Emelly e quando pisco, a mesma taca um copo de suco na Emelly.

-- Caralho. - Ryan levanta rápido e eu vou junto.

Uma rodinha se forma enquanto Sammy derruba a mesma no chão e bate com força.

-- EU TE AVISEI QUE AQUELA COVARDIA NÃO IA FICAR IMPUNE. - a Smith grita. -- VAMOS LÁ SUA GALINHA, CADÊ A MULHER QUE SE DIZ FAZER AS COISAS? NÃO EXISTE, NÉ? VOCÊ NÃO PASSA DE UMA DISSIMULADA, MAL CARÁTER E MAL AMADA.

Ninguém movia um dedo para apartar a briga, na verdade estavam filmando tudo.

-- PAREM AGORA!. - meu pai chega gritando e puxando Sammy de cima da Emelly.

A esquentadinha estava segurando uma boa quantidade de cabelo loiro em sua mão.

-- Ela vai ter que fazer um implante. - Ryan comenta rindo.

-- Minha escola não é um ringue para duas garotas ficarem se atracando. - meu pai fala. -- As duas agora para a minha sala, e sem dar um piu.

Andrew ajuda Emelly a se levantar, a mesma estava com o cabelo todo bagunçado, com o rosto todo vermelho e com arranhões. Elas seguem o meu pai.

-- Caralho, Emelly levou a coça do século. - Chris diz rindo.

-- Bem feito, apanhou foi pouco. - digo voltando para o meu lugar.

-- Ué, não vai ver se a Sammy está bem?. - Chris pergunta.

-- Ela não é mas criança, sabe se virar sozinha. - digo. -- Agora pode parar de tocar no nome dela, por favor?

-- Desencana mano, ele voltou a ser o Bieber gelado. - Ryan fala.

P.O.V Sammy

Estou aqui sentada na cadeira do escritório do meu pai, esperando o castigo. 

-- Espero que isso não se repita, eu não criei você para sair se atracando assim com alguém. - ele diz.

-- Pai, quando você diz dessa forma, parece que eu beijei ela. - digo e ele me olha furioso. -- Pode mandar o castigo, tô preparada.

-- Não tem castigo. - ele diz e eu olho para ele espantada. -- Eu não aprovei essa sua atitude, porém essa menina agiu na covardia com você.

Me levanto rindo e o abraço.

-- Você é o melhor pai do mundo. - digo.

Alguém bate na porta e vejo Bella entrando com Liz.

-- Reunião de família e não me chamaram?. - ela pergunta.

-- Filha. - meu pai sorri.

Ela vai até ele e o abraça de lado.

-- Me dá aqui essa bebê. - digo pegando a Liz. -- Oi bebê da titia. 

-- Vamos visitar nossa mãe que horas?. - Bella pergunta.

-- Já estávamos de saída. - meu pai responde.

Minha irmã o ajuda empurrando a cadeira, enquanto eu sigo com Liz no colo. O novo motorista guarda a cadeira de rodas do meu pai e Bella coloca Liz no bebê conforto.

Seguimos em direção ao hospital.

Assim que chegamos, entramos juntos no quarto da minha mãe.

-- Olha quem veio visitar a vovó. - Bella diz mesmo sabendo que minha mãe não nos ouvia. Mas nós nunca deixamos de conversar com ela.

--~~--

Depois de ter voltado do hospital, fiquei o dia todo deitada no meu quarto, até receber uma mensagem do Henry me chamando para ir em uma boate. Foi um sacrifício convencer meu pai, óbvio que eu não disse que seria uma boate e sim uma pequena social.

-- Sem confusão, hein mocinha. - ele diz quando passo em seu quarto.

-- Seu desejo é uma ordem. - digo o abraçando. -- Te amo.

-- Também te amo. - dito isso, sigo para a porta do quarto e fecho a mesma.

Assim que o táxi para na entrada, vejo meu amigo em pé.

-- Oi bebê. - o abraço.

-- Achei que iria mofar aqui. - ele diz fazendo o mesmo drama de sempre. -- Aqui, use isso.

