1. Spirit Fanfics >
  2. Hazbin Hotel (interativa) >
  3. Uma briga marcada.

História Hazbin Hotel (interativa) - Capítulo 18



Notas do Autor


Cap escrito por: @ThiagoOsnf

Capítulo 18 - Uma briga marcada.


Fanfic / Fanfiction Hazbin Hotel (interativa) - Capítulo 18 - Uma briga marcada.

Pov on Elias. 

 

Após muito tempo, eu finalmente consigo limpar todo o sangue junto com a faxineira – o seu nome era Miss fortune. Ela me contou tudo sobre ela nesse meio tempo, ela me contou que era uma simples empregada que acabou tendo decisões horríveis na vida dela, o que a fez se tornar uma pirata... Sim, isso mesmo. Ela é dos tempos das grandes navegações, ela parece totalmente apaixonada pelo mar. Nós dois estamos bebendo todo o resto do licor do bar. 

- Então... O meu capitão falou “Fiquem seguros!”, eu gostaria de ter ouvido aquele bostinha – Zombou Miss Fortune com um olhar calmo – Agora sou faxineira desse local, quero minha redenção por si mesma. 

- Hmm...? 

- A mudança vem de nós mesmos, as pessoas que querem realmente mudar, já começam a mudar seus hábitos e eu estou mudando isso já faz um tempo – Falou Miss fortune com um suspiro, o que me fez acenar com a cabeça – Todos acreditam que eu morri no extermínio... 

- Por que...? Você falsificou sua morte? 

- Nah, eu não te contei isso... Porém eu tinha uma irmã gêmea - A mesma ficou quieta e não precisou falar mais nada para eu saber do que se tratava, eu apenas aceno com a cabeça em conhecimento e Miss fortune dá um pequeno, envergonhado e sem graça sorriso. 

- Há algo que queira saber sobre mim? Você sempre está contando histórias e mais histórias... Me sinto um pouco mal com isso. 

- Sim, se puder me contar algo... - Eu a encarei por alguns segundos, tinha apenas uma história que eu gostaria de contar... - Sem pressão, se não quiser... 

- Eu irei... Eu juro – Falo e logo, viro um copo, o que faz Miss Fortune bater palmas irônicas – Bom, eu era um poeta quando vivo... Eu geralmente fazia poesias sobre a vida, questionava a liberdade que não tenho... E foi assim que surgiu Rapunzel. 

- QUE? 

- Brincadeira, eu parei de ser poeta quando a fase gótica passou... Pelo menos um pouco, eu realmente não tenho histórias legais para contar – Suspiro. 

- Bullyng? Roubando algo? Suspenso? Expulso? Qualquer coisa do tipo? - Nego todas as coisas que ela falou. 

- Tá ligado, mano... Eu estou muito confusa, tipo, como você não passou por nada disso? - Perguntou Miss Fortune um pouco impressionada. 

- Bom, uma coisa pelo menos alguém sabia fazer: Me proteger de qualquer tipo dessas coisas, a punição disso era uma das piores e desumanas - Não dou muita informação, porém Miss Fortune parece entender o recado, após isso me despeço dela e vou embora de Santo Berço, caminhando até a minha casa. 

Eu recebi uma ligação quando fiquei próximo de casa, era Dark-Hoo, ele contava animadamente como foi seu dia e que havia se juntado ao Hazbin Hotel... Eu não poderia me sentir mais feliz em ouvi-lo assim, parece que o dia dele foi cheio. 

Mas tudo o que é bom, uma hora acaba, certo? O sentimento de alívio, o sentimento de felicidade após ter um encontro horrível, seguido de um momento feliz e agora... Isso. 

Bom, o que aconteceu? Simples, minha “irmã” - a mesma que mandou me matar - está na minha casa, me encarando com um olhar suave e hesitação E SENTADA NO MEU SOFÁ-, ela parecia perdida e confusa...? Que chatice... Por que a deixaram vir aqui dessa forma? Sim, eu sei que minha irmã é uma Overlord, mas poderiam respeitar meu espaço pessoal? 

- Irmão... - Ela finalmente se pronunciou após alguns minutos e se levantou do meu sofá, caminhando até mim - É tão bom finalmente te encontrar. 

- Acredito em você - Zombo de forma séria - Saia daqui sua presença não é bem-vinda e nem permitida aqui. 

- Irmão... O que aconteceu contigo? - O tom dela abaixou levemente enquanto suas mãos flutuantes voavam para meu rosto tentando tocá-lo, eu simplesmente respondo com um rosnar – O que raios aconteceu?! - O tom dela aumentou muito, ela encarou o nada antes de me encarar novamente - Irmão, não importa o que tenha acontecido, eu estou feliz de te reencontrar. 

A cada palavra que ela fala, sinto uma fúria crescer dentro de mim... Rek’sai quer sair e rasgar a cara dela, Rek’sai quer tanto isso que sinto que ela já quer destruir a casa... E eu não posso controlá-la, não demorou muito para minha transformação começar e Caitlyn continuou me encarando, fez nada. 

Então, eu vou para debaixo da madeira da minha casa, ficando invisível para a Caitlyn que apenas encara onde eu tinha saído, eu joguei uma pedra nela... Nada aconteceu, eu criei um túnel para sair debaixo dela e eu comecei a morder e arranhá-la. 

NADA ACONTECEU! Eu resolvi utilizar um ataque maneiro, rosnei, chamando criaturas parecidas comigo, porém menores e eu me joguei para cima de Caitlyn, mordendo, arranhando junto com as outras criaturas... E ela virou espuma, sujando todo o chão e fazendo com que um certo líquido amarelo começasse a escorrer. 

Eu não sou burro, Rek’sai consegue identificar pessoas que estão invisíveis, fico debaixo da madeira novamente e vejo que a mesma estava parada bem perto da estante, ficando visível segundos depois. 

- Poções são o máximo, não são? - Perguntou Caitlyn me fazer rosnar novamente - Não sei o que aconteceu para você me odiar, Elias... Apenas saiba que sempre estarei de braços abertos para você. 

- SAIA – A voz de Rek’sai era tenebrosa, ela tinha um tom pesado e nobre, os pequenos rosnados e gritos... Parecia que a Rek’sai era aquela que tinha a voz mais grossa e tenebrosa – AGORA. 

- Se é assim que prefere, irmão... - Rosno novamente e Caitlyn me encarou – Iremos lutar realmente em breve, não quero destruir sua casa. Você está com alguns amigos novos certo? O que acha de convidá-los para ver você apanhando, queridinho?

Saia. 

- Você está me pedindo para sair por causa de algo que você acha que aconteceu, mas não quer me dizer o que é... Você está agindo utilizando a ignorância contra mim, ignorando tudo o que eu falar... - Analisou Caitlyn com um sorriso no rosto - Você está sendo imbecil... Deixarei tudo para a nossa real batalha, irmão - Outro rosnado, que causou nada - Você sabe onde eu quero que me encontre... Até mais tarde, irmãozinho. 

Quando Caitlyn finalmente saiu, senti um peso abaixar, eu me destranformei de Rek’sai e encarei o chão, pensativo... Eu iria batalhar contra ela, não importa o que aconteça. 


Notas Finais


Sim, Elias nunca teve relacionamentos amorosos.



yay-

Miss Fortune pode ser uma "faxineira", porém ela É fatal.
Elias e May não estão no Hotel ou entram em contato direto com eles, TALVEZ continuaram assim.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...