Ele me entrega uma identidade falsa.

-- O filho do chefe de polícia falsificando identidade? Eu nasci pra vê isso. - digo rindo.

-- Cala a boca, peste. - ele fala. -- Só alterei sua idade, até porque aqui eles nem perdem tempo olhando para o rosto da pessoa, só olha a idade e libera.

Ele segura minha mão e me leva para a fila. Como em lugares assim existe muitos caras engraçadinhos, Henry me coloca em sua frente segurando minha cintura. Chega nossa vez e eu entrego minha identidade, adentrando em seguida na boate. A música alta, pessoas dançando, os jogos de luzes, era disso que eu estava precisando.

-- Bebida?. - Henry pergunta perto do meu ouvido.

-- Com toda certeza. - falo.

Seguro na mão dele entrelaçando nossos dedos e o arrasto até o bar.

-- Quatro doses de shot. - peço ao barman.

Ele coloca os copos no balcão e dois limões partido no meio. Henry pega um copo e eu pego outro. Coloco sal na boca, chupo o limão e reviro o shot, vendo Henry fazer a mesma coisa. Repito o processo mais uma vez.

-- Caralho, desceu queimando. - ele diz e eu rio.

-- Pista de dança?. - pergunto e ele concorda.

O arrasto para a pista de dança.

Inicia uma outra música agitada e eu começo a dançar com meu amigo. Henry pula comigo, jogando os braços para cima e rindo. Percebo que tinha duas garotas olhando em nossa direção.

-- Você tá chamando atenção. - digo um pouco alto por causa da música.

Ele olha na direção que indico e as duas acenam.

-- Hoje eu vim curtir com você. - fala.

-- Não senhor, se você tá solteiro você precisa curtir. - digo.

Infelizmente ele e Hannah terminaram o namoro, pelo o que meu amigo disse, ela estava saindo com outro cara.

-- Vai lá, Johnson. - digo empurrando ele.

-- Não vai embora sem mim. - ele pede e eu concordo.

Ele se aproxima das meninas e eu vou até o bar, pegando uma outra bebida. Olho pela boate e vejo um ser conhecido. Bieber estava com duas garotas, uma de cada lado. E depois ainda dizia que gostava de mim.

Viro a bebida e me aproximo de onde ele estava, já que Ryan e Chris estavam juntos.

-- Olá. - digo e eles me olham surpresos.

-- Olhos azuis. - Ryan diz e vem me abraçar. -- O que você tá fazendo perdida aqui sozinha?

-- Não estou sozinha, Henry está ali. - aponto para onde meu amigo estava, mas o safado não tá mais. -- Ok, Henry tá por ai com duas garotas.

-- E te deixou sozinha?. - Chris pergunta.

-- Na verdade eu despachei ele. - digo.

Bieber me encara e eu encaro de volta, dando um sorrisinho forçado. O mesmo bufa e leva as duas galinhas com ele.

-- Pode ficar com a gente se quiser. - Ryan fala.

Chris vê uma menina e vai atrás.

-- Comigo então, já que mais um soldado foi abatido. - ele diz rindo.

-- Até parece que não te conheço, Butler, primeiro rabo de saia dando mole e você vai. - digo rindo.

-- Hey, eu sei ser companheiro também. - ele fala. -- Vem, vamos para o bar.

Ele me puxa. O barman deve tá enjoado da minha cara. Assim que me aproximo, ele vem nos atender.

-- Mais um shot?. - ele pergunta lançando um sorriso. Puta que pariu, que sorriso.

-- Vou querer uma vodka. - falo e ele concorda.

Ryan pega uma também e se vira para mim.

-- Ele quer te pegar. - ele diz isso e toma um gole da vodka.

-- Talvez eu pegue ele no final. - digo rindo.

-- Ele é mais velho que você, talvez bem mas velho. - ele fala.

-- Mais velho quer dizer mais experiente. - digo rindo e bebendo minha bebida.

Observo Bieber com as meninas, uma estava sentada em seu colo enquanto beijava seu pescoço, e a outra ele estava atracando.

-- Porra. - Ryan diz ajeitando o seu amigo na calça.

Eu começo a rir.

-- Pervertido. - digo.

-- Me respeita, Smith. - ele diz.

-- Vai caçar um rabo de saia, vai. - falo. -- Isso tá ficando constrangedor já.

-- Não quer resolver o problema?. - ele pergunta debochado.

-- Não Ryan, vaza. - falo e ele sai rindo atrás de alguma menina.

Me viro para o balcão e o barman se aproxima.

-- Sozinha?. - ele pergunta.

-- Meus amigos não sabem manter o amiguinho deles nas calças. - falo.

-- Entendo bem, as vezes é complicado. - ele fala sorrindo. -- Prazer, Giovanni.

-- Italiano?. - pergunto e ele concorda. -- Sou Sammy.

-- Eu sei quem você é. - ele diz sorrindo. -- Mas creio que não tem idade suficiente para estar aqui.

-- Infelizmente maioridade só com vinte e um, né. - digo. -- Mas mata a minha curiosidade, qual sua idade?

-- Vinte e três. - ele responde.

Sorrio.

-- Mais uma bebida? Por minha conta. - ele diz. 

-- Meu pai me ensinou a não aceitar bebidas de estranho. - digo.

-- Touché. Senhor presidente tem total razão, porém eu já disse meu nome, então não sou mas um estranho. - ele fala. -- Mas para te deixar confortável, vou preparar na sua frente.

Ele se afasta e pega umas bebidas, misturando e fazendo ficar azul.

-- Uma lagoa azul para a pessoa dos olhos azuis mais lindos que já vi. - ele me entrega.

-- Obrigada. - digo sorrindo e bebendo um pouco. -- Maravilhosa.

Um cara chega no bar e o chama.

-- Meu turno termina as uma, se quiser podemos curtir a festa um pouco. - ele fala.

-- Estarei te esperando, Giovanni. - digo e ele sorri, indo atender o cara.

Observo a galera dançar enquanto tomo minha bebida tranquilamente.

-- Curtindo a festa?. - alguém se aproxima e vejo ser Bieber.

-- Muito, mas a atração principal vem daqui a pouco. - digo e olho no meu relógio, vendo que já era uma da manhã.

Vejo Giovanni vindo em minha direção e sorrio. Observo Bieber trancando a cara. Ele olha uma menina passando e vai atrás. 

-- Demorei?. - ele pergunta.

-- Na hora certa. - falo sorrindo. -- Pista de dança?

-- Você que manda. - ele diz e seguimos para a pista.

Começo a dançar e percebo que ele dançava super bem. Ele se aproxima sorrindo e eu passo a mão em seu abdômen.

-- Seria errado eu te beijar aqui e agora? É porque você tá sendo uma tentação. - ele diz perto do meu ouvido, por conta da música alta.

-- Seria errado se você não me beijasse. - falo e ele sorri, me puxando pela cintura. Que pegada.

Giovanni toma iniciativa e me beija. Passo meus braços pelo seu pescoço e o beijo mais, ele beija super bem. Ele vai apertando minha cintura e vou tentando quebrar qualquer espaço que exista entre nós. 

Com outra música agitada, as pessoas começam a pular e acabam nos esbarrando.

-- Tem algum lugar reservado?. - pergunto e ele concorda me levando para um corredor vazio.

Encosto na parede e o puxo para outro beijo. Giovanni passa a mão pelo meu corpo.

-- Se quiser, podemos parar por aqui. - ele diz beijando meu pescoço. -- Não quero apressar as coisas ou te deixar desconfortável.

-- Eu quero isso, tanto quanto você. - falo e ele volta a me beijar.

Bieber tem atormentado minha mente, mas garanto que Giovanni vai resolver isso.


Notas Finais


Esse da foto é o Giovanni, o barman. 🤤
Parece que o Bieber seguiu a vida, hein.
Até o próximo capítulo amores. 😘❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...